Paixão do LoboSable GrayDescrição:Abandonada por seu pai e sua família, Caith deve cuidar de si mesma, entre osselvagens, ...
Ele inclinou a cabeça bruscamente para um dos maiores de seus homens os olhos deCait se arregalaram quando o homem se adia...
Blaidden e tudo o que resta nesta terra depois desta noite vai se tornar minhapropriedade.— Esta é a nossa casa! Cait grit...
lugar na mesa contra a parede e girou, balançando-o em seu ombro com um grito. Elabalançou novamente. E uma terceira vez a...
De repente, ela sorriu. Ela se casaria com este animal e então ela o faria desejar quejamais tivesse posto os olhos nos se...
— Ela morde como um urso. Ele tocou a marca que tinha deixado em seu rosto e quasesorriu. Cait Gillpatrick tinha sido um i...
respiração. — Muito bem. Eu quero terminar este negócio rápido. Vou mandar suafamília para a casa de seu tio menos você e ...
— Ela merece sua ira, Biel murmurou.— Será que ela merece permanecer em um casamento que ela se ressente ou de que elapode...
Suas unhas escavaram nele, varrendo do ombro ao cotovelo. Rosnando uma maldição,ele a virou e puxou-a de volta ao seu peit...
— Os homens não se importam com uma mulher quando eles sobem em cima delas.Cait argumentou e Biel percebeu que algumas de ...
— Apenas um corte?Biel viu o olhar queimando para vida com a esperança em seus olhos. Isso o deixavacom raiva, principalme...
— Uma escolha que eu permiti a você. Você não percebe que tudo foi por escolhaconcedida a você por mim? Se eu fosse inferi...
— Você sabe como um homem do lobo afirma sua companheira? Pela mordida. Amenos que você me deseje para marcar-me como seu,...
Finalmente seu olhar atraiu de volta para ele e depois para baixo para cicatriz do seulado.— Mas você... Seus olhos...— Eu...
— Ainda era uma escolha. E percebo que a sua família não lutou por você como vocêfez por eles. A mulher praticamente atiro...
— Minha prima me disse que há uma chance de sermos atacados. — Ewan voltou seuolhar de volta para Biel. — É por isso que v...
Ele resmungou quando começou tirar suas roupas. Uma vez nu, ele se estabeleceu nabacia grande de água. Quando ele estava e...
Ela estava errada. Ele mudou tudo. A tração dos dedos causava aperto em seu estômagoquando a excitação enrolava dentro del...
Seu batimento cardíaco acelerado.— E se eu te disser que não é o meu desejo que você possa...Ele se inclinou mais perto pa...
caídos em torno de ambos enquanto aqueles olhos amarelos se fixaram nela. Quebrandoa sua tensão e o prazer explodiu, alcan...
Ela levou a água ao seu marido e quando ele aceitou e bebeu, ela estendeu a mão etocou em seu ombro. Há muito tempo que ti...
Ele a liberou e entregou-lhe o frasco de água. Ela só ficou ali olhando para eleentorpecida quando ele se virou e voltou a...
Ele se abaixou e se libertou de suas calças.— Coloque sua boca em mim Caith, — seu olhar caiu para o seu pau e sua línguad...
Quando ela mordeu desta vez, foi em resposta à tensão de aperto em seu próprio corpo.Biel podia sentir o cheiro de sua exc...
ele continuou. — Eu desejo seu fogo, seu espírito. Mas para ser minha companheira,você deve me desejar.— Eu não sei como e...
— Ele teria permissão para ficar. — Biel respirou fortemente. — Nós somos um bandointimidante, mas nós respeitamos a força...
Ele acelerou o ritmo para que pudesse se acostumar e imediatamente ela entrou no ritmolevantando para encontrá-lo.— Como s...
Cait assistiu ele ir, surpreendeu novamente como era fácil de aceitar Biel, seus irmãos, eseus caminhos. Ela se sentiu pel...
montes no chão. Você cresce em unhas e luta seu caminho pela vida. Nós respeitamosisso e não vamos te amar menos se você g...
— Eu acho que você é uma boa companheira para ele. — Ele não olhou para ela. — Elemanterá você enquanto ele viver se você ...
Sem jeito, ela montou nele e pairou sobre seu pau, então se aliviou para baixo,empurrando-o lentamente dentro dela.— Biel?...
Paixão do lobo (1)
Paixão do lobo (1)
Paixão do lobo (1)
Paixão do lobo (1)
Paixão do lobo (1)
Paixão do lobo (1)
Paixão do lobo (1)
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Paixão do lobo (1)

929 views
818 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
929
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Paixão do lobo (1)

  1. 1. Paixão do LoboSable GrayDescrição:Abandonada por seu pai e sua família, Caith deve cuidar de si mesma, entre osselvagens, que invadiram sua casa e a sua terra. Empurrada para um casamento que eladetesta, ela se arrisca a fugir de seu marido, o líder da horda Viking. No entanto, nemtudo é como parece.Biel, é líder de seu cativeiro e seu novo marido, tenta acalmá-la, mas apenas incendeiasua paixão profunda. Cait descobre que não é completamente fria para ele com suaspróprias cobiças e desejos começam a assumir... Será que ela vai descobrir o seusegredo antes que seja tarde demais? Ou ela vai sucumbir ao seu amor e sua cama...?Eu dedico este livroPara o Bill em minha vidaCapítulo 1Cait abraçou sua irmã tão próxima que ela olhou por cima do ombro de seu pai para oshomens que haviam invadido o castelo de Atherton. Havia um exército, que incendiouas paredes de Atherton e perseguiram pessoas de seus lares, mas apenas cinco tinhamficado uma vez que garantiram o castelo. Eles ficaram perto da porta como seestivessem esperando.Fiona soluçou suavemente contra ombro de Cait, recusando-se a olhar para aqueles queos arrastaram de suas camas abaixo no corredor principal. A mãe da Fiona lamentoutambém, enrolada contra o pai de Cait. Sua única esperança era seu primo, Ewan. Caitrezou para que ele escapasse da detenção e estivesse a caminho de Bathhurst.Finalmente a porta do castelo se abriu e os homens se separaram. Cait se inclinou maispara o lado para que pudesse ver quem cujo passo pesado ecoava através do limite depedra. Bota de couro grande chegou até as calças de lã de um par de pernas longas.Armadura de metal fazia o homem parecer duas vezes o seu tamanho, o capacete queele tinha usado debaixo do braço volumoso.Uma espessa juba de cabelos loiros pendurada sobre o ombro do homem e a elaboraçãode um rosto amplo, características fortes, seus olhos azuis se estreitaram enquanto elesoscilaram em torno do salão para a família de Cait, amontoados em um canto.Grupo RM Traduções 5
  2. 2. Ele inclinou a cabeça bruscamente para um dos maiores de seus homens os olhos deCait se arregalaram quando o homem se adiantou e pegou seu pai pelo braço, puxando-opara frente. Rebekka instantaneamente virou-se para chegar a Fiona, ambas chorando demedo. Cait lançou Fiona com sua mãe e ficou sozinha quando seu pai foi levado peranteo líder dos rebeldes Viking.— Existe mais alguém? A voz de barítono profundo ecoou pela sala enquanto o homemlançou seu pai para que ele pudesse ficar sem assistência.— Não, respondeu seu pai.— Se eu achar que você mentiu para mim, eu vou matar uma das mulheres. Se houveralguém aqui, chame para que venha para frente.Cait viu seu pai pálido. Ela não gostava de vê-lo assim. Aengus Gillpatrick não era umhomem fraco, acostumado a dar ordens ao invés de recebê-las.— Eu juro que não há mais ninguém aqui além de minha família. — Aengus rangeu osdentes cerrados. — Seus brutamontes expulsaram todos os outros. Sua atenção selançou para Cait e ela ofereceu-lhe um aceno de confiança, esperando que seu apoio iriafortalecê-lo.O olhar do líder Viking deslizou para Cait e ela levantou o queixo, seguindo o exemplode seu pai. Ela não iria mostrar-lhes o medo.— E esta é a única família que ocupava este lugar?O coração de Cait bateu quando o viking andou de seu pai para ela. Ainda assim ela nãooscilou, forçando-se apertou as mãos tremulas em seus lados. Ela encontrou o olhar doviking veementemente, silenciosamente desejando que ele caísse morto antes de chegara ela.Grupo RM Traduções 6— Sim. Vamos. Mantenha o castelo, Aengus chamou.O viking parou na frente de Cait e então girou de volta para seu pai.— Está é a sua primogênita.— Deixe-a em paz.Cait gemeu quando o Viking estendeu a mão e agarrou-a pelos cabelos da parte de trásda cabeça e se virou.— E você a sacrificaria acima de dizer a mim a verdade?Cait cerrou seu punho e balançou, bateu no homem em seu rosto com toda sua força.Ela não era tão forte quanto ele, mas era suficientemente forte para fazer seu aperto nelasoltar. Ela girou longe dele e olhou quando ele a enfrentou. Ela sentiu uma satisfaçãopresunçosa quando um pouco de sangue pontilhou o seu lábio.— Não coloque suas mãos imundas em mim novamente ou vou arrancar os seus olhos ealimentá-los aos cães! — Cait assobiou. —Como ele disse não há mais ninguém aqui.Meu primo escapou antes que seus homens pudessem encontrá-lo.— O seu primo?— Sim. Ele trará de volta um exército que vai esmagar você e os seus e vamos dançarsobre as vossas sepulturas, todas as noites de nossas vidas, para que suas almas nuncadescansem pelo que você fez a nossa casa. Cait cuspiu na sua bota.Grupo RM Traduções 7Ele olhou para baixo e depois de volta para ela antes de virar e acenar novamente para ohomem grande perto de seu pai. Ele imediatamente saiu pela porta e voltou momentosdepois com Ewan a reboque, espancado e ensanguentado. Ela gritou e começou a correrpara frente, mas o Viking pegou-a pela cintura e empurrou-a de volta.— Como você pode ver ele não teve êxito. — O viking girou. — Eu sou Biel Vard eestou reivindicando este castelo e as terras com ela como meu. Ele será chamado
  3. 3. Blaidden e tudo o que resta nesta terra depois desta noite vai se tornar minhapropriedade.— Esta é a nossa casa! Cait gritou no fundo de sua cabeça.— Cait, Quieta, Aengus ordenou.— Você pode levar sua esposa e uma de suas filhas e deixar este lugar. Biel continuou.— Ou você pode ficar e fazer a minha licitação como seu novo mestre.— Eu não posso sair sem minha família inteira, — argumentou Aengus. — Eu vou sair,mas com minha esposa, minhas duas filhas e meu sobrinho.— Então você escolhe permanecer. — Biel olhou para Cait. — E eu vou tomar uma desuas filhas como minha mulher.— Você não pode. Você não vai! Aengus avançou, mas dois deles agarraram antes queele pudesse chegar a Biel.— Eu posso e certamente vou. — Os olhos de Biel se arrastaram para Fiona. — Masvocê pode escolher qual.— Eu não vou escolher, Aengus recusou.Grupo RM Traduções 8— Leve-a! — Rebekka, de repente apontou para Cait, empurrando Fiona atrás dela. —Leve-a e vamos deixar este lugar.Cait olhou para Rebekka. Ela sabia que a mulher sempre se ressentiu pelo amor queAengus tinha para sua primeira esposa, sua mãe, mas até aquele momento ela nuncasentiu amada a si mesma. Fiona gritou e puxou a partir do abraço sua mãe correndo paraabraçar-se a Cait.— Não!— Nós não vamos sair. E eu não vou escolher.— Então você vai morrer e sua mulher vai fazer a escolha em seu lugar. Bieldesenganchou um machado do seu lado.— Eu! — Cait avançou, apesar de gemido da Fiona, e esperou até Biel girar e olharatrás dela. — Ele me escolhe. Deixe-o em paz.— Não, Cait, Ewan discutiu.— Cait! Voz de Aengus foi derrotada quando Biel inclinou a cabeça e recolocou a suaarma.— Leve o resto deles para a torre e os mantenha lá, Biel mandou e seus homensimediatamente seguiram suas ordens.Cait viu enquanto foram retirados da sala e subiram as escadas de pedra. Os protestos deFiona e o choro de Rebekka se acalmando quando eles foram levados mais para dentroda barriga do castelo, deixando um silêncio desconfortável a saltar em torno dos cantosdo salão.Grupo RM Traduções 9— Foi uma escolha sábia.— Escolha?! Cait girou e enfrentou seu captor, saltando adiante o assaltando. Seuspunhos bateram no couro áspero de sua armadura até que seus dedos fortes estavamembrulhados ao redor de seu pulso. Mas ela não iria se entregar. Ao invés ela sedebruçou adiante e afundou seus dentes em sua mandíbula sólida. Ela o ouviu grunhirmomentos antes do gosto acobreado dele encher sua boca. Ela desmoronou para seusjoelhos quando ele a empurrou dele.— Muito bom Biel. — Um de seus homens, o maior dos cinco, retornou e chamou daescadaria acima deles. — Você tem sucesso em bater em uma mulher impotente nomomento em que eu giro minhas costas. Ele começou a descer.Cait sorriu maldosamente quando Biel levantou a mão ao queixo. Ela lhe mostraria oquão impotente, ela poderia ser. Saltando para seus pés, ela roubou o candelabro do seu
  4. 4. lugar na mesa contra a parede e girou, balançando-o em seu ombro com um grito. Elabalançou novamente. E uma terceira vez até que ele agarrou-a e lutou com ela.Seu olhar correu ao redor para a próxima arma, mas ela não se moveu rápido osuficiente e o braço grosso do Viking enrolou em volta dela, prendendo suas mãos emseus lados. Ela gritou e chutou para ele até que ele levantou a mão. Fechando os olhos,ela esperou o golpe que nunca veio.— Se seus homens lutassem tanto quanto sua descendência, jamais teríamos passadodos portões.— O que aconteceu com seu rosto, irmão? Será que ela te mordeu? O homem por trásdeles se aproximava, mas Cait não olhou para trás dela. Ela sabia que o líder era aameaça real. Seu pai havia lhe ensinado muito sobre os homens e a guerra. Biel Vardera o núcleo do mal que tinha chovido sobre eles.Grupo RM Traduções 10— Mais fera do que nós, Biel murmurou, empurrando-a para longe dele.— A outra garota e a mãe são impotentes e fracas. O pai pegou uma rachadura emBoris. Ele não é fraco, apesar de sua idade. Os dedos do homem tocaram o braço de Caite ela se afastou, colocando alguns passos entre ela e os homens.— Nem eu. Você vai ter que me matar antes de eu permitir que você me toque com oseu corpo imundo. Ela deu alguns passos mais para trás, em seguida, virou-se ecomeçou a girar.— Então, traga-me sua irmã. Voz profunda Biel a parou na porta. Medo frio escorregouatravés de seu corpo. Fiona não era como Cait. Este Viking desmedido iria quebrar suairmã.— Mande-os para longe daqui e vou fazer o que quiser, ela respondeu sem olhar paratrás.— Está em condições de trocar comigo. — O passo pesado de Biel se aproximava edepois parou atrás dela. Quando ele falou foi junto ao seu ouvido, fazendo-a saltar,apesar de sua tentativa de parecer não ter medo dele. — Não é aquele fiapo de irmã queeu quero de qualquer maneira. Eu prefiro que seja você.Cait cerrou seus punhos.— Por que você pensa que eu me importo com o que você quer? Você e seus cachorrosinvadiram minha casa e estão rasgando minha família separadamente. — Ela lentamenteo enfrentou. — Eu não sou estúpida. Eu sei o que você quer fazer e por que você querfazer isto. Pelo casamento e a cama comigo dá a você o direito legal de reivindicarminha casa como sua própria. E não foi suficiente você forçar sua entrada aqui? Agoravocê deve forçar você mesmo emGrupo RM Traduções 11mim? Você é tão fraco que você sente que não pode realizar o que quer fazer sem enviarminha família embora agora?— Traga o vigário. O olhar de Biel nunca deixou os de Cait.Alguns momentos depois, um homem com uma túnica foi trazido para o cômodo. Bielchegou para frente, pegou-a pelo braço e caminhou de volta para o centro da sala. Eleinclinou a cabeça quando Cait puxou o braço de seu alcance.Sentia-se como sufocando perante o vigário, quando ele começou a cerimônia. Quandochegou a hora para ela verbalmente aceitar o casamento, ela hesitou, olhando para oViking. Ele levantou uma sobrancelha grossa e esperou. Não havia nada que pudessefazer.
