Your SlideShare is downloading. ×

Portugal março 2011

986

Published on

Terceira edição da Revista Jane Austen Portugal

Terceira edição da Revista Jane Austen Portugal

Published in: Entertainment & Humor
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
986
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
46
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Revista Jane Austen Portugal Um Mês, Um LivroO Parque de Mansfield Março 2011 | Nº 3 janeaustenpt.blogs.sapo.pt Conteúdo original © Jane Austen Portugal
  • 2. Sumário1. Sugestões Austenianas 32. Quando Conheci Jane Austen 43. Um Olhar sobre O Parque de Mansfield 64. Mansfield Park – Uma Visão Pessoal 85. Em Busca d‘O Parque de Mansfield 96. Mansfield Park 117. Mansfield Park – Uma Opinião 138. O Que Me Marcou em ―O Parque de Mansfield‖ 149. Mansfield Park 1999 1510. Mansfield Park 2007 1611. Mansfield Park Comparado 1712. As Versões de Mansfield Park 1913. Fanny Price 2014. Uma Quase Redenção 2215. Edmund Bertram 2316. Tom Bertram, O Filho Herdeiro 2417. Explorando Tom Bertram 2518. Henry Crawford 2819. Lady Bertram e Mrs. Norris – As Irmãs 3120. Maria Bertram 3321. Julia Bertram 3422. Mr. Rushworth 3623. Do Parque de Mansfield para Sensibilidade e Bom Senso 3724. Jane Austen e Eu 3825. Os Lugares de Jane Austen 4026. Sabias Que… 42 2
  • 3. Sugestões Austenianas Por Liliana Isabel Sugestão Livro: O Perfume de Patrick Süskind. Li este livro há uns bons anos e é dos meus favoritos de sempre. Este livro fala do mundo dos cheiros e dos sentidos como talvez nenhum outro livro que eu tenha lido. Trata-se de um jovem que nasceu sem cheiro mas que em contrapartida tem um olfacto quase sobrenaturalmente apurado. Jean-Baptiste é um rapaz fora do normal que é ostracizado por todos os que o rodeiam, desde que nasceu. Ao ler este livro sentimos mesmo os cheiros que rodeiam o herói da história. As descrições são tão vívidas que nos sentimos mesmo dentro do livro. Adorei o livro e não perdi a adaptação ao cinema que também adorei. Sugestão Música: Robbie Williams. Sou fã do cantor Robbie Williams desde os 11/12 anos, desde os tempos da formação original dos Take That. Adoro-o e acho que ele é um dos melhores entertainers do mundo do espectáculo. Uma das coisas que eu mais adoro no Robbie, e que muita gente desconhece é que ele é um excelente compositor ecantor (quando não se distrai com as suas obrigações de entertainer) os seus B-Sides são do melhor que existe e muitas vezes superam até as músicas que toda a gente conhece e canta. Ele é muito mais que Angels e Feel. Agora juntou-se aos antigos colegas dos Take That e não sei até quando isso durará mas eu vou sempre acompanhá-lo. O que ele quer que faça é sempre feito com amor e muito talento. Sugestão Filme: O filme que escolho como sugestão é o Moulin Rouge porque tem todos os elementos que eu adoro num fime: romance e musical. Adoro a história, o enredo, as músicas, o ambiente boémio, os actores, principalmente a Nicole Kidman que é a minha actriz favorita e que tenho muita pena que (ainda) não tenha feito uma adaptação dos livros de Jane Austen. Eu penso que já terei visto o Moulin Rouge mais de 15 vezes. Sei as músicas todas, comprei os CDs e vibro sempre nas mesmas cenas. Se amam musicais e amor (sendo fã de Jane Austen penso que é mesmo indicado) não vão ficar desiludidas(os) com o filme! Considero-o um dos meus filmes favoritos de sempre e penso que o será por muitos e muitos anos. Sugestão Blogues: O Cantinho da Lili é um blog que eu criei há 2 anos para postar de tudo um pouco, relacionado com os meus gostos, ideias e opiniões.Gilmore Girls Portugal é um blog também meu, criado há 4 anos, sobre a série que marcou a minha vida e da qual ainda hoje tenho muitas saudades. Neste momento o blog revive momentos e acompanha as carreiras dos principais actores da série. 3
