Your SlideShare is downloading. ×
0
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Aula 3   cientifico
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Aula 3 cientifico

852

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
852
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
33
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  1. Jornalismo Científico
  2. •Especialização da atividade jornalísticadirecionada à cobertura de Ciência eTecnologia.• Para Steve Mirsky, um conceituadojornalista científico, é a área que tem o“privilégio de ser a porta-voz dafronteira do conhecimento humano”. Steve Mirsky
  3. CONCEITOPara Wilson Bueno, jornalista científico, trata-se da “Divulgaçãoda ciência e tecnologia pelos meios de comunicação de massa,segundo critérios jornalísticos”Bueno, no entanto, faz uma ressalva: “nem tudo que fala sobreciência e está escrito em jornais ou revistas é jornalismocientífico.”
  4. Exemplo Textos ou artigos de anunciantes sobre Ciência e Tecnologia não podem ser considerados jornalismo científico. Uma coleção de fascículos sobre história da Ciência e da Tecnologia, encartada num jornal ou revista, também não se constitui em exemplo de JC.
  5. - Alguns artigos publicados pela revista Ciência Hoje, da SBPC, escritos por pesquisadores, apesar de bem ilustrados, não podem ser incluídos na categoria Jornalismo Científico. Não porque não sejam bons, mas porque nada tem a ver com o Jornalismo.* NÃO QUE ESSES MATERIAIS NÃO SEJAM IMPORTANTES PARA A CONSULTA, MAS NÃO FORAM PRODUZIDOS DE ACORDO COM AS TÉCNICAS DO “FAZER JORNALÍSTICO” E NÃO SÃO DIRECIONADOS AO PÚBLICO EM GERAL (LEIGO NO QUE DIZ RESPEITO À CIÊNCIA).
  6.  Textos jornalísticos ou outros materiais sobre temas da ciência e tecnologia que não são escritos no formato jornalístico são chamados de divulgação científica. Portanto, Jornalismo Científicoe Divulgação Científica não são a mesma coisa
  7.  Ambos têm o objetivo de divulgar a ciência, mas o Jornalismo Científico, na verdade, é uma especialização da Divulgação Científica. Cada um tem um públio-alvo diferente. Um, destina-se ao leigo (Jornalismo Científico). O outro, para a comunidade científica (Divulgação Cientítica)
  8. SURGIMENTO DO J. CIENTÍFICO• A divulgação da Ciência teve início com opróprio advento da imprensa de tipos móveis,em meados do século XV. Esse invento daCiência tornou possível a reprodução emmassa de uma série de ideias, estudos eilustrações científicas.•O público, ainda que restrito à pequenacamada letrada da população (clero, nobreza eburguesia), começou a ter acesso a estudoscientíficos que antes não eram disseminados.
  9. * O jornalismo científico propriamente dito surge 200 anosdepois, no século XVII, mais especificamente em 1610, quando oastrônomo italiano Galileu Galilei publica o livro MensageiroCeleste, no qual, utilizando uma linguagem coloquial, faz umrelato acessível ao público sobre a sua descoberta das três luasde Júpiter. Seu livro causa sensação em toda a Europa.“(...) a demonstração por observação direta que os corposcelestes podiam se mover ao redor de outros centros que nãofossem a Terra era o assunto do momento nos salões da nobrezae nos bares dos peixeiros”, relata o pesquisador e escritor JosephSchwartz (1992).- Pagou caro por ter utilizado linguagem acessível. A nova ciênciaastronômica, que com a evolução do telescópio permitia aobservação direta dos corpos celestes, contrariava as sagradasescrituras. Foi perseguido pela Inquisição por mais de 20 anos.Conclusão: nas obras seguintes passou a utilizar linguagemmatemática inacessível ao grande público, inclusive ao clero.
  10. SURGIMENTO DO J. CIENTÍFICO* Mas apesar das resistências, viveu-se naquele períodona Europa uma verdadeira “revolução científica”, queimplicava não somente o desenvolvimento no campo daCiência e Tecnologia (C&T), mas grandestransformações na filosofia, na religião e nospensamentos social, moral e político. Descartes* Além de Galileu, é preciso destacar nomes como o dofrancês René Descartes (pai da geometria analítica egrande filósofo) e do inglês Isaac Newton (criador deimportantes leis da Física). Esses nomes influenciaramfortemente a cultura científica do Iluminismo nosséculos XVIII e XIX. Newton
  11. SURGIMENTO DO J. CIENTÍFICO* A Inglaterra no século XVII pode ser tida como oberço da divulgação científica.* Ocorre a partir daquele país a circulação intensa decartas manuscritas expedidas por cientistas sobresuas novas ideias e descobertas.
