Trabalhos8 A

16,487 views

Published on

Published in: Technology
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
16,487
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
157
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Trabalhos8 A

  1. 1. POVOS E CULTURAS DO MUNDO
  2. 2. EB 2, 3 de Colares Ano lectivo 2009-10 Geografia – 8º ano Guião de Trabalho Repórteres Geográficos Deixo-vos o seguinte desafio: “POVOS E CULTURAS DO MUNDO”.  O que devem fazer? 1- Cada grupo de trabalho escolhe um povo de um continente diferente e irá pesquisar em revistas, jornais, livros… sobre os seguintes dados:  Localização;  Etnia;  Língua;  Religião;  Costumes;  Técnicas;  Património Cultural e Artístico. 2- Combinar antecipadamente com a professora o povo/cultura escolhido e os elementos do grupo. 3- O trabalho deverá conter uma fotografia que seja representativa do povo/cultura. 4- Preparar a apresentação em PowerPoint desse tema à turma, de forma sucinta e clara, pelos 4 alunos. A apresentação não deverá exceder os 15 minutos. Notas: - Grupos de trabalho: 4 alunos. - Data de Entrega: 19 Novembro em suporte informático (Word) através da Plataforma Moodle. - Calendarização das apresentações à turma: última semana do 1º período. - Tempo para a apresentação: até 15 minutos.
  3. 3. Como vão ser avaliados? Parâmetros de avaliação do trabalho Estrutura do Clareza e Rigor Apresentação Espírito Adequação trabalho adequação da científico estética crítico do tema à linguagem disciplina * Trabalho bem * Utilização de * Apresentação * Capacidade organizado e com * Expressão escrita conceitos criativa e apelativa de identificar os * O tema insere- uma sequência correcta geográficos aspectos se nos correcta * Utilização de vocabulário positivos e os conteúdos da geográfico adequado aspectos a disciplina melhorar Alguns links úteis para a vossa pesquisa: GERAL: http://www.rituais.com/Paginas_I/Povos_e_Culturas.htm http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_ethnic_groups http://pt.wikipedia.org/wiki/Categoria:Grupos_%C3%A9tnicos América: http://pt.wikipedia.org/wiki/Classifica%C3%A7%C3%A3o_dos_nativos_americanos http://pt.wikipedia.org/wiki/Categoria:Povos_americanos África: http://pt.wikipedia.org/wiki/Tuaregues http://pt.wikipedia.org/wiki/Grupos_%C3%A9tnicos_do_Gab%C3%A3o http://pt.wikipedia.org/wiki/Khoisan http://pt.wikipedia.org/wiki/Categoria:Povos_africanos Ásia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_dos_grupos_%C3%A9tnicos_chineses http://pt.wikipedia.org/wiki/Curdos http://pt.wikipedia.org/wiki/Categoria:Povos_asi%C3%A1ticos Europa: http://pt.wikipedia.org/wiki/Categoria:Povos_da_Europa Oceânia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Categoria:Povos_da_Oceania O nosso grupo de trabalho é:_______________________________________________________ O dia da apresentação é:_____________________________ Prof:Ana Tiago
  4. 4. Trabalhos do 8ºA
  5. 5. Trabalho de Geografia Trabalho feito por: André Coelho Nº1, Bernardo Carvalho Nº4, Francisco Pinto Nº9
  6. 6. 1- Beduínos; 2- Quem são; 3- Cultura dos Beduínos; 4- Religião e organização Politica; 5- Algumas imagens dos Beduínos; 6- Conclusão;
  7. 7. Os Beduínos são um povo nómada que vive nos desertos do Oriente Médio e do norte da África. Os beduínos representam cerca de 10% dos habitantes do Oriente Médio e têm o nome derivado das palavras árabes al bedu ("habitantes das terras abertas") ou al beit ("povo da tenda"). O mais provável é que essa cultura tenha surgido ainda na Antiguidade, no norte da actual Arábia Saudita. A partir do século VII, porém, quando os árabes conquistaram o norte da África, os beduínos se dispersaram também nesse continente. Na Arábia, onde sempre viveram os grupos principais, as difíceis condições de vida no deserto geraram conflitos pelo uso de poços de água e pastagens, levando bandos de beduínos a eventuais ataques a caravanas e outras formas de roubo contra vizinhos e forasteiros. Após a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), o estilo de vida desse povo começou a entrar em decadência. Submetidos ao controle dos governos dos países onde viviam, eles passaram a enfrentar dificuldades. O número de beduínos diminuiu e hoje o estilo de vida deles é cada vez mais sedentário. Entretanto, a fervorosa adesão ao islamismo e o carácter tribal das sociedades permanece. Cada grupo reúne várias famílias sob a liderança máxima de um chefe hereditário, conhecido como "xeque". As várias tribos também têm estatuto diferente. Algumas são consideradas "nobres", porque teriam importantes ancestrais. Outras, "sem ancestrais", servem às de maior status, com seus membros actuando como artesãos, ferreiros, artistas ou fazendo outros tipos de trabalho.
