GEPIT - Aula Presencial 3 - Claudio Mazzola
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

GEPIT - Aula Presencial 3 - Claudio Mazzola

on

  • 1,217 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,217
Views on SlideShare
882
Embed Views
335

Actions

Likes
0
Downloads
55
Comments
0

1 Embed 335

http://gepit.net 335

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

GEPIT - Aula Presencial 3 - Claudio Mazzola Presentation Transcript

  • 1. VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA Claudio Mazzola Coordenador de Inteligência Tecnológica © 2010 Clarke, Modet & Cº Clarke, Modet & Cº São Paulo, 15 de dezembro de 2012© Clarke, Modet & Cº 2012. Todos os direitos reservados
  • 2. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.1 Introdução • Transformações tecnológicas ... são difíceis de prever • ... geram oportunidades e ameaças • ... alteram as regras • ... estão ocorrendo mais rapidamente • ... estão globalizadas • ... estão inter-relacionadas • ... geram sobrecarga de informações 3 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 3. TRANSFORMAÇÕES E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1 VIGILÂNCIA TECNOLÓGICAS 1.1 Introdução ... difíceis de prever “A demanda mundial por veículos a motor não será superior a 1 milhão ... Essencialmente por causa da falta de motoristas.” (Gottlieb Daimler, 1901) “Eu acredito que há espaço para cerca de cinco computadores no mundo, e não mais.” (Thomas J. Watson, Presidente da IBM, 1943) “Internet é apenas uma moda (hype)!” (Bill Gates, Microsoft, 1995) Não há nenhuma chance de que o iPhone vai obter qualquer participação de mercado significativa. sem chance” (Steve Ballmer, CEO Microsoft, 2007) 4 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 4. TRANSFORMAÇÕES E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1 VIGILÂNCIA TECNOLÓGICAS 1.1 Introdução ... geram oportunidades 5 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 5. TRANSFORMAÇÕES E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1 VIGILÂNCIA TECNOLÓGICAS 1.1 Introdução ... geram ameaças 6 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 6. TRANSFORMAÇÕES E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1 VIGILÂNCIA TECNOLÓGICAS 1.1 Introdução ... alteram as regras Antes Depois 7 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 7. TRANSFORMAÇÕES E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1 VIGILÂNCIA TECNOLÓGICAS 1.1 Introdução ...estão ocorrendo mais rapidamente 8 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 8. TRANSFORMAÇÕES E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1 VIGILÂNCIA TECNOLÓGICAS 1.1 Introdução ...estão globalizadas 山寨手机 Hiphone 9 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 9. TRANSFORMAÇÕES E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1 VIGILÂNCIA TECNOLÓGICAS 1.1 Introdução ...estão inter-relacionadas 10 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 10. TRANSFORMAÇÕES E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1 VIGILÂNCIA TECNOLÓGICAS 1.1 Introdução ...geram sobrecarga de informações • Todos os dias, mais de 6.000 publicações científicas são lançadas • A cada 10 ou 15 anos a quantidade de literatura científica publicada dobra • Estes números têm um equivalente humano: hoje mais de cinco milhões de pessoas trabalham na área de produção de conhecimento em deptos. de P&D. Isso é cerca de 90% dos cientistas que já viveram! Fonte: Lichtenthaler (2003) 11 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 11. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAREDUNDÂNCIA DE PESQUISAS NAS EMPRESAS 1.1 Introdução Perdas em Pesquisas Redundantes • Na UE, as empresas gastam mais de 32 bilhões de Euros em pesquisas redundantes • Nos EUA mais de 70% das empresas admitiram investir em pesquisas que levou (ou estava levando a) uma solução anteriormente patenteada; • Em termos de valor o desperdício para alguns setores representa:  tecnologia da informação: US$ 15,3 bilhões,  automobilística US$ 9,7 bilhões, e  produtos farmacêuticos US$ 9,2 bilhões. • No total, entre os oito primeiros setores de mercado (em termos de gastos de P&D), o desperdício total nos EUA é de 48 bilhões de dólares Fontes: EPO e VTT (2009) 12 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 12. TRANSFORMAÇÕES E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1 VIGILÂNCIA TECNOLÓGICAS 1.2 Definição: Quais, Quando e Onde Priorizar Investimentos? 13 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 13. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.2 Definição: Dados, Informação, Conhecimento Dados • 41613 Informa • 31416 ção Conheci • 3,1416 mento 2*π*r= perímetro da circunferência 14 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 14. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.2 Definição: Relação da IT com outras Disciplinas • Tendências de investimento de P&D • Tendências Tecnológicas e Novas Tecnologias • Oportunidades/Ameaças Tecnologia Int.Tec. Mercado Competidores• Mudanças de mercado/tendências• Demanda de Mercado Futuro • Conhecimento dos pontos fortes concorrentes• Novos players do mercado • Estratégias dos• Relação entre os players do concorrentes mercado 15 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 15. