Biogeografia doArquipélago de Santa Catarina (A.S.C)                   Por:              Fabricio Basilio      Geógrafo/Es...
INTRODUÇÃOFauna silvestre      =Sistemas ecológicos                                       Sterna HirundinaceaDistribuição ...
Visualizar e compreender relações               =          CartografiaAbordagem macroecológica           = (de 1:250.000 a...
Fotos: Arquivo pessoal                          O porquê?            Ardea cocoiCharadrius semipalmatus                   ...
Os ambientes marinho ecosteiro          =Processo de degradaçãoBioma Mata Atlântica          =Perda de 90% de suaforma ori...
Biodiversidade da Mata Atlântica                =      mais ricas do mundoSegundo Goerck,1997, apudDeveley, 2004, para o b...
Foto: Arquivo pessoal                                        Objetivos                        Geral – Contribuir com o con...
Localização da área de estudoSetor Nordeste do A.S.Centre os paralelos 27°26’0 e 27° 29’0 S e osmeridianos 48° 24’0 e 48°2...
Foto: Alex Roma
Características Naturais  Clima do tipo Cfa de Koeppen, mesotérmico úmido,  verões quentes e chuvas distribuídas o ano tod...
Características NaturaisFloresta Ombrófila densa   (APP – Dec.112/85)  No Estado de S.C possui uma distribuição           ...
Vegetação de Duna Fixa –Restinga (APP – Dec. 112/85)Segundo Rizzini, 1921 esse tipo devegetação depende intimamente danatu...
MetodologiaUtilizaram-se osseguintesprocedimentos:Análise fitofisionomica deDansereau, 1957;Classificação fitogeográficade...
Recenseamento   Dados Qualitativos (Riqueza   de aves      Total- Composição)                Realizado de 2004 a 2007;    ...
Dados Quantitativos (Abundânciarelativa, Freqüência de ocorrência,Percentagem de ocorrência, índice desimilaridade – Estru...
Resultados e DiscussõesAs avesForam identificadas 110 espécies, 11gêneros, 32 famílias e 14 sub-famílias;                 ...
Além das 110espéciesidentificadasna área deestudo     +20 foramidentificadas                    Ardea albano entorno,class...
Charadrius semipalmatus   Pluvialis squatarolaFotos: Arquivo pessoal       Calidris alba                                 P...
Pyrocephalus rubinus                         Spheniscus magellanicus                         Sterna hirundinacea          ...
O total registrado (110),corresponde a 20,3% das espéciesregistradas para o Estado de S.C(596), Rosário, 1996;Corresponde ...
Aspectos climáticosUmidade relativaNa Floresta Alta e constante com média de 81,8%; Observou-se grande quantidade de indiv...
Diversidade dia X Umidade dia (Floresta)                                          92                                      ...
Aspectos climáticosUmidade relativaNa Restinga  Umidade relativa baixa  com média de 74%;  No total foram observados  281 ...
Diversidade dia X Umidade dia (Restinga)                                     92                                           ...
Estrutura avifaunística                              Número acumulado de espécies (Floresta)Abundância relativa           ...
Na restinga                          Número acumulado de espécies (Restinga)                            40A espécie Vanell...
Freqüência de ocorrência  Na Floresta  A espécie Coragyps atratus foi a única que obteve 100% de  frequência;  Cyanocorax ...
Na restingaAs espécies Vanellus chilensis eLeptotila verreauxi obtiveram 100%de freqüência;Com caráter muito pouco freqüen...
Índice de similaridade A variação fica compreendida entre zero, para povoamentos idênticos, e um, para povoamentos totalme...
ConclusõesO mapeamento resultantepermitiu estabelecer um planoestratificado dos diferenteshábitats existentes para avifaun...
A grande variedade estrutural da médiaencosta, possibilitou a visualização de umsignificativo n° de espécies (74);        ...
Para se manter a integridade dabiodiversidade regional énecessário a conservação degrandes áreas de florestas, aoinvés de ...
Obrigado  por suaAtenção!!      Contatos E-mail: birdwatchingsc@gmail.com     Fabricio - 48 84 25 72 86 Carlos Eduardo – 4...
