Your SlideShare is downloading. ×
0
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Portfolio arquitetura
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Portfolio arquitetura

19,119

Published on

Published in: Design, Travel
0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
19,119
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
307
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Bhakta Krpa PORTFÓLIO
  • 2. currículo resumido formação acadêmica Bacharelado em Artes Plásticas - UNESP [incompleto] Arquitetura e Urbanismo FAU USP atividades acadêmicas participação na oficina ETH Zurich | FAU USP, Seminário Espaços da FAU http://projetofau2009.jimdo.com/oficina-ethfau/ [equipe 09] monitoria na disciplina AUP146 - orientação do Prof. Dr. Antônio C. Barossi iniciação científica 'Cinema como arte do espaço' - orientação do Prof. Dr. Silvio Melcer Dworecki monitoria na disciplina AUP148 - orientação do Prof. Dr. Milton L. A. Braga atividades extra-acadêmicas ''Ateliê' coletivo de estudos de arquitetura e assistência técnica à movimentos sociais. atributos práticos Autocad© (intermediário); Archicad (básico); Illustrator© (intermediário); Photoshop© (intermediário); InDesign© (avançado); Sketchup© (avançado); Vray© (básico); desenho a mão livre; maquetes em madeira e papel; Bhakta Krpa Das Santos nasc 25.05.1984 T60 FAU USP 2007 bhakrpa@gmail.com 2002-2004 2007-atual 2009 2009 2009-atual 2010-atual 2009-atual
  • 3. AUP148 [2008] TRANSPOSIÇÃO DO RIO PINHEIROS bhakta krpa juliano machado leonardo klis luis tavares marinho velloso orientação de alexandre delijaicov Rio Pinheiros.Um articulador humano, delineador da cidade. Seu desenho configura os limites de duas cidades: universitária e paulistana. Uma barreira. Em cada margem, desfigurada, duas cidades diferentes. Sobre o reto rio sem mais margens, edifica-se sua terceira, erguida para transpor as necessidades. Como um laço imaginário, une, perpendicular, os dois contextos. O que é uma margem: local de sossego, espaço para o pouso, acampamento após o desembarque, pausa para o itinerário, espaço de convívio, terra firme. A terceira margem surge suspensa, parte das cabeceiras, multiplicadas às duas cidades risca no céu e configura um novo eixo: as cidades não tem mais limites.A antiga ponte cidade universitária, obcecada pelo automóvel é esquecida, tanto pelo seu desgaste quanto pelo seu projeto inadequado. A prioridade foi dada ao transeunte que deseja fazer a ligação, além dos aspectos construtivos e qualitativos. Para isso, a nova transposição forma um novo plano, contínuo em nível, a 40m de distância da ponte já existente. Saindo da Cidade Universitária, passando pela estação da CPTM, pelo novo edifício criado no projeto e atinge a rua que vai até a praça panamericana. A passarela criada, com 8m de largura, é a margem maior, de onde se estruturam os outros usos. Ela, em si, abriga o percurso de pedestres e ciclistas, num passeio que aproveita as qualidades da paisagem e relaciona os dois lados de modo contínuo, não deixando de ser um espaço de convívio. Neste, haverá espaço para o acampamento: restaurante, banhos e SAMU, a terra firme proporcionada pela nova praça de convívio na antiga alça fechada. Além do ecoponto, que por estar em uma escala humana adquire papel educador. No outro extremo, na USP, há a Guarda Civil, banheiros e comércio. Na sobreposição da ponte com o o rio surge o ecoporto, em dois níveis: na própria ponte há a área de descarga de caminhões, dentro do caráter sistêmico do transporte de cargas, para o nível do rio, onde fica o equipamento de triagem e transbordo para as barcaças. Onde as três margens se cruzam. [texto de Luis F. Z.Tavares]
  • 4. MODELO ELETRÔNICO AUP148 TRANSPOSIÇÃO DO RIO PINHEIROS
  • 5. TRANSPOSIÇÃO DO RIO PINHEIROS AUP148 MODELO ELETRÔNICO - AS DUAS CABEÇEIRAS E O ECOPORTO