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAAPLICAÇÃO DA INTELIGENCIA TECNOLÓGICA 1.2 Definição Visão sistêmica “A Inteligência tecnológica pode ser interpretada que incorpora como a capacidade para executar o processo de processos de busca, gestão e análises de informação que, ao trabalho que transformar em conhecimento, permitirá a promovem a adequada gestão dos recursos para o projeto, aprendizagem produção, melhoramento e comercialização de organizacional e a tecnologias aplicadas em produtos e processos, geração de através da geração de planos e estratégias capacidades de tecnológicas para a tomada de decisões corretas..” tomada de decisões Fonte: Luz Marina Torres P.1, Oscar F. Castellanos D.2,Claudia Nelcy Jiménez H, Valoración de la eficiencia de los sistemas de inteligencia Tecnológica, INGENIERÍA E INVESTIGACIÓN VOL. 30 No. 3, DECEMBER 2010 (106-115) 16 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 16. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICASISTEMA DE INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.2 Definição: Por quê? Para que? ANTECIPAR REDUZIR RISCOS • Identificar mudanças: novas tecnologias, • Identificar ameaças: patentes, produtos, equipamentos, mercados, competidores. regulamentações, parcerias. AUMENTAR COMPETITIVIDADE COOPERAR • Identificar gaps tecnológicos: analisar • Identificar novas parcerias e networking: defasagem tecnológica em relação à empresas start-ups, Centros de players do mercado e academia. Pesquisas, Universidades. CAPTAR RECURSOS IDENTIFICAR OPORTUNIDADES • Estruturar projetos e planos de negócio DE NEGÓCIO para apresentação à fundos de • Analisar perfis de empresas para fusões investimento e agências de fomento: , aquisições, joint ventures e cadeia de fundos de S.C., VC., PE., subvenção e valor: empresas, fornecedores e financiamento governamental. distribuidores. 17 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 17. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.2 Definição: Analogia Exploitation Exploration Mercado NovosJames G. March, "Exploration and Exploitation inOrganizational Learning", Organization Science, atual MercadosVol. 2, No. 1 (Feb., 1991) pp. 71–87. 18 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 18. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAEXPLORAÇÃO VS. VIGILÂNCIA 1.2 Definição: Monitoring vs. Scanning Inteligência Tecnológica Vigilância Exploração (Monitoring) (Scanning) Tecnológica Tecnológica Busca direcionada de Busca direcionada para desenvolvimentos identificar novas tecnológicos em campos oportunidades tecnológicas específicos do ambiente em campos ainda não competitivo da empresa explorados pela empresa 19 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 19. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAEXPLORAÇÃO VS. VIGILÂNCIAFONTES SECUNDÁRIAS 1.2 Definição: Monitoring vs. Scanning Tecnologias centrais White (Core Technologies) Spaces Atuais Em desenv. Outside-in (Exploração/Scanning) Inside-out (Vigilância/Monitoring) Fonte: Lichtenthaler (2003) 20 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 20. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAEXPLORAÇÃO VS. VIGILÂNCIAFONTES SECUNDÁRIAS 1.2 Definição: Monitoring vs. Scanning Meio de Automóvel Scanning Ultraleve Transporte Fonte de Motor a Célula Motor a Scanning Bateria tração combustão combustível hidrogênio Eletrólito Membranas Hidróxido de Ácido Scanning Zircônia poliméricas potássio fosfórico Produto/ Sistema/ Material Tecnologias Conhecidas Tecnologias Desconhecidas Fonte: Lichtenthaler (2003) 21 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 21. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICASISTEMA DE INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.2 Definição: Estruturas Organizacionais Viabilizadores Missão/objetivos Melhoria Estrutura organizacional Recursos (infra, RH, $) Atividades diretas Processos da decisão Necessidades Comunicação Aplicação de informação informação informação informação informação Análise de Coleta de de de 22 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 22. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo Necessidades Coleta Análise Comunicação Decisão 23 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 23. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.2 Processo: Necessidades Necessidades Coleta Análise Comunicação Decisão 24 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 24. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: Necessidades Situação geral da área tecnológica e o Convém lançar 1 potencial da mesma o produto? Estratégia de comercialização mais Onde lançar o produto? 2 adequada: regiões, competidores Com quem competimos? Potenciais licenciantes ou parceiros 3 para a fabricação e comercialização Com quem posso me aliar? Potenciais aplicações não consideradas Existem outros mercados 4 no inicio do projeto potenciais? Ponto de partida da valoração Quanto vale minha 5 econômica da tecnologia tecnologia? 