Emoção

17,362 views

Published on

1 Comment
15 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
17,362
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
88
Actions
Shares
0
Downloads
558
Comments
1
Likes
15
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Emoção

  1. 1. EMOÇÃO Profa. Claudia Helena
  2. 2. EMOÇÃO <ul><li>O que é emoção? </li></ul><ul><li>Emoção significa tornar exterior o movimento. </li></ul><ul><li>Quando um indivíduo se emociona, expressa para o exterior, determinados indícios na linguagem do corpo, expressões faciais e de alterações vaso-motoras </li></ul>
  3. 3. EMOÇÃO <ul><li>Como sabemos que estamos emocionados? </li></ul><ul><li>Invariavelmente pelas sensações e movimentos que nosso corpo produz: dor de barriga, um “frio no estômago”, chorar, rir sem parar, taquicardia, tremer, desmaiar, perder a voz, ficar “branco que nem cera” ou “vermelho de raiva...”. </li></ul>
  4. 4. EMOÇÃO <ul><li>As emoções são parte central do funcionamento bio-psicológico do homem e são necessárias, assim como a razão, nas tomadas de decisão, nos processos cognitivos (na percepção da realidade) e nos processos comunicativos, de forma a definir e ajustar as respostas do indivíduo ao ambiente em que se insere. </li></ul>
  5. 5. EMOÇÃO <ul><li>Por que a Psicologia se preocupa com as emoções? </li></ul><ul><li>Estudar o comportamento humano é o objetivo maior da Psicologia e entender porque nos emocionamos e de que maneira a emoção influencia nosso comportamento, faz parte desse objetivo. </li></ul>
  6. 6. EMOÇÃO <ul><li>Desde a Grécia Antiga e até meados do século XIX, filósofos e psicólogos acreditavam que as emoções eram instintos básicos que deveriam ser controlados sob pena do homem ter sua capacidade de pensar seriamente afetada. </li></ul><ul><li>Já no século XX, os cientistas despertaram para o fato de que se emocionar, mas compreender e estar consciente de suas emoções era uma qualidade que permitia ao ser humano desenvolver a capacidade de melhor se relacionar no e com o mundo </li></ul>
  7. 7. EMOÇÃO <ul><li>Atualmente com o auxílio dos desenvolvimentos tecnológicos, existem pesquisadores que estão descobrindo que a emoção influi diretamente no nosso sistema imunológico, na nossa saúde. </li></ul><ul><li>O mal do século XXI, o stress é de origem fundamentalmente emocional – é o resultado da incapacidade de lidar com as emoções </li></ul>
  8. 8. EMOÇÃO E SENTIMENTO <ul><li>Existe diferença entre emoção e sentimento? </li></ul><ul><li>Podemos dizer que a emoção é orientada para o exterior, e possui os seguintes indicadores emocionais: </li></ul><ul><li>1 – Fatores ambientais, por exemplo, um exame a fazer gera medo, um funeral provoca dor, o matrimônio infunde alegria. </li></ul><ul><li>2 – Expressões faciais, que são inatas e estão presentes em todas as culturas </li></ul>
  9. 9. EMOÇÃO E SENTIMENTO <ul><li>3 – Resposta verbal, pois, com efeito, a emoção influi sobre o tom de voz, a velocidade do discurso, as palavras que são ditas. </li></ul><ul><li>4 – A postura que, se for correta, indica felicidade; se rígida, denota raiva ou medo; se afrouxada, tristeza </li></ul><ul><li>5 – Respostas fisiológicas, pois a emoção ativa o Sistema Nervoso Autônomo, e as glândulas supra-renais segregam a adrenalina que pode provocar: </li></ul><ul><ul><li>Aumento do ritmo respiratório; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento do ritmo cardíaco; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento da tensão muscular; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento do açúcar no sangue; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento da sudorese; </li></ul></ul><ul><ul><li>Diminuição da saliva </li></ul></ul><ul><ul><li>Dilatação da pupila; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento da pressão sanguínea. </li></ul></ul>
  10. 10. EMOÇÃO E SENTIMENTO <ul><li>O sentimento é orientado para o interior, sendo que os sentimentos são gerados por emoções e sentir emoções significa ter sentimentos. </li></ul><ul><li>O sentimento é: </li></ul><ul><ul><li>mais duradouro que a emoção. </li></ul></ul><ul><ul><li>mais estável </li></ul></ul><ul><ul><li>Compreende mais emoções, por exemplo, amor é alegria, ânsia, excitação, raiva, medo, tristeza etc. </li></ul></ul>
