Eutanasia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
9,004
On Slideshare
9,003
From Embeds
1
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
52
Comments
0
Likes
1

Embeds 1

http://www.slideshare.net 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Eutanásia
  • 2. Conceito e desenvolvimento histórico:   Eutanásia é a prática pela qual se abrevia a vida de um enfermo incurável de maneira controlada e assistida por um especialista, com o propósito de pôr fim ao sofrimento (físico ou psíquico) do paciente e de seus familiares. Segundo a medicina a eutanásia consiste em amenizar os sofrimentos de uma pessoa doente, de prognóstico fatal, ou em estado de coma irreversível, sem chances de cura. Pinam define-a como "o ato pelo qual uma pessoa põe termo à vida da outra, que sofre de enfermidade incurável ou então a aleijados padecendo dores cruéis, atendendo às suas solicitações reiteradas, levada puramente pelo espírito de piedade e humanidade". Os valores sociais, culturais e religiosos envolvidos na questão da eutanásia, apareceram em primeiro lugar na Grécia Antiga, era frequente a prática da eutanásia entre os cidadãos cansados da carga do Estado e da existência. Vinham até a um magistrado e expunham as razões que os levavam a desejar a morte e, se o juiz entendesse suficiente, autorizava. Em Esparta, era comum, a fim de evitar qualquer sofrimento ou vir a tornar-se carga inútil, a recém-nascidos malformados por serem imprestáveis para a comunidade. . Ao Estado era dispensado manter uma criança que não lhe fosse útil. Para a família era vergonhoso possuir um rebento incapacitado para as glórias da guerra. Em Atenas, o Senado tinha poderes absolutos de facultar a eliminação dos velhos e incuráveis, dando-lhes bebida venenosa em cerimônias e banquetes especiais. Já no Egito Cleópatra VII (69 a.C – 30 a.C) criou uma “academia” para estudar e realizar experiências sobre as maneiras de mortes menos dolorosas. Na Índia Antiga os doentes incuráveis (os inúteis) eram remessados publicamente no Rio Ganges, depois de destruir a boca e as narinas com um pouco de barro (tipo, uma lama sagrada). Os Brâmanes tinha por lei matar ou abandonar as selvas os recém-nascidos que padeciam de má índole e velhos enfermos, sendo considerados imprestáveis para a sociedade.  
  • 3. Durante a segunda guerra mundial (1939), a Alemanha Nazista implantou, através de Hitler, a "Aktion T 4", que era um programa de eliminação de recém-nascidos e crianças pequenas, até três anos, com retardo mental, deformidades físicas e outras condições limitantes consistindo em um dever de médicos e parteiras notificar a autoridade a verificação de tais casos examinados por uma junta médica de três profissionais procedendo-se à eliminação somente quando houvesse unanimidade. O programa repentinamente se estendeu para adultos e velhos portadores de esquizofrenia, epilepsia, paralisias que não respondiam ao tratamento, sífilis, retardos mentais, encefalite e outras doenças neurológicas, incluindo-se também os pacientes internados a mais de cinco anos ou criminalmente insanos. Com o lema de "purificação da raça", foram estabelecidos os critérios de não possuir cidadania alemães, discriminando especialmente negros, judeus e ciganos. Em 3 de agosto de 1941, um sermão do bispo católico Clemens Von Galen denunciou o extermínio, levando devido às repercussões deste sermão, Hitler, em 23 de agosto do mesmo ano, a suspender o programa. Em Roma, era comum lançarem-se ao mar os deficientes mentais. O Imperador romano Júlio César decretou que os gladiadores feridos de morte, depois do combate romano, fossem mortos se os césares voltassem o polegar para baixo, o polegar para baixo dos césares era uma autorização à morte, permitindo aos gladiadores feridos, que tardavam morrer. Ainda em Roma, os condenados à crucificação tomavam uma bebida que produzia um sono profundo, para que não sentissem as dores dos castigos e morressem lentamente. Referindo-se as questões religiosas, alguns teólogos atribuem à morte do Rei Saul, de Israel, como sendo a primeira prática de eutanásia da história. Ferido na batalha e a fim de não cair prisioneiro, Saul lançara-se sobre a sua espada e, já ferido, pediu a um amalecita que lhe tirasse a vida. O próprio Jesus Cristo, o patriarca máximo da obediência e da submissão, no Calvário foi submetido aos suplícios da crucificação. Segundo Cícero, deram-lhe de beber vinagre e fel, chamado "vinho da morte", mas ele, provando a mistura, não quis tomar. Apesar da denominação "vinho da morte", há quem afirme que o gesto dos guardas judeus de darem a Jesus uma esponja embebida de tal mistura, antes de constituir ato de zombaria e crueldade, teria sido uma maneira piedosa de amenizar seu sofrimento, numa atitude de extrema compaixão. Segundo Dioscorides, esta substância "produzia um sono profundo e prolongado, durante o qual o crucificado não sentia nem os mais cruentos castigos, e por fim caía em sonolência passando à morte insensivelmente".