Aspectos biogeográficos no Arquipélago de Santa Catarina
Aspectos biogeográficos no Arquipélago de Santa Catarina
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Aspectos biogeográficos no Arquipélago de Santa Catarina

873 views

Published on

Apresentação avistar 2011
Fabricio Basilio Almeida

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
873
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
15
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aspectos biogeográficos no Arquipélago de Santa Catarina

  1. 1. Biogeografia doArquipélago de Santa Catarina (A.S.C) Por: Fabricio Basilio Geógrafo/Especialista em Ecologia/ Analista GISAVISTAR, SÃO PAULO 2011
  2. 2. INTRODUÇÃOFauna silvestre =Sistemas ecológicos Sterna HirundinaceaDistribuição espacial etemporal =Condições ecológicas;Pesquisa (conhecimento) =Propostas de proteção egerenciamento de áreasnaturais Fotos: Arquivo pessoal
  3. 3. Visualizar e compreender relações = CartografiaAbordagem macroecológica = (de 1:250.000 a 1:25.00)Abordagem microecológica = (de 1:10.000 a 1:100)Importância dos descritoresecológicos =Tratamento estatístico dos dados
  4. 4. Fotos: Arquivo pessoal O porquê? Ardea cocoiCharadrius semipalmatus Mimus saturninus
  5. 5. Os ambientes marinho ecosteiro =Processo de degradaçãoBioma Mata Atlântica =Perda de 90% de suaforma originalOcupação desordenada,uso do solo irregular =Principais atividadesimpactantes dessesambientes Fotos: Arquivo pessoal
  6. 6. Biodiversidade da Mata Atlântica = mais ricas do mundoSegundo Goerck,1997, apudDeveley, 2004, para o bioma sãoregistradas aproximadamente700 espécies de aves;O estado de S.C =596 espécies (Rosário, 1996) (RosáO Arquipélago de Santa Catarina =268 espécies (Naka e Rodrigues,2000)O A. S. C. é listado como áreaprioritária para a conservaçãodas aves na Mata Atlântica(MMA, 2002). Fonte: MMA, 2002
  7. 7. Foto: Arquivo pessoal Objetivos Geral – Contribuir com o conhecimento da avifauna no nordeste do A.S.C (riqueza, abundância relativa, freqüência de ocorrência,percentagem de ocorrência e índice de similaridade), relacionado com seu habitat (clima, fito fisionomia), utlizando técnicas de geoprocessamento;Chlorostilbon lucidus Milvago chimachima
  8. 8. Localização da área de estudoSetor Nordeste do A.S.Centre os paralelos 27°26’0 e 27° 29’0 S e osmeridianos 48° 24’0 e 48°22’0 W;Localizam-se dois arcospraiais: o da Praia doSantinho com 2 km deextensão e o dos Inglesescom aprox. 6 Km, além dediversas Ilhotas que ascircundam;O distrito conta comaprox. 50 mil habitantesna baixa temporada,triplicando no verão.
  9. 9. Foto: Alex Roma
  10. 10. Características Naturais Clima do tipo Cfa de Koeppen, mesotérmico úmido, verões quentes e chuvas distribuídas o ano todo (Caruso, 1990); Maiores índices pluviométricos no verão, em Janeiro e fevereiro, e menores de junho a agosto, com média anual de 1700mm (Cruz, 1998) Constituída por dois domínios morfo-estruturais bem distintos (Caruso Jr., 1993): Embasamento Cristalino (Granitóide Paulo Lopes e Granito Ilha – Complexo Canguçu e Suite intrusiva Pedras Grandes -Proterozóico Superior -2500 m.a ); Morro dos Santinho 195m, Morro das Aranhas – 255m Acumulações recentes (depósitos sedimentares arenosos eólico e praiais – Fanerozóico – Pleistoceno – 1.8 m.a ) – 0 a 60m Dunas fixas, semi-fixas e móveis Foto: Alexandre Roma
  11. 11. Características NaturaisFloresta Ombrófila densa (APP – Dec.112/85) No Estado de S.C possui uma distribuição distribuiç que se estende: ao norte até o Rio Saí- até Saí guaçu, a leste até o Oceano Atlântico, a guaç até Oeste até a zona das Florestas Orientais e até ao sul até o Rio Mampituba, com uma até Mampituba, distância de 460km (Reitz, 1961); (Reitz, É latifoliada, ombrofila e caracteriza-se latifoliada, caracteriza- pela elevada heterogeneidade de árvores (Caruso, 1990); Segundo Klein, 1978 existe 3 zonações zonaç distintas, devido a umidade dos solos: Baixa encosta, média encosta e alta encosta; Aparecimento de muitas epífitas epí (bromeliáces, aráceas, piperáceas, além bromeliáces, ará piperá alé de pteridófitas,lianas, parasitas,xaxins e pteridó fitas,lianas, palmeiras; A elevada pluviosidade da região proporciona uma alta umidade relativa do ar Foto: Arquivo pessoal
