• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Parte 2
 

Parte 2

on

  • 1,559 views

Fanfic DemPeo

Fanfic DemPeo

Statistics

Views

Total Views
1,559
Views on SlideShare
1,456
Embed Views
103

Actions

Likes
0
Downloads
41
Comments
0

4 Embeds 103

http://welovegreysanatomy.blogspot.com 88
http://www.welovegreysanatomy.com.br 12
http://www.docshut.com 2
http://www.slashdocs.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Parte 2 Parte 2 Document Transcript

    • O que está acontecendo entre você e Patrick? "Sandra perguntou em um sussurro baixo.Ela estava segurando a porta grande do escritório de produção e não perdeu o olhar depânico que tomou conta de Ellen."Nada está acontecendo. Por que ... o que você ouviu?" Ellen olhou ao redor para secertificar de que ninguém ouvia a conversa. Fazia duas semanas desde que se beijarame, até agora, nada tinha acontecido.Como a tensão tinha ido embora, ela e Patrick estavam em condições de voltar a filmarsuas cenas, obter elogios dos executivos e até conseguiram ficar mais amigos do queantes. Se eles se sentiam mal com o beijo, nenhum deles demonstrava.Tinha sido um remendo, uma correção, o beijo tinha que ter acontecido para o bemcriativo de seus personagens. Pelo menos, era isso que Ellen dizia a si mesma paramanter longe de sua cabeça os pensamentos culpados. Ela tentava não pensar no beijo,mas era impossível. A sensação de seus lábios contra os dela ficaria para sempregravada em sua memória.Sandra riu, não acreditando em sua amiga por um segundo. Havia um brilho nos olhosculpados de Ellen que mesmo uma grande atriz não conseguia esconder. Elas estavampara a leitura dos scripts, e aparentemente estavam atrasadas, visto que os corredoresestavam vazios."Eu não acredito nisso. Dois meses atrás ... talvez ... mas agora eu sei que você estámentindo"."Eu não estou mentindo!" Ellen se defendeu, mas enquanto ela dizia isto, Sandraolhava-a com um olhar intenso. Chegaram à porta da sala de conferência, mas nãofizeram qualquer movimento para entrar."Está acontecendo alguma coisa sim. De verdade. Eu sou sua melhor amiga no set ..."Sandra falou e Ellen apenas revirou os olhos com um gemido."Não há nada acontecendo. Somos apenas ....""Amigos?" Sandra respondeu. Estava claro para ela, mais do que nunca, que Ellen ePatrick eram mais do que apenas amigos. Mas, o que eles realmente eram ... não eraalgo que ela poderia se permitir pensar."Vocês têm se comportado, nas últimas duas semanas, como um casal de adolescentescheio de amor. Vocês flertam o tempo todo ... ele faz esses olhos doentios moles pravocê .. e os olhares que você manda para ele? Ellen, todos estão comentando sobreisso."O coração de Ellen quase parou. O beijo tinha acabado com a tensão entre eles, tinhacriado uma calma sobre eles. Eles sentiram-se como se estivessem andando em umanuvem. Foi divertido, despreocupado ... e surpreendente. Mas ... não era amor. Nãopodia ser amor ... e as pessoas não poderiam estar falando sobre isso. "Ele é casado".Sua mente gritava. Você tem um namorado ... um cara que te ama." Os pensamentos
    • passavam por sua cabeça implacáveis. Como uma onda de choque repentino, elesestouraram sua bolha de felicidade.Sandra olhou para ela, e viu muitas emoções passando pelo rosto de sua amiga.Balançando a cabeça, ela abriu a porta, mas a mão de Ellen a deteve."As pessoas estão falando sobre nós?" Ela perguntou, com um pouco de medo em suavoz. Era ruim o suficiente a ABC estar questionando as coisas ... mas o elenco e osmembros da série estarem falando significava fofocas e boatos ... o que nunca era bom."Eles estão chamado vocês de os novos Brangelina". Respondeu Sandra. "Bem, eu não.Porque eu me recuso a por apelido nas pessoas ... mas ... sim é isso que estáacontecendo ao redor."Ellen manteve os olhos na sua amiga, mas sua mente estava correndo em um milhão dedireções diferentes. Finalmente, ela parecia sacudir seus pensamentos e de repente ela selevantou reta."Nós nos beijamos. Uma vez. Há duas semanas." Sandra não esperava isso e deixou caira boca aberta."Você beijou ....""Uma vez". Ellen falou para ela com uma voz determinada. Nada estava acontecendo.Um beijo não era grande coisa, um beijo pode acontecer com qualquer pessoa. Mas,mesmo assim, Ellen sabia que estava mentindo para si mesma. Ela nunca tinha sentidoantes o que sentiu com esse beijo."Certo. Eu tenho que te dizer ... Eu não estava esperando isso"."Nem nós! Simplesmente aconteceu. Isso tem que ficar entre a gente ...""E foi um bom beijo?" Sandra perguntou.Ellen olhou para Sandra com o rosto suave. Ela estava cansada de negar as coisas. Elanão tinha sido capaz de falar com ninguém sobre isso. O assunto nunca tinha sidotocado nem com Patrick. Foi bom para ela deixar sair alguns de seus pensamentos.Inspirando profundamente, Ellen disse: "Muito bom ... maravilhosamente bom". Sandraenviou-lhe um olhar sorridente."Ele parece ser muito bom nisso. O que significa isto? Vocês são ... .. um casal? E aesposa dele?" Ela nem sequer mencionou o namorado de Ellen. Namorados emHollywood era tão dispensáveis como um script terrível.Ellen não sabia o que responder, mas ela só balançou a cabeça. "Não. Foi apenas umerro. Fomos apanhados no momento. Ele é como um irmão para mim .... então ... não.Nós definitivamente não somos um casal".