25 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 25. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: Processo Necessidades Coleta Análise Comunicação Decisão 26 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 26. FONTES PRIMÁRIAS E 1 VIGILÂNCIA INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: Coleta Interna Externa • Técnicos • Editores de boletins • Gestores de P&D técnicos e periódicos • Equipe jurídica / PI • Pesquisadores e Professores • Equipe de marketing, Universitários planejamento estratégico, etc) • Associações de Classe • Consultores • Analistas de investimento 27 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 27. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAFONTES SECUNDÁRIAS 1.3 Processo: Coleta Interna Literatura Cinzenta Externa Literatura Distribuída Externa • Documentos • Periódicos técnicos • Relatórios da corporativos • Patentes companhia, • Relatórios • Relatórios, estudos • Dissertações / teses anteriores de IT • White papers • Notícias - imprensa, • Base de dados de boletim IT (literatura, relatórios, etc) • Estudos governamentais, • Contatos e documentos relatórios de viagem • Informação • Projetos de P&D segmentada - • Propostas empregos 28 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 28. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAFONTES SECUNDÁRIASSELECIONANDO AS FONTES 1.3 Processo: Coleta Observações para seleção de fontes externas de Inteligência Tecnológica  Eficácia - relevância de conteúdo, foco, singularidade  Pontualidade – possibilidade de obter as respostas no tempo desejado?  Confiabilidade – fonte possui uma origem confiável?  Facilidade de acesso – a fonte é fácilmente acessível?  Custo - existe custo de aquisição?  Necessidades – são necessárias múltiplas fontes? 29 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 29. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAFONTES SECUNDÁRIAS 1.3 Processo: Coleta Dificuldade da grande maioria das fontes externas de Inteligência Tecnológica  Muitas das potenciais fontes de informação são pouco confiáveis, são facilmente manipuláveis ou estão “contaminadas”;  A informação se encontra fragmentada e incompleta  Difícil acesso - a maioria das inovações ocorrem em pequenas companhias que não estão auditadas, não tem canais de distribuição, etc  Difícil de obter por meios legais 30 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 30. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: Análise Necessidades Coleta Análise Comunicação Decisão 31 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 31. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: Análise METODOLOGIAS • Monitoração Ambiental Longo • Roadmap Tecnológico (Environmental Scanning) • Análise de Cenários Prazo • Delphi Curto • Análise Prazo • Análise Morfológica Patentométrica/Bibliométrica • TRIZ • Extrapolação de Tendências Normativo Exploratório 32 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 32. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAAS ATITUDES E OS MÉTODOS 1.3 Processo: Análise • Extrapolação de Tendências Fonte: Adaptado de Balaguer, 2006 33 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 33. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAAS ATITUDES E OS MÉTODOS 1.3 Processo: Análise • Análise Morfológica – Técnica analítica que subdivide um tópico vasto em sub-tópicos cada vez menores. Tem por saída um representação gráfica, com uma estrutura hierárquica, que mostra como um tópico pode ser detalhado em vários níveis. Fonte: Adaptado de Balaguer, 2006 34 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 34. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAAS ATITUDES E OS MÉTODOS 1.3 Processo: Análise • Roadmap Tecnológico – Provê um meio estruturado e gráfico para explorar os relacionamento entre o mercado, os produtos e as tecnologias no tempo. Fonte: Adaptado de Balaguer, 2006 35 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 35. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAAS ATITUDES E OS MÉTODOS 1.3 Processo: Análise • Cenários – “Cenário é o conjunto formado pela descrição coerente de uma situação futura e pelo encaminhamento dos acontecimentos que permitem passar da situação de origem à situação futura” (Michel Godet). Fonte: Adaptado de Balaguer, 2006 36 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 36. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAAS ATITUDES E OS MÉTODOS 1.3 Processo: Análise • Delphi Definição do problema – Processo estruturado para coleta e Seleção de especialistas para painéis refinamento do conhecimento de um grupo de especialistas através de uma Preparar e distribuir questionário série de questionários intercalados com controlados feedback de opinião. Analisar respostas de questionários Sim Consenso? Não Prover informações com as respostas tabuladas Desenvolver relatório final Fonte: Adaptado de Balaguer, 2006 37 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 37. