Em pílulasEdição em 92 tópicos da versão preliminar integral do livro de Augusto deFranco (2011), FLUZZ: Vida humana e con...
líder; ou quando muitas pessoas enxameiam e provocam grandesmobilizações sem convocação ou coordenação centralizada, a par...
Nada a ver com conteúdo. Na sua intimidade, o processo de swarmingpressupõe clustering e se propaga por meio de cloning.  ...
Notas(6) ARQUILLA, John e RONSFELD, David (2000). Swarming and the Future ofConflict. USA: Rand Corporation, Office of the...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Fluzz pilulas 88

613 views
578 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
613
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Fluzz pilulas 88

  1. 1. Em pílulasEdição em 92 tópicos da versão preliminar integral do livro de Augusto deFranco (2011), FLUZZ: Vida humana e convivência social nos novos mundosaltamente conectados do terceiro milênio 88 (Corresponde ao terceiro tópico do Capítulo 11, intitulado Bem-vindos aos novos mundos-fluzz) SwarmingDeixando o enxameamento agirA segunda grande descoberta: tudo que interage pode enxamear. Swaming(ou swarm behavior) e suas variantes como herding e shoaling, nãoacontecem somente com insetos, formigas, abelhas, pássaros, quadrúpedese peixes. Em termos genéricos esses movimentos coletivos (tambémchamados de flocking) ocorrem quando um grande número de entidadesself-propelled interagem. Algum tipo de inteligência coletiva (swarmintelligence) está sempre envolvida nestes movimentos. Já se sabe que issotambém ocorre com humanos, quando multidões se aglomeram (clustering)e “evoluem” sincronizadamente sem qualquer condução exercida por algum
  2. 2. líder; ou quando muitas pessoas enxameiam e provocam grandesmobilizações sem convocação ou coordenação centralizada, a partir deestímulos que se propagam P2P, por contágio viral.E não ocorre apenas como uma forma de conflito, como ficamosacostumados a pensar depois que Arquilla e Ronsfeld (2000) produzirampara a Rand Corporation seu famoso paper “Swarming and the future ofconflict” (6). Um exemplo conhecido dos efeitos surpreendentes doswaming – no caso, civil – foi a reação da sociedade espanhola aosatentados terroristas cometidos pela Al-Qaida em 11 de Março de 2004 (7).Escrevendo sobre isso, ainda preso as visões do swarming como netwar,David de Ugarte (2007), em O poder das redes, acerta porém quando diz: “Como organizar, pois, ações em um mundo de redes distribuídas? Como se chega a um swarming civil? Em primeiro lugar, renunciando a organizar. Os movimentos surgem por auto-agregação espontânea, de tal forma que planificar o que se vai fazer, quem e quando o fará, não tem nenhum sentido, porque não saberemos o quê, até que o quem tenha atuado” (8).O swarming (enxameamento) é uma forma de interação. Deixar oenxameamento agir significa ‘renunciar a organizar’, quer dizer, a disciplinara interação.O fenômeno acontece com mais rapidez em função direta dos graus deconectividade e de distribuição da rede. Em mundos altamente conectadostais movimentos tendem a irromper com mais frequência. E é por isso queeles surgem por emergência, não supervêm a partir de qualquer instânciacentralizada. Assim, do que se trata é de deixar mesmo. As tentativas deprovocar artificialmente swarmings, instrumentalizando o processo paraderrotar um adversário, destruir um inimigo, disputar uma posição, venceruma eleição ou vender mais produtos batendo a concorrência, em geral nãotêm dado certo. Todas elas acabam, contraditoriamente, fazendo aquilo quenegam: tentando organizar a auto-organização.E ainda bem que tais tentativas fracassam: do contrário viveríamos emmundos altamente centralizados por aqueles que possuíssem o segredo decomo desencadear swarmings. De posse desse conhecimento (que logoseria trancado), um partido poderia eleger seus candidatos (e mantê-los nopoder indefinidamente) ou uma empresa poderia reinar sozinha no seuramo de negócio. 2
  3. 3. Nada a ver com conteúdo. Na sua intimidade, o processo de swarmingpressupõe clustering e se propaga por meio de cloning. 3
  4. 4. Notas(6) ARQUILLA, John e RONSFELD, David (2000). Swarming and the Future ofConflict. USA: Rand Corporation, Office of the Secretary of Defense, 2000.(7) O paper de John Arquilla e David Ronsfeld sobre swarming entre humanos,infelizmente, estava mais voltado para a análise das suas implicações na guerra.Quatro anos depois, em 11M: Redes para ganar uma guerra, analisando a reaçãoda sociedade espanhola aos atentados terroristas cometidos pela Al-Qaida em 11de Março de 2004, David de Ugarte (2004) aventou a possibilidade de umswarming civil, mas ainda nos marcos de um conflito (a netwar). Cf. UGARTE,David (2004). 11M. Redes para ganar uma guerra. Barcelona: Icaria, 2006. Trêsanos depois, em O Poder das Redes (2007), ele iria definir o sarming como “umnovo tipo de conflito multi-agente e multicanal, onde as relações entre os atoresparecem descrever a topologia de uma rede distribuída. O swarming é a formaespecífica do conflito na sociedade-rede: distintos grupos e tendências, nãocoordenados explicitamente entre si e apenas centralizados um pouco além de umamínima doutrina comum dentro das fileiras de cada um deles, vão aumentando oalcance e a virulência de suas ações, até isolar e encurralar as posições contráriassem deixar-lhes possibilidade real de resposta”.(8) UGARTE, David (2007). O poder das redes. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2008. 4

×