Mitologia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Mitologia

on

  • 8,974 views

 

Statistics

Views

Total Views
8,974
Views on SlideShare
8,971
Embed Views
3

Actions

Likes
3
Downloads
257
Comments
0

2 Embeds 3

http://lnx.iessantaeugenia.org 2
http://www.slideshare.net 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Mitologia Mitologia Presentation Transcript

  • Indice
    • Introdução
    • Mitologia
    • Mitologia Grega
    • Monte Olimpo
    • Os Deuses:
    • Afrodite
    • Apolo
    • Ares
    • Artemis
    • Atena
    • Dionisio
    • Hades
    • Poseidon
    • Zeus
    • Os Deuses Mortais:
    • Andrômeda
    • Ofreu
    • Pandora
    • Monstros:
    • Centauros
    • Hidra
    • Medusa
    • Scylla
    • Sereias
    • Animais Sagrados:
    • Pégaso
    • O Mundo dos Mortos
  • Os gregos criaram vários mitos para poder passar mensagens para as pessoas e também com o objetivo de preservar a memória histórica de seu povo. Há três mil anos, não havia explicações científicas para grande parte dos fenômenos da natureza ou para os acontecimentos históricos. Portanto, para buscar um significado para os fatos políticos, econômicos e sociais, os gregos criaram uma série de histórias, de origem imaginativa, que eram transmitidas, principalmente, através da literatura oral. Introdução
  • Mitologia Na antiguidade o ser humano não conseguia compreender nem explicar a natureza e os fenômenos naturais. Então, dava nomes ao que não podia explicar e passava a considerar os fenômenos como "deuses". O trovão inspirava um deus, a chuva outro. O céu era um deus pai e a terra, uma deusa mãe e os demais seres, seus filhos. O homem criava, a partir do inconsciente, histórias e aventuras que explicavam de forma poética e profunda o mundo que o rodeava. Estas "histórias divinas" eram passadas de geração em geração e adquiriam um aspecto religioso, tornando-se mitos porque tinham um caráter atemporal e eterno, já que diziam respeito aos conflitos e desejos que qualquer ser humano poderia ter. A um conjunto de mitos de mesma origem histórica (mesmo país, região), dá-se o nome de mitologia .
  • Há dois principais motivos que fazem da mitologia grega a mais estudada das mitologias: sua racionalidade e sua importância histórica como base da civilização ocidental. Diz-se que os gregos antigos possuíam um "gênio racional", uma mente lógica por excelência. Esta mente lógica adaptou os mitos pré-existentes (de povos muito antigos) às necessidades da razão. Assim, os absurdos foram corrigidos e os mitos mais coerentes foram formando a mitologia do povo grego. Em Os Cavaleiros do Zodíaco, Masami Kurumada faz uma interessante associação dos personagens com a mitologia grega. Certamente o autor fez um estudo minuscioso e não perdeu nenhum detalhe. Há personagens que representam os deuses e semi-deuses. Também são referência heróis, monstros e animais sagrados dos mitos gregos, além de outras personalidades mitológicas conhecidas. Mitologia Grega
  • Diz a lenda que os deuses escolheram o Monte Olimpo como seu lar. Era o ponto mais alto da Grécia, localizado em uma região conhecida por Tessália. No Olimpo, cada deus possuía o seu palácio. O mais belo e brilhante era o de Zeus. Todas as manhãs, quando a Aurora de dedos róseos abria o Céu para libertar os cavalos do Sol, todas as divindades olímpicas reuniam-se na habitação de seu chefe: "Zeus o rei dos deuses". Monte Olimpo
