Projectocurricular
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Projectocurricular

on

  • 496 views

 

Statistics

Views

Total Views
496
Slideshare-icon Views on SlideShare
439
Embed Views
57

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

1 Embed 57

http://docsbib-argoncilhe.blogspot.pt 57

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Projectocurricular Projectocurricular Document Transcript

    • Projecto Curricular de Agrupamento Projecto Curricular doAgrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007 - 2010 1 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de AgrupamentoÍndiceÍndice ...................................................................................................................................... 2Introdução ............................................................................................................................... 41. Princípios orientadores do Projecto Curricular de Agrupamento ................................................. 52 Organização do Agrupamento ............................................................................................ 6 2.1 Organização dos horários................................................................................................. 6 2.1.1 - EB23 de Argoncilhe ......................................................................................... 6 2.1.2 – Jardins-de-infância e Escolas EB1................................................................................ 7 2.2 – Distribuição do Currículo ............................................................................................... 7 2.2.1 – Educação Pré-escolar ...................................................................................... 7 2.2.2 - 1.º Ciclo ......................................................................................................... 8 2.2.3 - 2º Ciclo .......................................................................................................... 9 2.2.4 - 3º Ciclo .........................................................................................................10 2.2.5 - Educação Especial/Apoios Educativos ...............................................................11 2.2.6 – Ofertas educativas: CEF – T2, EFA – B2, outros................................................12 2.2.7 – Disciplina artística Oferta de escola – 3º ciclo...................................................12 2.2.8 – Prioridades para a atribuição das áreas não disciplinares...................................12 2.2.9 – Critérios para organização dos horários das turmas .......................................13 - Funcionamento da escola em regime normal;...........................................................13 2.2.10 – Critérios para constituição das turmas ...........................................................133. Projectos............................................................................................................................ 154. Clubes ............................................................................................................................... 175. Opções pedagógicas ........................................................................................................... 19 5.1 Componente lectiva dos docentes................................................................................... 19 5.2 Componente não lectiva dos docentes ............................................................................ 20 5.3 Componente não lectiva dos docentes – prioridades de ocupação...................................... 21 Educação Pré-escolar: ...............................................................................................21 1º ciclo: ...................................................................................................................21 2º e 3º ciclos do ensino básico: .................................................................................21 5.4 Perfil do Director de Turma ........................................................................................... 23 5.5 Integração curricular .................................................................................................... 236. Competências e avaliação.................................................................................................... 256. Competências e avaliação.................................................................................................... 25 6.1 Competências gerais e articulação .................................................................................. 25 6.2. Parâmetros e critérios gerais de avaliação ...................................................................... 33 6.3 Avaliação...................................................................................................................... 35 6.3.1 Avaliação no Pré-Escolar ...................................................................................35 6.3.2 Avaliação Sumativa...........................................................................................35 6.3.3 Classificações das fichas de avaliação / trabalhos ................................................357. Avaliação do Projecto Curricular de Agrupamento .................................................................. 