  5. 5. De repente, ela sorriu. Ela se casaria com este animal e então ela o faria desejar quejamais tivesse posto os olhos nos seus portões. Ela iria fazê-lo pagar. Tanto que elatinha controle.Afirmando a união, o resto da cerimônia foi apenas um sussurro fraco aos seuspensamentos. Em vez disso, ela encheu sua mente com todos os atos de rebeldia comque ela iria atacá-lo. Quando a cerimônia terminou, ela enfrentou seu novo marido,sentindo-se muito mais forte. Ele se inclinou para beijá-la, olhos em busca dela, quandoela não fez nada para detê-lo. Ainda mais perto e ela sorriu docemente antes varrer asunhas em seu rosto. Maldições irromperam dos seus lábios e saltou através do salãoenquanto ele a empurrou para longe dele. O outro que tinha ficado como testemunha, dequem Biel tinha chamado irmão, riu.— Estou quase com inveja, de que ela não é minha Biel. Ele continuou a gargalhada.Grupo RM Traduções 12— Vamos conseguir isto feito. — Biel rosnou e inclinou um olhar em seu irmão. — Evocê é muito suave, Loegaire. Ela já teria comido você como seu almoço. Era como uminsulto para seu irmão. Mas Loegaire riu novamente de qualquer maneira,movimentando a cabeça.Cait viu Biel começar a remover sua armadura, percebendo que ele pretendia fazer ocasamento legal naquele momento.— Isso pode não ser feito sem uma plateia?— Eu vou ter testemunhas para a consumação. Largou suas armas e armaduras para olado e puxou os laços da suas calças.— Se for tão patético quanto sua honra, eles devem esquecer isto pela manhã. Caitdirigiu suas palavras para o coração dele.— Silêncio, — ele comandou e pegou o braço dela. — Não lute contra mim e deve sermais rápido. Ele a acompanhou até a mesa perto da parede, e então virou para encará-lo.Desta vez, ela cuspiu em seu rosto.— A partir deste momento em diante lutarei contra tudo que você tentar, — prometeu.— Eu não lhe darei nenhuma paz. Você invadiu os portões errados se pensava encontraruma esposa dócil.Biel enxugou o rosto, olhando para ela com olhos duros, e então ele a surpreendeugirando de frente para o vigário e seu irmão.— O vigário fica aqui até que o casamento seja consumado... Por sua escolhaCait queria gritar com a vitória.Grupo RM Traduções 13— Então, você nunca deverá se livrar dele.— Devo levá-la a sua família? Loegaire perguntou.— Não. Ela não será trancada onde eles estão, ela não tem mais nada a ver com eles. Ese ela tentar fugir ou ajudar algum deles a escapar, mate seu pai.As palavras finais de Biel ecoaram atrás de si enquanto dirigiu a partir do grande salão.O triunfo Cait despencou em seu estômago— Eu não posso permanecer aqui. Eu tenho responsabilidades. Basta fazer como elequer garota. O vigário rosnou e a raiva de Cait voltou. A cabeça do vigário estalou paratrás quando ela bateu nele.Ela girou e fugiu para cima. Ela precisava de um lugar calmo para pensar. Horas maistarde, Biel entrou no grande salão.— Onde ela está?— Nas câmaras da cama de casal, — Loegaire respondeu. — Ela provavelmente estáesperando por você com um punhal na bota.Biel grunhiu de acordo.
  6. 6. — Ela morde como um urso. Ele tocou a marca que tinha deixado em seu rosto e quasesorriu. Cait Gillpatrick tinha sido um inesperado incêndio queimando na lareira docastelo de seu pai. Ela tinha coragem e não havia demonstrado medo dele. Mesmoquando ela achava que seria verdadeiramente atacada ela tinha fechado os olhos eesperado, sem vacilar. Biel respeitava mulheres com esse tipo de coragem. E o mesmofaziam seus irmãos.Grupo RM Traduções 14— Você não vai forçá-la. — Como se estivesse lendo sua mente, Loegaire falou os seuspensamentos.— Eu não vou. — Olhou para a escada. — Não é meu desejo quebrar o espírito dessaspessoas.— Duvido que ela possa ser quebrada, mesmo que você tivesse em mente tentar.Loegaire riu.— É coisa de Bonny levar tais armas.— Ela estava armada? Uif pareceu surpreso enquanto ele olhou para cima da mesa entreLoegaire e Biel.— Sua língua tem cortes mais profundos do que uma espada, — Loegaire revelou, entãodirigiu ao mais velho deles novamente. — Ela não vai ceder. Isso não vai acontecer estanoite.Biel queria se juntar a seus irmãos, mas sabia que ele devia terminar o negócio emquestão antes que ele pudesse descansar. Ele deixou-os e fez o seu caminho pela escadade pedra e para a câmara da cama de casal.Girando a manivela, ele permitiu que a porta se abrisse, meio esperando que elaestivesse esperando com uma nova arma para bater-lhe na cabeça. Em vez disso, ele aencontrou em pé através do quarto, olhando pela janela. Entrando, ele sorriu quando elanão se virou para encará-lo, como se ela não tivesse medo dele em tudo.Ele fechou a porta atrás dele e caminhou até o centro do aposento. Cruzando os braços,ele esperou, permitindo que ela tomasse o tempo que elaGrupo RM Traduções 15precisava. Loegaire estava errado. Isso iria acontecer. Ela se submeteria a ele por causade sua família. Era a única vulnerabilidade que ela lhe permitiu ver.— Eu vou concordar em fazer o que quiser, para se tornar sua esposa aos olhos de Deuse do rei. Vou fazê-lo somente desta vez e você vai enviar a minha família daquiimediatamente depois do vigário concordar que o casamento foi consumado. — Elaainda não o tinha enfrentado. — Você vai mandá-los embora, mesmo quando meu paise recusar. E você não vai mandá-los embora como servos, mas com honra, para quequando eles cheguem e casa de meu tio, não seja desonroso.— E se eu me recusar a fazer o que você acha que pode ordenar?— Então vou continuar a recusar e você nunca terá o seu direito legal para Atherton.— Blaidden, ele corrigiu.— Não até que o casamento seja consumado. Até então ainda é Atherton e aindapertence ao meu pai. — Ela levantou o queixo. — Eu não sou estúpida.Não, ela não era. Ela era muito inteligente. Ele a estudou um momento e entãoatravessou a sala para a grande cadeira perto da lareira. Ele não desviou o olhar delaquando ele se instalou nas almofadas. Esticando as pernas para fora, ele cruzou osbraços sobre o peito e continuou a considerá-la em silêncio.— É o que você pretendia fazer para começar não era? Ela conheceu o seu olhar.— Isso foi antes de se casar com meu rosto marcado com suas presas. — Viu a elevaçãomomentânea no canto de seus lábios, em seguida, soltou umaGrupo RM Traduções 16
  7. 7. respiração. — Muito bem. Eu quero terminar este negócio rápido. Vou mandar suafamília para a casa de seu tio menos você e seu primo.— Faça isso agora e você pode trazer de volta o vigário e seu irmão como testemunhaneste exato momento.— Não. — Ele balançou a cabeça. — Vamos consumar esse casamento e só então suafamília será liberada com segurança.— Meu primo com eles, ela empurrou.— Seu primo fica.Ele viu carranca, finalmente, inclinou a cabeça.— Então vamos acabar logo com isso. Não vou descansar até que minha irmã estejalonge de você e sua horda de cães.*****— Seu humor é muito ruim para ser a de um homem que conseguiu. — Loegairearranhou a barba espessa. — O que está errado? Eu vou matar o problema, se não poroutro motivo, pelo de me poupar de sofrer com a sua carranca.Através do salão, Cait apareceu. Biel viu sua caminhada no comprimento da sala. Elaprendeu a cabeça erguida, ombros para trás e ela andou de coluna reta. Quando elaestava quase à porta, Uif entrou na frente dela. Seus olhos seGrupo RM Traduções 17arregalaram e ela tentou dar um passo em volta dele, mas ele não permitiu que elapassasse.— Pensei que estava autorizada a me movimentar como quisesse uma vez que minhafamília se foi? Ela levantou a voz, mas sem nem sequer olhar em sua direção.— Não tente correr, — Biel chamou e deu um aceno rápido a Uif, que por sua vez, seafastou, chegou de volta e abriu a porta para ela.— Eu não pensaria em fazê-lo sem cortar sua garganta em primeiro lugar. Caitadiantou-se através da porta antes que Biel pudesse responder. O riso de Loegaireencheu o salão e Biel teria rido se não fosse à memória de sua expressão sem vida nanoite anterior a assombrá-lo.— Você não pode me dizer que ela não ilumina seu fogo com aquela espinha, irmão, —Loegaire falou quando Biel ficou junto do machado. — Se ela fosse minha, eu aseguiria onde quer que fosse e a faria perceber quanto ela quer ser minha noiva.— Ela não quer ser minha noiva, Loegaire. Ela foi forçada a este casamento por mim eela continuará a me odiar por isso. — Biel balançou a cabeça. — Não importa. Temosimpedido nossos inimigos de se mover mais próximo de nossas famílias. Isso é tudo queimporta. Os olhos de Loegaire se estreitaram.— Ela é a razão pela qual o seu humor está tão ruim?— Devemos começar a construir o novo muro em torno deste lugar. Aquele que quasequeimou era inadequado e não poderia manter as ovelhas para fora deste lugar. — Bielse dirigiu para a porta. — Eu quero Blaidden tão sólido que nossos inimigos não seatreveriam a cruzar a baía.Grupo RM Traduções 18— Biel, — Loegaire seguiu até a luz do sol. — Você disse que ela não chorou.— Ela não fez. — Biel fez uma careta. — Ela só ficou ali olhando para mim, medizendo o quanto me odiava.— Por que você não mudou de ideia?Biel encontrou Cait levando um cavalo de um dos estábulos, seu cavalo. Ele a viudeslizar sua mão para baixo da crina do cavalo com cuidado e chegar mais perto parafalar com o animal. Sua própria montaria o traiu abaixando a cabeça para aconchegar apalma da mulher.