  • Os Deuses Os deuses individuais eram associados a três domínios principais: o céu (ou paraíso), o mar e a terra. Os doze deuses chefes (chamados de olimpianos) eram Zeus, Hera, Poseidon, Deméter, Apolo, Atena, Hefestos, Hermes, Afrodite, Ares, Artemis e Dionísio. No Olimpo os deuses alimentavam-se de uma planta de sabor agradável, a ambrósia. Os deuses gregos tinham caracteristicas antropomórficas, isto é, eram representados por ídolos com formas humanas. Eram considerados semelhantes aos homens, possuíndo também sentimentos bons ou maus, com a única diferença de serem imortais. Os deuses ficavam irritados, se fossem esquecidos, e satisfeitos quando eram lembrados. Eles empregavam castigos severos a mortais que mostravam comportamento inaceitável, tal como orgulho, ambição extrema, blasfêmia ou desafiar os deuses, e prosperidade excessiva.
  • Deusa do saber Atena Rei do Olimpo e dos Deuses Zeus Deus dos mares e da navegação Poseidon Deusa-rainha do Olimpo Hera Deus do comércio e do roubo Hermes Deusa da beleza Afrodite Deus dos infernos (tártaro) Hades Deus do Universo Ouranos Deus do tempo Cronos Deus da guerra Ares Atributos Nome
  • Deusa do fogo e do lar Héstia Deus da luxúria e do vinho Dioniso Deus do amor Eros Deusa da Terra, esposa de Saturno Réia Deusa da juventude Hebe Deusa da agricultura Deméter Deus da luz e do Sol Apolo Ferreiro dos Deuses Hefaístos Deusa do arco-íris Íris Deusa da caça Ártemis Deusa-rainha do Hades (tártaro ou inferno) Perséfone
  • Perfil dos Deuses
    • Afrodite (em grego, Αφροδίτη) - deusa do amor e da beleza; filha de Zeus e Dione, segundo uma tradição, e, segundo outra, nascida da espuma do mar na ilha de Chipre. Ela casou-se com Hefestos, mas o traiu com deuses (Ares, Hermes, Poseidon e Dionísio) e também com mortais (Anquises, Adônis). Por ser mãe de Enéias, os romanos a consideravam a ancestral da família Júlia e, por conseguinte, padroeira de Roma. Afrodite era adorada sob duas formas: "Afrodite Urânia", deusa do amor puro, e "Afrodite Pandêmia", deusa do amor vulgar. Ela possuía um cinturão mágico de grande poder sedutor e os efeitos de sua paixão eram irresistíveis. As lendas frequentemente a mostram ajudando os amantes a superar todos os obstáculos.
    • Apolo (em grego, Απόλλων) - deus da luz benéfica (ou deus do Sol); filho de Zeus e de Leto, também chamado Febo, irmão gêmeo de Artemis, nasceu às fraldas do monte Cinto, na ilha de Delos. A lenda mostra Apolo, ainda garoto, combatendo contra o gigante Títio e matando-o, e contra a serpente Píton, monstro saído da terra, que assolava os campos, matando-a também. Apolo é, porém, também concebido como divindade maléfica, executora de vinganças. Em contraposição, assim como ele dá a morte, também dá também a vida: é médico, deus da saúde, amigo da juventude bela e forte. É o inventor da adivinhação, da música e da poesia, condutor das Musas, afasta as desventuras e protege os rebanhos
    • Ares (em grego, Αρης) - deus da guerra; filho de Zeus e de Hera. Deleitava-se com a guerra pelo seu lado mais brutal (carnificina e derramamento de sangue). Inimigo da serena luz solar e da calmaria atmosférica, ávido de desordem e de luta. Ares era detestado pelos outros deuses; o próprio Zeus o odiava. Tinha como companheiros nas lutas Éris - sua irmã, deusa da discórdia; Deimos e Fobos - seus filhos, que representavam o espanto e o terror; e Ênio, a deusa da carnificina na guerra. Seus amores com Afrodite foram descobertos pelo marido desta, Hefaístos, que envolveu astutamente os amantes numa rede para levá-los ante o soberano juízo dos deuses e assim demonstrar a traição. Com Afrodite, Ares teve 5 filhos: Harmonia, Eros (deus do amor; também conhecido como Cupido), Anteros, Deimos e Fobos.
