As Bênçãos do
Templo, pp.7a21
Ministrar Como Nosso
Profeta, pp. 26, 30, A2
Não Existem Patinhos
Feios, p. 36
O Milagre da ...
Jovens
A Liahona, Outubro de 2009
Adultos
Artigos
	 7	Vale a Pena Esperar Valeria Salerno
Fiquei impaciente por ter de esp...
Respostas para Minhas Dúvidas
Sinto-me grata por esta maravilhosa
revista e pelos testemunhos, pelas
novas informações, ex...
2
A Liahona Outubro de 2009	 3
Pre s i d e n te T h o mas S. Mo nso n
N
o mundo atual, grande ênfase se dá
à juventude. Todo...
4
E o Espírito da verdade é de Deus. (…) Ele [Jesus] rece-
beu a plenitude da verdade (…);
E homem algum recebe a plenitud...
Um Exemplo Moderno
Uma pessoa que apren-
deu muito bem a lição da
obediência e encontrou a
fonte da verdade foi um
homem b...
6
missionário em seu pequeno ramo e, por vários meses,
ele foi o único a fazer contribuições. Quando chegaram
missionários...
A Liahona Outubro de 2009	 7
Q
uando entrei no Templo de Buenos Aires Argen-
tina com os jovens de minha ala, para fazer b...
8
Lugar de Paz
Ri c h a rd M. R o mney
Revistas da Igreja
D
ilcia Soto, de 16 anos, ainda se lembra do dia em
que o templo...
convênios. Pensei: ‘Agora minha família e eu não teremos
de viajar para outro país, porque temos nosso próprio
templo aqui...
10
pelos
jardins,
conversar
e sentir do lado
de fora do templo o
Espírito que existe em
seu interior.
Os Anseios de Dilcia...
A Liahona Outubro de 2009	 11
que vão nos agradecer”, explica ela. “Anseio particular-
mente ver minha avó, que não chegue...
12
Élder Ro b ert D. Hales
Do Quórum dos Doze Apóstolos
A
s bênçãos da investidura
do templo são tão essen-
ciais para nós...
Aprendemos no Livro de Mórmon que
Néfi construiu um templo “conforme o
modelo do templo de Salomão” (2 Néfi 5:16).
Outros ...
14
perderam membros da família ao longo do
caminho, mas sabiam que não era o fim
para eles. Tinham sido selados no templo
...
Tenho observado ao longo dos anos
muitos casais que conseguiram manter um
casamento estável e forte por permanecerem
fiéis...
16
Maria José de Araújo, que
trabalha diariamente como
voluntária no Templo de
Recife Brasil, “é um bom
exemplo de serviço...
A Liahona Outubro de 2009	17
Mi c h a e l R. M o r r is
Revistas da Igreja
A
ntes de as portas do Templo de Recife Brasil ...
18
Ryan C a rr
Revistas da Igreja
G
ary e Jennifer Tucker tinham um
sonho. Ambos queriam uma famí-
lia eterna. Mas Jennife...
A Liahona Outubro de 2009	 19
Muitos membros reativados recentemente
na ala realizam batismos pelos mortos antes
de recebe...
20
casado. Ela já era membro. Mas as longas
horas de trabalho e a companhia de amigos
errados fizeram com que fosse difíci...
A Liahona Outubro de 2009	 21
noites; (4) orar em família todas as
manhãs e noites; (5) ir à Igreja todos
os domingos em f...
22
Mi c h a e l G . M adsen
Desenvolvimento de Currículo
da Igreja
N
o escritório do Presi-
dente Thomas S.
Monson há um q...
Como Posso Ter Acesso
ao Livro de Gravuras
do Evangelho?
1. Você pode encontrar uma
versão on-line na Internet, no ende-
r...
24
Virtudeo Padrão Dourado
Enche teus pensamentos de
virtude, e a confiança será plena
em tua vida (ver D&C 121:45).
A Liahona Outubro de 2009	 25
M e n sa g em das P r o fess o ras V i s i ta n tes
Nutrir a Nova Geração
Ensine estas escri...
26
O
ministério exemplar do
Presidente Thomas S. Monson
é bem conhecido entre os
membros de A Igreja de Jesus Cristo
dos S...
A Liahona Outubro de 2009	 27
Como ilustram os quatro rela-
tos abaixo, os santos dos últimos
dias que “[vão] e [fazem] da...
meus filhos com as lições de casa. Uma irmã chamada Rute,
que havia sido batizada na Igreja enquanto eu estava de
cama, to...
A Liahona Outubro de 2009	 29
sacerdotes ativos e menos ativos de
seu quórum.
“Vamos ao hospital ver o irmão
Anderson. Pre...
30
É LDER D A NIEL L. JO HNSO N
Dos Setenta
U
ma das práticas características de A Igreja de
Jesus Cristo dos Santos dos Ú...
A LIAHONA OUTUBRO DE 2009 31
Ao começarem a vida de casados em
seu novo país, Joseph e a esposa ansiavam
por coisas espiri...
32
de visitas como pastor. Testifico-lhes que
o Espírito Se manifesta maravilhosamente
nessas visitas. Vi muitas ovelhas pe...
A LIAHONA OUTUBRO DE 2009 33
Como Levá-las de Volta
Como membros pastores, bem faríamos em lembrar e
ponderar os ensinamen...
34
Perguntas e Respostas
“Sou o mais novo da família. Todos são
muitos anos mais velhos do que eu. Sempre
me sinto excluíd...
A Liahona Outubro de 2009	 35
Passem um Tempo Juntos
Às vezes é difícil passar um tempo
com os irmãos e irmãs mais velhos
...
36
Élder Er r o l S. P hippen
Serviu como Setenta de Área de 2004 a 2009
Q
uando eu era criança, lembro que
minha mãe lia ...
A Liahona Outubro de 2009	 37
no modo de agir. Tornaram-se amigos,
levaram-no para conhecer a mãe deles e
disseram: “Mãe, ...
38
não me mexi nem disse nada. Eu era muito
tímido e fiquei com vergonha. Não tinha sufi-
ciente confiança em mim mesmo pa...
A Liahona Outubro de 2009	 39
visão no Bosque Sagrado. A partir daquela experiência,
desenvolvi o maravilhoso hábito de le...
40
Começar
com uma
Oração
Você procura respostas? Estes adolescentes
de Ottawa, Canadá, dizem que devemos
começar com uma ...
A Liahona Outubro de 2009	 41
J an e t Th om as
Revistas da Igreja
Q
uando Jenni, de 15 anos, fala de res-
postas a oraçõe...
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
L I 2009 10   04290 059 000
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

L I 2009 10 04290 059 000

1,068 views
985 views

Published on

Liahona Outubro 2009

Published in: Spiritual
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,068
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
11
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

L I 2009 10 04290 059 000

  1. 1. As Bênçãos do Templo, pp.7a21 Ministrar Como Nosso Profeta, pp. 26, 30, A2 Não Existem Patinhos Feios, p. 36 O Milagre da Tortilla e o Templo, p. A6 As Bênçãos do Templo, pp.7a21 Ministrar Como Nosso Profeta, pp. 26, 30, A2 Não Existem Patinhos Feios, p. 36 O Milagre da Tortilla e o Templo, p. A6 A I g r e j a d e J e s u s C r i s t o d o s Sa n t o s d o s Ú l t i m o s Dia s • OUT u B RO d e 2 0 0 9
  2. 2. Jovens A Liahona, Outubro de 2009 Adultos Artigos 7 Vale a Pena Esperar Valeria Salerno Fiquei impaciente por ter de esperar para fazer batismos pelos mortos. Então, dei-me conta de que as pessoas pelas quais fazíamos aquele trabalho tinham esperado séculos. 8 Lugar de Paz Richard M. Romney Um belo edifício ou um lembrete sagrado de suas esperanças e seus sonhos? Para alguns jovens, o templo é as duas coisas. 36 Patinho Feio ou Cisne Majestoso? Depende de Você! Élder Errol S. Phippen Você é um filho ou uma filha muito especial de Deus. Decida viver à altura do potencial divino que há dentro de você. 40 Começar com uma Oração Janet Thomas “A oração é um ótimo hábito para se adquirir”, dizem os adolescentes da Estaca Ottawa Ontário, ao contarem como a oração lhes proporcionou cura, consolo e um testemunho mais forte. Seções 24 Pôster: Virtude — o Padrão Dourado 34 Perguntas e Respostas Sou o mais novo da família. Todos são muitos anos mais velhos do que eu. Sempre me sinto excluído das atividades e conversas dos meus irmãos. O que posso fazer para melhorar nosso relacionamento? Mensagem da Primeira Presidência 2 Adquirir Força pela Obediência  Presidente Thomas S. Monson Mensagem das Professoras Visitantes 25 Nutrir a Nova Geração Artigos 12 As Bênçãos do Templo  Élder Robert D. Hales A oportunidade de entrar no templo e tomar sobre nós os sagrados convênios que nele realizamos é uma das maiores bênçãos que temos a nosso alcance na mortalidade. 16 Meu Privilégio de Servir Michael R. Morris A irmã Maria José de Araújo, que serve todos os dias no Templo de Recife Brasil, diz que aqueles que ado- ram regularmente no templo passam a compreender seu verdadeiro significado e poder. 18 Um Povo Que Frequenta o Templo Ryan Carr A integração, o trabalho de história da família e o batismo pelos mortos inspiram os membros de uma ala a receber as próprias investiduras. 22 O Novo Livro de Gravuras do Evangelho  Michael G. Madsen Mais de 100 imagens neste novo livro podem aju- dar-nos a ensinar e a aprender o evangelho. 26 As Bênçãos de Ministrar Quatro histórias de santos dos últimos dias muda- ram a vida de membros das respectivas alas. 30 Eu? Um Pastor em Israel? Élder Daniel L. Johnson A ovelha que “iremos [buscar] (…) para trazê-la ao redil” é amada pelo Pastor. O Senhor vai guiar-nos e inspirar-nos para sabermos o que fazer a fim de resgatar nossos irmãos e irmãs. Seções 44 Vozes da Igreja Uma ateia ora na floresta; curiosidade a respeito do templo; esperava sentir algo especial; um jantar internacional de Ação de Graças. 48 Como Utilizar Esta Edição Sugestões para a noite familiar e tópicos desta edição. Na capa Primeira Capa: Ilustração fotográfica: Matthew Reier. Última Capa: Mural no Templo de Los Angeles Califórnia; Fotografia das portas do Templo da Cidade do Panamá, Panamá: Matthew Reier; é proibida a reprodução das fotografias.iCA
  3. 3. Respostas para Minhas Dúvidas Sinto-me grata por esta maravilhosa revista e pelos testemunhos, pelas novas informações, explicações das escrituras e pelo material didático para aulas nela contidos. Inúmeras vezes, quando fiz perguntas ao Pai Celestial, fui guiada pelo Espírito Santo para A ­Liahona, onde encontrei as respos- tas para minhas dúvidas. Recebo cada exemplar com muita alegria. Evgenija Samarskaja, Rússia Feliz por Encontrar A ­Liahona Amo A ­Liahona, e meu marido e eu chegamos a ter cinco assinaturas ao mesmo tempo, em certa época. Crianças Comentários Dávamos as revistas extras de presente para nossos vizinhos. Uma vizinha me disse que, ao voltar do trabalho para casa, cansada e deprimida, ela sen- tia-se feliz ao encontrar a revista em sua caixa de correio. Sei que tudo na revista é inspirado — desde as men- sagens das Autoridades Gerais até as histórias dos membros — e sua leitura me traz conhecimento e bênçãos, além de me ajudar a ter amor e compreen- são por meu semelhante. Bertha Viola Rétiz Espino, México Envie seus comentários e sugestões para liahona@ ldschurch.org. As cartas selecionadas para publi- cação podem ser editadas por motivo de espaço ou clareza. Vinde ao Profeta Escutar A2 O Amor de um Profeta Presidente Dieter F. Uchtdorf Artigos A6 O Milagre da Tortilla Jane McBride Choate A13 Limpar o Terreno do Templo Joshua J. Perkey Seções A4 Tempo de Compartilhar: Cremos que a Família Foi Ordenada por Deus Cheryl Esplin A8 Da Vida do Profeta Joseph Smith: Um Homem Generoso A10 Tentar Ser Como Jesus A12 Música: O Sacerdócio do Senhor John Craven A14 De um Amigo para Outro: Os Templos São uma Dádiva do Pai Celestial  Élder Yoshihiko Kikuchi A16 Página para Colorir Vejaseconsegue encontraroanel doCTRfijiano ocultonesta edição.Escolhaa páginacerta! Capa de O Amigo Ilustração: Craig Stapley Outubro de 2009 Vol. 62 Nº 10 A LIAHONA 04290 059 Revista Oficial em Português de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias A Primeira Presidência: Thomas S. Monson, Henry B. Eyring e Dieter F. Uchtdorf Quórum dos Doze Apóstolos: Boyd K. Packer, L. Tom Perry, Russell M. Nelson, Dallin H. Oaks, M. Russell Ballard, Richard G. Scott, Robert D. Hales, Jeffrey R. Holland, David A. Bednar, Quentin L. Cook, D. Todd Christofferson e Neil L. Andersen Editor: Spencer J. Condie Consultores: Keith K. Hilbig, Yoshihiko Kikuchi, Paul B. Pieper Diretor Gerente: David L. Frischknecht Diretor Editorial: Victor D. Cave Editor Sênior: Larry Hiller Diretor Gráfico: Allan R. Loyborg Gerente Editorial: R. Val Johnson Gerentes Editoriais Assistentes: Jenifer L. Greenwood, Adam C. Olson Editor Associado: Ryan Carr Editora Adjunta: Susan Barrett Equipe Editorial: David A. Edwards, Matthew D. Flitton, LaRene Porter Gaunt, Annie Jones, Carrie Kasten, Jennifer Maddy, Melissa Merrill, Michael R. Morris, Sally J. Odekirk, Joshua J. Perkey, Chad E. Phares, Jan Pinborough, Richard M. Romney, Don L. Searle, Janet Thomas, Paul VanDenBerghe, Julie Wardell Secretária Sênior: Laurel Teuscher Diretor de Arte: Scott Van Kampen Gerente de Produção: Jane Ann Peters Equipe de Diagramação e Produção: Cali R. Arroyo, Collette Nebeker Aune, Howard G. Brown, Julie Burdett, Thomas S. Child, Reginald J. Christensen, Kim Fenstermaker, Kathleen Howard, Eric P. Johnsen, Denise Kirby, Scott M. Mooy, Ginny J. Nilson Pré-impressão: Jeff L. Martin Diretor de Impressão: Craig K. Sedgwick Diretor de Distribuição: Randy J. Benson Para assinaturas e preços para fora dos Estados Unidos e do Canadá, consulte o centro de distribuição local em seu país ou o líder da ala ou ramo. Envie manuscritos e perguntas para A Liahona, Room 2420, 50 E. North Temple St., Salt Lake City, UT 84150-0024, USA; ou mande e-mail para: liahona@ldschurch.org. A ­Liahona, termo do Livro de Mórmon que significa “bússola” ou “orientador”, é publicada em albanês, alemão, armênio, bislama, búlgaro, cambojano, cebuano, chinês, cingalês, coreano, croata, dinamarquês, esloveno, espanhol, estoniano, fijiano, finlandês, francês, grego, haitiano, hindi, húngaro, holandês, indonésio, inglês, islandês, italiano, japonês, letão, lituano, malgaxe, marshalês, mongol, norueguês, polonês, português, quiribati, romeno, russo, samoano, sueco, tagalo, tailandês, taitiano, tâmil, tcheco, télugo, tonganês, ucraniano, urdu e vietnamita. (A periodicidade varia de um idioma para outro.) © 2009 Intellectual Reserve, Inc. Todos os direitos reservados. Impresso nos Estados Unidos da América. O texto e o material visual encontrados na revista A ­Liahona podem ser copiados para uso eventual, na Igreja ou no lar, não para uso comercial. O material visual não poderá ser copiado se houver qualquer restrição indicada nos créditos constantes da obra. As dúvidas sobre direitos autorais devem ser encaminhadas para Intellectual Property Office, 50 E. North Temple St., Salt Lake City, UT 84150, USA; e-mail: cor-intellectualproperty@ldschurch.org. A ­Liahona pode ser encontrada na Internet, em vários idiomas, no site www.liahona.lds.org. For Readers in the United States and Canada: October 2009 Vol. 62 No. 10. LIAHONA (USPS 311-480) Portuguese (ISSN 1044-3347) is published monthly by The Church of Jesus Christ of Latter-day Saints, 50 E. North Temple St., Salt Lake City, UT 84150. USA subscription price is $10.00 per year; Canada, $12.00 plus applicable taxes. Periodicals Postage Paid at Salt Lake City, Utah. Sixty days’ notice required for change of address. Include address label from a recent issue; old and new address must be included. Send USA and Canadian subscriptions to Salt Lake Distribution Center at address below. Subscription help line: 1-800-537-5971. Credit card orders (Visa, MasterCard, American Express) may be taken by phone. (Canada Poste Information: Publication Agreement #40017431) POSTMASTER: Send address changes to Salt Lake Distribution Center, Church Magazines, PO Box 26368, Salt Lake City, UT 84126-0368. OAmigo
