Aves migratorias- Rio Grande do Sul - Avistar2011

  • 7,260 views
Uploaded on

Rafael Antunes Dias …

Rafael Antunes Dias
Laboratório de Ecologia e Conservação (LABECO), Universidade Católica de Pelotas.

More in: Technology , Business
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
7,260
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6

Actions

Shares
Downloads
1
Comments
0
Likes
3

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Rafael Antunes Dias PPG Ecologia – UFRGS LABECO – UCPel AVISTAR 2011 AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 2. Introdução 23-26 cm de comprimento 47-53 cm de envergadura 100-200 g de peso Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL Wikipedia
  • 3. Introdução 23-26 cm de comprimento 47-53 cm de envergadura 100-200 g de peso Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL Wikipedia Wikipedia
  • 4. Introdução 23-26 cm de comprimento 47-53 cm de envergadura 100-200 g de peso Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL Wikipedia R. Paonessa
  • 5. Introdução 23-26 cm de comprimento 47-53 cm de envergadura 100-200 g de peso Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL Wikipedia R. A. Dias
  • 6. Introdução Capturado em 11 de maio de 2009 Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 7. Introdução Capturado em 11 de maio de 2009 Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 8. Introdução Partiu em 28 de maio de 2009 Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 9. Introdução Chegou em 29 de maio de 2009 Partiu em 5 de junho de 2009 1500 km em um dia! Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 10. Introdução Chegou em 06 de junho de 2009 Partiu em 10 de junho de 2009 Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 11. Introdução Chegou em 10 de junho de 2009 Partiu em 18 de agosto de 2009 Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 12. Introdução Chegou em 21 de junho de 2009 Partiu em 01 de setembro de 2009 Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 13. Introdução Chegou em 8 de setembro de 2009 Partiu em 16 de setembro de 2009 5100 km em oito dias! Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 14. Introdução Chegou em 19 de setembro de 2009 Partiu em 30 de setembro de 2009 2850 km em dois dias e meio! Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 15. Introdução Chegou em 03 de outubro de 2009 Partiu em 09 de outubro de 2009 3300 km em três dias! Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 16. Introdução Chegou em 10 de outubro de 2009 Partiu em 01 de abril de 2010 1459 km em um dia!!! Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 17. Introdução Chegou em 02 de abril de 2010 Partiu em 08 de maio de 2010 1459 km em um dia!!! Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 18. Introdução Chegou em 14 de maio de 2010 Partiu em 19 de maio de 2010 8000 km em seis dias!!! Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 19. Introdução Chegou em 20 de maio de 2010 Recapturado em 23 de maio de 2010 Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 20. Ato de se mover entre uma unidade espacial e outra (Baker 1978) O que é migração? Movimentos de indivíduos reprodutores de Diomedea exulans a partir de suas colônias reprodutivas insulares (Prince et al. 1992) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL Conceito abrangente – inclui desde movimentos entre áreas de reprodução e descanso reprodutivo até movimentos regulares de forrageamento Há muito “cinza” (e.g., albatrozes viajam 10 mil km para buscar comida para seus filhos) NGM
  • 21. Busca de recursos (Berthold 1999) Por que as aves migram? AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL R A Dias
  • 22. Síntese (Berthold 1999) Como surgiu a migração? Tão antiga quanto as aves Iniciou com deslocamentos de pequena distância Relacionada à fixação genética da migração parcial Em aves modernas, os pré-requisitos morfológicos, fisiológicos e comportamentais para a migração estão sob controle genético Indícios fósseis sugerem que Hesperornis (abaixo), “ave” que viveu há 90-75 maa, migrasse rumo a áreas de reprodução situadas a norte, como muitas aves marinhas atuais fazem Wikipedia Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 23. Características gerais das aves: Corpo aerodinâmico Estrutura leve (ossos pneumáticos) Sistemas respiratórios e