36 2 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento3 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de AgrupamentoIntrodução «…o importante não é educar, mas evitar que os homens se deseduquem…» Agostinho da Silva, Dezembro 1985 A Escola Pública é um dos pilares centrais da nossa sociedade e nessa perspectiva aconstrução de uma escola de excelência para todos os alunos que a frequentam é umacondição a que temos de responder de forma eficaz. A consecução desse objectivo passa por encontrar as soluções organizativas maisadequadas e nesse sentido a existência de documentos previstos na Legislação,nomeadamente o Regulamento Interno, o Projecto Educativo e o Projecto Curricular deAgrupamento, deve garantir a definição dos princípios, dos objectivos e das soluçõesnecessárias. Depois de se ter trabalhado e aprovado o Projecto Educativo do Agrupamento,define-se nestes documento o Projecto Curricular de Agrupamento que é suportado pelareflexão feita anteriormente. No preâmbulo do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de Janeiro pode ler-se: “No quadro do desenvolvimento da autonomia das escolas estabelece-se que as estratégias de desenvolvimento do currículo nacional, visando adequá-lo ao contexto de cada escola, deverão ser objecto de um projecto curricular de escola, concebido, aprovado e avaliado pelos respectivos órgãos de administração e gestão, o qual deverá ser desenvolvido, em função do contexto de cada turma, num projecto curricular de turma, concebido, aprovado e avaliado pelo professor titular de turma ou pelo conselho de turma, consoante os ciclos.” O Projecto Curricular de Agrupamento surge como um documento estruturante eprocura ser uma adequação do currículo nacional às especificidades do Agrupamento. Aolongo do projecto procura-se estabelecer de uma forma flexível, toda a actuação adesenvolver ao longo da escolaridade básica e procura-se assegurar a transversalidade daformação, a sequência lógica entre áreas disciplinares e áreas curriculares nãodisciplinares, a possibilidade da partilha e trabalho colaborativo entre docentes e os demaisagentes da comunidade educativa e a adequação das competências à realidade doAgrupamento. Este documento resulta da reflexão realizada em cada um dos departamentosprocurando, desse modo, envolver, de forma particular, os docentes do Agrupamento atépela sua centralidade no processo ensino-aprendizagem. A Comissão de redacção do Projecto Curricular do Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 4 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento1. Princípios orientadores do Projecto Curricular deAgrupamento As opções organizativas e pedagógicas feitas pelo Agrupamento tiveram em conta,fundamentalmente, o Projecto Educativo. Este documento contém não só acaracterização da sua população escolar e do meio envolvente dos estabelecimentos deensino, mas também define as linhas que orientam todo o trabalho desenvolvido nocontexto escolar. Foram também tidas em conta as orientações propostas pelos Docentes, peloConselho Pedagógico e as regras definidas no Regulamento Interno. A falta de espaço/salas e o excesso de população escolar são factores fortementecondicionantes de algumas opções tomadas a nível da construção deste documento. 5 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento2 Organização do Agrupamento 2.1 Organização dos horários2.1.1 - EB23 de Argoncilhe A escola EB23 de Argoncilhe funcionará, preferencialmente em regime normal,sendo que as limitações em termos de salas obrigam a que uma parte do trabalho tenhaque ser desenvolvido durante o turno da tarde, à excepção da tarde de 4ª feira que deveráser deixada sem aulas de modo a permitir a realização de reuniões, de momentos deformação e outros. No caso de não ser possível o funcionamento da escola em regime normal, a opçãopelo desdobramento deverá permitir atribuir o turno da manhã aos 5º e 7º anos por seremanos iniciais de ciclo e ao 9º ano por ser ano final do ensino básico. Propõe-se para a EB23 de Argoncilhe o seguinte horário. Entrada Saída 8.25 9.10 1ºbloco 9.10 9.55 Intervalo 9.55 10.10 Manhã 10.10 10.55 2ºbloco 10.55 11.40 Intervalo 11.40 11.50 11.50 12.35 3ºbloco 12.35 13.20 13.30 14.15 1ºbloco 14.15 15.00 Intervalo 15.00 15.10 Tarde 15.10 15.55 2ºbloco 15.55 16.40 Intervalo 16.40 16.50 16.50 17.35 3ºbloco 17.35 18.20 6 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento 2.1.2 – Jardins-de-infância e Escolas EB1 Entrada – 9h Manhã Saída – 12h Entrada – 13h30 Tarde Saída – 15h 30 2.2 – Distribuição do Currículo2.2.1 – Educação Pré-escolar Áreas de Conteúdo da Educação Pré-Escolar Áreas de Conteúdos Área da Formação Pessoal e Social Área de Expressão/Comunicação - Domínio das Expressões -Motora - Dramática - Plástica - Musical - Domínio da Linguagem oral e abordagem à escrita - Domínio da Matemática Área do conhecimento do Mundo 7 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento2.2.2 - 1.º Ciclo Áreas curriculares disciplinares - Língua Portuguesa 8h - Matemática 7h - Estudo do Meio 5h (2,5h para ensino experimental) - Expressões 5h - artísticas - físico-motoras Áreas curriculares não disciplinares a) Área de Projecto Estudo Acompanhado Formação Cívica Total: 25 horas Actividades de enriquecimento Educação Moral e Religiosa b)a) - Estas áreas devem ser desenvolvidas em articulação entre si e com as áreasdisciplinares, incluindo uma componente de trabalho dos alunos com as tecnologias dainformação e da comunicação e constar explicitamente do projecto curricular de turma.b) - Área curricular disciplinar de frequência facultativa. Há ainda Apoio ao Estudo e Actividades de Enriquecimento Curricular: - Apoio ao Estudo de acordo com a lei em vigor é no mínimo de um bloco semanalde 90 minutos. - As actividades de Enriquecimento Curricular são aquelas definidas por lei eseleccionadas no âmbito das competências do Conselho Executivo. 