    • Sandra não acreditava nela .. nem por um segundo, mas a porta se abriu antes que elapudesse dizer uma palavra e deu de cara com a assistente de Shonda."Estamos prestes a começar agora ... se vocês duas quiserem se juntar a nós." Ela dissesem o menor jeito. Enviando um olhar para Ellen, Sandra entrou na primeira sala comEllen seguindo atrás dela.Tão logo entraram, foi como se um milhão de olhos virasse para elas. A grande mesaretangular estava cheia com todos os envolvidos no roteiro do final da temporada.Shonda e Betsy estavam diretamente na frente delas com sorrisos idênticos em seusrostos.Andando até seu lugar, Ellen não pode deixar de dar uma olhada em Patrick. Seu lugarera ao lado dele, como sempre, ele tinha guardado para ela. A sala ainda estava emsilêncio enquanto ela se aproximava. Era estranho, considerando que era geralmente ocontrário.Patrick assistiu sua chegada, plenamente consciente de que todos os olhos sobre a salaestavam focados neles.Assim que ela se sentou, Shonda limpou a garganta, os olhos lentamente se voltarampara os seus scripts, e de uma vez, a sala irrompeu em conversas.Ellen ouviu ranger a cadeira do seu lado antes que ela o viu se aproximar com a cabeçae falar: "Você sabe ... as portas não são exatamente à prova de som". Ele sussurrou,fingindo estar cuidadosamente folheando seu script.“ O que ...." Ellen olhou, e então o significado do que ele havia dito afundou dentro delae ela instantaneamente corou, cobrindo a boca com a mão delicada. "Oh meu deus ..."Patrick não conseguia esconder sua diversão e ela olhou para ele com horror nos olhos,mas ele estava dando-lhe um sorriso divertido. "Então ... eu sou um bom beijador,hein?" O orgulho era evidente em sua voz.Ainda completamente envergonhada, Ellen apenas olhou para ele em choque. "Isso éruim ... isso é tão ruim. Todos sabem agora? E se isso sair nas revistas?" Sua mentetinha imediatamente começado a produzir os piores cenários possíveis que poderiamacabar na fofoca do dia seguinte."Eles não sabem de quem você estava falando. Poderia ser qualquer um. Embora, eutenho a dizer ... Eu normalmente não beijo minha irmã ....." Ele ainda estavaprovocando-a, não importando que a situação poderia tornar-se ruim.Nesse momento, Ellen queria que um buraco abrisse debaixo dela e a engolisse. Vendoque ele ainda estava brincando com ela, Ellen usou o calcanhar da bota para pisar emseu pé e ele soltou um uivo, fazendo todos olharem para eles mais uma vez. Ela ficoumuito humilhada ao olhar para seus colegas de trabalho. Suas faces ainda estavamquentes, e sua mente estava confusa, mas ela encontrou os olhos de Sandra sobre amesa.
    • "Sutil". Sandra falou com uma sobrancelha arqueada, o que fez Ellen pegar seu script eenterrar o rosto por trás dele.Duas horas mais tarde, a hora de ler os scripts terminou. Demorou mais tempo do que ohabitual, Shonda mandou ler várias vezes para se certificar de que estava perfeito. Ofinal foi enorme, e definitivamente tão intenso e climático, como Shonda tinhaprometido aos atores e fãs. Apenas Shonda, Betsy, e Patrick permaneceram na sala.Todos tinham saído, incluindo Ellen que tinha ficada confusa ao vê-lo ficar para trás.Tudo o que ele fez foi era sorrir para ela e ficar em sua posição na mesa. O script erademasiado vago para ele, especialmente as duas últimas páginas, e era algo que eleprecisava discutir com Shonda e Betsy sem a sua co-estrela ouvindo. As duas mulheres,suas chefes respeitadas, sentaram-se diante dele, assim como elas tinham sentadoanteriormente, quando haviam conversado com Ellen."Patrick, o que podemos fazer por você? O que achou do roteiro?" Shonda perguntou,com um brilho nos olhos que ele soube imediatamente que ela tinha ouvido a conversade Ellen com Sandra no corredor."É bom, é muito bom ... eu acho que eu estou apenas confuso sobre Derek e a cena nofinal." Shonda olhou para Betsy e Patrick não entendeu o olhar que se passou entre elas.De repente, ele estava se sentindo um pouco nervoso, como elas soubessem de algo queele não sabia.A direção de palco para a cena na sala de exame, na última página do scriptsimplesmente dizia: "set fechado, veja instruções com o diretor." Isso nunca haviaacontecido com ele antes, nos muitos anos que tinha atuado ... ele nunca viu um scriptcomo esse e isto o irritava."Bem, é uma cena de amor entre Derek e Meredith, Patrick. Não há realmente nadaconfuso sobre isso." Betsy respondeu, puxando um pequeno sorriso em seus lábios.Retrocedendo, Patrick esbarrou na mesa atrás dele e apoiou-se nela. "É ... bem ... eu seique é uma cena de amor. Mas, eu não entendi. Então agora eu vou enganar minhaesposa na série?" Ele poderia entrar normalmente na mente de Derek, sem sequer pensarnisso. Mas, por alguma razão, era mais difícil desta vez. Ele não se sentia como Derekmais, ou talvez ... ele não se sentia como Patrick mais. A linha que separava a ficção darealidade estava se tornando assustadoramente tênue.Usando as mãos para se expressar, Shonda mergulhou em sua resposta. Ela haviapassado meses pensando nessa cena depois de tudo, e ela sabia exatamente o que ospersonagens estavam pensando. "Bem, seu casamento acabou. ... Derek sabe disso,Addison sabe disso. Eles estão apenas extravasando as emoções. E então ele vêMeredith dançando com Finn. Há entre eles naquele momento, um relâmpago. Nenhumdos dois quer que aquilo aconteça ... eles sabem que é errado, mas eles estão tão atraídosum pelo outro que não pode ser interrompido."Patrick ficou olhando para ela, ouvindo suas palavras. Era Derek, ela estava falandosobre Derek .... mas poderia facilmente ter sido sobre ele, Patrick, e esse pensamento
