Your SlideShare is downloading. ×
Romantismo grupo A
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Romantismo grupo A

1,687
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,687
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
37
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A Arte do século XIXDo Romantismo, ao Impressionismo e à Revolução Industrial
  • 2. ∂ História dos Estilos ―subproduto da ciência histórica‖;∂ Criar um Estilo;∂ Ruturas com a tradição do século XVIII;∂ Revolução industrial, económica e social;
  • 3. ∂ Evolução não linear;∂ ―Se sobrepõem, se fundem, se opõem, desaparecem ou renascem‖;∂ Incentivo político e económico;∂ ―Desabar das certezas‖ – a essência da arquitectura é posta em causa.
  • 4. O O Romantismoromantis
  • 5. ∂ Foi uma nova corrente anti-racionalista que valorizava os sentimentos e as emoções.∂ Defendia que a arte era uma ―revelação da alma‖ através da beleza e da genealidade.∂ Esta corrente manifestou-se numa época onde predominava o idividualismo, o humanismo e o nacionalismo do Liberalismo.
  • 6. Princípios defendidos pelo Romantismo:∂ Interioridade, o mundo complexo dos sentimentos e das emoções;∂ Isolamento da alma em comunhão com a Natureza, manifestado na exaltação do mundo real;∂ Valorização do passado de cada nação cujas razões mergulhavam na Idade Média;∂ A convicção de que a arte é essencialmente inspiração e criação obedecendo a impulsos pessoais por uma necessidade inata e sublime.
  • 7. Arquitectura do
  • 8. ∂ Capaz de provocar sensações, motivar estados de espirito e transmitir ideias.∂ Marcava a passagem da ―forma medida‖ para a ―forma sentida‖. “Abadia de Fonthill” numa aguarela de Francis Danby (1854).
  • 9. Características:∂ Inspirado nos valores da ordem, das propoções, da simetria e da harmonia;∂ Preferiam a irregularidade da estrutura espacial e volumétrica;∂ Invocação de espaços diferentes distantes eimaginários.
  • 10. ∂ O organicismo das formas, os efeitos de luz, omovimento dos planos e o pitoresco da decoração; Peckforton Castle (1844 a 1850) Scarisbick Hall (1837 a 1884
  • 11. ∂ O estudo e a reprodução de estilos construídos noutros tempos e noutros lugares;∂ Procura de uma estética própria dando menos importância aos aspectos técnicos e estruturais.∂ Estas características procuraram provocar o encantamento e evasão, estimulando a imaginação e os sentidos abrindo portas para novos sonhos e fantasias.
  • 12. Harlaxton Manor
  • 13. Mansão Harlaxton Manor (1831 a 1837) por Anthony Salvin.∂ Organicismo da sua planta;
  • 14. ∂ Irregularidade espacial e volumétrica
  • 15. Exteriores:∂ Os jardins começavam a misturar características do jardim francês, com racionalidade e geometrismo, e ―jardim à inglesa‖, devido ao naturalismo e selvagem;∂ Pavilhões chineses e falsas ruínas. Jardim Inglês Jardim Francês
  • 16. Jardim de Kew,com pagode chinês, por William Chambers.
  • 17. Materiais:∂ Os edificios possuiam estruturas em ferro e aço;∂ Utilizavam materiais industriais como o tijolo e o vidro mas preferiam os materiais naturais.
  • 18. Revivalismo∂ Movimento artistico que reproduziu técnicas e cânones estéticos de correntes anteriores.∂ Interesse pela História e as suas descobertas;∂ O nacionalismo político e grande valorização pelas tradições nacionais;∂ Exaltação do instinto e do misticismo;∂ Desejo de fuga ao presente.
  • 19. O primeiro revivalismo foi o Neogótico∂ Iniciou-se no século XVIII em Inglaterra;∂ Como principais autores temos: - Horace Walpole (1717 a 1785); - James Wyatt (1748 a 1813); - August Pugin (1762 a 1832) e o filho com o mesmo nome (1812 a 1852); - John Ruskin; - Chateaubriand (1768 a 1848); - Viollet-le-Duc (1814 a 1879).