8 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento2.2.3 - 2º Ciclo Carga Horária Semanal ( x 90 minutos) 5º ano 6º ano Total Áreas Disciplinares / DisciplinasLínguas e Estudos Sociais 5,5 5,5 11 - Língua Portuguesa 2,5 a) 2,5 5 - Língua Estrangeira (Inglês) 1,5 2 3,5 - Historia e Geografia de Portugal 1,5 1 2,5Matemática e Ciências – Global 3,5 4 7,5 - Matemática 2 2,5 a) 4 - Ciências da Natureza 1,5 1,5 3Educação Artística e Tecnológica – Global 3 3 6 - Educação Visual e Tecnológica 2 2 4 - Educação Musical 1 1 2Educação Física – Global 1,5 1,5 3 - Educação Física 1,5 1,5 3Áreas Não Disciplinares 3 (b) 2,5 5,5 - Área de Projecto 1 1 2 - Estudo Acompanhado 1,5 1 2,5 - Formação Cívica 0,5 0,5 1 Oferta de escola LP MATEducação Moral e Religiosa 0,5 0,5 1 Total 17 17 34 a) A componente de escola (0,5) no 5º ano será atribuída à Área Disciplinar de Língua Portuguesa e no6º ano à Área Disciplinar de Matemática. b) Na carga horária das áreas não disciplinares, o Estudo Acompanhado de 5º ano terá 1,5 tempos deacordo com o Plano de Acção de Matemática (docente de Matemática é docente de Estudo Acompanhado). 9 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento2.2.4 - 3º Ciclo Carga Horária Semanal ( x 90 minutos) 7ºano 8ºano 9º ano Total Áreas Disciplinares / Disciplinas- Língua Portuguesa 2 2 2 6- Línguas Estrangeiras 3 2,5 2,5 8 - LC1: Inglês 1,5 1 1,5 4 - LC2: Francês 1,5 1,5 1 4- Ciências Humanas e Sociais 2,5 2,5 3 8 - História 1 1,5 1,5 4 - Geografia 1 1,5 a) 1 3,5Matemática 2 2 2 6- Ciências Físicas e Naturais 2 2 2,5 6,5 - Ciências Naturais 1,5 a) 1 1 3,5 - Físico-Química 1 1 1,5 3,5- Educação Artística - Educação Visual 1 1 - Educação Musical (oferta de escola) 0,5 0,5 1,5 b) 5,5- Educação Tecnológica 0,5 0,5- Educação Física 1,5 1,5 1,5 4,5Introdução às Tecnologias de Informação 1 1Áreas Não Disciplinares 2,5 2,5 2 7 - Área de Projecto 1 1 1 3 - Estudo Acompanhado 1 1 0,5 2,5 - Formação Cívica 0,5 0,5 0,5 1,5Educação Moral Religiosa e Católica 0,5 0,5 0,5 1,5 Oferta de escola CN Geo Total 18 18 18 54a) Oferta de escola: 7º ano, Ciências Naturais e 8º ano, Geografia.b) A disciplina escolhida no 9ºano terá uma carga horária de bloco e meio (1,5) 10 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento2.2.5 - Educação Especial/Apoios Educativos O agrupamento possui um núcleo de apoios educativos constituído por docentesespecializados, cuja função é responder a alunos com necessidades Educativas Especiais ecom dificuldades de aprendizagem. De acordo com a republicação do Despacho nº 105/97, de 30 de Maio com alteraçõesintroduzidas pelo Despacho nº 10856/2005, os apoios educativos, abrangem todo osistema de educação e ensino não superior e desenvolvem-se com base na articulação derecursos e actividades de apoio especializado existente nas escolas, com vista à promoçãode uma escola inclusiva. A prestação de apoios visa: a) Contribuir para a igualdade de oportunidades de sucesso educativo para todas ascrianças e jovens, promovendo a existência de respostas pedagógicas diversificadasadequadas às suas necessidades específicas e ao seu desenvolvimento global; b) Promover a existência de condições nas escolas para a inclusão sócio-educativadas crianças e jovens com necessidades educativas especiais; c) Colaborar na promoção de qualidade educativa, nomeadamente nos domíniosrelativos à orientação educativa, à interculturalidade, à saúde escolar e à melhoria doambiente educativo; d) Articular as respostas educativas com os recursos existentes noutras estruturas eserviços, nomeadamente nas áreas da saúde, da segurança social, da qualificaçãoprofissional e do emprego, das autarquias e de entidades particulares e nãogovernamentais. Para efeitos do regime aplicável à prestação de apoio educativo, de acordo com osprincípios consagrados na Lei de Bases do Sistema Educativo, entende-se por: Docente de apoio - aquele que tem como função prestar apoio-educativo à escola noseu conjunto, ao professor, ao aluno e à família, na organização e gestão dos recursos emedidas diferenciadas a introduzir no processo ensino/aprendizagem; Formação especializada – qualificação para o exercício de outras funções educativas aque se refere o artigo 33º da Lei de Bases do Sistema Educativo, os artigos 23º e 24º doDecreto- Lei nº 344/89, o artigo 56º do Decreto-Lei nº 139-A/90 com a redacção que lhefoi dada pelo Decreto-Lei nº 105/97 bem como o regime jurídico aprovado pelo Decreto-Leinº 95/97. 11 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento2.2.6 – Ofertas educativas: CEF – T2, EFA – B2, outros No âmbito das ofertas educativas diferenciadas, procurando responder ao problemado abandono escolar e à necessidade de proporcionar novas oportunidades à ComunidadeEducativa, é intenção da nossa escola oferecer cursos de Educação e Formação de Adultos(Programa Novas Oportunidades) e Cursos de Educação e Formação. O curso EFA tem como público-alvo os adultos (maiores de 18 anos) e conferehabilitação equivalente ao 6ºano. Os cursos CEF serão os de Operador de Informática e o de Hotelaria e Restauração.2.2.7 – Disciplina artística Oferta de escola – 3º ciclo Por decisão do Conselho Pedagógico a disciplina artística de opção no 3º ciclo éEducação Musical.2.2.8 – Prioridades para a atribuição das áreas não disciplinares 5º 6º 7º 8º 9º Área de Projecto a) LP/ b) LP / b) LP TIC LP