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAAS ATITUDES E DE MÉTODOSMETODOLOGIA OS INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: Análise • Análise Patentométrica – Analises estatística de indicadores de patentes como objetivo de conhecer atividades tecnológica e inventivas de países, áreas e instituições 16 14 12 Nº Doc. 10 8 6 4 2 0 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 Año de Solicitud 38 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 38. 1 VIGILÂNCIA EMETODOLOGIAS INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: Análise Quantitativo Análise de Patentes Bibliometria Análise de Relevância Extrapolação de Tendências Delphi Cenários Roadmaps Qualitativo Brain storming Fonte: Adaptado de Zurich Institute of Technology, 2002 5 anos 10 anos 15 anos 20 anos 25 anos 39 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 39. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: A Patente como Fonte de Informação Por que realizar Inteligência Tecnológica através das Patentes?1 2 3 4 5 DISPONÍVEIS CONFIÁVEIS PRECOCE ESTRUTURADA RELACIONADA 40 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 40. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: A Patente como Fonte de Informação1 2 3 4 5 DISPONÍVEIS CONFIÁVEIS PRECOCE ESTRUTURADA RELACIONADA 41 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 41. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: A Patente como Fonte de Informação1 2 3 4 5 DISPONÍVEIS CONFIÁVEIS PRECOCE ESTRUTURADA RELACIONADA  Mais de 50 milhões de patentes – 90% das invenções mundiais podem ser localizadas nas bases de patentes  Cada ano mais de 1 milhão de novos documentos - “80% da literatura publicada sobre tecnologia ocorre somente através de patentes”, ou seja, que não se publica em nenhum outro meio  Nos EUA, 84% das patentes contém tecnologia não divulgada por outros meios Fonte: WIPO, Global Patent Sources, Derwent Information 42 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 42. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: A Patente como Fonte de Informação1 2 3 4 5 DISPONÍVEIS CONFIÁVEIS PRECOCE ESTRUTURADA RELACIONADA Um Um Um fornecedor concorrente Concorrente Apresentação comum informa solicita uma participa em em uma feira os pedidos patente um Congresso 36 meses 2 anos 1 ano 6 meses 2 meses 1 mês Lançamento 1 semana Comercial Aparece publicado Um cliente Um cliente A imprensa o pedido de comum ouviu comum avisa o publica o patente “algo” lançamento lançamento 43 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 43. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: A Patente como Fonte de Informação1 2 3 4 5 DISPONÍVEIS CONFIÁVEIS PRECOCE ESTRUTURADA RELACIONADA  As patentes aportam CIP informação estruturada - Número de facilita a análise identificação Prioridade Países  Possuem dados adicionais Titulares que ajudam o posicionamento global Inventores da linha de pesquisa em estudo: Código Resumo Internacional de Patentes Título 44 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 44. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: A Patente como Fonte de Informação1 2 3 4 5 DISPONÍVEIS CONFIÁVEIS PRECOCE ESTRUTURADA RELACIONADA Dois possíveis usos das citações para o  Os requerentes devem mostrar o estado estudo da inovação: da técnica, citado na patente; Mais citações de uma patente indica que  Mais citações nas patentes US que EPO: tem sido útil - ao menos para o A  Filosofia EUA.: todos os documentos até os desenvolvimento de novas tecnologias mais remotos são citados  Filosofia EPO: informe de busca que contém toda a informação técnica pertinente, com um As citações indicam as direções dos número mínimo de citações fluxos de conhecimento - pode mostrar: a B difusão, as redes sociais, os grupos de conhecimento, etc. 45 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 45. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAA PATENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO 1.3 Processo: A Patente como Fonte de Informação 46 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 46. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: A Patente como Fonte de Informação Desvantagens da informação de patentes  Nem todas as inovações são patenteáveis, nem todas as inovações patenteáveis estão patenteadas - o segredo pode ser às vezes um mecanismo de proteção mais eficiente.  Diferenças na propensão de patentear em função da indústria, tamanho da empresa, tipo de invenção (por exemplo, ciclo de vida do produto), custo da imitação, etc  Uma parte substancial das patentes se realizam por motivos estratégicos, preferentemente competitivos - nem todas as patentes são comercialmente viáveis  As patentes não proporcionam informação do estado de desenvolvimento da tecnologia 47 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 47. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: A Patente como Fonte de Informação Fontes de Informação Complementar Artigos Científicos Notícias Estudos de Mercado Legislação 48 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 48. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: Comunicação Necessidades Coleta Análise Comunicação Decisão 49 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 49. 