cardiovasculares eficientes Adaptações musculares Características particulares de migrantes: Primárias distais mais longas (reduzem o arrasto) Músculos peitorais desenvolvidos Que adaptações as aves possuem para migrar? Características (Berthold et al. 1971) Acima: o corpo compacto de uma ave é uma adaptação ao vôo; abaixo: primárias distais da raça sedentária de Vireo olivaceus (A) são mais curtas que na migratória (B) (Sick 1997) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 24. Desenvolvimento juvenil acelerado: Redução do período de ninhego Muda juvenil rápida Hiperfagia: Aumento em 25-30% no consumo de alimentos Auxilia na deposição de gordura Deposição de gordura: Combustível para a migração Geneticamente determinada, controlada por fatores exógenos Gordura subcutânea e visceral Que adaptações as aves possuem para migrar? Características (Berthold et al. 1971) Aumento de massa de Calidris fuscicollis na Lagoa do Peixe entre abril e maio AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 25. Desenvolvimento juvenil acelerado: Redução do período de ninhego Muda juvenil rápida Hiperfagia: Aumento em 25-30% no consumo de alimentos Auxilia na deposição de gordura Deposição de gordura: Combustível para a migração Geneticamente determinada, controlada por fatores exógenos Gordura subcutânea e visceral Que adaptações as aves possuem para migrar? Características (Berthold et al. 1971) Aumento de massa de Calidris fuscicollis na Lagoa do Peixe entre abril e maio R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 26. Desenvolvimento juvenil acelerado: Redução do período de ninhego Muda juvenil rápida Hiperfagia: Aumento em 25-30% no consumo de alimentos Auxilia na deposição de gordura Deposição de gordura: Combustível para a migração Geneticamente determinada, controlada por fatores exógenos Gordura subcutânea e visceral Que adaptações as aves possuem para migrar? Características (Berthold et al. 1971) Aumento de massa de Calidris fuscicollis na Lagoa do Peixe entre abril e maio R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL S. Anderson Wikipedia
  • 27. Adaptações nutricionais: Câmbios na dieta; consumo de alimentos energéticos que favorecem a lipogênese Alteração na composição corporal: Atrofia e hipertrofia durante a migração; redução do trato digestivo, fígado, etc. em 50% Que adaptações as aves possuem para migrar? Características (Berthold et al. 1971) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 28. Termorregulação e balanço hídrico: Aumento em 10-30 vezes da taxa metabólica básica (temperaturas corporais de 47 º C) Calor dissipado pelas pernas, asas e respiração (perda de água) Estratégias: vôo em grandes altitudes, à noite, ou com paradas Que adaptações as aves possuem para migrar? Características (Berthold et al. 1971) Distribuição altitudinal de migrantes registrada por radar em diferentes áreas: (a) sul da Alemanha na migração noturna de partida; (b) sul da Alemanha na migração diurna de partida; (c) Suíça, durante a migração noturna de retorno; (d) Antígua (Caribe), durante a migração noturna de partida AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 29. Termorregulação e balanço hídrico: Aumento em 10-30 vezes da taxa metabólica básica (temperaturas corporais de 47 º C) Calor dissipado pelas pernas, asas e respiração (perda de água) Estratégias: vôo em grandes altitudes, à noite, ou com paradas Que adaptações as aves possuem para migrar? Características (Berthold et al. 1971) Distribuição altitudinal de migrantes registra por radar em diferentes áreas: (a) sul da Alemanha na migração noturna de partida; (b) sul da Alemanha na migração diurna de partida; (c) Suíça, durante a migração noturna de retorno; (d) Antígua (Caribe), durante a migração noturna de partida N. R. Fuller 10 km 1,5 km AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 30. Termorregulação e balanço hídrico: Aumento em 10-30 vezes da taxa metabólica básica (temperaturas corporais de 47 º C) Calor dissipado pelas pernas, asas e respiração (perda de água) Estratégias: vôo em grandes altitudes, à noite, ou com paradas Que adaptações as aves possuem para migrar? Características (Berthold et al. 1971) Distribuição altitudinal de migrantes registrada por radar em diferentes áreas: (a) sul da Alemanha na migração noturna de partida; (b) sul da Alemanha na migração diurna de partida; (c) Suíça, durante a migração noturna de retorno; (d) Antígua (Caribe), durante a migração noturna de partida AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL Wikipedia C. Pasatieri
