Ferramentas digitais das Revoluçoes 2.0
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Ferramentas digitais das Revoluçoes 2.0

on

  • 1,126 views

Explico algumas das ferramentas digitais surgidas antes e durante das Revoluçoes 2.0 do ano 2011. Também o uso de redes comerciais e comportamentos digitais de esta nova multidao conectada

Explico algumas das ferramentas digitais surgidas antes e durante das Revoluçoes 2.0 do ano 2011. Também o uso de redes comerciais e comportamentos digitais de esta nova multidao conectada

Statistics

Views

Total Views
1,126
Slideshare-icon Views on SlideShare
1,124
Embed Views
2

Actions

Likes
1
Downloads
19
Comments
0

1 Embed 2

http://a0.twimg.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

CC Attribution-ShareAlike LicenseCC Attribution-ShareAlike License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Ferramentas digitais das Revoluçoes 2.0 Ferramentas digitais das Revoluçoes 2.0 Presentation Transcript

    • Ferramentas das Revoluções 2.0 Por Bernardo Gutiérrez
    • Casos prévios ESPANHA. O Governo Espanhol tramitou a Ley 2/2011 (4 de março), de “Economía Sostenible”, conhecida como LES (nov 2010). Dentro estava a polêmica Ley Sinde de propiedadade intelectual. Qualquer site poderia ser fechado em quatro dias sem ordem judicial. Foi o início de uma grande revolta. Nasceram ferramentas, coletivos, comunidades. Alguns casos: -RED SOSTENIBLE ( http://red-sostenible.net/index.php/P%C3%A1gina_Principal ) . Wiki com assesoria jurídica, recursos, conteúdo. -LA LISTA DE SINDE ( http://wiki.hacktivistas.net/index.php?title=Accion/lalistadesinde/web ) . O coletivo Hacktivistas lançou esta inicitativa para que cualquer web fosse convertida em uma máquina de copiar.
    • Casos prévios -ENVÍO MAILS / TELEFONEMAS MASIVOS ( http://hacktivistas.net/content/24-horas-para-la-votaci%C3%B3n-de-la-ley-sinde- ) Hacktivistas criaram uma ferramenta para enviar um mail para todos os deputados. Também colocaram no site os telefones dos políticos ( http://www.internautas.org/html/6417.html ) Foi usada a ferramenta Xmailer ( http://hacktivistas.net/content/recarguemos-la-libertad-nuestros-diputados ). Em poucas horas foram enviados 800.000 correios aos deputados, saturando o servidor do Congresso. NOLESVOTES (http://wiki.nolesvotes.org/wiki/Portada). Foi desenvolvido um wiki para castigar os partidos que aprovaram a Ley SINDE (PSOE, PP, CiU). Importante: foi escrito en Google Docs e alimentado em rede horizontalmente.
    • Casos prévios 2011
      • -Anonymous protagonizou em Janeiro na entrega dos Premios Goya (cinema).
      • -A bomba explode quando a oposição à Ley Sinde se mistura com “corrupção”. Dois casos.
      • PPLEAKS ( http://www.ppleaks.com/ ), projeto lançado pelo clown Leo Bassi.
      • O CORRUPTÓMETRO (mapa de Nolesvotes) vira viral. (http://wiki.nolesvotes.org/wiki/Corrupt%C3%B3dromo
    • Facebook
      • EGITO – Facebook foi importante sim, na revolta do Egito. Alguns grupos conseguiram unir pessoas na luta e encher as ruas de gente.
      • Not Sorry Mubarak http://www.facebook.com/Not.Sorry.Mubarak
      • MARROCOS http://orsai.bitacoras.com/2011/12/una-lengua-comun.php
      • LÍBIA http://www.facebook.com/17022011libya
      • ESPANHA.
      • “ Esto sólo lo arreglamos sin ellos ”. A sociedade remixa uma propaganda do Governo, uma publicidade chamada “Esto lo arreglamos entre todos”. Nasce um grupo de Facebook “Esto solo arreglamos sin ellos”
      • http://www.facebook.com/media/set/?set=a.484141136807.296726.362448501807&type=1
      • Democracia Real Ya . ( http://www.facebook.com/democraciarealya ) O grupo mais influente fez uma boa campanha em Facebook. O grupo deles tem hoje 430.000 pessoas que “curtiram”)
      • Protestos virtuais. Cada vez mais tem eventos /protestos. Confirmar assistência a um evento é uma medida de força. http://www.facebook.com/events/153698604701086/