    • fez juntar suor nas palmas de suas mãos. "Ele não pode resistir a ela? Perguntou Patrick.Shonda apenas balançou a cabeça, olhando para ele com um olhar preocupado.”Ele a ama." Ela respondeu, observando suas feições mudarem completamente."Claro que ele ama ... embora não seja culpa dele. Ele não queria ... ele tentou continuaramando sua esposa ..." Patrick respondeu, defendendo o caráter de seu personagem e,talvez, a si mesmo. Ele falou tão apaixonadamente que Shonda se virou para olharBetsy e elas compartilharam um outro olhar que Patrick nem percebeu."Sim, exatamente. Portanto, não há raiva ali, nem luxúria ... mas existe o maisimportante ... amor. E tudo isso culmina em um momento surpreendente." Shonda dissea ele, mas seu pensamento estava em um nível completamente diferente. Ele não estavamais lá com elas, seu corpo estava, mas não sua cabeça. Os pensamentos que estavamrolando por sua cabeça estavam deixando-o um pouco nervoso e ele trocou de um pépara o outro uma vez que ele tinha se levantado totalmente."Ok". Foi tudo que Patrick respondeu, e passou a mão pelos cachos escuros. Ambas asmulheres estavam olhando para ele, um pouco surpreendidas por sua resposta."Certo ... bom. Fico feliz que nós podemos resolver as coisas para você. Você temalguma dúvida?" Perguntou Betsy, tomando o controle da situação."Por que é o set vai ser fechado?" Ninguém lhe respondeu imediatamente. Ambas asmulheres, Betsy e Shonda, tiveram que fazer uma pausa para pensar em uma respostadecente. Sua química com Ellen era conhecida de todos. Mas, sendo um set fechado,tornaria mais confortável a filmagem em torno deles."Bem ... é melhor para se fazer uma cena tão íntima.""Mais íntimo do que ficarmos nus no episódio piloto?" Ele não estava acreditando. Umavoz em sua cabeça gritava com ele, dizendo-lhe que um set fechado seria perigoso. Umset fechado significava que ele poderia baixar a sua guarda ... e talvez mostrar ossentimentos que ele tinha tão dificilmente tentado esconder. Era difícil lembrar de serDerek ... Ele realmente não podia admitir isto para as mulheres em pé diante dele,porque ele ainda não estava pronto para admitir isso para si mesmo.Shonda olhou Betsy, silenciosamente, pedindo-lhe para assumir mais uma vez. Com umsuspiro, a mulher de cabelos loiros disse: "Vai ser íntimo em um nível diferente. Este éum grande momento para eles. Esta temporada inteira foi um acúmulo de emoções. Nósqueremos seguir apenas o caminho certo. Nós também estamos explorando ... vendo oquanto podemos ir longe com a rede de televisão ". Betsy fez uma pausa para avaliar asua reação. "Eu. .." Ela balançou a cabeça, "nós ... só achamos que um set fechadopermitirá a vocês dois gravarem menos tensos. Vai ser melhor. Confie em nós.""Ah ... eu confio." Ele falou, uma parte dele confiando nelas completamente. Mas, aoutra parte dele .... ainda estava inquieta sobre o sorriso que apareceu no rosto das duas.Elas ficaram em silêncio, e ele se virou, pronto para sair da sala, mas um pensamentolhe ocorreu, e ele parou e encarou-as novamente. "Só uma coisa .... Ellen sabe sobre
    • essa" exploração”? Porque eu odeio fazer algo em que ela se sinta desconfortável". Apreocupação em sua voz respondeu perguntas que Betsy e Shonda jamais teriam sobreseus sentimentos por sua co-estrela."Falamos a Ellen esta manhã." Betsy respondeu, tentando esconder o sorriso. "Elaparecia animada com a exploração. Na verdade, ela sugeriu fazê-lo sem ensaiar primeiro... .. para torná-lo mais real, e eu tenho que dizer que eu amo a idéia.""Eu também. Amo isto. Muito. Minha El é tão cheia de grandes idéias". Shonda falou ePatrick estava sem fala. O choque estava escrito por todo o seu rosto. Meredith assumeo controle .... suas palavras, mais uma vez funcionaram através de sua mente e destavez ele empurrou-as antes que o pensamento pudesse assumir. Ele não poderia mesmodeixar os pensamentos fluirem. Ele estava em pé na frente de suas chefes ... as mulheresque controlavam a maior parte de sua carreira.As duas mulheres viram como Patrick ficou aturdido diante delas. Ele disse ok. Emuma passada foi para fora da porta, antes que elas pudessem dar sequer uma resposta.Era quase a mesma coisa que Ellen tinha feito depois da sua primeira reunião. Elas nãofizeram nada, mas suas mentes estavam ainda mais perversas. "Parece que eu vouganhar a aposta, mais cedo ou mais tarde." Shonda falou para sua amiga, com umsorriso e, apesar de que Betsy perderia, ela não teve nenhuma dificuldade paraconcordar.A sala de som estava escura e estranhamente silenciosa. Todo mundo, exceto as poucaspessoas necessárias para a cena final do dia, tinha ido para casa. No set da sala deexame de pequeno porte, Patrick estava sentado em uma maca, deixando suas pernasoscilarem ao longo da borda.O diretor, um homem pequeno e mais velho, careca, com cabelos e óculos de aro dearame estava no canto, observando as partes da cena que tinham acabado de filmar nomonitor pequeno. Três outras pessoas importantes estavam ao redor dele, e era só isso.Não havia mais ninguém lá. Nem mesmo, Shonda, que achou melhor esperar em seuescritório.Os olhos de Patrick nunca deixavam os de Ellen. Ela estava sentada em frente a ele,equilibrando-se sobre outra maca de exame. Seu vestido preto brilhante caía sobre suaspernas, de tal maneira que ele continuava a ter relances de seus joelhos brancos.Sentindo os olhos sobre ela, ela olhou para seu tempestuoso olhar. Eles tinham acabadode filmar a primeira parte da cena, onde eles gritavam e discutiam o que fez a energiaentre eles soltar faísca e inflamasse como um pincel de fogo.Eles tinham feito a mesma tomada repetidamente. E a cada repetição, suas vozes seelevavam mais, seus olhos ficavam mais brilhantes, e sua respiração mais ofegante."Você acha que eu quero olhar para você?" Suas palavras soaram na cabeça dela e elaperguntou se ele estava falando como Derek para Meredith ... ou se Patrick falava com