  • 31. Termorregulação e balanço hídrico: Aumento em 10-30 vezes da taxa metabólica básica (temperaturas corporais de 47 º C) Calor dissipado pelas pernas, asas e respiração (perda de água) Estratégias: vôo em grandes altitudes, à noite, ou com paradas Que adaptações as aves possuem para migrar? Características (Berthold et al. 1971) Distribuição altitudinal de migrantes registra por radar em diferentes áreas: (a) sul da Alemanha na migração noturna de partida; (b) sul da Alemanha na migração diurna de partida; (c) Suíça, durante a migração noturna de retorno; (d) Antígua (Caribe), durante a migração noturna de partida Total: 97-975 milhões de mortes anuais nos EUA NGM AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 32. Termorregulação e balanço hídrico: Aumento em 10-30 vezes da taxa metabólica básica (temperaturas corporais de 47 º C) Calor dissipado pelas pernas, asas e respiração (perda de água) Estratégias: vôo em grandes altitudes, à noite, ou com paradas Que adaptações as aves possuem para migrar? Características (Berthold et al. 1971) Distribuição altitudinal de migrantes registra por radar em diferentes áreas: (a) sul da Alemanha na migração noturna de partida; (b) sul da Alemanha na migração diurna de partida; (c) Suíça, durante a migração noturna de retorno; (d) Antígua (Caribe), durante a migração noturna de partida Total: 97-975 milhões de mortes anuais nos EUA NGM AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL F. Penna
  • 33. Estratégias para superar barreiras: Fisiologia / morfologia: adaptações do pulmão e coração para grandes altitudes Estratégias de vôo: vento, altitude e horário favoráveis Base hormonal e neuronial: Combinações de hormônios podem contribuir no controle da migração: testosterona influencia a migração de retorno Que adaptações as aves possuem para migrar? Características (Berthold et al. 1971) Machos de Setophaga ruticilla retornam antes das fêmeas aos sítios de reprodução Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 34. As migrações são todas iguais? Tipos de movimentos (Able 2004) Previsibilidade de alimento Variabilidade sazonal de alimento no sítio reprodutivo R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 35. As migrações são todas iguais? Tipos de movimentos (Able 2000) Alta previsibilidade Baixa variabilidade sazonal R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 36. As migrações são todas iguais? Tipos de movimentos (Able 2000) Alta previsibilidade Média variabilidade sazonal R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 37. As migrações são todas iguais? Tipos de movimentos (Able 2000) Alta previsibilidade Alta variabilidade sazonal R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 38. As migrações são todas iguais? Tipos de movimentos (Able 2000) Baixa previsibilidade Alta variabilidade sazonal Abandono não necessariamente previsível de áreas reprodutivas por populações de uma espécie com posterior surgimento em outra região Registros de irrupções de Poecile hudsonica no leste dos EUA Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 39. As migrações são todas iguais? Tipos de movimentos (Able 2000) Baixa previsibilidade Média variabilidade sazonal Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 40. As migrações são todas iguais? Tipos de movimentos (Able 2000) Baixa previsibilidade Baixa variabilidade sazonal BirdLife International AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 41. Migrantes de curta distância: Voam de 1 a 100 km Incluem migrantes altitudinais Migrantes de média distância: Voam até 1000 km Migrantes de longa distância: Voam mais de 1000 km As migrações são todas iguais? Estádios migratórios (Berthold et al. 1971) Triclaria malachitacea realiza migrações altitudinais no nordeste do RS, subindo a serra no inverno para se alimentar de pinhões Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 42. Períodos: Muita variação, mas em geral anual, com picos na primavera e no outono As migrações são todas iguais? Abrangência dos movimentos (Berthold et al. 1971) Distribuição sazonal de indivíduos capturados entre 1970-1989 (total de capturas: c. 220000) de 30 espécies de pássaros que