Your SlideShare is downloading. ×
0
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
HCA   grupo D
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

HCA grupo D

1,963

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,963
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
88
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Introdução• As artes portuguesas da primeira metade do século XX, reflectindo as dificuldades estruturais do país, registaram grande desfasamento em relação á Europa;• Em 1912, um grupo de jovens artistas realizou o I Salão dos Humoristas;
  • 2. • Em 1915, realiza-se a I Exposição dos Humoristas e dos Modernistas, e a publicação da revista Orpheu, fundada por Fernando Pessoa (1888-1935), aos quais se juntaram Almada Negreiros e Santa-Rita, e outros.• A partir de 1933, o Estado Novo passou a controlar a produção intelectual sob o tríptico ideológico de “Deus, Pátria e Família”, criando uma arte nacionalista, que teve o seu palco na Exposição do Mundo Português, em 1940.
  • 3. • Nos anos 50 a evolução cultural do mundo ocidental estimulou a intelectualidade portuguesa cuja vanguarda continuo, nos anos 60, a viver á margem do regime.• Em Portugal, só se pode falar de Modernismo a partir de 1915 para as artes plásticas e de 1925- 30 para a arquitectura, mas vivendo sempre paredes-meias com a arte nacionalista.
  • 4. • Em Portugal, só se pode falar de Modernismo a partir de 1915 para as artes plásticas e de 1925- 30 para a arquitectura, mas vivendo sempre paredes-meias com a arte nacionalista.
  • 5. PinturaDevido à permanência do Naturalismo nesta época,as expressões modernistas manifestaram-se dediversas formas:• Através do modelo, o sentir simbolista e expressionista de António Carneiro;• Com a chamada Primeira Geração Modernista
  • 6. António Carneiro• Pintor e poeta de “Solilóquios” (1936)• temática religiosa e mística• Gostava de utilizar sanguínea como material de pintura e era mais hábil a pintar paisagens e marinhas, sendo algumas monocromáticas Auto-retrato de António Carneiro
  • 7. Algumas das suas obras… Nocturno de Antonio Carneiro (1910)
  • 8. Contemplação de Antonio Carneiro(1911)
  • 9. Primeira Geração ModernistaA esta geração pertenceram varios modernistas:• Eduardo Viana (1881-1967)• Amadeu de Souza-Cardoso (1887-1918)• Santa-Rita (1889-1918)• Almada Negreiros (1893-1970)• José Pacheko (1885-1934)• Cristiano Cruz (1892-1951)
  • 10. • Devido a polémica levantada por estas modernistas, surgiu uma agitação nos meios artísticos portugueses, o que deu origem a uma primeira renovação da pintura.• Do Naturalismo ao Expressionismo, deu-se um maior valor à tendência para simplificar a linha, valorizar mais as cores claras e contrastantes em desfavor da perspectiva, aproximando o A Ascensão do Quadro Verde, Amadeo fundo da figura de Souza Cardoso (1917)
  • 11. Eduardo Viana• Pintor naturalista, mas no inicio da sua carreira enveredou pelo protocubismo cezanniano em termos de forma• Em 1915, conheceu o Orfismo e os Delaunay, o que deu origem as suas obras inspiradas na plástica Eduardo Viana órfica
  • 12. Algumas das suas obras… Nu de Eduardo Viana (1926)
  • 13. A Revolta das Bonecas de Eduardo Viana(1916)
  • 14. Amadeo de Sousa-Cardoso• Caracterizou-se devido à sua facilidade em experimentar várias correntes como o Naturalismo, o Expressionismo e o Cubo-Futurismo Amadeo de Sousa-Cardoso
  • 15. • Participou em exposições em Paris, em Berlim e em Nova Iorque e teve contacto com grandes personalidades do mundo artistico como Picasso, Braque e o casal Delaunay• Teve maior destaque pelas suas máscaras, pelas naturezas-mortas, pelas paisagens e pelas violas• Foi também um inovador pelo uso de matérias (pasta de óleo, areias)Procissão do Corpus Christide Amadeo Sousa-Cardoso
  • 16. Guilherme Santa-Rita• Conhecido como Santa-Rita Pintor• Pintor futurista que procurava a originalidade• Foi considerado “um tipo fantástico e insuportavelmente vaidoso” reflexo da sua complexa personalidade• Andou entre o desafio conceptual e a pintura futurista italiana• Foi um agitador de ideias, um inovador no campo estético e organizador da revista Portugal Futurista, em 1917
  • 17. Algumas das suas obras… A cabeça de Guilherme Santa-Rita (1912)
