O rádio e a internet
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
5,632
On Slideshare
5,628
From Embeds
4
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
140
Comments
2
Likes
2

Embeds 4

http://www.atitudedigital.com 4

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIALArtigo científico de Jornalismo: “O rádio e a internet”- 2º semestre de 2010 Centro Universitário de Volta Redonda – UniFOA Curso de Comunicação Social O Rádio e a Internet
  • 2. CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Artigo científico de Jornalismo: “O rádio e a internet”- 2º semestre de 2010O Rádio e a Internet A história do rádio começou em 1863, em Cambridge - Inglaterra,quando o professor de física experimental James Clerck Maxwell demonstrouem suas teorias a existência das ondas eletromagnéticas. A partir destarevelação outros pesquisadores como o alemão Henrich Rudolph Hertz seinteressaram pelo assunto: O princípio da propagação radiofônica veio mesmo em 1887, através de Hertz. Ele fez saltar faíscas através do ar que separavam duas bolas de cobre. Por causa disso os antigos "quilociclos" passaram a ser chamados de "ondas hertzianas" ou "quilohertz" (Microfone, disponível em: http://www.microfone.jor.br/historia.htm, acessado: em 22 de novembro de 2010). A industrialização de equipamentos se deu com a criação da primeiracompanhia de rádio, fundada em Londres pelo cientista italiano GuglielmoMarconi. Até então o rádio era exclusivamente "telegrafia sem fio", algo jábastante útil e inovador para a época, tanto que outros cientistas e professoresse dedicaram a melhorar seu funcionamento como tal. Também no Brasil o rádio crescia: Roberto Landell de Moura umPadre-cientista gaúcho, nascido em 21 de janeiro de 1861, construiu diversosaparelhos importantes para a história do rádio. Mais tarde, em 1890, o padre-cientista Landell de Moura previa em suas teses a "telegrafia sem fio", a"radiotelefonia", a "radiodifusão", os "satélites de comunicações" e os "raioslaser". Padre Landell de Moura foi precursor nas transmissões de vozes eruídos. Nos Estados Unidos foram anos de pesquisas, tentativas eaprimoramentos até Lee Forest instalar a primeira "estação-estúdio" deradiodifusão, em Nova Iorque, no ano de 1916. Quando aconteceu então oprimeiro programa de rádio, que se tem notícia. Ele tinha conferências, músicade câmara e gravações. Foi quando surgiu também o primeiro registro de
  • 3. CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Artigo científico de Jornalismo: “O rádio e a internet”- 2º semestre de 2010radiojornalismo, com a transmissão das apurações eleitorais para a presidênciados Estados Unidos. A partir de 1919 começa a chamada "Era do rádio". A primeiratransmissão radiofônica oficial no Brasil foi o discurso do Presidente EpitácioPessoa, no Rio de Janeiro, em plena comemoração do centenário daIndependência do Brasil, no dia 7 de setembro de 1922. O discurso aconteceunuma exposição, na Praia Vermelha - Rio de Janeiro e o transmissor foiinstalado no alto do Corcovado, pela Westinghouse Electric Co. Para se ter uma idéia de porque a época ficou conhecida como a "Erado Rádio", nos EUA o rádio crescia surpreendentemente. Em 1921 eram 4emissoras, mas no final de 1922, os americanos contavam 382 emissoras. Etrazendo para os dias de hoje, podemos ver que esse número cresceu deforma gigantesca, conferindo uma notabilidade ao rádio: O rádio, apesar de ter oitenta anos, ainda é um velho desconhecido. Isso pode soar estranho se levarmos em consideração os números desse veículo, que alcança 96% do território nacional, a maior cobertura entre todos os meios de comunicação, com público aproximado de noventa milhões de ouvintes (JUNG, 2009, p.13). O "pai do rádio brasileiro" foi Edgard Roquete Pinto. Ele e HenryMorize fundaram em 20 de abril de 1923, a primeira estação de rádio brasileira:Rádio Sociedade do Rio de Janeiro. Foi aí que surgiu o conceito de "rádiosociedade" ou "rádio clube", no qual os ouvintes eram associados econtribuíam com mensalidades para a manutenção da emissora. As características da rádio como meio de comunicação de massa fazemcom que seja especialmente adequada para a transmissão da informação,podendo esta ser considerada a sua função principal: ela tem condições detransmitir a informação com mais rapidez do que qualquer outro meio, alémdisso, existem outras características, como: a linguagem oral, a mobilidade, o