  8. 8. Quem são: Os beduínos são povos árabes que vivem no deserto, principalmente, nas regiões da Síria, Iraque, Jordânia, Egipto e Arábia Saudita. Os beduínos compõem 10% da população do Oriente Médio. Cultura dos beduínos: Os beduínos são, em sua grande maioria, nómadas, ou seja, não possuem habitação fixa. Vivem se deslocando de região para região para praticar o comércio e o pastoreio. Como moradia provisória, montam tendas feitas de pele de cabras, tecidos e fibras vegetais. Utilizam o camelo como principal meio de transporte de mercadorias. Alguns grupos de beduínos que vivem no norte do continente africano possuem vida sedentária (com habitação fixa). Estes, vivem da agricultura e da criação de animais (camelos, cabras, ovelhas, cavalos). Religião e organização política: A grande maioria dos beduínos é integrante da religião islâmica. O sistema político deste grupo baseia-se na unidade familiar extensa, de ordem patriarcal. O grupo é comandado por um líder governante chamado de xeque.
  9. 9. Algumas imagens dos Beduínos:
  10. 10. Ficamos a saber que os Beduínos são um povo nómada que vive no Oriente Conclusão: Médio e no sul de África. Os Beduínos são conhecidos por: “Povo da tenda” e por “habitantes das terras abertas”. O número de beduínos diminuiu. Entretanto, a fervorosa adesão ao islamismo e o carácter tribal das sociedades permanece. Cada grupo reúne várias famílias sob a liderança máxima de um chefe hereditário, conhecido como "xeque". As várias tribos também têm estatuto diferente. Algumas são consideradas "nobres", porque teriam importantes ancestrais. Outras, "sem ancestrais", servem às de maior status, com seus membros actuando como artesãos, ferreiros, artistas ou fazendo outros tipos de trabalho.
  11. 11. A sociedade Egípcia emergiu no nordeste do continente Africano. O Egipto localiza-se a sul do mar mediterrâneo, a oeste do deserto da líbia e a este do deserto da Arábia. O rio mais extenso do mundo intitula-se por Nilo que se situa precisamente no Egipto. Figura 1: Rio Nilo A civilização egípcia foi umas das primeiras grandes civilizações da Humanidade. Esta civilização, manteve a sua existência, uma continuidade nas suas formas políticas e artísticas, literárias e religiosas. Como era a sociedade Egípcia? O Egipto era governado por um faraó, considerado por todos um Deus vivo, filho do Deus-sol Amon Ré. O seu poder era considerado um poder sacralizado. Pirâmide:  Faraó  Família do Faraó  Sacerdotes  Escribas  Camponeses e Artesãos  Escravos Privilegiados: Faraó e família, Sacerdotes e Escribas Não privilegiados: Camponeses/Artesãos e Escravos A religião Egípcia: Os Egípcios eram um povo extremamente religioso. Estes acreditavam na existência de vários deuses, isto é, eram politeístas. Deuses mais importantes:
  12. 12.  Amon-Ré: Deus do sol;  Osíris: Deus da terra;  Ísis: O deus falcão;  Anúbis: Deus dos Defuntos;  Hórus: Deus da protecção. A arte Egípcia A arquitectura era:  Essencialmente Grandiosa  Destinava-se a glorificar os deuses Nota: As três grandes pirâmides do vale de guiza, foram construídas para albergarem os túmulos dos faraós: Khufu, Khafré e Menkauré . A pintura e a escultura era:  Colossal, Solene e rígida;  Expressiva e realista;  Lei da frontalidade;  Artes decorativas. Nota (lei da frontalidade) Eram esculpidas para serem vistas de frente. Apesar de todos estes convencionalismos, possuem uma assinalável qualidade, pela sua beleza. Os seus costumes: Como todos sabem, para alem da escrita dos egípcios (hieroglífica), eles também tinham outros costumes tais como:  Arte: escultura, pintura e arquitectura;
  13. 13.  Agricultura;  Pesca;  Escravos: passavam a maior parte do tempo a trabalhar nas construções Figura 3-imagem representante do trabalho Trabalho Realizado Por: Rafael Sequeira nº16 8ºA e Tiago Campos nº22 8ºA Fontes: Wikipédia, Livro de História 7º ano e Enciclopédia do mundo
  14. 14. Geografia Os Esquimós Trabalho realizado por: João Rodrigues nº10 Leonardo Varela nº 11 Sebastião Silva nº20 Tomás Graça nº 2
  15. 15. Índice Introdução………………………………………………………….. 2 Caracterização……………………………………………………… 3 Localização………………………………………………………..... 4 Etnia………………………………………………………………… 5 Língua………………………………………………………………. 5 Religião…………………………………………………………...... 5 Costumes………………………………………………………….... 6 Técnicas…………………………………………………………….. 8 Património cultural e artístico……………………………………....9 Conclusão…………………………………………………………... 10 Bibliografia………………………………………………………......11 2
  16. 16. Introdução O tema que escolhemos para realizar este trabalho foi “Os esquimós”. Escolhemos este povo porque o achamos muito interessante e nos despertou interesse. Com este trabalho pretendemos ficar a conhecer melhor os esquimós, procurando saber como se caracterizam, onde se localizam, qual é a sua etnia, língua, religião, quais são os seus costumes e técnicas e qual é o seu património cultural e artístico. 3