  8. 8. — Ela merece sua ira, Biel murmurou.— Será que ela merece permanecer em um casamento que ela se ressente ou de que elapoderia abraçar? — Loegaire argumentou. — Você sabe que poderia mudar sua mentesobre você.Biel se permitiu sorrir.— Eu não sei irmão. Sua determinação é quase tão intimidante quanto você é.Cait sorriu para o animal que estava acariciando, mas levantou a atenção quandoLoegaire riu. Quando ela descobriu Biel a observando, seu sorriso desapareceu e suaexpressão endureceu.— Ela vai tentar fugir, alertou Loegaire.Grupo RM Traduções 19— Sim. Biel assentiu.— Eu devo ter pronto para você um novo cavalo para a perseguição, desde que elapensa roubar o seu?Biel viu Cait montar Odin.— Não. Quando ele olhou para seu irmão viu seu olhar de surpresa.— Nunca soube que você deixasse de ir atrás de tudo o que era seu.Biel não pensou sobre isto. Ela era sua agora. Ele a viu montar o cavalo através do queficou dos portões. Tão logo ela passou por entre eles, ela chutou o cavalo em um galope.— Se ela chegar ao rio poderá perder a trilha, Loegaire advertiu.— Tire-me um cavalo maldição, Biel rosnou.Loegaire acenou com a cabeça e se dirigiu para os estábulos, levando de volta doiscavalos preparados.— Você vem comigo? Biel viu seu irmão deslizar sobre um dos cavalos.— Eu gosto de sua coluna, irmão. Eu não posso esperar para vê-la lançar-se em você denovo.A barba de Loegaire em molhos com seu sorriso. Biel grunhiu em resposta enquanto elemontou a égua e ele deu a cutucada.Grupo RM Traduções 20Levou quinze minutos para recuperar o atraso com ela. Ela quase deixou o rio quandomontou em cima dela. Ela se inclinou ainda mais para baixo sobre o cavalo, incitando oanimal a correr mais rápido, mas Biel andava ao lado dela, estendeu a mão, e agarrou-apela cintura. Quando ele a levantou ela bateu nele e, em seguida, chutou, deixando osdois sem equilíbrio.Biel bateu no chão primeiro, ela em cima dele. Por um momento, nenhum deles semoveu. Então, ela saltou para longe dele, lutando para ficar em pé. Ela recuou enquantoele se levantou e viu seus olhos de dardo ao redor e então descansou sobre um galhoquebrado. Ele sorriu quando ela mergulhou para ele e, em seguida, brandia-o na frentedela, como uma espada.— Eu disse para você não fugir. Ele resmungou com a dor no ombro a partir de suaqueda e chegou até a massageá-lo enquanto ele rolou para frente.— Você conseguiu o que queria. Você não precisa de mim agora.— E o que diz sobre seu primo? Com você fora, eu não tenho nenhuma razão parapermitir a ele viver.Ele viu seus olhos se arregalarem antes dela carregar nele, seu membro erguido. Elepegou o balanço e ficou longe dela. Ela entregou um pontapé efetivo na sua canela nomesmo momento que Loegaire retornou com os cavalos.— Você precisa de alguma ajuda, irmão?Biel inclinou um brilho no olhar ao seu irmão um momento antes que ela o chutassenovamente. Desta vez, ele ignorou o ataque e estendeu a mão para agarrar o braço dela.
  9. 9. Suas unhas escavaram nele, varrendo do ombro ao cotovelo. Rosnando uma maldição,ele a virou e puxou-a de volta ao seu peito, prendendo seus braços em seus lados.Grupo RM Traduções 21— Pare!Mas o seu comando foi ignorado quando ela jogou a cabeça para trás e em suamandíbula. Seu domínio sobre ela soltou e ela fugiu para longe dele, quando elebalançou a cabeça contra a dor. Calor o encheu. Ele não podia negar que sua luta eraexcitante.Era evidente que ele não poderia usar os músculos para fazer o que gostaria ou acabariaa machucando e aquele pensamento não tinha nenhuma atração.— Sua mãe desistiu de você muito facilmente, outro alguém pensaria que você estariaagradecida.Seus olhos se arregalaram.— Ela não é minha mãe e por que deveria ser grata! Você entrou destruiu minha casa elevou minha família longe de mim.— Blaidden é minha, mas também é sua agora. — Ele encolheu os ombros. — Se nãofosse por mim tudo o que seu pai possui teria ido ao seu primo. Eu dei-lhe uma família.Meus irmãos são agora os seus irmãos.— Eu não olho para ela como uma irmã,— Loegaire claramente ignorando o brilhocortante de Biel. — Ela é muito melhor para olhar que alguém em nossa família, e vocêe eu sabemos que qualquer de nossas fêmeas não poderia ser melhor para você à medidaque ela é.— Se você não vai ajudar poderia simplesmente nos deixar? Biel rosnou.Loegaire revirou os olhos e deu um passo adiante em direção Cait. Biel gostava disso,ela não encolheu ou recuou. Em vez disso, ela levantou o queixoGrupo RM Traduções 22como se estivesse pronta para transferir seus ataques sobre seu irmão se ele pretendesseagarrá-la.— Venha agora, gentil Cait. Não há necessidade em desperdiçar seu tempo assim,quando você poderia estar planejando outra fuga. Ele é teimoso demais para desistir elhe permitirá continuar a bater nele até que esteja cansada demais para ficar. Então elevai levar você de volta. — Loegaire estendeu a mão grande. — Além disso, você temmuito mais armas para usar contra ele em Blaidden. Vou dar-lhe a minha própria espadapara lutar com ele caso volte comigo agora.— Eu quis dizer, me ajudar. Biel franziu o cenho.— É mentira. Eu não sou estúpida. Os olhos Cait se estreitaram em Loegaire.— Não você não é estúpida. Eu não gostaria tanto de você se você fosse. Nem eu sou,então eu não ofereceria a você agora, eu não quero que você acidentalmente racheminha cabeça em vez de abrir a sua. — Loegaire mexeu os dedos, a mão aindaestendida. — Eu vou lhe dar a minha espada e se ele insultar você de qualquer forma, euvou te ensinar como usá-la. Eventualmente, você vai desgastá-lo se você é tão obstinadacomo eu acho que você é.— Por que você quer que mate seu próprio irmão?— Eu não acho que você vai matá-lo, gentil Cait. Ele é tão resistente como o couro.Mas eu não me importaria que você o prejudicasse um pouco por não oferecer-lhe maissuavidade na noite passada. Ele fez-lhe uma injustiça pelo que eu entendo. — Loegaireolhou por cima do ombro para Biel. — Ele poderia ter feito melhor para você.Grupo RM Traduções 23
  10. 10. — Os homens não se importam com uma mulher quando eles sobem em cima delas.Cait argumentou e Biel percebeu que algumas de suas lutas foram deixando sua voz.Mesmo sua postura tornou-se mais relaxada.— Alguns fazem. Ele normalmente faz. Eu imagino que ele estava muito cheio de culpae estou surpreso que ele conseguiu mesmo realizar o básico. —Loegaire sorriu quando ocanto de seus lábios levemente se levantou. — Você não vai voltar comigo? Eu não soutão orgulhoso quanto ele. Eu fico de joelhos e imploro pelo seu retorno se você desejarassim, embora eu pudesse precisar de assistência para levantar depois. Meu corpo frágiltem visto muitas batalhas para se mover tão agilmente como eu gostaria.A careta de Biel se aprofundou quando a viu amolecendo. Seu irmão estava fazendo oque ele deveria ter feito, oferecendo sua bondade e a seduzindo com calor. Mas ela nãoestava olhando para Loegaire como ela olhou para ele na noite anterior.— Vocês não são mais fracos do que eu... — ela parou, os olhos estreitando novamente.Bom, Biel pensou consigo mesmo. Ela era, pelo menos, suficientemente inteligente parasaber o que estava fazendo.— Vocês invadiram minha casa. Você bateu no meu primo até sangrar. Por que eudeveria confiar que você entregaria sua espada com tanta facilidade?— Eu não pedi que você confiasse em mim, gentil Cait, só para me distrair com o seuataque ao meu irmão. Diverte-me e eu não deveria sofrer com o seu mau humor, sem teralguma diversão à sua custa.Grupo RM Traduções 24— Se você não fosse meu irmão, eu te odiaria. — Biel arreliou. — Basta. Minhapaciência já se foi. Está voltando para Blaidden mesmo que eu tenha que arrastar vocêpelos cabelos da sua cabeça.Seus olhos gelados voltaram-se a Biel e depois com um sorriso zombeteiro, ergueu amão e enfiou-a na de Loegaire.— Se ele não me der a sua espada, vou roubá-la e enterrá-la hoje à noite em seu crânio.Loegaire riu e fechou os dedos sobre a mão dela. Ela não ofereceu nenhuma lutaenquanto ele a levou de volta para o cavalo que prendeu ao seu próprio. Biel sentiu odesenho de sua própria espada em seu irmão, enquanto observava-lhe ajudar Cait a subirno cavalo. Ela nem sequer fez uma tentativa de fuga, ao invés olhou desafiadoramentepara Biel, enquanto Loegaire montou seu próprio cavalo.— Você vem? Seu irmão sorriu para ele.Biel não respondeu, puxando-se sobre seu cavalo. Ele se virou e levou-os de volta paraBlaidden. Quando eles chegaram seu irmão aplaudiu, mas ela passou por eles de voltapara o castelo. No momento em que eles estavam no grande salão, ela se virou eestendeu a mão.— Sua espada?Loegaire sorriu para ela quando alguns dos outros se apresentaram por trás deles.Depois de um momento, ele desembainhou a espada e ofereceu-lhe o punho. Seus olhosse arregalaram como se estivesse surpresa de que ele não houvesse mentido.Grupo RM Traduções 25— Ela é grande, mas é rápida, alertou Loegaire quanto ela chegou para frente.No momento em que ele lançou a arma para ela, a ponta mergulhou e bateu no chão.Biel viu-a erguer a arma com ambas as mãos.— Eu não tenho tempo para isso. Existe um muro a ser construído. Biel começou avirar.— Talvez alguma coisa para seduzi-lo, gentil Cait, — Loegaire sugeriu. — Se vocêcorta-lo, você tem permissão para ir livremente. Se ele conseguir a espada de você, vocêlhe dará um beijo... um sem dentes e garras.
  11. 11. — Apenas um corte?Biel viu o olhar queimando para vida com a esperança em seus olhos. Isso o deixavacom raiva, principalmente de si mesmo. Ele a encarou totalmente quando ela levantou aespada. É claro que ela iria tentar usá-la. Enquanto ela avançava assim o fez, elepretendia apenas tomar a arma dela, mas então ela o surpreendeu.A espada arqueada para cima e ela mudou seu peso. Sangue de Deus! Ela sabia comousá-la. Ele deu um passo para trás, a espada desceu e novamente quando ela avançou aponta dirigida a seu peito. Atrás dela Loegaire riu e bateu palmas, satisfeito com adescoberta de que ela poderia usar a arma.Era muito pesada para ela, enquanto seus movimentos eram lentos seus golpes foramdeliberados.Grupo RM Traduções 26— Dê-lhe algo mais leve. Ela mal consegue levantar isso. Um de seus irmãos seadiantou e estendeu uma pequena espada. Ela trocou-a, enquanto Biel recuperava suaprópria arma.Desta vez, ela mudou-se muito mais rápido, mas com sua própria espada, ele era capazde bloquear seus ataques.— Use o seu peso para adicionar força. Quando você balançar, faça com seu corpointeiro, não apenas a seu braço.Ela franziu o cenho.— Você vai me dizer como matá-lo agora?— Você não vai me matar, mas eu posso ver que não é a primeira vez que você levantauma arma.— Meu primo me ensinou para que ele pudesse praticar. — Ela balançou e depoisapontou, quase acertando seu lado. — E embora não possa te matar, vou golpeá-lo paraque eu possa deixar este lugar.Biel embainhou sua espada e esperou ela se aproximar o suficiente. Ela balançou e elese aproximou rapidamente segurando a arma com uma mão, acima dela, e com a suaoutra, envolvendo seus dedos em torno de seu braço. Ele puxou a arma e jogou-a emdireção Loegaire.Sua esperança fugiu, substituída no início pela devastação, e depois com raiva.— E agora você vai ter o seu beijo, suponho.Grupo RM Traduções 27— Não. — Ele estremeceu e suavizou sua voz. — Não, eu não tomarei isto. Eu acreditoque a troca que você fez era que eu recebesse um beijo seu. Ele permitiu a seus dedossoltarem seu braço e trouxe o outro, quando Loegaire recuperou a arma.— Foi meu engano pensar que eu podia atingir você, mas seu irmão disse que ele memostrará como usar a arma. É um preço pequeno a pagar de forma que eu posso sermais bem sucedida na próxima vez. — Ela empurrou seus dedos do dele. — Por favor,não finja ternura. É muito tarde. Eu vi sua natureza verdadeira e seria ridículo fingir quevocê é o contrário agora só para impressionar seu irmão.— Quem me dera quisesse impressionar você, — Biel sugeriu e então quase sorriuquando ela bufou. — Muito bem, se você não aceitará minha civilidade então eu devoagir como você assume que eu farei e tomar o que é meu.Ela ergueu seu queixo.— Nada meu é seu. Você pensa que subindo sobre mim você reivindica de algumamaneira a mim? — Sua risada estava zombando. — Eu permiti que você fizesse istopara salvar minha irmã de você. Se não fosse por ela, Atherton ainda pertenceria a meupai.Ele grunhiu.