  4. 4. 2
  5. 5. A Liahona Outubro de 2009 3 Pre s i d e n te T h o mas S. Mo nso n N o mundo atual, grande ênfase se dá à juventude. Todos querem parecer jovens, sentir-se jovens e ser jovens. Realmente, grandes somas em dinheiro são gastas anualmente em produtos que as pessoas esperam lhes restaurem a aparência jovem. Bem que poderíamos nos perguntar: “Essa busca pela juventude é algo novo para nossos dias, para nossa geração?” Basta que folheemos as páginas da história para encon- trar a resposta. Séculos atrás, na grande era da explo- ração, expedições muito bem equipadas e embarcações, contendo uma tripulação confiante e aventureira, singravam mares desconhecidos em busca de uma literal fonte da juventude. Uma conhecida lenda prometia que em algum lugar, na “vastidão longínqua”, havia uma fonte mágica de onde vertia a mais pura das águas, e tudo o que alguém tinha de fazer para recupe- rar o vigor da juventude e perpetuar essa energia era beber o líquido vertente dessa fonte. Ponce de León, que velejou ao lado de Colombo, fez seguidamente diversas viagens exploratórias, procurando nas Bahamas e em outras áreas do Caribe, confiando seguramente na lenda de que esse elixir da juventude pudesse ser encontrado. Seus esforços, assim como os de muitos outros, não alcançaram o M e n sa g em da P r i me i ra P res i d ê n c i a Adquirir Força pela Obediência êxito da descoberta, pois no plano divino de nosso Deus, adentramos a existência mortal para experimentar a juventude uma vez somente. A Fonte da Verdade Embora não exista uma fonte da juventude que possamos buscar usando de sabedoria, existe outra fonte que contém uma água mais preciosa, sim, as águas da vida eterna. Trata-se da fonte da verdade. O poeta capturou o real significado da busca pela verdade ao escrever essas linhas imortais: A verdade, o que é? É o supremo dom Que é dado ao mortal desejar. Procurai no abismo, na treva e na luz, Nas montanhas e vales o seu claro som E grandeza ireis contemplar! (…) A verdade, o que é? É o começo e fim Para ela limites não há; Pois que tudo se acabe, a terra e o céu, Sempre resta a verdade que é luz para mim, Dom supremo da vida será! 1 Em uma revelação dada por intermédio do Profeta Joseph Smith em Kirtland, Ohio, em maio de 1833, o Senhor declarou: “E a verdade é o conhecimento das coisas como são, como foram e como serão; (…) Não precisamos navegar por mares desconhecidos para encontrar a fonte da verdade, porque um Pai Celestial amoroso traçou o curso e deu- nos um mapa infalí- vel: a obediência! Àesquerda:fotografiaporMatthewReier;ImagemdeCristo,deHeinrichHofmann, cortesiadeC.HarrisonConroyCo.;àdireita:ilustraçãodeJerryThompson
  6. 6. 4 E o Espírito da verdade é de Deus. (…) Ele [Jesus] rece- beu a plenitude da verdade (…); E homem algum recebe a plenitude a não ser que guarde seus mandamentos. Aquele que guarda seus mandamentos recebe verdade e luz, até ser glorificado na verdade e conhecer todas as coisas.” 2 Nesta era iluminada, na qual a plenitude do evangelho foi restaurada, não há necessidade nem para vocês nem para mim, de singrar mares desconhecidos ou rodar por estradas não mapeadas em busca da fonte da verdade. Pois um Pai Celestial amoroso traçou para nós um curso e providenciou um mapa infalível: a obediência! Sua palavra revelada descreve em cores vivas as bênçãos que a obediência traz e a dor e o desespero inevitáveis que acom- panham o viajante que se desvia pelos caminhos proibidos do pecado e do erro. Para uma geração criada sob a tradição do sacrifício animal, Samuel declarou deste- midamente: “Obedecer é melhor do que o sacrificar; e o atender melhor é do que a gordura de carneiros”. 3 Os profetas, antigos e modernos, conhe- ciam a força que advém da obediência. Pensem em Néfi: “Eu irei e cumprirei as ordens do Senhor”. 4 Ou na bela descrição de Mórmon acerca da força que tinham os filhos de Mosias: “Haviam-se fortalecido no conhecimento da verdade; porque eram homens de grande entendimento e haviam examinado diligentemente as escrituras para conhecerem a palavra de Deus. Isto, porém, não é tudo; haviam-se devotado a muita oração e jejum; por isso tinham o espírito de profecia e o espírito de revelação; e quando ensinavam, faziam-no com poder e autoridade de Deus.” Cumprir os Mandamentos O Presidente David O. McKay (1873–1970), em uma de suas mensagens de abertura aos membros da Igreja, durante uma conferência geral, deu-nos uma orientação para os nossos dias que é simples e, contudo, vigorosa: “Cumpram os mandamentos de Deus”. 6 Essa era a essência da mensagem do Salvador, ao decla- rar: “Pois todos os que receberem uma bênção de minhas mãos obedecerão à lei que foi designada para essa bênção e suas condições, como instituídas desde antes da funda- ção do mundo”. 7 As próprias ações do Mestre confirmam Suas palavras. Ele demonstrou o genuíno amor de Deus ao levar uma vida perfeita e honrar a sagrada missão que tinha de cum- prir. Jamais foi arrogante. Nunca Se encheu de orgulho. Nunca foi desleal. Sempre foi humilde. Sempre foi sincero. Sempre foi verdadeiro. Embora fosse tentado pelo mestre das mentiras, sim, o diabo, embora estivesse fisicamente enfraquecido por ter jejuado por 40 dias e 40 noites e “depois [ter] fome”, ainda assim, quando o maligno fez a Ele a mais tentadora e sedutora proposta, Jesus deixou-nos um exemplo divino de obe- diência, recusando-Se a desviar-Se do que sabia ser o certo. 8 Quando enfrentou a agonia do Getsê- mani, quando suportou tanta dor que Seu suor se trans- formou em grandes gotas de sangue que caíram ao chão, Ele deu o exemplo de obediência filial ao dizer: “Pai, se queres, passa de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a tua”. 9 A Pedro, na Galileia, Jesus disse: “Segue-me”. Para Filipe, Ele deu a mesma instrução: “Segue-me”. Ao publi- cano Levi, que estava sentado na alfândega, foi feito o convite: “Segue-me”. Até ao que foi correndo procurá-Lo, aquele que tinha muitas posses, foram proferidas estas palavras: “Segue-me”. 10 E para cada um nós essa mesma voz, esse mesmo Jesus, diz: “Segue-me”. Estamos dispostos a obedecer? A obediência é a característica marcante dos profetas, mas devemos reconhecer que essa fonte de forças está ao nosso alcance hoje em dia. A Pedro, na Galileia, Jesus disse: “Segue-me”. Para Filipe, Ele deu a mesma instrução: “Segue-me”. E para cada um de nós, essa mesma voz, esse mesmo Jesus diz: “Segue-me”. Estamos dispostos a obedecer? DiAmTHwiHiij
  7. 7. Um Exemplo Moderno Uma pessoa que apren- deu muito bem a lição da obediência e encontrou a fonte da verdade foi um homem bondoso e sincero que vivia em situação muito humilde. Ele se filiou à Igreja na Europa e, economizando e sacrificando-se diligentemente, imigrou para a América do Norte — uma terra nova, uma língua estranha, costumes diferentes, mas a mesma Igreja, sob a lide- rança do mesmo Senhor, em Quem Ele confiava e a Quem obedecia. Tornou-se presidente de ramo de um pequeno rebanho de santos labutadores, em uma comunidade um tanto hostil. Seguiu o programa da Igreja, embora os membros fossem poucos em número, e muitas fossem as tarefas. Ele foi um exemplo para os membros de seu ramo, um verdadeiro cristão, e os membros retribuíram com um amor poucas vezes visto. Ele ganhava seu sustento como tra- balhador braçal. Tinha poucas posses, mas sempre pagava um dízimo integral e fazia outras doações. Criou um fundo DetalhedeCristoChamandoPedroeAndré,deJamesTaylorHaywood,cortesiadoMuseudeHistóriadaIgreja
  8. 8. 6 missionário em seu pequeno ramo e, por vários meses, ele foi o único a fazer contribuições. Quando chegaram missionários na cidade, ele os alimentou, e eles nunca saíam de sua casa sem levar consigo uma doação tangível para seu trabalho e bem-estar. Os membros de localida- des distantes, que passavam pela cidade e visitavam seu ramo, sempre recebiam sua hospitalidade e o calor de seu espírito, e retomavam seu trajeto sabendo que tinham conhecido um homem incomum, um dos servos obedien- tes do Senhor. Aqueles que o presidiram receberam seu profundo res- peito e sua atenção especial. Ele os considerava emissários do Senhor, ministrava em prol do conforto físico deles e era especialmente solícito nas orações — que eram fre- quentes — pelo bem-estar desses líderes. Certo domingo, alguns líderes que visitavam seu ramo fizeram com ele mais de uma dezena de orações nas diversas reuniões e visitas feitas aos membros. No final do dia, os líderes deixaram-no; desfrutavam de uma sensação de alegria e leveza espiritual que ainda os alegrou durante todo o trajeto de quatro horas de viagem sob o rigor do inverno e que, ainda agora, depois de tantos anos, aquece o espírito e agita o coração quando aquele dia é mencionado. Homens instruídos e experientes procuravam aquele humilde e iletrado homem de Deus e se consideravam afortunados por poderem passar uma hora com ele. Sua aparência era comum, falava o inglês com dificuldade e, às vezes, era difícil compreender o que dizia. Sua casa era simples e modesta. Não tinha carro nem televisão. Nunca escreveu um livro ou fez discursos políticos ou nenhuma das coisas que chamam a atenção do mundo. E, contudo, os fiéis eram constantes no caminho que conduzia até sua porta. Por quê? Porque queriam beber de sua fonte da verdade. Não era tanto o que ele dizia que lhes agradava, mas muito mais o que ele fazia; não era a substância dos sermões que ele pregava, mas a força da vida que vivia. Saber que um homem pobre, com alegria e constân- cia, doava ao Senhor pelo menos o dobro de um décimo de sua renda dá-nos uma ideia mais clara do verdadeiro significado do dízimo. Vê-lo ministrar ao faminto e acolher o estrangeiro leva-nos a crer que fez essas coisas como as faria ao próprio Mestre. Orar com ele e partilhar de sua confiança na intercessão divina era testemunhar um novo meio de comunicação. Bem se poderia dizer que ele cumpria o primeiro e grande mandamento e o segundo, semelhante a este; 11 que suas entranhas eram cheias de caridade para com todos os homens; que a virtude adornava seus pensa- mentos incessantemente; e que, consequentemente, sua confiança se fortalecia na presença de Deus. 12 Esse homem tinha o brilho da bondade e o fulgor da retidão. Sua força era proveniente de sua obediência. A força que buscamos ansiosamente hoje para ven- cer os desafios de um mundo complexo e em constante mudança pode ser nossa se, com coragem forte e resoluta, nos erguermos e declararmos com Josué: “Porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor”. 13 ◼ Notas 1. John Jaques, “A Verdade o Que É?” Hinos, nº 171. 2. D&C 93:24, 26–28. 3. I Samuel 15:22. 4. 1 Néfi 3:7. 5. Alma 17:2–3 6. David O. McKay, Conference Report, abril de 1957, p. 8; ou Improvement Era, junho de 1957, p. 391. 7. D&C 132:5. 8. Ver Mateus 4:1–11. 9. Lucas 22:42 10. Mateus 4:19; 9:9; João 1:43; ver também Mateus 19:16–22; Marcos 2:14; Lucas 18:18–22. 11. Ver Mateus 22:37–40. 12. Ver D&C 121:45. 13. Josué 24:15. I d e i as pa r a o s M es t r es F am i l i a r es Depois de estudá-la em espírito de oração, dê esta mensagem utilizando um método que incentive a participação daqueles a quem for ensinar. Seguem-se alguns exemplos: 1. Você pode usar um recipiente de água como auxílio visual. Conte a história de Ponce de León e explique: “há outra fonte que contém uma água mais preciosa, sim, as águas da vida eterna. É a fonte da verdade”. Discuta com a família onde e como encontrar a verdade e o que o Presi- dente Monson disse que precisamos fazer para encontrar a “fonte da verdade”. Preste seu testemunho de como ser obediente abençoou sua vida. 2. Leia a seção “Guardar os Mandamentos” e discuta a pergunta do Presidente Monson: “Estamos dispostos a obedecer?” Conte a história do final do artigo a respeito do homem humilde. Como sua obediência e disposição de seguir o Salvador abençoou as pessoas? Peça aos membros da família que ponderem e façam coisas que mostrem que estão dispostos a servir ao Senhor.