  17. 17. Caracterização A palavra “esquimó”, adoptada pelos brancos, vem da língua dos índios Cree e significa “Comedor de carne crua.” Contudo, os esquimós chamam-se a si próprios inuit, que significa “gente.” Os esquimós são um povo indígena de pele amarela, cabelos pretos, olhos oblíquos e cílios pesados, para proteger os olhos do brilho do Sol que é reflectido no gelo. Possuem uma estatura baixa, membros curtos e corpos robustos, permitindo-lhes assim conservar mais o calor. Os homens medem em média 1.60m e as mulheres 1.50m. Os esquimós não formam nem pertencem a nenhuma nação. São por natureza um povo nómada. Os esquimós são solidários, acolhedores e pacíficos. A sua civilização baseia-se na família patriarcal e poligâmica, em que o homem pode ter mais do que uma mulher, dependendo da sua riqueza. Fig.1 – Esquimós 4
  18. 18. Localização Os esquimós vivem nas regiões árcticas e subárcticas do Canadá, da Gronelândia, Alasca e Sibéria. O seu território engloba o extremo nordeste da Sibéria, as ilhas do Mar de Bering, o litoral continental do Alasca, a costa continental norte canadense, algumas ilhas do norte do Canadá, grande parte da costa oeste e partes da costa leste da Gronelândia. As regiões povoadas pelos esquimós são das mais frias e das que possuem as piores condições de vida do mundo. Os Invernos são longos e frios e os Verões curtos e frescos. Nos meses mais frios, as temperaturas variam entre os 29ºC negativos e os 34ºC negativos. Os lagos e os rios ficam cobertos de gelo durante nove meses por ano. A zona de terra firme do Árctico é composta por imensas planícies, que se chamam tundras. Durante o Verão, a parte superior da tundra descongela-se e então, surgem, pântanos, charcos e brejos. A terra cobre-se de líquenes, musgos, arbustos e flores silvestres. Fig.2 – Regiões habitadas pelos esquimós 5
  19. 19. Etnia Os esquimós dividem-se em dois grandes grupos, que são: os inuit e os Yupik. Os Inuit são etnias que habitam nas regiões do Norte do Alasca, Canadá e Gronelândia. Os Yupik são etnias que habitam nas regiões do Alasca e da Sibéria. Língua A língua dos esquimós é o inuctitut. Esta língua pertence à família esquimó-aleutiana de línguas. As línguas esquimó-aleutianas ou línguas inuit-aleutianas, são uma família de idiomas falados na Gronelândia, no Norte do Canadá, no Alasca e em algumas partes da Sibéria. Os esquimós têm uma língua própria, que se divide em dialectos idênticos, que só têm substantivos e verbos. O inuctitut é falado por cerca de 30.000 pessoas no mundo. Religião Os esquimós acreditam que a natureza é controlada por espíritos poderosos. Eles crêem na existência de seres superiores em que não é necessário prestar culto nem fazer orações. Para eles, as crianças são muito importantes, porque segundo as suas crenças, elas são as reencarnações dos seus antepassados. Os esquimós não têm nenhuma palavra para designar Deus. 6
  20. 20. Os costumes Os esquimós vivem em grupos distintos e utilizam o seu próprio dialecto, tradições e maneira de viver. Os costumes do povo esquimó são passados de geração em geração, incluindo as técnicas de caça e os comportamentos em sociedade, embora o contacto com outras civilizações, como os comerciantes e os exploradores, no século XVII, tenha modificado alguns dos seus hábitos, permitindo-lhes ter acesso a novas ferramentas e armas de fogo. Esse contacto contribui também para o aparecimento de doenças características do homem branco. Os esquimós têm como hábito partilhar as suas esposas com os visitantes, com a finalidade de confundir os maus espíritos, no caso de acontecer catástrofes ambientais ou outras situações inesperadas. Nas regiões do Árctico, o Inverno é longo e rigoroso e para sobreviverem, os esquimós dedicam-se à pesca e à caça de animais árcticos, como: as focas, as baleias, as morsas e os ursos. Para se alimentarem também recolhem plantas combustíveis. Os esquimós aproveitam tudo dos animais que caçam e pescam: a carne, a gordura, a pele, os ossos e os intestinos. No início, os esquimós cozinhavam a carne, mas devido a esse processo se lento e o combustível animal necessário ser escasso, eles passaram a comê-la crua, inclusive o fígado, que é a sua única fonte de vitamina C. Os esquimós vivem em casas feitas de gelo, que são os iglus, em casas construídas com ossos de baleia, pedras e musgos e revestidas com pele de animais ou em casas de madeira, se nessa região houver esse material. As casas são aquecidas e iluminadas com lâmpadas de pedra, em que o combustível é o óleo de baleia. No interior das suas casas, as mulheres dedicam-se a cozinhar e a costurar. Os homens preparam os seus utensílios para caçar e pescar. Durante o Inverno é comum os alimentos escassearem, por isso, os homens partem para outras zonas à procura de caça. Quando essas expedições duram muitos dias, eles constroem habitações temporárias feitas de gelo, os iglus. O vestuário dos esquimós é feito com pele de foca, em que a pelagem é voltada para o interior, para se manter mais próxima do corpo e proporcionar um melhor aquecimento. Depois é forrado com pele de urso ou de raposa. Para se deslocarem no Inverno, os esquimós utilizam os trenós puxados por cães e no Verão utilizam barcos, o caiaque, que é um barco individual e o umiak, que é um barco colectivo. Muitos dos esquimós abandonaram a antiga vida e integraram-se na civilização do povo branco. 7