  • 4. CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Artigo científico de Jornalismo: “O rádio e a internet”- 2º semestre de 2010baixo custo, o imediatismo, a instantaneidade, a sensorialidade (a voz,emoção), a autonomia e a penetração. Agora falaremos sobre a Internet. Um dos fatores propulsores para odesenvolvimento da Internet foi a criação do ambiente gráfico World Wide Web,que chegou a 2003 com mais de duzentos milhões de usuários espalhadospelo mundo. Em 1969, o Advanced Research Projects Agency (Arpa – Agênciade Pesquisa e Projetos Avançados), uma organização do departamento deDefesa norte-americano focada na pesquisa de informações para o serviçomilitar, criou a Arpanet, rede nacional de computadores, que servia paragarantir comunicação emergencial caso os Estados Unidos fossem atacadospor outro país. O tráfico de dados cresceu de forma rápida e, entre os novos usuários,havia pesquisadores universitários com trabalhos na área de segurança edefesa. Embora a comunidade acadêmica usasse a rede para transferirarquivos extensos por meio de e-mails, a Arpanet focava no serviço deinformação militar, Uma contribuição significativa para a expansão da Internet foi quando aNational Science Foundation (NSF – Fundação Nacional de Ciência), em 1986,desenvolveu uma rede que conectava pesquisadores de todo país por meio degrandes centros de informática e computadores. “Foi chamada de NSFNET [...]A NSFNET continuou se expandindo e, no começo da década de 199º, erammais de 80 países interligados” (FERRARI, 2009, p.16). Em 1996, segundo Ferrari, ficou evidente o quanto a WWW haviacrescido e já existiam 56 milhões de usuários no mundo. Nos Estados Unidos,nesse mesmo ano, 95 bilhões de mensagens eletrônicas foram enviadas, emcomparação às 83 bilhões de cartas convencionais postadas nos correios,segundo a Computer Industry Almanac. De 1993 para 1997 o número de
  • 5. CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Artigo científico de Jornalismo: “O rádio e a internet”- 2º semestre de 2010computadores conectados ao redor do mundo havia pulado de 1,7 milhão para20 milhões. Quem se interessou em melhorar a interface, foram os sites de busca ecomeçaram a pesquisar, junto a academia, melhores interfaces para suaspáginas. Em 1997, o termo “portal” começou a ser utilizado como significado de“porta de entrada”. Um desses portais da época e que até hoje podemosconferir na rede é o Yahoo!: Outros sites de busca passaram a adicionar recursos para manter os usuários em suas páginas, em vez de encaminhá-los para a dispersão da grande rede. Para prender a atenção de internautas ávidos por informação, começaram a preencher o espaço disponível com serviços, chats e muitos outros petiscos (FERRARI, 2009, p. 18) As características que podemos destacar da Internet são: a velocidade,a troca de mensagens ocorre de forma rápida; hipertextualidade, anavegabilidade pelas/através das páginas da Internet ocorre através doshiperlinks, que permitem que se possa ir de uma página a outra; Multimídia ouHipermídia, como é o exemplo da troca de arquivos de áudio pela internet eInteratividade, as pessoas conseguem entrar em contado quase que de formainstantânea, além de podermos interagir com sites, um exemplo são asenquetes.O que é Rádio Web? A transmissão de Rádio via Internet surgiu como uma nova possibilidadepara aqueles que não têm grandes recursos financeiros e desejam montar umarádio. Ela também possibilita às grandes rádios expandir sua difusão atingindonovos públicos e modificando os tipos de relações já estabelecidas com os queacompanhavam seu trabalho no rádio convencional. A Rádio Web funciona através da tecnologia streaming que é capaz dereproduzir áudio em tempo real, trazendo ao ouvinte mais uma possibilidade nahora de ouvir rádio ao vivo. A convergência possibilitada por essa tecnologia