  9. 9. A Liahona Outubro de 2009 7 Q uando entrei no Templo de Buenos Aires Argen- tina com os jovens de minha ala, para fazer batis- mos pelos mortos, esperamos alguns minutos na recepção. Então, os oficiantes do templo nos pediram que descêssemos até um saguão, onde havia várias cadeiras, e esperamos de novo. Como era sábado, muitas pessoas de todas as partes da Argentina tinham ido ao templo. Esperamos ali por duas horas e meia, sentados, em silêncio. Alguns pensamen- tos não muito agradáveis começaram a surgir em minha mente: “Como é que nos fazem esperar todo esse tempo? Estou cansada. Acho que seria melhor não ter vindo, por- que é uma perda de tempo”. Levantei-me e comecei a andar pelo saguão. Pouco depois, um oficiante apareceu e disse: “Jovens, por favor, não fiquem impacientes. Sei que vocês esperaram muito tempo, mas sabem de uma coisa? No mundo espiritual, milhões de pessoas esperam esse momento há séculos, e posso assegurar-lhes que estão muito ansiosos para que chegue a vez deles. Os irmãos estão batizando e confir- mando, e não podem fazer mais do que estão fazendo”. Quando ele disse aquelas palavras, senti-me envergo- nhada. Dei-me conta de que estava sendo egoísta, por não querer doar algumas horas para aquelas pessoas que esperavam há tantos anos e não tiveram a oportunidade de ouvir falar da Igreja verda- deira e ser batizadas aqui na Terra. O oficiante apareceu nova- mente e começou a chamar o nome de pessoas de nossa ala. Uma irmã nos deu roupas brancas, e fomos nos trocar. Depois de nos vestirmos, ela prendeu nosso cabelo com uma fita branca. Depois, descalços, fomos até os bancos do batistério. O tapete era tão macio e fofo que nem parecia estarmos pisando no chão. Quando chegou minha vez, eu estava tão nervosa quanto no dia do meu próprio batismo. Mas os oficiantes foram muito gentis e tiveram tanta paciência com cada um de nós, que foi incrível. Quando saí da pia batismal, uma irmã me esperava com uma grande toalha branca e um enorme sorriso. Troquei de roupa e fui para uma sala, onde fui confirmada. A mesma irmã que me levara a toalha foi comigo e me agra- deceu por estar disposta a fazer o trabalho do Senhor. Quando saí do templo, percebi que tinha sido uma das melhores experiências da minha vida. O templo é um lugar sagrado, e o Espírito do Senhor está ali, diri- gindo Sua grande obra. Toda aquela espera valeu a pena. ◼ Ilustração:JohnZamudio Vale a Pena EsperarValeria Salerno
  10. 10. 8 Lugar de Paz Ri c h a rd M. R o mney Revistas da Igreja D ilcia Soto, de 16 anos, ainda se lembra do dia em que o templo foi dedicado em sua cidade, Santo Domingo, na República Dominicana: “Eu tinha só nove anos, mas disse, ‘Nossa! Um templo aqui!’ Eu estava acostumada a ver as pes- soas viajarem para outros países para serem seladas e fazerem ParaessasduasjovensdaRepública Dominicana,otemploémuitomaisdoqueum prédiobonito.Tambéméumlembretevívidode seusmaissincerosanseioseesperanças.FiRiRm
  11. 11. convênios. Pensei: ‘Agora minha família e eu não teremos de viajar para outro país, porque temos nosso próprio templo aqui perto’”. Hoje, esse templo se ergue majestoso e imponente na capital do país, tão vistoso com sua torre e seus jardins bem cuidados que muitas pessoas que passam por ele imaginam que seja uma catedral. Dilcia fica contente em explicar que para nós ele é mais do que uma catedral, ele é sagrado. Nos jardins do templo há uma serena digni- dade, que contrasta de modo marcante com a fervilhante agitação das ruas e mercados do centro da cidade. Foi nesse lugar de paz que Dilcia e sua amiga Kelsia St. Gardien, de 14 anos, estiveram há pouco tempo. As duas são membros da Ala Mirador, Estaca Santo Domingo República Domi- nicana Independencia. As duas já esti- veram no templo para realizar batismos pelos mortos. Mas hoje, elas foram até lá simplesmente para passear Fotografias:RichardM.Romney
  12. 12. 10 pelos jardins, conversar e sentir do lado de fora do templo o Espírito que existe em seu interior. Os Anseios de Dilcia “Sinto imenso amor pelo Senhor e tenho muita gratidão pelo que Ele fez em minha vida”, afirma Dilcia. “Minha família é da Igreja, mas minhas tias, tios e primos não são. Quando eles vêm-nos visitar, sempre tenho um Livro de Mórmon à mão, porque pode haver uma oportunidade de compartilhar o evan- gelho com eles.” Ela também compartilha o evangelho com os amigos e “com qualquer pessoa que conheço que esteja realmente interessada”. E toda vez que faz isso, ela conta: “Sinto o Espírito muito forte. Toda vez que presto testemunho, sinto novamente a veracidade da Igreja”. Ela se lembra de uma aula do seminá- rio sobre o plano de salvação. “Antes de o mundo existir, houve um grande Conselho no Céu, e decidimos seguir o Pai Celestial e aceitar o sacrifício que Jesus Cristo faria por nós”, explica ela. “Nosso professor explicou que poderíamos saber que obedecemos ao Pai Celestial lá, porque estamos aqui na Terra hoje, com um corpo de carne e ossos. Quando ele disse isso, soube que era verdade. Naquela noite, em minhas orações, chorei e agradeci ao Senhor por esse conhecimento.” Dilcia cita I Coríntios 3:16: “Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?” “Se também sou um templo”, diz ela, “preciso ser tão pura e bela como o templo. Que bênção maravilhosa é estar nesta Igreja e ser uma jovem virtuosa!” Ela conta que seu maior desejo é voltar a viver na presença do Pai Celestial um dia. “Sinto-me imensamente grata por Ele ter- nos dado o templo para que possa- mos fazer tudo o que pudermos para voltar à presença Dele”, diz ela. “A melhor maneira de agrade- cer a Ele é viver da maneira que Ele pede que vivamos.” Dilcia declara: “O Senhor quer que entremos em Sua casa, aprendamos a respeito Dele e nos esforcemos para alcançar a eternidade na presença Dele”. Ela diz que gosta muito de participar dos batismos pelos mortos porque “é um modo de ajudar os que esperam do outro lado do véu e fazer algo por eles que eles não podem fazer por si mesmos”. O Comprometimento de Kelsia Kelsia concorda. “Nossos antepassados precisam de que façamos o trabalho, e sei Dilcia cita I Coríntios 3:16: “Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?” O Templo em Nós “Se formos ao templo tão frequentemente quanto a distância e as circunstân- cias individuais permiti- rem, o templo estará em nós. Então, sejam quais forem os problemas que enfrentarmos na vida, sempre estaremos em um lugar sagrado.” Élder Lance B. Wickman, dos Setenta, “In a Holy Place”, New Era, abril de 2005, p. 45.
  13. 13. A Liahona Outubro de 2009 11 que vão nos agradecer”, explica ela. “Anseio particular- mente ver minha avó, que não cheguei a conhecer em vida. Vamos ao templo para certificar-nos de que todo o trabalho do templo seja feito em favor dela.” Kelsia fica muito emocionada ao falar sobre o templo. “Assumi o compromisso de tomar decisões que vão me ajudar a ser selada a minha família”, diz ela. “Temos de respeitar o evangelho e observar os mandamentos al pie de la letra [literalmente]”, afirma ela. “Fazemos isso porque amamos nosso Pai Celestial, e é por meio da obediência que mostramos nossa gratidão a Ele.” Sua família filiou-se à Igreja em dezembro de 2006, seis anos depois de seus pais mudarem-se do Haiti para a República Dominicana. “Sinto-me extremamente grata pelos missionários que bateram em nossa porta. Foi ótimo sentir o Espírito e aprender o plano que o Pai Celestial criou para nós. Desde que o evangelho entrou em nossa vida, nossa família é muito mais unida. Sinto-me grata por Ele ter-me dado uma família tão unida, mesmo nos momentos difíceis. Pensar que temos o privilégio de ser selados para a eternidade é para mim uma das maio- res bênçãos que existem.” Seus pais fazem agora o curso de preparação para o templo, e isso a faz-se lembrar de preparar-se para o dia em que ela própria se casará no templo. “Essa é minha principal meta, que meu futuro marido e eu sejamos dig- nos um do outro e de formarmos uma família eterna.” Compartilhar Serenidade As duas amigas passam pelo mastro onde a bandeira de seu país se agita ao vento. “Até a bandeira do país, no mastro do templo, nos lembra de sermos fiéis”, comenta Dilcia. “É mais do que apenas as cores. Ela exibe o lema Dios, Patria, Libertad [Deus, Pátria, Liberdade] juntamente com uma cruz cristã e os Dez Mandamentos. Faz-nos lem- brar que nosso país foi fundado por pessoas que acredita- vam em Deus, e que Deus ainda é importante aqui.” Também passeiam pela entrada do templo, onde as palavras Santidad al Señor, la Casa del Señor [Santidade ao Senhor, A Casa do Senhor] estão gravadas acima da porta de entrada, como em todos os templos. “Sempre que leio essas palavras, sinto um vigoroso testemunho de que são verdadeiras”, comenta Dilcia. “Lembro-me de quando viemos aqui com nosso grupo da Mutual, certa noite, apenas para passear pelos jardins. Depois do passeio, o bispo perguntou o que sentimos aqui. Conversamos a respeito disso e concluímos que a resposta era: Paz.” Kelsia e Dilcia se afastam pen- sando nessa palavra-resposta per- feita — perfeita porque o templo é o lugar de paz. ◼ Para saber mais sobre os jovens da Igreja na República Dominicana, ver “Busca e Resgate” na edição de março de 2009.