  21. 21. No Canadá, Gronelândia e Alasca, frequentam a escola e trabalham nas estações de radar, executam trabalhos relacionadas com a defesa e trabalham na indústria da pesca Fig.3 – Esquimós a pescar Fig.4 – Trenó puxado por cães 8
  22. 22. Técnicas Muitos esquimós ainda caçam de acordo com as técnicas ensinadas pelos seus antepassados. Caçam o urso polar com os seus cães e uma lança rústica, os mamíferos marinhos com um arpão articulado. Mas a maioria dos caçadores utilizam também o trenó, os binóculos e as armas de fogo. Na confecção do vestuário, as mulheres utilizam a técnica de mascar as peles de urso e de raposa e de curti-las com urina. Para costurar as peles utilizam os tendões dos animais que são usados como linha. Na construção dos barcos, os homens fazem os cascos com ossos de morsa e revestem-nos com pele de foca ou de baleia. Na construção das habitações, os homens utilizam os blocos de gelo sobrepostos para construir os iglus. E utilizam os ossos de morsa, as pedras e os musgos para construir a estrutura das casas do tipo tendas e as peles dos animais para as revestir. Fig.5 – Iglus 9
  23. 23. Fig.6 – Barco colectivo (Umiak) Património cultural e artístico Os esquimós possuem uma arte muito desenvolvida, trabalhando com habilidade os ossos e a pele dos animais. Todos os utensílios são feitos com materiais de origem animal. Eles decoram os objectos do seu uso quotidiano. Enfeitam o vestuário com peles, fivelas, botões de marfim, peixes e outros animais. Decoram instrumentos, armas e outros objectos com esculturas e pinturas. Fazem esculturas de animais em osso ou marfim. Fabricam ferramentas, utensílios e apetrechos, como o arpão articulado, em osso. 10
  24. 24. Conclusão Nós gostamos muito de fazer este trabalho, porque com a pesquisa que fizemos, descobrimos coisas muito interessantes acerca dos esquimós e também ficamos a conhecer melhor este povo. Mas durante a realização deste trabalho, tivemos algumas dificuldades, porque a documentação que encontramos para trabalhar alguns dos pontos, foi pouca, como por exemplo: os costumes, as técnicas e o património cultural e artístico. Contudo, pensamos que com o que adquirimos conseguimos fazer um bom trabalho. 11
  25. 25. Bibliografia Castelão, Raul, Matos, M. J. (2007). “À Descoberta de Geografia, 8º ano, 3º ciclo”. Carnaxide: Santillana Constância. http://societaslogos.blogspot.com/2009/10/cultura-esquimo.html http://www.amora.cap.ufrgs.br/.../osesquimós.htm http://www.klickeducacao.com.br/2006/enciclo/encicloverb/0,5977,IGP- 8790,00.html pt.wikipedia.org/wiki/Esquimós 12
  26. 26. Mulheres Girafas Esta é a tribo Ndebele em Lesedi na África. As Mulheres-girafas da tribo Padaung. Na Ásia, entre a Tailândia e o Mianmar (antiga Birmânia) vive uma tribo em que as mulheres utilizam argolas de metal para aumentar o comprimento de seus pescoços. Elas utilizam essas argolas desde a infância e conforme vão crescendo o número de argolas vão aumentando, podendo atingir um comprimento de 30 cm. Além do pescoço, estas argolas podem também ser colocadas em volta das pernas. Elas têm algumas outras características distintas que somente o pescoço, usam aros nos pulsos e tornozelos, afinando esses membros também. (Mulher girafa)
  27. 27. Mais sobres elas! De acordo com os mais velhos, as mulheres da tribo Kayan (conhecida pelos estrangeiros como Padaung) têm os pescoços envoltos no colar de latão em um costume que data de centenas de anos. Os colares, que são presos permanentemente e parecem anéis individuais, pesam mais de 5 kg e parecem apertar o pescoço das mulheres em um comprimento de 25 a 30 cm. Mas na verdade os pescoços não são alongados. Ao invés disso, o peso dos colares, alargados na base, empurra a clavícula e a caixa torácica, abaixando o ombro.
  28. 28. Trabalho realizado por: Duarte pereira; 8ºa; nº7 Bruno patrício;8ºa;nº5
  29. 29. Trabalho realizado por: -Carolina Lopes nº6/8ºA -Mariana Patrocínio nº13/8ºA -Mónica Marques nº14/8ºA -Simão Valente nº21/8ºA
  30. 30.  Localização;  Etnia;  Língua;  Religião;  Costumes;  Património cultural e artístico;  Extra.