  11. 11. EMOÇÃO <ul><li>Relativamente ao seu significado neurobiológico, as emoções são reações químicas e neuronais complexas que “formam um padrão” (Damásio, 2000). </li></ul><ul><li>Elas existem como elementos que ajudam a regular o organismo, com o objetivo da manutenção da sua sobrevivência, mais concretamente da sobrevivência do corpo, e encontram-se entre os “dispositivos bio-reguladores” que o corpo possui, tal como os sentimentos. </li></ul>
  12. 12. EMOÇÃO <ul><li>as emoções cumprem duas funções ao nível da biologia humana: </li></ul><ul><li>1 – a primeira está relacionada com as reações básicas do indivíduo, perante determinada situação, as quais poderão ser de fuga, luta, imobilização ou comportamento agradável e de aceitação; </li></ul><ul><li>2 - a segunda está mais diretamente envolvida com a “regulação do estado interno do organismo”, por exemplo no caso de ser necessário uma fuga, será preciso um maior afluxo de sangue à área dos membros inferiores para uma melhor oxigenação dessa área. </li></ul>
  13. 13. TEORIAS DAS EMOÇÕES <ul><li>Primeiramente vamos distinguir as emoções em: </li></ul><ul><li>Primárias: </li></ul><ul><li>As primárias ou universais são consideradas as emoções mais antigas inscritas nas estruturas neurobiológicas do homem, são responsáveis pela sua sobrevivência enquanto indivíduo biológico. </li></ul><ul><li>Alegria Tristeza Medo Colera </li></ul><ul><li>Nojo Surpresa Raiva Aversão </li></ul>
  14. 14. TEORIAS DAS EMOÇÕES <ul><li>Secundárias: </li></ul><ul><li>são emoções relacionadas com a vida do homem enquanto ser social, são aprendidas em sociedade e relativamente mais recentes, quando comparadas com as primárias. </li></ul><ul><li>vergonha ciúme </li></ul><ul><li>culpa e </li></ul><ul><li>orgulho </li></ul>
  15. 15. TEORIAS CLASSICAS DAS EMOÇÕES <ul><li>Teoria das emoções articuladas ou Teoria Periférica (James-Lange) </li></ul><ul><li>De Willian James (USA) e Carl Lange(Dinamarca) </li></ul><ul><li>preconiza que a emoção surge através do fato do sujeito tomar consciência das suas reações periféricas, suscitadas pelo estímulo que o desestabiliza. Ou seja, mediante a interpretação do cérebro, “que analisa” os efeitos fisiológicos desencadeados pelo estímulo percebido, emerge a emoção. </li></ul>
  16. 16. TEORIAS CLASSICAS DAS EMOÇÕES <ul><li>Teoria das emoções articuladas ou Teoria Periférica (James-Lange) </li></ul><ul><li>Ou seja, um indivíduo, após perceber um estímulo que, de alguma forma o afeta, sofre alterações fisiológicas perturbadoras, como palpitações, falta de ar, angústia, etc. E é precisamente o reconhecimento desses sintomas (pelo cérebro) que gera a emoção. </li></ul>
  17. 17. TEORIAS CLASSICAS DAS EMOÇÕES <ul><li>Teoria de Cannon (Cannon-Bard) </li></ul><ul><li>Oposta a teoria de James—Lange, esta teoria defende a não existência de um padrão específico de alterações fisiológicas para cada emoção, mas um único, que suscita no organismo uma resposta de reação. </li></ul><ul><li>Segundo esta teoria, a emoção é uma resposta de emergência onde apenas variam os sentimentos que a acompanham. As variações dependem do tipo de situação que desencadeia o estímulo. Nesta teoria assume-se que a emoção é sentida antes e posteriormente a ela se dá a reação cognitiva. </li></ul>
  18. 18. TEORIAS CLASSICAS DAS EMOÇÕES
  19. 19. TEORIAS CLASSICAS DAS EMOÇÕES <ul><li>Teoria Cognitivista (década de 60) </li></ul><ul><li>surgiu a partir das pesquisas sobre a inteligência e conhecimento (cognição) e postula que a emoção dependerá da percepção que o homem tem sobre determinada situação, isto é, dependerá de como entendemos, compreendemos determinada situação. </li></ul>
  20. 20. TEORIAS CLASSICAS DAS EMOÇÕES <ul><li>Um dos teóricos mais estudados atualmente, é o psicólogo e médico francês Henri Wallon ,(1879-1962), ele iniciou suas pesquisas com crianças lesadas neurologicamente e elaborou uma teoria da emoção. Para ele, a emoção tem dupla origem – é tanto biológica quanto social e o que ela garante é a sobrevivência da espécie humana. </li></ul>