1 VIGILÂNCIA EENTREGÁVEIS INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: Comunicação  Análise pormenorizada Modelo de Relatório da informação tecnológica associada a • Introdução Relatório de uma tecnologia específica • Objetivo ou a um concorrente, com Inteligência Informe de Tecnológica o objetivo de obter • Conteúdo Inteligência Tecnológica informação relevante • Resumo executivo e Conclusões fundamental no processo • impactos de tomada de decisão • Análises realizadas • Especialistas  Coleta de patentes e • Ficha técnica outros documentos • Equipe de trabalho relacionados a uma • Fontes específicas trabalhadas tecnologia específica, Relatório de através dos quais poderá • Ferramentas utilizadas Vigilância Informe de Tecnológica Inteligência atualizar o seu • Especialistas consultados/informações validadas Tecnológica conhecimento utilizando-o • Aspectos metodológicos em desenvolvimentos futuros • Anexos 50 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 50. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: Decisão Necessidades Coleta Análise Comunicação Decisão 51 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 51. 1 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 1.3 Processo: Decisão “...garantir a continuidade do negócio, minimizar o risco ao negócio, maximizar o retorno sobre os investimentos e as oportunidades de negócio” expandir e garantir VANTAGEM COMPETITIVA 52 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 52. APLICAÇÃO PRÁTICA 53 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 53. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAOBJETIVOS (NECESSIDADES) 2.1 Definição de Necessidades • Determinar exatamente que pergunta responder, caso contrário, sem um orçamento infinito, você ficará sabendo nada de tudo • Identificar os principais usuários e necessidades de informação / perguntas • Quem são os clientes reais (Quem paga a conta?) • Organizar e realizar entrevistas (Entrevista de Referência) • Esclarecer, organizar e priorizar resultados de inteligência. • Abordar as questões básicas: • Que informação é necessária para maior benefício dos clientes? Como a inteligência será utilizada? • Quais as possibilidades de cobertura e nível de detalhe? • Atividade será pontual ou regular no tempo? 54 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 54. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAOBJETIVOS (NECESSIDADES)FONTES SECUNDÁRIAS 2.2 Definição de Fontes de Informação & Econ. Político Sociais Industriais Científicas 55 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 55. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAMETODOLOGIA DE INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 2.2 Fontes de Informação Patentárias Escritório brasileiro – INPI: Escritório norte-americano - •Apenas patentes brasileiras e apresenta o USPTO: status quo do processo por meio dos •Busca em todas as patentes norte- despachos americanas concedidas desde 1791. Escritórios Europeus – EPO: Organização Mundial de •patentes do mundo todo, possibilidade de Propriedade Intelectual – OMPI: impressão do documento original. •buscas de pedidos internacionais de patentes (PCT) Escritório japonês – JPO: Escritório de Singapura – IPOS: •documentos depositados e concedidos •busca de pantentes de nos bancos de dados somente no Japão dos EUA(USPTO), Singapore (IPOS), PCT (WIPO), Europeu (EPO), China (SIPO), Canada (CIPO), Coreia (KIPO), Taipei (TIPO), UK (UK-IPO), Tailandia(TIPIC), Japão (JPO) 56 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 56. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAA PATENTE COMO INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAMETODOLOGIA DEFONTE DE INFORMAÇÃO 2.2 Referências de Busca e Análise de Patentes Patentscope Search & CLIR Finding technology using •Destinado para familiarizar usuários com as Patents características do serviço de pesquisa PATENTSCOPE e recursos relacionados. •Fornece uma visão geral das informações contidas em documentos de patentes e fontes de informação sobre patentes. WIPO Guide to using Patent WIPO IP Facts and Figures, information 2012 edition •Destinado para auxiliar usuários na utilização •Fornece uma visão geral das atividades da de informações de patentes, descrevendo Propriedade Intelectual com base no último diferentes estratégias e técnicas de busca, ano disponível de estatísticas extraídas bem como abordagens para analisar escritórios de PI nacionais e regionais resultados de pesquisa. PCT Yearly Review: The World Intellectual Property International Patent System, Indicators, 2011 edition 2012 edition •Fornece uma ampla gama de indicadores que •Fornece uma visão geral do desempenho e abrangem diversas áreas da propriedade desenvolvimento do sistema PCT. intelectual: patentes, modelos de utilidade, marcas, desenhos industriais e microrganismos. http://www.wipo.int/patentscope/en/publications/ 57 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 57. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 2.2 Base de Dados de Patentes http://worldwide.espacenet.com 58 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 58. