Your SlideShare is downloading. ×
Projeto PIBID
Projeto PIBID
Projeto PIBID
Projeto PIBID
Projeto PIBID
Projeto PIBID
Projeto PIBID
Projeto PIBID
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Projeto PIBID

1,150

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,150
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA – UEPB CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E LINGUAGEMPROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA – PIBID SUBPROJETO DE LETRAS - LÍNGUA PORTUGUESAESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROFESSOR RAUL CÓRDULA COORDENADORA: MAGLIANA RODRIGUES SUPERVISORA: DIANA NUNESBOLSISTAS: ALESCA J. DA COSTA SILVA; LUCIANA VIEIRA ALVES; MARIA DO LIVRAMENTO;MARCIANA DA SILVA MILÂNEZ PROJETO DE PESQUISA “NAS TRILHAS DA LÍNGUA PORTUGUESA: O texto em foco” CAMPINA GRANDE - PB
  • 2. AGOSTO /2011 ALESCA J. DA COSTA SILVA LUCIANA VIEIRA ALVES MARIA DO LIVRAMENTO MARCIANA DA SILVA MILÂNEZ“NAS TRILHAS DA LÍNGUA PORTUGUESA: O texto em foco” Projeto de pesquisa apresentado ao Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid), sob coordenação da professora Magliana Rodrigues, do curso de Letras da Universidade Estadual da Paraíba; e supervisão da professora Diana Nunes, da E.E.E.F.M. Prof. Raul Córdula . CAMPINA GRANDE – PB AGOSTO / 2011
  • 3. Introdução Com o advento das discussões lingüísticas no meio acadêmico, o ensino de línguamaterna e suas especificidades encontram-se no centro das análises e dos estudos dessasdiscussões lingüísticas.Isso posto, dado o fato de o ensino da língua ainda se basear emquestões morfossintáticas desvinculadas do dia-a-dia,ou seja, a não adequação do conteúdo aocotidiano dos alunos, reforçando o desinteresse pelo estudo, o que distancia a funcionalidadedo ensino e, dessa forma,os alunos não conseguem vislumbrar a necessidade de estudarmorfologia, sintaxe e semântica, desconhecendo que estes três aspectos do portuguêspermeiam o uso da língua. Partindo disso, o presente trabalho objetiva propor uma oficina que resgate o interessedos discentes através de metodologias atrativas relacionadas ao meio que estão inseridos,colocando o texto como o foco do processo ensino-aprendizagem do idioma, pois há de se terem mente que um ensino mais produtivo da língua está vinculado ao conhecimento de comoo léxico atua na organização e produção de textos. Diante dos questionamentos dos alunos acerca da (des) necessidade em estudar línguaportuguesa, por estarem “acostumados” a um ensino desvinculado do cotidiano e da indicaçãodos PCN’s em trabalhar a gramática em função do texto e das práticas sociais de uso dalíngua, o presente trabalho permite sinalizar para que os professores tenham uma visão maiscrítica em relação ao ensino de gramática, a partir de tal prática é possível iniciar um trabalhoem sala de aula visando uma integração entre as áreas básicas que se dividem e se estruturamno ensino de língua materna: ensino de gramática, ensino de leitura (compreensão de textos),ensino de redação (produção textual) e ensino de vocabulário, o que favorece uma formaçãomais completa. Visto isso, o presente trabalho objetiva propor uma oficina que resgate ocomprometimento dos discentes, em sala de aula, através de metodologias atrativasrelacionadas ao meio em que estão inseridos. Para isso, faremos uso de recursos audiovisuais,como: vídeos, músicas, propagandas ,charges, etc.Plano da natureza do problema Ao observarmos a realidade do corpo discente da escola escolhida para o projeto,percebemos um acentuado desinteresse nas aulas de língua portuguesa. Isso nos levou arefletir as possíveis razões da desmotivação surgindo assim alguns questionamentos: Até queponto a disciplina língua portuguesa não é atrativa? Seria a falta de gosto, ou é a metodologiado professor que não favorece “o gostar”? E até que ponto a disciplina tem relação oufuncionalidade com o cotidiano do aluno?
