Your SlideShare is downloading. ×
RevoluçAo Industrial
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

RevoluçAo Industrial

74,114
views

Published on

Revolução agrícola e industrial

Revolução agrícola e industrial

Published in: Education

6 Comments
10 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
74,114
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
20
Actions
Shares
0
Downloads
1,164
Comments
6
Likes
10
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. REVOLUCAO INDUSTRIAL
  • 2. O que é a revolução industrial?
    • É o conjunto de
    • transformações técnicas,
    • económicas e sociais
    • caracterizadas pela
    • substituição da energia
    • física pela mecânica,
    • da ferramenta pela
    • máquina e da
    • manufactura pela fábrica.
  • 3. Localização temporal e espacial
    • Inglaterra, no inicio do séc. XVIII alargando-se gradualmente a vários países da Europa e da América do Norte na
    • segunda metade do
    • séc. XIX.
  • 4.
    • Início: ING, séc XVIII .
    • Fases:
    1ª REV. INDUSTRIAL 2ª REV. INDUSTRIAL 1760 - 1860 1860 – 1914 ING, FRA e BEL ALE, ITA, RUS, EUA, JAP FERRO – CARVÃO - VAPOR AÇO – PETRÓLEO - ELETRICIDADE CAPITALISMO LIBERAL E INDUSTRIAL CAPITALISMO FINANCEIRO E MONOPOLISTA
  • 5. Revolução agrícola
    • Melhorias técnicas:
    • - Introdução de novas culturas.
    • - Selecção de sementes e de
    • animais reprodutores
    • - Enriquecimento dos solos .
    • - Sistema de rotação quadrienal.
    • Aumento da área cultivada:
    • - Formação de grandes propriedades (enclosures)
    • - Drenagem de pântanos
  • 6. Consequências
    • Aumento da produtividade
    • Melhoria na alimentação
    • Aumento demográfico
    • Aumento da mão de obra
    • Crescimento urbano
  • 7. Condições da prioridade inglesa:
    • Abundância de matérias primas
    • Muita mão de obra disponível
    • Desenvolvimento das manufacturas
    • (como a lançadeira volante; o tear
    • mecânico e a maquina a vapor)
    • Vasto mercado de escoamento dos produtos. (metrópole e colónias)
    • Boas vias de comunicação
    • Burguesia e nobreza dinâmicas e empreendedoras
    • Existência de capitais para investir
  • 8. Sectores de arranque
    • Finais do séc. XVIII e meados do séc. XIX
    • Industria Têxtil ( algodão) junto aos cursos de água e próxima dos portos.
    • A partir de 1830
    • Industria metalúrgica e
    • mineira
    • Segunda metade do séc. XIX
    • Industria química
    • Electricidade
  • 9. Alterações no regime de produção
    • Manufactura ( trabalho manual ) foi substituída pela maquinofactura (trabalho com recurso a maquina)
    • As oficinas foram
    • substituídas pelas
    • fábricas
    • O artesão deu lugar
    • ao operário
  • 10. Consequências das alterações no regime de produção
    • Desvalorização do trabalho
    • - Repetitivo e mecanizado
    • - Mulheres e crianças utilizadas
    • como mão de obra barata
    • Degradação das condições de
    • trabalho e de vida
    • As cidades tornaram-se sujas,
    • desordenadas e poluídas
  • 11. O Mundo industrializado do séc.XIX
  • 12. A hegemonia inglesa
    • Até meados do séc. XIX a
    • Inglaterra liderou o processo
    • de industrialização.
    • Era o país que mais produzia
    • ( têxteis, maquinas locomotivas,
    • etc.) e exportava .
    • Os lucros eram reinvestidos
    • em novos negócios
  • 13. Novas potencias industriais
    • A partir de 1870 a Revolução Industrial alastrou-se
    • a outros países da Europa - aos Estados Unidos e ao
    • Japão.
  • 14. Alemanha
    • Dedicou-se as industrias metalúrgicas
    • No sector industrial apresentou um grande desenvolvimento sobretudo:
    • a industria do algodão
    • dos produtos químicos
  • 15. França
    • Dedicou-se a construção da rede de caminhos de ferro
    • Desenvolveu os sectores
    • da exploração mineira
    • e da metalurgia
  • 16. Estados Unidos da América
    • Aparecimento de novas industrias sobretudo:
    • sectores da metalurgia; e
    • sectores do têxtil algodoeiro
    • Inovações na ciência e
    • nas técnicas
