Your SlideShare is downloading. ×
Apostila Direitos Humanos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Apostila Direitos Humanos

1,401
views

Published on

Apostila feita por professores da UERJ, para ser usada em escolas da rede municipal do Rio de Janeiro.

Apostila feita por professores da UERJ, para ser usada em escolas da rede municipal do Rio de Janeiro.

Published in: Education

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,401
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Foto Capa:Dois irmãos posando para uma fotografia de família no gueto deKovno. Um mês depois, eles foram deportados para o campo deMajdanek. Kovno, Lituânia, fevereiro de 1944.
  • 2. Ficha Técnica ApoioLuis Edmundo de Souza MoraesDepto. de História e Programa de Pós-Graduacao em História daUFRJWagner Pinto da SilvaProfessor e Coordenador de Ciências Humanas da Escola AlemãCorcovado e Professor do Colégio São Vicente de Paulo.Bianca Zaltman SadcovitzDesign grfáficoRealização: B’nai B’rithRio de Janeiro, 2012
  • 3. ÍndiceApresentação 3Parte 1: Nazismo: Ditadura e Racismo 4a) Regimes Autoritários e o Nazismo 5b) Atividades 6º e 7º anos 5-10c) Atividades 8º e 9º anos 8-14d) Redação 15Parte 2: Racismo, o extermínio dos judeus e os Direitos Humanos 16a) Racismo e o racismo nazista 17b) Atividades 6º e 7º anos 17-22c) Atividades 8º e 9º anos 20-31d) Redação 32Fontes 33Indicações para a leitura e websites educacionais 34
  • 4. Jornada: Holocausto e Direitos HumanosO Caderno de Atividades que vocês têm em mãos pode ser considerado como uma primeira versão, um protótipo, de um material de suporte para usoem sala de aula por professores de disciplinas diversas que optem ou precisem tratar de temas relativos à sociedade contemporânea por intermédio doestudo do Nazismo e do Holocausto. Sendo um material ainda em elaboração, este caderno foi finalizado exclusivamente visando oferecer subsídiosaos participantes da Jornada de Direitos Humanos e Holocausto para a abordagem do tema em sala de aula.Ele busca oferecer conteúdo associado a exercícios, tendo sido as atividades elaboradas para subsidiar os docentes e estimular os estudantes a refletir, apartir do caso do nazismo e de sua política de extermínio, sobre fenômenos que nos tocam no mundo contemporâneo. Temas como o racismo e outrasformas de preconceito, a exclusão social, a injustiça a violação de direitos humanos podem apontar para a formação de valores entre os alunos que sus-tentem a ideia de que uma sociedade plural e respeitadora das diferenças próprias da humanidade é um lugar bom para se viver.Do ponto de vista de sua estrutura, este Caderno de Atividades está organizado de forma que ele possa ser explorado tanto na sequência em que é apre-sentado quanto para permitir que o próprio professor possa escolher qualquer parte dele de forma independente para uso em sala de aula. Qualquerque seja a escolha do professor, sugerimos que antes mesmo da aplicação de qualquer dos exercícios, seja organizada alguma atividade, mesmo quebreve, de ativação de conhecimentos e experiências anteriores dos estudantes sobre o(s) tema(s) a ser(em) trabalhado(s).Ele foi pensado para ser aplicado no Ensino Fundamental II (do 6º ao 9º anos), mesmo que parte dos materiais apresentados possam ser aplicados aoEnsino Médio. Importante aqui é que o professor avalie quais dos materiais são mais apropriados para cada turma e para cada unidade de ensino. Oprofessor também é convidado a ter um papel ativo com este material, intervindo nele, retirando fragmentos, elaborando outras folhas de trabalho quese adequem às suas turmas e às suas necessidades.Temos a expectativa de que este material possa ser também um ponto de partida para um diálogo entre os autores e os professores no sentido de realizarmudanças, aparar arestas e incluir temas ou atividades que nesta versão preliminar do material ainda não foram contemplados.Os autores
  • 5. Parte 1Nazismo:Ditadura e Racismo
  • 6. Parte 1Nazismo: Ditadura e RacismoRegimes Autoritários e o NazismoDesde as primeiras civilizações, os homens têm se organizado em diferentes regimes políticos. Essas diferenças podemser percebidas nas relações entre os governantes e os governados, na maneira como as decisões relativas ao país sãotomadas e na existência (ou não) de direitos para o cidadão.Os regimes variam conforme a época e o lugar. Em tempos recentes dois tipos de regime político se destacam:Os regimes democráticos, que permitem maior participação nas decisões políticas, levam em conta a existênciade diferentes interesses na sociedade e procuram garantir aos cidadãos direitos e liberdades individuais.Os regimes autoritários, também chamados de Ditaduras, em que as decisões são tomadas pelos poucos quedetêm o poder e que se utilizam da força e mesmo da violência para colocá-las em prática, e não respeitam osdireitos e as liberdades individuais dos cidadãos.Neste trabalho, vamos conhecer um pouco mais a respeito dos regimes autoritários. No mundo contemporâneo,diversas experiências autoritárias foram vividas em vários países. Algumas dessas ditaduras se impuseram através daforça, derrubando o governante que