    • Artemis (em grego, Άρτεμις) - deusa da Lua, do nascimento e da caça; filha de Zeus e Leto, irmã gêmea de Apolo. Representava a mais luminosa encarnação da pureza feminina (permaneceu eternamente virgem). Artemis declinava-se, circundada por suas ninfas, a vagar de dia pelos bosques caçando feras e, à noite, com o seu pálido raio da Lua, mostrava o caminho aos viajantes. Quando a Lua se escondia pelas nuvens, Artemis tomava o nome de Hécate, tornando-se ameaçadora, feroz e vingativa, e provocando medo nos homens.
    • Atena (em grego, Αθηνά) - deusa da sabedoria, da guerra justa (ou defensiva), da estratégia; protetora da vida política, das ciências e das artes. Ela nasceu da cabeça do grande Zeus, totalmente armada, pois se a mulher gera através da barriga, é da cabeça dos homens que saem suas criações. É uma das divindades gregas mais veneradas. O Partenon ("A Casa da Deusa Virgem") – um dos templos mais esplêndidos da Grécia (veja a imagem acima) – foi construído em sua homenagem na Acrópole de Atenas. Seu projeto começou no ano de 447 a.C. O principal objetivo do templo era honrar Atena em seu aspecto como guerreira, servindo como campeã divina do poder militar de Atenas. Uma enorme estátua de marfim e ouro, esculpida por Fídias, ficava dentro do Partenon. Diz a lenda que, no reinado de Cécrope, Atena competiu com Poseidon pelo domínio da Ática e saiu-se vencedora, pois os deuses preferiram seu presente - a oliveira - ao invés da fonte de água que Poseidon fez jorrar na Acrópole.
    • Dionísio (em grego, Διόνυσος) - deus do vinho, símbolo do poder embriagador da Natureza e da alegria de viver; filho de Zeus e Semelê. Era uma divindade benéfica. De todas as divindades, era a que mais aproximava dos homens. Diz a lenda que – morrendo-lhe a mãe antes que tivesse o necessário desenvolvimento – Dionísio foi recolhido pelo, pai que o costurou numa de suas coxas e aí o conservou até que o garoto pudesse enfrentar a vida. Dionísio demonstrou muito cedo sua origem divina: crescia livre, amante da caça e possuía o estranho poder de amansar as feras mais ferozes. Um dia, criou a videira e quis dar o vinho a todos os homens. Para esse fim, seguiu numa longa viagem, através de todas as terras, acompanhado por um cortejo de ninfas, sátiros, bacantes e silenos. Por onde passavam, os homens tornavam-se felizes.
    • Hades (em grego, Αιδη) - deus dos mortos, senhor do mundo subterrâneo; irmão de Zeus. Acreditava-se que, com seu carro, viesse ao mundo para buscar as almas dos mortos. Possuía um capacete que o tornava invisível. Somente Hades tinha o poder de devolver a vida de um homem morto, porém, utilizou-se desse poder pouquíssimas vezes e, assim mesmo, a pedido da esposa. Era o deus das riquezas, impiedoso, insensível, intimidativo e distante. Seus domínios estavam nas profundezas da terra.
    • Hera (em grego, Ήρα) - deusa do casamento, simbolizava a grandeza e a soberania maternal. Casou-se com seu irmão Zeus e esta união tornou-se, apesar das infidelidades e disputas, o modelo do casamento humano. Hera presidia às núpcias, aos partos e protegia as mulheres. Atribuíram-lhe a partilha dos reinos, dos impérios e das riquezas. Hera perseguiu com ferocidade os filhos que Zeus teve com as mortais; tomou o partido dos gregos, na guerra de Tróia, para vingar-se de Páris que não lhe havia dado o promo de ouro.