  12. 12. — Uma escolha que eu permiti a você. Você não percebe que tudo foi por escolhaconcedida a você por mim? Se eu fosse inferior, eu poderia ter entrado e forçado eumesmo a você e sua irmã. O vigário podia ter nos casado enquanto eu estava em você.— Ele não esperava pelo tapa, entretanto ele deveria ter. Seus dedos deixaram umapicadura em sua bochecha. — E agora você é minha esposa. Você é minha. E eu fareicom você tudo que eu desejo. Eu mostrei a paciência eGrupo RM Traduções 28permiti que você lutasse. Mas você confundiu minha paciência com fraqueza. Se fosse aminha vontade eu poderia te distribuir para meus irmãos.Ela cutucou seu dedo em seu peito.— E isto é sua vontade? Não me surpreenderia pelo menos poderia me ser oferecidoalgum prazer com um deles. — Suas palavras eram suas armas agora. — Os homenspensam que sexo dá a eles poder sobre mulheres, que eles podem quebrar uma vontadeviolando um corpo. É com essa estupidez que eu estou contando que me oferecerá aoportunidade de examinar você.Biel olhou para ela, mal ouvindo a advertência baixa que Loegaire murmurou. A briga odespertou. Ela tinha coragem e recusou-se a ser intimidada. Seu irmão disse que elabateu no vigário. Agora, ela o olhou, seu olhar firme.— Vou aconselhá-la que no futuro se você quiser trocar a sua liberdade é comigo quevocê deve fazer a sua luta. Meu irmão ofereceu-lhe a liberdade que não era sua para dar.Mesmo se você conseguisse me prejudicar, você teria que permanecer aqui.Ele inclinou a cabeça para o lado quando seus olhos se arregalaram.— Você ainda quer reivindicar uma recompensa por eu não ter te prejudicado? Elagirou em seu salto de sapato. Ela não olhou para trás quando subiu e desapareceu devista.— Você deveria ter apenas a beijado.— Ela torna terrivelmente difícil fazer isso. — Biel rosnou para Loegaire. — E vocênão ajuda em todos os assuntos.Grupo RM Traduções 29Capítulo 2Cait deitada na cama ouviu seu marido Viking entrar na câmara. Já era tarde. Passara amaior parte do dia ajudando seus homens a começarem a construção do novo muro. Elaobservou-os a partir da janela por horas. Depois ele olhou para ela. Ela conheceu o seuolhar com um brilho e podia jurar que viu um pequeno sorriso em seus lábios quandoele se afastou.Ele não acendeu uma vela, mas despiu-se no escuro. Ela prendeu a respiração quando acama cedeu ao seu peso e agarrou os cobertores quando ele deslizou abaixo deles. Elapodia sentir o calor do seu corpo antes mesmo que ele rolasse para ela e envolvessebraço grosso em toda a sua cintura.— Não me toque.Por um momento ele não se mexeu, então a palma da mão deslizou até entre os seusseios. Ele a puxou para trás, deslizando-a para si. Ela tentou fugir para longe, mas elesegurou-a onde ela estava.— Você está sujo e me dá nojo, ela retrucou.— E você tem a língua de uma vespa. Mas ele riu e ela se enfureceu.Grupo RM Traduções 30Ela agarrou o braço dele e virou a cabeça, mordendo sua pele. Ele sugou a respiração epuxou a mão dela, mas um momento depois, ele a revirou de volta e se aproximouacima dela. Ela olhou com os olhos arregalados em seu olhar, presa com medo, incapazde gritar quando seus olhos brilhavam amarelos para ela.
  13. 13. — Você sabe como um homem do lobo afirma sua companheira? Pela mordida. Amenos que você me deseje para marcar-me como seu, não me morderá de novo, porquecada vez que você faz, tudo o que posso pensar em fazer é subir em cima de você.Sua voz era profunda, seu hálito quente contra seu rosto. Aqueles olhos a segurando.Ele não era homem, ela percebeu. Ele era uma espécie de demônio, algo mal.— Por favor não me mate, sua própria voz tremeu.Ele olhou para ela por alguns minutos, seus olhos esmaecidos e depois voltou aonormal. Lentamente, ele saiu de cima dela e se estabeleceu ao lado dela, mas elapermaneceu como estava, olhando para a escuridão, o coração batendo forte. O homemlobo, que é que ele disse. Ela se sentia doente. Ela lhe permitiu consumar seu casamentona noite anterior, um casamento que não foi simplesmente com um homem, mas comalgum tipo de besta-fera.De repente, ela saltou de lado e longe da cama. Na escuridão, ela viu sua subida parasentar-se. Ela recuou até que ela poderia pressionar suas costas contra a parede maisdistante.— O que você está fazendo?Grupo RM Traduções 31Sua forma se levantou e caminhou em direção a ela, mas ela fechou os olhos, desejandoque ele fosse embora. Ela ouviu-o se aproximar e então pulou quando sua mão tocouseu rosto.Ela virou a cabeça.— Sou um homem, — disse ele calmamente. — Eu sou do lobo e posso assumir a suaforma, mas eu ainda sou homem.Seus dedos roçaram seu queixo e ela choramingou. Nenhum homem tinha olhosamarelos como aqueles.— Não. — Ele segurou seu queixo e forçou-a para frente. — Chute-me se você temmedo, mas não se esconda.Ela não abriu os olhos, com muito medo do que ela poderia ver. E depois no momentoseguinte, seus lábios roçaram os dela. Ela levantou as mãos e empurrou contra seu peitosólido.— É isso aí. Não deixe o medo te fazer fraca, Cait, ele murmurou contra sua boca e elao empurrou novamente. Em seguida, bateu nele enquanto as lágrimas deslizavam peloseu rosto. Ela soluçava, mas ela continuava a bater até que ele recuou e, em seguida,puxou-a em seus braços. Ela tentou se afastar dele, para ficar livre, mas ele apenassegurou-a contra o peito.— Eu sinto muito. — Ele falou calmamente ao lado de seu ouvido. — Eu não queriaassustá-la. Sinto muito.Finalmente, ela encontrou sua voz.Grupo RM Traduções 32— Você tinha a intenção. É tudo que você fez desde que forçou seu caminho paraminha casa. Você assustou todos aqui para fazerem o que queria. Você forçou eintimidou e... e...— Não desta vez. Eu não quis dizer para fazer você me temer. Ele segurou-a para longedele, então se virou. Ele acendeu uma vela ao lado da cama e a respiração Cait ficoupresa na sua garganta. Ele estava nu. Ela sabia, mas sem a luz tinha sido fácil não pensarnisso. A pele esticada sobre os músculos duros e sem suavidade em qualquer lugar.Quando a encarou, ela desviou o olhar.— Olhe para mim. Eu sou um homem. — Ele se aproximou, mas ela não olhou. — Euposso ser ferido e prejudicado, assim como qualquer outro. Você não pode ver isso?
  14. 14. Finalmente seu olhar atraiu de volta para ele e depois para baixo para cicatriz do seulado.— Mas você... Seus olhos...— Eu sou um homem lobo. Não é tão incomum como se poderia pensar. Eu não deveriater usado para assustá-la. — Ele plantou a mão na parede ao lado de sua cabeça einclinou-se para o seu peso sobre o braço. — Você acabou de mover-me do modo queeu gosto... a sua agressividade é sedutora.— E você é nojento. Ela estava exausta demais para adicionar mais nitidez às suaspalavras.— Existem homens que vêm aqui. Homens como eu, os nossos inimigos. Eles teriamrasgado em pedaços este lugar se eu não viesse aqui e o tomasse. Com acesso ao lagopodemos impedi-los de vir mais ao norte desta forma. Nós não matamos ninguém doseu povo. Nossa intenção não é matar inocentes.Grupo RM Traduções 33— Mas você... você bateu no meu primo e forçou meu pai...— Seu pai tinha relações com os nossos inimigos e lhes tinha dado permissão para virdesta maneira. É por isso que tivemos que tomar o castelo e estabelecer aqui.Cait balançou a cabeça.— Meu pai não sabia o que estava...— Ele sabia.Ela balançou a cabeça novamente. Não. Seu pai não a teria deixado se tivesseconhecimento. Eles não teriam sido capazes de arrastá-lo para longe. Ele não teriadeixado ela se casar com um animal.— Seu pai sabia e tolamente pensou que se permitisse que eles usassem Blaidden elesiriam realizar a sua parte no trato. Eles não iriam. Eles destruiriam este lugar e cadapessoa aqui. — Ele soltou um suspiro pesado. — Agora que Blaidden é meu, aquelesque vierem aqui ou vão querer nos derrotar ou vão manter distância.— Por que você não explicou isso ontem? Por que você não nos contou o perigo...— Porque seu pai já sabia. E não existia tempo para explicar qualquer coisa. Eu estavamuito ocupado tentando afastar você de me espancar ou montar diretamente em suahorda. É verdade que nós tomamos o que nós queremos, mas nós não desejamosdestruir tudo ao redor. Eles teriam destruído esta ilha inteira.— Tudo? Ela agitou sua cabeça.Grupo RM Traduções 34— Tudo. Os números de nossos soldados é grande. Foi fácil de ultrapassar o seucastelo. Seria tão fácil ir de cidade em cidade e fazer o mesmo. É exatamente isso queeles teriam feito. A partir daqui podemos detê-los, salvar o seu povo e manter os nossosinimigos de navegação longe do nosso povo, nossas famílias.A cabeça de Cait estava doendo. Era demais para acreditar.— Você poderia ter feito tudo isso sem um casamento.— Eu poderia, mas eu queria Blaidden, — ele disse simplesmente. — E quando vocême bateu, eu quis você também. Seus lábios levemente levantados nos cantos. Elecomeçou a inclinar para frente, mas Cait ergueu as mãos para o peito e empurrou-o paratrás.— Mas eu não quero você. Você forçou-me a este casamento e...— Eu dei-lhe uma escolha. E eu acredito que foi você entendeu o negócio. Eu tomei ocastelo. Você deu-se a mim por escolha, ele corrigiu.— Para salvar a minha família.
  15. 15. — Ainda era uma escolha. E percebo que a sua família não lutou por você como vocêfez por eles. A mulher praticamente atirou-lhe para nós. Ele ergueu a mão livre e tocouseus cabelos. Era estranho olhar para as pontas de seus cabelos entre os dedos.— Ela estava salvando Fiona. Ela não é tão forte como eu sou...Novamente, ele interrompeu e a corrigiu.Grupo RM Traduções 35— O que eu fiz para você que exigiu que você fosse forte? Ontem à noite? Apesar daspalavras duras que você atirou em mim, eu fui tão gentil como eu poderia ser.Cait franziu o cenho. Ele estava certo. Ele poderia ter sido áspero. Ele poderia terdeixado hematomas como ela suspeitava que ele faria. Mas ele não tinha.— Você não entende. Fiona é mais frágil do que eu...— Eu não teria prejudicado a menina. Assim como eu não tenho prejudicado você. Nãoimporta. Eu não a queria. Ela chorava como as outras. Você olhou diretamente paramim. — Novamente ele sorriu. — Eu vou dar-lhe tempo para digerir tudo o que eu lhedisse. Você pode voltar para a cama agora.Cait estava lá quando ele se afastou. Ele estava certo. Era muito para pensar de uma vez.Ela caminhou de volta para a cama e subiu debaixo dos cobertores. Instalou-se ao ladodela e, em seguida, apagou a vela.— Por que você explicou tudo isso para mim?— Talvez para compensar ter assustado você, ele respondeu depois de um momento.— Eu não teria ficado com medo. Pela manhã, eu teria tentado matá-lo de qualquermaneira. — Ela rolou para o seu lado, de costas para ele. — Eu estava chocada e nãosabia como reagir.Depois de um momento ele se virou para ela e seu braço envolveu por cima dela.Grupo RM Traduções 36*****— Já faz quatro dias e ela não tem tentado fugir de todo. Loegaire quase sooudesapontado.— Eu não acho que ela vai tentar fugir de novo. Biel revolveu a pedra no lugar eesperou que seu irmão espalhasse a argamassa em cima dele. Ele levantou mais uma dasgrandes pedras que os outros estavam carregando e largando em uma pilha fora do muroque estavam erguendo.Do outro lado Uif adicionando à sua força, anexando madeiras presas por grossas ripasde madeira. Algumas das pessoas da cidade que não tinham fugido permaneceram efinalmente começaram a juntar-se a construção da fortaleza.— Ela aceitou que é sua esposa? Loegaire perguntou quando Biel colocou a próximapedra.— Eu não sei. Eu só sei que ela não vai tentar fugir de novo. Biel levantou seu olharpara encontrar seu primo levando-a do castelo.Ewan ficou ali olhando para a parede que cercava a volta do castelo. Ele pesquisou oseu trabalho por vários minutos antes de olhar a Biel e depois andar para frente.— Não é alto o suficiente se você quer que seja uma muralha defensiva. Ewan falouantes de chegar a eles.— Será. Biel respondeu e levantou outra pedra.Quando ele não ofereceu nenhuma explicação, Loegaire falou.Grupo RM Traduções 37— Vamos construí-lo em duas seções. Esta é a menor e deve ser concluída hoje à noite.Então em cima dela uma segunda será construída. Então, vamos ajudar aqueles quetrabalham na parede externa. Apontou e Ewan olhou para a segunda parede sendoconstruída alguns metros para fora.