  • 18. Almada Negreiros• Teve um importante papel junto do publico• Possui de uma personalidade excêntrica e original• Para além de pintor foi também cenógrafo, bailarino, caricaturista, pintor e dinamizador, nomeadamente nas revistas Orpheu e Portugal Futurista- Poeta do Orpheu e Tudo• Em 1919, não estando satisfeito com o ambiente cultural português, partiu para Paris, tendo assim a sua pintura regressado à ordem, dento do cubismo
  • 19. Algumas das suas obras… A Maternidade de Almada Negreiros (1935)
  • 20. Retrato de Fernando Pessoa de Almada Negreiros(1964)
  • 21. Segundo Modernismo• Seguiu-se um Segundo Modernismo que ganhou estatuto como arte tutelada pelo Estado. As temáticas eram nacionalistas e ruralistas, as formas de representação eram meramente figurativa e as cores eram claras e calmas.Pintura de Vieira da Silva
  • 22. • A partir de 1940 os artistas começaram a emigrar e outros adquiriram o estatuto de “artista apolítico”, que lhes permitiu sobreviver e outros lutaram, para conhecer e acompanhar as novidades artísticas internacionais, num espírito de oposição á ditadura, estimulados pelo desejo de uma participação democrática na vida política e cultural portuguesa que abrangeu também na cultura e no cinema.• Pelas diferentes linguagens plásticas e pelo espírito crítico nem sempre foram compreendidos pelo público.
  • 23. EXPRESSIONISMO•Passou da expressão da dor quotidianaao visionarismo.•Passou da sátira contra a burguesia àternura e ao lirismo.•Usando cores vivas e elementosdecorativos populares.•A técnica académica é ainda utilizada.
  • 24. Mário Eloy• Passou por Paris e Berlim, onde expos ao lado de Braque, Picasso, Chagal, Kokoschka, entre outros• Pintava com lápis, penas, tinta e óleo• Nos seus trabalhos realçava a luz, a expressividade das cores e tons frios, como por exemplo azul ou verde• As suas obras apresentavam um cuidado com o rigor construtivo no arranjo das formas e das figuras• Foi o pintor mais importante do Expressionismo figurativo em Portugal
  • 25. Algumas das suas obras… Auto-retrato de Mário Eloy (1936)
  • 26. Bailarico de Mário Eloy (1936)
  • 27. Neorrealismo•Corrente artística de meados do século XX•ideológico marcadamente de esquerda•teve ramificações em várias formas de arte•atingiu o seu expoente máximo no Cinemaneorrealista•Em Portugal o neorrealismo marcou aspropostas de pintura de pendor social dos anos30 e•carácter social e de denúncia
  • 28. Surrealismo•foi um movimento artístico e literário•inserido no contexto das vanguardas queviriam a definir o modernismo•Reúne artistas anteriormente ligados aoDadaismo•dimensão internacional•dos principais manifestos do movimento é oManifesto Surrealista de 1924
  • 29. António Pedro•Nasceu a 9 de Dezembro de1909, na cidade da Praia, emCabo Verde.•Frequentou a Faculdade deDireito e de Letras de Lisboa•Fundador e director dojornal A Bandeira (Lisboa)•Fundou a primeira galeria dearte moderna em Lisboa
  • 30. Algumas das suas obras… Intervenção romântica
  • 31. Rapto na paisagem povoada
  • 32. Mário Cesariny•Natural de Lisboa•Na Escola António Arroio conheceualguns dos seus futuros companheirossurrealistas•Forma o Grupo Surrealista Português•Muitas obras incluem palavrasrecortadas, conjugações de textos eimagens, e outras formas experimentais•Pinturas, colagens, ‘soprografias’, ecadavres-exquis fazem parte da sua obraplástica.
  • 33. Algumas das suas obras… Jindra Neowi
  • 34. Mandrágora
  • 35. Escultura• Na escultura permaneceu a sensibilidade oitocentista;• Foi submetida às exigências da encomenda pública e às concessões ideológicas dominantes;• Imposição de princípios básicos, como uma leitura visual fácil, uma certa estilização abstracta e monumentalidade.• A aproximação ao modernismo fez-se a partir dos finais de 50 com o surrealismo, o Neorrealismo e o Abstraccionismo.
  • 36. Francisco Franco• Desenvolveu um forte sentido de monumentalidade e de volumetria, e seguiu o gosto nacional até aos anos 60 que o tornou escultor do regime.
  • 37. Algumas das suas obras… Estátua Equestre de D. João IV, Vila Viçosa, 1938
  • 38. Diogo de Macedo• autor de esculturas de feição clássica e, mais tarde, historiador e crítico de arte.