  14. 14. 12 Élder Ro b ert D. Hales Do Quórum dos Doze Apóstolos A s bênçãos da investidura do templo são tão essen- ciais para nós quanto nosso batismo. Por esse motivo, devemos preparar-nos a fim de que estejamos limpos para entrar no templo de Deus. A oportunidade de entrar no templo e ali fazer convênios sagrados é uma das maiores bênçãos ao nosso alcance na mortalidade. Então, depois de fazer esses convênios, nossa obediência ao cumpri-los todos os dias será uma demonstração de nossa fé, devoção e comprometimento espiritual de honrar nosso Pai Celestial e Seu Filho Jesus Cristo. Nossa obediência também nos pre- para para viver com Eles nas eternidades. As ordenanças de salvação realizadas no templo são essenciais para o plano eterno de felicidade — sim, o foco central desse plano. A Doutrina do Templo O templo é realmente o lugar no qual estamos “no mundo sem ser do mundo”. Quando enfrentamos problemas e preci- samos tomar uma decisão crucial, que nos aflige a mente e a alma, podemos levar nossas preocupações ao templo e receber orientação espiritual. Precisamos adquirir um reverente testemunho de que o templo é a casa do Senhor. Para preservar a santidade do templo e convidar o Espírito a abençoar os que entram no templo sagrado para receber suas ordenanças e convênios, somos ensinados que nada impuro deve entrar nele. A reverência no templo é um elemento primordial para con- vidar o Espírito a nele habitar em todos os momentos de todos os dias. Quando eu era menino, meu pai levou-me de Long Island, Nova York, até o terreno do Templo de Salt Lake para tocar no edifício do templo e falar da importância dele em minha vida. Foi nessa ocasião que decidi que voltaria um dia para receber as ordenanças do templo. Ao longo da história, em todas as dispen- sações, o Senhor ordenou aos profetas que templos deveriam ser construídos para que Seu povo pudesse receber as ordenanças sagradas. Moisés e os israelitas foram aben- çoados com um templo portátil, o taberná- culo, onde era realizado o trabalho sagrado de ordenanças segundo a lei de Moisés e onde, ocasionalmente, o Senhor aparecia para conversar com Moisés. O rei Salomão construiu um belo templo em Jerusalém, que posteriormente foi destruído. Então, durante o ministério de Cristo, outro templo foi cons- truído em Jerusalém. O templo é um edi- fício sagrado, um lugar santo onde as cerimônias e orde- nanças essenciais para a salvação são realizadas com o pro- pósito de preparar- nos para a exaltação. FotografiadoTemplodeSaltLake:WeldenC.Andersen;àdireita:ilustraçãofotográficaporJohnLuke As Bênçãos do Templo 12
  15. 15. Aprendemos no Livro de Mórmon que Néfi construiu um templo “conforme o modelo do templo de Salomão” (2 Néfi 5:16). Outros profetas nefitas, inclusive Jacó e o rei Benjamim, ensinaram o povo no templo (ver Jacó 1:17; Mosias 1:18). É significativo que quando o Senhor Jesus Cristo ressuscitado apareceu aos nefitas, em 34 a.D, Ele o tenha feito no templo (ver 3 Néfi 11:1–11). O Profeta Joseph Smith ensinou: “A Igreja não está completamente organizada em sua devida ordem nem poderá estar até que o Templo esteja construído, no qual haverá lugares para a administração das ordenanças do Sacerdócio”. 1 O Templo de Kirtland foi o primeiro templo nestes últimos dias e teve um papel importante na restauração das chaves do sacerdócio. Joseph Smith, como resposta a sua oração, foi visitado por Jesus no Templo de Kirtland, no dia 3 de abril de 1836 (ver D&C 110). O Salvador apareceu em glória e aceitou o Templo de Kirtland como Sua casa. Na mesma ocasião, Moisés, Elias e Elias, o profeta, também apareceram para conceder as chaves do evangelho que possuíam. Elias, o profeta, restaurou as chaves do poder sela- dor, conforme prometido por Malaquias, a fim de que pudéssemos desfrutar a plenitude das bênçãos do templo em nossa vida. Nossos antepassados pioneiros construí- ram o Templo de Nauvoo e nele realizaram ordenanças sagradas. O Templo de Nauvoo foi o primeiro no qual se realizaram inves- tiduras e selamentos, que muito fortalece- ram os pioneiros que enfrentaram grande dificuldade ao cruzar as planícies para chegar a Sião, no Vale do Lago Salgado. Eles foram investidos de poder no templo sagrado. Marido e mulher foram selados um ao outro. Filhos foram selados aos pais. Muitos deles
  16. 16. 14 perderam membros da família ao longo do caminho, mas sabiam que não era o fim para eles. Tinham sido selados no templo para toda a eternidade. Mais tarde, por meio de uma revelação recebida pelo Presidente Brigham Young, os santos construíram outros templos no Oeste dos Estados Unidos. Hoje, há 130 templos em funcionamento, o que permite que os membros fiéis da Igreja do mundo inteiro entrem na casa do Senhor para receber suas ordenanças do templo e fazer convênios com Ele. As Ordenanças do Templo O principal propósito do templo é pro- ver as ordenanças necessárias para nossa exaltação no reino celestial. As ordenanças do templo nos conduzem a nosso Salvador e nos concedem as bênçãos decorrentes da Expiação de Jesus Cristo. Os templos são a maior universidade de aprendizado conhe- cida pelo homem, que nos proporciona conhecimento e sabedoria sobre a Criação do mundo. As instruções da investidura nos ensinam como devemos conduzir nossa vida aqui na mortalidade. O significado da palavra investidura é “dádiva”. A ordenança consiste de uma série de instruções sobre como devemos viver e os convênios que devemos fazer para viver em retidão e seguir nosso Salvador. Outra ordenança importante é ser selado para a eternidade no casamento celestial. Esse convênio do casamento permite que os filhos sejam selados aos pais e que os filhos nascidos sob convênio se tornem parte de uma família eterna. Doutrina e Convênios nos ensina: “Tudo o que selares na Terra será selado no céu; e tudo o que ligares na Terra, em meu nome e pela minha palavra, diz o Senhor, será ligado eternamente nos céus” (D&C 132:46). Quando um casal está ajoelhado no altar, estou ciente, como selador, de meu papel como representante do Senhor. Sei que o que for selado na Terra será literalmente selado no céu, para nunca ser desfeito, se as pessoas que são seladas permanecerem fiéis e perseverarem até o fim. M oisés e os israelitas foram abençoados com um templo portá- til, o tabernáculo, onde era realizado o trabalho sagrado de ordenanças segundo a lei de Moisés e onde, ocasionalmente, o Senhor aparecia para conversar com Moisés. Ilustração:TedHenninger
  17. 17. Tenho observado ao longo dos anos muitos casais que conseguiram manter um casamento estável e forte por permanecerem fiéis aos convênios que assumiram no tem- plo. Esses casais bem-sucedidos têm várias coisas em comum. Primeiro, eles sabem individualmente quem são: filhos e filhas de Deus. Estabele- cem a meta eterna de viver novamente com nosso Pai Celestial e Seu Filho Jesus Cristo. Esforçam-se por abandonar os caminhos do homem natural (ver Mosias 3:19). Segundo, conhecem a doutrina e a importância das ordenanças de salvação do templo e dos convênios do templo, além da necessidade que têm de atingir metas eternas. Terceiro, decidem obter as bênçãos eternas do reino de Deus em vez das posses temporárias do mundo. Quarto, esses casais se dão conta de que, quando são selados para esta vida e para toda a eternidade, eles escolheram um companheiro eterno: seus dias de despertar a atenção de outras pessoas terminaram — não há mais necessidade de procurar! Quinto, esses casais pensam um no outro antes de pensar em si mesmos. O egoísmo sufoca os sentidos espirituais. Ao comunicar-se com o Senhor em oração, eles se tornam cada vez mais unidos, em vez de se afastar um do outro. Conversam entre si, portanto nunca permitem que as coisas pequenas se tornem grandes. Con- versam logo sobre as “pequenas mágoas” com medo de causar ofensa. Desse modo, quando as pressões aumentam e sinalizam perigo, não há uma explosão de sentimen- tos amargos. É muito melhor deixar escapar um pouco de vapor, antes que a panela de pressão venha a explodir. Estão dispos- tos a pedir perdão e a perdoar se tiverem ofendido a pessoa amada. Expressam amor um pelo outro e se tornam mais íntimos. Elevam e fortalecem um ao outro. As Bênçãos do Templo O templo é um edifício sagrado, um lugar santo, onde cerimônias e ordenanças de salvação essenciais são realizadas para prepa- rar-nos para a exaltação. É importante que adquiramos um conhecimento seguro de que nossa preparação para entrar na casa sagrada e que nossa participação nessas cerimônias e convênios sejam as coisas mais significativas que vivenciaremos em nossa vida mortal. Viemos voluntariamente da presença de Deus, o Pai, para esta provação mortal com livre-arbítrio, sabendo que enfrentaríamos “oposição em todas as coisas” (2 Néfi 2:11). Nosso objetivo é vestir toda a armadura de Deus e resistir aos “dardos inflamados do maligno” com o escudo da fé e a espada do Espírito (ver D&C 27:15–18), perseverar até o fim e ser dignos de estar e viver na presença de Deus, o Pai, e de Seu Filho Jesus Cristo por toda a eternidade: alcançar o que é cha- mado de vida eterna. ◼ Extraído de um discurso devocional proferido na Universidade Brigham Young, em 15 de novembro de 2005. Para o texto integral do discurso em inglês, ver http://speeches.byu.edu. Nota 1. History of the Church, vol. 4, p. 603.THi
  18. 18. 16 Maria José de Araújo, que trabalha diariamente como voluntária no Templo de Recife Brasil, “é um bom exemplo de serviço ao pró- ximo”, diz o registrador do templo Cleto P. Oliveira, que aparece aqui ao lado dela.
  19. 19. A Liahona Outubro de 2009 17 Mi c h a e l R. M o r r is Revistas da Igreja A ntes de as portas do Templo de Recife Brasil se abrirem para outro dia de ministração de ordenan- ças de salvação, Maria José de Araújo, de 70 anos, acorda para se preparar para outro dia de serviço abnegado. Para chegar ao templo, a irmã Maria precisa viajar uma hora e meia e tomar quatro ônibus diferentes desde sua casa, em Cabo de Santo Agostinho, que fica ao sul de Recife, na costa nordeste do Brasil. Mas antes de sair, ela prepara a comida e deixa tudo em ordem para uma prima cega, de quem ela cuida em casa. “A irmã Maria é um bom exemplo de serviço ao próximo”, diz Cleto P. Oliveira, registrador do templo. “Desde que o templo foi dedicado, em dezembro de 2000, ela se apresentou como voluntá- ria para servir aqui em todos os dias em que o templo esteja aberto. Ela vem até nos feriados.” Das 7h da manhã até as 3h da tarde, de terça a sábado, ela trabalha no refeitório do templo, lavando pratos e fazendo saladas. Ela diz que gostaria de trabalhar mais, mas como tem de percorrer uma longa distância de ôni- bus na volta para casa, precisa sair cedo para chegar antes do anoitecer. O irmão Oliveira diz à irmã Maria que ela não precisa ir todos os dias ao templo, mas admite que precisaria de duas pessoas para substituí-la. “Ela apenas sorri e diz que dedicou a vida ao Senhor”, diz ele. Para ela, servir diariamente no templo é um grande privilégio. Meu Privilégio de Servir “Meu Pai Celestial me abençoou com boa saúde, e minha meta é continuar a vir todos os dias enquanto minha saúde permitir”, diz ela. “Fiz convênio de dedicar todos os meus talentos e minhas habilida- des para servir ao Senhor. Quando chego em casa, depois de servir no templo, não me sinto cansada. O Senhor me abençoou assim.” Anteriormente, nos seis anos em que serviu no centro de história da família de sua ala, a irmã Maria pesquisou sua linha- gem familiar. Então, em muitas manhãs de sábado antes de ir trabalhar no refeitório do templo, ela fez o trabalho vicário do templo para quatro gerações de antepassadas do sexo feminino. Também cuidou para que o trabalho fosse feito para quatro gerações de antepassados do sexo masculino. Quando começou a pesquisar sua histó- ria da família, ela achava que a tarefa seria impossível, especialmente por não conseguir saber o nome de dois bisavôs. Mas certa noite, os nomes completos deles lhe foram revelados num sonho. A princípio, ela teve dúvidas se os nomes estariam corretos, mas ao pesquisar nos registros de sua mãe, encontrou os nomes e pôde esclarecer os vínculos familiares que a haviam confundido antes. Ela acredita que o sonho veio como uma bênção por seu empenho de servir ao Senhor e a Seus filhos. “O templo é minha vida”, diz a irmã Maria. “As pessoas que não vão ao templo estão perdendo uma grande opor- tunidade e bênção. Ao servir no templo, compreendemos o verdadeiro significado e poder do templo.” ◼ “As pessoas que não vão ao templo estão perdendo uma grande oportuni- dade e bênção”, diz a irmã Maria José de Araújo. Fotografias:MichaelR.Morris,excetoquandoindicado;fotografiadoTemplodeRecifeBrasil:R.ValJohnson