  • 6. 1 2 3 4 5 7 6 8 A A B B 0 5 10 50 5 ECOPORTO 6 CABECEIRA PRACA/ BANHO PUBLICO 1 PRACA CABECEIRA: ELIMINCAO DA ALCA 2 SAMU / BANHOS / RESTAURANTE 7 GUARDA CIVIL 8 CIRCULAR 3 ECOPONTO 4 CPTM IMPLANTAÇÃO E CORTE LONGITUDINAL AUP48 TRANSPOSIÇÃO DO RIO PINHEIROS
  • 7. CORTE BB 0 10 25 CORTE AA TRANSPOSIÇÃO DO RIO PINHEIROS AUP148 CORTES TRANSVERSAIS
  • 8. AUP150 [2009] HABITAÇÃO SOCIAL URBANA NA LUZ bhakta krpa marinho velloso thiago lee orientação de álvaro puntoni Através do corte este projeto separa gradativamente o público do privado, buscando organizar o uso misto típico da região. Desacelera-se o ritmo acelerado das dinâmicas ruas comerciais locais até terraços que permitam a vista desimpedida do outro lado da linha férrea. Organiza-se deste modo,três lâminas: uma comercial e de serviços, horizontal, e duas de habitação, vertical. O bloco comercial segue os alinhamentos da quadra, embora construa uma calçada alargada, coberta, que em continuidade a uma galeria vizinha adentra o interior da quadra para formaro espaço interno de sua própria galeria, fazendo ligação com outra rua adjacente, espaço que recebe também a circulação vertical para o segundo nível. Neste patamar ocorre a chegada da transposição proposta pelo estúdio dois, além de sobrelojas mais resguardadas. Acima deste nível, no topo da lâmina hori-zontal, encontra-se o espaço condominial. Destacado deste bloco horizontal, através de pilotis para liberar a vista, erguem se as lâminas de habitação, já protegidas do fervilhar das galerias comerciais. Estas lâminas encontram-se suficientemente separadas, para garantir condições de iluminação e ventilação não só para suas unidades mas para os usos públicos junto ao solo. As unidades, dispostas em barra, possuem ventilação cruzada e boa faixa de iluminação, entretanto esta solução proporciona longos corredores. Por este motivo, explorando novas possibilidades espaciais, as unidades se configuram como duplex, como forma de diminuir a circulação e ao mesmo tempo resguardar o andar superior da proximidade com o corredor. Este é de dimensões generosas funcionando como uma varanda para os apartamentos, marcada pelo elemento vazado que protege a fachada norte. [texto de Marinho Velloso]
  • 9. MODELO FÍSICO AUP150 HABITAÇÃO SOCIAL NO CENTRO
  • 10. C D D C 734.3 C D D C PLANTA PAVIMENTO TÉRREO PLANTA PAVIMENTO TIPO 0 5,5 11 m HABITAÇÃO SOCIAL NO CENTRO AUP150 PLANTAS
  • 11. 0 2,5 5 10 m CORTE PERSPECTIVO DA ÁREA COMERCIAL AUP150 HABITAÇÃO SOCIAL NO CENTRO
  • 12. 0 5 10 20 m HABITAÇÃO SOCIAL NO CENTRO AUP150 CORTE PERSPECTIVO DO CONJUNTO
  • 13. 733.4 743 739 779 776.5 774 771.5 769 766.5 764 761.5 759 756.5 754 751.5 749 734.6 745 734 BLOCO C BLOCO B 0 5,5 11 m CORTE AUP150 HABITAÇÃO SOCIAL NO CENTRO
  • 14. 779 774 769 764 759 754 749 743 739 734.6 733.4 734 733 745 BLOCO C 0 5,5 11 m HABITAÇÃO SOCIAL NO CENTRO AUP150 CORTE DD
  • 15. CORTE AA CORTE BB PAVIMENTO INFERIOR PAVIMENTO SUPERIOR UNIDADE DE 60m² AUP150 HABITAÇÃO SOCIAL NO CENTRO
  • 16. CORTE CC CORTE DD PAVIMENTO SUPERIOR PAVIMENTO INFERIOR HABITAÇÃO SOCIAL NO CENTRO AUP150 UNIDADE DE 75m²
  • 17. SEMINÁRIO DE PROJETOS ESPAÇOS DA FAU [2009] bhakta krpa leonardo klis luis tavares marcela ferreira natália tanaka marinho velloso O edifício FAUUSP de Vilanova Artigas, símbolo da arquitetura moderna e da escola paulista, hoje já não comporta todas as atividades acadêmicas além de encontrarse em péssimo estado de conservação. Assim, o principal objetivo do grupo foi valorizar o próprio edifício e dotá-lo de mais infra-estrutura para responder às demandas atuais e futuras. Para isso, propomos reorganizar o espaço interno, onde hoje os usos não são compatíveis com as características básicas do projeto de transparência e fluidez. Desse modo, o projeto conserva no edifício as atividades acadêmicas e prevê o crescimento de infra-estrutura necessária para a FAU. De modo geral, o projeto trabalha com duas ampliações: uma relacionada à biblioteca e a outra