estava no poder e só então mostraram o seu caráter autoritário. Em alguns países,no entanto, havia partidos que defendiam projetos autoritários e demonstravam claramente que, se chegassem aopoder, imporiam ao país um governo ditatorial. Regimes que nascem de medidas de força, sem pluralismo, pouca ounenhuma liberdade ou participação política, intolerância com a diversidade e repressão politica por meio da polícia edas forças armadas. As ditaduras possuem uma característica comum, por mais que elas sejam diferentes: elas criaramum modelo de sociedade e aqueles que não se adaptavam ou não concordavam com ele eram excluídos. Em algumasditaduras não só os que pensavam diferente mas até aqueles que eram membros de grupos culturais ou religiososdistintos não deveriam ter lugar em seu modelo de sociedade homogênea. Foram os casos do Fascismo na Itália e doNazismo na Alemanha. Ditadura na Alemanha 1933-1945 Ditadura na Itália 1922-1943 Ditadura no Chile 1973-1990 5
  • 7. Parte 1Nazismo: Ditadura e RacismoI -O que caracteriza um regime autoritário ou democrático?A) Releia o 2º parágrafo do texto inicial e, após observar as imagens abaixo, escrevano espaço indicado se ela representa um regime democrático ou autoritário. 1) Em que imagens você identificou características de regimes autoritários? A.1) Regime: A.2) Regime: ______________ ______________ 2) Explique as características que você encontrou. B.1) Regime: B.2) Regime: ______________ ______________ 6
  • 8. Parte 1Nazismo: Ditadura e RacismoII - Às vésperas da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), o mapa dos regimes políticos daEuropa se apresentava assim: Observe bem o mapa e responda: 1) Quantos países europeus eram governados por regimes democráticos? Dê exemplo de cinco deles. 2) Em quantos países havia regimes autoritários? Neste grupo de países, quais são aqueles que você já ouviu falar? (Cite 5). 7
  • 9. Parte 1Nazismo: Ditadura e RacismoIII – A fotografia abaixo mostra dois dos principais governantes de regimes ditatoriais que viveram no século XX:Mussolini, ditador da Itália fascista e Hitler, da Alemanha nazista.Leia com atenção os documentos abaixo e, depois, responda às questões propostas..DOCUMENTO 1“O fascismo nega que a maioria, sópelo fato de ser maioria, possa diri-gir as sociedades humanas; nega queessa maioria possa governar graças a Marcha da milícia nazista, Cidade de Ulm, Alemanha, 1932consultas eleitorais periódicas.Afirma que a desigualdade é, para o Mussolini e Hitler, Roma, 1938Homem, inapagável, fecunda e DOCUMENTO 2benfazeja (…). O fascismo recusa, na democracia, a absurda mentira da igualdade política (…). “O movimento nacional-socialista (nazista) parte do principio de que, nas grandes Para fascista tudo está no Estado, nada do que é humano ou espiritual existe fora como nas pequenas questões, o Chefe detêm uma autoridade incontestada […]. do Estado. Nesse sentido o fascismo é totalitário (…). Nem partidos políticos, Aquele que quer ser Chefe aceita, com autoridade suprema e sem limites, o pesado nem sindicatos, nem indivíduos podem existir fora do Estado. Por consequência fardo de uma responsabilidade total. Só um herói pode assumir essa função. Para o fascismo opõe-se ao socialismo (…) e é inimigo do sindicalismo. restituir ao nosso povo a sua grandeza e o seu poder, é preciso, (...) exaltar a perso- O fascismo quer um Estado forte, poderosamente organizado e apoiado numa nalidade do chefe e restabelecê-la em seus direitos.” base popular (…). O fascismo não acredita nem na possibilidade, nem na utilidade de uma paz perpétua (…).Só a guerra desenvolve ao máximo todas as energias Hitler, Mein Kampf (1923) humanas.”Mussolini, A doutrina do fascismo, (1930) 8
  • 10. Parte 1Nazismo: Ditadura e RacismoA partir da leitura dos documentos da página anterior, responda:1) No documento. 1, Mussolini deixa claro que o fascismo é contra a democracia.Transcreva dois trechos do documento em que esta ideia do fascismo fica bem clara.2) Qual a visão do fascismo a respeito do Estado?3) É possível afirmar que o fascismo prega a violência? Justifique sua resposta.4) De acordo com os ideais do fascismo, como deve ser a autoridade do chefe?5) Em regimes como o fascismo e o nazismo haveria espaço para se fazer oposição?Justifique a sua resposta. Mussolini e Hitler, entre 1941 e 1943 - Iugoslávia Congresso do Partido Nazista, 1936 9
  • 11. Parte 1Nazismo: Ditadura e Racismo Aqui aparece uma foto de Hitler sobre o território alemão, após a Alemanha ter anexado a Áustria e também uma águia que segura o símbolo nazista. A legenda diz: “Um povo, um império, um líder”. Podemos ver neste cartaz a ideia de que a Alemanha, dirigi- da por Hitler, é forte a ponto de formar um novo Império, conquistando outros territórios (a águia aqui é um símbolo de conquista e expansão).IV – Os cartazes de propaganda política nos ajudam a compreender a forma de pensar e as intenções de governos e gover-nantes de uma determinada época. No Nazismo, a propaganda política ganhou importância ainda maior, pois era o principalveículo para transmitir os valores e princípios a serem seguidos por todo o povo.Veja o exemplo ao lado:Faça você agora um exercício de interpretação, observando o cartaz ao lado: Descreva a cena.Como Hitler é apresentado nesta cena?Releia o documento 2 da atividade III. Agora procure relacionar esta imagem com o que Hitler escreveu sobre o Chefe esua autoridade. 10