  20. 20. 18 Ryan C a rr Revistas da Igreja G ary e Jennifer Tucker tinham um sonho. Ambos queriam uma famí- lia eterna. Mas Jennifer quase havia perdido as esperanças. Os passos necessários para realizar esse sonho passavam pelo tem- plo, algo para o qual Gary não estava pronto. Então, o bispo deles foi inspirado com uma ideia que ajudaria o casal Tucker e muitas outras pessoas da Ala Forks III, Estaca Bozeman Montana, a realizarem o sonho de uma família eterna. Há poucos anos, o bispo Aaron Baczuk estava em uma reunião para bispos e recém-conversos na estaca. O Setenta de Área que presidia perguntou a um membro novo: “Você já esteve no templo para realizar batismos pelos mortos?” Ele já havia estado. O bispo Baczuk nunca havia pensado em levar adul- tos sem investidura ao templo. Na semana seguinte, ele marcou um horário no Templo de Billings Montana para que os adultos de sua ala fossem realizar batismos pelos mortos. A visita ao templo foi um sucesso, e nos meses seguintes os élderes e sumos sacerdotes da ala acompa- nharam mais adultos sem investidura ao templo. “Foi uma experiência muito espiritual para eles, aumentando seu desejo e compromisso de receber a investidura”, diz o bispo Baczuk. Um Povo que Frequenta o Templo Preparação A fim de se prepararem, os membros adultos trabalham com o bispo para tor- narem-se dignos de ir ao templo. Depois, fazem o curso de preparação para o templo. Seu interesse pelo curso realmente aumenta muito depois que realizam batismos pelos mortos. Eles descobrem que falar sobre o templo na sala de aula é uma coisa, mas real- mente sentir o Espírito do Senhor no templo é outra. “Ter a opção de levar ao templo alguém que não esteja preparado para receber outros convênios, mas que possa ter a experiência de participar de ordenanças é algo imen- samente bom”, diz o bispo Baczuk. “Acho que isso condiz com o sentimento que a Igreja procura transmi- tir no livreto de preparação para o templo: ‘Venha ao templo!’” 1 David Boyd, presidente do quórum de élderes da Ala Forks III, diz que ir ao templo para realizar batismos torna a meta tangível: “Eles começam a ver a possibilidade de receber a própria investidura. Muitos deles nem sequer haviam pisado no terreno do templo antes; portanto, essas caravanas de batismos de adultos dão aos membros essa oportunidade”. História da família, integração e batismos pelos mortos inspiram membros adultos a receberem sua investidura do templo. Fotografia:cortesiadafamíliaTucker
  21. 21. A Liahona Outubro de 2009 19 Muitos membros reativados recentemente na ala realizam batismos pelos mortos antes de receber a própria investidura. “Nunca foi uma questão de dignidade”, diz o bispo Baczuk. “Era uma questão de preparação. Alguns estavam dignos e preparados para fazer batismos, mas não estavam mental e espiritualmente preparados para receber os convênios da investidura.” Para os homens, também é um momento de preparação para receber o Sacerdócio de Melquisedeque. A história da família também promove o trabalho do templo. Os membros da ala, como Larry e Carolyn Isom, trabalham no centro de história da família da ala para conseguir centenas de nomes de famílias. Esses três empenhos — o curso de prepa- ração para o templo, a história da família e a adoração no templo — funcionam juntos. As pessoas que fazem a história da família ficam entusiasmadas em fornecer nomes para os que vão ao templo. Os membros que vão ao templo ficam entusiasmados por fazer o trabalho do templo para os próprios antepas- sados e para os dos demais membros da ala. E estar no templo motiva os membros a se prepararem para lá voltar. Nos últimos anos, 22 membros da Ala Forks III fizeram o curso de preparação para o templo, e 14 deles começaram a frequentar regularmente o templo para realizar batismos pelos mortos. E, depois de terminar o curso, 13 dos 14 receberam a própria investidura. Alguns deles são solteiros ou viúvos, mas outros, como Gary e Jennifer Tucker, foram selados como família. Integração Gary filiou-se à Igreja em 1992, alguns meses antes de ele e Jennifer terem-se Felizes por estarem no Templo de Billings Montana no dia de seu selamento: Gary, Jennifer, Cody e Garrett Tucker.FiimiT
  22. 22. 20 casado. Ela já era membro. Mas as longas horas de trabalho e a companhia de amigos errados fizeram com que fosse difícil para Gary permanecer ativo na Igreja, mesmo com o apoio da esposa. Ele disse que passou muitos anos mascando fumo e usando lin- guagem vulgar. Quando nasceu sua filha, Cody, a irmã Tucker tentou criá-la no evangelho levan- do-a à Igreja, visto que o irmão Tucker não queria nenhuma publicação da Igreja em sua casa. Embora incentivasse a própria família a frequentar a Igreja, ele mesmo não o fazia. Quando Cody fez oito anos, ela foi batizada por um missionário, e não pelo pai. O irmão Tucker diz: “Fico feliz por ter estado ali, mas senti grande remorso por estar só vendo e não participando”. Nos anos que se seguiram, a integração ajudou Gary a retornar à atividade. Jennifer convidava os membros da ala ou os mis- sionários para jantar, sabendo que isso lhes daria uma chance de conversar com Gary. Ele se sente grato pelos membros e missionários que exerceram boa influência em sua vida. Dale Price, por exemplo, era mestre fami- liar da mãe de Jennifer e conheceu Gary e Jennifer dessa forma. Quando o irmão Price conversava com o irmão Tucker, a princípio não falavam do evangelho. Falavam de um interesse que tinham em comum: a caça. A família Price também fazia companhia para a família Tucker nas atividades da ala, leva- vam-lhes produtos de seu armazenamento de alimentos enquanto o irmão Tucker ficou sem emprego e deram-lhes mel produzido no próprio apiário. A família Tucker adora comer torrada com mel. Esse pequeno pre- sente, como o irmão Price costumava dizer, era para “adoçar a amizade”. Fazer Coisas Pequenas e Simples Os conselhos de seu presidente de estaca também ajudaram a família Tucker. O pre- sidente David Heap pediu aos membros da estaca que fizessem “sete coisas pequenas e simples”: (1) Ler as escrituras individual- mente todos os dias; (2) ler as escrituras pelo menos cinco dias por semana em família; (3) orar individualmente todas as manhãs e Os membros da Ala Forks III fazem regu- larmente o percurso de duas horas e meia de carro para servir no Templo de Billings Montana. Várias pes- soas que frequentam são adultos que rea- lizam batismos pelos mortos, enquanto elas próprias e os respec- tivos cônjuges se pre- param para receber as investiduras e ser selados. Àesquerda:fotografiadoTemplodeBillingsMontana:SteveBunderson;fotografiadobatistériodoTemplodeBillings Montana:NormanChilds;àdireita:fotografiadeDrakeBusath,©BusathPhotography
  23. 23. A Liahona Outubro de 2009 21 noites; (4) orar em família todas as manhãs e noites; (5) ir à Igreja todos os domingos em família; (6) realizar a reunião de noite familiar todas as segundas-feiras e (7) ir ao templo todos os meses. Gary viu que essas coisas ajuda- riam sua família a ser mais unida, algo que ele muito desejava. Por isso, a família Tucker começou a orar em família, estudar as escrituras e fazer a reunião familiar. Essas coisas ajuda- ram a preparar Gary a fim de aceitar o convite do bispo para que se pre- parasse para entrar no templo. Em janeiro de 2006, a família Tucker estava participando de um serão na casa do bispo. O bispo Baczuk chamou Gary para o lado e conversou com ele sobre o templo. Naquele exato momento, Gary entre- gou ao bispo sua lata de fumo para que deixasse de ser uma tentação para ele. Fez muitas perguntas ao bispo naquele dia e em entrevistas posteriores. O bispo enfatizou a importância de que Gary cumprisse os convênios que fizera no batismo para ser digno da companhia do Espírito. A família Tucker iniciou o curso de preparação para o templo, e Jennifer começou a ir ao templo com sua ala todos os meses para realizar batismos pelos mortos. Gary estava se empenhando para tornar-se digno de entrar no templo. Sua filha, Cody, que tinha 11 anos na época, estava entusiasmada com a possibilidade que logo teria de ir ao templo para realizar batismos. Quando ela fez 12 anos, Gary pôde ir ao templo com ela. Foi a primeira vez que os dois entraram no templo. Cody diz: “Foi maravilhoso. Havia muita paz ali. Meu pai também foi, por isso foi muito mais importante”. Gary diz que sentiu “uma paz e alegria incríveis pela primeira vez na vida”. No domingo seguinte, no curso de preparação para o templo, Gary era uma pessoa diferente. “Uma luz se acendeu”, diz a irmã Elna Scoffield, que fora professora do curso por vários anos. Gary ficou depois da aula para fazer perguntas. Ele havia sentido o Espírito no templo e queria voltar ali — não só para realizar batismos, mas também para receber sua investidura e selar sua família a ele. No mês seguinte, a família Tucker voltou ao templo com o bispo e outros membros da ala. Vencer Provações Nas semanas que antecederam o dia em que o irmão e a irmã Tucker receberiam sua investidura e seriam selados, eles sentiram a oposição do adversário. Gary estava fazendo progressos, mas ainda tinha dúvidas sobre sua dignidade de entrar no templo. Seu sonho de uma família eterna estava próximo, mas parecia fora de alcance. A família Tucker sabia que teriam de orar juntos com mais frequência, pedindo forças. “Sempre recebemos essa força por meio de uma paz tranquilizadora e uma confirmação de que todas as coisas estavam nas mãos do Senhor”, diz a irmã Tucker. “Até o momento em que entramos no templo, Seu Espírito consolador estava com toda a nossa família.” Depois que Gary e Jennifer receberam a investidura, ajoelharam-se na sala de selamento com seus filhos, Cody e Garrett, todos vestidos de branco. Quando Garrett, de seis anos, viu sua mãe chorar, ergueu a mão para enxu- gar as lágrimas que lhe corriam pelo rosto. Gary e Cody também estavam chorando de alegria. Até o selador estava emocionado. A família Tucker diz que agora tem um relacionamento mais forte e melhor comunicação em sua casa. Gary diz: “Somos mais felizes. Minha mulher e eu somos mais uni- dos, e nossos filhos percebem isso”. Gary sente que é um exemplo melhor para seus familiares que não são mem- bros da Igreja e espera que outras famílias da ala desejem as mesmas bênçãos que o Senhor concedeu a sua família por intermédio do templo. ◼ Nota 1. Ver Preparação para Entrar no Templo Sagrado (livreto, 2002), p. 1. Seremos Pessoas Melhores “Espero que todos comecem a ir regu- larmente ao templo. Espero que seus filhos com mais de 12 anos tenham a oportunidade de ir ao templo fazer batismos pelos mortos. Se formos um povo que vai ao templo, seremos pes- soas melhores, seremos pais e maridos melhores, seremos mães e esposas melhores. Sei que sua vida é atare- fada. Sei que vocês têm muitas coisas para fazer. Mas prometo que, se forem à casa do Senhor, serão abençoados, e sua vida será melhor para vocês.” Presidente Gordon B. Hinckley (1910– 2008), “Excerpts from Recent Addresses of President Gordon B. Hinckley”, ­Ensign, julho de 1997, p. 73.
  24. 24. 22 Mi c h a e l G . M adsen Desenvolvimento de Currículo da Igreja N o escritório do Presi- dente Thomas S. Monson há um qua- dro do Salvador, pintado por Heinrich Hofmann. O profeta diz que aquela pintura o faz lembrar o que o Salvador espera que ele faça. As gravu- ras podem ter uma vigorosa influência em nossa vida, assim como acontece com aquele quadro na vida do Presidente Monson. No intuito de prover gravu- ras acessíveis aos membros da Igreja para ser usadas em suas aulas e no lar, a Igreja colocou à disposição deles o Livro de O Novo Livro de Gravuras do Evangelho Gravuras do Evangelho, com 137 pinturas e fotografias. Essas gravuras podem com- plementar aulas dadas em qualquer lugar, seja no curso de Doutrina do Evangelho ou no tempo de compartilhar da Pri- mária. Elas também podem ser usadas nas reuniões familiares, no estudo pessoal das escritu- ras, no trabalho missionário e nas visitas de mestres familiares e professoras visitantes. Cada ilustração do livro nos convida a um momento de ensino: a oportunidade de contar uma história das escrituras e ensinar um princípio. Para nos ajudar, o Livro de Gravuras do Evangelho inclui uma lista que relaciona cada gravura a seu relato nas escrituras. O estudo dessas escrituras vai aprofundar nossa compreensão dos aconte- cimentos e princípios do evange- lho ilustrados em cada gravura. Seguem-se três maneiras pelas quais o Livro de Gravuras do Evangelho pode ser usado para dar uma aula: 1Você pode convidar as pes- soas a examinar as escrituras relacionadas a uma determinada Um livro acessível com encadernação em espiral agora permite que os santos dos últimos dias tenham à disposição 137 gravuras coloridas para usar no ensino e aprendizado do evangelho. gravura. Pode pedir que leiam a escritura em voz alta ou que a resumam quando trocarem ideias sobre a gravura. 2Você pode pedir às pessoas que descrevam o que veem na gravura. Que princípios do evangelho a gravura ensina? Como podemos aplicar esses princípios a nossa vida? 3Depois de ensinar um determinado princípio do evangelho, convide as pessoas a examinar o Livro de Gravu- ras do Evangelho à procura de gravuras que ilustrem esse princípio. Pergunte como elas se sentem quando olham para a gravura depois de terem conver- sado sobre seu significado. Toda vez que estivermos ensinando ou aprendendo o evangelho, busquemos fervo- rosamente inspiração (ver D&C 42:14–17). Fazendo isso, o Espí- rito Santo fará com que outras ideias nos venham à mente para atender às necessidades das pes- soas a quem estamos ensinando. O novo Livro de Gravuras do Evangelho é uma importante ferramenta que pode ajudar-nos no empenho de auxiliar-nos mutuamente a achegar-nos a Cristo e a receber as bênçãos da vida eterna. ◼ Apartirdaesquerda:ImagemdeCristo,deHeinrichHofmann,cortesiadeC.Harrison ConroyCo.;ilustraçãofotográficadeMatthewReier,Hyun-GyuLeeeChristinaSmith
  25. 25. Como Posso Ter Acesso ao Livro de Gravuras do Evangelho? 1. Você pode encontrar uma versão on-line na Internet, no ende- reço www.gospelart.lds.org. 2. Você pode comprar o Livro de Gravuras do Evangelho (código nº 06048 059) em seu centro de distribuição. 3. Nos Estados Unidos e Canadá, você pode encomendar o livro pela Internet, no endereço www.ldscatalog.com ou ligando para 1-800-537-5971. A Força dos Auxílios Visuais “Os professores que desejarem aumentar a capacidade de compreensão e aprendizagem dos alunos devem utilizar tam- bém auxílios visuais. A maioria das pessoas aprende melhor e lembra-se das aulas por mais tempo quando as ideias são apresentadas com o uso de gravuras, mapas, cartazes ou outros auxílios visuais, em vez da mera narração oral.” Ensino, Não Há Maior Chamado, 1999, p. 182.AiiHiiHmiCHiCCiiwRiHGLCiiSmi
  26. 26. 24 Virtudeo Padrão Dourado Enche teus pensamentos de virtude, e a confiança será plena em tua vida (ver D&C 121:45).