    • ela, Ellen. Suas palavras tinham um paralelo com vida real de tal maneira ... que elatinha uma suspeita que Shonda tinha escrito intencionalmente para eles."Você está com frio?" Patrick perguntou, enquanto observava seu corpo tremer. Estavaanormalmente frio no quarto. Algo que ele sempre notava durante as cenas de amor. Elequestionava se era, talvez, para evitar que qualquer cena de amor pudesse ficar fora decontrole. Ele quase riu alto com isso. O ar frio não fez nada para parar o calor que seucorpo estava produzindo.Patrick imaginou-se envolver Ellen em seus braços ... mas tocá-la nesse momento seriaperigoso ... uma vez que quando começava, ele não estava certo de que poderia parar.Ele não estava mais no controle das emoções ou pensamentos que invadiram suacabeça. Olhando para ela, era como olhar fixamente em puro êxtase. Só a presença delao fazia feliz, o completava ele, e isto era tão assustador."Um pouco". Ela encolheu os ombros, propositadamente, não dizendo a ele que não erao frio que fazia seu corpo estremecer. Sentado lá em seu terno, ele parecia quasecomestível. Seu cabelo estava desarrumado, da forma usual, ele correu as mãos por eledurante seu discurso retórico com raiva. Seu rosto ainda mantinha um pouco de blush, esua gravata estava desfeita. Ele tinha algo de Patrick, e não de Derek.Um silêncio caiu entre eles. Havia tanta coisa para dizer, mas eles não tinham certezaexatamente do que dizer ... ou como se dizia. A cabeça de Patrick estava correndo umamilha por minuto. Ele ficava devaneando com o pensamento de que iria tirar a calcinhade Ellen e de como isso poderia ser maravilhoso.O diretor tinha dito que ele não teria que ficar nu para a cena ... ele estavaemocionado ... e um pouco desapontado, ao mesmo tempo. Fazia algum tempo desdeque ele e Ellen tinham feito cenas dessa natureza, as coisas eram diferentes então. Aeletricidade que corria entre os seus nervos não existia ainda. Ou, talvez existisse, masele negasse."Então você realmente quer fazer isso sem ensaiar?" Patrick perguntou, quebrando osilêncio com um pouco de provocação. Ellen recompensou-o com um sorriso caloroso."Sim". Por que, isto te assusta? O Patrick Dempsey sabe como ser espontâneo? Eleficou maravilhado com a forma com que ela poderia provocá-lo ... com tal adoração emseus olhos."Oh, acredite em mim, eu sei como ser espontâneo." Ele piscou para ela e ela deixouescapar uma risadinha minúscula."Só não no quarto?" Ela estava em um estado de espírito provocador, ele gostava disto,ele poderia jogar esse jogo."Acredite em mim, o quarto é definitivamente uma das minhas áreas de especialização.""Eu não acredito em você." Ela desafiou e, inconscientemente, cruzou e descruzou as
    • pernas. Era algo que em circunstâncias normais, ele não teria sequer notado, mas ovestido preto brilhava sob a luz chamando sua atenção para as pernas. Olhou primeiropara elas e, em seguida, como se uma força o obrigasse a fazer, ele permitiu que o seuolhar chegasse até seus seios. Ele podia ver a pele cor de creme branco através dodecote. A posição que ela estava lhe permitia ver mais do que ele mesmo esperava.Finalmente, depois de olhar para seus seios, seus olhos encontraram o caminho entre aspernas dela e em um instante o fogo queimou através de seu corpo. Ela estava bemconsciente de onde seus olhos tinham ido, e sabia que ele estava admirando seu corpo.Suspirando profundamente, ele engoliu em seco e ficaram se olhando.Eles não conseguiam tirar os olhos um do outro, eles ficaram conectadoscompletamente e nem notaram quando o diretor deu um passo atrás deles. O ar estavapesado, ele queria ela, ela queria ele ... e esta foi a primeira vez que eles tinham chegadoa essa conclusão, exatamente ao mesmo tempo. Ambos os olhos estavam brilhando comos mesmos pensamentos, pela primeira vez, eles tinham lido a mente um do outro tãocompletamente, que o diretor não precisou sequer dizer que estava pronto, pois ambosse levantaram e foram para as suas posições.A raiva de Derek voltou a Patrick, em uma onda de paixão, mal o diretor tinha gritadoação, ele já estava fechando a distância entre eles e forçando sua boca para a dela. Asmãos de Meredith/Ellen foram para a sua cabeça, puxando-o o mais próximo possível.O movimento causou a colisão de seus dentes dolorosamente, mas ou eles nãoperceberam, ou simplesmente não se importaram. Ellen estava dura no início ... outalvez Meredith estava dura ... mas quanto a língua de Derek/Patrick invadiu sua boca,ela permitiu-se a ceder ao sentimento familiar.Parecia uma eternidade desde o seu primeiro beijo como Ellen e Patrick. Com o passardo tempo, Patrick havia se convencido de que o beijo não podia ter sido tão bom comoele se lembrava, mas ele estava errado. Era melhor do que ele se lembrava. A sensaçãodos lábios macios em sua boca o fez gemer. Ele estava bem consciente de que eles nãodeveriam beijar de língua ... mas ninguém havia pedido para cortar a cena ... e comoeles continuaram o beijo, o set desapareceu, e tudo o que restou foram os dois.Patrick não tinha conhecimento de nada mais a não ser de mãos minúsculas passandoprimeiro através de seu cabelo, e então para baixo de suas costas. Todos e cada toqueacendeu um fogo diferente ... uma paixão diferente. Era impossível para qualquer umparar. Empurrando-a e, em seguida, andando com ela para a mesa de exames, ele nuncaparou de beijá-la.Como antes, a sua posição sentada revelou as pernas de Ellen, só que desta vez elasficaram abertas para ele, quase implorando para ele lhe tocar. Patrick beijava o pescoçoe as bochechas de Ellen e ela gemia suavemente, deixando ele saber o quanto elagostava. Eles estavam completamente perdidos, tão longe dos personagens que elesdeviam estar encenando, que Patrick estava certo de que ele havia sussurrado o nomede Ellen, em vez de Meredith.Ele tinha se preocupado em fazer a cena sem ensaiar, tinha ficado nervoso sem saber oque fazer. Mas, seus corpos pareciam estar em sincronia total. Nem mesmo teve que