  • 4. Plano da natureza das hipóteses No primeiro momento da vivência escolar, tivemos oportunidade de entrar na sala deaula, o que nos permitiu observar o processo de ensino, e investigá-lo com maior propriedade.Sabe-se que o sistema educacional “falha” em diversos aspectos, não apenas na escola aquiconveniada, mas também nas demais escolas, principalmente públicas, do nosso país. Asteorias sempre propõem um ensino pautado numa relação com o cotidiano, imbuído defuncionalidade, para assim o aluno perceber a relevância do conteúdo que é/está sendoestudado, e para que o próprio discente consiga estabelecer essa relação. Se o aluno não estápercebendo isso, ou se o processo de ensino está apresentando algum problema, algo não estáfuncionando bem. Pode ser que o próprio corpo estudantil não esteja cooperando com oprocesso; ou talvez isso ocorra por conta da metodologia adotada pelo professor, o queocasiona um desestímulo, e uma menor assimilação do conteúdo.Objetivos Incentivar o interesse pelo aprendizado, por parte dos alunos, nas aulas de línguaportuguesa.  Demonstrar a relevância do estudo de língua portuguesa através de exposições dinâmicas do conteúdo;  Mostrar a funcionalidade da língua através dos textos;  Trabalhar a leitura e a escrita a partir de recursos audiovisuais;  Resgatar a participação dos discentes em sala de aula;  Estabelecer uma relação do conteúdo com a vida;  Propor atividades interdisciplinares.Justificativa Uma das constantes justificativas que discorre a cerca dos problemas sociais do nossopaís encontra-se na falta de investimentos por parte do governo para uma educação dequalidade, muito se fala que a base para o desenvolvimento de uma nação está entrelaçada auma boa educação, contudo pode-se observar iniciativas por parte do governo na criação de
  • 5. projetos que busquem amenizar os problemas educacionais do país, embora essesinvestimentos não consigam alcançar efetivamente uma educação de qualidade. Atentando para essa realidade, é possível observar que a escola hoje desempenha o seupapel desvinculado das necessidades sociais, o mundo para o qual a escola trabalha estádistante do mundo que é vivido do outro lado do muro pela maioria dos alunos. A idéia deque a escola faz parte da vida está se dissolvendo na mente da sociedade, contribuindo para oagravante da situação educacional que vive hoje o Brasil. Diante disso, faz-se necessário um olhar mais atento ao processo de ensino, ao quetange o trabalho em sala de aula de forma criativa e interativa, dando aos alunos apossibilidade de se conhecerem e conhecer as múltiplas facetas do mundo, através do estudoda língua portuguesa, pelas vias da fala, leitura e da escrita, objetivando o resgate ou atémesmo a aquisição do prazer de estudar, procurando fazê-los entender que o muro que separaa escola e a vida é bem menor do que presumiram. As diversas formas de representação da fala, da leitura e da escrita tem sidovislumbrada e apreciada de forma exorbitante em nosso cotidiano, isso graças aos avançostecnológicos e ao advento da línguistica que tem permitido essa dinamicidade quanto àsformas de linguagem. Sendo assim, não acompanhar essa realidade no ambiente escolar énegar um ensino inovador atrativo e consequentemente proveitoso. Em face deste contexto,faz-se necessário repensar o processo de ensino, atentando então para um trabalho na sala deaula que apele por mostrar a relação entre o conteúdo dado em sala de aula e o cotidiano doaluno. Visto isso, não se questiona a relevância de um projeto que busque suprir as lacunasdeixadas por um processo que foi prejudicado por fatores históricos e sociais, pois a sociedadeatual só tende a ser beneficiada com tais atenuantes.Metodologia Ao sentir a necessidade de resgatar a importância da língua portuguesa na vida socialdos alunos, partiremos da concepção de que, ensinar uma língua, é potencializar osargumentos do outro, para elaboramos um planejamento bem organizado com a realização deuma seqüência didática que atrelada a tal concepção contemple de maneira eficaz aimportância e o uso concreto da língua portuguesa no cotidiano dos alunos, através da leiturae da escrita.