  27. 27. A Liahona Outubro de 2009 25 M e n sa g em das P r o fess o ras V i s i ta n tes Nutrir a Nova Geração Ensine estas escrituras e citações ou, se neces- sário, outro princípio que abençoe as irmãs que você visita. Preste testemunho da doutrina. Peça à pessoa a quem você ensina que compartilhe o que sentiu e aprendeu. D&C 123:11: “E é também uma obrigação imperiosa que temos para com toda a geração que está surgindo”. Qual É Minha Responsabilidade quanto à Nova Geração? Élder Neal A. Maxwell (1926– 2004), do Quórum dos Doze Após- tolos: “Após ter sido reservada pelo Senhor para esta época, [a nova geração] precisa agora ser preservada (…) e preparada para este momento especial da história da humanidade! Foram reservados para vir nesta época, mas agora precisam ser incen- tivados a cumprir a tarefa que lhes foi determinada. (…) Os jovens não diferem dos con- versos em perspectiva. Estão num momento crítico em que sua alma começa a inclinar-se para o Senhor ou para longe Dele. Esse momento de decisão não pode ser criado, mas quando acontece, não deve ser desperdiçado. Frequentemente, esse momento ocorre numa conversa serena e reverente com os pais, os avós, o bispo, um líder adulto ou um amigo íntegro” (“Unto the Rising Generation,” ­Ensign, abril de 1985, pp. 8, 10). Élder Ronald A. Rasband, da Presidência dos Setenta: “Nossa nova geração merece todo o nosso empe- nho em apoiá-los e fortalecê-los em sua jornada para a vida adulta. (…) Em todas as medidas que tomarmos, em todos os lugares que formos, com todos os jovens santos dos últimos dias que conhecemos, precisamos aumentar nossa percepção da neces- sidade de fortalecê-los, de nutri-los e de ser uma influência positiva na vida de cada um deles” (“Nossa Nova Geração”, A ­Liahona, maio de 2006, p. 47). Como Podemos Nutrir a Nova Geração? Presidente Gordon B. Hinckley (1910–2008): “Nunca esqueçam que esses pequeninos são filhos e filhas de Deus e que vocês têm a responsa- bilidade de cuidar deles; que Ele foi Pai antes de vocês e não abdicou de Seus direitos e interesses paternos em relação a Seus amados pequeninos. (…) Criem seus filhos com amor, na doutrina e na admoestação do Senhor. Cuidem de seus pequeninos. Recebem-nos de braços abertos em seu lar, instruam-nos e amem-nos de todo o coração. Eles podem vir a fazer, nos anos vindouros, algumas coisas contrárias ao que vocês espe- ram deles, mas sejam pacientes. Não terão falhado, desde que se tenham esforçado” (“Palavras do Profeta Vivo”, A ­Liahona, maio de 1998, pp. 26–27). Julie B. Beck, presidente geral da Sociedade de Socorro: “Nutrir signi- fica cultivar, cuidar e fazer crescer. (…) A nutrição exige organização, paciência, amor e trabalho. Ajudar no crescimento por meio da nutrição é um papel realmente poderoso e importante concedido às mulheres” (“Mães Que Sabem”, A ­Liahona, novembro de 2007, pp. 76–77). Barbara Thompson, segunda conselheira na presidência geral da Sociedade de Socorro: “Como irmãs, na Sociedade de Socorro, podemos ajudar-nos mutuamente a fortalecer as famílias. Temos a oportunidade de servir em muitos cargos. Estamos sempre em contato com crianças e jovens que podem estar carentes justamente daquilo que temos a ofe- recer. Vocês, irmãs mais experientes, têm experiência e bons conselhos para dar às mães mais novas. Às vezes, uma líder das Moças ou pro- fessora da Primária diz ou faz exa- tamente o que era necessário para reforçar o que o pai ou a mãe está tentando ensinar. E, evidentemente, não precisamos de nenhum chamado específico para estender a mão para uma amiga ou vizinha” (“Eu Te Forta- leço, e Te Ajudo”, A ­Liahona, novem- bro de 2007, p. 117). ◼ Ilustraçãofotográficaefundo:CraigDimond
  28. 28. 26 O ministério exemplar do Presidente Thomas S. Monson é bem conhecido entre os membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Por mais de seis décadas ele estendeu a mão para os necessitados, dando consolo e paz a inúmeras pessoas e minis- trando pessoalmente aos enfermos e aflitos. 1 “Atualmente existem corações que anseiam por ser alegrados, há boas obras a serem feitas e até mesmo preciosas almas que precisam ser sal- vas. Os enfermos, aflitos, famintos, os que sentem frio, os feridos, solitários, idosos ou viajores cansados, todos suplicam que os ajudemos” 2 Em seu ministério pessoal, o Pre- sidente Monson mostrou a diferença entre administrar e ministrar. Os membros da Igreja administram programas e ordenanças, mas minis- tram às pessoas, dando-lhes amor e auxílio. Ao estender a mão para as pessoas, o Presidente Monson imi- tou o Salvador, que “não veio para ser servido, mas para servir” (Marcos 10:45). As Bênçãos de MinistrarGTOs membros da Igreja abençoam vidas e fortalecem testemunhos quando seguem o exemplo do Salvador e ministram às pessoas.
  29. 29. A Liahona Outubro de 2009 27 Como ilustram os quatro rela- tos abaixo, os santos dos últimos dias que “[vão] e [fazem] da mesma maneira” (Lucas 10:37) abençoam outras pessoas, a Igreja e eles próprios. Serviço ao Próximo e Panquecas Minha recuperação após uma pequena cirurgia não foi tão fácil quanto me fizeram acreditar. Mas como presidente da Sociedade de Socorro da ala, senti que devia ajudar outras pessoas, e não pedir a ajuda delas. Numa manhã de segun- da-feira, três dias após minha cirur- gia, eu tinha de aprontar sete filhos para irem à escola. Fiquei me per- guntando se teria de pedir a minha filha mais velha que ficasse em casa para ajudar-me com o bebê. Quando esses pensamentos me passavam pela cabeça, a campai- nha tocou. Vickie Woodard, minha primeira conselheira e grande amiga, tinha vindo me ajudar. Disse que tinha vindo fazer panquecas. Trazia uma tigela de massa de panqueca e perguntou onde estava a frigideira. As crianças ficaram muito felizes. Depois do desjejum, Vickie apron- tou as crianças para irem à escola, fez a faxina e levou o bebê para a casa dela até a hora de ele tirar um cochilo, à tarde. Depois, quando perguntei quem estava cuidando dos filhos dela, ela disse que seu marido tinha tirado umas horas de licença do trabalho para que ela pudesse me ajudar. O serviço prestado por Vickie e o marido naquele dia ajudou-me a recuperar as forças e contribuiu para minha rápida convalescência. Beverly Ashcroft, Arizona, EUA Ilustrações:GreggThorkelson A Um Destes Meus Pequeninos Certo dia, quando estava em casa sozinha com meu filho caçula, escorreguei na escada e caí. Fiquei sentindo dores abdominais por vários dias e, por isso, procurei um médico. Eu estava grávida na época, e os exames indicaram que eu havia sofrido um descolamento de placenta. Essa complicação na gravidez exige repouso absoluto, caso contrário eu poderia perder o bebê. Fiquei preocupada porque tinha três filhos pequenos e não podia con- tratar uma pessoa para ajudar-me. As irmãs de meu ramo, porém, souberam do meu estado e, sem que lhes fosse pedido, foram me ajudar. Organiza- ram-se em três grupos que me ajuda- vam pela manhã, à tarde e à noite. Vinham a minha casa para lavar, passar, cozinhar, limpar e ajudar
  30. 30. meus filhos com as lições de casa. Uma irmã chamada Rute, que havia sido batizada na Igreja enquanto eu estava de cama, tornou-se assídua em minha casa. Como Rute era enfermeira, ela me ajudava à noite e aplicava as injeções necessárias. Não precisei pedir nada. As irmãs previam minhas neces- sidades e cuidavam de tudo. Quando havia mais pessoas para ajudar do que era preciso, uma irmã se sentava a meu lado e ficava conversando comigo. Fizeram isso por três meses. Aquelas irmãs me deram forças, amor e dedicação. Doaram seu tempo e talentos. Fizeram sacrifícios para estar ali. Nunca pediram nada em troca. Elas amaram e serviram, seguindo o exemplo do Senhor, que ensinou: “Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeni- nos irmãos, a mim o fizestes” (Mateus 25:40). Enilze do Rocio Ferreira da Silva, Paraná, Brasil Apenas Traga as Roupas Quando meu marido, Brandon, estava em Orlando, Flórida, a negócios, acordou certa noite com febre alta e dificuldade para respirar. Chamou uma ambulância para levá-lo ao hospital, onde ficou sabendo que estava com uma grave pneumonia. Como tínhamos filhos pequenos, eu não podia viajar imediatamente de nossa casa, na Pensilvânia, para a Flórida. Ligava para Brandon todos os dias, esperando que melho- rasse e pudesse voltar para casa. Mas o estado dele foi ficando pior. Quando uma enfer- meira do hospital me ligou pedindo que eu fosse para lá o mais rápido possível, comecei a pensar em quem poderia cuidar de nossos filhos. Minha mãe concordou em tirar licença do trabalho e disse que viria assim que pudesse, mas meu voo partiria antes que ela conseguisse chegar. Liguei para algumas ami- gas para ver se poderiam cuidar de meus filhos até minha mãe chegar. Uma amiga da Sociedade de Socorro, Jackie Olds, disse que ficaria feliz em cuidar deles. “Apenas traga as roupas deles e as fraldas”, disse ela, “e vou cuidar deles durante todo o tempo em que você estiver fora de casa”. Comecei a dizer para aquela irmã que não seria preciso, pois ela tinha seus próprios filhos e uma vida atarefada, mas ela insistiu. Quando deixei meus filhos na casa dela, mais
  31. 31. A Liahona Outubro de 2009 29 sacerdotes ativos e menos ativos de seu quórum. “Vamos ao hospital ver o irmão Anderson. Precisamos de todos. Você vai?” repetia ele, a cada ligação. “Não sei se vou poder”, disse um sacerdote. “Acho que vou ter de trabalhar.” “Vamos então esperar até você sair do trabalho”, respondeu Ryan. “Isso é algo que precisamos fazer juntos.” “Está bem”, respondeu o membro do quórum. “Vou ver se consigo tro- car de turno com outra pessoa.” Todos os 11 sacerdotes foram ao hospital. Tanto os menos ativos quanto os que nunca faltavam a uma reunião de domingo estavam ali. Riram, choraram e oraram juntos e fizeram planos para o futuro. Nos meses que se seguiram, revezaram-se na tarefa de massagear os pés do irmão Anderson, quando sua circula- ção ficou prejudicada, e nas longas sessões de doação de plaquetas sanguíneas, para que ele só rece- besse sangue deles. Chegaram até a viajar 32 km, na noite do baile da escola, com as respectivas namoradas (inclusive duas jovens que não eram membros da Igreja), até o leito de hospital dele para compartilharem suas experiências da escola. Em seus últimos dias, o irmão Anderson pediu a eles que servis- sem em uma missão, casassem no templo e mantivessem contato uns com os outros. Muitos anos depois, após terem retornado da missão, de terem-se casado no templo e for- mado sua própria família, eles ainda se recordam daquelas experiências espirituais decisivas de serviço em conjunto para seu amado líder. ◼ Norman Hill, Texas, EUA Notas 1. Ver Quentin L. Cook, “Dar Ouvidos às Palavras do Profeta”, A ­Liahona, maio de 2008, pp. 49–50. 2. Thomas S. Monson, “O Vosso Caminho de Jericó”, A ­Liahona, setembro de 1989, p. 6. tarde, ela me consolou, dizendo: “Não se preocupe com eles. Preo- cupe-se em fazer com que Brandon melhore e volte para casa. Já cuidei de crianças pequenas”. Eu sabia que meus filhos estariam seguros e felizes e seriam bem cui- dados, e realmente foram. Pude ficar ao lado de meu marido, que estava gravemente enfermo quando cheguei ao hospital. Mas poucos dias depois, estava suficientemente bem para voltar para casa. Sinto-me grata por uma boa amiga que se dispôs a fazer muito mais do que eu teria lhe pedido e que nos ajudou naquele momento de necessidade. Kelly Parks, Pensilvânia, EUA Prestar Serviço Junto ao Leito O irmão Anderson, dinâmico pre- sidente dos Rapazes de nossa ala, aos 35 anos, era o tipo de líder dos jovens que todos admiravam: ex-missioná- rio, pai de cinco filhos, empresário e homem de espírito jovem. Mas ele estava com leucemia. Depois de ser informado pelo bispo, o irmão Ryan Hill, primeiro assistente do quórum de sacerdotes, entrou em ação, convocando todos os
  32. 32. 30 É LDER D A NIEL L. JO HNSO N Dos Setenta U ma das práticas características de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é a de termos pastores leigos. Não temos clero remunerado nas alas, ramos, estacas e distritos da Igreja, mas são os próprios membros que ministram uns aos outros. Todo membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias tem o chamado de ser um pastor em Israel. Os membros servem como pasto- res em bispados e presidências de ramo, como líderes do sacerdócio e auxiliares, como secretários e todo tipo de professores, inclusive mestres familiares e professoras visitantes, e em inúmeros outros cargos. Os pastores leigos têm várias coisas em comum. Cada um deles tem ovelhas para nutrir, incentivar e servir. Cada um deles foi chamado pelo Senhor por meio de Seus servos autorizados. Cada um deles é res- ponsável perante o Senhor por sua mordomia como pastor. Buscar a Ovelha Perdida Em 1980, aos 19 anos, Joseph Serge Merilus partiu do Haiti, onde nasceu, e mudou-se para a República Dominicana à procura de trabalho. Dezoito meses depois, retornou ao Haiti, apaixonou-se por Marie Reymonde Esterlin e voltou para a República Domini- cana recém-casado com ela. Eu?Um Pastor em Israel?
