Your SlideShare is downloading. ×
0
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Enfermagem de Reabilitação

18,268

Published on

Published in: Technology
0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
18,268
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
348
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. REABILITAR: QUEM, O QUE E ONDE. ENF. REABILITAÇÃO: Dos cuidados gerais Aos cuidados específicos. ESEP Belmiro Rocha JANEIRO - 2008
  • 2. ENQUADRAMENTO NORMATIVO Principais Referências Normativas de Enfermagem (Enfermagem de Reabilitação) observadas: • Circulares Normativas n.ºs 11/89, de 24AGO do DRHS e 05/90, de 21FEV da DGH – Orientações para utilização Enf.os Especialistas, nomeadamente de Enf. de Reabilitação; • Decreto-Lei n.º 437/91, 08NOV – Carreira de enfermagem e respectivas alterações; • Decreto-Lei n.º 161/96, 04SET – Regulamento do exercício profissional dos enfermeiros (REPE); • Decreto-Lei n.º 104/98, 21ABR – Estatutos da Ordem dos Enfermeiros e Código Deontológico; • Portaria n.º 268/2002, 13MAR – Cursos de pós-licenciatura especialização em enfermagem; • Lei n.º 38/2004, 02AGO – Lei de Bases da Prevenção, Habilitação, Reabilitação e Participação das Pessoas com Deficiência; • SITES: – Association of Rehabilitation Nurses (www.rehabnurse.org) – Australasian Rehabilitation Nurses Association (www.arna.com.au) – Ontario Association of Rehabilitation Nurses (www.rnao.org) – Instituto Nacional para a Reabilitação (www.inr.pt) 25-01-2008 Belmiro Rocha 1
  • 3. PADRÕES DE QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM Devem ser observados os Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem, preconizados pelo Conselho de Enfermagem da Ordem dos Enfermeiros (DEZ, 2001). • ENQUADRAMENTO CONCEPTUAL A SAÚDE A PESSOA O AMBIENTE OS CUIDADOS DE ENFERMAGEM • ENUNCIADOS DESCRITIVOS A SATISFAÇÃO DO CLIENTE A PROMOÇÃO DA SAÚDE A PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES O BEM ESTAR E O AUTO CUIDADO A READAPTAÇÃO FUNCIONAL A ORGANIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM 25-01-2008 Belmiro Rocha 2
  • 4. COMPETÊNCIAS DOS ENFERMEIROS DE CUIDADOS GERAIS - I 25-01-2008 Belmiro Rocha 3
  • 5. COMPETÊNCIAS DOS ENFERMEIROS DE CUIDADOS GERAIS - II 25-01-2008 Belmiro Rocha 4
  • 6. REABILITAÇÃO • “A Reabilitação é processo global, dinâmico, e continuo, dirigido ao ser humano, ao longo do ciclo vital e aos grupos sociais em que ele está integrado, de forma a corrigir, conservar, melhorar ou recuperar as aptidões e capacidades funcionais tão rapidamente quanto possível, para o exercício de uma actividade considerada normal no âmbito do seu projecto de vida.” (ESEnfC, 2006) 25-01-2008 Belmiro Rocha 5
  • 7. ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO • A Enfermagem de Reabilitação está essencialmente vocacionada para a aplicação precoce de técnicas de reabilitação especificas com o fim de evitar sequelas e complicações inerentes à situação clínica e imobilidade aproveitando ao máximo as capacidades para o restauro da função e diminuição de incapacidades, contribuindo para uma mais rápida reintegração do doente na família e comunidade e consequente redução dos dias de internamento.” (CN n.º 05/90 de 21FEV, do DGH) • É “…um processo criativo que começa nos cuidados preventivos imediatos, no primeiro estádio de doença ou acidente, continua na fase de recuperação e implica a adaptação de todo o ser a uma nova vida…” (Stryker, 1977) 25-01-2008 Belmiro Rocha 6
  • 8. ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO - I • “…o enfermeiro com conhecimento aprofundado num domínio especifico da enfermagem tendo em conta as respostas humanas às situações de vida e aos processos saúde/doença, traduzido num conjunto de competências, relativas a um campo particular de intervenção…” (Ordem dos Enfermeiros, 2006) • “…O enfermeiro especializado em enfermagem de reabilitação seja um prestador de cuidados directos e globais e na sua área especifica funcione como orientador dos enfermeiros não especializados de modo a assegurar a continuidade da qualidade de cuidados, reservando para si os de maior complexidade;…” (CN n.º 05/90 de 21FEV, do DGH) 25-01-2008 Belmiro Rocha 7