  31. 31. Localização: Os Incas viviam (e vivem) no Peru (América do Sul) mais precisamente no Machu Picchu. Cidade dos incas:
  32. 32. Etnia: Os incas eram índios. Língua: A língua dos Incas é Peruano e Boliviano. Religião: A religião dos incas é politeísta, pois acreditavam em diversos deuses da natureza (deus Sol, Lua, Trovão, Chuva) e O Deus do Sol uma deusa representada por uma Serpente Emplumada. Costumes: Costumes funerários: Os incas acreditavam na reencarnação. Aqueles que obedeciam à regra, ama sua, ama llulla, ama chella (não roube, não minta e não seja preguiçoso), quando morressem iriam viver ao calor do sol enquanto os desobedientes passariam os dias eternamente na terra fria.
  33. 33. Património Cultural e Artístico: Desenvolveram várias construções com enormes blocos de pedras encaixadas, como templos, casas e palácios. A cidade de Machu Picchu foi descoberta somente em 1911 e revelou toda a eficiente estrutura urbana desta sociedade. A agricultura era extremamente desenvolvida, pois plantavam nos chamados terraços (degraus formados nas costas das montanhas). Plantavam e colhiam feijão, milho (alimento sagrado) e batata. Construíram canais de irrigação, desviando o curso dos rios para as aldeias. A arte destacou-se pela qualidade dos objetos de ouro, prata, tecidos e jóias. Domesticaram a lama (animal da família do camelo) e utilizaram como meio de transporte, além de retirar a lã. carne e leite deste animal. Além da lama, alpacas e vicunhas também eram criadas A maior representação do artesanato inca está nos seus tecidos, pois a vestimenta era uma das formas de se verificar a posição social de uma pessoa. Elas eram resultado de um trabalho artesanal, feito de algodão ou lã, principalmente de vicunhas, ricamente ornamentado com a utilização de formas geométricas, desenhos de animais e homens. A cerâmica, utilizada na fabricação de vasilhas e jarros, era pintada com figuras geométricas, animais, pássaros, vegetais, seres humanos e divindades. As cores mais empregadas eram o negro, o branco, amarelo, roxo e alaranjado. As formas mais utilizadas para as vasilhas eram de pratos com bordas estendidas, caracterizando o corpo de uma ave. Os jarros possuíam uma base cónica e suas alças permitiam que se passasse por elas uma corda de forma que eles pudessem ser carregados no peito, para transportar água. Madeira e conchas também foram bastante utilizadas nos artesanatos imperiais.
  34. 34. Extras:  A cidade histórica de Machu Picchu localiza-se na Cordilheira dos Andes, na região do Peru.  Encontra-se a 2400 metros de altitude, no vale do rio Urubamba.  Foi construída pelos incas no século XV, antes da chegada dos europeus ao continente americano.  É formada por um conjunto de construções de pedras em ruínas. São casas, templos, aquedutos, praças e degraus (terraços em que os incas praticavam agricultura). Mostra o grau de desenvolvimento de conhecimentos urbano, arquitectónico e tecnológico da civilização inca.  Em função de sua localização de difícil acesso, foi apelidada de "a cidade perdida".  Foi encontrada pelo professor e antropólogo norte- americano Hiran Bingham, em 1911.  Foi construída numa região alta, pois os incas acreditavam que assim estariam mais próximos dos deuses.  Em 2007, foi eleita como uma das Sete Novas Maravilhas do Mundo.  É considerada Património Mundial da Unesco.  É um dos pontos de turismo cultural mais visitados do Peru.
  35. 35. Pirâmide Social: O imperador Ruca A Moeda: Os incas não usavam dinheiro propriamente dito. Eles faziam trocas ou escambos nos quais mercadorias eram trocadas por outras e mesmo o trabalho era remunerado com mercadorias e comida. Serviam como moedas sementes de cacau e também conchas coloridas, que eram consideradas de grande valor.
  36. 36. Culinária: A comida inca consistia principalmente de vegetais, pães, bolos, mingaus de cereais (notadamente de milho ou aveia), e carne (assados ou guisados), comumente de caititus (porcos selvagens) e de lhama. Apesar da dieta dos incas ser muito variada, havia muitas diferenças entre os alimentos consumidos pelos diversos sectores da sociedade. A gente do povo só comia duas refeições por dia. O prato comum dos Andes era o chuño, ou farinha de batata desidratada. Adicionava-se água, pimentão ou pimenta, e sal para então servir. Eles também preparavam o locro com carne seca ou cozida, com muito pimentão, pimenta, batatas e feijão. Eles comiam ainda grandes quantidades de frutas, como a pêra picada ou o tarwi. O milho era bastante consumido e era preparado fervido ou torrado. Os nobres e a família real se alimentavam muito melhor do que o povo. Na mesa do Inca não podia faltar carne, mas era escassa para o povo. Ele comia carne de lhama, de vicunha, patos selvagens, perdizes da puna, rãs, caracóis e peixe. A refeição começava com frutas. Depois vinham as iguarias, apresentadas sobre uma esteira de juncos trançados eram estendidos no solo. O Inca se acomodava em seu assento de madeira, coberto com uma tela fina de lã e indicava o que lhe agradava. Daí, uma das mulheres de seu séqüito o servia em um prato de barro ou de metal precioso, que segurava entre suas mãos enquanto o Inca comia. As sobras e tudo que o Inca havia tocado, devia ser guardado em um cofre e queimado logo depois, dispersando as cinzas.