  • 12. Parte 1 Nazismo: Ditadura e Racismo NAZISMO: movimento político que surgiu na Alemanha em 1919 por meio do parti- do nazista e foi liderado por Adolf Hitler. Este movimento político defendia um regime autoritário e militarista, em que qualquer oposição era tratada com a máxima violência, e um nacionalismo racista. Em 1933, este movimento implantou na Alemanha um regime ditatorial que durou até 1945. A ditadura nazista, além de reprimir violentamente os oponentes políticos, exe- cutou uma política de extermínio sistemático e planejado de seres humanos com base exclusivamente no fato de que eram considerados indesejáveis, e que teve nos judeus seu alvo principal.V – Leia com atenção o texto e os documentos abaixo. Marcha de Milícias nazistas (SA) em 30 de janeiro de 1933. Milícia Nazista (SA) na cidade de Dortmund,DOCUMENTO 3 (Arquivo Federal/Alemanha ) Alemanha, 1933.“30 de Janeiro. Hitler Chanceler. (…) Logo em seguida, a selvageriadas proibições e das agressões. (10.3.1933) “Ninguém mais respira livremente. Não há mais liberdade de expres-são, nem impressa, nem falada.” (27.3.1933)“Cada vez com menos esperanças, O boicote começa amanhã.Cartazes amarelos, homens em guarda, pressões (…) para demitirempregados judeus. Ninguém se atreve a fazer alguma coisa. (…) EmMunique, professores universitários judeus já foram impedidos depisar na universidade. (…) o futuro é incerto. (31.3.1933)Extraído de “Diários de Victor Klemperer, os - Testemunho Clandestino de um Judeu naAlemanha Nazista 1933-1945”. São Paulo: Cia das Letras, 1999.DOCUMENTO 4“Desde o momento em que Hitler assumiu o poder, eu diria que nohouve um dia em que eu caminhasse até a escola ou voltasse para acasa sem uma sensação de medo na boca do estômago”Susan (12 anos), Alemanha.In A través de nuestros ojos: Los niños testimonian el Holocausto.Jerusalém: Yad Vashem, 2008 Pichações antissemitas em um cemitério judaico e em lojas de propriedades de judeus durante a Ditadura Nazista. 11
  • 13. Parte 1Nazismo: Ditadura e Racismo 1) Retire do texto TRÊS características do regime defendido pelo NAZISMO na Alemanha. 2) Quais eram os principais alvos do racismo nazista? Que política foi planejada e executada pelo regime nazista contra este grupo de seres humanos? 3) Identifique no texto do DOCUMENTO 3 e escreva nas linhas abaixo TRÊS palavras ou expressões que demonstrem que um regime ditatorial estava se impondo após Hitler ter se tornado chanceler. 4) Ainda no DOCUMENTO 3, aponte DOIS exemplos de como a chegada de Hitler ao poder afetou a situação dos judeus na Alemanha. 5) No DOCUMENTO 4 vemos o depoimento de Susan, uma menina judia alemã de 12 anos. Com as informações que você leu no texto sobre o nazismo e no DOCUMENTO 3, como você explicaria o sentimento de Susan naqueles dias? 12
  • 14. Parte 1Nazismo: Ditadura e RacismoVI – Leia o texto com atenção.O Terceiro Reich “A chegada dos nazistas ao poder colocou fim à República de Weimar, uma democracia parlamen-tar estabelecida na Alemanha após a Primeira Guerra Mundial. Com a nomeação de AdolfHitler como chanceler, em 30 de janeiro de 1933, a Alemanha nazista (também chamada deTerceiro Reich) rapidamente tornou-se um regime no qual os alemães não possuíam direitos bási-cos garantidos. Após um incêndio suspeito no Reichstag, o parlamento alemão, em 28 de fevereirode 1933, o governo criou um decreto que suspendia os direitos civis constitucionais e declarouestado de emergência, durante o qual os decretos governamentais podiam ser executados semaprovação parlamentar.Nos primeiros meses da chancelaria de Hitler, os nazistas instituíram uma política de "coordenação"--o alinhamento dos indivíduos e instituições com os objetivos nazistas. A cultura, a economia, aeducação, e as leis passaram ao controle nazista.Uma ampla campanha de propaganda foi levada a efeito para disseminar os objetivos e ideais doregime. (…). Hitler colocava-se fora do estado de direito e passou a determinar as questões políticas.Hitler tinha a última palavra tanto na legislação nacional quanto na política externa alemã. Estaúltima era guiada pela crença racista de que a Alemanha era biologicamente destinada a expandir-separa o leste europeu por meio de força militar, e de que uma população alemã, maior e racialmentesuperior, deveria ter domínio permanente sob o leste europeu e a União Soviética. (...).Dentro daquele sistema, as pessoas “racialmente inferiores” como os judeus e os ciganos deveriamser eliminadas. A política externa nazista tinha como objetivo, desde o início, travar uma guerrade aniquilação contra a União Soviética e, para isto utilizou os anos de paz anteriores à eclosão daGuerra para preparar o povo alemão para o conflito. No contexto desta guerra ideológica, os na-zistas planejaram e colocaram em prática o Holocausto, ou seja, o assassinato em massa dos judeus,considerados os principais inimigos “raciais” dos alemães.Críticas explícitas ao regime eram reprimidas pela Gestapo, a polícia secreta do estado, e peloServiço de Segurança (SD) do partido nazista, mas o governo de Hitler era popular entre a maioriados alemães. A pequena oposição ao estado nazista, variava desde a não conformidade a uma tenta-tiva, abortada, de assassinar Hitler no dia 20 de julho de 1944.Os Aliados derrotaram a Alemanha nazista e obtiveram sua rendição em 8 de maio de 1945.Extraído do Enciclopédia do Holocausto do United States Holocaust Memorial Museum -USHMM. http://www.ushmm.org/ Congresso do Partido Nazista. Nüremberg, Setembro de 1935 13