    • Plataformas em rede
      • Algumas páginas o plataformas como Avaaz tiveram tanta importância como as redes sociais.
      • ACTUABLE.ES. A plataforma de ciberativismo espanhola Actuable.es foi um ator fundamental desde o início de 2011. Não só serve para enviar petições. Também para criar comunidades e informar. Alguns grupos como Malestar.org nasceram de uma petição de Actuable.
      • Uma petição de actuable contra a Junta Eleitoral que proibia o protesto na Puerta del Sol de Madri obteve 215.000 assinaturas.
    • Mídia alternativa
      • GLOBALVOICES (globalvoicesonline.org) teve um papel vital na Revolução da Tunisia e Egito.
      • http://globalvoicesonline.org/2010/12/07/tunisia-censorship-continues-as-wikileaks-cables-make-the-rounds/
      • INDYMEDIA.ORG Um clássico da mídia alternativa que também foi importante
      • TOMALAPLAZA.NET foi a ferramenta (software livre, template de Wordpress) de comunicação interna e externa de todas as praças tomadas da Espanha. Tomalosbarrios.net é a ferramenta das diferentes comisões dos bairros. Tem muitos jornais / publicações sendo feitas.
      • THE OCCUPIED WALL STREET JOURNAL Occupy Wall Street lançou o jornal The Occupied Wall Street Journal. Hoje em dia tem Occupied papers no mundo inteiro. occupiedmedia.us
      • -O site Takethesquare e a conta do Twitter foram registrados em Madri na madrugada do
      • 16 de maio. A idéia era exportar para o mundo as ocupações.
      • - Take the square tem sido a principal ferramenta de todas as ocupações
      • (também Occupy Wall Street). Foi a convocante do protesto global do 15 de Outubro
      • -Indico navegar com calma no apartado How to camp / how to occupy.
      • Tem recursos de todo tipo: guias ocupar praças, conselhos legais, documentos para organizar assambléias, ferramentas open source, dicas de mídia livrismo…
      • http://howtocamp.takethesquare.net/
      Take The Square
    • Ferramentas de Voice / Som Em todas as Revoluções 2.0 surgiram algumas ferramentas para facilitar a censura das redes sociais. Ferramentas que ajudam “Tuitar” ou postar usando a voz. VOICE-TO-TWITTER . Engenheiros do Google, Twitter e SayNow desenvolveram um serviço speak-to-tweet. Ligando para números telefónicos dava para Tuitar. A conta criada foi @speak2tweet. OCCUPYGLOBAL.NET é um website que conta com um TeamSpeak voice-chat organizado por países e cidades MUMBLE. mumble.sourceforge.net A ferramenta mais usada nas Revoluções 2.0 tem sido o Mumble, de código aberto. É um chat de voz que pode ser usada por muitas pessoas. Pode ter um moderador. Um vídeo de instruções: http://takethesquare.net/2011/10/04/mumble-setup-walkthrough/ SOUNDSCAPE OF THE REVOLUTION. O coletivo espanhol Media Tele Tipo colocou na nuvem os diferentes sons da Spanish Revolution. http://www.mediateletipos.net/archives/15881 TELEFONIA IP. O 15M espanhol desenvolveu um sistema de telefonia IP com software livre. https://dev.tomalaplaza.net/projects/voip
    • Usos de Twitter -Todas as Revoluções 2.0 fizeram um uso do Twitter. Quase sempre aproveitando contas já existentes (Hacktivistas na Espanha, Adbusters em Occupy Wall Street… -No 15M Espanha teve um bom uso de estratégias de mudar rapidamente de hashtags para não ser penalizado. Quem tiver curiosidade, esta longa entrevista da detalhes da primeira conta @acampadasol http://www.15m.cc/2012/01/conversaciones-15mcc-dani-vazquez.html -Foram muito usadas ferramentas como Paper.li, PostPost .com ou Scoop.it para construir revistas com os contatos de contas. Revistas sociais que funcionam como personal media.