  16. 16. — Minha prima me disse que há uma chance de sermos atacados. — Ewan voltou seuolhar de volta para Biel. — É por isso que você tomou esse lugar. Você não precisavater corrido o meu tio daqui.— Seu tio não é confiável.— Meu tio é um homem corajoso e não arriscaria a sua família.— Às vezes a loucura faz uma pessoa indigna de confiança. — Biel aceitou a água queum de seus homens lhe trouxe. Ele bebeu profundamente e passou para Loegaire. — Foià loucura que nos trouxe a este lugar para começar.— Ele vai para a casa de meu pai. Eu deveria enviar uma mensagem para o meu pai doque aconteceu e por que você e seus homens estão aqui. — Ewan chegou mais perto. —Ofereço isto pela segurança de minha prima. Eu não quero que ela sofra algum malquando meu pai e seus homens voltarem por mim.Biel se encostou à parede.— Cait é minha esposa agora. Eu não permitiria que ela fosse machucada. Ao contráriode outros, eu protejo aqueles que são meus. Eu não as abandono ou as uso para troca,Behind Ewan!Cait ficou em silêncio, mas o olhar dela correu para ele.Grupo RM Traduções 38— Você permitira Loegaire?— Eu não faria isso.— Você vai me permitir enviar a mensagem? A irritação de Ewan era evidente.— Você pode enviar qualquer mensagem que você deseje ao seu pai, espero que o alertepara ele não atacar-nos para que não encontre uma morte rápida. Ele só deve levar seushomens como meios para defender Blaidden dos nossos inimigos.— Por que deveria defendê-lo em tudo? Ewan agarrou.— Porque eu sou o marido de sua sobrinha. Porque esta é sua casa. Biel cruzou osbraços.— Que você pegou à força! Ewan parecia pronto para saltar sobre ele.— E paguei quando seu tio deixou este lugar. Ele carregava consigo uma grandequantia, suficiente para comprar terras e uma casa em outro lugar. Ele viu o olharalargado de Cait e ela se adiantou.— Por que você faria isso? Perguntou ela.Biel não respondeu e voltou a trabalhar.— Ele fez isso para você, gentil Cait. — Loegaire disse. — Você é sua esposa e elequeria que a família de sua esposa estivesse assegurada.Biel não disse nada até Ewan e Cait caminharam de volta para o castelo.Grupo RM Traduções 39— Eu não me lembro de pedir que você explicasse meu comportamento.— Foi pela paz de espírito. Loegaire defendeu-se.— Eu não solicitei a nenhum de vocês também.— Pode fazê-la pensar um pouco na sua situação, se soubesse que o marido que eladespreza ofereceu-lhe mais honra do que a família que por quem ela lutou tanto. —Loegaire estalou. — Perdoe-me por dizer a ela o que já deveria ter sido dito.Biel não disse mais nada e eles terminaram a parede ao anoitecer. Ele comeu com seushomens e, em seguida, subiu as escadas para seus aposentos. Ao contrário das noitesanteriores, ele não entrou em uma câmara escura. Esta noite, Cait esperava por ele epara sua surpresa, ela tinha preparado um banho.— Não ache que isso significa alguma coisa, — alertou. — Eu não desejo sufocar como seu cheiro esta noite.
  17. 17. Ele resmungou quando começou tirar suas roupas. Uma vez nu, ele se estabeleceu nabacia grande de água. Quando ele estava estabelecido, ela se mudou e chegou pararecolher suas coisas, mas ele estendeu a mão e pegou o pulso dela antes que ela pudessepegar suas armas.— Com medo de eu as usar contra você? — Seus olhos brilharam. — Se eu quisessefazer uma coisa dessas tive muitas oportunidades.Por um momento, Biel não a soltou, e então lentamente soltou seus dedos. Ela apertouos lábios, revirando os olhos, e pegou as armas, colocando-as sobre a mesa ao lado dacama.— Venha aqui, mulher. Viu-a olhar para trás.Grupo RM Traduções 40— Por quê?— Não me questione. Venha aqui. — Ele esperou. Finalmente, o mais provável porcuriosidade, ela caminhou até ele e ficou ao lado da bacia. — Eu gostaria que você melavasse. Mais uma vez ele esperou. Será que ela se acalmaria?— Você não pode lavar a si mesmo?— Estou cansado. Ele sorriu quando ela fez um som de impaciência, mas abaixou dejoelhos.— Um dia de trabalho e os homens se transformam em inválidos, — ela resmungoualcançando o sabão e pano. — Vamos em frente para que eu não deseje reconsiderar ecortar sua cabeça com sua própria espada.Ele riu quando se inclinou para frente. Ela lavou as costas, então seu cabelo. Quando elese inclinou para trás, ela inclinou-se correndo seu pano com sabão sobre o peito, braçose pernas. Ele fechou os olhos e inclinou a cabeça para trás, desfrutando a sensação deseus movimentos. Depois de enxaguar longe o sabão, as mãos continuaram e ela não seafastou. Um momento depois, o pano molhado por baixo da superfície tocou seu pênis.Ele não tinha pensado que ela faria. Mas banhou tudo dele. E seu corpo respondeu. Eleouviu seu suspiro quando ele endureceu. Ela começou a se afastar, mas ele estendeu amão e pegou o braço dela quando abriu os olhos. Suas bochechas estavam vermelhas eele podia ver que sua respiração era diferente.— Você vai me deixar nesta condição? Você é uma mulher cruel, Cait Vard. Viu seusolhos aumentarem quando ele disse seu nome completo. Talvez ela não se desse contade que seu nome era seu agora.Grupo RM Traduções 41— Eu fiz o que você queria. Ela não tentou se afastar.— Toque- me. — Encontrou-se com o seu olhar, momentos antes de ele disparar paraseu pênis. — Toque- me, Cait e alivie-me.Seus lábios enrolados ela se ajoelhou ao lado dele novamente, mas ele não a soltouquando ela começou a se inclinar para frente.— Toque-me... Suavemente.Ela falhou miseravelmente quando tentou não rir.— Talvez eu queira removê-lo do seu corpo completamente.Biel lançou seu braço e inclinou a cabeça para trás outra vez, fechando os olhos.— Isso seria muito ruim para você porque eu não tenho a intenção de te machucar.Um momento depois, seus dedos deslizaram contra ele. O envolvendo e puxando paracima em seu comprimento. Ele gemeu em resposta.— Eu faço isso agora para você por causa do que você fez pela minha família. Vocêdeu-lhes dinheiro. Eu aprecio o que você fez. — Sua palma deslizou-o novamente. —Não muda nada entre nós.
  18. 18. Ela estava errada. Ele mudou tudo. A tração dos dedos causava aperto em seu estômagoquando a excitação enrolava dentro dele. A besta dentro dele não ficaria satisfeita. Eleestendeu a mão e fechou a mão sobre a dela, apertando os dedos dela e definindo oritmo.Grupo RM Traduções 42— Assim. Ele liberou e permitiu que ela continuasse.Não levaria muito tempo e sua respiração se aprofundou quando suas bolas apertaram.A tensão apertando e de repente a mão esquerda dele. Ele abriu os olhos, quandoalguém bateu na porta. Ela levantou-se, mas ele se levantou e saiu da água. Sem cobrir-se ele foi até a porta e abriu-a. Loegaire estava ali.— O que é isso? — Loegaire sorriu para ele. — Tomando banho?— O que é que você quer irmão, ou eu juro que vou rachar sua cabeça. Ele ouviu arisada de Caith é atrás dele.— Bem, eu não consigo encontrar Ewan em qualquer lugar e um dos cavalos se foi.— Ele provavelmente foi para casa de seu pai e abandonou-a como o resto de suafamília fez. Vá encontre-o e traga-o de volta. Biel olhou para Cait. Era óbvio que elatinha o ouvido, mas não respondeu.— Você vai vir com a gente?— Não, eu não irei com você. Ele fechou a porta sobre o sorriso de seu irmão.— Você não precisa dele. Caso tenha fornecido dinheiro a meu pai, o castelo pertence avocê. Caith falou quando ele a encarou.— Eu quero mantê-lo aqui até que eu tenha certeza de que não haverá ataques de nossosinimigos. A última coisa que preciso é o líder de um exército sobre nós enquantoestamos no meio de nossa própria luta. Agora venha aqui.Grupo RM Traduções 43Quando ela não se moveu, ele perseguiu a frente e ela correspondeu a cada passo comuma retirada.— Eu o ouvi andando pelo corredor. É por isso que eu parei. — Suas costas colidiramcontra a parede. — Eu posso continuar.— É muito tarde para isso agora. Colocou as duas mãos em cada lado dela contra aparede.— Não parece tarde demais. Seu olhar se atirou para seu pau duro.— Eu o quero em você. — Ele se inclinou para frente. — Bem fundo em você.Caith não poderia explicar o calor que lavou seu corpo em resposta a suas palavras. Derepente sentiu suas roupas muito apertadas e o quarto parecia mais quente. Ela tocou-lhecomo queria, com metade curiosidade, metade gratidão pelo que ele fez para suafamília. Mas quando ele gemeu, ela não podia negar que gostava da maneira como elesoava. Agora, com os braços de cada lado dela, ele parecia ocupar toda a sala deixandosem ar para ela respirar.— É desonroso para você até mesmo pedir isso para mim. Ela tentou lutar afastando ador de seu corpo. Ela não deveria desejar este homem. Ele tomou sua casa a menos deuma semana. Ele a fez se casar com ele para salvar sua família. Ele admitiu que era umlobo. Ela tinha visto os olhos por si mesma. Ela deveria odiá-lo.— Eu não pedi. Ele se inclinou mais perto.— Você está escorrendo por todo o chão. Ela se recusou a olhar para ele.— Caith. — Ele disse seu nome e levantou seu olhar ao dele. Sua respiração ficoupresa. Seus olhos estavam cheios de desejo. Os planos de seu rostoGrupo RM Traduções 44estavam vermelhos e seu nariz queimado. Sua violência a fez tremer. — Tire a roupa oueu vou rasgá-la do seu corpo.
  19. 19. Seu batimento cardíaco acelerado.— E se eu te disser que não é o meu desejo que você possa...Ele se inclinou mais perto para que ele estivesse um sopro longe dela.— Eu sei que seria uma mentira. Eu posso ver isso em seus olhos. Eu posso sentir ocheiro no ar. Tire suas roupas.Suas mãos tremiam quando ela fez como lhe ordenara. Quando ela estava nua, ele nãose afastou, baixando seu olhar sobre seu corpo. O que ela tinha esperado quando elapreparou o banho? Ela sabia que isso aconteceria. Era por isso que ela tinha feito isso.— Bonita, — ele sussurrou e sua mandíbula roçou seu rosto enquanto ele a respirava.Era uma coisa primitiva a fazer. Tão perto e ela sentiu o calor de seu corpo. Isso a feztremer. — Abra suas pernas.Ela obedeceu e depois engasgou quando ele jogou o peso para um dos braços e abaixoua mão para tocar a parte mais íntima dela. Seus dedos deslizaram entre suas dobras edepois mergulharam dentro dela.— Você está pronta para mim. — Ele se inclinou ligeiramente para trás para quepudesse ver seu rosto. — Você me quer. Diga-me.Ela balançou a cabeça e depois prendeu a respiração quando a palma da mão em conchapressionou contra ela. Quando ele balançou o dedo dentro dela, sua mão estimulandoseu sexo. Ele moveu a mão contra ela. Seu corpo respondeu às sensações, os mamilosendurecendo. Ele se inclinou para frente e tomou um bicoGrupo RM Traduções 45entre os lábios, revirou a língua em torno de sua ponta, antes de sugar ferozmente. Eleaplicou a mesma atenção ao outro.O corpo inteiro de Caith tremia com a tensão.— Eu quero você. As palavras caíram-lhe dos lábios antes que ela pudesse detê-las.Imediatamente ele se endireitou e agarrou a mão dela. Girando ele caminhou até a cama,puxando-a com ele. Deitou-a de costas e depois se arrastou em cima dela,estabelecendo-se entre suas coxas.Um impulso rápido e Caith arqueava para ele. A intrusão parecia boa. Ela inclinou-separa agarrar seus ombros quando puxou e depois impulsionou novamente. Com cadabatida de seus quadris, ele fazia um som em sua garganta que era meio gemido meiorosnado. Provocando arrepios quentes sobre seu corpo.Ele se inclinou e beijou-a quando seu pau mergulhou dentro dela, uma mão deslizandoentre eles para massagear seus mamilos. A paixão tomou conta dela e ela puxou seusombros para obter mais, mordendo, cravando em sua pele. Ele sugou o ar entre osdentes quando ele quebrou o beijo e pairou sobre ela.Caith percebeu que ele gostava da aspereza. Lembrou-se quando a pouco ele tinha dito aela o que despertava nele. Agora, ela inclinou-se para cima e mordiscou sua mandíbula.Quando ela moveu os lábios em seu ombro e aplicou mais pressão, puxou seus quadrispara frente. Caith foi atacada com a emoção inebriante de controle. Ela arrastou asunhas por cima dos ombros para o peito e, em seguida, mordeu-o de novo.— Pare ou então Deus me ajude vou me perder em você, ele murmurou, desta vez aforte voz de barítono soava desesperadora.Grupo RM Traduções 46Ela o mordeu de novo e quando ele olhou para ela, seus olhos estavam amarelados. Noinício, assustou, mas quando começou a balançar os quadris nela, empurrando comforça, ela não se importou que cor que seus olhos estavam.Montou sua urgência e ela levantou os joelhos até a cintura, oferecendo-lhe mais dela. Eele tomou. Era como algo da natureza, selvagem e desesperado, seus longos cabelos
  20. 20. caídos em torno de ambos enquanto aqueles olhos amarelos se fixaram nela. Quebrandoa sua tensão e o prazer explodiu, alcançado a partir de seu sexo para fora em seusmembros até que ela estremeceu sob sua força.Ele se juntou ao seu êxtase, um momento depois, empurrando profundamente, seu pauconvulsionando dentro dela, enquanto ele jogou a cabeça para trás e mostrou os dentes.Ele parou momentaneamente antes de cair para frente, seu peso em seus braços em cadalado dela. O silêncio encheu a sala, quebrado apenas por suas respirações pesadas.Lentamente, o amarelo esmaeceu e desapareceu de seus olhos.— Você me enfraquece mulher, ele finalmente respondeu asperamente.Enfraquecido? Ele não era nada fraco. Ele havia sido forte e dominador e ela tinha feitoseu comportamento mais animalesco do que ele.Finalmente ele puxou de dentro dela e rolou para deitar-se a seu lado. Ela se estendeu,apreciando o calor que puxavam seus membros. Quando ela olhou para ele, ele enfiouum braço atrás da cabeça. Ele deslizou o outro por baixo dela e ela se enrolou nele.— Você me empurra para perder-me completamente para o lobo.Grupo RM Traduções 47— Você disse que pode tomar forma do lobo. Você já fez isso quando você se deitoucom uma mulher? Caith perguntou, respirando aliviada quando ele balançou a cabeça.— Não, mas às vezes pode haver mudanças.— Como os seus olhos.— Sim. Eu não quero assustá-la novamente. — Virou a cabeça para que ele pudessebeijar o topo de sua cabeça. — Mantenha suas unhas e dentes longe de mim. Se vocêfaz isso então eu não tenho controle e o lobo dentro de mim me leva por impulso.— Qual é a sensação quando você perde o controle, quando o lobo leva você?— Liberdade, — ele murmurou. — Tanto prazer que eu me sinto consumido por ele.É assim que ela se sentiu apenas momentos antes.— Mas você nunca se torna o lobo.— Às vezes, na batalha acontece, é diferente quando é com uma mulher. Normalmentenós só mudamos por vontade. — Ele puxou o braço por baixo dela e sentou-se. —Fique aqui. Descanse. Voltarei uma vez que Ewan esteja protegido no castelo.— Eu já estou meio dormindo. Fechou os olhos e sorriu quando seus lábios roçaram osdela momentaneamente.Grupo RM Traduções 48Capítulo 3Com ambas as paredes de defesa concluída, os homens agora voltaram sua atenção parao castelo em si. Caith assistiu ao trabalho dos homens, levando-lhes água quandopareciam estar ficando cansados. Muita coisa havia mudado para ela nos últimos cincodias. No início, ela estava zangada com aqueles que ela viu fortificar o castelo. Agoraela estava mais irritada com sua própria família. Por mais que ela não gostasse, Bielestava certo. Eles tinham a abandonado. Todos eles. Agora estes homens, estranhos,trabalhavam para protegê-la, sua casa e sua família de forma que a dela nunca tinhapensado fazer.E eles eram lobos. Ou do lobo. Como é estranho que ela podia vir a aceita-los tãofacilmente. Seu olhar derivou a Biel. Ele era seu líder. Ele era seu marido. Seu corpoaquecia por ele cada vez que ela o olhava. Ele era dominante e até mesmo o assédiomoral, por vezes, mas ele não a deixava impotente. Ele nunca deixou. Ele lhe permitiulutar, atacá-lo quando os outros homens teriam batido nela. Ele tinha dado suasescolhas, embora difíceis, como se testando sua força.