  • 15. Parte 1Nazismo: Ditadura e Racismo Depois de ter lido o texto na página anterior, responda as perguntas a seguir. 1) Retire do texto TRÊS elementos que permitam que se considere o governo nazista de Hitler como uma DITADURA. 2) De que maneira o racismo, um dos fundamentos do nazismo, influenciava a política externa da Alemanha nazista? 3) De acordo com o texto, o que foi o Holocausto? Qual a sua relação com as teorias racistas do nazismo? 4) Identifique no texto e escreva nas linhas abaixo DUAS estratégias utilizadas pelo regime nazista para manter o apoio do povo alemão e evitar oposições. 5) A ditadura nazista foi derrotada na Alemanha em 1945, com a vitória dos países Aliados, na II Guerra Mundial. Porém, outras ditaduras existiram depois disso. Você pode citar pelo menos DOIS outros exemplos de ditaduras que ocorreram depois de 1945? 14
  • 16. Parte 1Nazismo: Ditadura e Racismo VII – Redação Os crimes cometidos pelos Nazistas só foram possíveis porque eles estabeleceram na Alemanha uma Ditadura. De que forma um regime democrático pode impedir que isto volte a acontecer? Sob a orientação de seu professor, discuta esta questão com seus colegas e depois escreva um pequeno texto, justificando a sua opinião. 15
  • 17. Parte 2Nazismo:Racismo e Extermínio
  • 18. Parte 2Nazismo: Racismo e ExtermínioRacismo e o Racismo NazistaObserve com atenção a imagem ao lado.Ela apresenta uma aula sobre educação racial, em uma escola na Alemanha, na épocado Governo Nazista.Os nazistas acreditavam , e ensinavam às crianças, que os alemães pertenciam a umaraça superior – os arianos – e fizeram do antissemitismo, que é o preconceito e o ódiocontra os judeus, um dos principais pontos de seu programa.As escolas eram um importante meio de divulgar essas ideias. Muitos professoresforam treinados para dar esta educação racista e os que não quiseram participar dessetipo de formação dos jovens foram afastados ou mesmo perseguidos. A legenda diz: “O nariz do judeu é curvado na ponta e se parece com o número 6” (Imagem obtidas em www1.yadvashem.org) 17
  • 19. Parte 2Nazismo: Racismo e Extermínio Leia agora esse pequeno trecho do livro O racismo explicado aos meus filhos, de Nei Lopes: “Isso de achar que um grupo de pessoas da mesma cor ou da mesma origem tem sempre obrigatoria- mente o mesmo tipo de comportamento, isso éI-Para pensar e depois debater. uma ilusão. E essa ilusão, quando se dá em relação a alguém diferente de nós, parte de uma idealizaçãoVamos trabalhar com esta imagem: que fazemos de nós mesmos. Nessa idealização, nós nos achamos superiores, melhores do que aquele1º) Descreva a imagem. O que está acontecendo na sala de aula nesse momento? que é diferente de nós na aparência, na origem ou2º) O que o menino está dizendo? Você acha que ele estava repetindo algo que ele aprendeu na escola ou nas duas coisas juntas.estava dando sua opinião própria? Por quê? E isso tem um nome: racismo.”3º) Você sabia que nas escolas alemãs a menor nota é o 6 (o que seria um zero no Brasil) e a maior nota é o 1 LOPES, Nei. O racismo explicado aos meus filhos. Rio de Janeiro: Agir, 2007. p.11(10 ou 100 nas nossas escolas)? Agora pense bem no que o menino falou. Além de falar “do nariz do judeu”,qual é, na verdade, a ideia que ele está repetindo?Após a leitura do texto, escreva uma definição de racismo, com suas próprias palavras.Leia a sua definição de racismo para a turma, quando seu professor pedir e veja se seus colegas têm definições diferentes. 18
  • 20. Parte 2Nazismo: Racismo e Extermínio II- Um novo debate. Responda por escrito e depois debata com os colegas: Você acredita que na nossa sociedade, nos dias de hoje, ainda sejam produzidos estereótipos que discriminem pessoas? Dê exemplos. Você, ou alguém que você conhece, já passou por uma situação em que se sentiu alvo de preconceito? O que você sente quando se vê diante de um ato de preconceito? Mais um trecho do livro de Nei Lopes: “(...) existem várias formas e manifestações de racismo, desde o preconceito, que é apenas um julgamento; passando pela discriminação, que é a forma de tratamento desigual; pela segregação, que é a separação física de grupos, baseada no racismo; passando também pelo molestamento, que é a agressão física por motivos “raciais”; e podendo chegar ao extremo do genocídio.” LOPES, Nei. O racismo explicado aos meus filhos. Rio de Janeiro: Agir, 2007. p.15 19