  33. 33. A LIAHONA OUTUBRO DE 2009 31 Ao começarem a vida de casados em seu novo país, Joseph e a esposa ansiavam por coisas espirituais. Ele e Marie visita- ram várias igrejas, procurando satisfazer esse anseio, mas sendo falantes de crioulo haitiano num país de língua espanhola, tiveram dificuldade para compreender as pessoas e ser compreendidos por elas. Acabaram conhecendo dois missionários santos dos últimos dias que os convida- ram para a Igreja. Depois de Joseph e Marie terem assistido a várias reuniões, os missionários pacientemente lhes ensina- ram as palestras em espanhol, e eles foram batizados em setembro de 1997. Joseph foi chamado para servir na presidência da Escola Dominical, depois como conselheiro na presidência do ramo e mais tarde como presidente do ramo. Mas devido a uma série de mal-entendidos e Fui testemunha e participei de milha- res de visitas como pastor do rebanho. Presto testemunho da maravilhosa mani- festação do Espírito que as acompanha. mágoas, em grande parte devido a proble- mas de comunicação, Joseph, Marie e seus cinco filhos deixaram de ser ativos, e os membros locais da Igreja praticamente os esqueceram. Nos sete anos seguintes, o casal teve mais filhos e acolheu em sua casa um sobri- nho e uma sobrinha vindos do Haiti. Com muito esforço, Joseph se tornou fluente em espanhol e inglês e começou a dar aulas de inglês e crioulo haitiano em uma empresa local. Em agosto de 2007, dois líderes do sacerdócio, como parte do processo de buscar as ovelhas perdidas do Senhor, bateram à porta da casa da família. Desco- briram que Joseph e Marie ainda tinham um testemunho do evangelho, embora não tivessem frequentado as reuniões por sete anos. Os líderes convidaram a família a voltar à Igreja, e eles fizeram isso já no dia seguinte: todos os 13 membros da família. A partir daquela época, tornaram-se ativos na Igreja. Hoje, Joseph é líder da missão do ramo em Barahona, que fica ao sul da República Dominicana. Seus dois filhos mais velhos também servem na liderança do ramo, e seu sobrinho, recém-ordenado élder, é o presi- dente dos Rapazes. Recentemente, a família viajou até o templo, onde foram selados para a eternidade. Pensem nisso, 13 ovelhas perdidas foram encontradas porque dois membros pasto- res estavam dispostos a procurar, nutrir e levar aquela família de volta ao rebanho do Senhor. Eles foram conduzidos a esse lar assim como todos nós seremos conduzidos, se buscarmos as ovelhas perdidas que são de nossa responsabilidade. Fui testemunha e participei de milhares DETALHEDEESTRADAPARABELÉM,DEJOSEPHBRICKEY;ÀDIREITA:DETALHEDECAIMEABEL,DEROBERTT.BARRETT
  34. 34. 32 de visitas como pastor. Testifico-lhes que o Espírito Se manifesta maravilhosamente nessas visitas. Vi muitas ovelhas perdidas retornarem e senti a alegria que acompa- nha sua volta ao redil. Vi corações serem tocados, bênçãos serem proferidas, lágrimas serem derramadas, testemunhos serem pres- tados, orações serem feitas e atendidas e amor ser expresso. Testemunhei vidas serem transformadas. Alimentar o Rebanho Entre 592 e 570 a.C., Deus falou a Seu profeta Ezequiel a respeito dos pastores negligentes. Devido à negli- gência deles, o rebanho havia sido disperso. A respeito desses pastores, o Senhor disse: “Filho do homem, profetiza contra os pastores de Israel; profe- tiza, e dize aos pastores: Assim diz o Senhor Deus: (…) Não devem os pastores apascentar as ovelhas? (…) As fracas não fortalecestes, e a doente não curastes, e a quebrada não ligastes, e a desgarrada não tornastes a trazer, e a perdida não buscastes; (…). (…) As minhas ovelhas andaram espalhadas por toda a face da terra, sem haver quem perguntasse por elas, nem quem as buscasse. Assim diz o Senhor Deus: (…) das suas mãos demandarei as minhas ovelhas” (Ezequiel 34:2, 4, 6, 10). Em muitos aspectos, tornamo-nos uma Igreja centralizada na capela. Fazemos muitas coisas para prover alimento espiritual e emocional aos que são constantes, mas e quanto aos que deixaram de frequentar a capela? Se recebo um chamado de servir na Igreja, tenho ovelhas a quem tenho a obrigação divina de ministrar e servir. Por exemplo: como professor, sou pastor não apenas dos que assistem a minhas aulas, mas também daqueles que não as frequen- tam. Tenho a responsabilidade de encontrá- las, conhecê-las melhor, fazer amizade com elas, ministrar suas necessidades e levá-las de volta ao redil. NÃOESTÁMAISPERDIDA,DEGREGK.OLSEN,REPRODUÇÃOPROIBIDA;ILUSTRAÇÃOFOTOGRÁFICA:LAURENIFOCHETTO
  35. 35. A LIAHONA OUTUBRO DE 2009 33 Como Levá-las de Volta Como membros pastores, bem faríamos em lembrar e ponderar os ensinamentos contidos em Lucas 15. Nesse capítulo, o Senhor ensinou a parábola da ovelha perdida, da dracma perdida e do filho pródigo. Todas as três se referem ao “que estava perdido” e foi achado de novo. Na parábola da ovelha perdida, o Senhor pergunta: “Que homem dentre vós, tendo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove, e não vai após a perdida até que venha a achá-la? E achando-a, a põe sobre os seus ombros, gostoso; E, chegando a casa, convoca os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida. Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento” (Lucas 15:4–7). Na parábola, somente uma ovelha se desviou do caminho e se perdeu, mas raramente é assim em nossas alas e ramos. A aplicação da parábola é a mesma, seja qual for o número de ovelhas que se desgarraram do rebanho. A parábola não diz quanto tempo levou o processo de resgate. Em nosso trabalho de pastor, algumas ovelhas vão retornar com uma única visita, ao passo que outras vão precisar de anos de contato e gentil incentivo. Nesse processo de resgate de nossos irmãos e irmãs, não esqueçamos que “o Pastor [ama] as ove- lhas” que “[trazemos de volta] ao redil”. 1 Ele conhece cada uma individualmente. Ama cada uma delas com perfeito amor. Como elas são Suas, Ele vai guiar-nos, orientar-nos e inspirar-nos em relação ao que dizer, se pedirmos e ouvirmos a voz do Espírito. Por meio do poder do Espírito Santo, muitas atenderão ao chamado quando lhes estendermos a mão sincera e humildemente. Lembremos nossas responsabilidades como pastores, a fim de que possamos prestar contas ao Senhor da nossa mordomia para com as ovelhas que Ele nos encar- regou de cuidar. ◼ NOTA 1. “Ama o Pastor Seu Rebanho”, Hinos, nº 140. ZELAR PELAS OVELHAS “Somos pastores que cuidam de Israel. As ovelhas famintas erguem a cabeça, prontas para serem nutridas com o pão da vida. (…) Nossa tarefa é estender a mão para ajudar todos aqueles que, por qualquer motivo, estejam precisando de nosso auxílio.” Presidente Thomas S. Monson, “Sejamos Leais às Nossas Respon- sabilidades no Sacerdócio”, A Liahona, novembro de 2006, pp. 57–58.
  36. 36. 34 Perguntas e Respostas “Sou o mais novo da família. Todos são muitos anos mais velhos do que eu. Sempre me sinto excluído das atividades e conversas dos meus irmãos. O que posso fazer para melhorar nosso relacionamento?” E sse desafio pode ser uma oportunidade para que você faça com que seus irmãos e irmãs saibam que você quer se sentir mais envolvido na vida deles. Pode ser que eles não percebam que você se sente excluído. Você também pode conver- sar com seus pais a esse respeito. Eles terão boas ideias para você. Sugira a seus irmãos algumas atividades que você possa realizar com eles e pense em assuntos sobre os quais gostaria de conversar com eles. Tenha em mente a programação e os interesses deles ao planejar maneiras de passarem um tempo juntos. Ouvi-los e mostrar interesse pelas atividades deles são coisas que não apenas melhoram seu rela- cionamento com eles, como também o ajudam a aprender. Eles estão passando por experiências pelas quais você vai passar daqui a alguns anos. Lembre-se de como a família é importante no plano do Pai Celestial. Se você orar pedindo a ajuda Dele, o Pai Celestial pode inspirá-lo com ideias para melhorar seu relacionamento com seus irmãos. Tenha coragem de colocar em prá- tica a inspiração que receber. Converse com Eles Em minha família, eu também sou a mais nova, com uma diferença de muitos anos, mas descobri que meus irmãos querem conhecer-me tanto quanto eu quero conhecê-los. Seus irmãos provavelmente vão ficar muito entusiasmados se você os chamar simplesmente para conversar ou se os convidar para almoçar fora algum dia. Conte-lhes o que está acontecendo em sua vida. Vai significar muito para eles saber que você se sente suficientemente à vontade para compartilhar com eles seus sentimentos e pensamentos. Converse com eles também sobre assuntos espirituais. Isso vai ajudá-lo a aproximar-se não apenas deles, mas também de seu Pai Celestial. Kelsey H., 16 anos, Alberta, Canadá Seja um Bom Exemplo Também vivi essa situação difícil. Acho que o melhor que podemos fazer é ser um exemplo para nossos irmãos e irmãs mais velhos. Desse modo, teremos muito amor e paz entre nós. Devemos dizer-lhes o quanto nós os amamos e tentar ser unidos como família. Cedo ou tarde, eles se darão conta do quanto os amamos. Sei que essas coisas funcionam passo a passo. Ádám B., 16 anos, Gyor-Moson-Sopron, Hungria As respostas são auxílios e pontos de vista, não pronunciamentos de doutrina da Igreja.
  37. 37. A Liahona Outubro de 2009 35 Passem um Tempo Juntos Às vezes é difícil passar um tempo com os irmãos e irmãs mais velhos por causa da escola e de outras atividades diárias. Mas quando puder, simplesmente vá conversar com eles, conte-lhes como foi o seu dia e pro- cure saber como eles estão. Se tiver problemas com alguma coisa, você pode pedir a opinião deles, para que saibam que você valoriza as ideias deles. Trate-os da maneira como quer que eles tratem você. Convide-os para jogar ou para passar um tempo juntos — isso ajuda muito. Também deve dizer-lhes o quanto você os ama. Mas o mais importante é orar. O Pai Celestial sempre vai ajudá-lo. Katherine M., 14 anos, Idaho, EUA Trate-os com Bondade Como caçula da família, às vezes me sinto deixado de lado nas atividades e conversas de meus irmãos, e isso me deixa triste. Mas quando penso em Jesus Cristo, dou-me conta de que, por comparti- lharmos valores comuns com minha família, podemos fortalecer e incenti- var uns aos outros. Trate todos com bondade e dignidade. Mostre inte- resse por eles e faça com que saibam que você se importa com eles. Joseph M., 16 anos, Leyte, Filipinas Desfrute Todos os Momentos Que Passarem Juntos Às vezes, sinto-me esquecido porque minhas irmãs têm suas próprias atividades e meus pais também. Com o passar do tempo, compreendi que todos eles me amam e que não é que eles não queiram passar um tempo comigo, mas sim que há um tempo para todas as coisas. É importante desfrutar todos os momentos que você puder estar com eles, rindo, sendo gentil, sendo amoroso e acima de tudo expressando-lhes seu amor. É importante que você ore e peça a ajuda do Pai para sentir-se mais próximo de seus irmãos e irmãs. Ele vai ouvir sua oração e ajudá-lo. Roberto S., 18 anos, Santiago, Chile Reserve um Tempo para Conversar Sou a caçula de sete filhos. Quando eu era mais jovem, sentia-me excluída, mas também me dei conta de que eles me amavam, mais até do que eu imaginava. Talvez você não consiga se relacionar bem com eles agora, mas os melhores momen- tos que tive com meus irmãos foram durante nossas conversas. Dei-me conta de que eles confiavam muito em mim, e ainda confiam. Para conversar com eles, eu procurava ajudá-los em suas tarefas, era gentil com eles, evitava ficar com raiva deles e sempre os ajudava em algo, para que também me ajudassem. Isso fazia com que me sentisse amada e aceita. Maria H., 19 anos, Cidade do México, México P r ó x i ma P e r g u n ta “O que significa ‘ser testemunha de Deus em todos os momentos’?” (Mosias 18:9.) Envie sua resposta até 15 de novembro de 2009 para: ­Liahona, Questions & Answers, 11/09 50 E. North Temple St., Rm. 2420 Salt Lake City, UT 84150-0024, USA Ou envie um e-mail para: liahona@ ldschurch.org As respostas podem ser editadas por motivo de espaço ou clareza. Inclua os seguintes dados e a per- missão a seguir em sua carta ou seu e-mail: NOME COMPLETO DATA DE NASCIMENTO ALA (ou ramo) ESTACA (ou distrito) Dou permissão para a publicação da resposta e da fotografia: ASSINATURA ASSINATURA DOS PAIS (para menores de 18 anos) Procure Amá-los Mais “É bem provável que alguns de vocês nem sempre consigam se dar bem com seus irmãos e irmãs. Lembrem-se de que até quando vocês brigam e discutem, eles são muito importantes para vocês. Um dia, espero, eles vão-se tornar seus melhores amigos. Devemos tratar nossos familiares com amor, não apenas por causa do mandamento de amarmos uns aos outros, mas porque assim podemos ser felizes. Se tiver problemas com alguém, a melhor maneira de resolvê-los não é tentar fazer com que a outra pessoa mude, mas pro- curar amá-la mais.” Élder Cecil O. Samuelson Jr., dos Setenta, “De um Amigo para Outro”, Friend, junho de 1996, p. 6.