    • parar para perguntar o que fazer em seguida. Seus movimentos fluíam, como tinha sidodestinado a acontecer. O corpo de Ellen era como massa em sua mão. Suas mãospercorriam suas costas até as coxas, ela relaxou, e se derreteu completamente em seutoque.O tempo parecia ter parado para eles, eles só tinham conhecimento um do outro. A salanão estava mais fria, de fato, o calor que irradiava para fora de seus corpos a tornaramextremamente mais aquecida. Eles estavam perdendo o controle e todo o pensamentoracional voou para fora da janela. Em algum lugar na parte de trás da cabeça, uma vozsoou pela cabeça de Patrick. "Tire sua calcinha ... você deveria tirar sua calcinha”.As mãos de Ellen foi para a sua calça afrouxou o cinto e ele abriu suas pernas e pegou acalcinha. Era um território desconhecido, ele nunca tinha estado tão perto dela. Osdedos de Patrick eram como ímãs, toda a sua atenção estava voltada para aquele centroquente. Ele podia sentir o calor sufocante através da calcinha de renda, e ele desejavamergulhar seus dedos naquele calor. Ela iria deixar, ele estava certo disso, mas a suamente lembrou-lhe que eles estavam filmando, então ele continuou em sua jornada.Sem hesitar, ela ergueu os quadris, o que lhe permitiu deslizar a calcinha. Ela tinha umoutro par por baixo, mas ele deixou sua imaginação fingir que não sabia. Ela estavaligada, ele sabia disso, e suas calças apertadas cresceram instantaneamente. Suas mãospequenas acidentalmente roçaram a sua virilha quando ele se voltou para jogar acalcinha no chão e ele engasgou tentando recuperar-se rapidamente. Ellen sabia agora,que ele estava tão ligado quanto ela e, de repente, seus olhos se encontraram, e vendo apaixão em seus olhares conectados, uma centelha foi acesa. Silenciosamente, os seusolhos confirmaram o que seus corpos estavam sentindo.Sem perder um só minuto, sua boca encontrou a dela mais uma vez e em um só golpe,ele ergueu seu corpo para cima e arrastou o dela. Eles ainda estavam vestidos, então elesestavam longe de ter sexo, mas no segundo em que sua virilha a roçou, ambos soltaramgemidos de prazer. Ellen estava com a cabeça inclinada para trás com um olhar deêxtase em seu rosto. Patrick assistiu em espanto. Suas bochechas estavam coradas, eaquele olhar, foi um que ele jamais esqueceu.Patrick deixou-se empurrar para ela várias vezes. Ele queria ela, ele precisava dela maisdo que nunca, mas antes que ele pudesse fazer mais alguma coisa, o diretor tinhagritado, cortando a cena. Ele teve que dizer duas vezes, antes que eles parassem de semover. De repente, a sala voltou ao foco. A câmera, luzes e equipamentos, ficaramsubitamente aparentes, bem como os três homens que olhavam para eles sem jeito.Ellen parou primeiro e ajeitou o vestido, de repente bem consciente. Nem queria semover, mas eles tinham que acabar a cena. "Isso foi demais, caras. Acho que temosexatamente o que precisávamos." Alguém disse a eles, mas ambos ainda tinham muitosangue correndo em seus ouvidos para ouvir alguma coisa.O equipamento estava sendo embalado em torno deles, eles deveriam sair também, maseles não se moveram imediatamente. A tensão inundada no ar era tão grossa que fazia arespiração difícil. "Eu acho que ... hum ... que devemos ir". Patrick se atrapalhou, e
    • tentou fazer parar de tremer as mãos o tempo suficiente para corrigir o seu cinto. Ellennão estava olhando para ele, em vez disso, ela fixou seu olhar sobre o sapato.”Sim ... isso é provavelmente uma boa idéia." Ela não sabia mais o que dizer. Seu corpoainda estava formigando, e as dores entre suas pernas era quase insuportável. Correndoas mãos pelos cabelos, Patrick deu um passo para trás. Ele tentou não dar atenção emcomo a sala ficou fria com seus corpos separados. A virilha ainda estava latejandodolorosamente contra as suas calças. Estava visível, ele estava certo disso, mas ele nãofez nada para esconder."Vou voltar para o trailer, eu te vejo.... quando você chegar lá?" Ele disse, se esforçandopara manter a sua voz firme. Sua mente estava girando com as possibilidades. Algotinha mudado ... .. algo enorme e seu cérebro não conseguia processar tudo de uma vez.Ellen apenas balançou a cabeça em resposta. Seu assistente tinha trazido seu robe, e elaenvolveu-se firmemente nele quando Patrick sumiu de vista. Ambos precisavam de umaducha fria, exceto que, Ellen não queria uma ducha fria ... ela queria um banhoquente ... possivelmente com Patrick junto com ela.Pensamentos eróticos definitivamente não deviam acontecer entre melhores amigos.Mas, pela primeira vez ... ela não fazia nenhum esforço para acabar com eles. Elesestavam lá, presos em seu cérebro ... para melhor ou para pior, e somente o tempo diriao resultado.Ellen não voltou para o trailer de imediato. Patrick estava sentado no pequeno sofáesperando ansiosamente seu retorno, ele se preocupava pensando se voltaria mesmo.Havia passado mais de uma hora. Ele teve tempo para tomar banho, vestir-se e pegaralguma coisa para comer que Ellen tinha trazido.Olhando ao redor da sala, ele viu sua bolsa grande de pele de cobra Valentino encostadana cadeira. "Ela não pode sair sem a bolsa." Sua mente fundamentou, e manteve-ocolado em seu lugar. Era tarde, Jill esperava que ele estivesse em casa horas atrás, masele não podia sair sem ver Ellen. A ducha fria havia lhe dado uma chance de limpar a cabeça de todos os pensamentoseróticos, e a única coisa que restava é a necessidade de falar com Ellen. Eles tinham quedescobrir o que estava acontecendo. O primeiro beijo que eles tinham dado serviu paraacabar com a tensão entre eles. Mas agora ... algo havia mudado. A sensação eradiferente ... ou mudou de alguma forma. O sentimento, ele não sabia o que era. Foi umamudança tão intensa e drástica para a amizade que ele sabia que não podia mais fingirque não estava lá.A maçaneta da porta balançou e ele tomou suspirou profundamente quando a porta seabriu e Ellen pisou dentro do trailer. Ela ainda estava vestindo seu robe sobre o vestidoe trazia duas xícaras de café grande. Levantando-se para ajudá-la, ele pensou como elaera capaz de andar sem tropeçar na parte inferior do seu vestido longo. Ao fazer contatovisual com ela, ele poderia dizer que ela estava tão ansiosa quanto ele. Sua linguagemcorporal estava confiante, com os ombros para trás e cabeça para cima, mas seus olhosestavam nadando em nervosismo e até mesmo um pouco de medo.