  • 21. Parte 2Nazismo: Racismo e ExtermínioRacismo e Segregaçãodurante a DitaduraNazista A Ditadura Nazista obrigou os judeus a usarem uma estrelaMesmo que o racismo tenha existido e ainda exista em mui- como esta costurada Pichação na roupa como forma antissemitatos lugares no mundo, durante a Ditadura Nazista (1933- de segregá-los e de em Viena,1945) tanto na Alemanha quanto na Europa ocupada, o identificá-los. Áustria,racismo foi levado à sua expressão máxima: a tentativa de novembro de 1938 -extermínio planejado de um povo, o genocídio. USHMMLá, por causa de uma ideologia autoritária e racista, foramaplicadas políticas de segregação e de extermínio baseadasna ideia de que existem grupos humanos que não tem di-reito à existência. A política de segregação mais regular foiorientada pelo Antissemitismo. Para os Nazistas os Judeuseram o inimigo principal e foram os alvos mais constantes Judeus de Viena, Áustria, são publicamente humilhados ede exclusão. forçados a limpar as ruas com as próprias mãos, Mulher escondendo o rosto na Áustria sob domínio Nazista: No banco está escrito: apenas para judeus. 1938. USHMMANTISSEMITISMO é o nome que se dá à hostilidade contra os judeuscomo grupo religioso ou cultural. O antissemitismo, como outras formas deracismo, se manifesta por meio de preconceito, de segregação e de violência.A Ditadura Nazista na Alemanha adotou o antissemitismo como política de A legenda do cartaz, na entradaoficial. Que começou com atos que segregavam e excluíam os judeus da vida de uma pequena cidade alemã, nos anos 1930, diz:pública e se desenvolveu em uma política que visou a eliminação física de ”Os habitantes deste local nãotodos os judeus. desejam contatos com judeus” 20
  • 22. Parte 2Nazismo: Racismo e ExtermínioO texto abaixo é um trecho extraído da Enciclopédia do Holocausto do Museu do Holocausto deWashington. Leia-o com atenção.Holocausto“Holocausto" é uma palavra de origem grega que significa "sacrifício pelo fogo". O significado modernodo Holocausto é o da perseguição e extermínio sistemático, apoiado pelo governo nazista, de cerca deseis milhões de judeus. Os nazistas, que chegaram ao poder na Alemanha em janeiro de 1933, acredita-vam que os alemães eram "racialmente superiores" e que os judeus eram "inferiores", sendo uma ameaçaà autointitulada comunidade racial alemã.Durante o Holocausto as autoridades alemãs também destruíram grandes partes de outros gruposconsiderados "racialmente inferiores": os ciganos, os deficientes físicos e mentais, e eslavos (poloneses,russos e de outros países do leste europeu). Outros grupos eram perseguidos por seu comportamentopolítico, ideológico ou comportamental, tais como os comunistas, os socialistas, as Testemunhas deJeová e os homossexuais.Em 1933, a população judaica europeia era de mais de nove milhões de pessoas. A maioria dos judeuseuropeus vivia em países que a Alemanha nazista ocuparia ou viria a influenciar durante a SegundaGuerra Mundial. Em 1945, os alemães e seus colaboradores já haviam assassinado dois entre cada trêsjudeus europeus, em uma operação por eles denominada "Solução Final", que era a política nazista paramatar todos judeus. Embora os judeus fossem as principais vítimas do racismo nazista, existiam tam-bém outras vítimas, incluindo duzentos mil ciganos, e pelo menos 200.000 pessoas com deficiênciasfísicas ou mentais, em sua maioria alemães, que viviam em instituições próprias e foram assassinados nochamado Programa de Eutanásia. (...)”Extraído do Enciclopédia do Holocausto do United States Holocaust Memorial Museum - USHMM. http://www.ushmm.org. Grupo de Jovens Judeus Vilna, (então, Polônia), 5/6/1938 Yad Vashem Photo Archive Foto de uma família judaica. Varsóvia, Polônia, sem data Yad Vashem Photo Archive Turma em uma escola judaica de Colônia, Alemanha, 1929-1930 USHMM 21
  • 23. Parte 2Nazismo: Racismo e Extermínio Após a leitura do texto da página anterior, responda às seguintes perguntas: 1) De acordo com o texto, qual o significado moderno da palavra Holocausto? 2) Qual a justificativa usada pelos nazistas para a perseguição e tentativa de destruição dos judeus, dos ciganos, dos deficientes físicos e mentais e dos eslavos? 3) Que outros grupos, além dos citados na questão anterior, eram perseguidos pelo regime nazista? Por que isto acontecia? 4) Explique, com suas palavras o que foi: A chamada “Solução Final” O Programa de Eutanásia 22
  • 24. Parte 2Nazismo: Racismo e ExtermínioOs Campos e o ExtermínioNo início do regime nazista o governo Nacional-Socialista criou campos deconcentração para deter seus oponentes políticos e ideológicos. Nos anos queantecederam a Guerra, as SS e as autoridades policiais prenderam um númerogrande de judeus, ciganos e outras vítimas do seu ódio étnico e racial naquelescampos. Para concentrar, monitorar, e facilitar a deportação futura da popu-lação judaica, os alemães e seus colaboradores criaram guetos, campos de tran- Uma turma de meninas de uma escola judaica. de Utena, Uma família Judaica no Gueto de Piotrkow Trybunalski, Polô-sição e campos de trabalho escravo para judeus. (…) Lithuania, Antes de 1939. Sabe-se que uma destas meninas nia. Veja que todos levam uma braçadeira branca marcada com sobreviveu ao extermínio, Yad Vashem. a Estrela de Davi. Todos os que aparecem