Estudo Acompanhado Mat / LP Mat / LP Mat Mat Mat Formação Cívica DT DT DT DT DT a) No âmbito do Plano Nacional de Leitura, os docentes de Língua Portuguesa deverão ter a prioridade na atribuição de Área de Projecto. b) No âmbito do Grupo de Trabalho e procurando utilizar a proposta do departamento de Ciências, sugere-se que na Área de Projecto esteja um docente que possa desenvolver um trabalho no âmbito das TIC, como espaço de aprendizagem instrumental da sua utilização. c) Seguindo o projecto já assinado com o Ministério da Educação, o docente de Matemática da turma deverá ter prioridade na atribuição da área de Estudo Acompanhado. d) No 8º ano a Área de Projecto deverá ser atribuída ao docente de TIC, de acordo com Despacho de 27 de Junho de 2007, do Sr. Secretário de Estado Valter Lemos (http://www.drel.min-edu.pt/uplo 12 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento2.2.9 – Critérios para organização dos horários das turmas - Funcionamento da escola em regime normal; - Áreas disciplinares de carácter teórico deverão estar preferencialmente aos primeiros tempos da manhã / tarde; - Em caso de impossibilidade de todas as turmas (na EB23) terem aulas no turno da manhã, deverá ser dada prioridade ao 5º ano e ao 7º ano por serem anos iniciais de ciclo e ao 9º ano por ser ano final do ensino básico;2.2.10 – Critérios para constituição das turmas A constituição das turmas deverá seguir os seguintes procedimentos: a) Educação Pré-Escolar: de acordo com o ponto 1 e 2 do art. 25º do Decreto-Lei nº 542/79 de 31 de Dezembro. No caso de Jardim-de-Infância com mais de um lugar a formação de grupos deve ser feita de acordo com a idade, de forma a garantir uma maior homogeneidade dos grupos. As turmas que englobem alunos portadores de deficiência e que requeiram uma atenção especial da parte do educador, devem ser objecto de redução, de acordo com o Decreto-Lei nº 319/91 de 23 de Agosto. b) 1ºciclo: a constituição de turmas do 1º ciclo rege-se pelo Despacho nº13765/2004 de 13 de Junho de 2004. As turmas do 1º ciclo do ensino básico: a. São constituídas por 24 alunos, não podendo ultrapassar esse limite. b. As turmas com alunos de educação especial, alunos inseridos nas alíneas g) e i) do nº 2 do artigo 2º do Decreto – Lei nº 319/91 de 23 de Agosto, serão constituídas por 20 alunos, não podendo incluir mais de 2 alunos de educação especial. c. As turmas das escolas com mais de um lugar e que incluam alunos de mais de dois anos de escolaridade são formadas por 22 alunos. d. Nas turmas com regime educativo especial é prioritário não ter mais do que um ano de escolaridade. 13 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento d) 2º e 3º ciclos:- Docente titular de turma do 4ºano / Conselho de Turma emite parecer na reunião de finalde ano sobre a continuidade dos alunos na mesma turma;- Reunião da equipa que elabora as turmas: - 5ºano: docentes do 4ºano e docentes da EB23; - 6º ano: directores de turma do 5º ano e um docente do 6º ano (comconhecimento dos alunos retidos); - 7º ano: directores de turma do 6ºano e um docente do 7º ano (comconhecimento dos alunos retidos); - 8º ano: directores de turma do 7ºano e um docente do 8º ano (comconhecimento dos alunos retidos); - 9º ano: directores de turma do 8ºano e um docente do 9º ano (comconhecimento dos alunos retidos). 14 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento3. Projectos A matriz singular de uma escola em relação a todos os outros estabelecimentos darede, pública ou privada, faz-se através dos seus projectos e da forma como estesinfluenciam as práticas educativas e o sucesso dos alunos. Na educação pré-escolar e no 1º ciclo persiste um contexto de alguma dependência(nomeadamente ao nível dos recursos) de instituições exteriores ao Agrupamento (aCâmara Municipal de Santa Maria da Feira, por exemplo). Nesse sentido o trabalho éorganizado anualmente e os projectos são concebidos e integrados no Plano Anual deActividades. A Biblioteca continuará a apostar no papel transversal que por definição cabe àsbibliotecas escolares, onde assume um papel central e de ligação entre todos os outrosprojectos da escola. Pretende-se que a Biblioteca continue a desempenhar uma função indispensável,quer no contexto das actividades específicas desenvolvidas no âmbito das diferentes áreasdisciplinares e níveis de ensino, quer no de projectos de natureza inter e transdisciplinar. Para continuar a ser um núcleo fundamental da organização pedagógica doAgrupamento será necessário apostar numa melhor e mais ampla articulação, sendoimportante encontrar as soluções organizativas, estabelecendo parcerias a diversos níveis(nomeadamente a autarquia) no sentido de levar de uma forma mais regular as actividadese os recursos da Biblioteca aos restantes estabelecimentos do Agrupamento, procurando,também, trazer os alunos dos Jardins de Infância e das Escolas do 1º ciclo até à Biblioteca. Sendo o Plano Nacional de Leitura um Desígnio Nacional e uma iniciativa doGoverno a escola vai continuar a implementar a sua aplicação junto dos alunos doAgrupamento. O Agrupamento terá que criar obrigatoriamente uma equipa de trabalhoenvolvendo todos os sectores de ensino e todos os departamentos. No âmbito do Plano de Acção da Matemática foi já assinado um contrato –programa com o Ministério da Educação, do qual destacaríamos a criação de um espaço deExperimentação Matemática, o Espaço Pitágoras, cujo funcionamento e objectivos estãodefinidos no referido contrato. Ainda no âmbito do Departamento de Ciências será implementado