    • "Eu imaginei que você ainda estaria aqui ..." Ela parou de falar e Patrick não podedeixar de olhar para a pele branca leitosa de seu peito que o manto não estava cobrindo.Sentindo-se um pouco auto-consciente, ela tirou o roupão apertado à sua volta e cruzouos braços. O movimento brusco fez com que ele olhasse nos olhos dela novamente. "Eutrouxe um pouco de café." Ela terminou, apontando para o porta café que estava na suamão. Havia tantas emoções não ditas correndo entre eles, que as palavras que elesdiziam, saíam desajeitadas e forçadas."Acho que eu necessitava do café." O silêncio caiu entre eles, mas seus olhares ficaramtravados no lugar. Após alguns segundos, os olhos dela pousaram no chão e ele inclinoua cabeça em resposta. "Não faça isso." Ela não perguntou a ele o que ele quis dizer. Nãome evite ... não evite isso."Ellen olhou para ele e soltou um suspiro profundo. Ele estava determinado a discutir oassunto, e ela sabia que não havia nada que o fizesse mudar de idéia."Temos queconversar". Ele disse a ela, e ela concordou."Eu sei ... trouxe o café para isso." Patrick sorriu e foram lançados de volta ao silênciodesconfortável. Não era uma conversa que ele sabia como começar. Ele nem sequersabia sobre o que eles deveriam falar ... ou o que ele deveria dizer. Ele era o homemmais emocional que existia, ele geralmente não tinha nenhum problema para declararseus sentimentos ... mas normalmente ... ele sabia quais eram seus sentimentos. Masnaquele momento, sua mente estava completamente confusa. Ellen Pompeo, a sua co-estrela linda, virou seu mundo de cabeça para baixo e ele estava completamentedespreparado para isso."Ok, então ... Eu acho que nós devemos apenas falar ...". Ele conseguiu dizer, eentregou-lhe uma das xícaras de café. Ela rejeitou, porém, e se afastou dele."Eu estou indo me trocar primeiro. Tirar este vestido ... senão nossa conversa não vaimuito longe ..." Ela provocou, mas as palavras foram tão certas que ele não podia rir."Certo ." Ele se sentou no sofá, logo que ouviu o clique da porta do banheiro fechando.O café ainda estava em suas mãos, intocado. Imagens de seu rosto vermelho e eróticoapenas uma hora antes passavam pela sua mente como um filme pornô. A calcinha tinhaescorregado de suas pernas tão bem ... a maneira que seu corpo tinha se arqueado tãonaturalmente.Descansando a cabeça para trás, ele gemeu. Seu telefone celular explodiu, lembrando-lhe que passava da hora de ele estar em casa ... mas com uma mão no bolso, ele osilenciou. Ellen ainda estava no banheiro. De vez em quando ele podia ouvir a torneirada pia ligar e desligar e depois ficar em silêncio novamente. Tomou um gole de café,respirou fundo e uma vez mais ansiosamente aguardou seu retorno. Iria ser uma longanoite ... ele tinha um sentimento ... que mudaria tudo.Saindo do banheiro, Ellen arqueou os olhos para Patrick. Sua troca tinha demoradotanto tempo, que ele havia se mudado para a cama pequena e se esparramado para ficarmais confortável. Sentou-se quando ela chegou, olhando-o com desconfiança.
    • "O quê que foi? Esse sofá é desconfortável, e eu não sabia que você ia gastar a noitetoda para se trocar." Ela não estava de frente para ele, então ele não podia ver seu rosto.Mas, ele viu quando ela colocava o vestido de volta no cabide dentro do armário.Para ele ficou claro, que ela estava tão nervosa ... talvez mais nervosa do que ele ... eisto o pegou de surpresa. Em toda sua vida, ela tinha tomado conta de situações quefariam qualquer um despencar, por causa da pressão ... e ainda assim, ela era um pilarde confiança e equilíbrio. Mas, claramente, naquela hora estava confusa. Ele tinhacerteza que quando ela se virasse ele iria encontrar o medo em seus olhos. Tudo bem,também, porque seus olhos estavam com o mesmo medo."Eu vou apenas ... me sentar aqui ..." Ellen respondeu, propositadamente, não ia ficar dejeito nenhum perto da cama e sim ficar sentada no sofá.Eles se entreolharam em completo silêncio, nenhum sabia o que o outro estavapensando, mas ambos sabiam que havia muitos pensamentos que pesavam sobre eles ena conseguiam dizer absolutamente nada."Eu não sei o que está acontecendo com a gente El". Patrick falou-se, sentindo umpequeno aumento de sua confiança voltar. "O que aconteceu lá?" Sua pergunta não foifeita para ela responder, era mais para si mesmo.As palavras de Patrick pareciam atordoar Ellen, e ela ficou em silêncio por um segundo,mas se recuperou rapidamente. Não o compreendendo completamente, ela balançou acabeça e respondeu: "Me desculpe ... Eu acho que me empolguei ... Eu não sei o queaconteceu ..."Ellen estava pensando que era culpa dela e uma vez que ele percebeu isso, ele colocouas mãos no ar para detê-la. "Não é sua culpa." Ele disse a ela, querendo ter certeza queela tinha prestado atenção nisto. Levantando a cabeça, ela olhou para ele com algumceticismo."Eu queria dizer isso. Isto saiu do nosso controle ... e eu não sei porque ..." Era mentira,ele sabia disso ... porque ele quis fazer aquilo. Era puro e simples, mas ele não ia dizerisso em voz alta."Isso nunca aconteceu comigo." Ellen falou e sua resposta foi imediata."Isso nunca aconteceu conosco." Ele enfatizou a palavra nós, tentando mostrar seuponto de vista mais claramente. Eles já tinham feito cenas de amor antes, e toda as vezestinha sido bem profissional. O que aconteceu naquele set da sala de exame ... não foinada bom ... ou profissional. O diretor os tinha elogiado, mas ele queria saber, se elesainda teriam emprego, uma vez que a ABC tomou posse da fita. Eles seriam capazes dedizer que tinham entrado tão completamente dentro de seus personagens que eleshaviam se esquecido que estavam filmando?Como tinha acontecido com Patrick poucos minutos antes, a mente de Ellen, de repenteficou cheia de confiança. Ela já estava ficando doente de evitar a tensão constante esilenciosa. Ela estava indo para a Europa em dois dias. Ela não iria ver Patrick durante 8