    • Poseidon (em grego, Ποσειδον) - deus do mar; filho de Cronos e Réia, esposo de Anfitrite. Assim como Zeus, teve numerosos amores, todavia enquanto os filhos de Zeus eram heróis benfeitores, os de Poseidon eram geralmente gigantes malfeitores e violentos (como o ciclope Polifemo). Tinha um palácio nas profundezas do mar, onde morava com sua esposa Anfiritre e seu filho Tritão. Sua arma era o tridente, com o qual levantava as ondas fragorosas, que engoliam os barcos, e fazia estremecer o solo ou desperdiçar os recifes. Ajudou a construir as muralhas de Tróia mas, como os troianos não lhe ficaram gratos, apoiou os gregos durante a guerra. Mesmo assim, ainda auxiliou o troiano Enéias, evitando que este fosse morto durante uma tempestade.
    • Zeus (em grego, Ζεύς) - deus do céu; principal deus do Olimpo. Depois de salvo por sua mãe Réia, cresceu numa caverna em Creta, amamentado pela cabra Amaltéia. Em um ano tornou-se o mais forte dos deuses, destronando seu pai Cronos. Zeus tornou-se pouco a pouco o deus que fazia reinar a ordem, a sabedoria e a justiça sobre o mundo. Presidia aos fenômenos atmosféricos, recolhia e dispersava as nuvens, comandava as tempestades, criava os relâmpagos, raios e o trovão, e lançava a chuva com sua poderosa mão direita. Por outro lado, Zeus mandava chuva benéfica para fecundar a terra e amadurecer os frutos. Era chamado de "o pai dos deuses", por que, apesar de ser o caçula de sua divina família, tinha autoridade sobre todos os deuses, dos quais era o chefe reconhecido por todos. Casou-se com Hera, porém teve muitos amores. Embora os mitos gregos lhe atribuíssem todas as fraquezas e particularmente inúmeras aventuras amorosas, Zeus era também o salvador que protegia as famílias, as cidades e a própria comunidade.
  • Mortais Além dos deuses do Olimpo, a mitologia grega também destaca diversas histórias de mortais (alguns chamados de semi-deuses). Abaixo seguem os mitos de algumas personalidades que aparecem em Os Cavaleiros do Zodíaco:
    • Andrômeda (em grego, Aνδρομέδα) - princesa da Etiópia; filha do rei Cefeu e da rainha Cassiopéia. Sua mãe, a rainha, era uma mulher excessivamente presunçosa. Ela ousou se vangloriar ao dizer que era ainda mais bonita do que as Nereidas, um grupo de 50 ninfas do mar de extraordinária beleza. As Nereidas ficaram tão ofendidas pela arrogância da vaidosa rainha que imploraram a Poseidon que a punisse. Em resposta ao apelo das Nereidas, Poseidon enviou o monstro do mar Cetus para devastar a Etiópia. Quando o rei Cefeu perguntou ao oráculo de Amon o que ele devia fazer para acalmar a ira do deus (Poseidon), lhe foi dito que ele deveria dar sua belíssima filha virgem em sacrifício ao monstro do mar. Deste modo, ele acorrentou Andrômeda a um rochedo na costa do Mediterrâneo, em Jaffa – onde hoje em dia está a cidade de Tel Aviv, em Israel – à espera da aproximação do monstro. Felizmente a vida de Andrômeda foi salva por Perseu, que matou o monstro e pediu a mão da princesa em casamento.
    • Orfeu (em grego, Ορφεύς) - filho da musa Calíope; era o mais talentoso músico que já viveu. Ele ganhou a lira de Apolo (alguns dizem que Apolo era seu pai). Orfeu era casado com Eurídice. Mas Eurídice era tão bonita que atraiu um homem chamado Aristeu. Quando ela recusou suas atenções, ele a perseguiu. Tentando escapar, ela tropeçou em uma serpente que a picou e a matou. Orfeu ficou transtornado de tristeza. Levando sua lira, foi até o Mundo dos Mortos, para tentar trazer Eurídice de volta. A canção pungente e emocionada de sua lira convenceu o barqueiro, Caronte, a levá-lo vivo pelo Rio Estige. A canção da lira adormeceu Cérbero, o cão de três cabeças que vigiava os portões. Finalmente Orfeu chegou ao trono de Hades. O rei dos mortos ficou irritado ao ver que um vivo tinha entrado em seu domínio, mas a agonia na música de Orfeu o comoveu e ele chorou lágrimas de ferro. Sua mulher Perséfone, implorou-lhe que atendesse ao pedido de Orfeu.