migram regularmente em Helgoland (Alemanha) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 43. Duração: Muita variação; poucas espécies cobrem a maior parte da distância em uma única ou algumas poucas viagens (a não ser para superar extensas barreiras) Movimento de retorno geralmente é mais rápido; Acrocephalus palustris demora seis meses na partida e três meses no retorno Distâncias cobertas por dia: Passeriformes: média 55 km/dia (8-109 km/dia) Passeriformes de longa distância: média 60-75 km/dia Passeriformes de média distância: média 50 km/dia Trinta-réis e limícolas: média 150-200 km/dia As migrações são todas iguais? Abrangência dos movimentos (Berthold et al. 1971) Catharus minimus viaja cerca de 200 km por dia, cobrindo a distância de 6,5 mil km entre o sul dos EUA e o Alaska em um mês (Lincoln 1979) Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 44. Precisão espacial: Fidelidade a sítios de reprodução, áreas de parada e sítios de descanso reprodutivo Filopatria-natal: fidelidade ao sítio de nascimento Precisão temporal: Dispersões, irrupções, movimentos de fuga: difíceis de prever Migrantes regulares: calendário migratório preciso As migrações são todas iguais? Abrangência dos movimentos (Berthold et al. 1971) Observações realizadas durante 24 anos sucessivos revelaram que Tringa erythropus arriba em Helsinque (Finlândia) entre os dias 1 e 8 de maio (média: 4 de maio, desvio-padrão: dois dias) Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 45. Migrações expressivas: Limosa laponica : 11,6 mil km num vôo sem escalas de 8-9 dias entre o Alaska e a Nova Zelândia As migrações são todas iguais? Migrantes de longa distância Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 46. Migrações expressivas: Sterna paradisaea : 40 mil km ao ano (1 milhão de km em 25 anos de vida) As migrações são todas iguais? Migrantes de longa distância Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 47. Migrações expressivas: Puffinus griseus : voam ao longo de todo o Pacífico em uma trajetória em forma de “8” de 64.037 km; fazem até 910 km por dia As migrações são todas iguais? Migrantes de longa distância Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 48. Migrações expressivas: Netta peposaca : 1380 km entre o sul do Brasil e nordeste da Argentina em três dias As migrações são todas iguais? Migrantes de longa distância Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 49. Habilidades são inerentes às aves Estão presentes em espécies migratórias e não-migratórias Como as aves se orientam na migração? Habilidades de orientação e navegação (Berthold et al. 1971): A habilidade de orientação e navegação de pombos-correio ( Columba livia ) é lendária; essas aves descendem de pombos silvestres não-migratórios (esq.) que são igualmente capazes de se orientarem com destreza; Puffinus puffinus capturados na Inglaterra e soltos nos EUA retornaram imediatamente ao lar, viajando mais de 4 mil km em 12 dias Wikipedia Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 50. Navegação (ou Meta): Uma meta precisa e espacialmente definida (e às vezes familiar) é atingida através de orientação inicial e navegação entre marcos topográficos familiares Como as aves se orientam na migração? Tipos (Berthold et al. 1971): Recapturas de Sturnus vulgaris apanhados na Holanda e soltos em Basiléia (B), Genebra (G) e Zurique (Z); os juvenis (pontos) seguiram paralelamente sua rota migratória e acabaram aparecendo na Espanha; os adultos (triângulos) se moveram rumo aos seus sítios normais de descanso no norte da Europa oriental (Perdek 1958) Orientação por bússola (ou Direcional): Determinado ângulo é mantido em relação a um sistema de referência externo utilizado como bússola Independe de marcos topográficos Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 51. Endógenos: Preferência direcional pré-programada foi registrada em diversas aves (incluindo migrantes parciais e aves irruptivas) Exógenos: Aves jovens aprendem a navegar seguindo adultos Como as aves se orientam na migração? Mecanismos (Berthold et al. 1971): Jovens Cuculus canorus (acima) criados por pais adotivos de espécies de aves migratórias ou não migram para a África central independentemente desses; indivíduos da população de Ciconia ciconia (abaixo) do leste da Europa foram transferidos para o oeste após as aves locais terem migrado; a maioria das aves retomou sua rota migratórias pelo leste; entretanto, quando indivíduos foram soltos antes da partida das aves locais, uma grande proporção destes juntou-se a elas e migrou pelo oeste (laços sociais) Wikipedia Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 52. Solar Magnética Estelar Outras: Lua Luz polarizada Infra-som Como as aves se orientam na migração? Bússolas (Berthold et al. 1971): Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL Wikipedia