    • O 15M espanhol, graças a popularidade dos smart phones no pais, criou pontes entre território e as redes. O “espaço de fluxos” do que fala Manuel Castells ou a “sociedade líquida” do Zygmunt Bauman cristalizou durante o 15M, movimento que ainda está vivo. O coletivo Platoniq criou o Tweetómetro #yeswecamp, uma ferramenta para votar via Twitter as questões das assambleias. www.platoniq.net/yeswecamp/ Os protestos são protestos de fluxos, flexíveis, os hashtags indicam ruas cortadas, novos caminhos. Alguns eventos do 15M acontecem ao redor de hashtags, como Stop Deshaucios (falaremos depois) e Stop Redadas. As pessoas aparecem na rua para expulsar a polícia que faz controles aos migrantes. O hashtag #stopredadas avisa onde e quando : http://bit.ly/u5Jpmh Usos híbridos
    • Redes livres -A rede construída com software livre N-1.cc é a ferramenta mais usada no 15M. Forma parte do projeto Lorea (redes federativas) -O controle da privacidade é total. A diferença do Facebook, está pensada para grupos de trabalho. Tem muitas ferramentas para trabalhar em grupo. -Aquí umas instruções com audios http://www.archive.org/details/LoreaN-1 -Tem outras redes não comerciais funcionando, como Network 99 (magazin.network-99.com, feita na Espanha), Holisticscommons (holisticcommons.com), Anillo Sur (anillosur.cc, Cono Sul) o KUNE ( http://kune.ourproject.org/es/)
    • Ferramentas internas Listas correios. Tanto o 15M como Take The Square tem listas de correios próprias . http://madrid.tomalaplaza.net/com http://howtocamp.takethesquare.net/2011/10/27/mailing-lists-listservs-index/ IRC Channels Um guia ( http://bit.ly/yDqzL5 ) FERRAMENTAS PRÓPIAS DO 15M 15m.virtualpol.com Chats, foros, grupos de trabalho Visualização grupos trabalho http://madrid.tomalaplaza.net/grupos-de-trabajo-2/ Arvore de contatos https://n-1.cc/pg/file/read/267867/estructura-indignados
    • O 15M espanhol usou coletivamente de uma forma muito ágil , “populista” (no bom sentido) e eficaz diferentes cartografias. Fora usadas ferramentas como Meipi (meipi.org), Google Maps, Crowd Map ou Ushahidi (ushahidi.com). Tem alguns projetos anterioresao 15M que influenciaram (e muito) no 15M. O hackitecto (arquiteto+hacker) fez um resumo de cartografias insurgentes. http://www.scoop.it/t/los-mapas-del-15m http://cartografiasinsurgentes.wordpress.com/2011/10/14/gga/ O urbanista Doménico di Siena fez esse resumo de ferramentas http://urbanohumano.org/social-network/mapeo-y-documentacion-en-red/ Cartografias insurgentes
    • CASASTRISTES.ORG Vivendas vazias. ELDISPARATE.DE Mapa de comércio de armas de cada região da Espanha. CIUDADESSINFRONTERAS.NET Para denunciar check points contra migrantes. THETECHNOANT.INFO/CAMPMAP Mapas dos acampamentos do mundo inteiro. 15M.BIFI.ES Vídeo com as interações entre usuários durante a semana do 15M. MAPA CONCEPTUAL DA ACAMPADA SOL. http://www.unalineasobreelmar.net/mapa-conceptual-de-la-acampada/ MAPA DA NÃO VIOLÊNCIA. http://www.unalineasobreelmar.net/2011/08/15/mapa-conceptual-de-la-no-violencia-del-15-m/ MAPA DENÚNCIA. Mapa usado para denunciar as represão da policia http://acampadadebarcelona.org/denunciacolectiva27m MAPA DOS RICOS DE ESPANHA. http://estrecho.indymedia.org/sites/default/files/MAPA-ricos.jpg UNITED GLOBAL CHANGE -15º http://map.15october.net/main
    • STOP DESHAUCIOS. Especial destaque tem o projeto STOPDeshaucios (Stop despejos). http://stopdesahucios.tomalaplaza.net -O coletivo Hacktivista de Tomalaplaza.es desenvolveu uma ferramenta com a Plataforma Afectados pelas Hipotecas (pessoas que perdem os apartamentos porque não tem dinheiro para pagar a hipoteca do banco). -Foi criada com Ushahidi (ferramenta de código aberto). Não só da para ver o estado atual dos despejos. Cada pessoa pode crear uma alerta por distâncias e saber que despejo está programado por dia. -STOP DESHAUCIOS, além, conseguiu uma lista de vivendas que os bancos tem vazias que é entregue a cada familia despejada. -Milhares de despejos tem sido parados no último ano. Graças ao hashtag #stopdeshaucios as pessoas se comunicam. Multidões vão no lugar do despejo quando a policia tenta despejar a família. Stop deshaucios