  • 20. O Neogótico ficou materializado por toda a Europa eEstados Unidos:Inglaterra∂ Reedificação do Palácio do Parlamento por Charles Barry (1795 a 1860) e August Pugin.
  • 21. França∂ Monumentos medievais destacando-se Viollet-le-Duc na execução das Muralhas da Cidade de Carcassonne, nas Igejas de Notre-Dame de Paris, Santa Madalena de Vézelay e no Castelo de Pierrefonds;∂ A obra neogótica de raiz foi a Igreja de Santa Clotilde por F.C. Bau (1759 a 1853) e Théodore Ballu (1817 a 1885).
  • 22. Alemanha∂ O Neogótico assumiu um estilo ―nacional‖;∂ A obra mais carismática foi o Castelo de Neuschwanstein (1870) por Georg von Dollmann (1830 a 1895) e localizada nos Alpes Bávaros.
  • 23. Estados Unidos da América∂ Êxito nos edifícios religiosos;∂ A obra mais relevante foi a Catedral de São Patrício (1859 a 1879) por James renwick.
  • 24. Devido à forte tendência foi surgindo outros revivalismosevoluindo, assim, as modas pontuais e a maior excentricidade deencomendadores e arquitectos:∂ Neo-romântico;∂ Neo-renascentista;∂ Neobizantino;∂ Neobarroco.Alimentaram a imaginação e a melancolia românticas.As réplicas tornavam se mais superficiais e teatrais utilizandodimensões pomposas e materiais atractivos.
  • 25. Eclectismos∂ Tendência que reflecte e intrega influências provenientes de várias épocas e estilos combinando as no mesmo edifício;∂ O exemplo mas digno foi a Ópera de Paris (1862 a 1875) por Charles Garnier (1825 a 1898) apresentando características neoclássicas e neobarrocas.
  • 26. Os extismos∂ O gosto pelas culturas exóticas e que excita a imaginação e os sentidos pelo mistério;∂ Espirito romântico, irrequieto, insatisfeito e sonhador do Homem romântico;∂ Na música e no teatro originou-se o gosto pela descrição de histórias, terras e ambientes estranhos;
  • 27. ∂ Influências orientais, chinesas e japonesas;∂ O primeiro exemplo foi no séc. XVIII com a construção do Pavilhão Real (1752 a 1839) por John Nash (1752- 1835) em estilo indo-muçulmano;∂ Um outro estilo foi o Neo-árabe. A Irregularidade dos volumes é acentuada pelas cúpulas bulbosas de diferentes dimensões e alturas e pelas chaminés disfarçadas de minaretes.
  • 28. EmPortugal …
  • 29. Caracteristicas :• Ecletismo• Neomanuelino
  • 30. • Neogótico• Neorromânico
  • 31. ExotismosNeoárabes
  • 32. Autores
  • 33. Nicola Bigaglia/ José Luís Monteiro Luigi Manini
  • 34. Escultur a
  • 35. Execução: mais demorado elento que o das outras artes plásticasMateriais : - mármore -bronze
  • 36. Temáticas: - naturais - alegóricos - fantasistas - históricos - literários - retratos
  • 37. Caracteristicas :• Evitaram-se as composições estáticas e as superficies lisas e polidas• Procurou-se exaltar a expressividade através de composições movimentadas e de sentido dramático• Representavam corpos realistas mas com posições, gestos e faces carregadas de sentimento e emoção• Não faltavam os contrastes de cheios-vazios, os jogos de textura, as superficies aparentemente inacabadas e propositadamente indefinidas
  • 38. • Interesse pelos anseios e enigmas profundos do homem;• Exaltação do sonho, da divagação e da imaginação;• Individualismo e confessionismo;• Valorização do exótico;
  • 39. Autores
  • 40. François Rude• Nasceu em Dijon e trabalhou no negócio de seu pai até os dezesseis anos, recebendo ao mesmo tempo treinamento em desenho de François Devosges.• Depois matriculou-se na Escola Real de Desenho de Dijon e dali transferiu- se para Paris em 1809, estudando com Pierre Cartellier.• Em 1812 recebeu o Prêmio de Roma.