  • 53. Qual a extensão da migração? Wikipedia Mundo (Wikipedia): 1.800 das 10.000 espécies de aves migram 50 bilhões dos 200-400 bilhões de indivíduos que compõem a população global migram AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 54. Sistemas de Migração 1- Pan Novo Mundo América do Sul R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 55. Sistemas de Migração 2- Neártico-Neotropical Temperado-Tropical América do Sul Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 56. Sistemas de Migração 3- Sul-Americano Temperado-Tropical América do Sul R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 57. Sistemas de Migração 4- Sul-Americano Temperado-Frio América do Sul R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 58. Sul do Brasil R A Dias Sistemas de migração AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 59. Sul do Brasil R A Dias Sistemas de migração: RS-Neártico (Pan Novo Mundo) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 60. Sul do Brasil R A Dias Sistemas de migração: RS-Neártico (Pan Novo Mundo) AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 61. RS-Norte da América do Sul (Sul-Americano Temperado-Tropical) Sul do Brasil Sistemas de migração: AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 62. RS-Norte da América do Sul (Sul-Americano Temperado-Tropical) R A Dias Sul do Brasil Sistemas de migração: AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 63. RS-Pantanal (Sul-Americano Temperado-Tropical) Sul do Brasil Sistemas de migração: AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 64. RS-Pantanal (Sul-Americano Temperado-Tropical) R A Dias Sul do Brasil Sistemas de migração: AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 65. RS-Sul da América do Sul (Sul-Americano Temperado-Frio) Sul do Brasil Sistemas de migração: AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 66. RS-Sul da América do Sul (Sul-Americano Temperado-Frio) R A Dias Sul do Brasil Sistemas de migração: AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 67. RS-Oeste da Argentina (Sul-Americano Temperado-Frio) Sul do Brasil Sistemas de migração: AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 68. RS-Oeste da Argentina (Sul-Americano Temperado-Frio) Wikipedia Sul do Brasil Sistemas de migração: AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 69. Sul do Brasil (RS) Ambientes e aves migratórias: R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL FZB-RS
  • 70. Sul do Brasil (RS) Ambientes e aves migratórias: R A Dias R A Dias Wikipedia Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL Sul-Americano Temperado-Tropical Sul-Americano Temperado-Tropical FZB-RS
  • 71. Sul do Brasil (RS) Ambientes e aves migratórias: R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL FZB-RS
  • 72. AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL Sul do Brasil (RS) Ambientes e aves migratórias: R A Dias Wikipedia R A Dias A Parera Pan Novo Mundo Sul-Americano Temperado-Frio Sul-Americano Temperado-Tropical FZB-RS
  • 73. Sul do Brasil (RS) Ambientes e aves migratórias: R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL FZB-RS
  • 74. Sul do Brasil (RS) Ambientes e aves migratórias: R A Dias R A Dias R A Dias R A Dias Wikipedia AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL Pan Novo Mundo Sul-Americano Temperado-Tropical Sul-Americano Temperado-Frio Sul-Americano Temperado-Frio FZB-RS
  • 75. Sul do Brasil (RS) Ambientes e aves migratórias: R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL FZB-RS
  • 76. Sul do Brasil (RS) Ambientes e aves migratórias: R A Dias R A Dias R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL Sul-Americano Temperado-Tropical Sul-Americano Temperado-Frio FZB-RS
  • 77. Sul do Brasil (RS) Ambientes e aves migratórias: R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL FZB-RS