  • 17. Japão
    • Começou a industrialização nos finais do séc. XIX
    • Quando pela força foi obrigado a abrir os seus
    • portos ao comercio o imperador resolveu iniciar
    • uma revolução para modernizar o país.
    • Iniciou-se assim a era Meiji
    • (do progresso) com:
    • construção de fabricas
    • caminhos de ferro
    • construção naval
    • industria têxtil algodoeira
  • 18. Revolução dos transportes
    • Iniciou-se com:
    • a aplicação da maquina a vapor ao barco (invenção de Fulton em 1803) e a locomotiva ( invenção de Stephenson em 1816).
    • A navegação a vapor com
    • a construção de grandes
    • paquetes em metal.
    • Nos transportes terrestres destacou-se o comboio.
  • 19. Sua importância
    • A formação de companhias de navegação de longo curso – Great western;
    • Deslocação de milhões de pessoas da Europa para a América – emigração europeia;
    • Deslocação de
    • pessoas e bens mais
    • rápida e mais segura
  • 20. Novas fontes de energia novos inventos técnicos novas industrias
    • Avanços na ciência e técnica:
    • invenção da turbina e do dínamo
    • descoberta de poços de petróleo
    • invenção do motor de combustão
    • Permitiram a utilização de novas
    • fontes de energia:
    • a electricidade e o petróleo.
  • 21.
    • Surgiram novas industrias como:
    • A industria química ( medicamentos, fertilizantes, explosivos, etc.)
    • A industria de materiais eléctricos que produzia aparelhos eléctricos.
    • A industria do aço devido
    • a construção de maquinas,
    • pontes e caminhos de ferro.
    Continuação
  • 22. Capitalismo financeiro
    • O liberalismo económico que defendia a liberdade de iniciativa e de concorrência e a não intervenção do Estado na economia levou ao desenvolvimento de grandes empresas.
    • Levou também a um desenvolvimento da Banca:
    • - os empresários recorriam a empréstimos
    • para comprar maquinas e matérias primas,
    • - o grande comercio exigia novas formas
    • de pagamento ( notas bancárias, letras,
    • cheques)
    • A Bolsa e as sociedades anónimas
    • também se desenvolveram .
  • 23. Continuação
    • Empresas atingiram um poderio forte que passaram a controlar a produção e a venda de determinados produtos.
    • Aquelas que não conseguiram
    • competir faliram ou foram
    • compradas pelas grandes empresas.
    • Formaram-se grandes
    • concentrações empresariais
    • ou monopólios.
  • 24. Uma sociedade em mudança A revolução agrícola e industrialização levaram ao crescimento das cidades. O êxodo rural em busca de melhores condições de vida e melhores salários foi facilitado pelo desenvolvimento dos transportes.
  • 25. Continuação
    • Todavia, o crescimento urbano trouxe problemas como:
    • desenraizamento e insegurança
    • das populações,
    • aumento da delinquência, do
    • alcoolismo e da mendicidade,
    • emigração pois nas cidades não
    • havia emprego para todos.
  • 26. Sociedade e mentalidade burguesas
    • E uma sociedade de classes onde a importância de cada um dependia da sua profissão do que fazia e do que possuía.
    • A burguesia ocupava lugar de destaque e
    • dividia-se em:
    • Alta burguesia ( industrial e financeira)
    • - liderava a economia
    • - influenciava o poder politico
    • - ditava as modas
    • - impunha um modelo de vida
    • - formas de diversão
  • 27. Continuação
    • Media e baixa burguesia ( classe media) composta por:
    • - pequenos e médios empresários e profissionais liberais como médicos, engenheiros, advogados, etc.
    • No estrato mais baixo estava
    • o proletariado composto pela
    • grande massa de operários que
    • enchia as cidades
  • 28. O operariado industrial
    • A industrialização e o crescimento
    • das cidades foram acompanhadas
    • pelo aumento do operariado.
    • A vida dos operários era difícil,
    • os salários eram baixos trabalhavam
    • em mas condições durante 15 ou
    • mais horas por dia.
    • A mão de obra infantil e feminina
    • era mais barata.
  • 29. Continuação