  • 9. ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO - II • “…o enfermeiro especializado em enfermagem de reabilitação intervém essencialmente, junto de doentes do foro respiratório, ortotraumatologico, neurológico e deficientes do foro sensorial…” • “…justifica-se a colocação deste enfermeiro … nomeadamente nos seguintes serviços: – Cinesiterapia Respiratória – Cirurgia – Medicina – Ortopedia – Pediatria – Pneumologia – Unidades de Cuidados Intensivos – Nos serviços em que o n.º de doentes necessitados de cuidados de enfermagem de reabilitação justifique a presença deste enfermeiro” (CN n.º11/89 de 24AGO, do DRH). 25-01-2008 Belmiro Rocha 8
  • 10. PAPEL DOS ENFERMEIROS ESPECIALISTAS (EE) O Papel dos EE distingue-se essencialmente na: Prestação de Cuidados Especializados; Gestão de Cuidados; Formação, Educador, Consultor; Investigação. 25-01-2008 Belmiro Rocha 9
  • 11. FUNÇÕES DO ENFERMEIRO DE REABILITAÇÃO Os ER desempenham Funções no âmbito da Reeducação Funcional nas seguintes áreas: » Respiratória (RFR) » Motora (RFM) » Alimentação » Eliminação » Sexual » Comunicação, … 25-01-2008 Belmiro Rocha 10
  • 12. COMPETÊNCIAS DO ER - I De acordo com a formação realizada pelos Enf.ºs de Reabilitação, preconizada nos Planos de Estudos (ESEnfC, 2006), compete ao ER: • Organizar e desenvolver programas de enfermagem de reabilitação centrados nas necessidades de auto-cuidado do utente (individuo, família e comunidade), resultantes de deficiência, incapacidade ou doença e organizando-os numa perspectiva global; • Prestar cuidados personalizados aos vários níveis de prevenção, na promoção da autonomia e independência funcional, minimizando os efeitos das deficiências e desvantagens apresentadas ou adquiridas; • Utilizar o conhecimento cientifico e todos os outro saberes para intervir em equipas multidisciplinares no planeamento e implementação dos cuidados continuados no domicilio e na integração da pessoa na família e na comunidade. 25-01-2008 Belmiro Rocha 11
  • 13. COMPETÊNCIAS DO ER - II • Ser conselheiro e perito no que se refere à reabilitação das pessoas com doenças do foro respiratório, ortopédico, músculo-esquelético, cardio-circulatório, neurológico, neurotraumatologico, visando principalmente a satisfação das necessidades de oxigenação, alimentação, hidratação, eliminação, sexualidade, comunicação e locomoção; • Revelar capacidade de liderança na gestão dos cuidados de enfermagem no serviços e instituições relativamente aos cuidados no âmbito da especialidade de enfermagem de reabilitação; • Revelar capacidade de planeamento e organização da formação em serviço e de processos de melhoria contínua dos cuidados de enfermagem e de saúde, nomeadamente utilizando e dinamizando a utilização da investigação pelas equipas. 25-01-2008 Belmiro Rocha 12
  • 14. GANHOS EM SAÚDE … Sensíveis a Cuidados de Enfermagem, nomeadamente a Cuidados de Enfermagem de Reabilitação (CER): • Diminuição do n.º de dias de internamento; • Diminuição do n.º de reinternamentos; • Maior autonomia nas AVD; • Maior independência funcional; • Maior Satisfação; • Melhor Qualidade de Vida do Cliente, … 25-01-2008 Belmiro Rocha 13
  • 15. NORMAS DE ACTUAÇÃO DOS ENFERMEIROS DE REABILITAÇÃO - I Trabalho efectuado, registado e debitado de acordo com a Portaria n.º 567/2006 de 12JUN, alterada pela Portaria n.º 110 - A/2007, de 23JAN. 60044 - TESTE ESPECÍFICO DE AVALIAÇÃO Inclui : História clínica; Exame físico do doente; Determinação de Sinais Vitais (TA, P, Fr.). 80270 - SATURAÇÃO DE 02 Avaliação de saturação de oxigénio com oximetro. 81160 - CINESITERAPIA INDIVIDUAL Ensino de técnicas de descanso e relaxamento individual; Desenvolver quot;Consciência Respiratóriaquot;, gradualmente em cada sessão; Ensino, Orientação e Execução. 60380 - REEDUCAÇÃO POSTURAL Ensino da posição correcta; Correcção de defeitos posturais e de deformações torácicas; Exercícios ao espelho; Posição correcta para a execução das diversas modalidades. 61100 - FORTALECIMENTO MUSCULAR Técnicas de tonificação abdomino-diafragmática e intercostais; Exercícios respiratórios selectivos e gerais; Treino especifico dos músculos respiratórios com contra-resistencia. 25-01-2008 Belmiro Rocha 14