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 2.2 Base de Dados de Patentes http://worldwide.espacenet.com 59 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 59. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 2.2 Base de Dados de Patentes http://worldwide.espacenet.com 60 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 60. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 2.2 Indicadores Classificação Date de Título Publicação Publicação Inventor(es) Titular (es) No. De Depósito Internacional depósito Brady michael [us]Biomass Pretreatment C12P7/10 US2012214216 23/08/2012 oconnor paul [nl] KIOR INC US201213458285 2012/04/27Process C07C51/00 stamires dennis [us]Packed bed scrubber PINNACLE Sibik Larry Kenneth C12P7/06using a fusel oil US2012214215 23/08/2012 ENGINEERING US201113160261 2011/06/14 [Us] C12M1/00solvent INCProducing edible A23K1/06residues from ethanol EP2488048 22/08/2012 Medoff marshall [us] XYLECO INC EP20100823967 2010/10/12 C12P7/10productionMethod and apparatus Holm christensen C12P7/10for conversion of AU2012202325 17/05/2012 borge gerlach lena INBICON AS C13B10/00 AU20120202325 2012/04/19cellulosic material to holm C13K1/02ethanolMethod and system for C12M1/00saccharifying and Medoff marshall C12P7/06 AU2010343264 16/08/2012 XYLECO INC AU20100343264 2010/11/18fermenting a biomass masterman thomas C12P7/10feedstock C12P7/14Process for producingethanol from thefermentation of sugar Mantelatto paulo DEDINI S A C12P7/06sources in a WO2012103609 09/08/2012 eduardo [br] e WO2011BR00038 2011/01/31 IND DE BASE C12P7/14fermentation medium outroswith high ethanolcontent 61 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 61. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAA PATENTE COMO INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAMETODOLOGIA DEFONTE DE INFORMAÇÃO 2.2 Indicadores  A evolução temporal de publicações permite uma visão mais clara sobre o grau de maturidade alcançado pela tecnologia  Evolução crescente  Área tecnológica atualmente em crescimento 62 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 62. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAA PATENTE COMO INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAMETODOLOGIA DEFONTE DE INFORMAÇÃO 2.2 Indicadores Fonte: Adaptado de JPO, 2000 63 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 63. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAA PATENTE COMO INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAMETODOLOGIA DEFONTE DE INFORMAÇÃO 2.2 Indicadores Impressão Digital 80 70 60 50 Outros 40 Iris 30 20 1995-1999 10 0 2000-2004 2005-2009 Assinatura Facial Voz 64 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 64. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAA PATENTE COMO INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAMETODOLOGIA DEFONTE DE INFORMAÇÃO 2.2 Indicadores Fonte: Adaptado de JPO, 2000 65 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 65. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAA PATENTE COMO INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAMETODOLOGIA DEFONTE DE INFORMAÇÃO 2.2 Indicadores 2010 2000 Fonte: Adaptado de JPO, 2000 66 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 66. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAA PATENTE COMO INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAMETODOLOGIA DEFONTE DE INFORMAÇÃO 2.2 Indicadores 67 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 67. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAA PATENTE COMO INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAMETODOLOGIA DEFONTE DE INFORMAÇÃO 2.2 Indicadores  Exemplo: Todos os documentos de patente publicados,1970-2011, na área tecnológica da Energia Solar  Patentes analisadas segundo conteúdo tecnológico  Estabelecem relações entre os conteúdos dos documentos, na mesma área tecnológica  Indicam a quantidade de documentos protegidos, em cada campo tecnológico 68 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 68. 2 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 2.2 Indicadores Demoduladores Osciladores Moduladores Antenas Sistemas de comunicação digital e multiplex 69 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 69. 3 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAA PATENTE COMO O DE AMANHÃMETODOLOGIA DE INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICABRASIL DE HOJE EFONTE DE INFORMAÇÃO 3.1 Caso Prático Formação de uma nova estrutura social com famílias desejosas por novos lares o que demandará de empresas de construção civil e linha branca oferecer soluções tecnológicas para atender questões relacionadas a: • Eficiência energética • Redução de custo • Inclusão digital • Responsabilidade social e ambiental www.fh-joanneum.at ; www.staffsoc3.org.uk 70 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 70. 