nesta foto, foramEntre 1941 e 1944, as autoridades nazistas alemãs deportaram milhões de mortos no holocausto. Polônia, 1940. USHMMjudeus da Alemanha, dos territórios ocupados e dos países aliados ao Eixopara guetos e campos de extermínio, muitas vezes chamados de centros deextermínio, onde eram mortos nas instalações de gás criadas para cumprir estafinalidade.Nos meses que antecederam o final da Guerra os guardas das SS transferiram osprisioneiros dos campos em trens, ou em marchas forçadas conhecidas como"marchas da morte", na tentativa de evitar que os Aliados os libertassem.Conforme as forças Aliadas atravessavam a Europa, em uma série de ofensivascontra a Alemanha, elas começaram a encontrar e a libertar prisioneiros doscampos de concentração e aqueles que estavam sendo levados de um campo Reunião de duas famílias de judeus- alemães antes da Guerra. Membros de uma família judia húngara marcados com a Estrelapara outro. Estas marchas continuaram até o dia 7 de maio de 1945, o dia Só duas pessoas do grupo sobreviveram Alemanha, 1928 - de Davi. Pouco após haver tirado esta foto eles foram deportados USHMM e assassinados em Auschwitz. Hungria, 8/61944. USHMMem que as forças armadas da Alemanha se renderam incondicionalmente aosAliados. (…)Após o Holocausto muitos sobreviventes encontraram abrigo nos campospara deslocados de guerra (DP) administrados pelos poderes Aliados. Entre1948 e 1951, cerca de 700.000 sobreviventes emigraram da Europa para Israel.Muitos outros judeus deslocados de guerra emigraram para os Estados Unidose para outras nações, tais como o Brasil. (…)Os crimes cometidos durante o Holocausto devastaram a maiorias das comuni-dades judaicas da Europa, eliminando totalmente centenas destas comunidadescentenárias. Três Gerações de uma família Judaica de Vilna, Deportação de moradores do Gueto de Varsóvia para o então Polônia, 1938-39. USHMM campo de extermínio de Treblinka, 16/5/1943.Extraído do Enciclopédia do Holocausto do United States Holocaust Memorial Museum - Museu Histórico Alemão (dhm)USHMM. http://www.ushmm.org- Grifos nossos 23
  • 25. Parte 2Nazismo: Racismo e Extermínio 1) Observe as fotos na parte de baixo da página 22. O que elas nos sugerem a respeito da vida das famílias judaicas antes da chegada dos nazistas ao poder e antes da Alemanha dominar outros países europeus? 2) Veja agora as fotos na parte de cima da página anterior. Como podemos caracterizar a situação dos judeus nas regiões da Europa dominada pelos nazistas a partir do que vemos nessas fotos? 3) De acordo com o texto da página anterior, qual a diferença entre “campos de concentração” e “ campos de extermínio”? 4) O que foram as chamadas “marchas da morte”? Quais os seus objetivos? 5) Leia com atenção o depoimento abaixo de um menino judeu alemão, de 12 anos, chamado Werner: ”Só porque somos judeus devemos permanecer presos? Por acaso meu pai roubou ou matou alguém para ter que ser preso? E qual foi o crime cometido pela minha mãe? E o que nós, crianças, fizemos?” (In A través de nuestros ojos: Los niños testimonian el Holocausto. Jerusalém: Yad Vashem, 2008) Werner, aqui, representa todos os judeus que viveram a experiência da segregação, da prisão nos guetos e nos campos de concentração. Que palavras podem expressar o sentimento desse menino em relação a tudo o que ele e os demais judeus estavam vivendo? 24
  • 26. Parte 2 Nazismo: Racismo e ExtermínioNo outono de 1939, os nazistas começaram a estabelecer guetos na Polônia e, mais tarde, através da EuropaOriental. Eles eram criados normalmente em uma zona pobre de uma cidade, para onde eram enviados todosos judeus da cidade. A saída do gueto era proibida. O propósito dos guetos era isolar os judeus da populaçãoem geral e controlá-los com mais facilidade. (...)Apesar das péssimas condições de vida, das dificuldades e do sofrimento, os habitantes do gueto não perde-ram a vontade de sobreviver. As expressões culturais, religiosas e espirituais não se interromperam. Crianças ejovens continuaram a estudar e se desenvolveu uma ampla atividade de ajuda aos necessitados.(...)Tudo isso representou uma espécie de “rebelião espiritual” contra a tentativa dos nazistas de transformar osjudeus em sub-humanos”. In A través de nuestros ojos: Los niños testimonian el Holocausto. Jerusalém: Yad Vashem, 2008 A partir da leitura do texto acima responda: 6) O que eram os “guetos”? Qual a sua finalidade? 7) O texto afirma que, apesar das péssimas condições de vida, os habitantes do gueto resistiam e não perdiam sua vontade de sobreviver. A) Que exemplos há no texto de atitudes e atividades dos habitantes do gueto que representam uma forma de resistência? B) Como podemos entender esses exemplos como forma de resistência aos nazistas? 8) Com a orientação de seu professor, pesquise a respeito da vida cotidiana em um gueto. Pesquise sobre o Gueto de Varsóvia, na Polônia, por exemplo. Como ele se constituiu, o número de pessoas que o habitaram, as condições de vida, as formas de resistência desenvolvidas lá, as revoltas como o importante “Levante do Gueto de Varsóvia”. 25