  38. 38. 36 Élder Er r o l S. P hippen Serviu como Setenta de Área de 2004 a 2009 Q uando eu era criança, lembro que minha mãe lia para mim a história do “Patinho Feio”, de Hans Christian Andersen. Talvez porque eu fosse tímido e me sentisse deslocado, a lembrança e a moral daquela história ficaram gravadas para sempre em minha mente. Patinho Feio ou Cisne Majestoso? Depende de Você! esconder. Toda vez que encontrava alguém, a experiência era negativa e desanima- dora. Muitas vezes, ele pensava: “Todos me odeiam porque sou feio”. Então, um milagre aconteceu em sua vida. Ele encontrou outros que eram exata- mente iguais a ele, tanto na aparência quanto Na versão que lembro, a mamãe pata esperava pacien- temente seus ovos chocarem para nasce- rem vários patinhos. Pouco depois, vários patinhos amarelos e fofinhos saíram dos ovos, para deleite da mãe pata. No entanto, havia um ovo ligeiramente maior que não se abriu. A mãe e os patinhos esperaram aten- tamente. Quando o ovo finalmente se rompeu, os patinhos perceberam que aquele novo membro da família era um pouco dife- rente. Reuniram-se em volta dele e disseram para o pai e a mãe: “Ele não se parece conosco. É muito feio”. Dei- xaram-no sozinho no ninho e nadaram para longe. O patinho feio fugiu do ninho e tentou se V ocê é um filho ou uma filha muito espe- cial de Deus. Decida viver à altura do potencial divino que há dentro de você.HiiiGmiGmFGm Desanimado Consigo Mesmo? Pense nisto: Você é um filho de Deus. Com a ajuda Dele, você pode atingir seu grande potencial (ver Romanos 8:16–17).
  39. 39. A Liahona Outubro de 2009 37 no modo de agir. Tornaram-se amigos, levaram-no para conhecer a mãe deles e disseram: “Mãe, mãe, encontramos um irmão- zinho! Ele pode ficar morando conosco?” A bela e graciosa mamãe cisne acolheu o patinho feio em sua asa branca e disse para ele, de modo bem gentil: “Você não é um patinho! É um pequeno cisne, e um dia será o rei do lago”. Eu adorava ouvir essa história quando era criança. Não me dava conta de que as lições que aprendi com ela me ajudariam durante os difíceis anos da adolescência. Fui bati- zado na Igreja quanto tinha oito anos, mas aos poucos minha família foi-se tornando menos ativa. Na pequena cidade de Idaho, onde fui criado, havia um cinema com uma sessão da tarde todos os sábados. Eu sempre ia lá com dois ou três amigos. O cinema sempre exibia um curta-metragem sobre esportes e outro com notícias recentes. O filme principal geralmente era de caubói, com muita ação. Num sábado, durante o intervalo, os fun- cionários do cinema mostraram uma bicicleta de 10 marchas. Era vermelha e muito bonita e seria dada para a pessoa da plateia que tivesse o bilhete premiado! Oh, como eu queria ganhar aquela bicicleta! O apresentador foi até a urna e tirou dali um bilhete. Quando leu o número do bilhete, vi que eu tinha o bilhete premiado. Mas O s funcio- nários do cinema mostraram uma bicicleta de 10 mar- chas. Era vermelha e muito bonita e seria dada para uma pessoa da plateia. Oh, como eu que- ria ganhar aquela bicicleta! Ilustrações:JerryHarston,excetoquandoindicado;fotografiadeasas©GettyImages;fotografiadepássaros:GrahamFord,©GettyImages
  40. 40. 38 não me mexi nem disse nada. Eu era muito tímido e fiquei com vergonha. Não tinha sufi- ciente confiança em mim mesmo para levan- tar-me e dizer a todos que eu tinha o bilhete premiado. O número vencedor foi anunciado mais duas vezes, e a cada vez eu abaixava o meu bilhete para que ninguém o visse. Por fim, o apresentador leu outro número. Um de meus amigos, que fora comigo ao cinema, tinha o novo número. Ele deu um pulo, gritou e correu até o palco para pegar sua bicicleta. Aquela bicicleta poderia ter sido minha! Quando estávamos voltando a pé para casa, naquele sábado, pensei na história do patinho feio. Eu me sentia muito parecido com aquele pequeno cisne. Tive vontade de correr para o bosque para me esconder, achando que ninguém gostava de mim. Não percebia quem eu era e no que me tornaria. Quando cheguei em casa, senti que algo tinha de mudar. Lembro-me de ter pensado: “Está na hora de eu crescer. Isso nunca mais vai acontecer comigo de novo”. Comecei a descobrir que havia outros ao meu redor que me amavam e se importavam comigo. O bispado de minha ala mostrou interesse por mim, bem como meu presi- dente de estaca, que morava perto de casa, na mesma rua. Eles me ensinaram o evange- lho. Prestaram-me testemunho da realidade do Salvador e de Sua preciosa Expiação e do que ela podia fazer por mim. Ensinaram-me muitas vezes a história de Joseph Smith e sua D escobri que eu tinha o bilhete premiado. Mas não me mexi nem disse nada. Eu era muito tímido e estava com vergonha.
  41. 41. A Liahona Outubro de 2009 39 visão no Bosque Sagrado. A partir daquela experiência, desenvolvi o maravilhoso hábito de ler Joseph Smith— História todas as semanas. Ao fazer isso, eu sabia que teria forças para vencer qualquer coisa que viesse a enfrentar durante a semana. Naquela época de minha vida, quando eu precisava desesperadamente de alguém, o Pai Celestial me aben- çoou. Ele sabia quem eu era e enviou Seus servos para ajudar-me a descobrir isso por mim mesmo. Eles me envolveram em seus braços e me mostraram com suas ações que eu não era um patinho feio e que, se fosse digno e guardasse os mandamentos de Deus, eu me torna- ria “o rei do lago”. A bênção e a compreensão da Expiação começaram a dar-me mais forças e confiança. Quando fiz 16 anos, aqueles bons homens me incenti- varam a receber uma bênção patriarcal. Depois de receber minha recomendação, peguei minha velha bicicleta e pedalei vários quilômetros até a casa do patriarca. Ele me explicou novamente o que era uma bênção patriarcal e como ela abençoaria minha vida. Impôs as mãos sobre minha cabeça. Depois daquela experiência, minha vida nunca mais foi a mesma. Aceitei um chamado para servir como missionário na Escócia e tive uma experiência maravilhosa. Poucas semanas depois de voltar para casa, conheci minha futura esposa numa reunião da Igreja. Namoramos e eu a pedi em casamento. Casamo-nos no Templo de Salt Lake. Uma frase da minha bênção patriarcal dizia que eu teria o privilégio de viver na mortalidade com um anjo. Na época em que o patriarca me deu a bênção, eu não sabia quem seria esse anjo, muito menos o significado dessa frase. Quando saí do templo no dia em que minha mulher e eu fomos selados, eu soube o que isso significava. Ela tem sido a luz da minha vida. Graças a ela, tive o privilé- gio de viver num ambiente cheio de luz. Ela proporcio- nou alegria e felicidade para nossos 8 filhos, 25 netos e 2 bisnetos. Meus filhos chamam-na bem-aventurada. Dou graças a Deus pelas bênçãos do evangelho e as bênçãos eternas dos convênios e ordenanças do templo sagrado. Satanás quer que acreditemos que somos patinhos feios, sem chance alguma de nos tornarmos semelhantes ao Pai Celestial e Seu Filho santo. Presto testemunho de que Deus ama cada um de nós de modo muito especial. Como o Élder Neal A. Maxwell (1926–2004), do Quórum dos Doze Apóstolos, disse muitas vezes: “A influência pessoal e modeladora de Deus é sentida nos detalhes de nossa vida”. 1 Somos filhos Dele. Aprendi que podemos erguer-nos acima de nosso ambiente atual e tornar-nos “reis e rainhas do lago” se seguirmos os mandamentos do evangelho. Sei também outra coisa. Sei quem você é e de onde você veio. As revelações nos lembram de nossa fidelidade na vida pré-mortal (ver Apocalipse 12:7–11; D&C 138:56; Abraão 3:22–23). Se vincularmos nosso testemunho a essa grande verdade, todos os dias serão uma bênção maravi- lhosa para cada um de nós. Permaneça ao lado do Senhor. Se Ele foi capaz de cui- dar de um menino envergonhado e tímido como eu era, Ele vai cuidar de você hoje e no futuro. Você é um filho muito especial de Deus. Decida viver à altura do potencial divino que há dentro de você. ◼ Nota 1. Neal A. Maxwell, “Becoming a Disciple”, ­Ensign, junho de 1996, p. 17. A bênção e a compreensão da Expia- ção começaram a dar-me mais forças e confiança. DetalhedeCristonoGetsêmani,deHeinrichHofmann,cortesiadeC.HarrisonConroyCo.
  42. 42. 40 Começar com uma Oração Você procura respostas? Estes adolescentes de Ottawa, Canadá, dizem que devemos começar com uma oração. Acima: Bridgitte Leger, Jenni Holt, Dawson Lybbert, Dayna Conway, Rebekah Wagoner e Alexander Richer- Brule, bem como outros jovens da Estaca Ottawa Ontá- rio (à esquerda), sabem que, para receberem a ajuda do Pai Celestial, basta uma oração.FiTm
  43. 43. A Liahona Outubro de 2009 41 J an e t Th om as Revistas da Igreja Q uando Jenni, de 15 anos, fala de res- postas a orações, começa com um pedido de desculpas. Ela lamenta ter de admitir que não orou regularmente por quase um ano. As coisas não iam bem em sua vida, na escola, com as amigas e nem na Igreja. Certa noite, explica Jenni, ela quis assistir a um filme. Agachou-se para escolher um dos filmes que estavam na prateleira mais baixa da estante, quando deparou com uma foto do tio, que havia morrido tragicamente pouco tempo antes. De repente, o peso de todas as coisas que a preocupavam deixou-a com vontade de chorar. “Soube naquele instante que precisava orar”, diz Jenni. Ajoe- lhou-se onde estava e orou. Jenni conta como recebeu sua resposta: “Assim que fiz isso, tive a resposta para minhas dúvidas. Senti que tudo estava bem de novo. Tudo ia dar certo. Tudo estava bem com meu tio. Dei-me conta de que gostava muito da escola e de meus amigos. Assim que terminei de orar, soube que tinha de ir para a Igreja porque era o lugar certo para mim. Isso me tocou muito forte e tive uma sensação de consolo e calor. Sei que meu Pai Celestial me ama e que vai me ajudar a enfrentar todas as coisas”. Jenni queria proferir aquela oração, mas, por algum motivo, não conseguia fazê-lo. Agora, ao relembrar, ela tem novamente o mesmo sentimento de consolo e a mesma certeza de que a resposta veio do Senhor. Jenni Holt é de Ottawa, Canadá, uma bela cidade construída às margens arborizadas do rio Ottawa. Ela e os amigos da Estaca Ottawa Ontário conversaram com a equipe das revis- tas da Igreja sobre como a oração influencia sua vida. De Onde Vêm as Respostas? Uma das coisas mais interessantes que os adolescentes de Ottawa comentaram foi como recebiam respostas a suas orações. Primeiro, Susan Brook disse: “Se quisermos uma resposta, precisamos ouvi-la”. Susan disse que suas respostas às vezes vêm por meio da leitura das escrituras. Ela tem um bom exemplo disso: “Certo dia, eu estava muito cansada e fui rude com todo mundo. Não queria conversar. Lembro-me de ter lido nas escrituras, não lembro em que parte, o seguinte: ‘Sê humilde’. Isso me tocou. Foi a minha resposta” (ver D&C 112:10). Ariana Keith ouve atentamente quando está na Igreja. “Acho que a resposta de muitas de nossas orações vem por intermédio dos oradores, na Igreja”, disse ela. “Havia uma época em que eu queria receber minha bênção patriarcal. Então, uma semana antes da data marcada, meu patriarca da estaca foi o orador na minha ala. Eu tinha orado muito por isso e foi ótimo poder ouvi-lo falar.” Mackenzie Loftus disse que frequente- mente recebe respostas a suas orações por intermédio de sua família. Ela orou sobre uma decisão familiar e conta: “Senti o Espírito imediatamente e soube que a decisão que tomáramos era a certa”. Às vezes, a resposta literalmente cami- nha até nós. Quando a família de Thomas Acima, no alto: Fred King e Ronan Filamont concor- dam que a oração sacra- mental é sagrada e deve ser feita com reverência. Kyffin de Souza sente muita gratidão pelas orações familiares. Fotografias:JanetThomas

×