3 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAA PATENTE COMO INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAMETODOLOGIA DEFONTE PARA ELETRODOMÉSTICOSOPÇÕES TECNOLÓGICAS DE INFORMAÇÃO 3.1 Caso Prático • Improved resistivity of • Improved gaskets • Condenser hot gas • Improved compressor • Increased surface area insulation • Electric heater sizing efficiency • Improved heat • Double door gaskets • Increased insulation • Electric heater controls • Variable-speed exchange thickness • Improved door face compressors frame • Vacuum-insulated • Linear compressors panels • Reduced heat load for TTD feature • Gas-filled panels Gasket and Door Anti-Sweat Insulation Compressor Evaporator Design Heater • Increased surface area • Evaporator fan and fan • Improved expansion • Fluid control or solenoid • Reduced energy for • Improved heat motor improvements valves valve automatic defrost exchange • Condenser fan and fan • Adaptive defrost • Force convection motor improvements • Condenser hot gas condenser Fans and Fan Condenser Expansion Valve Cycling Losses Defrost System Motor • Temperature control • Alternative refrigerants • Lorenz-Meutzner cycle • Stirling cycle • Air-distribution control • Component location • Dual-loop system • Thermoelectric • Two-stage system • Thermoacoustic • Control valve system • Ejector refrigerator • Tandem system Alternative Alternative Other Control System Refrigeration Refrigeration Technologies Cycles Systems Fonte: US Department of Energy 71 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 71. PESQUISA EM BASE E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3 VIGILÂNCIA DE DADOSA PATENTE COMO INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAMETODOLOGIA DEFONTE DE INFORMAÇÃO 3.1 Caso Prático Busca em Base de Patente WIPO/PATENTSCOPE Tecnologia: Isolação a vácuo para refrigeradores Palavras-chave: vacuum, insulation, refrigerat*... http://www.wipo.int/pctdb/en/ 72 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 72. PESQUISA EM BASE E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3 VIGILÂNCIA DE DADOSA PATENTE COMO INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAMETODOLOGIA DEFONTE DE INFORMAÇÃO 3.1 Caso Prático 73 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 73. 3 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAA PATENTE COMO INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAMETODOLOGIA DEFONTE DE INFORMAÇÃO 3.1 Caso Prático 74 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 74. 3 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAA PATENTE COMO INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAMETODOLOGIA DEFONTE DE INFORMAÇÃO 3.1 Caso Prático 75 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 75. 3 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAA PATENTE COMO INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAMETODOLOGIA DEFONTE DE INFORMAÇÃO 3.1 Caso Prático 76 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 76. 3 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3.1 Caso Prático 77 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 77. 3 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAA PATENTE COMO INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICAMETODOLOGIA DEFONTE DE INFORMAÇÃO 3.1 Caso Prático • Depois de mais de 20 anos de pesquisa e desenvolvimento de materiais de isolamento, com início em 1982 Panasonic conseguiu criar "U-Vacua", um material de isolamento a vácuo que substitui espuma de uretano tradicional. Em outubro de 2002 U-Vacua para uso em refrigeradores foi aperfeiçoado depois de mais de 6000 ensaios e testes durante o período de um ano. • Refrigeradores com U-Vacua são aproximadamente 40% mais eficiente que os modelos pré-U-Vacua de 2001 e aproximadamente 83% mais do que aqueles lançado há 10 anos. • A Panasonic está agora utilizando esse material de isolamento a vácuo na construção de casas para melhorar significativamente a eficiência de isolamento.MATSUSHITA/PANASONIC NRB30FX1 78 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 78. 3 VIGILÂNCIA E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3.1 APRESENTAÇÃO DE CONCLUSÕES • Tecnologia de isolação a vácuo em crescente evolução com grau de maturidade e prontidão suficiente para aplicações industriais em elementos mecânicos e setores de bens de consumo (eletrodomésticos) e de construção civil • Empresas asiáticas, em especial japonesas, do setor elétrico/eletrônico dominam os principais mercados de interesse: norte-americano e japonês • Com relação à indústria de linha branca, atualmente, a aplicação de tecnologias de isolação a vácuo está presente somente em refrigeradores de alto padrão • Necessidade de desenvolver produtos com tecnologia de isolação a vácuo de baixo custo e alta eficiência energética para atender demandas de mercado no Brasil 79 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 79. PAÍSES LÍDERES EM E INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3 VIGILÂNCIA PROTENÇÃO PATENTÁRIA 3.2 Caso Prático 80 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 80. 