  • 4. Questões Religiosas:   Discutir a eutanásia é muito difícil, pois, toca fundo na religiosidade das pessoas, fazendo com que muitos se calem, ou até mesmo, ignorem totalmente a questão, para não entrarem em contradição com suas convicções religiosas. A Igreja Católica, em 1956, posicionou-se de forma contrária à eutanásia por ser contra a "lei de Deus". Entretanto, em 1957, o Papa Pio XII, em um discurso breve com os médicos, aceitou a possibilidade de que a vida possa ser encurtada como efeito secundário à utilização de drogas para diminuir o sofrimento de pacientes com dores insuportáveis. Admitida na Antiguidade através dos costumes, a eutanásia foi condenada somente a partir do judaísmo e do cristianismo, em cujos princípios à vida tinham o caráter sagrado. No entanto, foi a partir do sentimento que cerca o direito moderno que a eutanásia tomou caráter criminoso, como proteção irrecusável do mais valioso dos bens: a vida. Devido a esse caráter criminoso, diante de valores e de ideais, é que a sociedade discute a questão da legalização da eutanásia. A discussão ganha uma nova dimensão ao entrar no mérito de quem decide como e quando a morte deve acontecer. Todas as grandes religiões, com exceção do budismo, discordam da possibilidade do ser humano decidir o fim de sua própria vida. Para eles, essa decisão cabe somente a Deus.
  • 5. Questões Jurídicas:   No final do ano de 1990, surgiu à idéia da legalização da Eutanásia no país da Holanda, a lei entrou em vigor a partir do ano de 2002, onde hoje é o único país que a eutanásia é legalizada. De acordo com a legislação brasileira, a eutanásia é proibida e, caso algum médico seja pego praticando o “homicídio piedoso”, poderá pegar de 4 a 17 anos de prisão, além de sofrer processo e a provável cassação do CRM, sendo proibido de exercer a medicina em território nacional. Apesar disso, a eutanásia é praticada nos hospitais brasileiros. Não de maneira liberada, mas de forma implícita, muitas vezes como a opção de não aplicar técnicas que reajam os pacientes que sofrem uma parada cárdio-respiratória, por exemplo. Então, a pergunta que se faz é: Em que medida a eutanásia é praticada no Brasil? Infelizmente, não é possível obtermos uma resposta precisa a esta questão. Sabemos apenas que ela ocorre com bastante freqüência em nosso país. Segundo Celso Firenczi, a legalização da eutanásia no Brasil é inconstitucional o que se chama de morte piedosa, vai contra a declaração dos direitos humanos da ONU. A declaração estabelece o direito fundamental à vida. Esse tipo de direito é inalienável, isto é, não se pode abrir mão dele. O Código Penal Brasileiro atual não fala em eutanásia explicitamente, mas em "homicídio privilegiado". Os médicos dividem a prática da morte assistida em dois tipos: ativa (com o uso de medicamentos que induzam à morte) e passiva ou ortotanásia (a omissão ou a interrupção do tratamento). Atualmente, no caso de um médico realizar eutanásia, o profissional pode ser condenado por crime de homicídio – com pena de prisão de 12 a 30 anos – ou auxílio ao suicídio – prisão de 2 a 6 anos.  