  • 6. O trabalho com os textos permite a integração com a realidade dos alunos, porquetanto os textos verbais, não-verbais e orais estão presentes na mídia e consequentemente nodia-a-dia dos alunos. Tendo em vista que a finalidade do ensino de gramática é fazer com que os alunossaibam utilizá-la em seus vários níveis de formalidade, adequadamente, na escrita e naoralidade, faz-se necessário a utilização dos textos para ampliar a expressão verbal dos alunose também permitir que estes vejam a funcionalidade da gramática e a importância de ensiná-la. É fundamental deixar o aluno falar /escrever de todas as formas, tendo como meta aorganização dos textos. Essa constatação reafirma o que disse Geraldi (1997) “A produção detextos (orais e escritos) é o ponto de partida e chegada de todo processo ensino aprendizagemda língua, [...] porque é no texto que a língua se revela na sua totalidade, quer enquantoconjunto de formas e de seu reaparecimento, quer enquanto discurso. [...]” Diante disso, pode-se perceber que as aulas de língua portuguesa hoje, estãodissociadas entre literatura, leitura/escrita e gramática, vê-se dessa forma as grandes lacunasque permeiam os problemas para conceber as competências lingüísticas e textuais dos alunosem aulas de língua portuguesa. Sabendo disso, é fundamental trabalhar de forma integrada, e, sobretudo, de maneiracoerente as aulas de gramática e leitura/ escrita, pois se torna inconcebível a utilização de umasem os conhecimentos da outra. O texto é o condutor das analises lingüísticas e, sabendocomo utilizá-las, encontraremos a funcionalidade de um texto. Partindo desse pressuposto pretende-se trabalhar nas aulas de língua portuguesa ofalar, ouvir, ler e escrever, tendo como principal objeto de estudo o texto, pois este seencontra no eixo das discussões lingüísticas, por ser entendido como a forma mais completade aprender a língua, sendo este o suporte que mostra a língua em uso, é considerado tambéma base de toda forma de conversação. Dessa forma vê-se que os estudos da gramática da língua portuguesa devem estácentrados na capacitação do aluno no domínio da língua para sua utilização comunicativa,como afirma Travaglia (2009) “Ao ensinar gramática queremos que o aluno domine a língua,para ter uma competência comunicativa nessa língua. [...]”. Porém, é perceptível que as aulasde português estão centradas em ensinos fragmentados, e na utilização das regras de umagramática que simplesmente os falantes ignoram por não precisarem conhecê-la para falar alíngua e conseguir ter uma boa comunicação com os demais falantes. Sendo assim como resgatar a importância desse ensino para os alunos?E como superaressa dicotomia gramática/produção textual? Tais questões já foram levantadas e estão sendoaos poucos respondidas por estudiosos e professores que tentam trabalhar a língua de forma
  • 7. integrada, a leitura (interpretação), redação ( produção textual), a gramática e estudo dovocabulário, pois como dito anteriormente tudo o que é gramatical é textual e vice-versa.Porque a gramática é toda produção de sentido que se manifesta por meio de textos dalíngua.CronogramaCronograma de atividades referente ao primeiro semestre de 2011 AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBROVivência Xescolar eaplicação doquestionárioElaboração do Xprojeto escritoReescrita do X XprojetoInício das XatividadesExecução do X X XprojetoAnálise dos XresultadosReferênciasTRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino degramática. 13ªed. São Paulo: Cortez, 2009.ANTUNES, Maria Irandé. Aula de Português-encontro e interação. São Paulo: Parábola,2003.
  • 8. GERALDI, João Wanderley (org.). O texto na sala de aula. 3ª Ed. São Paulo: Ática,2000.

×