    • A revolução do streaming A mídia chegou tarde na Puerta del Sol de Madri. Algumas TVs, até, ignoraram o movimento. Mas graças ao streaming o mundo intereiro soube do 15M. Desde o primeiro dia foi criada Soltv.tv, 24 horas de imagens desde um terraço da Puerta del Sol de Madri. As duas ferramentas mais usadas de streaming nas Revoluções 2.0 são ustream.tv (plataforma interativa) y Livestream.com. Tem muitas mais, como JustinTV, Qik (interessante pois faz o link entre telefones celulares e streaming), StickCam, LiveVideo ou BlogTV Outra ferramenta muito usada foi tokbox.com (vídeo e podcasting em qualquer blog). Tomalaplaza.net criou ferramentas de podcasting para desenvolver rádios http://madrid.tomalaplaza.net/category/comisiones/comunicacion/radio-2/ http://www.soltv.tv
    • Celulares
      • -O uso de smart phones tem sido fundamental
      • em todas as Revoluçoes 2.0. Por um lado, para
      • Informar e usar redes sociais. Mas também para
      • espalhar sinal wifi e para registrar abusos policiais
      • com fotos e vídeos.
      • -Existe um PDF de instruções em Takethesquare:
      • http://bit.ly/t9hxsh
      • -O celular está sendo vital nas ações de guerilha do
      • 15M, como “Yonopago” (campanha contra a subida
      • do preço do Metrô)
      • http://es-es.facebook.com/yonopago
      • Whatsapp . O aplicativo que permite enviar SMS
      • sem custo tem sido usado na campanha do 15M
      • “ Contra os privilégios da classe política”
      • Notícia: http://bit.ly/AC02up
    • Redes alternativas de wifi A grande penetração de smart phones com conexão Internet e de 3G facilitou a força do 15M / Occupy. Mas também teve uma estragégia de expandir wifi no espaço público com tecnologia livre. Alguns casos: Nodo móvil (Espanha). Um nodo móvile que permite a conexão de Internet, outros nodos móveis e qualquer dispositivo digital. http://www.goteo.org/project/nodo-movil Guifi.net (Espanha). Rede neutra alternativa de acesso à Internet. Muito ativa no 15M Noinet (Italia). Rede distribuida de acceso à Internet. www.noinet.eu/on Netsukuku (Italia). Convertir PCs em nodos de expansão wifi.http://netsukuku.freaknet.org
    • Documentos wikis Os documentos wiki tem sido fundamentais no desenvolvimento das Revoluções 2.0. Mais não só como ferramentas de trabalho, se não como vínculo do território e as redes e como uma nova forma de fazer política. Alguns casos: Wikiplaza (Espanha) Desde o ano 2005, o colectivo Hacktitectura vem desenvolvendo projetos de Wikipraças, “espaços públicos conectados”; uma inspiração direta do 15M” http://wikiplaza.org/index.php/ Propongo (Espanha) Ferramenta wiki (software livre) que facilita que cada praça, assambléia, bairro, proponha coisas e discuta sobre elas. propongo.tomalaplaza.net Street vendor project (USA) Occupy Wall Street resolveu com um wiki um problema: as lojas de comida do lado não vendiam comida porque o movimento recebia doações. OWS pediu grana e não só comida. http://bit.ly/AjIsqN Wikipartidos, wikiconstituições (worldwide) Na Espanha nasceu um wikipartido (wikipartido.es). Outros novos partidos como Partido Pirata, Equo (equova.org) ou Partido da Internet (partidodeinternet.es) criaram seu programa em rede, com documentos wikis. O 15M está escrevendo coletivamente uma nova constituição espanhola, como Islândia fez.
    • Crowd funding -O crowd funding foi muito usado durante as revoluçoes 2.0, em Occupy Wall Street (para imprimir o jornal, por exemplo) ou no 15M (Revista Números Rojos, revistanumerosrojos.com ) -Quero destacar a iniciativa Goteo nascido recentemente, pois incentiva o crowd funding só para projetos de código aberto . www.goteo.org/