  • 41. • Após se ter casado voltou a Paris, expondo as obras Mercúrio colocando suas sandálias e uma estátua da Virgem Maria para a Igreja de Saint-Gervais, que foram recebidas favoravelmente.• Seus maiores sucessos vieram após 1833, quando recebeu a cruz da Legião de Honra por sua estátua :Jovem pescador napolitando brincando com uma tartaruga
  • 42. August Préault• Antoine-Augustin Préault (1809 - 1879)• É um escultor francês do Romantismo• Nasceu em Marais, em Paris e o seu desejo era ser conhecido por August Préault durante o seu tempo de vida.
  • 43. Clémence Isaure• Jardin du Lusembourg
  • 44. Antoine Louis Barye• Nasceu em Paris a 1796 e faleceu em 1875• Foi um escultor francês.• Assim como a maioria dos escultores da Era Romântica ele começou sua carreira como ourives.• Começou a estudar na École des Beaux Arts em 1818, mas foi só em 1823 que descobriu sua verdadeira vocação, ao principiar seus estudos em desenho e modelagem de esculturas em escala reduzida.
  • 45. ―Teseu e o Minotauro" Em exposição no Louvre
  • 46. Jean-Baptiste Carpeaux• Jean Baptiste Carpeaux 1827 — 1875) foi um pintor e escultor francês.• Filho de um pedreiro• Estudou na Escola de Arquitetura de Valenciennes.• No ano de 1842, foi para Paris e trabalhou em diversos lugares para pagar alguns cursos para completar a sua formação.• Em 1850 entra na fábrica de Duret.• Viaja para Roma em 1854 e em 1866 Napoleón III lhe encarrega da decoração escultural de Pavilion of Flora dando assim sua participação como arquiteto imperial Lefuel.• .
  • 47. A Dança, Ópera Garnier, • Paris
  • 48. Autores PortuguesesVictor Bastos :colaborou na decoraçãoescultórica do Arco da RuaAugusta, no Terreiro doPaço, em Lisboa, ao ladode Célestin AnatoleCalmels, inaugurado em1873. São de sua autoriaas figuras reclinadas, querepresentam os rios Tejo eDouro, assim como asestátuas de Nuno ÁlvaresPereira, Viriato, Marquêsde Pombal e Vasco daGama.
  • 49. António Augusto da Costa Mota, usualmenteconhecido como Costa Mota (Tio), para o distinguir doseu sobrinho e homónimo, também escultor, foi umescultor de grande nomeada dos fins do século XIX eprincípios do século XX, cuja obra é constituída pormonumentos, estátuas, bustos, etc.Célestin Anatole Calmels (1822-1906 (84 anos)) foium escultor francês, que passou grande parte da suavida em Portugal.
  • 50. Pintura
  • 51. ∂ Ideário Romântico melhor se expressou;∂ Alcançou o apogeu entre 1820 e 1850;∂ Finais do séc. XVIII;∂ Influências do Grupo Nazareno e Pré- Rafaelitas, fazendo a transição para o Realismo e o Simbolismo.
  • 52. ∂ Fugindo às regras do neoclássico, o pintor romântico lutou pela livre expressão do seu eu pessoal. - Imaginação - Sonho - Sentimentos - Sensibilidade∂ A arte, segundo os impulsos da alma, tornou-se individualizada e diversificada sob o ponto de vista estilístico. Algo notório também a nível temático.
  • 53. ∂ Características: - Temáticas: - Históricas; - Literárias; - Mitologias; - Retrato captadas de modo subjectivo, emocional e psicológico.∂ Outros temas já do renascimento: - Actualidade político-social da época; - Mundo do sonho e do fantástico; - Costumes populares; - Tradições, hábitos e raças; - Vida Animal; - Paisagem.
  • 54. ∂ Modo de Execução: - Espontaneidade - Individualismo∂ Muito influenciada ainda pelo academismo neoclássico.∂ Liberta-se do neoclássico pela maneira como sobrevaloriza a cor.∂ Transforma-se no elemento principal da forma.