3 VIGILÂNCIA ECASO PRÁTICO 2 INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3.2 Caso Prático Química 56,6% Alimentos 1,5% www.biomasspackaging.com Biotecnologia 4,0% Engenharia Química 3,0% Materiais, Metalurgia 1,0% Meio Ambiente 3,5% Química Básica de Materiais 6,6% Química Macromolecular, Polímeros 34,8% Tecnologia de Superfície, Revestimento 2,0% Engenharia Mecânica 41,9% Ferramentas de Máquinas 3,5% Manuseio 2,5% Máquinas Especiais 25,3% www.indianyellowpages.com Máquinas Têxteis e de Celulose 10,1% Transporte 0,5% Instrumentos 1,0% Tecnologia Médica 1,0% Outros Campos 0,5% Engenharia Civil 0,5% Total Geral 100% 81 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 81. 3 VIGILÂNCIA ECASO PRÁTICO 2 INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3.2 Caso Prático País Organização Docs. % KUMOH NATIONAL INSTITUTE OF TECHNOLOGY 5 6,0% KOBE STEEL LTD 5 6,0% SEOUL NATIONAL UNIVERSITY INDUSTRY 2 2,4% FOUNDATION UNIV SHANGHAI 2 2,4% KIA MOTORS CORPORATION 2 2,4% HYUNDAI MOTOR COMPANY 2 2,4% LONGHAI NAITE CHEM CO LTD 2 2,4% HYUNDAI MOTOR COMPANY | KIA MOTORS 2 2,4% CORPORATION HYUNDAI MOTOR COMPANY | THE INDUSTRY & ACADEMIC COOPERATION IN CHUNGNAM 2 2,4% NATIONAL UNIVERSITY (IAC) Kim yong tae | kim wan sik 2 2,4% Total 26 31,0 % 82 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 82. 3 VIGILÂNCIA ECASO PRÁTICO 2 INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3.2 Caso Prático 83 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 83. 3 VIGILÂNCIA ECASO PRÁTICO 2 INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3.2 Caso Prático 84 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 84. 3 VIGILÂNCIA ECASO PRÁTICO 2 INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3.2 Caso Prático 85 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 85. 3 VIGILÂNCIA ECASO PRÁTICO 3 2 INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3.3 Caso Prático 86 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 86. 3 VIGILÂNCIA ECASO PRÁTICO 3 2 INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3.3 Caso Prático 87 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 87. 3 VIGILÂNCIA ECASO PRÁTICO 3 2 INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3.3 Caso Prático Remoção eficiente de lignina EtanolBiomassa Pré- Hidrólise Fermentação Purificação Água tratamento residual Geração de Eletricidade potência 88 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 88. 3 VIGILÂNCIA ECASO PRÁTICO 3 2 INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3.3 Caso Prático Racional: A lignina em uma mistura aquosa formada durante o processo de conversão de biomassa em um álcool pode ser mais eficientemente separada quando a temperatura da mistura é mantida a ou acima de uma temperatura crítica 89 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 89. 3 VIGILÂNCIA ECASO PRÁTICO 3 2 INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3.3 Caso Prático SEGREDO INDUSTRIAL: http://otaviojunior.com Processo dependente, em parte, do tipo de lignina, tratamento térmico (por exemplo, lavagem com água, explosão de vapor, e hidrólise) e a água absorvida. www.onr.navy.mi 90 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 90. 3 VIGILÂNCIA ECASO PRÁTICO 3 2 INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3.3 Caso Prático Plano BNDES-FINEP de Apoio à Inovação dos Setores Sucroenergético e Sucroquímico Linha 1: Bioetanol de 2ª Geração Linha 2: Novos produtos de cana-de-açúcar Linha 3: Gaseificação: Tecnologias, equipamentos, processos e catalisadores Quem pode participar?  empresas cujo objeto social compreenda a realização de atividades de pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação relacionados às tecnologias objeto deste Plano e que tenham interesse de empreender atividade de produção e/ou comercialização dos produtos finais decorrentes destas tecnologias, nas linhas temáticas descritas. 91 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 91. 3 VIGILÂNCIA ECASO PRÁTICO 2CONCLUSÕES 3 INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA 3.3 Conclusões • A IT supõe um conjunto de estratégias e ferramentais enfocadas à administração e criação de conhecimento mediante a análises de dados (de carácter técnico) existentes dentro e fora da organização; • A IT está intimamente ligada a Inteligência Competitiva, Econômica e inclusive comercial, completando-as e ampliando-as; • O ciclo geral da Inteligência se aplica à IT, embora com suas fontes, metodologias de análise, conclusões e usos específicos; • Existem um grande número de fontes externas que podem consultar, mas muitas apresentam importantes desvantagens – é preciso realizar um uso cuidadoso das mesmas; • As patentes apresentam, porém, grandes vantagens com respeito a outras possíveis fontes, no entanto é preciso ter conhecimentos em PI para poder realizar uma interpretação adequada da informação que proporcionam. 92 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 92. Claudio Mazzola Coordenador de Inteligência Tecnológica Clarke, Modet & Co. Brasil cmazzola@clarkemodet.com.br www.clarkemodet.com.br www.clarkemodet.com.brArgentina - Brasil - Chile - Colômbia - Espanha - México - Portugal - Peru – Uruguai - Venezuela 93 © 2012 Clarke, Modet & Cº
  • 93. Argentina - Brasil - Chile - Colombia - Espanha - México - Portugal - Perú – Uruguai - Venezuela 94 © 2012 Clarke, Modet & Cº