aos laboratórios de pesquisa, ambas subterrâneas para preservar as visuais da FAU e são a ela conectadas através do piso do auditório. A primeira ampliação comporta um museu de arquitetura e os acervos técnico e de projeto da biblioteca, usos que se voltam não só aos alunos e professores da FAU, mas para o público em geral. Por isso, apesar de subterrâneo, o museu se eleva até o pavimento térreo por uma leve cobertura para evidenciar seu caráter público e ao mesmo tempo se volta para a FAU. A segunda ampliação abriga os laboratórios de pesquisa em duas barras, compondo uma praça central rebaixada de passagem e permanência. Sobre ela há uma passagem no nível do térreo, que cria uma área coberta na praça, também utilizada como "platéia" do anfiteatro formado pelas escadas-arquibancadas. Essa praça também conecta a FAU ao anexo já existente, que passa a abrigar a gráfica e o canteiro experimental, e por isso pode ser utilizada como área de exposição dos modelos dos alunos. A ampliação também respeita o sistema de circulação do edifício da FAU, uma vez que se encontra meio nível abaixo do piso das oficinas, onde estão o laboratório de maquetes e os estúdios de fotografia e vídeo. Os trabalhos da oficina foram acompanhados pelos três professores da ETH - Annette Spiro, Udo Thöennissen, Axel Humpert; pelos professores Angelo Bucci e Milton Braga, das disciplinas de projeto de edificações da FAU, e pelos monitores de pós-graduação Catherine Otondo, José Paulo Gouvêa, João Sodré, Juliana Braga e Silvio Oksman.
  • 18. MODELO FÍSICO SEMINÁRIO DE PROJETOS ESPAÇOS DA FAU
  • 19. SEMINÁRIO DE PROJETOS ESPAÇOS DA FAU MODELO ELETRÔNICO
  • 20. B B A A 719 722 722 01 723.9 02 03 04 03 PLANTA NIVEL 722 01 MUSEU DE ARQUITETURA / ACERVO 02 LAME 03 LABORATÓRIOS DE PESQUISA 04 EXPOSIÇÃO DO CANTEIRO
  • 21. CORTE DD 1:500 CORTE TRANSVERSAL BB 0 5,5 11 22 CORTE TRANSVERSAL AA SEMINÁRIO DE PROJETOS ESPAÇOS DA FAU CORTES TRANSVERSAIS
  • 22. MODELO ELETRÔNICO SEMINÁRIO DE PROJETOS ESPAÇOS DA FAU
  • 23. SEMINÁRIO DE PROJETOS ESPAÇOS DA FAU MODELO ELETRÔNICO
  • 24. AUP152 [2009] HABITAÇÃO NO BOM RETIRO bhakta krpa luísa Fecchio marcela ferreira marinho velloso orientação de alexandre delijaicov O projeto caracteriza-se pelo uso misto, próprio das áreas centrais urbanas — integra-se habitação, comércio e equipamento público, configurando o conjunto em três volumes distintos, respectivos a cada programa. De sua implantação em uma esquina, local de encontro por excelência, configura-se o remanso como expansão do espaço público. Abre-se para este o comércio, como alterna-tiva ao alinhamento, mas procurando manter-se no nível dos pedestres, conformando-se horizontalmente. A laje superior do comércio foi concebida como um espaço aberto — dois terraços de usos distintos, público para a biblioteca e privado para a habitação. Na direção vertical, determinam-se os outros usos, devido à exigüidade do lote: uma biblioteca pública e um edifício de habitação social. A proposta de uma biblioteca é sug-erida pela proximidade com a escola, mas seu objetivo é servir também à vizinhança. Seu programa permite que esta ocupe uma porção pequena do lote, uma faixa junto à empena cega voltada para o terreno, o desenho mínimo determinado pelo programa da biblioteca. O edifício habitacional, por sua vez, assume uma forma estreita e distante do edifício vizinho, buscando, deste modo, iluminação natural e ventilação cruzada em todos os cômodos da unidade. Sua estrutura constitui-se por duas colunas, próximas a cada extremidade e por um bloco estrutural ao centro, correspondente à caixa de circulação vertical, distribuindo o restante dos esforços e realizando o contraventamento da lâmina. A opção pela distribuição do esforço estrutural com o menor número de apoios, traduz-se na procura pela mínima intervenção da edificação no espaço público e, mais que isso, na tentativa de conferir identidade à esquina.