  • Assim, Hades atendeu seu desejo. Eurídice poderia voltar com Orfeu ao mundo dos vivos. Mas com uma única condição: que ele não olhasse para ela até que ela, outra vez, estivesse à luz do sol. Orfeu partiu pela trilha íngreme que levava para fora do escuro reino da morte, tocando músicas de alegria e celebração enquanto caminhava, para guiar a sombra de Eurídice de volta à vida. Ele não olhou nenhuma vez para trás, até atingir a luz do sol. Mas então se virou, para se certificar de que Eurídice estava seguindo-o. Por um momento ele a viu, perto da saída do túnel escuro, perto da vida outra vez. Mas enquanto ele olhava, ela se tornou de novo um fino fantasma, seu grito final de amor era não mais do que um suspiro na brisa que saía do Mundo dos Mortos. Ele a havia perdido para sempre. Em total desespero, Orfeu se tornou amargo. Recusava-se a olhar para qualquer outra mulher, não querendo se lembrar da perda de sua amada.
    • Pandora (em grego, Πανδώρα) - primeira mulher dada como uma oferenda à humanidade por Zeus, como uma punição pelo roubo do fogo feito por Prometeu. Foi confiada a ela uma caixa contendo todas as adversidades que poderiam afligir as pessoas. Ela abriu a caixa por curiosidade e, conseqüentemente, libertou todos os males da vida humana. Ela era mulher de Epimeteu
  • Monstros
    • Centauros (em grego, Κένταυρος) - raça de monstros que acredita-se ter habitado as regiões montanhosas da Tessália e da Arcádia. Eles normalmente eram representados como humanos até a cintura, com o tronco e as pernas de um cavalo. Os centauros eram caracterizados por selvagerias e violência; eram conhecidos por sua embriaguez e cobiça. Freqüentemente eram retratados como seguidores de Dionísio, o deus do vinho. Conta-se que, certa vez, os Centauros seguiam o deus desde a Tessália quando, num furor de bebedeira, tentaram raptar a noiva do rei de Lápito em sua festa de casamento. Uma exceção ao comportamento bestial desses monstros era o Centauro Quíron, que se destacava pela sua bondade e sabedoria. Vários heróis Gregos como Aquiles e Jasão foram educados por ele.
    • Hidra (em grego, Ύδρα) - monstro serpente de nove cabeças que vivia num pântano próximo a Lerna, na Grécia. Uma ameaça para todos em Argos, ela tinha um fôlego fatalmente venenoso e quando uma cabeça era cortada, outras duas cresciam em seu lugar. As cabeças somente paravam de crescer se o lugar do corte fosse imediatamente queimado. Porém a cabeça central era imortal. Héracles, enviado para matar a serpente como o segundo de seus 12 trabalhos, conseguiu matá-la queimando suas oito cabeças mortais e enterrando a nona embaixo de uma pedra enorme. É comum ver o termo hidra aplicado a qualquer situação complexa ou a problemas que continuamente apresentam dificuldades compostas.
    • Medusa (em grego, Μέδουσα) - era uma das três Górgonas, a única que não era imortal. Orgulhosa de sua beleza, ousou comparar-se a Atena. A deusa, irada, transformou os cabelos de Medusa em serpentes e fez com que seu olhar tivesse a maldição de petrificar as pessoas. Perseu conseguiu cortar-lhe a cabeça, olhando-a refletida num espelho. Do sangue da ferida nasceu o cavalo alado Pégaso. Após a luta, Perseu presenteou Atena com a cabeça de Medusa. A deusa a colocou em seu escudo.