  • 4. Por Adriana Zardini, Presidente do JASBRAE u tive contato com a me cativou muito porque fala da obra de Austen, pela espera, do amor que não se apaga com primeira vez, quando o tempo. Eu mesma vivenciei uma cursava a Faculdade experiência similar quando fui morar de Letras na nos Estados Unidos e fiquei longe do Universidade meu namorado, hoje marido, por Federal de Minas quase seis meses. Obviamente nãoGerais. O livro escolhido foi ‗Emma‘ e fomos separados pela família, como foiapós a leitura fizemos um debate o caso de Anne Elliot, mas de algumafazendo comparações entre o livro e o forma eu me identifiquei com o casal.filme de 1996. Naquela época, eu Talvez até porque eu li Persuasãoapenas tive conhecimento das outras enquanto morava fora do país.obras de Austen de maneirasuperficial. Foi em 2011, enquanto eumorava em Nova York, que tive aoportunidade de conhecer as outras Das mocinhas de Austen eu gostoobras de Austen. Desde então fiquei muito Lizzy Bennet, Mariannefascinada pela escrita de Austen e o Dashwood e Anne Elliot. É claro queuniverso que elas nos apresenta em admiro as outras protagonistas, mas assuas obras. Com o passar do tempo, três mencionadas anteriormente sãofui lendo as obras, assistindo aos as minhas favoritas. Não possofilmes e séries de TV e me envolvendo esquecer-me de Mary Crawford, quecada vez no universo da escritora. apesar de uma antagonista, eu considero uma moça muito interessante e ousada. Quanto aos mocinhos, diferentemente da maioriaMeu livro favorito é Persuasão. Acho das Janeites, meu herói favorito é oque a história dos dois protagonistas Capitão Wentworth e não o Mr. 4
  • 5. Darcy. Na conterrâneas (Cláudia, Pollyana e Ana minha lista Maria) e nos tornamos mais próximas. de mocinhos favoritos estão Mr. Em 2008, ao perceber que as pessoas, Knightley, inscritas da comunidade do Orkut, Henry faziam as mesmas perguntas Tilney e referentes aos livros e adaptações, Coronel resolvi criar o blog que hoje é o blog Brandon. da Jane Austen Sociedade do Brasil. Confesso Ao longo destes anos, conheci muitas que ao pessoas interessadas na obra de assistir Austen, sua biografia e filmes uma baseados em suas obras. Em 2009, juntamente com as amigas de Minas adaptação ou reler um Gerais (estado onde vivo) decidimoslivro, me apaixono novamente pelos criar a JASBRA. Nesse mesmo ano,personagens ou sou conquistada por realizamos nosso I Encontro Nacionaloutros personagens que não havia (na cidade de Ouro Preto) e contamosdado atenção antes. Gosto muito de com a presença de pessoas de outrosreler os livros de Austen porque estados também. No ano passado,sempre me trazem novos insights a realizamos nosso II Encontrorespeito de sua época, costumes e Nacional no Rio de Janeiro eatitudes da Inglaterra do século XIX. contamos com a presença de quase 60 pessoas. Para este ano planejamos o III Encontro Nacional em outubro e será em Recife, no nordeste do país.Em 2005, com a expansão das redessociais no Brasil, como o Orkut, pudeconhecer diversas fãs de Austen e emuma comunidade dedicada à série Maiores informações sobre aOrgulho e Preconceito (1995) JASBRA: www.jasbra.com.brconquistas diversas amizades, que Atualizações sobre o universo Austenperduram até hoje. Foi nessa mesma e a sociedade:comunidade que conheci minhas www.janeaustenbrasil.com.br 5
  • 6. «A perseverança, a seriedade e a defesa dos valores do bem e da verdade, mais tarde ou mais cedo, gerarão felicidade» Um Olhar sobre O Parque de Mansfield Por Fátima Velez de Castro leitura. No entanto, tive a sorte de conseguir uma tarde livre e nem pensei duas vezes, foi uma maratona de leitura desde as duas da tarde até às oito da noite! O livro foi avidamente ―devorado‖, como podem perceber.E Em segundo lugar, alguns olhares sobre o romance. Em primeiro lugar u pretendo dar-vos a Uma das coisas que mais não conhecer a aquisição e apreciei foi a crítica conheci leitura do Parque de realizada à noção de -a esta Mansfield… uma aventura! ―caridade‖: uma acção obra, Para arranjar o livro realizada para bem pareceraté vocês falarem dela. Esta demorei bastante tempo, em sociedade, mais do queé uma, senão o trabalho visto que está esgotado e para o fim a quem semenos conhecido da Jane não há previsão de destinam as acções. AAusten, não percebo muito reedição. Teve de ser pela família Bertram nestebem porquê. Comparando internet, num site de contexto é um paradoxo decom a ―Persuasão‖, este leilões, esperando bondade e cinismo, que seromance está muito mais