  • 16. NORMAS DE ACTUAÇÃO DO ER - II 81200 - TÉCNICAS DE READAPTAÇÃO AO ESFORÇO INDIVIDUAL Controle da respiração no esforço durante a sessão; Exercícios respiratórios com contra-resistência; Ensino de posições de relaxamento respiratório (postura de cocheiro), mostrar quadros existentes no serviço. 81190 - DRENAGEM POSTURAL Técnicas de Drenagem: drenagem modificada e clássica; Solicitação de inspirações profundas / expirações prolongadas / tosse dirigida / tosse assistida / executadas com o controle da respiração para cada segmento ou área pulmonar a ser drenada; Técnicas de manipulação invasiva para a aspiração de secreções (S.O.S.). 81180 - MANIPULAÇÃO DA PAREDE TORÁCICA COM MASSAGEM VIBRATÓRIA Manobras vibratórias de percussão, vibração e compressão da parede torácica. 81170 - CINESITERAPIA EM GRUPO Ensino e orientação dos exercícios respiratórios gerais e específicos (espelho, bastão, faixa, exercícios no colchão, etc ... ). 81230 - INALOTERAPIA Oxigenoterapia e nebulizações simples ou com medicação, em cada sessão ou em S.O.S. 60286 - MOBILIZAÇÃO PASSIVA DE CADA SEGMENTO OU GRUPO ARTICULAR Execução de exercícios terapêuticos sem a participação activa do doente, nos serviços de, Medicina, nas UCIP e UCICT, por incapacidade/deficiência física, psíquica ou devido ao quot;estado de sedaçãoquot; de acordo com a patologia e clínica. 60307 - MOBILIZAÇÃO ACTIVA DE CADA SEGMENTO Execução dos exercícios pelo doente e sem a ajuda física do enfermeiro. 60401 - MOBILIZAÇÃO FUNCIONAL DE CADA MEMBRO Apreciação dos eixos articulares; Avaliação dos ângulos na mobilização, no respectivo plano de referência; Avaliação dos ângulos de amplitude dos movimentos produzidos pela motricidade voluntária (mobilidade activa) ex: bastão, escápulo-umeral, bicicleta, exercícios globais. 25-01-2008 Belmiro Rocha 15
  • 17. NORMAS DE ACTUAÇÃO DO ER - III 60222 - MASSAGEM MANUAL NUMA REGIÃO Execução de técnicas manipulativas terapêuticas / relaxamento muscular e psíquico: – Drenagem linfática; – Profilaxia das úlceras de pressão; – Massagem de descolamento cicatricial das feridas: operatórias; – Toque terapêutico (A.V.C.). 61087 - TREINO / ENSINO DAS ACTIVIDADES DE VIDA DIÁRIA (A.V.D.) Todas as actividades dependentes de ajudas técnicas ou não que promovam a quot;Autonomiaquot; do individuo, de acordo com as Necessidades Humanas Básicas, ex. toilette brônquica, auto-reeducação. 60403 - REEDUCAÇÃO DA MARCHA Treino de equilíbrio no leito e em pé Exercícios de fortalecimento muscular geral e específico Controle da marcha em relação à postura corporal e ao tipo de deambulação que o doente executa 61045 - TREINO DE UTILIZAÇÃO DE AMBAS TÉCNICAS Ensino / treino e supervisão da quot;marchaquot; com a ajuda de cadeira de rodas, canadianas, tripé, andarilho e próteses ou ortoteses. 61029 - TREINO DE FAMILIARES DO DOENTE Ensino de técnicas / exercícios de reeducação respiratória e motora a efectuar no domicílio para o desenvolvimento da auto-suficiência do doente. Sensibilização de técnicas / actividades que favoreçam a autonomia do doente, ex: nos acamados posicionamentos e banho no leito, treino de deglutição, treino de marcha, treinos vesicais e intestinais, treino de A.V.D.. 25-01-2008 Belmiro Rocha 16
