Your SlideShare is downloading. ×
Diagnóstico Psicopedagógico ClínicoAulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de Oliveira
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Diagnóstico Psicopedagógico Clínico Aulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de Oliveira

3,800
views

Published on

Excelente material sobre Diagnóstico Clinico

Excelente material sobre Diagnóstico Clinico

Published in: Education

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,800
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
335
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Diagnóstico Psicopedagógico Clínico Aulas 1 e 2 Profa. Ivana de Oliveira Carvalho
  • 2. Apresentação Graduada em Psicologia Clínica pela PUC Minas Mestre em Educação pelo CEFET - MG Graduanda em Filosofia pela FAJE Psicóloga clínica Professora universitária Contato: ivanacarvalho@yahoo.com.br
  • 3. Agenda de trabalho 18/19 de agosto de 2013 1. Ementa e objetivos da disciplina. 2. Referências bibliográficas básicas. 3. Atividade em grupos: a especificidade do diagnostico psicopedagógico. 4. As duas dimensões do diagnóstico psicopedagógico: dimensão técnica e dimensão clínica. 5. Explicitação dos componentes gerais das dimensões técnica e clínica do diagnóstico psicopedagógico clínico. 6. O primeiro contato telefônico. 7. Próxima aula: ler texto sobre Anamnese e estudar dois Roteiros de Anamnese (enviados por email).
  • 4. Ementa da disciplina A especificidade do diagnóstico psicopedagógico clínico:  Fundamentação teórica.  O processo diagnóstico.  Instrumentos, procedimentos e análise.  Análise crítica da prática diagnóstica.
  • 5. Objetivos Conhecer as teorias e conceitos que fundamentam o diagnóstico psicopedagógico clínico. Conhecer os modelos de diagnóstico psicopedagógico clínico. Possibilitar um posicionamento crítico em relação às teorias e à avaliação psicopedagógica. Instrumentalizar o profissional para a prática diagnóstica, através de reflexão critica frente aos recursos existentes e à criação de novas estratégias de avaliação psicopedagógica.
  • 6. Distribuição de pontos Atividades em classe e extraclasse: 70 pontos. Produção escrita ao final da disciplina: 30 pontos. Média para aprovação: 70 pontos. Frequência: mínimo de 75% da carga horária da disciplina (35ha), ou seja, cinco encontros do total de sete.
  • 7. Bibliografia Básica SAMPAIO, Simaia. Manual prático do diagnóstico psicopedagógico clínico. Rio de Janeiro: Wak, 2009. WEISS, Maria Lúcia L. Psicopedagogia clínica: uma visão diagnóstica. 13. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.
  • 8. Bibliografia Básica FERNÁNDEZ, Alicia. A inteligência aprisionada: abordagem psicopedagógica clínica da criança e sua família. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991. PAIN, Sara. Diagnóstico e tratamento dos problemas de aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.
  • 9. Atividade em grupos 1. Observar a gravura enfatizando o aspecto destinado ao grupo. 2. Responder, por escrito, à pergunta: a partir do aspecto que lhe foi destinado, quais fatores podem “atrapalhar a vida escolar de uma criança?” (BOSSA, 2000, p. 32). 3. Socializar para a turma.
  • 10. Socialização Grupo 1: relação criança e família. Grupo 2: relação criança e instituição escolar. Grupo 3: relação criança e professor. Grupo 4: relação criança e colegas de sala. Grupo 5: relação criança e material didático. Grupo 6: relação criança e contexto histórico.
  • 11. Pergunta central do Diagnóstico Psicopedagógico Pais: Como resolver/eliminar/tratar o problema de aprendizagem do meu filho? Psicopedagogo: Por que o sujeito sofre desse problema de aprendizagem?
  • 12. A função fundamental do diagnóstico Identificar as causas da dificuldade de aprendizagem em cada caso clínico. E... Indicar os encaminhamentos interventivos mais pertinentes para a resolução da dificuldade de aprendizagem.
  • 13. Diagnóstico e Intervenção DIAGNÓSTICO PSICOPEDAGÓGICO (INVESTIGAÇÃO) INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA (AÇÃO) Embora o diagnóstico não seja a intervenção propriamente dita, ele tem um efeito interventivo na medida em que influi sobre as dinâmicas de vida do sujeito e da família.
  • 14. Consideração inicial quanto aos termos Diagnóstico psicopedagógico: forte conotação médico-psicológica centrada na classificação de doenças e no seu tratamento visando à cura. Devido a essa conotação, muito autores têm preferido adotar a expressão: avaliação psicopedagógica. Deslocamento do enfoque médico para o enfoque educacional.
  • 15. Quando falamos de diagnóstico, referimo-nos a uma atividade limitada à busca de patologias nos indivíduos como causa explicativa de seus desajustes ou dificuldades e, portanto, relacionada com um modelo médico-explicativo de conduta. Se falamos de avaliação, referimo-nos a um tipo de informação muito mais amplo sobre a pessoa, que não fica centrado exclusivamente no indivíduo, mas também no seu ambiente e na interação entre ambos, e que não utiliza como procedimento principal e quase único os testes psicológicos ou a avaliação clínica [médica]. (SOLÉ, 2001, p. 188, grifo nosso). SOLÉ, Isabel. Orientação educacional e intervenção psicopedagógica. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001.