o Projecto dePromoção da Saúde. Este projecto – Saúde Teen – será prioritário na escola edesenvolverá a sua actividade no âmbito das diferentes dimensões desta área(alimentação, comportamentos de risco, dependências, sexualidade, etc…) 15 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento Na escola está em desenvolvimento o Projecto “Escolas, Professores eComputadores Portáteis”, prevendo-se o seu desenvolvimento de acordo com o planojá protocolado com o Ministério da Educação e onde se destaca a utilização da PlataformaMoodle em todo o Agrupamento. Através do projecto do Desporto Escolar pretende-se estimular a prática desportiva. A escola, em articulação directa com a DREN está a desenvolver um projecto deprevenção da indisciplina “Mudar para educar / Educar para mudar”, com acolaboração da Direcção da Associação de Pais. 16 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento4. Clubes As condicionantes introduzidas na organização das escolas nos últimos anos,nomeadamente ao nível da componente não lectiva dos professores, forçaram oencerramento de alguns dos projectos do Agrupamento. Boa parte dos docentes tem umacomponente não lectiva reduzida e por isso as possibilidades de gestão são escassas. Neste contexto, recebidas as propostas dos diferentes departamentos, propõe-se, naescola sede do Agrupamento, o funcionamento dos clubes de: Clube / Projecto / Caracterização LaboratórioAzulejaria Coordenador: Ana PintoClube de Teatro Coordenador: Prof. Fernando BaptistaEspaço Pitágoras Espaço de experimentação matemática incluído no PAMEspaço de relaxamento Coordenador: Prof. Philomène Véla Para actividades com alunosExperimentarium Clube de Fisíco-Química; 2 tempos componente não lectiva; lab. De CFQ; alunos do 3ºciclo.Jornal da Escola Coordenador: Prof. Valdemar RibeiroLaboratório de Línguas Proposta do Dep. Línguas: Espaço de experimentação das línguas estrangeiras Actividade enquadrada no projecto de prevenção da indisciplina (“Mudar para educar / Educar para mudar”).Rádio Escolar Professores responsáveis: João Paulo Silva, Rogério Ramos, Paula CostaRestauro de livros Actividade proposta pelo Dep. Expressões e enquadra- da no trabalho da Biblioteca.Saúde Teen Promoção de saúde; 4 horas semana; responsabilidade dos Docentes de Ciências; participação de alunos e de elementos da Comunidade. O funcionamento destes espaços deverá ser coordenado com o funcionamento daescola, nomeadamente com o horário das turmas. Poderão ser enquadrados no âmbito dasofertas de escola para ocupação dos tempos livres dos alunos (substituições). 17 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento Os projectos deverão ser elaborados para períodos de três anos, sendo feita umaavaliação anual do seu funcionamento. Deverão ser colocados como anexo a este PCA todos os projectos e clubes doAgrupamento. 18 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento5. Opções pedagógicas5.1 Componente lectiva dos docentes A distribuição de serviço pelos docentes obedece aos seguintes critériospedagógicos: - atribuição das mesmas turmas aos docentes, nos vários anos de cada ciclo, sempre que se verifiquem vantagens na continuidade do trabalho pedagógico; - face a situações decorrentes do Currículo, será de evitar a atribuição de mais de 6 turmas e / ou mais de dois níveis de ensino a cada professor. - promover a criação de equipas educativas, reduzindo na medida do possível os níveis atribuídos a cada docente; Quanto às áreas curriculares não disciplinares, ver orientações sugeridas no ponto2.2.5. Estas orientações apenas não são aplicadas quando a componente lectiva dosprofessores e as cargas horárias das disciplinas o não permitem. 19 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento5.2 Componente não lectiva dos docentes As alterações introduzidas na organização do trabalho docente vieram condicionar agestão dos períodos de trabalho dos professores, nomeadamente da sua componente nãolectiva. Neste contexto o Agrupamento deverá organizar-se do seguinte modo: a) Educação Pré-Escolar Na Educação Pré-Escolar a componente não lectiva (10 horas) divide-se em 6 horaspara trabalho individual e 4 horas para trabalho de escola. b) 1º ciclo: No 1º ciclo a componente não lectiva (10h) divide-se em 6h para trabalho individual e4h para trabalho de escola. c) Escola EB23: De acordo com os normativos em vigor, a componente não lectiva de escola é daexclusiva responsabilidade do Conselho Executivo. As horas de componente não lectiva dos docentes de Língua Portuguesa e deMatemática, envolvidos nos projectos antes referenciados, serão destinadasexclusivamente ao trabalho nas suas áreas específicas e ao desenvolvimento dosrespectivos projectos. A atribuição das Aulas de Recuperação deverá ser feita, namedida do possível, aquando da distribuição de serviço, desse modo, que os docentesresponsáveis pelo apoio sejam igualmente titulares da turma. d) Educação Especial A componente não lectiva dos professores/educadores da educação especial deve serocupada com actividades de: - articulação com outro técnicos, terapeutas, instituições, - apoio directo, - articulação com docentes, encarregados de educação e outros intervenientesno processo educativo dos alunos com N.E.E., - avaliações e elaboração de relatórios, 20 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento - elaboração/selecção de materiais pedagógicos, - reuniões, - planificação, - componente individual, - colaboração com os órgãos de gestão e coordenação na detecção denecessidades específicas e na organização