  • 6. CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Artigo científico de Jornalismo: “O rádio e a internet”- 2º semestre de 2010faz com que o ouvinte possa ouvir as rádios web através de computadores eaté mesmo do celular com a mais elevada qualidade de som. Para criar uma rádio na internet é necessário que se tenha um provedorcom banda larga elevada, pois, para reproduzir conteúdos ao vivo o provedorirá criar milhares de dados ao mesmo tempo, se não tiverem banda suficienteacabarão ocasionando na baixa qualidade da reprodução, com falhasconstantes nos áudios, sendo assim, provavelmente os ouvintes nãoconseguirão ficar muito tempo conectados. O alcance de uma Rádio Web é ilimitado, afinal, em qualquer lugar doplaneta, com acesso à internet, pode se ouvir as Rádios Web com a maisperfeita qualidade, uma Rádio Web do Japão pode ser ouvida por alguém quemora no Brasil com a mesma qualidade que para um morador de Tóquio. AsRádios tradicionais no espectro AM/FM tem um alcance regional devido aslimitações dessa tecnologia, além de terem uma variação de qualidade deacordo com a distancia que o ouvinte se encontra do transmissor. “Mas a verdadeira revolução começou com o surgimento de emissoras de rádio com existência exclusiva na internet, as webradios. A Rádio Klif, no Texas, EUA, foi a primeira emissora comercial a transmitir de forma contínua e ao vivo através da internet, a partir de setembro de 1995. Aqui no Brasil, a webradio chegou no dia cinco de outubro de 1998, com as transmissões da Rádio Totem, a primeira emissora brasileira com existência apenas na internet.” (PRATA, Nair org FERRARETO e Klockner) O novo cenário criado pela rádio web oferece ao internauta a chance de,através do Podcast, ouvir programas arquivados no site, além da tradicionalprogramação ao vivo. A liberdade característica da internet traz aos queutilizam a rádio web uma possibilidade de oferecer novas opções deprogramação ao internauta, diferentemente de rádios tradicionais que muitasvezes estão presas a interesses de grandes patrocinadores, pelo fato de elesserem os responsáveis por cumprirem com os grandes custos para a rádio semanter no ar.
  • 7. CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Artigo científico de Jornalismo: “O rádio e a internet”- 2º semestre de 2010Porque ouvir rádio na internet? Com a popularização da internet muitas empresas criaram o seu espaçona rede, e com as emissoras de rádio não foi diferente. Os sites das rádios,que no início eram apenas players das emissoras, se modificaram e estãovirando verdadeiros portais. Hoje eles disponibilizam para os ouvintes conteúdonão só através da música, mas vídeos dos artistas, clipes de música,reportagens, imagens ao vivo do estúdio, letras das músicas e informaçõessobre shows. A velocidade com que a sociedade vive hoje em dia não diminui a suanecessidade de informação, e as rádios na internet também funcionam comofiltros de informação e conteúdo. Nos dias atuais, com a ascensão da internet,o maior risco do rádio está em perder parte da sua força para outrosmediadores, já que a democracia da rede permite a qualquer pessoa ter o seuespaço. “Há outras vantagens para se combinar internet e rádio além do baixo custo de operação das emissoras: a) ambos são mídias que funcionam em tempo real; b) como a internet ocupa prioritariamente o campo visual, o usuário pode escutar a programação de rádio enquanto usa o computador; e c) o radialista está acostumado a mediar a participação da audiência.” (SPYER, Juliano pág. 108) O computador conectado a internet e ferramentas como: câmeras digitaisde vídeo e foto, programas para editar áudio e vídeo, blogs e redes sociaiscriaram um ambiente que favorece o compartilhamento e produção deconteúdo. Com isso os ouvintes não ficam presos a programação da rádioconvencional e começam a fazer a sua programação, a pesquisar novosartistas e até mesmo disponibilizar o resultado dessas pesquisa em sua páginapessoal.Rádio Web, o futuro do rádio Não é novidade que, após o surgimento de novas mídias, surgemalarmistas dizendo que é o fim das mídias antigas. Quase sempre eles se