  • 55. ∂ A pintura apresenta também, traços estilísticos comuns: - Cor sobre o desenho linear; - Intensos efeitos de claro-escuro; - Óleo e aguarela; - Estruturas agitadas e movimentadas; - Figura Humana.
  • 56. Autores:EUA:∂ Benjamim West (1738-1820)∂ John Singleton Copley (1738-1815)
  • 57. Inglaterra:∂ Georges Stubbs (1724-1806)∂ William Blake (1757-1827) William Blake, Piedade, 1795
  • 58. ∂ John Constable (1776-1837) John Constable, O Campo de Trigo, 1826
  • 59. ∂ William Turner (1755-1851) William Turner, Paz, Funeral do Mar, 1842
  • 60. França:∂ Théodore Géricault (1791-1824) Théodore Géricault, Retrato de um Alienado Cláptomano, 1882
  • 61. ∂ Eugène Delacriox (1798-1863) Eugène Delacroix, A Liberdade Guiando o Povo, 1830
  • 62. Suiça:∂ Henri Füssli (1741-1825) Henri Füssli, Titânia, Buttom e as Fadas, 1794
  • 63. Alemanha:∂ Caspar David Friedrich (1774-1840) Caspar David Fredrich, O Caçador na Floresta, 1813-14
  • 64. Espanha:∂ Francisco Goya (1746-1828) Francisco Goya, O 3 de Maio de 1808 em Madrid, 1814
  • 65. A Pintura Romântica em Portugal∂ Chegou tarde a Portugal e por influência de alguns artistas estrangeiros que trabalhavam no país.∂ Sem objectivos concretos e consistentes, manifestou-se através paisagens confundindo-se com o Naturalismo.∂ A pintura não foi uma área muito relevante do romantismo em Portugal, como foi a literatura.
  • 66. Temáticas:∂ Histórica;∂ De Género;∂ Paisagem;∂ Cenas místicas;∂ Retrato.
  • 67. Autores:∂ Agusto Roquemont (1804-1852) Génova, naturalizado português;∂ Luís Pereira Meneses (1817-1878); Luis Pereira Meneses, D. Carlota, viscondessa de Meneses, 1862
  • 68. ∂ Tomás da Anunciação (1818-1879;∂ João Cristino da Silva (1829-1877);∂ Leonel Marques Pereira (1828-1892);∂ Francisco Metrass (1825-1861);∂ Miguel Ângelo Lupi (1826-1883);∂ Alfredo Keil (1850-1907).
  • 69. Lewis Hine
  • 70. ∂ Professor e fotógrafo americano : Fotografia documental.∂ Procurava alertar, ensinar e transmitir mensagens acerca de problemas sociais aos espectadores através das suas
  • 71. ∂ As suas fotos contribuíram para que leis de protecção de jovens fossem criadas, e que houvesse uma melhoria nas condições de trabalho para o resto dos cidadãos.∂ Um dos seus melhores trabalhos foi sobre Ellis Island onde os emigrantes com esforço construíram a Nação.∂ Reconhecimento das suas fotografias apenas após a sua morte.
  • 72. Ellis Island∂ Porto de Nova Iorque∂ Partiam e chegavam emigrantes de diversos países numa altura em que os Estados Unidos passava por uma crise e havia grandes injustiças sociais (1905-20)
  • 73. ∂ Hine usava a sua esperteza para invadir fábricas de forma subtil, para poder fotografar. Inventava desculpas para entrevistar as crianças e escondia a sua câmera, fingindo tomar notas num bloquinho.
  • 74. ∂ Serviu para mostrar como na realidade milhões de emigrantes viviam marginalizados em Nova York e noutras cidades, ganhando miseráveis salários em empregos onde eram praticamente escravizados.
  • 75. ∂ A emigração para os Estados Unidos ofereceu a alguns fotógrafos uma rara oportunidade de poder ver a terra da promissão e liberdade atraindo para si os famintos e desabrigados da Europa. Para Lewis Hine, a oportunidade serviu para mostrar as suas preocupações sociais através das suas fotografias de Ellis Island.
  • 76. Video:http://www.youtube.com/watch? v=Xrv0YitIQiA