  12. 12. Vegetação de Duna Fixa –Restinga (APP – Dec. 112/85)Segundo Rizzini, 1921 esse tipo devegetação depende intimamente danatureza do substrato e da fisiografia(edáfica);Da praia, areia é transportada pelo ventopara o interior, de modo dinâmico, logoapós ter sido expelida pelo mar;O emprego da palavra restinga gerapolêmica;Segundo Klein, 1984 a vegetação derestinga abrange 3 tipos predominantes:a das praias, dos manguezais e dedunas;Essa vegetação varia desde porteherbáceo até arbustivo/arbóreo,apresenta grande uniformidadefitofisionômica Fotos: Arquivo pessoal
  13. 13. MetodologiaUtilizaram-se osseguintesprocedimentos:Análise fitofisionomica deDansereau, 1957;Classificação fitogeográficade Klein, 1978, 1984;Métodos de recenseamentode aves de Keindeigh,1944 (dados qualitativosquantitativos);Expedições aos locais deestudo; Fotos: Arquivo pessoal
  14. 14. Recenseamento Dados Qualitativos (Riqueza de aves Total- Composição) Realizado de 2004 a 2007; Mostra o número de espécies de aves circunstanciadas para a pesquisa, dando uma primeira dimensão do tamanho ou quantidade das espécies existentes no ambiente; A variedade de espécies encontradas em uma determinada área estará sempre relacionada diretamente ao ecossistema (Marterer, 1996). Foto: Arquivo pessoal
  15. 15. Dados Quantitativos (Abundânciarelativa, Freqüência de ocorrência,Percentagem de ocorrência, índice desimilaridade – Estrutura)Obtidos através de observaçõessistemáticas na estação de verão de2006/2007(Dezembro a Março);Foram realizadas 10 campanhas decampo com periodicidade de 3 vezespor mês,Contagem sistemática das aves atravésdo censo visual e auditivo em pontofixo, com auxílio de binóculo, guias decampo e fotografia;Durante a contagem das espécies, foiinstalado um termo-higrômetro noponto de observação (Temp.atmosférica, umidade relativa do ar);Para a direção e intensidade dosventos utilizou-se a tabela de Beaufort Foto: Arquivo pessoal
  16. 16. Resultados e DiscussõesAs avesForam identificadas 110 espécies, 11gêneros, 32 famílias e 14 sub-famílias; Amazilia versicolorDestas, 67 (61%) são passeriformes e43 (39%) são não passeriformes;Das 32 famílias registradas, 16 (50%)são passeriformes e 16 (50%) nãopasseriformes; As famílias Trochilidae (Vigors, 1825) e Cuculidae (Leach, 1820) –(ñ passeriforme) foram as mais representativas (5 espécies);A família Tyrannidae (passeriforme) Myiozetetes similisobteve o maior número de espécies(16) Fotos: Arquivo pessoal
  17. 17. Além das 110espéciesidentificadasna área deestudo +20 foramidentificadas Ardea albano entorno,classificadas Syrigma sibilatrixem 4 gêneros e9 famílias; Foto: Arquivo pessoal Larus dominicanus Himantopus melanurus
  18. 18. Charadrius semipalmatus Pluvialis squatarolaFotos: Arquivo pessoal Calidris alba Pluvialis dominica
  19. 19. Pyrocephalus rubinus Spheniscus magellanicus Sterna hirundinacea Os migrantes Tringa melanoleuca Tyrannus savanaFotos: Arquivo pessoal
  20. 20. O total registrado (110),corresponde a 20,3% das espéciesregistradas para o Estado de S.C(596), Rosário, 1996;Corresponde a 41% das espéciescatalogadas para a Ilha de S.C(268), Naka e Rodrigues, 2000;Dessas (110) 98,3% são espéciesresidentes;Do total (110) 27 (23,6%) sãoespécie exclusivas da floresta, 36(32,7%) são espécies que vivem narestinga e 47 (42,7%) são comunsaos dois ambientes; Sicalis flaveolaAlém do dois ecossistemas (florestae restinga) utilizados pela avifauna,observou-se no entorno da área deestudo mais 4 ambientes,importantes para alta diversidadeencontrada. São eles: pelágico,banhado, praial, e urbano. Fotos: Arquivo pessoal
  21. 21. Aspectos climáticosUmidade relativaNa Floresta Alta e constante com média de 81,8%; Observou-se grande quantidade de indivíduos de aves (238), sendo sua média de 23,8 Ramphastos vitellinus indivíduos/dia Foto: Arquivo pessoal
  22. 22. Diversidade dia X Umidade dia (Floresta) 92 37 9 84 23 91 39Dia d a cam p n h a 7 77 16 92 24 5 74 76 21 29 17 3 83 74 75 14 1 Umidade % 18 numero de indivíduos
  23. 23. Aspectos climáticosUmidade relativaNa Restinga Umidade relativa baixa com média de 74%; No total foram observados 281 indivíduos na restinga com média de 28,1 indivíduos/dia Sporophila caerulescens Tangara sayaca Foto: Arquivo pessoal