e incremento de apoios educativos adequados.5.3 Componente não lectiva dos docentes – prioridades deocupaçãoEducação Pré-escolar: - Supervisão da componente de apoio à família - Trabalho administrativo - Reunião de conselho de escola e de docentes - Atendimento aos encarregados de educação - Construção de materiais pedagógicos - Organização de projectos - Trabalho individual - Articulação com outros docentes nomeadamente de apoio do Ensino Especial, bem como outros técnicos e serviços1º ciclo: - Apoio ao Estudo - Componente Individual - Atendimento aos Encarregados de Educação - Supervisão/debate de problemas com as Actividades de Enriquecimento Curricular / Articulação com outros técnicos e docentes, nomeadamente de Apoio - Reuniões – se existir horário compatível ser seguido à componente lectiva2º e 3º ciclos do ensino básico: Por obrigação legal, a ocupação total dos tempos livres dos alunos deverá terprioridade na ocupação da componente não lectiva dos docentes. A organização das substituições tem que ser feita de acordo com a organização dosdiferentes projectos propostos. 21 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento Assim, os alunos deverão ser distribuídos pelos espaços disponíveis em cadamomento. Os docentes participantes em cada um dos projectos deverão ter a suacomponente não lectiva de escola enquadrada neste âmbito. A componente não lectiva deverá depois ser atribuída de acordo com a seguintetabela: Função Direcção de turma (2 x 45 minutos / semana) Clubes / Projectos Tutoria Gabinete de Apoio ao aluno Reuniões 22 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento5.4 Perfil do Director de Turma Quanto ao cargo de Director de Turma, deverá ser atribuído preferencialmente a: a) Docentes com experiência no cargo e que se tenham manifestado disponíveis parao exercer; b) Docentes do quadro da escola com experiência no cargo; c) Docentes com experiência no cargo; d) Docentes dos quadros de zona pedagógica; e) Docentes titulares. Os Directores de turma deverão enquadrar-se no seguinte perfil: - grande capacidade de relacionamento com alunos, encarregados de educação,docentes e funcionários; - qualidades de liderança; - capacidade de estabelecer empatia com os alunos; - espírito de rigor e de disciplina; - espírito de tolerância e de compreensão; - sentido de organização.5.5 Integração curricular A opção por um modelo de organização do currículo, num documento como umProjecto Curricular de Agrupamento, deve ser tida como um referencial e nunca como uminstrumento castrador da liberdade inerente a cada um dos processos educativos que sevier a desenvolver no seu contexto. A opção pode, basicamente centrar-se em três modelos apontados por Zabala(1998): - método centrado nas disciplinas: o ponto de partida do processo é intrínseco àdisciplina; - métodos globalizados: os critérios estruturadores do processo surgem denecessidades alheias às disciplinas; - enfoque globalizador: um modelo que junta os dois anteriores. 23 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento Perante a realidade do trabalho desenvolvido no nosso agrupamento é mais coerenteavançar uma proposta de organização do currículo centrado nas disciplinas, procurando deforma gradual e sustentada, construir os mecanismos que nos permitam desenvolver umpercurso tendente a uma organização curricular onde as disciplinas se torneminstrumentais. Neste quadro, o desenvolvimento metodológico do trabalho docente – centrado nasDisciplinas – deverá suportar-se no esquema que se segue: 1) Fase motivação 2) Apresentação dos objectos de estudo 3) Análise e explicitação das questões 4) Delimitação do objecto de estudo 5) Identificação dos instrumentos 6) Utilização do saber disciplinar 7) Extracção de conclusões, generalização e integração 8) Visão global e ampliada. 24 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento6. Competências e avaliação O Ministério da Educação definiu as competências gerais e específicas para cada umadas áreas disciplinares de toda a escolaridade básica. Ao nível da Educação Pré-Escolar não havendo este enquadramento, há um conjuntode orientações curriculares que deverão promover a construção do saber de formaintegrada, numa perspectiva de formação global, nas áreas de conteúdo de formaçãopessoal e social, nas áreas de expressão e na área de conhecimento do mundo.6.1 Competências gerais e articulação As competências gerais estão definidas pelo Ministério da Educação e a suaabordagem deverá ser feita em convergência por todas as áreas curriculares (disciplinaresou não disciplinares). Nos próximos três anos deverá ser dada prioridade ao trabalho em cada uma dasseguintes competências: Área de Formação Pessoal e Social • Revelar autonomia pessoal e social; • Desenvolver o espírito crítico; • Ser solidário; • Ser capaz de reconhecer e valorizar as diferenças; • Participar democraticamente na vida do grupo; • Expressar autonomamente os seus gostos e convicções; • Contribuir para a manutenção e construção de ambientes saudáveis. Área de Expressão/Comunicação Expressão Motora: • Realizar exercícios de motricidade fina e destreza manual: • Efectuar os diferentes padrões motores; • Ter noções de lateralidade; • Orientar-se no espaço; • Ter noção do esquema corporal; • Jogar respeitando as regras. Expressão Dramática • Expressar-se e comunicar através do corpo, da voz e de diferentes técnicas materiais; • Fantasiar, criar, recriar e imaginar. 