    • semanas inteiras ... ela não estava prestes a arruinar suas férias por causa dospensamentos que se intrometiam em sua cabeça.De pé, virou-se para ele, e então depois de respirar profundamente, ela o olhoudiretamente nos olhos. "Não podemos continuar nos enganando Patrick." Ela admitiu, eele não podia fazer nada, mas podia ver como o seu rosto mudava de emoção ememoção."As coisas têm sido estranhas entre a gente. Todo mundo tem notado ... mesmo a ABCtem notado .. isso não é bom.”Patrick não sabia o que ela estava insinuando, mas ele não gostou. "Trabalhamos juntosEllen, tudo bem, vamos continuar a trabalhar juntos. Estamos muito bem juntos." Eleainda estava falando sobre o trabalho, e isto fez a mente dela fervilhar de raiva."Isto não é sobre o trabalho!" Ela gritou, fazendo com que ele arregalasse os olhos emsurpresa. A raiva era evidente em todo seu corpo."Deixou de ser sobre o trabalho há muito tempo. Nós não fomos Meredith e Derek noset, Patrick. Nós não somos Meredith e Derek já há um bom tempo." Sentado na cama,ele ouviu o que ela disse, e interrompê-la era um erro que ele não ia cometer.Ele se encolheu quando ela começou a falar cada vez mais alto. "Nós nos beijamos!Aqui mesmo, neste trailer ... nos beijamos ... e você não tinha nada a dizer sobre isso.Você agiu como se fosse normal ... como se isto não tivesse mudado uma única coisaem sua vida ..." Suas palavras raivosas bateram nele como um tapa na cara, mas foi ador que ele viu em seus olhos que o machucou mais.Ele sabia que ela estava usando a raiva para esconder suas verdadeiras emoções.Inclinando a cabeça, deu-lhe um olhar simpático, mas isto pareceu enfurecê-la aindamais."Nem me olhe desse jeito! Como você pode simplesmente fingir que nada aconteceu?Como você pode achar normal a gente se beijar? Você tem uma esposa! Sua mulher jáacha que estamos tendo um caso ... e eu ...." Ela parou de falar por apenas um segundoque ele aproveitou." Tem um namorado?""Sim, um namorado..Eu tenho Chris...um homem maravilhoso que me ama...Eu mesinto terrível.""E você acha que eu não?" Patrick, de repente levantou-se, querendo estar no seu nívelde seus olhos. Ele estava ficando irritado com ela gritando. Ambos tinham ignorado oque tinha acontecido, ambos tinham evitado falar disso, não foi só culpa dele."Eu tenho uma esposa, Ellen! Claro que isto não é normal. Você acha que eu não seidisso? Você acha que eu não percebo o um grande idiota que eu sou? Eu evitei falarsobre isso, porque também estava evitando, e isto parecia que não estava atrapalhando agente, então eu só deixei rolar ".
    • "Nós não podemos simplesmente deixar rolar mais ... se nós não estivéssemos filmando,se não tivesse gente ao nosso redor, nós teríamos feito amor naquele momento." Ellenvoltou-se para ele, finalmente, dizendo o que tinha ficado suspenso entre eles nas duasúltimas horas."Eu sei". Foi tudo que ele disse, antes de se afastar dela. Ele precisava colocar suacabeça no lugar, ele precisava parar de olhar para seu rosto lindo em primeiro lugar.Havia tanta coisa que queria dizer ... mas sua mente estava tão desordenada que nadasairia.Ele passou as últimas duas horas passando por cima de tudo na sua cabeça. Ele tinha umplano de jogo, ele estava indo falar com Ellen ... racionalmente ... sobre isso e elestinham que chegar a uma conclusão. Ele não imaginava que ia ser tão difícil, tãoconfuso. Ele não tinha planejado o que ele ia dizer depois de reconhecer o que quasehavia acontecido.Ellen tinha se acalmado, e agora ficou olhando para ele. "Você é linda Ellen. Você éincrível e eu não posso deixar de ficar atraído por você. Eu senti prazer em beijarvocê ... Eu senti prazer em de filmar a cena com você. Gostaríamos de ter feito amor ...e eu não iria mesmo me sentir mal sobre isso. Você acha que eu não sei disso? "Patrick perguntou, sua voz virando gelo. Ele não queria se sentir assim sobre ela, elenão queria cobiçar a sua co-estrela. Ele devia querer sua esposa, ele era casado, ascoisas não deviam ter chegado a um ponto tão complicado. "Eu gostaria de me sentirassim em relação a minha esposa. Eu queria ,queria. Eu nem sei mais a última vez quetive relações sexuais. Você acha que isso é normal? Eu sou um imbecil, El. Estoulentamente destruindo minha família para quê? Para um flerte sem sentido? Algum sexodecente? " Ele não queria dizer aquelas palavras, mas em sua raiva, elas voaram parafora da boca de qualquer maneira, e ele sabia que logo que ele tinha dito, ele haviaferido a mulher de pé diante dele.Vendo a expressão de derrota no rosto de Ellen, sua raiva diminuiu e ele foi para pertodela. "Me desculpe ... Eu não quis dizer isso." Ele disse para ela, e toda a raiva em seucorpo parecia escorrer para fora dele de uma vez. Com a cabeça entre as mãos, inclinou-se sobre os joelhos. Ele não podia olhar para ela de novo, não queria ver a dor que elehavia causado.Patrick podia ouvir Ellen andando com os pés descalços ao redor do trailer. Ele nãosabia o que ela estava fazendo, mas ele sabia que ela provavelmente iria sair. Ele haviadito uma coisa horrível, algo que ele não deveria ter dito a sua melhor amiga. Ele nãopoderia culpá-la se ela saísse.Seus passos pararam, e não havia nenhum barulho durante vários minutos. Ele não tinhaouvido a porta fechar, ela não poderia ter saído. Levantando a cabeça para cima, elepulou quando ficou cara a cara com Ellen, que estava de pé sobre ele.Qualquer que tenha sido a dor que ela sentia, já havia desaparecido em suas palavras.Ele já não podia ler os seus olhos, ela tinha efetivamente o desligado ... mas ele