  37. 37. Vestuário: O homem inca usava uma túnica sem mangas que descia à altura do joelho e às vezes uma pequena capa. A mulher inca tinha diversas roupas que a cobriam integralmente e frequentemente usavam sandálias de couro. Nas estações mais frias todos usavam longos mantos de lã sobre os ombros presos por alfinetes na frente. Os incas gostavam de se adornar. Quanto mais ricos e elaborados os tecidos mais dispendiosos e caros, e acabavam por demonstrar o nível social do usuário. Os incas usavam seus gorros de lã com cores tribais que designavam-lhes as origens. Os homens incas usavam muito mais jóias que as mulheres. Os mais ricos usavam pulseiras de ouro e brincos enormes, quanto maior o brinco mais importante era a pessoa que o usava. Os guerreiros usavam colares feitos com os dentes de suas vítimas.
  38. 38. Onde se localizam: Localizam-se na América do Sul. Localizam-se nas seguintes regiões:  Argentina;  Brasil;  Paraguai;  Bolívia;  Uruguai. Etnia: Situam-se nas regiões mencionadas, são chamados povos (no plural) pois a sua ampla população encontra-se dividida em diversos subgrupos étnicos dos quais os mais significativos em termos populacionais são as parcialidades caiouás, embiás, nhandevas, ava-xiriguanos, guaraios, izozeños e tapietés. Cada um destes subgrupos possui especificidades dialetais*, culturais e cosmológicas*, diferenciando assim a sua forma de ser guarani.
  39. 39. A sua língua: O guarani é uma língua indígena do sul da América do Sul, falada pelos povos da etnia guarani, estes pertencentes ao grupo maior dos tupis-guaranis. Uma variante, popularmente conhecida como língua tupi ou nheengatu, foi usada pelos colonizadores portugueses e missionários jesuítas desde o descobrimento até fins do século XVIII. Desse modo acabou influenciado fortemente o idioma falado no Brasil legando várias expressões e vocábulos ao português brasileiro, preponderantemente na toponímia. A sua Religião: O povo Guarani sempre foi um povo religioso. Eles acreditam num deus chamado Tupã considerado um Deus supremo, que criou a terra, os animais, as plantas, um Homem e uma Mulher.
  40. 40. Os seus costumes: Os costumes do povo Guarani são: O principal é a agricultura o que eles costumam plantar é: O milho, a batata-doce, o aipim, o amendoim etc. … As suas técnicas: O Povo Guarani contribuiu muito na construção da nossa própria cultura: Alimentos, nomes, técnicas agrícolas e tantos valores significativos que sempre permanecem. Património Cultural e Artístico: Património Cultural: Herança paterna. Bens de família. Bens necessários para tomar ordens eclesiásticas. Arte, modo de cultivar. Lavoura. Conjunto das operações necessárias para que a terra produza. Vegetal cultivado. Meio de conservar, aumentar e utilizar certos produtos naturais.
  41. 41. Aplicação do espírito a (determinado estudo ou trabalho intelectual). Apuro; perfeição; cuidado. Património Artístico: Tem que ter arte e tem que ser feito com arte. Trabalho Realizado por: Samanta, Barbara, e Raquel. 8ºA
  42. 42. Localização: México, oficialmente denominado Estados Unidos Mexicanos, é uma república democrática, representativa e federal integrada por 32 , entidades federais que ocupa a parte meridional da América do Norte. De acordo com Norte. a Constituição, a sede dos poderes da federação é a Cidade do México, cujo território foi designado como Distrito Federal Federal. Etnia: Indígenas Por outro lado, a população falante de línguas indígenas (único critério estabelecido no censo do INEGI para contabilizar a população indígena do país) caiu de 17% em 1985 para apenas 7% em 2000. Entretanto, os números absolutos houve um aumento, pois passou de pouco mais de um milhão para sete milhões no censo de 2000. São as comunidades indígenas lãs que expulsam uma maior população. A emigração indígena, até 1980, teve como destinos opulação. , principais as cidades médias e grandes próximas às regiões de origem. A partir da década de noventa, a migração indígena tem carácter principalmente internacional, e hoje se dirige principalmente aos Estados Unidos.
  43. 43. Língua - Espanhol ou castelhano; são reconhecidas oficialmente como línguas nacionais 62 línguas indígenas. Religião - O artigo 24 da Constituição mexicana garante que “cada pessoa é livre para professar a crença religiosa que mais lhe agradar”. Entretanto, os cristãos evangélicos enfrentam perseguições incessantes no estado mexicano de Chiapas, muitas vezes sob olhares complacentes das autoridades eleitas. Eles são vítimas de uma mistura corrupta de religião e política. Costumes: O cumprimento é normal sempre que se entra ou se sai de uma loja, café ou restaurante. Mesmo sendo completamente desconhecidos, o mexicano sempre cumprimenta o potencial cliente. Todo ano, por exemplo, muitas pessoas no México vão a cemitérios no dia 2 de Novembro para comemorar o Dia de Finados, também conhecido como Dia dos Mortos. Às vezes, flores, comida e bebidas alcoólicas são deixadas para parentes ou amigos achegados que morreram, e alguns até contratam grupos musicais para tocar as músicas predilectas de seus entes queridos falecidos. Muitos católicos também fazem um altar em casa e talvez coloquem ali uma foto da pessoa que morreu.
