Your SlideShare is downloading. ×
0
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA

124,180

Published on

1 Comment
13 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
124,180
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
21
Actions
Shares
0
Downloads
1,819
Comments
1
Likes
13
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Aula 3 - COESÃO E COERÊNCIA
  • 2.
    • Signo (Saussure) – união indissociável entre um conceito (significado – mesa, um móvel) e uma imagem acústica (significante – a palavra mesa)
    • SIGNO = CONCEITO = SIGNIFICADO
            • IMAGEM SIGNIFICANTE
  • 3.
    • TEXTO – o texto é o produto concreto de uma codificação lingüística.
    • O texto é estático.
    • O texto é uma unidade semântica de significado.
    • É a concretização da atividade discursiva.
    • Pode ser escrito ou falado
  • 4.
    • DISCURSO – é aquilo que um texto produz ao se manifesta. O discurso é dinâmico
    • É o que o texto que dizer.
    • O texto, portanto, carece de significado. Não é apenas um amontoado de palavras.
  • 5.
    • Exemplo 1
    • Marina chegou a criticar o partido. O time do Corinthians venceu. João foi ao cinema. A menina usa saias.
    • Fomos ao show, por isso o carro não pegou. Ela então brigou com o namorado, logo a comida esquentou.
    • No exemplo, não existe unidade, lógica, ordenação de idéias. Logo, não pode ser considerado um texto.
  • 6.
    • Exemplo 2
    • Após o confronto entre policiais militares e traficantes ontem em São Conrado e a invasão do Hotel Intercontinental, o policiamento foi reforçado na madrugada deste domingo nas favelas da Rocinha e do Vidigal, na zona sul do Rio (Folha Online, 22/08/2010).
    • No exemplo é notório o pensamento lógico, a ordenação das frases e a construção de sentido. Portanto, caracteriza-se como um texto. E para tal, o exemplo necessita de uma característica chamada de textualidade .
    •  
  • 7.
    • TEXTUALIDADE – aquilo que se converte em uma sequência lingüística de texto. O que assegura a textualidade é a coerência
  • 8.
    • 1) intencionalidade
    • 2) aceitabilidade
    • 3) situacionalidade
    • 4) intertextualidade
    • 5) informatividade
    • 6) coesão
    • 7) coerência
    • Os itens 1 a 5 concentram-se na própria situação de comunicar. Já os itens 6 e 7 estão contidos no texto.
  • 9.
    • 1) intencionalidade – ligada às funções da linguagem
    • 2) aceitabilidade – focada no receptor, busca assegurar o entendimento da mensagem
    • 3) situacionalidade – refere-se ao contexto
    • 4) intertextualidade – quando um texto remete a outros
    • 5) informatividade – diz respeito ao grau de informação contida num texto. Quanto menos previsível o texto, maior o seu grau de informatividade
  • 10.
    • 6) C oesão - quando os elementos estão logicamente organizados, concatenados
    • Exemplo de texto sem coesão:
    • Ele estava prestes a desistir, onde recebeu a notícia de uma promoção
    • Ele estava prestes a desistir, quando recebeu a notícia de uma promoção
  • 11.
    • Pronomes relativos - (que, quem, o(s), a(s), qual(is), cujo(s), onde, como e quanto
    • Pronomes possessivos – meu, minha, seu, nosso etc.
    • Pronomes pessoais – ele(s), ela(s), lhe etc.
    • Pronomes demonstrativos – esse(a), este(s), isso, aquilo, aqueles
  • 12.
    • Artigos definidos e indefinidos – o(s), a(s), um, uns, umas
    • Conjunções – se, mas, e, ou, porque, embora, logo, pois, portanto, quando etc.
    • Preposições – a, até, de, em , para etc.
    • Advérbios – ontem, amanhã, aqui, lá, tarde etc.
  • 13.
    • A coesão faz parte da estrutura superficial do texto. Ela pode ser:
    • 1) Referencial
    • 2) Recorrencial
    • 3) Sequencial
  • 14.
    • 1.1- Referencial por Substituição
    • (substituição de um elemento por outro)
    • Exemplo :
    • Foi à Europa e lá foi feliz
    • Edna comprou uma saia, mas preferiu usar a minha
  • 15.
    • 1.2 - Referencial por Reiteração
    • Quando ocorre a repetição de palavras)
    • Exemplo
    • Fernando Henrique Cardoso não fez um bom governo e por isso FHC é malvisto nas pesquisas
  • 16.
    • 2 - Recorrencial – quando ocorre a repetição de termos anteriores
    • Exemplos
    • Ela corria, corria, corria ... (recorrência)
    • Bom mesmo é ter livros na estante, redes na varanda e flores no jardim (paralelismo)
  • 17.
    • 3- Sequencial – desenvolvimento do texto com o uso de termos pertencentes ao mesmo uni- verso semântico
    • Exemplo
    • Se chover, não haverá aula (condicional)
    • Os alunos foram embora porque estava muito frio (casualidade)
  • 18.
    • 7) Coerência – é o mais importante fator de textualidade. Coerência é a ausência de contradição num texto.
    • A coerência faz parte da estrutura profunda do texto. Está ligada diretamente ao ordenamento lógico das idéias.
  • 19.
    • Exemplo de texto sem coerência:
    • Cabeça de Bagre II – Mamonas Assassinas
    • Loucura, insensatez, estado inevitável Embalagem de iogurte inviolável Fome, miséria, incompreensão, O Brasil é Treta Campeão (...)

×