    • adivinhou que ele merecia. Seus olhos, ao contrário dela, estavam cheios de tristeza epesar. Seus olhos azuis pediram e imploraram silenciosamente o seu perdão.Patrick não conseguia acreditar que ela ainda estava lá, mas estava contente por isso.Ele não poderia imaginar passar o verão inteiro nestas condições ruins com ela. Isso iriamatá-lo. "Pare de sentir pena de si mesmo." Ellen finalmente falou. Sua voz era suaveno início, mas depois ficou mais alta a medida que ela colocava seus pensamentos emordem."Você está certo. É estúpido. Estamos sendo estúpidos e negligentes a esse respeito.Tenho Chris e você tem Jill. E isto provavelmente só aconteceu porque passamos muitotempo juntos durante o dia." Uma parte de sua mente estava gritando com ela que eracompletamente anti-verdade, mas ela empurrou-a para fora. Ela precisava passar porisso, precisavam resolver tudo de uma vez por todas."O que faremos agora?" Ela perguntou: "Como vamos resolver isso? Você tem maistempo de atuação do que eu ... isso nunca aconteceu antes com você?"Ele sorriu, um sorriso pequeno, triste, e balançou a cabeça negativamente. Seus olhosestavam cheios de emoção. Isso nunca tinha acontecido antes, nunca tinha chegado tãolonge com uma co-estrela, não, desde que tinha se casado. Mas, Ellen nunca tinha sidoapenas uma co-estrela .... e ele teve que trabalhar com a mesma mulher por dois anosconsecutivos.Lendo sua expressão, Ellen soltou um suspiro. "Ah ..." Foi tudo o que ela respondeu.Tornava-se cada vez mais claro para ela que não havia uma solução simples, nãoqualquer uma que eles podiam se apegar de qualquer maneira. Andando para ele, elasentou-se a seu lado. Foi o mais próximo que eles tinham ficado, desde que deixaram oset. Ele podia sentir o calor ainda persistente em seu corpo e isso o fez sentir deimediato, quente demais."Eu não posso ser aquele cara Ellen." Ele disse a ela, voltando-se, de modo que pudessever seu rosto. "Eu fiz isso antes. Meu primeiro casamento ... ... não foi grande. E nósdois nos enganamos, várias vezes. Chegou a um ponto onde eu não conseguia nem meolhar no espelho sem pensar em quanto babaca eu era. Eu não posso fazer isso denovo." Ele tinha medo que sua declaração honesta fosse assustá-la ou ofendê-la dealguma maneira, mas ao invés disso, ela apenas sorriu com simpatia."Eu não quero que você seja esse cara. E eu não quero ser essa menina. Eu não queroser a razão do fracasso de seu casamento. Eu não posso ser.""Você não será". Ele lhe disse, confiante no fato de que os problemas que tinha com Jilliam além de Ellen."Como vamos resolver isso?" Ela perguntou de novo, querendo assegurar-se de quepoderia ser feito ... que seus sentimentos podiam ser deixados de lado por um bemmaior."Eu não sei". Murmurou Patrick. "Eu desejava saber". Afastando-se dele, ela olhou parao chão, consciente de que seus olhos estavam ainda sobre ela, mas não querendo
    • enfrentá-lo ainda. Quando viu o rosto de Ellen mais uma vez, ela estava olhando paraele com tristeza."Talvez o verão irá nos fazer bem." Ele não gostou do rumo que a conversa estavatomando, mas não fez menção de interrompê-la. "Você pode passar o tempo com Jill,talvez isto conserte as coisas. Estou indo para a Europa com Chris, talvez quandovoltarmos ... será diferente ... vai ser como quando nos conhecemos ... nós nãopensaremos em mais nada disso, e seremos amigos. "Ele achou engraçado que ela ficava dizendo "talvez". Como que sua mente já soubesseque o seu plano iria falhar. Para o seu humor, ele respondeu usando a palavra."Talvez ... irá funcionar." Mas ele disse isto com apenas metade do coração."Eu estou viajando para filmar Encantada amanhã, Ellen. Jill não vai comigo. Ela odeiaNova York. Meu verão não vai ser gasto com ela. ... Mas você está certa. O tempo podeajudar as coisas". Isto o fez ficar triste, pensando que não iria falar com ela por tantotempo. Se a semana durante as férias já foi dura, ele não sabia como iria gerir um verãointeiro. Mas, ela estava certa, talvez não houvesse outra maneira de aliviar a tensãosexual."Certo ..." Foi tudo que ela poderia responder. Ela não podia ajudar, mas sentia como seestivesse dizendo adeus para sempre, em vez de apenas por alguns meses. Eles caíramem um silêncio constrangedor."Então ... e agora?" Ele perguntou, percebendo que não tinha realmente muito mais adizer."Nós dizemos adeus". Ela não podia olhar para ele quando ela disse isso, lágrimascorriam de seus olhos. Ellen queria chutar a si mesma para saber como ela estava sendoboba. Ela não achava que seria tão difícil. Mas, surpreendentemente, foi muito doloroso,e ela mais uma vez ignorou a voz em sua cabeça dizendo-lhe que era doloroso por umarazão. Essa razão, ela não estava preparada para enfrentar ainda."E quando voltarmos ... as coisas devem voltar ao normal? Nós vamos continuar a seramigos? Como antes?" Ele perguntou esperançosamente, querendo ter a certeza de queele não estava cometendo um erro enorme.Ainda se recusando a olhar para ele, ela apenas balançou a cabeça, silenciosamente,aceitando o plano que eles tinham discutido. Levantou-se, e tinha toda a intenção dereunir suas coisas para ir para casa, mas ele parou-a de repente. Patrick não podiadeixar, ele não podia simplesmente ir embora ... não quando seu coração estava doendotanto."Eu não posso deixar de pensar que eu estou dizendo adeus para sempre." Ele admitiu aela, a pegando desprevenida porque ela olhou para ele surpresa. "Eu não quero voltar eperceber que nós não somos mais amigos. Eu não posso te perder El". Ela se levantou,sentindo-se desconfortável com ele de repente olhando para ela."Você não vai me perder. Eu estarei aqui .. 25 de julho ... como de costume." Ela estavatentando tranquilizá-lo, mas não estava funcionando porque era ela quem precisava de
    • tranquilidade. Sentindo isto, Patrick fechou a distância entre eles e puxou-a em seusbraços.Sentia-se menor do que o habitual, mais frágil, e ele segurou-a firmemente até que elarespondeu e colocou os braços em volta dele. Ele iria sentir falta dela ... mais do que elepoderia admitir para ela ... mais do que ele mesmo queria admitir para si mesmo.Afastando-se, Ellen foi capaz de enxugar as lágrimas de seus olhos antes que elepudesse notar. "Certo ... nós devemos ir. Está ficando tarde." Ela disse a ele, indo contratudo o que sua mente e seu coração estava dizendo a ela."Sim ... nós devemos." Ele sussurrou."Tenha um bom verão Patrick." Ela disse, se esforçando para fazer sua voz soar otimistae animada para ele. Encantada foi uma grande conquista, ela estava animada com aoportunidade que ele teve."Você também Ellen. Não tenha problemas demais na Europa". Eles se entreolharamem silêncio por alguns segundos, e ele a viu sair do trailer.Caminhando para seu próprio carro quase 20 minutos depois, ele olhou ao redorpercebeu que estava vazio. Estava escuro e vazio como seu coração. A magia quemantinha o sentimento tão vivo, tão motivado tinha ido embora ... e isso só fez piorar oseu humor sombrio.