  12. SURGIMENTO DO J. CIENTÍFICO*Mas o pioneirismo do jornalismo científico se deucom o alemão Henry Oldenburg, que começou adifundir cartas IMPRESSAS sobre as principais ideiascientíficas da época. A partir de 1666, passou a serrenumerado pela Real Sociedade Britânica parafazer essa divulgação, por isso é considerado oprimeiro jornalista científico do mundo.•Criou em 1665 o periódico científico PhilosophicalTransactions, que durante mais de 200 anos foi Oldenburgusado como modelo para as modernas publicaçõescientíficas. Era um empreendimento pessoal, quenão lhe dava retorno financeiro.
  13. SURGIMENTO DO J. CIENTÍFICO* A partir da segunda metade do século XIX o jornalismo científico tem grandeimpulso na Europa (em especial na França, que rouba da Inglaterra o título denação mais cientificamente avançada) como reflexo do Iluminismo: CIÊNCIA SETORNA PARTE INTEGRANTE DO COTIDIANO DAS ELITES.* No século XX, as duas grandes guerras, em função das diversas invençõestecnológicas que delas decorrem, também contribuíram para o avanço dessejornalismo. Havia a necessidade de se relatar o que os cientistas estavamplanejando em termos bélicos: novas armas de grande potencial, gasesvenenosos, aeroplanos e submarinos, etc...* É nessa época que surgem as primeiras associações de jornalismo científico:- 1945 é criada a Associação Britânica dos Escritores de Ciência.- 1971 é criada a União Européia das Associações de Jornalismo Científico – EUSJA(European Union of Science Journalism Associations).
  14. SURGIMENTO DO J. CIENTÍFICO* Também nos EUA, país onde o jornalismo científico é melhordesenvolvido hoje, é possível verificar grande impulsão no séculoXX.* Alva Johnston, do New York Times, ganhou o primeiro prêmioPulitzer de jornalismo científico pela cobertura que fez da reuniãoda Associação Americana para o Progresso da Ciência (AAAS), em1922, que teve entre outros debates, a “teoria da evolução”.* Em 1921 foi criado, por E.W. Scripps, o Science Service – primeiraagência de notícias científica dos EUA.
  15. SURGIMENTO DO J. CIENTÍFICO* 1934 - Criada a Associação Nacional de Escritores de Ciência(National Association of Science Writers - NASW), que congrega hojemais de 3000 escritores da área.* 1945 – Criado o Prêmio de Jornalismo Científico da AssociaçãoAmericana para o Progresso da Ciência (AAAS).* A AAAS é responsável por publicar a prestigiada revista semanalScience (fundada pelo cientista Thomas Edison em 1880) e possuium serviço digital de divulgação de notícias sobre a área científica,o EurekAlert.* 1965 – Criada a Associação Internacional de Escritores de Ciência(ISWA)
  16. SURGIMENTO DO J. CIENTÍFICO•CONTUDO, tanto a comunidade científica como os jornalistas americanos,desde o século XIX até o século XX, voltaram seus esforços para adivulgação científica usando a filosofia funcionalista: a Ciência a favor doEstado. Estimulavam a sociedade a valorizar a Ciência em prol do Estadoamericano. Uma visão um tanto quanto acrítica.* Essa visão permitiu, por exemplo, o avanço do programa espacialamericano nas décadas de 60 e 70, principal mote tecnológico do períododa Guerra Fria.* A fase do questionamento e de um posicionamento mais crítico sócomeça em 1987, com a explosão do ônibus espacial Challenger. Osjornalistas científicos começaram a debater por que com tantos indíciosnão conseguiram prever o acidente.
  17. SURGIMENTO DO J. CIENTÍFICO* Na década de 90, com os longos debates sobre as mudançasclimáticas globais, a biotecnologia e a enorme possibilidade deacesso a diferentes fontes, o jornalismo científico norte-americano ficou mais crítico e menos ufanista.•O jornalismo científico, não só nos EUA como no mundo,começou a dar grande importância à questão ambiental.Eventos como a ECO-92 (Conferência das Nações Unidas para oMeio Ambiente e o Desenvolvimento), realizada entre 3 e 14 dejunho de 1992, no Rio de Janeiro, começaram a ter grandedestaque na cobertura científica, com enfoque de que os danosao meio ambiente são majoritariamente causados pelos paísesdesenvolvidos.
  18. PIONEIROS•EUCLIDES DA CUNHA, especialmente comOs Sertões (1897).- No livro Euclides faz profunda reflexãosobre a influência do meio ambiente naformação do homem brasileiro e discutecom primor a vegetação e as variaçõesclimáticas da região de Canudos.