    • Open design VOCESCONFUTURA. Foi criado um blog em Tumblr para colocar online trabalhos gráficos enviados por designers do mundo inteiro. Muitas imagens foram usadas em protedtos, paredes.. http://vocesconfutura.tumblr.com/
    • Culture Jamming, contra publicidade
      • A apropiação de símbolos comercais, remix e reutilização tem uma grande tradição nos Estados Unidos.
      • Durante Occupy Wall Street o culture jamming foi praticado intensamente.
      • 15M espanhol também fez (ver vocesconfutura.tumblr.com), ainda que menos.
      • Indico três vídeos remixados que mostram a força do culture jamming :
      • -Podéis votar Pirata (remix de uma publicidade de Orange) youtube.com/watch?v=MuWgmdCDhWM
      • -Vota al banco (campanha Cajero electoral) http://www.youtube.com/watch?v=z0KTEoe7MUY
      • -Quiero ser bankero (contrapublicidade contra Bankia) http://bit.ly/z3zs0T
      • Indico estas campanhas de contra publicidade, animaçåo, que foram virais
      • -Aritmética20N (boicote eleitoral partidos grandes) http://www.youtube.com/watch?v=i7SdXlwOgYk
      • -Españistán (http://www.youtube.com/watch?v=N7P2ExRF3GQ)
    • Cultura na nuvem www.bookcamping.cc www.videocamping.cc “ À luz do 15M” espanhol nasceram dois projetos de bibliotecas colaborativas na nuvem: Bookcamping.cc e videocamping.cc. Qualquer pessoa pode subir um livro ou vídeo com um comentário. As bibliotecas estão organizadas por estantes. A maioria das obras tem licenças Abertas. Quando tem copy right tme um link para as editoras / distribuidoras onde é possível comprar o título.
    • Open data
      • O movimento global de Open Data tem tido uma influência
      • grande nas revoluções2.0 (sobre tudo na Espanha).
      • Comento algumas ferramentas surgidas antes ou durante do
      • 15M e Occypy Wall Street.
      • Dondevanmisimpuestos.es. Visualização de impostos.
      • Monquartier.heroku.com Dados de bairros / cidades.
      • Lospresus.de Orçamentos por anos.
      • Gastopublico.es Orçamentos de obras públicas.
      • Sena2.info Controle de senadores.
      • Tuderechoasaber.es Ferramenta de acceso à dados.
      • Parlamento.openpolis.it (Italia) e opendatacongreso.org
      • (Espanha). Controle dos deputados.
      • #Adoptaunsenador. Campanha cidadã para organizar a
      • declaração de bens dos políticos. http://bit.ly/pKruGD
      • Um tutorial sobre uso de ferramentas como Google Refine
      • Por @dcabo: http://bit.ly/mWq7me
      • Occupydata. Visualizações de datos públicos,
      • Transparência http://bit.ly/sHXIO8sd
    • Demo4punto0 É um projeto que incentiva um sistema híbrido de votações, uma mistura de físico e virtual. Está sendo adoptado por Democracia Real Ya. -Por cada 100.000 cidadãos que votem uma proposta política, seria tirada uma cadeira do parlamento (350 cadeiras), proporcionalmente para cada grupo. www.demo4punto0.net
    • 15M.ccn E um projeto transmedia de livro, documentário e web que pretende pesquisar que é o movimento 15M, como surgiu, que conceitos criou e o que está fazendo hoje em dia. -Tudo vai ter licença Creative Commons. O livro vai ser remixado por um Dj de textos, tal como é feito com os códigos fonte do software livre. O documentário vai ter imagens enviadas por qualquer pessoa. Além, vai ter uma nuvem com horas / dias /meses de imagens, para que qualquer pessoa faça o documentário que quiser. www.15M.cc
    • Realidad aumentada
      • O coletivo Space Vandals (Barcelona) criou um projeto de realidade aumentada na
      • Plaza Catalunya (onde ficou o acampamento em maio – junho). Espalharam tags
      • na praça, legíveis com leitores de códigos QR. Os usuários são direcionados à uma
      • “ ciberacampada”, com frases, desigs e consignas. Foi usado o aplicativo Layar.com.
      • www.nohaypan.org
    • @bernardosampa