  24. 24. Diversidade dia X Umidade dia (Restinga) 92 55 9 77 32 91 34D ia de cam panha 7 70 20 84 22 5 60 26 70 68 15 25 3 56 22 1 68 30 umidade % Numero de individuos
  25. 25. Estrutura avifaunística Número acumulado de espécies (Floresta)Abundância relativa 35 30 Na Floresta 25 20 A espécie Coragyps atratus obteve o 15 maior índice (25,3%), Cyanocorax 10 caeruleus (12,6%) e Basileuterus culicivorus (12,2%)....; 5 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Com menos de 2% (espécies raras) obteve-se 16, equivalendo a 51,6% do total de espécies registradas (31); A abundância relativa encontrada no Morro do Santinho corresponde aquela esperada para as comunidades florestais tropicas e subtropicais, onde a maioria das espécies é rara (Karr, 1971;Lovejoy, 1974,apud Marterer, Coragyps atratus 1996); A curva do número acumulado de espécies registradas na floresta não se estabilizou. Foto: Arquivo pessoal
  26. 26. Na restinga Número acumulado de espécies (Restinga) 40A espécie Vanellus 35chilensis obteve o maior 30índice (20,5%), Pitangus 25 20sulphuratus (15,6%), 15Leptotila verreauxi 10(15,2%); 5 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10Com menos de 2% deabundância, obteve-se 17espécies, equivalendo a45,9% do total deespécies registradas paraesse ecossistema (37);A curva do número Vanellus chilensisacumulado de espéciesregistradas não seestabilizou. Foto: Arquivo pessoal
  27. 27. Freqüência de ocorrência Na Floresta A espécie Coragyps atratus foi a única que obteve 100% de frequência; Cyanocorax caeruleus obteve 80% de frequência; Com status pouco freqüente obteve-se 17 espécies, representando 54,8% do total para a floresta (31) Foto: Arquivo pessoal
  28. 28. Na restingaAs espécies Vanellus chilensis eLeptotila verreauxi obtiveram 100%de freqüência;Com caráter muito pouco freqüenteobservaram-se 24 espécies, as quaisrepresentam 64,9% do total para arestinga (37); Foto: Arquivo pessoal
  29. 29. Índice de similaridade A variação fica compreendida entre zero, para povoamentos idênticos, e um, para povoamentos totalmente diferentes; Na área de estudo obteve-se um índice de similaridade de 0,41 ou 41%, com 14 espécies comuns aos dois ambientes; Segundo Miranda, 2005 essas diferenças podem estar relacionadas com as características estruturais de cada ambiente (freqüência e abundância), devido à dominância relativa de cada uma delas. Phaethornis eurynome
  30. 30. ConclusõesO mapeamento resultantepermitiu estabelecer um planoestratificado dos diferenteshábitats existentes para avifaunana área de estudo; Identificação de 6 ambientes noentorno que são utilizados pelasaves;Há diferenças nítidas com relaçãoaos aspectos climáticos no doisambientes, especialmenteassociados à maior umidaderelativa do ar na floresta e maiorincidência dos ventos na restinga;Observou-se uma tendênciaparalela entre a diversidade e adistribuição das aves com osaspectos climáticos e florísticos; Columbina picui Foto: Arquivo pessoal
  31. 31. A grande variedade estrutural da médiaencosta, possibilitou a visualização de umsignificativo n° de espécies (74); Cyanocorax caeruleusDurante o estudo observou-se forte efeitode borda;Isso é bastante prejudicial para muitosorganismos florestais e para avifauna;È relevante a constatação da presença de20,3% do total de espécies do Estado e41% do total do A.S.C, considerando-se a Fotos: Arquivo pessoalfragmentação dos ambientes e o efeitosde borda;Mais evidente se torna à necessidade depreservação, quando levamos em contaque das 110 espécies observadas 14 sãoendêmicas do bioma. Geosita cunicularia
  32. 32. Para se manter a integridade dabiodiversidade regional énecessário a conservação degrandes áreas de florestas, aoinvés de fragmentos pequenos;Embora exista uma gama deartifício de preservação noA.S.C, está claro suainsuficiência para garantir abiodiversidade local. Theristicus caudatus Elaenia parvirostris Caracara plancus Fotos: Arquivo pessoal
  33. 33. Obrigado por suaAtenção!! Contatos E-mail: birdwatchingsc@gmail.com Fabricio - 48 84 25 72 86 Carlos Eduardo – 48 91 59 71 29 Mauricy – 48 99 63 33 60

×