  21. 21. Ela levou a água ao seu marido e quando ele aceitou e bebeu, ela estendeu a mão etocou em seu ombro. Há muito tempo que tirou sua túnica, expondo seu peito aoprofundo sol. Ela o viu, maravilhada com seus músculos, nos quais agora corriam suasunhas pelo diâmetro. Sua cabeça girou e aqueles olhos azuis estreitaram sobre ela.— Onde está o teu primo?— Eu o tenho esfregando o chão da cozinha. Um de seus irmãos está assistindo ele. Elaarrastou as unhas em sua pele novamente, em seguida, tomou aGrupo RM Traduções 49água e estendeu-a para Loegaire. Ele aceitou-a com seu sorriso habitual fácil e bebeuprofundamente.— E o que você está fazendo enquanto eu trabalho? Biel exigia.Ela inclinado seu olhar de volta para ele e sorriu.— Assistindo você trabalhar. — Ela se permitiu propositadamente olhar para seu peito,depois abaixou ao seu estômago. — Querendo saber quão bestial será seu cheiro quandose arrastar para minha cama esta noite para que eu possa sufocar.Loegaire riu em voz alta passando a água de volta para Biel.— Se você prefere passarei o dia colhendo flores silvestres para que eu não ofenda osseus sentidos delicados, e lhe darei uma casa que não poderia manter uma ovelhaintrometendo em suas portas? Biel perguntou.— Eu não pedi nada a você, marido. — Ela pegou o frasco de água, mas ele segurou-apara trás de modo que ela teve que chegar mais longe. — Agora você está apenas sendocruel. Eu acho que você está com raiva de mim. A menos que você deseje que eu omorda novamente eu insisto que você encontre um clima mais calmo.Loegaire riu novamente, mas o olhar do Biel escureceu um pouco. Ela sabia muito bemque a simples menção de morder lhe o despertava. Ela tornou-se ciente de que seusirmãos tinham parado seus trabalhos e foram vê-los agora.— Talvez a minha esposa me obrigue a permanecer no interior e reservar seus jogospara uma troca privada. — a mão de Biel estava envolvendo sua cintura e ele a puxoupara frente, contra ele. — Porque, como você pode ver, meus irmãosGrupo RM Traduções 50e eu estamos perto. O lobo liga-nos mais perto do que quaisquer outros irmãos. Elessentem o que eu sinto como eu posso detectar sua excitação também.A cabeça de Caith estalou em torno de Loegaire com a realização súbita.— Você canalha! É por isso que me incentivou a lutar contra o seu irmão! Eu pensei otempo todo que talvez você estivesse com pena, talvez até gostasse de mim, e agora euacho que você só alimentou suas próprias cobiças!Sorriso Loegaire estava torcido.— Eu gosto de você, gentil Caith. Todos nós gostamos.Caith olhou para Biel e empurrou o peito, mas ele não a libertou.— Você podia ter me contado.— Sim eu poderia. — Ele se inclinou e falou em seu ouvido. — Eu poderia fazer muitascoisas, esposa. Não te salvar da humilhação e proteger sua privacidade.Caith virou a cabeça para olhar para ele. Como podia ele fazer seu coração dispara comisso. Com só uma gota de sua voz?— Eu não entendo.— Meus irmãos e eu compartilhamos tudo. Seus olhos encontraram os dela diretamente.Caith engasgou.Grupo RM Traduções 51— Mas Uif tem uma mulher!— E todos nós tivemos a ela. — Biel não desviou o olhar. — Agora você entende?
  22. 22. Ele a liberou e entregou-lhe o frasco de água. Ela só ficou ali olhando para eleentorpecida quando ele se virou e voltou ao trabalho. Seu olhar correu em volta para osirmãos que trabalhavam ao lado dele. Cada vez que ela se acostumava a algo que ele lhedisse, ela aprendia algo novo. Sua atenção repousava sobre Loegaire até que ele olhoupara ela. Então ela se virou e voltou correndo para o castelo. Biel a encontrou horasmais tarde nos estábulos, escovando seu cavalo.— Pensa em tentar roubá-lo e escapar de novo? Ele perguntou e encostou-se na paredeao lado da tenda.— O que você quer dizer sobre compartilhar-me com seus irmãos? Ela encarou-o apósum momento de silêncio.Ele suspirou fortemente.— Eu quero dizer a você o que você precisa saber de forma que possa viver o que vocêdeseja Cait.— Quando estamos juntos, eles sentem isso também? Ela perguntou.— Eles sentem. Ele balançou a cabeça.— Então eu não tenho nenhuma privacidade. — Voltou-se para o cavalo. — Elespodem muito bem estar de pé na sala assistindo.Grupo RM Traduções 52— Se você gostar. — Biel sorriu quando ela fez um barulho. — É algo que não pode sermudado. Nossas energias estão conectadas pelo lobo. Você sentiu minha energiaquando nos reunimos não é? Era como se estivéssemos cercados pelo calor tão fortecomo uma tempestade na água. Eu sei que você sentiu.— Mas isso era conosco.— Eles sentiram também naquela noite. E se estivessem lá na sala, as suas energias seuniriam a nossa. Ela intensifica os efeitos. — Ele ergueu a mão antes que ela pudessefalar. — Eu não preciso que você se deite com eles, Cait. Isso é sua escolha, não aminha. Eu só te disse para que você soubesse como é comigo e eles.Cait franziu o cenho. Ela era uma estranha. Não era realmente um deles. Ela era apenasa esposa do Biel. Assim como ela era apenas a filha de seu pai em primeiro lugar.— Eu chateei você. Ele alcançou acima da parede e tocou em seu braço, mas ela aagitou cabeça.— Eu não estou chateada.Biel lentamente deu a volta e entrou na tenda, estendendo a mão para ela e trazendo-apara ele.— Você está chateada. Você parece como se você pudesse explodir em lágrimas aqualquer momento.— É só... tanta coisa para tentar entender. Eu não sabia dessas coisas antes de vocêchegar aqui. —Cait pressionou sua bochecha em seu peito, o som de seus batimentoscardíacos consolando-a. — Estou tentando.Grupo RM Traduções 53Biel fez uma careta. Sim, ela estava. Ela estava aceitando-os, mas ele deveria dar-lhetempo para passar pelo processo.— Bem, sem lágrimas. Eu prefiro você me chute a ver você chorar. — Ele resmungouquando ela fez exatamente isso, fornecendo um ataque afiado a sua canela. — Assim émelhor. Agora, a menos que deseje acalmar meus outros desejos, devo voltar aotrabalho.— Que outros desejos? Os olhos dela brilhavam quando olhou para ele.Biel respirou profundamente. Ele cheirava sua excitação durante todo o dia. Todos elestinham. Apesar de seu choque, havia crescido mais forte quando ele revelou a partilhada esposa de Uif. Agora parecia que o cheiro o cercava, enchendo os estábulos.
  23. 23. Ele se abaixou e se libertou de suas calças.— Coloque sua boca em mim Caith, — seu olhar caiu para o seu pau e sua línguadeslizou ao longo de seus lábios. — Chupe.Ela abaixou de joelhos e se inclinou para frente, a palma da mão deslizando ao longodele antes de colocar os dedos em torno dele. Timidamente ela trouxe seus lábios àcoroa e ele viu-se desaparecer lentamente em sua boca doce. Seu rosto afundou quandoela chupou e ele gemeu, fechando os olhos. Quando ela começou a empurrar e puxar oslábios dela sobre ele, ele estendeu a mão e agarrou as madeiras que emoldurava a portada tenda, balançando os quadris para a frente para atender a sucção de sua boca.E então ela apertou os dentes contra a cabeça de seu pênis, apenas com pressãosuficiente para fazer suas bolas apertarem.Grupo RM Traduções 54— Pelos deuses, Cait, não. Eu avisei. Sua mão esquerda em seu pau quando ela seguiupara frente arrastando um pouco os dentes em sua pele. Suas unhas levemente parabaixo arranhando suas coxas.O som que vinha dele era mais animal do que humano, o lobo querendo mais destamulher de joelhos diante dele. Biel sentiu-se escorregar, não poderia ajudá-lo. Eleempurrou seus quadris para frente quando sentiu seus caninos estendendo um pouco desua gengiva. Quando ela olhou para ele, seus movimentos silenciaram.— Chupe, ele comandou em um grunhido gutural. Após um momento ela se obrigou aretomar seu ritmo. Depois de um momento ela apertou os dentes de novo e o prazer queo envolvia era tão grande que ele quase caiu de joelhos. Não era suficiente. Ele queriamais.Recuando de sua boca, ele se abaixou e agarrou o braço dela. Fora da tenda para obalcão de trabalho no fundo. Ele a ergueu sobre a superfície estreita e caiu de costascontra a parede. Empurrando suas saias até a cintura, enfiou os joelhos a afastando eestabeleceu seu pau contra sua buceta.— Eu quero você, disse ela, e apesar do medo leve nos olhos dela, ela balançou acabeça.Ele mergulhou para o coração dela e, em seguida, usou seu corpo para pressionar suascostas contra a parede, querendo tocar o máximo possível dela com ele mesmo. Suasmãos repousavam sobre seus antebraços e ele colocou as mãos na parede de cada ladoda cabeça dela.— Quando eu empurrar profundo em você, me morda como você fez antes, Cait. Vocêdeve ver a minha verdadeira natureza. Vou me esforçar para não fazer de você minhacompanheira, mas a sua curiosidade será saciada hoje. Você vai enxergar o pior de mim.Grupo RM Traduções 55— Você está me assustando. Ela sussurrou.— Não é o controle que você quer, Cait? Agora você tem.Enfiou profundamente fazendo com que ela gritasse. Ele esperou e, em seguida, elabaixou a cabeça para seu ombro e o mordeu.— Mais duro. Ele falou enquanto ele balançava os quadris para frente novamente. Elaobedeceu e as sensações durante levaram seu corpo a tremer com a necessidade. Ele malsentiu a dor de suas unhas quando cresceram e endureceram com as navalhas afiadasdas garras do lobo. A cabeça de Caith estalou em torno para olhar suas mãos, mas eleobrigou-se a mantê-las lá na parede.— Mais duro.— Eu tenho medo.— Não haverá mais mudanças, Cait. Só minha fome por ti, meu desejo. Ele balançoupara trás antes de mergulhar de novo.