    • O proletariado trabalhava em fabricas com mas condições de higiene e segurança, e vivia em casas insalubres e mal iluminadas.
    • Eram pequenos espaços onde viviam famílias numerosas.
  • 30. Continuação
    • Estas condições de vida favoreceram:
    • - o aparecimento e a propagação
    • de graves doenças;
    • - a degradação de vida e a
    • miséria moral;
    • - descontentamento;
    • - revoltas e agitação social.
    • Foi neste ambiente que nasceu e se desenvolveu o movimento operário e sindical e se desenvolveram as ideias do socialismo.
  • 31. Movimento sindical Surgiram em Inglaterra no inicio do sec. XIX as primeiras associações de operários algumas das quais deram origem a sindicatos. Em 1825 os primeiros sindicatos uniram-se formando as “ Trade Unions” Em 1864 foi fundada a associação internacional dos trabalhadores pelos sindicatos ingleses e franceses sobre a orientação de Karl Marx
  • 32. Continuação
    • Funções das associações:
    • - chamar a atenção dos governos e da população para as difíceis condições em que viviam os operários;
    • - lutar para conseguir que os patrões melhorassem as condições de trabalho;
    • - lutar para que o governo apoiasse mais a população dando melhores condições de vida.
  • 33. Países de difícil industrialização O caso português Em Portugal a industrialização arrancou mais tarde. Enquanto ao longo do sec.XIX países como a Inglaterra, Estados Unidos, Alemanha e o Japão tiveram um grande desenvolvimento na agricultura, industria e nos transportes em Portugal, as inovações chegaram mais tarde.
  • 34. O atraso na agricultura
    • Factores:
    • instabilidade politica
    • distribuição desigual da população activa do país
    • atraso das técnicas agrícolas e dos sistemas de irrigação
    • analfabetismo das populações rurais
    • debilidade do mercado
    • interno
  • 35. Tentativas de modernização
    • Foi no período conhecido por
    • Regeneração ou Fontismo que
    • Portugal arrancou para a sua
    • modernização.
    • A acção mais notável deste
    • período foi a revolução dos
    • transportes.
  • 36. Continuação
    • Principais medidas criadas por Fontes Pereira de Melo:
    • inicio da construção da rede de caminhos de ferro;
    • abertura de novas estradas e a construção de pontes.
    • instalação da primeira linha de telegrafo
    • instalação dos primeiros telefones
    • alargamento dos serviços postais
    • arranco das primeiras carreira regulares
    • de barcos a vapor.
  • 37. A Tímida Industrialização
    • A revolução industrial só se iniciou em Portugal na segunda metade do sec. XIX apresentando assim um razoável atraso face a muitos países europeus.
    • Todavia, neste século Portugal apresentou uma evolução face ao passado.
  • 38. Continuação
    • Causas do fraco desenvolvimento industrial:
    • a instabilidade politica;
    • o atraso das técnicas agrícolas
    • e dos sistemas de irrigação;
    • o analfabetismo das populações
    • rurais;
    • a debilidade do mercado interno;
    • a forte imigração para o Brasil;
    • concorrência difícil face a industria
    • dos outros países da Europa.
  • 39. Continuação
    • Só a partir de meados do séc. XIX se assistiu ao desenvolvimento da industria
    • portuguesa devido:
    • ao aumento do número de
    • máquinas;
    • crescimento do número de
    • patentes de invenções;
    • aumento da produtividade;
  • 40. Continuação
    • Principais sectores industriais:
    • têxtil
    • tabaco
    • moagem
    • cerâmica
    • vidro
    • industrias corticeiras
    • industria química
    • fósforos
    • etc.
  • 41. Dependência face ao estrangeiro
    • Causas:
    • a produção artesanal continuava a prevalecer sobre a produção manufactureira e fabril;
    • a população continuava ligada a uma agricultura pouco produtiva;
    • A dependência económica de Portugal, sobretudo em relação a Inglaterra, aumentou com a revolução dos transportes e com a industrialização pois tínhamos de importar os materiais a empregar nestes sectores.
  • 42. Trabalho elaborado por: Guilherme Mouta Ramos n.º 11, 8º B
  • 43. FIM