  • 6. Questões médicas e psicológicas:   Até hoje, os médicos juram abster-se de toda ação ou omissão, com intenção direta e deliberada de pôr fim a uma vida humana. A participação na eutanásia não somente alterará o objetivo da atenção à saúde, como poderá influenciar, negativamente, a confiança para com o profissional, por parte dos pacientes. Modernamente, eutanásia é a morte consentida de uma pessoa em grande sofrimento sem perspectiva de melhora, produzida por médico. Nos países que a legalizaram, o consentimento do paciente exclui a ilicitude da intervenção, consagrando o princípio da vontade livre como garantia suprema do exercício e renúncia a direitos fundamentais. Eutanásia não é morte por piedade, mas é morte por vontade. Há uma recorrente confusão quando se trata dos termos que envolvem a abreviação da vida e suspensão de tratamentos médicos. A bioética, a ciência da ética médica. Segundo citado em um dos cadernos de bioética publicado pelo Centro de Bioética do Conselho Regional de Medicina de São Paulo, “é o estudo sistemático das dimensões morais – incluindo visões, decisões, condutas e políticas das ciências da vida e dos cuidados da saúde, utilizando extensa variedade de metodologias éticas, num contexto disciplinar”. A Bioética deve ainda ser entendida como uma área de conhecimento que reflexiona sobre os aspectos éticos das realidades psicossocial e biológica do homem.
  • 7. Tipos de Eutanásia Eutanásia ativa Eutanásia ativa é caracterizada quando há um acordo entre médico e/ou família e o paciente para terminar com a vida do mesmo. Seja ministrando uma dose letal de medicamento ou retirando o aparelho de respiração, sem o qual morre em questão de segundos, a interferência de outra pessoa é ativa. Este é o exemplo que nos dá o filme Menina de Ouro, a história de uma jovem boxeadora que fica tetraplégica em uma de suas lutas e faz um acordo com seu treinador para morrer, alegando que sua vida perderia o sentido ao trocar suas lutas vitoriosas e seu intenso exercício físico por uma vida na cama de um hospital. À noite, ele entra escondido em seu quarto no hospital e lhe aplica uma dose letal de adrenalina, que faz com que morra em segundos.     Eutanásia Passiva O suicídio assistido, ou eutanásia passiva, é quando o médico ou qualquer pessoa do relacionamento do paciente lhe provê todo o material necessário para que se suicide, mas não realiza ativamente o ato final. Ela somente se assegura de que a dose ministrada irá matar e faz com que o paciente a aplique em si mesmo. O caso verídico do espanhol Ramón Sampedro, retratado no filme Mar Adentro, se encaixa no exemplo. Tetraplégico devido a uma grande queda no mar, ele passa a vida lutando pelo direito à eutanásia e, no momento em que não o consegue perante a lei, faz com que seus amigos lhe dêem os meios de se suicidar, já que não pode fazer sozinho. Para não incriminá-los, faz com que cada um ministre um pequeno ato para culminar na solução final que ele mesmo bebeu.
  • 8. Eutanásia social A eutanásia social, ou mistanásia, engloba os pacientes que não têm como ingressar no sistema médico público, seja por falta de vagas ou apoio financeiro, e acabam morrendo. Pode ser motivada por erros médicos ou motivos econômicos. Um exemplo é o caso ocorrido em maio de 2005, quando a empregada doméstica Ana Maria de Souza, 39 anos, entrou em coma após cerca de vinte horas à espera de uma transferência para fazer um exame no cérebro. Quando foi finalmente levada para o Hospital Estadual do Mandaqui, onde se descobriu que havia sofrido um derrame, ela faleceu. Para Rosenthal, a mistanásia ocorre em pessoas que não têm acesso ao sistema de saúde. “É um morador de rua que está com pneumonia e morre ou um sujeito que tem uma diarréia, se desidrata, não tem auxílio médico e morre na favela. É a grande eutanásia”.   Voluntária   Mesmo que a pessoa já não esteja em condições de afirmar o seu desejo de morrer quando a sua vida acabou, a eutanásia pode ser voluntária. Pode-se desejar que a própria vida acabe, no caso de se ver numa situação em que, embora sofrendo de um estado incurável e doloroso, a doença ou um acidente tenham tirado todas as faculdades racionais e já não seja capaz de decidir entre a vida e a morte.  
  • 9. Não–Voluntária A eutanásia é não-voluntária quando a pessoa a quem se retira a vida não pode escolher entre a vida e a morte para si ― porque é, por exemplo, um recém-nascido irremediavelmente doente ou incapacitado, ou porque a doença ou um acidente tornaram incapaz uma pessoa anteriormente capaz, sem que essa pessoa tenha previamente indicado se sob certas circunstâncias quereria ou não praticar a eutanásia.   Involuntária A eutanásia é involuntária quando é realizada numa pessoa que poderia ter consentido ou recusado a sua própria morte, mas não o fez ― seja porque não lhe perguntaram, seja porque lhe perguntaram, mas não deu consentimento, querendo continuar a viver.