  21. 21. TEORIAS CLASSICAS DAS EMOÇÕES <ul><li>Ou seja, a emoção tem uma característica bastante peculiar – ela é contagiante! Que adulto consegue ficar imune ao choro de um bebê? Este caráter contagiante da emoção leva o ser humano a cuidar de sua prole e assim a garantir a sobrevivência da espécie. </li></ul><ul><li>É ainda na convivência com o Outro e com o Grupo Social que aprendemos a identificar, nomear e lidar com nossas emoções. </li></ul>
  22. 22. DETECÇÃO DAS EMOÇÕES <ul><li>As emoções podem revelar-se através de: </li></ul><ul><li>expressão facial; </li></ul><ul><li>entoação vocal; </li></ul><ul><li>gestos e movimentos; </li></ul><ul><li>postura corporal; </li></ul><ul><li>dilatação da pupila do olho; </li></ul><ul><li>freqüência respiratória; </li></ul><ul><li>batimento cardíaco; </li></ul><ul><li>sudação cutânea; </li></ul><ul><li>actividade muscular e pressão sanguínea. </li></ul>
  23. 23. DETECÇÃO DAS EMOÇÕES <ul><li>O estudo dos “fenômenos comportamentais e da psicologia social relacionados e revelados por eventos e princípios fisiológicos de um indivíduo, pertence ao âmbito da investigação em Psicofisiologia Aplicada”. </li></ul>
  24. 24. DETECÇÃO DAS EMOÇÕES <ul><li>Uma das áreas da Psicofisiologia é o estudo de estados emocionais. Ao nível das respostas fisiológicas, a Psicofisiologia mede as respostas fisiológicas, socorrendo-se dos índices fisiológicos que no caso do estudo de estados emocionais são indicadores de sua variação fisiológica. </li></ul><ul><li>Há pois uma alteração ao nível do organismo, simultânea à reação comportamental, a qual justifica a relevância da detecção e análise dessas alterações conhecida como homeostase </li></ul>
  25. 25. DETECÇÃO DAS EMOÇÕES <ul><li>Homeostase </li></ul><ul><li>A homeostase é o equilíbrio, total e dinâmico, do Sistema Nervoso Autonômico. </li></ul><ul><li>O SNA estrutura-se num ciclo com dois sentidos: um deles determinado pela sua aceleração e que se denomina por Sistema Nervoso Simpático; </li></ul><ul><li>o outro determinado pela sua desaceleração e é apelidado de Sistema Nervoso Parassimpático. </li></ul>
  26. 26. DETECÇÃO DAS EMOÇÕES <ul><li>O Sistema Simpático é responsável pelas reações “ativas”, respostas de fuga ou luta </li></ul><ul><li>O Sistema Parassimpático é o responsável pelas reações “mais passivas”, como respostas de imobilização do organismo ou aceitação. </li></ul>
  27. 27. A EMOÇÃO E A COMUNICAÇÃO <ul><li>As respostas emocionais à propaganda e publicidade têm sido estudadas, pois a resposta emocional ao anúncio pode tanto potencializar a comunicação ou interferir de forma negativa com a comunicação desejada. </li></ul>
  28. 28. A EMOÇÃO E A COMUNICAÇÃO <ul><li>O que se deve estudar é qual dos efeitos emocionais, e portanto motivacionais, é gerado pelo anúncio. </li></ul><ul><li>O conteúdo da comunicação é avaliado pelo receptor da mensagem, e esta evoca emoções positivas ou negativas e, no mínimo, sensações de expectativa e curiosidade. </li></ul>
  29. 29. A EMOÇÃO E A COMUNICAÇÃO <ul><li>As emoções podem ser consideradas um dos aspectos centrais da comunicação, pois: </li></ul><ul><li>1 - Podem trazer benefícios vinculados aos produtos ou marcas e se tornam uma das razões para uso e consumo dos mesmos </li></ul>
  30. 30. A EMOÇÃO E A COMUNICAÇÃO <ul><li>2 – As emoções podem ajudar a comunicar e informar, gerando maior atenção, percepção e memorização </li></ul><ul><li>3 – As emoções podem influenciar atitudes, pois, como já visto por meio de um condicionamento clássico, produto ou marca apresentados de forma conectada com elementos emocionais passam, a partir de determinado momento, a suscitar a emoção em si. </li></ul>
  31. 31. BIBLIOGRAFIA <ul><li>GADE, Christiane. Psicologia do Consumidor e da Propaganda. São Paulo: EPU, 1998. </li></ul><ul><li>STROCCHI, Maria Cristina. Psicologia da comunicação: manual para estudo da linguagem publicitária e das técnicas de venda.São Paulo: Paulus, 2007. </li></ul><ul><li>Actas de Diseño. Facultad de Diseño y Comunicación. Universidade de Palermo. Buenos Aires. Argentina </li></ul>

×