  44. 44. Técnicas: Pelo volume líquido de seu Produto Interno Bruto (PIB), o México é considerado a , décima terceira economia mundial - apesar de, em 2001, representar a nona maior economia. Entretanto, a repartição da riqueza é tão desigual que no país coexistem município com índices de desenvolvimento humano similares ao de nações como m Alemanha e Síria. Durante uma boa parte do século XX, a principal fonte de divisas . , estrangeiras do país foi a venda do petróleo. Entretanto durante este século teve lugar . um processo de industrialização que permitiu ao país diversificar sua economia. As rialização remessas dos trabalhadores mexicanos no exterior vêm crescendo a cada ano, sendo 3% do PIB nacional e uma das principais fontes de renda para o país, precisamente ao lado da quantidade por expor exportações de petróleo e o turismo. Património Cultural e Artístico Artístico:
  45. 45. A cultura do México reflecte a complexidade da história mexicana, resultante da mistura das civilizações pré-hispânicas da Mesoamérica com a cultura de Espanha, transmitida durante os 300 anos de colonização espanhola do México. São ainda sentidas na cultura mexicana influências dos Estados Unidos da América e, em menor grau, da Europa, África e Ásia. As artes plásticas do México contam com a enorme riqueza herdada das antigas civilizações indígenas. A história do Cinema do México começa no início do século XX, quando vários entusiastas do novo meio documentaram acontecimentos históricos — em especial a revolução mexicana — e produziram alguns filmes que só recentemente foram redescobertos. A música do México encontra suas raízes na música folclórica como o mariachi e o Jarana. Atualmente, grupos como Molotov adquiriram notoriedade internacional dentro do que se chama de música popular. A gastronomia mexicana, em termos de variedade de sabores e texturas, é uma das mais ricas do mundo, embora seja por vezes caracterizada por algumas pessoas como gordurosa e condimentada. É uma culinária rica em proteínas, vitaminas e minerais. Trabalho Realizado por: Ricardo Calhau nº18 / 8ºA Pedro Braz nº15 / 8ºA
  46. 46. 1. Localização: Os sherpas são um povo que habitava no Tibete, há mais de 500 anos, mas actualmente moram entre os picos da maior montanha do mundo – Monte Everest, numa região chamada Solu-khumbu. Os sherpas desenvolveram uma cultura e um modo de vida fascinantes, misturados aos perigosos picos entre os quais moram. Etnia: Os sherpas são uma etnia do Monte Everest. Língua: Este povo tem a sua própria língua, que se assemelha a um dialecto do tibetano, e não têm nenhuma linguagem escrita. Dias da semana em Sherpa Português Sherpa Domingo Ngi`ma Segunda-feira Dawa Terça-feira Mingma Quarta-feira Lhakpa Quinta-feira Phurba Sexta-feira Pasanga Sábado Pemba Tradicionalmente (embora não seja seguido sempre), os nomes dos homens sherpa reflectem frequentemente o dia da semana em que nasceram.
  47. 47. Religião: Os sherpas praticam uma forma de Budismo tibetano. O vale de Khumbu foi citado na literatura budista como sagrado. Esta religião é pacifista focada na preservação e no respeito das coisas vivas, e as práticas religiosas dos sherpas foram-se fortalecendo à medida que as aplicavam no dia-a-dia. Os sacerdotes daquele povo chamavam-se lamas e os seus líderes, rinpoches, que eram aqueles que serviam de guias espirituais aos sherpas. O mosteiro de Tengboche, que foi criado em 1916 pelo Lama Gulu a uma altura de 3.870m,é um lugar espiritual para os sherpas, tendo, também, uma escola e um convento de freiras associados. Este povo tem a festa popular de Mani Rindu, que é uma cerimónia de dança com máscaras, que pretende mostrar os aspectos coloridos da sua religião, celebrando 10dias de oração ao Buda da Compaixão. Para eles, para alcançar a iluminação, não devem realizar os seus actos para seu benefício, mas para ou outros. Esse altruísmo traduz-se nprofissão dos sherpas de guiar os alpinistas e, às vezes sacrificam a sua própria segurança pelos outros. Muitos deles, não vêem o objectivo de chegar ao topo do Monte Everest como uma glória pessoal, pois vai contra a natureza da sua religião. Tenzing Norgay descreve o Monte Everest como uma “mãe super protectora”, a escalada da montanha é uma maneira de se aproximar dos Budas. Por essa razão, Norgay e outros sherpas deixaram oferendas aos deuses no topo do Everest. Costumes: Quando se trata de domesticação de animais pelos sherpas, podemos referir os iaques, animais de carga preferidos pelos sherpas, pois eles adaptam-se bem à vida de grandes altitudes. Têm corpos fortes e cascos enormes que podem andar na neve, pulmões grandes, o que implica terem uma quantia de glóbulos vermelhos elevada o que os ajuda a suportar os baixos níveis de oxigénio, e camadas espessas de pêlo que os protegem das temperaturas geladas. Os iaques servem, também, de alimento para os sherpas, dando-lhes leite, manteiga e carne. Muitos sherpas sobrevivem com o comércio e com a agricultura de subsistência (trigo e batatas), e na criação de animais, tais como os iaques já referidos. Eles podem comercializar estes bens para suprir outras necessidades. O turismo é a tendência económica mais lucrativa para os sherpas. Embora maior parte deles não trabalhe com empresas de trekking e de expedição, no alto do vale de Khumbu, lucram bastante. Também ganham dinheiro extra como carregadores em escaladas de montanhas, transportando, por vezes, mais de 45kg pelo caminho.