  • 27. Parte 2Nazismo: Racismo e Extermínio Soldados soviéticos acompanhando duas Logo após a liberação, crianças sobreviventes do campo de Auschwitz saem do barracão prisioneiras libertas Polônia, 1945, Yad Vashem Photo Archive das crianças. No dia 27 de janeiro de 1945, soldados do exército soviético entraram no campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau, o último dos centros de extermínio que ainda estava funcionando. Eles encontraram 7.650 sobreviventes. Cerca de um milhão e meio de pessoas haviam sido mortas ali, incluindo 960.000 judeus. Auschwitz-Birkenau se tornou o símbolo do Holocausto, representando até que ponto o ser humano pode ser desumano e destrutivo. Em novembro de 2005, A Organização das Nações Unidas (ONU) decidiu fazer do dia 27 de janeiro o dia internacional de comemoração em home- nagem às vítimas do Holocausto e insistiu para que todos os seus Estados membros desenvolvessem programas educativos para transmitir a memória desta tragédia às futuras gerações. Uma nova tragédia como essa não pode nunca mais acontecer.  Texto extraído e adaptado de: http://www1.yadvashem.org/yv/en/education/educational_materials/january27_2011.asp 1) Qual a importância de se lembrar, a cada ano, o que foi o Holocausto? Qual a relação entre essa comemoração e a ideia que está na frase sublinhada ano final do texto? 2) Infelizmente, outros genocídios aconteceram no mundo, mesmo após os horrores do Holocausto. Com a orientação de seu professor, pesquise outros casos de tragédias como a que vimos neste trabalho, que tenham ocorrido no século XX, ou que ainda estejam ocorrendo. 26
  • 28. Parte 2O racismo e a segregação racial,e Extermíniodas Nazismo: Racismo isto é, a separaçãopessoas pelo fato delas serem diferentes, continuou aocorrer mesmo depois da Segunda Guerra Mundialem muitos lugares até os dias de hoje.Veja alguns exemplos: Placa em uma praia na África do Sul, durante o regime do apartheid, diz que aquela área é reservada apenas para brancos. Cemitérios Judaicos tem sido desrespeitados e profanados com pichações nazistas em diversos países, Estas ocorreram na França Bebedouros separados para brancos e negros no estado da Carolina do Norte. EUA. 1950 A foto foi tirada pelo fotógrafo Luiz Morier nos anos 1980, A jovem Dorothy Counts, uma das primeiras estudantes negras No Alabama, nos Estados Unidos da América, mãe e uma criança na autoestrada Grajaú-Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. em colégio de brancos, é vitima de preconceito racial nas ruas de em um ônibus que separava negros de brancos em 1955. Charlotte, Carolina do Norte, Estados Unidos. 1957. Na placa, um banco só para negros. 27
  • 29. Parte 2Nazismo: Racismo e ExtermínioEu tenho um sonho de que um dia, nas montanhas da Geórgia, os filhos de antigosescravos e os filhos de antigos donos de escravos serão capazes de sentarem-se juntosà mesa da fraternidade.Eu tenho um sonho de que meus quatro filhos um dia viverão numa nação onde nãoserão julgados pela cor de sua pele, mas sim pelo conteúdo de seu caráter (...).Quando permitirmos que a liberdade ecoe, quando permitirmos que ela ecoe em cadavila e cada aldeia, em cada estado e cada cidade, seremos capazes de avançar rumo aodia em que todos os filhos de Deus, negros e brancos, judeus e gentios, protestantese católicos, poderão dar as mãos e cantar as palavras da velha cantiga negra, “Enfimlivres! Enfim livres! Graças a Deus Todo-Poderoso,enfim estamos livres!” Martin Luther King (Eu Tenho Um Sonho, Washington, 28 de agosto de 1963) Martin Luther King Leia o texto a cima. Ele é um trecho do discurso de Martin Luther King, importante líder da luta dos negros americanos por igualdade de direi- tos. Havia em vários estados norte-americanos, ainda na década de 1960, leis que promoviam a segregação, que não davam aos negros os mesmos direitos da população branca. Depois da Leitura do trecho discurso de Martin Luther King, faça as questões abaixo: 1 - No início do texto, Martin Luther King se refere aos filhos de antigos escravos e aos filhos de antigos donos de escravos. A quem ele está se referindo, já que em 1963, quando ele fez esse discurso, já não havia escravidão nos Estados Unidos? Quem são os filhos de antigos escravos e os filhos de antigos donos de escravos? 2 - Releia com atenção o trecho destacado do texto e explique, com suas palavras, qual era o grande sonho de Martin Luther King para seus filhos. 28
  • 30. Parte 2Nazismo: Racismo e Extermínio 3 – Quando esse sonho for realizado, King afirma que todos poderão cantar que estão livres, ou seja, que a LIBERDADE terá sido alcançada. O que mais os homens conquistarão no dia em que conseguirem acabar com todos os preconceitos? Sublinhe no quadro abaixo as palavras que você acha que podem responder a esta pergunta. Respeito – Desigualdade – Paz – Injustiça – Violência – Conflitos – Igualdade – Desespero – Justiça – Tolerância – Desrespeito 4- Como fazer para evitar que o preconceito de qualquer tipo sobreviva em nossa sociedade? Qual o papel da escola/ da educação nesse sentido? 5) Como cada um de nós pode contribuir para acabar com as diferentes manifestações de preconceitos? 29