  • 18. MCDT PNEUMOLOGIA Unidade de Cinesiterapia Respiratória REGISTOS Proveniência: IDENTIFICAÇÃO DO DOENTE Serviço de Urgência Consulta Externa Hospital de Dia Internamento (Sist. Inf. …) Exterior ___________ Mês ___________________ de 200__ 1ª Sessão Subquentes Portaria n.º 567/2006 de 12 de Junho, alterada pela Portaria n.º 110 - A/2007, de 23 de Janeiro Dia 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Total Modelo de folha Cód. TABELA DE PNEUMOLOGIA PROVAS DE FUNÇÃO RESPIRATÓRIA I80270 Oximetria transcutânea I80230 Gasometria arterial READAPTAÇÃO FUNCIONAL de registos para I81231 Aerossóis I81232 Aerossóis ultra-sónicos I81170 Cinesiterapia em grupo I81160 Cinesiterapia respiratória I81190 Drenagem postural, (cada sessão) Oxigenoterapia (a utilizar durante as I81233 efeitos de sessões de readaptação) I81180 Percussão / vibração torácica I81200 Readaptação ao esforço, individual I81273 Prova de Marcha Cód. TABELA DE MEDICINA FÍSICA E DE REABILITAÇÃO Produção e I60380 Cinesiterapia correctiva postural I61102 Fortalecimento muscular manual I60290 Mobilização articular manual I60291 Mobilização articular motorizada I60404 Treino de equilibrio e marcha I60401 Reeducação funcional de cada membro Financiamento, Financiamento I61115 Técnicas de relaxamento Treino de actividades de vida diária I61087 (A.V.D.) I61029 Treino de familiares Treino de utilização de outras ajudas I61045 técnicas utilizada pelos Cód. I99220 Avaliação de sinais vitais (temperatura, pulso, tensão arterial) (b) TABELA DE SERVIÇOS E TÉCNICAS GERAIS Diagnóstico(s): Enf.os de Reab. Destino pós Alta: Hospital Dia Internamento Consulta Externa Domicílio Outro ____________ C.H.V.N. Gaia, _____ de __________________ de 200___ Realizado por O Médico Requisitante Nome____________________________________ _____________________ Categoria_________________________________ 25-01-2008 Belmiro Rocha 17
  • 19. IMPORTÂNCIA DO PLANEAMENTO • A Optimização da formação obtida pelos ER; • Os ER devem tendencialmente estar afectos aos Serviços e integrados nas Equipes; “A Direcção-Geral não aconselha ainda, salvo situações muito específicas, que o enfermeiro especializado em enfermagem de reabilitação seja colocado a apoiar vários serviços, onde se desloca para intervenções ocasionais desinseridas do conhecimento global do doente” (CN n.º 05/90 de 21FEV, do DGH) • Disponibilizar uma Maior e Melhor oferta de CER; • Adequação à reorganização institucional, principalmente tendo em conta os Departamentos (…), para melhor afectação de recursos, individualização de custos, contabilização de resultados e visibilidade de ganhos. 25-01-2008 Belmiro Rocha 18
  • 20. NOTA CONCLUSIVA - 1 • A utilização da Classificação Internacional da Prática de Enfermagem (CIPE), que confere uma maior visibilidade às intervenções dos enfermeiros especialistas de reabilitação, está a dar os primeiros passos no que diz respeito à parametrização dos cuidados de enfermagem de reabilitação (Padrão de Documentação em Enfermagem, incluindo a área de Enfermagem de Reabilitação). • Seria vantajosa uma maior aposta nos Sistemas de Informação e uniformizar os diagnósticos e as intervenções de enfermagem de reabilitação, nomeadamente no Sistema de Apoio à Prática de Enfermagem (SAPE) e outros aplicativos (ex: Modulo PNEUMO) para assim obter mais e melhores indicadores e resultados, essenciais à boa gestão e ajuda à tomada de decisão. 25-01-2008 Belmiro Rocha 19
  • 21. NOTA CONCLUSIVA - 2 • É de todo conveniente, que a Certificação de Serviços / Acreditação da Qualidade (nomeadamente do Serviço de Enfermagem / Enfermagem de Reabilitação) possa também ser contemplada num processo de desenvolvimento institucional. • É crucial a colocação dos Enfermeiros Especialistas em Enfermagem de Reabilitação no exercício das suas funções e competências, assim como a produção de indicadores na área da Enfermagem de Reabilitação. • A Perspectiva de investimento e optimização destes recursos altamente diferenciados é potencializada e geradora de Ganhos em Saúde. 25-01-2008 Belmiro Rocha 20
  • 22. Feio, 1986 Desta forma, pretende-se dar visibilidade à Enfermagem no geral e à Enfermagem de Reabilitação no particular, conforme o preconizado pela Enfermagem de Reabilitação Americana, que tem como Lema: quot;All nurses can save Lives, Rehab nurses save the Quality of Life“ Laura Solkowitz RN CRRN 25-01-2008 Belmiro Rocha 21

×