    • Scylla (em grego, Σκύλλα) - era uma linda jovem virgem, amada por um deus do mar, que foi vítima de um feitiço de sua ciumenta rival: a bruxa Circe. Scylla foi transformada em uma criatura marinha com a parte de cima do corpo em forma de mulher e a parte da cintura para baixo era formada por seis monstros (ou seis bestas). Ela tinha o dever de vigiar o Estreito de Messina, que ficava entre a Itália e a Sicília. Quem tentasse viajar de barco por esse lugar era devorado por Scylla. O único que conseguiu escapar a um de seus ataques foi o herói Odisseu (ou Ulisses).
    • Sereias (em grego, Σειρήνες) - também chamadas de Sirenes, eram criaturas que encantavam os marinheiros com sua voz doce. Aqueles que escutavam seus cantos tinham os barcos naufragados, após baterem nos recifes (corais). Havia Sereias que tinham a parte de cima do corpo em forma de mulher e a parte da cintura para baixo era uma cauda de peixe. Outras tinham a aparência de uma ave com cabeça de mulher. Odisseu tentou escapar do encanto das Sereias tapando seus ouvidos e o de seus companheiros, que com ele navegavam, com cera. Mesmo assim, o herói ainda continuou escutando o belo canto e, por isso, se amarrou ao mastro do barco para resistir à tentação das Sereias.
  • Animais Sagrados
    • Pégaso (em grego, Πήγασος) - cavalo alado que nasceu da mistura do sangue da Górgona Medusa (quando esta teve a cabeça cortada por Perseu) com a espuma do mar; por isso sendo filho de Poseidon, deus do mar, e de Medusa. Todos tentaram (em vão) capturar e domesticar o animal e isso tornou-se a obsessão de Belerofonte, príncipe de Corinto. Seguindo o conselho de um vidente, Belerofonte permaneceu uma noite no templo da deusa Atena. Assim que adormeceu, sonhou com a deusa, que apareceu com um freio dourado nas mãos e contou-lhe que este freio o capacitaria a capturar Pégaso. Quando Belerofonte despertou, ele encontrou o freio dourado ao seu lado e, com ele, facilmente capturou e domesticou o cavalo alado. Em seguida, Pégaso provou ser uma grande ajuda a Belerofonte e auxiliou o herói em suas aventuras contra as Amazonas e o monstro Quimera. Entretanto, Belerofonte foi sobrepujado por seu próprio orgulho. Quando tentou voar até o topo do Olimpo e unir-se aos deuses, o sábio cavalo derrubou-o, deixando Belerofonte cair no espaço. Pégaso voou para o Olimpo e foi transformado por Zeus numa constelação (a constelação de Pégaso). Sendo assim, ele seria símbolo da imaginação e da imortalidade.
  • Na saga de Hades, Kurumada aborda os mitos gregos a respeito da morte e do destino das almas que passavam para o "outro mundo". Segundo a mitologia, Inferno era o lugar para onde iam e permaneciam as almas dos mortos. Situava-se no interior da Terra e era banhado por 5 rios sagrados, Aqueronte, Cocito, Flegetonte, Letes e Estige. Para atingir o Inferno, as almas tinham que atravessar o rio Aqueronte, na barca de Caronte. O Portão do Inferno era guardado por Cérbero, um cão de três cabeças. Após o Julgamento feito por Hades e seus 3 juízes – Éaco (ou Aiacos), Minos e Radamento (ou Radamanthys) – as almas malignas eram lançadas no Tártaro; as almas virtuosas iam para os Campos Elísios: lugar de delícias, semelhante ao Paraíso, para onde iam os heróis e homens bondosos após a morte. O Mundo dos mortos (inferno)