  • 31. Parte 2Nazismo: Racismo e Extermínio A Declaração Universal Dos Direitos Humanos Você também certamente acredita que todas as pessoas devem ter os mesmos direitos, não é? Que todos, homens e mulheres, não importa a cor, a idade, a religião, se rico ou pobre, brasileiro ou estrangeiro, enfim, que todas as pessoas nascem livres e iguais.Para garantir que esses direitos sejam respeitados, foi escrito um documento reconhecido por 192 países: a Declaração Universal dos Direitos Humanos, proclamada pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1948. Aqui podemos ler alguns trechos de seus 30 artigos. Artigo I Artigo VII Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São Todos são iguais perante a lei e (…) têm direito a igual proteção contra dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras qualquer discriminação que viole a presente Declaração (…) com espírito de fraternidade. Artigo XVIII Artigo II Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento, consciência e Toda pessoa tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades es- religião(...) tabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra nature- Artigo XIX za, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra Toda pessoa tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito condição. inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e ideias por quaisquer meios e inde- Artigo III pendentemente de fronteiras. Toda pessoa tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. Artigo VI Toda pessoa tem o direito de ser, em todos os lugares, reconhecida como pessoa perante a lei. 30
  • 32. Parte 2Nazismo: Racismo e Extermínio Leia com atenção os artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Escolha TRÊS artigos que você considere como os mais importantes para que as pessoas tenham uma vida tranquila e com dignidade. (Cite os números dos artigos). 2) Explique as razões de você ter escolhido esses artigos. 3) Dentre os artigos apresentados no texto, cite aqueles que foram negados aos judeus na Alemanha nazista. 4) Quais são, na sua opinião, os direitos humanos que não são garantidos a muitos brasileiros nos dias de hoje? Justifique a sua resposta. 5) Elabore, junto com um grupo de colegas, um cartaz em que vocês defendam um (ou mais) dos artigos dos Direitos Humanos. 31
  • 33. Parte 2Nazismo: Racismo e Extermínio Redação O que podemos fazer, em nossa vida cotidiana, para evitar que as diversas formas de preconceito sobrevivam? Como podemos contribuir para um mundo mais justo para todos? 32
  • 34. Fontespg.5 pg.11 pg. 23historybuffz.wikispaces.com bundesarchiv (blog.zvab.com/) yadvaschem.orghistory.howstuffworks.com ushmm.org ushmm.orgpoliticalpathologies.wikispaces.com geschichtsverein-koengen.de dhm.orgpg6 pg.13 pg.25ipar.br nationalsozialismus.at/Themen/National- ushmm.orgprofessoradrianovieira.blogspot.com.br soz/chrono1ohistoriador.com.br pg.26rogerioalvesadv.blogspot.com.br pg.17 ushmm.org yadvaschem.org yadvaschem.orgpg.8germanhistorydocs.ghi-dc.org pg. 20 pg.27ulm.de/kultur_tourismus/stadtgeschichte/ ushmm.org cafehistoria.ning.com lilipuz.de/wissen/zeitkreisel/wien.gv.at/ Hulton Archive / Getty Imagespg.9 kultur/juedischeswien/geschichte/national- imagesvisions.blogspot.com.brdigitalassets.ushmm.org/photoarchives sozialismushanisauland.de pg.21pg.10 yadvaschem.orgdhm.de ushmm.orgibamendes.com
  • 35. Indicações para a leitura e websites educacionaisCytrznowicz, Roney Roseman; Mark ParadidáticoMemória da Barbárie: A História do genocídio Os Nazistas e a Solução Final: A Conspiraçãdos Judeus na Segunda Guerra Mundial. de Wannsee: do Assassinato em Massa ao Carneiro, Maria Luiza T.São Paulo: Edusp, Nova Stella, 1990. Genocídio. O Holocausto – Crime contra a Humanidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003. São Paulo: Ática, 2007.Dwork, Deborah e van Pelt, Robert JanHolocausto: Uma História. Stackelberg, Roderick Alguns sítios eletrônicos com materiaisRio de Janeiro: Imago, 2004. A Alemanha de Hitler: educacionais sobre o holocausto em Origens Interpretações, Legados. Português e EspanholFriedländer, Saul Rio de Janeiro: Imago, 2002A Solução Final. In História do Século XX. Museu Memorial do Holocausto dos EstadosSão Paulo: Abril Cultural, 1974. Págs. 2067- Shoenberner, Gerhard. Unidos ,Washington.EUA2070. A Estrela Amarela: A perseguição aos judeus http://www.ushmm.org na Europa: 1933-1945. (português)Friedländer, Saul Rio de Janeiro: Imago, 1994.O Significado Histórico do Holocausto. In Museu Yad Vashem, Jerusalém,IsraelShalom Análise Wistrich, Robert S. http://www.yadvashem.orgSão Paulo, nº 3, 1979. Pp. 239-251. Hitler, e o Holocausto. (espanhol) Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.Gilbert, Martin Muaseo del Holocausto Buenos Aires,ArgentinaO Holocausto: A História dos Judeus da Burrin, Philippe http://wwwmuseodelholocausto.org.arEuropa na Segunda Guerra Mundial. Hitler e os Judeus: Gênese de um Genocídio. (espanhol)São Paulo: Ed.Hucitec, 2010. Porto Alegre: LPM, 1990. Museu do Holocausto ,Curitiba,BrasilMarrus, Michael http://www.museudoholocausto.org.brA Assustadora História do Holocausto. (português)Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.

×