25 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento Expressão Plástica• Expressar-se utilizando diferentes técnicas e materiais;• Representar graficamente desejos e emoções;• 26 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento1º Ciclo do Ensino Básico1º Ano Exprimir-se por iniciativa própria em conversa e diálogo; Saber interpretar e diferenciar diferentes situações do quotidiano; Despertar e desenvolver o gosto pela escrita; Relacionar harmoniosamente o corpo com o espaço, numa perspectiva pessoal e interpessoal promotora da saúde e da qualidade de vida; Cooperar com os outros em tarefas diárias; Despertar a curiosidade pela exploração de problemas simples.2º Ano Exprimir-se por iniciativa própria em conversa e diálogo; Saber interpretar e diferenciar diferentes situações do quotidiano; Despertar e desenvolver o gosto pela escrita e leitura; Relacionar harmoniosamente o corpo com o espaço, numa perspectiva pessoal e interpessoal promotora da saúde e da qualidade de vida; Produzir pequenos textos, por iniciativa própria e/ou orientados; Conhecer números inteiros; Cooperar com os outros em diferentes tarefas escolares.3º Ano Exprimir-se correctamente por iniciativa própria; Saber interpretar e diferenciar vários tipos de textos; Desenvolver o gosto pela escrita e leitura; Utilizar correctamente a escrita para a construção de textos simples; Cooperar com os outros em tarefas e projectos comuns; Desenvolver o pensamento lógico-racional através de situações problemáticas simples do quotidiano; Relacionar harmoniosamente o corpo com o espaço, numa perspectiva pessoal e interpessoal promotora da saúde e da qualidade de vida;4º Ano Exprimir-se correctamente por iniciativa própria; Reter informação vinda de diferentes fontes; Saber interpretar e diferenciar vários tipos de textos; 27 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de AgrupamentoUtilizar correctamente a escrita;Praticar de forma simples o aperfeiçoamento de textos escritos;Desenvolver o pensamento lógico-racional através de situações problemáticassimples do quotidiano;Adoptar estratégias adequadas à resolução de problemas e à tomada de decisões;Relacionar harmoniosamente o corpo com o espaço, numa perspectiva pessoal einterpessoal promotora da saúde e da qualidade de vida; 28 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento2º Ciclo do Ensino Básico5º Ano Usar correctamente a Língua Portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar o pensamento lógico. Cooperar cívica e responsavelmente com os outros em tarefas e projectos comuns.6º Ano Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas do saber cultural, científico e tecnológico para se expressar. Usar correctamente a Língua Portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar o pensamento lógico. Pesquisar, seleccionar e organizar informação para a transformar em conhecimento mobilizável.3º Ciclo do Ensino Básico7º Ano Usar correctamente a Língua Portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar o pensamento lógico. Pesquisar, seleccionar e organizar informação para a transformar em conhecimento mobilizável. Adoptar estratégias adequadas à resolução de problemas e à tomada de decisões. Cooperar com outros em tarefas e projectos comuns. Relacionar harmoniosamente o corpo com o espaço, numa perspectiva pessoal e interpessoal promotora da saúde e da qualidade de vida.8º Ano Usar correctamente a Língua Portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar o pensamento lógico. 29 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas do saber cultural, científico e tecnológico para se expressar. Adoptar estratégias adequadas à resolução de problemas e à tomada de decisões. Adoptar metodologias personalizadas de trabalho e para aprendizagem adequadas aos objectivos visados. Usar línguas estrangeiras para comunicar adequadamente em situações do quotidiano e para apropriação da informação.9º Ano Usar correctamente a Língua Portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar o pensamento lógico. Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas do saber cultural, científico e tecnológico para se expressar. Usar línguas estrangeiras para comunicar adequadamente em situações do quotidiano e para apropriação da informação. Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas do quotidiano. Realizar actividades de forma autónoma, responsável e criativa. Procurando perspectivar a articulação curricular, deverá considerar-se as seguintes 30 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento Competências Essenciais de Final de Ciclo:Educação Pré - EscolarNo final do seu processo educativo no pré-escolar, a criança deve ser capaz de: Realizar as actividades de forma autónoma, responsável e criativa; Conhecer e identificar o seu esquema corporal; Comunicar e criar situações de comunicação; Expressar-se graficamente com alguma destreza; Explorar a relação corpo/espaço; Conhecer e praticar as regras diárias de higiene; Exprimir facial e corporalmente sentimentos e estados de espírito; Associar diferentes cores e tamanhos; Ouvir e dramatizar histórias; Cantar canções sozinho; Identificar algarismos e compreender as relações lógico-matemáticas entre objectos; Reconhecer e identificar elementos espácio-temporais e unidades de referência temporal; Identificar os espaços e as respectivas funções; Conhecer os principais membros da família e estabelecer relações de parentesco; Compreender os valores fundamentais que sustentam a instituição familiar; Posicionar-se, de forma consciente, nas dinâmicas grupais (escola, família, ...); Utilizar alguns processos de orientação como forma de se localizar e deslocar; Ser curioso, questionar, seleccionar e procurar informação relacionada com as suas dúvidas. 