  • 78. FZB-RS Sul do Brasil (RS) Ambientes e aves migratórias: R A Dias R A Dias R A Dias R A Dias R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL Pan Novo Mundo Sul-Americano Temperado-Frio Sul-Americano Temperado-Frio Sul-Americano Temperado-Frio
  • 79. Sul do Brasil (RS) Ambientes e aves migratórias: R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL FZB-RS
  • 80. FZB-RS Sul do Brasil (RS) Ambientes e aves migratórias: R A Dias R A Dias R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL R A Dias R A Dias Pan Novo Mundo Pan Novo Mundo Sul-Americano Temperado-Frio Sul-Americano Temperado-Frio
  • 81. 5.000-10.000 2.500-5.000 1.000-2.500 Total: 23.120 Sul do Brasil (RS) Importância (Morrison & Ross 1989): AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 82. 1.000-2.500 500-1.000 250-500 Total: 2.727 Sul do Brasil (RS) Importância (Morrison & Ross 1989): AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 83. Sul do Brasil (RS) Importância: Maçarico-branco ( Calidris alba ) 5000 Lagoa do Peixe 1093 litoral sul 6600 em todo o litoral gaúcho R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 84. Sul do Brasil (RS) Importância: Maçarico-de-papo-vermelho ( Calidris canutus ) 11000 Lagoa do Peixe 8900 litoral sul Declínio 80% em 10 anos!!! R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 85. Sul do Brasil (RS) Importância: Maçarico-de-sobre-branco ( Calidris fuscicollis ) 5140 Ilha da Torotama + 6000 Lagoa do Peixe R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 86. Sul do Brasil (RS) Importância: Batuiruçu ( Pluvialis dominica ) 6000-10000 Lagoa do Peixe 502 Ilha da Torotama 2290 Taim R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 87. Sul do Brasil (RS) Importância: Maçarico-acanelado ( Tryngites subruficollis ) 667 Lagoa do Peixe 800 Ilha da Torotama R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 88. Sul do Brasil (RS) Importância: Trinta-réis-boreal ( Sterna hirundo ) 12000-14000 Lagoa do Peixe 5580 na barra de Rio Grande 9000 litoral sul R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 89. Sul do Brasil (RS) Importância: Trinta-réis-de-bico-vermelho ( Sterna hirundinacea ) 2840 litoral sul R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 90. Sul do Brasil (RS) Importância: Outras aves aquáticas Cisne-de-pescoço-preto ( Cygnus melancoryphus ): 4337 estuário da Lagoa dos Patos Capororoca ( Coscoroba coscoroba ): 1460 Taim Marrecão ( Netta peposaca ): 14000 litoral RS Marreca-caneleira ( Dendrocygna bicolor ): 60000 litoral RS Caraúna-de-cara-branca ( Plegadis chihi ): 8000 Lagoa do Casamento Frango-d’água-comum ( Gallinula galeata ): 2860 Lagoa do Casamento R A Dias R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 91. Sul do Brasil (RS) Importância: Caboclinhos ( Sporophila spp.) Campos do sul e oeste Números desconhecidos R A Dias R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL FZB-RS FZB-RS
  • 92. Sul do Brasil (RS) Onde observar: Lagoa do Peixe Barra: batuíras e maçaricos Praia: batuíras, maçaricos, gaivotas, trinta-réis Talha-mar: marrecos, batuíras e maçaricos Cisnes: inverno-primavera Flamingos: inverno-primavera Batuíras: verão/inverno Maçaricos: verão-outono Trinta-réis: verão/inverno R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 93. AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL Sul do Brasil (RS) Onde observar: Estuário da Lagoa dos Patos Cisnes, batuíras, maçaricos, gaivotas e trinta-réis Cisnes: verão Batuíras: verão/inverno Maçaricos: verão-outono Gaivotas: inverno Trinta-réis: verão/inverno R A Dias
  • 94. Sul do Brasil (RS) Onde observar: Litoral Sul Batuíras, maçaricos, gaivotas e trinta-réis Batuíras: verão-inverno Maçaricos: verão-outono Gaivotas: inverno Trinta-réis: verão/inverno R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 95. Sul do Brasil (RS) Onde observar: Canal São Gonçalo Cisnes, marrecos, batuíras e maçaricos Cisnes e marrecos: inverno-primavera Batuíras e maçaricos: verão R A Dias AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL
  • 96. AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL Sul do Brasil (RS) Onde observar: Taim Cisnes, marrecos, batuíras e maçaricos Cisnes e marrecos: inverno-primavera Batuíras e maçaricos: verão R A Dias
  • 97. OBRIGADO! Perguntas e Comentários Agradecimentos: Guto Carvalho Edson Endrigo [email_address] AVES MIGRATÓRIAS NO SUL DO BRASIL