  48. 48. Técnicas: Quando chegaram ao Monte Everest, este povo teve vários imprevistos e, para sobreviver nas encostas montanhosas, teve, literalmente, de esculpir campos terraplanados para a agricultura, transformando as encostas em amplas escadarias de terra. As paredes de pedra construídas nos degraus sustentam os pedaços de terra abalados. Como já referimos, os sherpas transportavam muitas cargas, e como não têm transportes, quando precisam de transportar algo (lenha, frutos ou materiais de construção) eles usam os iaques ou carreguem nas próprias costas. Muitos deles, especialmente os mais pobres, estão habituados a carregar essas cargas desde jovens, transportando coisas da sua família, ou mesmo, trabalhando como carregadores. Para isso, utilizam cestas enormes com uma tira feita de corda que passa pela testa. Essa corda transfere parte do peso das costas para o pescoço. Andam apoiados em pedaços de paus, como se fossem bengalas, ajudando, também a aliviar o peso. Quando os sherpas trabalham como guias ou assistentes para turistas recebem elogios como sendo ousados e amistosos, incrivelmente fortes, mas fisicamente pequenos. Património Cultural e Artístico: Os sherpas têm uma capacidade impressionante. Alguns desses sherpas têm grande fama, não devido à religião, mas à capacidade e à ajuda que dão a grandes nomes que subiram até ao ponto mais elevado da cordilheira dos Himalaias, como por exemplo a subida de Hillary com o famoso sherpa Norgay, em 1953. Devido a Tenzing Norgay, o campeão em montanhismo nos Himalaias, os sherpas passaram a ter uma reputação internacional. Mas sabemos que a grandiosidade da montanha tem sempre os seus riscos. Ser um guia sherpa nas expedições ao monte Everest representa um grande risco de lesões ou de mortes. Mas a publicidade que os ocidentais recebem pelas suas escaladas de alto risco, ofusca a que é dada aos sherpas. Depois da escalada de Hillary-Norgay, por exemplo, o neozelandês Hillary recebeu um título de nobreza, enquanto Norgay, apenas uma medalha de honra, mas devido à sua religião, os sherpas não se importam com isso. .
  49. 49. Sherpas famosos: Embora Tenzing Norgay seja o sherpa mais famoso por ter acompanhado Edmund Hillary, em 1953, outros sherpas notáveis estabeleceram marcas incríveis relacionadas ao Monte Everest.  Apa - chegou ao topo do Monte Everest 17 vezes, mais do que qualquer outra pessoa do mundo.  Babu Chhiri - acampou no pico do Monte Everest por 21 horas sem oxigênio.  Lhakpa Gelu - detém o recorde mundial pela subida mais rápida ao Monte Everest, em 10 horas, 56 minutos e 46 segundos.  Ming Kipa - é a pessoa mais jovem a subir, com 15 anos de idade.  Pasang Lhambu - foi a primeira mulher sherpa a subir. Curiosidades: A escola sherpa: Até ao recebimento de ajuda financeira da fundação de Edmud Hillary, não havia nenhuma educação formalizada na região. A instituição Himalayan Fund construiu várias escolas na região de Solu-Khumbu. Apesar de nos dias de hoje, algumas estarem em péssimo estado. A saúde sherpa: A saúde também é um desafio. Felizmente a fundação de Hillary, teve a brilhante ideia de construir uma pista de descolagem e hospitais na área distante, que levavam medicamentos e tratamentos odontológicos às aldeias. Como por exemplo, no hospital de Kunde oferecem atendimento gratuito aos sherpas e possui médicos permanentes e voluntários. As mulheres sherpa: Elas têm um papel importante no dia-a-dia, carregam as crianças, e têm uma grande responsabilidade com a agricultura ou com o rebanho de iaques da família. Se o marido de uma delas for carregador ou guia, ela será o chefe da casa durante as expedições. Trabalho realizado por: Beatriz Louro Nº3 Maria Firmino Nº12 8ºA
  50. 50. Um homem sherpa em Namche Bazaar, na região de Solu-Khumbu, no nordeste do Nepal Os iaques são os animais de carga preferidos dos sherpas Como não há veículos, muitos produtos são Tenzing Norgay Sherpa transportados nas costas Para a agricultura, os sherpas esculpiram campos terraplanados nas encostas da montanha

×