31 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento 1º ciclo do ensino básico Usar correctamente a Língua Portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar o pensamento próprio; Pesquisar, seleccionar e organizar informação para a transformar em conhecimento mobilizável; Realizar actividades de forma autónoma, responsável e criativa; Efectuar cálculos que envolvam operações matemáticas elementares; Revelar sentido de responsabilidade no desempenho escolar; 2º / 3º ciclos do ensino básico Usar a Língua Portuguesa para comunicar em situações e contextos diversificados, a nível oral e escrito. Usar as Línguas Estrangeiras para comunicar em situações do quotidiano e para apropriação da informação. Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas do saber para se expressar. Utilizar a Matemática na interpretação e intervenção em situações do quotidiano. Revelar sentido de responsabilidade no desempenho escolar. Revelar uma forte consciência e comportamento cívico. Revelar capacidade de resolver situações/problemas. No âmbito de cada Conselho de Docentes / Departamento, deverá ser feita aexplicitação das opções de operacionalização transversal das diferentes competênciasespecíficas. 32 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento6.2. Parâmetros e critérios gerais de avaliação Valorização da Língua Materna - Desenvolvimento do pensamento lógico – racional. - Aquisição/articulação e aplicação de conhecimentos. - Compreensão de enunciados orais. - Produção de enunciados orais. - Compreensão e interpretação de textos. - Produção de textos escritos. Atitudes e Valores: - Respeito por si e pelos outros. - Responsabilidade. - Cumprimento de regras (assiduidade, pontualidade, comportamento, …) - Participação/Interesse nas aulas, trabalhos e actividades. - Presença /Ausência / Organização de material. - Espírito Crítico, de iniciativa e de criatividade. - Solidariedade. - Autonomia. Nas áreas curriculares não disciplinares, a avaliação utiliza elementosprovenientes das diversas áreas disciplinares, devendo ser considerados os seguintesparâmetros: a) Área de Projecto: • Nível de concretização das tarefas; • Trabalho de grupo; • Sentido de responsabilidade; • Capacidade de iniciativa; • Qualidade dos produtos realizados e da sua apresentação. b) Estudo Acompanhado: • Métodos de estudo, de organização e de trabalho; • Pesquisa e utilização de diferentes fontes/suportes de informação; • Autonomia e concentração na execução de tarefas. c) Formação Cívica: • A relação inter-pessoal; • A cooperação/colaboração; • A evolução das atitudes; 33 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento• A sociabilidade;• A participação na vida da turma/ escola/ comunidade.34 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento6.3 Avaliação Os critérios gerais de avaliação deverão ser objecto de proposta de adaptação a cadauma das áreas disciplinares, definindo os critérios específicos de avaliação, que serãoaprovados no último Conselho Pedagógico de cada ano lectivo.6.3.1 Avaliação no Pré-Escolar A avaliação das crianças que frequentam a Educação Pré-Escolar será registada emtrês momentos, no final de cada período, através do preenchimento de uma grelha deobservação específica por idades. No final do 3º período, com base na análise da grelha de observação e outros dadospertinentes, será preenchida para todas as crianças a ficha de informação, que seráentregue aos Encarregados de Educação, devendo ficar uma cópia no processo individualdo aluno.6.3.2 Avaliação Sumativa A avaliação sumativa a atribuir em todas as áreas curriculares disciplinares e nãodisciplinares, integrará, obrigatoriamente, a avaliação relativa à aquisição deconhecimentos e a referente a atitudes e valores. No 1º ciclo, nas áreas curriculares disciplinares de Língua Portuguesa, Matemática eEstudo do Meio a avaliação expressa-se de forma descritiva, sendo atribuída uma mençãoqualitativa à qual está subjacente uma quantificação. Nas áreas de Expressões (Plástica, Musica, Dramática e Físico-Motora) e nas áreascurriculares não disciplinares esta avaliação conduz à atribuição de menção tipo qualitativo:Tem Dificuldade, Consegue, Consegue Bem. Nos 2º e 3º ciclos, nas áreas curriculares disciplinares, esta avaliação conduz àatribuição de uma classificação, numa escala de níveis de 1 a 5, considerando-se que oaluno desenvolveu as competências essenciais a partir do nível 3. Nas áreas curriculares não disciplinares a avaliação expressa-se de forma descritiva,mediante a atribuição de menção tipo qualitativo: Não satisfaz, Satisfaz, Satisfaz bem.6.3.3 Classificações das fichas de avaliação / trabalhos 0 – 19: Mau 20 – 49: Insuficiente 50 – 69: Suficiente 70 – 89: Bom 90 – 100: Muito Bom 35 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007
    • Projecto Curricular de Agrupamento7. Avaliação do Projecto Curricular de Agrupamento A avaliação da aplicação do PCA será feita pela equipa do Observatório deDesenvolvimento e Operacionalização do Projecto Educativo. Deverá ser apresentado relatório intercalar no final de cada um dos anos lectivos. «…o trabalho de grupo é a arma mais segura de combate contra o egoísmo, contra o desprezo dos outros, contra a intolerância, perante a opinião alheia; dá a possibilidade a todos os colaboradores de se elevarem cada vez mais alto…» Montaigne 36 | Agrupamento Vertical de Escolas de Argoncilhe 2007