  • 8. CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Artigo científico de Jornalismo: “O rádio e a internet”- 2º semestre de 2010enganam. Foi assim na criação do rádio, se repetiu com a TV e acontece maisuma vez com o advento da Internet. É verdade que os antigos meios decomunicação não caíram em esquecimento, mas também é verdade queprecisaram se adaptar. E é isso que está acontecendo com o rádio. Elecomeça a enxergar e a praticar uma espécie de ‘vida após a Web’, na própriaWeb. A chamada ‘rádio web’, começa a se popularizar. E as razões não sãopoucas. Para começar, esse tipo de rádio pode ser acessado de qualquer partedo mundo. Ou seja, alguém do Japão pode ouvir a rádio que você criou comseus amigos. Também acontece o contrário, e você, daqui do Brasil, podeescutar uma rádio do Japão, e de qualquer outro país que tenha uma rádio naweb. Essa popularização também gerou outra vantagem, a segmentação. Opúblico-alvo dita o que vai ser tocado na rádio. Uma rádio web que busca atrairum público jovem, dificilmente vai colocar no ar músicas do rei Roberto Carlos.Enquanto uma rádio focada nos clássicos, só tocaria Lady Gaga ou JustinBieber, sob pena de morte. A multiplicação das plataformas é um fator que garante o futuro do rádiona web. Existe hoje, um novo potencial, que são os telefones celularesavançados. 20% dos 5,4 bilhões de telefones celulares em serviço existentesno mundo são smartphones, com capacidade de recepção de rádio FM e/ouAM. Isso equivale a 1,08 bilhão de celulares capazes de sintonizar emissorasde rádio. Esse número supera, e muito, o total de 850 milhões de receptores derádio dedicados ou tradicionais existentes no mundo1. A tendência é de que empoucos anos, grande parte dos receptores irão sintonizar emissoras de todo oplaneta.1 Estimativa da União Internacional de Telecomunicações (UIT).
  • 9. CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Artigo científico de Jornalismo: “O rádio e a internet”- 2º semestre de 2010 No livro Webradio, Novos Gêneros, Novas Formas de Interação(PRATA, Nair. 2009) outras ‘vantagens’ do gênero são apontadas, comojustamente as formas de interação existentes, que acrescem valor ao conteúdodo rádio tradicional. O livro aponta para ampliação, traduzida em forma dechats, e-mail, enquetes e fóruns. Isso sem falar na disponibilidade de podcasts,que gera outra ampliação. Outro ponto que vale ser destacado é a possibilidade de geração deimagens, antes impensável para o rádio. Entre vários exemplos existe oPrograma Pânico da rede Jovem Pan. Sucesso absoluto no rádio ampliou seushorizontes na internet. Com gravações ao vivo de suas transmissões oprograma passou a ser ouvido e visto por todo o país, com possibilidade paraser visto por todo o mundo. A ampliação de recursos e de possibilidades garante um caminhopromissor ao rádio transmitido por meio de Internet. Emissoras tradicionais jápercebem isso e se mobilizam para competir com emissoras oriundas da Web.Quem ganha com isso é o ouvinte.
  • 10. CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Artigo científico de Jornalismo: “O rádio e a internet”- 2º semestre de 2010Referências Bibliográficas: FERRARETO, Luiz Carlos; Klockner, Luciano (Orgs). E o rádio? Novoshorizontes midiáticos. 1ºed Porto Alegre: 2010, Ed. PUCRS. FERRARI, Pollyana. Jornalismo Digital. São Paulo: Contexto, 2009. JUNG, Milton. Jornalismo de Rádio.1ºed São Paulo: 2004, Ed. Contexto. MICROFONE, disponível em: http://www.microfone.jor.br/historia.htm,acessado: em 22 de novembro de 2010. MICKSELLY, Jefferson. Oi FM: Diálogo Midiático entre Rádio, Internet eCelular. In: VIII Encontro dos Núcleos de Pesquisa em Comunicação – NPTecnologias da Informação e da Comunicação, 2008, Natal, RN. PRATA, Nair. Webradio, Novos Gêneros, Novas Formas de Interação.Florianópolis: Insular, 2009. PRADO, Magaly. Produção de Rádio: Um manual prático. 1ºed. SãoPaulo: 2006, Ed. Campus. SPYER, Juliano. Conectado. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.