Fluzz pilulas 10
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Fluzz pilulas 10

on

  • 720 views

 

Statistics

Views

Total Views
720
Views on SlideShare
715
Embed Views
5

Actions

Likes
0
Downloads
8
Comments
0

2 Embeds 5

http://paper.li 3
http://www.slideshare.net 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution-NonCommercial LicenseCC Attribution-NonCommercial License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Fluzz pilulas 10 Fluzz pilulas 10 Document Transcript

  • Em pílulasEdição em 92 tópicos da versão preliminar integral do livro de Augusto deFranco (2011), FLUZZ: Vida humana e convivência social nos novos mundosaltamente conectados do terceiro milênio 10 (Corresponde ao oitavo tópico do Capítulo 1, intitulado No “lado de dentro” do abismo) Conhecimento é relação socialO conhecimento presente em uma rede não é um objeto, um conteúdo quepossa ser arquivado e gerenciado top downA idéia de capturar objetos para colocá-los na máquina, a idéia de salvar(arquivar) configurações do passado, constituiu o caminho para aconstrução de conhecimento nas sociedades pré-fluzz. As teorias doconhecimento pressupostas por essa idéia podiam ser, na melhor dashipóteses, construtivistas, mas não podiam ser conectivistas. Não é poracaso que construtivismo gerava escolas (burocracias do ensinamento)enquanto que conectivismo vai gerando inevitavelmente não-escolas (redesde aprendizagem).
  • A idéia de construção do conhecimento – de depositar “tijolo por tijolo numdesenho lógico”, como diz a canção (26) – decorre de uma epistemologianão-fluzz. Essa idéia, ao se aplicar, requer uma espécie de congelamento defluxo (ou de materialização do passado) para ir combinando objetos, comoem uma espécie de lego. Ela permitiu a ereção de aberrações como osknowledge management systems, originalmente pensados para abastecerde informações estratégicas o topo de pirâmides. Era compatível, portanto,com estruturas centralizadas e não com redes distribuídas.Mas o conhecimento presente em uma rede mais distribuída do quecentralizada não pode ser gerido top down, simplesmente porque não háum nodo ou cluster capaz de capturá-lo com antecedência, domesticá-lo oucodificá-lo (transformando-o em ensino) para facilitar o acesso a ele dosdemais. É um conhecimento-fluzz, quer dizer, é uma relação social, móvel esempre em mutação. Como no sistema imunológico dos mamíferos e deoutros animais, é um conhecimento que está distribuído por toda a rede.Um nodo interagente conhece porquanto (e enquanto) está interagindo enão porque foi alocado em uma posição para receber uma instrução deoutrem (escola). É um conhecimento novo a cada vez. Como naquele rioheraclítico, ninguém pode aprendê-lo mais de uma vez.É por isso que as plataformas hierárquicas de transmissão do conhecimentoforam estruturadas para avaliar e validar o conhecimento ensinado e não oconhecimento aprendido. E é por isso que todas elas exigem tribunaisepistemológicos, corpos (docentes) de guardiães do passado (que sãosempre coaguladores: sacerdotes, professores, doutores, mestres e outrostitulados) encarregados de dizer quais conhecimentos podem ou nãotransitar.A chamada “arquitetura de informação” das plataformas digitais p-basedsegue o mesmo caminho. Tudo se resume a abrir caixinhas para depositar esalvar conteúdos, escaninhos para coagular, guardar e ordenar o passadocom o intuito declarado de facilitar a busca futura, quando, na verdade, seuobjetivo é outro: selecionar e pavimentar caminhos para o futuro que sejamproduzidos pela dependência da trajetória (ou pela repetição de passado). 2
  • Nota(26) BUARQUE, Chico (1971). “Construção” in Construção (Álbum LP). Phonogram-Philips, 1971. 3