  19. PIONEIROS•JOSÉ REIS – médico, pesquisador, educador e jornalista,considerado o patrono do jornalismo científico brasileiro,em função de diversos feitos:-Escreveu coluna na Folha de S.Paulo de 1947 (grupo Folhada Manhã) até o fim da sua vida em 2002;- Foi o fundador da Sociedade Brasileira para o Progresso daCiência, criada em 1948, como já dissemos.-Fundou em 1977 a Associação Brasileira de JornalismoCientífico (ABJC).-Para reconhecer esse pioneiro, em 1979 o CNPq criou oPrêmio José Reis de Divulgação Científica, destinadoàqueles que tenham contribuído significativamente para tornara Ciência, a Tecnologia e a pesquisa conhecidas do públicoleigo.
  20. J. CIENTÍFICO - BRASIL* Enquanto na Europa e nos EUA o século XVIII foi marcado por grandeefervescência científica, no Brasil até 1808 não existia nada, graças à censurapromovida pela Coroa portuguesa.* Mesmo após a vinda da família Real, a leitura e os estudos eram privilégio dosfilhos na nobreza, que podiam se dar ao luxo de estudar na Europa. Escolas denível superior só surgiram no Brasil na segunda metade do século XIX e asprimeiras universidades na década de 1930.* A pesquisa científica brasileira só começa a mostrar alguma força a partir dofinal do século XIX, quando a comunidade científica começa a se organizar.
  21. J. CIENTÍFICO - BRASIL-Nas últimas décadas do século XIX surgem osprimeiros periódicos brasileiros que cobriamCiência e Tecnologia: Revista Braziliense (1857);Revista do Rio de Janeiro (1876); RevistaObservatório (1886).- Maior crescimento a partir da década de 20, commuitas iniciativas em divulgação e jornalismocientífico, em especial no Rio de Janeiro.
  22. J. CIENTÍFICO - BRASIL-Seu impulso mesmo só ocorre a partir da década 1940 (após o fim daditadura Vargas), quando a Ciência entra para a agenda do governo e dasociedade.- O término da II Guerra também acelera a pesquisa científica por aqui.- Em 1948, foi criada a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência(SBPC), entidade que hoje congrega todas as sociedades científicas do país.- Em 1951, foi criado o Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq), que até hojeé um dos principais órgãos a regulamentar e fomentar a pesquisa científicanacional. Apesar de suas origens estarem ligadas à ideologia de “segurançanacional” defendida por militares e burocratas do aparelho estatal desde1940, foi essencial para o crescimento da pesquisa científica no país.
  23. J. CIENTÍFICO - BRASIL-É preciso destacar que o regime militar, apesar de todo o mal que causouao país, deu grande impulso ao desenvolvimento científico e tecnológico,ainda que tenha usado a C& T apenas a seu favor. A Tecnologia e a Ciênciaeram vistas como prioridades, como instrumentos para levar o país a sersoberano e independente. Muitos investimentos na área. As entidades depesquisa governamental tinham projetos definidos e verbas alocadas.- Por outro lado, o jornalismo científico ficou prejudicado nesse período.Seguia à risca a batuta dos censores, divulgando com ufanismo osgrandiosos projetos da época (Transamazônica, grandes hidrelétricas,programa nuclear e programa espacial).
  24. J. CIENTÍFICO - BRASIL-Da década de 80 até a atualidade, a divulgação e o jornalismo científico noBrasil cresceram significativamente. Surgem novas revistas como CiênciaHoje, da SBPC.-Em 1990, a editora Globo lançou a Revista Globo Ciência e no mesmo ano aAbril lançou Superinteressante.-Além disso surgiram programas na tevê como Globo Ciência (Globo).- o CNPq reeditou a Revista Brasileira de Tecnologia (RBT), criada nos anos 60,que passou a ser feita por jornalistas.- Em 1985, foi criado o Ministério da Ciência e Tecnologia, refletindo aimportância que o tema ganhou no país.
  25. J. CIENTÍFICO - BRASIL-Grandes eventos de repercussão internacional influenciaram esseboom, como a passagem do cometa Halley (1986), as viagensespaciais e a questão ambiental.-À época da Rio-92 já era grande o número de jornais brasileiros comeditoria de Ciência e Tecnologia.-Cresce também o número de Assessorias de Imprensa dasuniversidades, instituições de pesquisa e agências de fomento,com a produção de informativos e maior divulgação deinformações sobre o que vem sendo estudado.
  26.  Física Química Sociologia Comunicação Astronomia Antropologia
  27.  descobertas científicas marcos no desenvolvimento tecnológico Curiosidades Pesquisa científica Polêmicas na comunidade acadêmica
  28. Jornalistas Wilson da Costa Bueno Carlos Vogt Marcelo LeiteDivulgadores: Marcelo Gleiser Miguel Nicolelis
  29.  Ciência Hoje Superinteressante Galileu Revista da Fapesp Mente & Cérebro Natures Scientific American

×