  • 25. MODELO FÍSICO AUP152 HABITAÇÃO NO BOM RETIRO
  • 26. AUP152 HABITAÇÃO NO BOM RETIRO MODELO ELETRÔNICO
  • 27. RUA SÃO DOMINGOS RUA MAJOR DIOGO PLANTAS - SUBSOLO | TÉRREO AUP152 HABITAÇÃO NO BOM RETIRO 0 5 10 m
  • 28. 0 5 10 m AUP152 HABITAÇÃO NO BOM RETIRO PLANTAS - TERRAÇO DA BIBLIOTECA | PAVIMENTO TIPO
  • 29. CORTE CC AUP152 HABITAÇÃO NO BOM RETIRO
  • 30. 0 5 10 20 m AUP152 HABITAÇÃO NO BOM RETIRO ELEVAÇÃO RUA SÃO DOMINGOS
  • 31. AUP154 | ESTÚDIO VERTICAL* [2010] PRAÇA DE EQUIPAMENTOS CULTURA E ESPORTES bhakta krpa marcela ferreira stela da dalt orientação de eduardo de jesus rodrigues A característica mais determinante deste projeto vem de um esforço em garantir que as relações espaciais e sociais, se dessem pelo térreo, tanto entre os diferentes volumes que compõe a praça de equipamentos, quanto do projeto com a cidade. O eixo que cria-mos, paralelo à Vital Brazil, configura o que podemos chamar de uma segunda calçada que segue pelos os projetos dos três estúdios (II - infraestrutura /arquitetura do lugar; III - habitação/arquitetura da construção; IV - equipamentos públicos/arquitetura do programa) funcionando como elemento organizador e oferecendo novas possibilidades de percurso para o pedestre e para o ciclista, lembrando que o estúdio II tem como escopo um bicicletário de 2000 vagas. O edifício principal, que abriga a biblioteca, restaurante, piscinas, salas multiuso e administração foi concebido em forma de barra ao longo da Vital Brazil propicionando uma escala urbana mais próxima ao pedestre e, como volume, configurando a própria rua, ao mesmo tempo que passa ser uma referência para quem passa pela Vital. Do mesmo modo, mas na escala do bairro, a torre da caixa d'agua, dentro de um conjunto de edificios baixos e de um amplo espaço livre, torna-se uma referência. O teatro, semi-enterrado, abre sua sala de ensaios para praça do metrô (estúdio II). As atividades da biblioteca também são visíveis da calçada e, assim como o ginásio, não se fecha visualmente para o pedestre - tentativa de tornar explicito o caráter público do projeto e potencializar o seu uso cotidiano. *colaboração: estúdio II - infraestrutura /arquitetura do lugar rayssa oliveira | júlia marques | eloise martins | maria beatrice trujillo | nina giglio orientação de milton braga estúdio III - habitação/arquitetura da construção bernardo loureiro | flávio barossi | guilherme "yabu" tamura orientação de orestes bortolli
  • 32. MODELO FÍSICO AUP154 PRAÇA DE EQUIPAMENTOS
  • 33. AUP154 PRAÇA DE EQUIPAMENTOS CROQUI DO CONJUNTO
  • 34. VITAL BRAZIL PLANTAS AUP154 PRAÇA DE EQUIPAMENTOS B B A A D D D D D D D D B B A A 0 5 10 17,5 35 m PLANTA COTA 724.9 VITAL BRAZIL PLANTA COTA 728.2
  • 35. AUP154 PRAÇA DE EQUIPAMENTOS PLANTA SUBSOLO E CROQUIS B A D D D D B A
  • 36. CORTES LONGITUDINAIS AUP154 PRAÇA DE EQUIPAMENTOS CORTE AA 0 2,5 5 10 17,5 35 m CORTE BB
  • 37. 0 2,5 5 10 17,5 35 m AUP154 PRAÇA DE EQUIPAMENTOS CORTES TRANSVERSAIS CORTE CC CORTE DD
  • 38. MAQUETE FÍSICA + PHOTOSHOP AUP154 PRAÇA DE EQUIPAMENTOS

×