  24. 24. Quando ela mordeu desta vez, foi em resposta à tensão de aperto em seu próprio corpo.Biel podia sentir o cheiro de sua excitação aumentar.— Você pode sentir isso agora? No ar em torno de nós? Ele inclinou a cabeça para tráse respirou profundamente, empurrando-se tão profundamente quanto podia dentro dela.Ela choramingou e quando ele olhou para ela, seus olhos estavam escuros. Ela assentiucom a cabeça. Sim, ela podia sentir. Ela podia sentir o lobo lá, sua paixão, suanecessidade.— Se meus irmãos estivessem aqui, seria mais forte. Prazer perto de loucura. Isto é oque nós sentimos o tempo todo, mantém isto capturado dentro de nós. — Ele girou seuslábios para sua orelha, — você me liberta, Cait.Grupo RM Traduções 56Seu ritmo era selvagem quando começou a se mover novamente, incapaz de retardar a simesmo. Ela respondeu com tanta urgência, levantando seus joelhos aos seus quadris. Asunhas apoderaram-se dele e aqueles dentes pequenos, beliscando seu pescoço e ombroslevando-o até o ponto de que ele teve toda a sua força de vontade para não marcá-lacomo sua. Ele não podia beijá-la, ele não iria. Se o fizesse ele não poderia parar. Aocontrário, ele jogou a cabeça para trás e cravou suas garras na madeira áspera em cadalado da cabeça, seus quadris projetando contra o dela a cada estocada áspera. Seus gritosencheram o ar, e ela rebolava contra ele quando ela descobriu sua libertação, o seunome derramou daqueles lábios para que ele arranhasse nas paredes. No interior o loboqueria que ela também quisesse fazê-la deles.Quando liberou o fez em um turbilhão de prazer violento. E para sua surpresa, ela seinclinou para frente e mordeu-o quando ele a enchia, provocando a sensação seintensificar de modo que as luzes piscavam nos cantos dos olhos. O som que vinha deleera apenas um gritar meio humano, metade rosnado animal. E então o lobo acalmoudentro dele, saciado, e deixando-o ofegante.Biel endireitou, trabalhando seus dedos por causa da dor após as garras retraírem. Seusdentes se acomodaram em sua gengiva. Ainda assim seu coração batia em seu peitoenquanto ele arrastou ar em seus pulmões. Ela não parecia muito melhor. Suasbochechas estavam avermelhadas, as pálpebras pesadas. O cabelo escuro pendurado emvolta do rosto e suor pontilhando as têmporas.— Você gosta de dor.— Um pouco de dor é bom. — Ele se inclinou e roçou seus lábios contra os dela. — Euqueria beijá-la, mas não consegui. Você tem uma boca que implora por beijos. Elelambeu o lábio inferior.Grupo RM Traduções 57— É sempre assim intenso? Nunca é terno?Biel recostou-se e olhou em seus olhos.— Mantenha seus dentes e unhas para si mesma e eu posso ser tão terno quanto vocêgostaria. Você toma o meu controle para longe de mim, mulher, para que eu possapensar em nada além de enterrar-me dentro de você. Eu te disse antes. Você meenfraquece.— Eu pensei que você iria me morder, ela disse depois de um momento.— Eu quis. E parte dele ainda queria.— Por que não fez?— Eu não forçarei você a se tornar minha companheira, Cait. Você é minha esposa, masuma vez que isto estiver terminado, se você desejar que eu livre você desse casamento,eu farei isso. Se eu fizer você… completamente minha… eu nunca a deixarei. Eu jáacho isto duro de fazer agora. — Ele esfregou sua bochecha contra a sua à medida que
  25. 25. ele continuou. — Eu desejo seu fogo, seu espírito. Mas para ser minha companheira,você deve me desejar.— Eu não sei como eu sinto, — ela disse honestamente. — Eu estou confusa. Meucorpo reage de uma maneira mesmo quando minha mente diz algo diferente. Eu nemsequer me sinto a mesma quando nós estamos juntos.— Você não é diferente. Você lutou destemidamente quando você pensou que eu queriamachucar sua família. Você tem a mesma paixão feroz, você simplesmente não sabedisso. — Ele se inclinou para trás e sorriu para ela. — Se isso não fosse verdade eu nãoteria querido você tão profundamente. Eu não a quereria agora.Grupo RM Traduções 58Ela lambeu seus lábios.— Eu estou envergonhada agora para caminhar de volta para o castelo com todos elessabendo o que nós fizemos.Ele riu.— Você não precisa ficar envergonhada, minha Cait. Em uma semana você nos aceitoupelo que nós somos e provou isto agora fazendo o que você fez. Eles não têm nada alémde respeito por você.— E luxúria.O sorriso de Biel se alargou.— Sim. Não pode ser mudado. Cada um de nós sonha com uma mulher como você quepode nos libertar. Eles cobiçam você, mas eles devem também respeitar e defender vocêcomo um dos seus.Suas pestanas abaixadas.— Mas eu não sou um de vocês sou? Não realmente. Não como as mulheres de seusirmãos. Eu não posso sentir o que eles sentem, mas eu posso sentir que eu não sou partede sua família como os outros são. — Ela franziu o cenho. — Eu nunca fiz parte dafamília de ninguém, sempre só alguém lá, mas nunca abraçada em uma família.O peito de Biel se apertou e ele passou os braços em torno dela, trazendo-a para seupeito.Grupo RM Traduções 59— Isso é verdade, Cait, mas você é minha, se não for nossa. Você é minha, minhaesposa. — Ele beijou sua testa. — Você foi colocada de lado não é? A mulher de seupai e sua criança chegaram primeiro ao seu pai.— Nós tínhamos nosso próprio relacionamento. Minha irmã e eu estávamos próximas.Ewan e eu estávamos próximos, ela insistiu.— Mas você não achava que pertencia.— Eu pensei que eu fazia até que você veio aqui e ninguém…— Eles não lutaram por você como você lutou por eles. — Biel assentiu e, em seguida,franziu a testa enquanto ele sentiu suas lágrimas contra a sua pele. Seus braçosapertados. — Meus irmãos lutariam por você como se estivesse lá sua própria esposa.Eles vão fazer isso porque você é minha. — Ele acariciou seus cabelos. — É verdadeque não há a mesma ligação como se você fosse minha companheira, um de nós, maseles jamais te abandonariam. Se alguém viesse a este lugar como viemos, um a um elescairiam antes de permitir a outro a tomar ou prejudicá-la.— Você não teria os matado se meu pai lutasse por mim?— Não.— Você teria sido gentil com minha irmã.— Sim.— Se meu pai se recusasse a partir…
  26. 26. — Ele teria permissão para ficar. — Biel respirou fortemente. — Nós somos um bandointimidante, mas nós respeitamos a força da família.Grupo RM Traduções 60— E a minha não tinha nenhuma.Ele se inclinou para trás e levantou o rosto com os dedos.— Isso não é verdade. Você é à força dessa família. Você lutou, como um urso, egostou de suas vitórias, não importa quão pequena ou desesperadas eram para mim.Beijou seus lábios. Desta vez, ela respondeu, beijando-o de volta. Suas mãos deslizavamsobre seus ombros e em seus cabelos, puxando-o para beijá-la mais profundamente. Seuriso quebrou o beijo quando seu corpo apertou ao redor de seu pênis, ainda dentro dela.— E agora você quer enfraquecer a minha força também. Tenho um apetite e,normalmente, pode acalmar, mas depois do que fizemos estou mais próximo de marcarvocê do que eu estava, você deve dar-me tempo para recuperar a minha força.— Eu quero você. Essas foram suas próprias palavras, as que ele tinha dado a ela antes.— Então este é o seu novo plano de fuga. Matar-me com o sexo? Ele tirou de dentrodela, mas ela gemeu em protesto fazendo seu pau endurecer, apesar do cansaço quesentia.— Talvez. É um bom plano. Ela olhou para seu pau e de volta para seu rosto. Quandoela arqueou uma sobrancelha em desafio ele estendeu a mãoGrupo RM Traduções 61— Não assim. Em algum lugar mais macio para você. — Ele olhou em volta e depoisfoi limpar o feno destinado para os cavalos. — Deite-se para mim, minha Cait, e semunhas, ou dentes não desta vez.Deitou-se e estabeleceu-se ao lado dela, avançando para abrir seu vestido para que elepudesse libertar seus seios. Inclinado para frente ele lambia em seus mamilos,apreciando o zumbido suave que ela soou em resposta. Ele voltou à boca e beijou-adelicadamente enquanto enfiou a mão debaixo de sua saia para tocar seu sexo.Ela estava molhada de sua união e gostava da sensação dela em seus dedos. Arrastandoa umidade para o clitóris, ele começou a massageá-la lá e com a boca trouxe os mamiloseretos e escuros. Cada som que ela fazia de desejo esfaqueava dentro dele. As unhasescovadas na nuca, mas ele não ia deixá-la despertá-lo desse jeito de novo tão cedo. Elaperguntou sobre ternura e ele ia provar que nem sempre tinha que monta-la como umafera.Coletando seus pulsos em uma mão, ele empurrou-os acima da cabeça, prendendo-os lácom pouco esforço. Ele afundou um dedo nela enquanto beijava seus lábios, bebendo ogemido que ela oferecia. Em seguida, ela sussurrou seu nome contra a sua boca. O peitoapertou de emoção.— Cait, ele murmurou de volta.— Por favor.Ela o desfez. Ele puxou a mão dela, em seguida, mudou-se em cima dela. Eleescorregou para dentro dela e o corpo apertou em torno dele como se tivesse comsaudades dele nos poucos minutos que ele tinha ficado afastado.Grupo RM Traduções 62Lentos golpes preguiçosos, não demorou muito para tê-la balançando abaixo dele,tentando satisfazer suas estocadas suaves. Ela era tão responsiva.— Diga-me como você quer Cait.— Duro.Ele empurrou seus quadris.— Como isso?— Sim. — Ela gritou. — Mais rápido.
  27. 27. Ele acelerou o ritmo para que pudesse se acostumar e imediatamente ela entrou no ritmolevantando para encontrá-lo.— Como se sente?— Você sabe que é bom. Ela tentou libertar seus braços, mas ele segurou-os onde elesestavam.— Dê para mim, Cait. Dê-me o seu prazer. — Ele falou baixinho e inclinou-se, escovouos lábios sobre sua mandíbula. — Adoro o seu sabor. — Sua língua lambeu em suagarganta. — A sensação de você, — ele repetiu. — Seu cheiro, ele sussurrou e inalouantes de liberar o fôlego contra o lugar que ele lambeu.Seus mamilos responderam pressionando para cima com mais força contra seu peito.Sua respiração estava vindo resumida a grossas afiadas, ela choramingou maisfrequentemente.Grupo RM Traduções 63— Mais rápido, ela sussurrou. — Obrigou, trazendo para mais perto do lançamento. —Eu quero tocar em você, por favor. Seus olhos suplicaram.— Você está me tocando, profundamente. Mas ele lançou as mãos para que pudessedeslizar as palmas das mãos contra o peito, depois os ombros. Ela não cavou as unhasnele, pelo contrário ela o puxou, usando sua força para levantar-se para atender seusgolpes.— Você está perto, minha Cait?— Sim.— Você quer me dar?— Sim.Ele sorriu e beijou-lhe a boca de novo, balançando nela. Ela encontrou a liberaçãorapidamente, e ele cavalgou através da descida de pico e suave. Quando ela sorriu paraele, os olhos pesados as pálpebras brilhantes, ele se endireitou e deslizou as mãos porbaixo dela, levantando-a ligeiramente. Ele mergulhou fundo, procurando seu próprioprazer e achando rapidamente. Momentos depois, ele puxou de dentro dela e se sentouao lado dela, recostando-se contra a parede.— Não podemos ficar nos estábulos durante todo o dia, você sabe, eu tenho que voltarao trabalho. Ele inclinou seu olhar para ela quando ela se esticou, lembrando-o de umafelina.— Eu sei.Grupo RM Traduções 64— Essa foi nossa segunda vez. Meus irmãos só sentem quando você puxa para fora olobo. Eles não compartilharam esse momento. Ele viu seu sorriso. Ele sabia que iriaagradá-la.— Eu não tenho certeza como me sinto por você me compartilhar com eles. Loegairetalvez, mas somente se você estiver comigo. Mas eu não sei se os outros também. Elaestava condescendente e o surpreendeu.— Não há pressa. — Ele acariciou o lado do rosto. — Pense nisso e vamos discutirnovamente mais tarde. Agora, devo ir para o trabalho.Ele esperou que ela acenasse e se levantou. Uma vez que suas calças estavam no lugarele ofereceu uma mão para baixo e ela aceitou para que ele pudesse ajudá-la a selevantar.— Será melhor se você ficar longe de mim hoje. Você é uma distração que eu estouaparentemente fraco demais para ignorar. — Ele beijou sua bochecha. — Você entende,eu adoraria ficar aqui com você.— Vai antes de começar a soar como uma mulher fraca ao invés de um marido forte.Ela brincou. Ele sorriu e então saiu dos estábulos.