  • 16. As duas dimensões do diagnóstico
  • 17. DIMENSÃO TÉCNICA DIMENSÃO CLÍNICA Investigação Pesquisa Coleta de dados Compreensão global do sujeito que aprende Manejo científico A escuta da queixa Enigma: por quê? Relação psicopedagogo e paciente Transferência Manejo clínico Autonomia do sujeito Manejo científico Manejo clínico
  • 18. Dimensão técnica – aspectos gerais Todo diagnóstico psicopedagógico é, em si, uma investigação, uma pesquisa do que não vai bem com o sujeito em relação ao processo de aprendizagem. Trata-se, portanto, de esclarecer uma queixa. A queixa pode ser formulada: pelo próprio sujeito, pela família, pela escola, por outros profissionais que atendem o sujeito. Podem existir semelhanças e diferenças na formulação da queixa. Isto deve ser levado em conta pelo psicopedagogo que deve delimitá-la com clareza.
  • 19. Queixa APRENDIZAGEM Não aprender. Aprender com dificuldade. Aprender com lentidão. Não revelar o que aprendeu. Fugir de situações de aprendizagem. Entre outras. COMPORTAMENTO Agitação. Agressividade. Impulsividade. Desinteresse. Apatia. Timidez. Fobia social. Entre outros.
  • 20. Atividade em grupos Das 12 queixas apresentadas, escolher 3 delas e formular uma primeira hipótese diagnóstica para cada uma. Responder: para vocês, existe diferença entre ouvir a queixa e escutar a queixa? Se sim, qual a diferença?
  • 21. Queixas: a elaboração das primeiras hipóteses A partir da formulação da queixa, o psicopedagogo deve elaborar as primeiras hipóteses investigativas. Vejamos quais hipóteses poderiam ser elaboradas a partir das queixas seguintes: socialização da atividade. 1. Parece que ele não guarda nada. 2. Não tiro nota boa porque relaxo. Não presto atenção. Só consigo quando alguém ajuda. 3. Ele não faz nada na sala, não fixa em nada, não presta atenção na aula. 4. Não sou inteligente a ponto de olhar o professor explicando e entender na hora.
  • 22. Queixas: a elaboração das primeiras hipóteses 5. Lê bem, mas não consegue escrever. É ótimo na matemática, mas sempre foi mal em português. 6. Erro na escrita porque faço muito rápido, não sei fazer devagar. Não gosto de ler livro. O que eu gosto mais é da aula de música. Não gosto de dividir, não sei conta de dividir. 7. Vai sempre mal na escola, mas eu também era assim e hoje estou muito bem. Estou aqui porque a escola mandou. 8. Estudo, na hora da prova dá nervoso e eu esqueço. Estou me esforçando. Nas matérias não vou nada bem. Não sei conseguir resultado melhor. Não gostei da professora, gritava muito. 9. Ele é cabeça-dura que nem eu! Lá em casa, ninguém sabe nada. Acho que não adianta...
  • 23. Queixas: a elaboração das primeiras hipóteses 10. Não estudo, não tenho paciência para estudar. Só agora, na 5ª série, é que as matérias são mais difíceis. Na prova final, vou estudar feito um condenado! 11. Acho que está tudo bem! Não sei por que a professora disse para eu trazer ele aqui. 12. Eu não queria aprender a ler e a escrever. Tenho medo de tirar nota baixa, repetir ano e perder os amigos. Tive dificuldade no colégio A, não era bom o ensino; aí, minha mãe me tirou e pôs em outra escola; aí, o segundo colégio não era bom e minha mãe botou em outro; aí, ela não gostou e eu voltei para o primeiro.
  • 24. Coleta de dados sobre o sujeito Aspectos orgânicos. Aspectos familiares. Aspectos psíquicos. Aspectos escolares. Aspectos cognitivos. Aspectos sociais. Aspectos contextuais. Fonte: WEISS, 2008, p. 32
  • 25. Atividade individual Ler o texto “Etapas da Avaliação Psicopedagógica” assinalando as informações relevantes. Identificar as etapas da avaliação psicopedagógica
  • 26. Etapas da Avaliação Psicopedagógica Primeiro contato com os pais: Telefônico e presencial Anamenese Sessões com o paciente Análise do material escolar Contato com a escola Contato com profissionais que atendem o paciente (se for o caso) Devolutiva e Encaminhamentos
  • 27. Organização dos dados - desafio Proceder à amarração dos dados numa rede de sentido, de unidade, de integração que nos permita uma gestalt, uma compreensão global sobre a forma de aprender do sujeito. Essa organização só é possível mediante a amálgama das teorias que fundamentam a Psicopedagogia. Essa compreensão global sobre a forma de aprender do sujeito não é uma verdade pronta e acabada. É, antes, uma hipótese diagnóstica sempre provisória.
  • 28. Dimensão clínica – aspectos gerais No manejo da relação clínica entre psicopedagogo e sujeito deve-se levar em consideração:  A especificidade da clínica da criança, do adolescente e do adulto.  A escuta psicopedagógica.  A dimensão do sintoma.  A transferência e a contratransferência.  O desejo de aprender.