  • 39. Canto da Maya• foi original devido á expressividade e sensibilidade com marcas da estética da arte Déco.
  • 40. Leopoldo de Almeida• cuja passagens por Itália influenciou algumas das suas figuras classizicizantes, mas a suas obras histórica e nacionalista foi o Padrão dos Descobrimentos.
  • 41. Algumas das suas obras… D.Dinis, 1943
  • 42. Salvador Barata-Feyo• foi escultor mais perto do realismo simbólico, algo expressionista e rodinesco.
  • 43. Algumas das suas obras… Garret, Lisboa,1945
  • 44. Jorge Vieira• Integrado no Abstraccionismo geométrico• Recebeu influencias de Moore, Butler, Tatline, do Simbolismo e do Surrealismo
  • 45. Algumas das suas obras… Maqueta para o Monumento ao Prisioneiro Politico Desconhecido de Jorge Vieira (1953)
  • 46. Homem Sol, expo 98
  • 47. Marcelino Vespeira• Foi pintor e escultor surrealista
  • 48. Algumas das suas obras… O Menino Imperativo de Marcelino Vespeira (1951)
  • 49. ARQUITECTURA•1905-1960 várias tendências artísticas paralelas,sequenciais e complementares•Uma delas foi a formulação da Casa Portuguesa publicadaem 1933 por Raul Lino•Recuperação dos valores tradicionais• O ambiente e terreno onde se encontravam atendiam àsexigências funcionais e a princípios usados livremente•A cobertura possuía uma sanca com uma molduraornamental•O alpendre enfatizava os valores formais da arquitectura•Os vãos eram guarnecidos de cantaria•Eram pintados ou de branco, ou com cores sendo tambémutilizados os azulejos
  • 50. •Outra das tendências foi a que seguiu osesquemas académicos e ecléticos•Centrava-se nas grandes cidades, Porto e Lisboa•Eram construídos prédios e novos bairros para amédia burguesia•A edificação era confiada a engenheiros ou amestres-de-obras•Não tinha preocupações estéticas•Eram usados materiais de qualidade, como oferro•Os prédios tinham 6 andares e as fachadas erammonótonas
  • 51. Modernismo•durante o Estado Novo•preocupações em conjugar formas domodernismo europeu com o nacionalismosalazarista•dificuldades económicas e financeiras, nãopropiciaram os empreendimentosarquitectónicos, normalmente dispendiosos•o pouco que se construiu permaneceufechado à inovação e revela a persistênciados esquemas arquitectónicos clássicos.
  • 52. ARQUITECTURA NACIONAL•Foi lançada pelo Estado Novo•Baseada no ideário artístico e político queAntónio Ferro defendia•Esta arquitectura utilizou as tecnologias daarquitectura modernista•Impunha um estilo único•As suas formas eram monumentais,simétricas, austeras e estáticas•As fachadas eram decoradas com linhas ArtDéco, com baixos relevos no plano central dafachada
  • 53. Cassiano Branco• Um dos maiores inventivos representantes da arquitectura na época• Mudou a imagem de Lisboa, especialmente nas fachadas dos prédios, nos convidativos cafés e na modernidade dos cinemas Restauradores e Éden.• Branco fez inúmeros projectos, alguns nunca materializados como por exemplo a urbanização para a Costa da Caparica, a ponte sobre o Tejo, entre outros
  • 54. Algumas das suas obras… Projecto da Urbanização para a Costa da Caparica
  • 55. Cristino da Silva• Autor do projecto modernista do Capitólio, da Praça do Areeiro e do prolongamento da Avenida da Liberdade• Tornou-se o “mentor estético da arquitectura oficial dos anos 40”.
  • 56. Algumas das suas obras…Praça do Areeiro de Cristino da Silva
  • 57. Pardal Monteiro• Arquitecturo-engenheiro que as suas obras harmonizou técnica e estética• Destacava-se e era conhecido como “o precursor do Modernismo em Portugal”• Foi autor do projecto da, em Lisboa
  • 58. Algumas das suas obras… Projecto da Igreja de Nossa Senhora de Fátima
  • 59. Carlos Ramos• Autor do Pavilhão do Rádio no instituto de Oncologia em Lisboa• Foi um teórico e representante da arquitectura modernista nacional.
  • 60. Algumas das suas obras… Pavilhão do Rádio no instituto de Oncologia em Lisboa
  • 61. Jorge Segurado• Criou o monumental Casa da Moeda Maqueta da Casa da Moeda
  • 62. CASO PRÁTICO

×