  28. 28. Cait assistiu ele ir, surpreendeu novamente como era fácil de aceitar Biel, seus irmãos, eseus caminhos. Ela se sentiu pela primeira vez em sua vida como uma mulher, umindivíduo que era procurado e amado. Ele fez o restante mais fácil de aceitar, ela supôs.Horas mais tarde, ela encontrou Loegaire no grande salão, afiando as lâminas de suasarmas e de seu irmão. Levou-se a supor que Biel não tinha provavelmente mandadopara dentro, no caso que ela desejasse falar com ele.Grupo RM Traduções 65— Ouvi dizer que você está trabalhando seu primo como se fosse seu escravo ao invésde seu parente. Loegaire nem sequer olhou para cima quando ela entrou.— Ele está cumprindo seu castigo como um homem. Ele sabe que eu estou brava porele tentar me abandonar. Ela se aproximou, deixando cair o olhar sobre a espada que eleestava afiando.— É para você. Eu fiz uma que seria mais leve para você. Ele a segurou, o punho paraela. Ele fez uma arma para ela. Ela tomou-a, sorrindo para o seu peso. Era perfeito.— Bem vá em frente. Balance um pouco. Deixe-me ver o quão bem você pode lidarcom isso. Sem ideias sobre cortar minha cabeça. Ele sorriu.Cait recuou e bateu com a espada como Ewan lhe havia ensinado no passado. Ela teveque admitir que gostava do olhar surpreso no rosto barbudo do Loegaire.— Nós vamos começar a praticar e dentro de um ano você vai ser tão hábil comoespadachim como meu irmão. — Ele balançou a cabeça em aprovação. — Entãoveremos se ele pode ganhar um beijo ou não de você.Ela sorriu e então pegou a bainha que ele ofereceu.— Obrigado. Foi muito gentil de sua parte ter feito para mim.Ele assentiu e estendeu a mão para uma das maiores espadas. Ele correu a sua pedra deafiar abaixo do comprimento do mesmo. Cait respirou. Ele a esperava falar.— Hoje, você podia sentir-nos.Grupo RM Traduções 66— Como se eu pudesse negar. — Seus olhos inclinados para ela. — Tornou difícil de seconcentrar em nosso trabalho.— Biel me disse que vocês compartilham suas mulheres. — Ela lambeu os lábios. —Você não fica com ciúmes?Ele grunhiu, pela primeira vez, lembrando-lhe muito de seu marido.— Nós não tentamos tirar as mulheres uns dos outros. Nós apenas compartilhamos osexo. A esposa do Uif é sua esposa.Cait pensou sobre isso.— Vocês sempre compartilham juntos?Ele balançou a cabeça sem olhar para cima,— Sim, nós fazemos isso.— Biel quer me compartilhar?— Nós todos queremos partilhar o que temos uns com os outros.Ele colocou a espada de lado e se levantou. Ele era maior que Biel, mas nunca pareceutanto quando Biel estava presente. Agora ela estava muito consciente do seu tamanho.— Nós somos do lobo, mas nós apreciamos nossas mulheres, gentil Cait.Grupo RM Traduções 67Seus olhos se alargaram quando ele alcançou e tocou em sua bochecha afetuosamente.Seus olhos azuis eram amáveis e gentis. Ela não soube como se sentia sobre isto.— Você é esposa do meu irmão e eu devo aceitar você indiferentemente se você mequer na sua cama ou não. Você não é obrigada a agradar ninguém além de você mesma.— Sua mão caiu de seu rosto. — Eu, como os meus irmãos, como o seu marido, vocêtem a coragem que apreciamos nas mulheres. Mulheres fracas acabam em choro em
  29. 29. montes no chão. Você cresce em unhas e luta seu caminho pela vida. Nós respeitamosisso e não vamos te amar menos se você guardar a si mesma apenas para seu marido.Ela piscou. Sua voz áspera embrulhou ao redor e tais palavras gentis a aqueceram, a fezse sentir como se ela pertencesse.— Você tem uma esposa?— Eu nunca me casei com minha companheira. Ela é uma gentil prostituta que bateriaem mim se eu propusesse. — Sua barba junta em maço. — Eu a amo mais que meupróprio cavalo.Cait riu e agitou sua cabeça.— Como ela é?— Resmungona, mandona, alta. De acordo com ela eu não posso fazer nadacorretamente. Ela é perfeita. — Ele piscou. — Tem mais carne nela do que em você.Você podia fazer com mais de uma cintura você mesma. Cabelo vermelho como o sol.— Você a ama.Grupo RM Traduções 68— Claro. Eu estaria louco sem ela. Ele encolheu seus ombros pesados.— Ela não se importa que você durma com as mulheres dos seus irmãos?— Não mais do que eu me importo que ela entretenha os apetites dos meus irmãos. —Ele se inclinou para ela. — Nós temos nossos próprios momentos importantes e apesardo que você poderia pensar, eu sou exatamente o que ela ama.— Você está enganado, Loegaire. Eu penso que eu entendo por que ela adora vocêtanto.Cait sorriu no olhar súbito de embaraço em seus olhos.— Bem eu tenho um temperamento de um urso. — Ele resmungou olhando para longe.— Ela é a única que pode aguentar quando eu estou de mau humor.— Biel mandou a você aqui para me compartilhar? Cait esperou que ele olhasse paraela.— Ele não fez isso. Ele disse que você sempre pareceu mais confortável comigo esugeriu que você poderia querer discutir este negócio de irmão comigo. Eu perguntei seele gostaria que eu vestisse um bonito vestido e trouxesse as comidas também.Cait abruptamente riu.— Ele está certo. Eu sempre fui menos temerosa a você.— Eu posso bater seu crânio você sabe, Loegaire defendeu-se.— Sim, mas você nunca esconde sua natureza verdadeira. Ele se esconde melhor quevocê. — Ela alcançou e arranhou sua barba. — Até com isso eu posso ver mais de vocêdo que eu podia dele.— Ele se abre quando você chegar a conhecê-lo. Ele está acostumado a liderar e muitosinimigos o veriam como fraco se ele fizesse diferentemente.— Sim, eu o entendo agora. Ele e eu não somos tão diferentes desse modo. Estesúltimos dias eu aprendi que eu muito me escondi da esposa do meu pai e até do meupróprio pai muito tempo. — Ela olhou para suas mãos. — Eu estava brava com ele aprincípio. Eu o odiava.— Passou. Loegaire conscientemente disse.— Sim. Agora eu estou apenas triste por ele. Ela encolheu os ombros e acenou uma mãodescartando o assunto de seu pai. Ela não estava nem certa do por que ela tocou nisso.— Então, devo dizer ao meu irmão que você entende agora sobre nossas mulheres?— Sim, eu entendo, eu acho. Ela balançou a cabeça.Ele pareceu aliviado e colocou a arma de lado, de partida para a porta, e depois parou.
  30. 30. — Eu acho que você é uma boa companheira para ele. — Ele não olhou para ela. — Elemanterá você enquanto ele viver se você o deixar.Cait olhou fixamente para ele.— Você não pode saber isto. Você só tem estado aqui a uma semana.— Eu conheço meu irmão. Ele não disse nada mais, fazendo sua saída do castelo.Capítulo 4O coração de Caith batia em seu peito. Ela se sentou em seu quarto à espera de Biel eLoegaire. Ela não sabia por que ela tinha dito a Biel que ela faria isso, ele não haviapedido. Na verdade, ele pareceu surpreso, diante de seus olhos escuros e ela sentiu ocalor de seu corpo, indicando a sua excitação. Ela tinha mudado desde aquele dia noestábulo. Ela não conseguia explicar, mas ela sentia como se estivesse sufocando e tudoo que ela conseguia pensar era em Biel.Quando havia tomado a sua refeição na noite anterior e ela o viu comer a carne dosossos de uma ave ela queria dar um salto sobre a mesa e mordê-lo até que ele nãopudesse fazer nada, mas subir em cima dela. Era um absurdo sentir-se da forma comoela sentia.E agora ela tinha feito isso.Finalmente a porta se abriu e ela se virou. Biel entrou primeiro e Loegaire seguiudentro. Ela ficou ali olhando para ele, enquanto ele caminhava para a sua cadeira e sesentou, então, se abaixou para remover as botas.— Estou um pouco nervosa... ela parou quando Biel lançar um olhar sobre seu irmão eassentiu.Loegaire avançou e agarrou seus ombros. No instante seguinte a barba fez cócegas emseu rosto enquanto ele a beijou rudemente. Os braços grandes envoltos completamenteao seu redor. Lavou sobre ela uma explosão de calor. Ela se sentia segura.Quando seus lábios deixaram os dela ele deu um passo para trás e, ao mesmo tempo, asmãos Biel levantaram a camisa sobre a cabeça dela. Ele jogou a roupa para o lado edeslizou suas mãos em volta da cintura e até seus seios, puxando-a de volta contra ele.Ela estremeceu quando seu pau encostou-se à sua bunda.— Ainda nervosa?— Sim, — ela sussurrou de volta para ele. — E excitada.— Não se assuste. Eu não te deixarei. Biel beijou seu pescoço então deixou seus dentespassearem na sua pele. Ela fechou os olhos, surpresa que gostasse da sensação de dentesem sua pele. Incentivado por sua resposta, ele aplicou a mesma pressão no ombro.Calafrios quentes varreram sua pele e ela gemeu. Uma mão deslizou na sua barriga paraenrolar entre suas coxas e em sua buceta. Dedos grossos pressionando, o calor de suapalma aplicando pressão.Ela se inclinou de volta para ele quando ele continuou a mordiscar até seu corpoaquecer e tremer.— Vamos formosa, Loegaire chamou e quando Caith abriu os olhos, viu que estava nu ecolocado sobre a cama. Seu pau em pé grosso e duro a partir de um ninho de cabelosescuros. Ele tinha mais cabelos no peito do que Biel e era tão escuro como abaixo.Biel a liberou e ela caminhou até a cama. Ela olhou para o marido e ele levantou osdedos aos lábios, sugando as dicas que ela sabia que ele poderia provar a ela. Deu-lheum aceno tranquilizador.— Eu dou-lhe as rédeas, formosa. Faça comigo o que quiser. A barba de Loegaireagrupada quando ele enfiou as mãos atrás da cabeça e ela sorriu.
  31. 31. Sem jeito, ela montou nele e pairou sobre seu pau, então se aliviou para baixo,empurrando-o lentamente dentro dela.— Biel? Suas mãos encontraram seus ombros instantaneamente. — Você deve me dizeristo é certo. Eu... eu...— Você é minha esposa, Caith. Qualquer que nós fazemos, porém desejamos, é certo.Suas palavras ofereceram-lhe algum conforto. As mãos sobre os braços ofereceram maisentão ela balançou os quadris para frente.Biel pegou seus cabelos e puxou-a para o lado para que ele pudesse sugar a pele logoabaixo da orelha. Ela começou a relaxar novamente e começou a mover em cima deLoegaire.Depois de um momento, levantou seus quadris, reunindo seus movimentos e se sentiubem. Quando Biel a liberou, ela se inclinou para frente, cavalgando Loegaire, buscandoseu próprio prazer. Ele removeu uma mão de trás da cabeça e chegou à frente em seurosto.— Venha me beijar, formosa.Ela se inclinou para frente e depois suspirou contra sua boca quando sentiu o pau deBiel batendo contra na sua bunda. Ela sabia o que estava por vir.Ela rezou para não haver dor. Biel empurrou, delicadamente dentro dela, suas mãosdeslizando em torno de seus quadris. Ele não socou dentro dela, ela foi carinhosamentese esticando para acomodá-lo até que ele foi revestido completamente.Sua respiração era quente contra seu rosto quando ele se inclinou sobre ela.— Eu quero você.Ela só conseguia gemer em resposta. Ela o queria também. Ele retirou-se e, em seguida,empurrou para ela novamente, e abaixo dela Loegaire levantou seus quadris no mesmoritmo. Ela nunca se sentiu tão cheia, tão devassa, tão viva.Os braços de Biel escorregaram por baixo dela e a puxou de volta para seu pau e fora deLoegaire. Suas coxas descansavam intimamente contra seu marido, e ele abaixou acabeça para morder em seu ombro novamente. Loegaire passou por baixo dela e dejoelhos na frente dela, entrou nela novamente. Suas mãos seguraram seus quadris. Doisdeles a seguravam para cima e começaram balançar dentro dela. Loegaire pegou suaboca quando ela gemia mais. Ele a beijou a grosso modo, profundamente enquanto aboca de Biel fazia um caminho de beijos e beliscava toda a sua pele.Era demais. Seu coração batendo. O som de suas respirações pesadas e sons primitivosem suas gargantas. A fricção de seus corpos contra o dela. Ela gritou quando a dordentro dela foi aberta. Ela se sentia completamente consumida e sacudiuincontrolavelmente. Loegaire liberou sua boca e recostou-se, arregalando os olhoslevemente. Em seguida, um sorriso lento agrupou sua barba e enfiou mais dentro dela.Ela agarrou as mãos de Biel, unhas ondulando em seus dedos, enquanto ela rebolava devolta contra ele. Ela inclinou a cabeça para trás, os olhos fechados quando ele inclinou acabeça para frente para beijá-la, mas ela segurou os lábios entre os dentesmomentaneamente. Ele virou a cabeça e seus olhos se abriram para vê-lo lutando pelocontrole. Enquanto as ondas de prazer de novo vibravam através dela, ela pegou olóbulo da orelha com os dentes e mordeu para baixo, divertindo-se com o som dorosnado que se arrastou em seu peito.Ela não sabia de onde a corrida de posse veio. Isso a levou em uma bola de calor. Comoo ar ao seu redor espesso, cobrando com seu despertar, os dois homens caíram dentro efora dela enquanto ela mordeu a orelha de Biel e a mandíbula.— Meu. Nem sequer parecia sua própria voz.

×