pacientemente pelo fim do vai intercalando ao longocompleto e explora de negócio. Mas quando do enredo, embora no finalforma intensa cada finalmente chegou, foi uma se descubra e se cultive talpersonagem. Enfim, alegria! O enredo é virtude, à custa de umapoderíamos aqui discutir a aliciante, o que fez com aprendizagem sofrida.importância, valor, que o tivesse lido em poucocomplexidade e qualidade mais de uma semana, E Fanny Price, quedeste livro face à restante intercalando trabalho heroína tão apagada! Noobra, que na minha opinião (muito!), vida familiar e início perguntava-menão se fica nada atrás, pequenos (muito como e que Jane poderiaporém o objectivo é outro. pequenos) tempos de ter criado uma 6
  • 7. protagonista tão atípica. arca com as consequências ter bons sentimentos; asQuantas vezes não nos dá da sua conduta consciente; filhas Bertram, umavontade de ―sacudir‖ a sua Mr. Rushworth, uma espécie de Lydia e Kitty deaparente inércia? Muitas de pobre alma dividida entre ―Orgulho e Preconceito‖,certo. No entanto o final uma mãe possessiva e uma mas com desfechosdesta personagem ensina- mulher que não o ama, trágicos; Mary Crawford, onos que a perseverança, a quiçá uma vítima como egoísmo em pessoa, capazseriedade e a defesa dos Henry, por falta de alguém de sacrificar a suavalores do bem e da que o compreenda e guie; felicidade em prol doverdade, mais tarde ou Sir Thomas, o temido dinheiro; Susan Price, ummais cedo, gerarão patriarca que têm retrato da bondade efelicidade. inteligência para aprender constância da irmã, mas com os seus erros; Tom, o com mais vivacidade filho que (talvez) se tenha (aparente). de facto reabilitado.Das personagensmasculinas: Edmund é umingénuo, que apenas vê em Muito fica por dizer numaMary o que lhe apraz, ou As personagens femininas: abordagem tão breve,seja, a beleza; e Henry é o Mrs.Norris, a execrável tia, todavia o que fica destemais inconstante dos a dominadora que livro são muito bonshomens, um verdadeiro descarrega nos mais momentos de leitura e deperigo, do qual não se tem próximos as próprias reflexão a partir de uma certeza se é vítima pela frustrações; Lady Bertram, retrato tão mordaz eausência de uma boa guia a futilidade em pessoa, com inteligente da sociedade(seria Fanny a sua carácter demasiado inglesa contemporânea desalvação?), ou se apenas maleável, mas que parece Austen. 7
  • 8. «Parecia-me extremamente diferente de todos os outros livros. Foi uma leitura apaixonante.» Mansfield Park – Uma Visão Pessoal Por Cátia PereiraN ão é o livro livro mais adulto de Jane. encontra um ritmo mais mais famoso Fiquei muito impressionada dinâmico, quando chega a de Jane com o percurso não só de altura em que os personagens Austen. Fanny Price, mas também de organizam uma peça de Aliás, poucas todos os outros personagens. teatro. Posteriormente, pessoas Apesar do final ser previsível quando Fanny volta para apoderão dizer que este foi o e de ser um ―final feliz‖ casa de seus pais, o livroprimeiro livro que tenham (embora para mim, o final retoma o ritmo lento paralido dela. Aqui, em Portugal, feliz seria outro…) a forma depois voltar novamente aainda é mais difícil que isto como Jane Austen trabalhou ganhar ritmo. Há esta dançaaconteça já que achar alguma é bem diferente de todos os entre lentidão e fluidez. Eedição dele para ler é quase outros livros. Eu vejo este ritmo gera em que lêcomo descobrir um tesouro. Mansfield Park não como um uma ansiedade de saber o que[Li-o em formato ebook mas livro de protagonistas virá a seguir.vou comprar uma edição do marcantes. É um livro deBrasil, não vou ficar à espera vários temas e estes mesmos Li com muito prazer esteque as Edições Europa- temas tornam-se os livro. Lembro-me queAmérica se lembrem de protagonistas da história: discordei totalmente com ovoltar a editá-lo]. pobreza, orgulho, posição fim que, sendo previsível, não social, escravatura, elitismo, era aquele que eu queria; masEu pensava que quando o casamento, adultério, solidão, achei fascinante cadalesse iria detestá-lo. Ouvia ciúme, virtude, bondade… e personagem, cada fala, cadadizer que o livro era chato, assim por diante. silêncio, cada passo, cadaenfadonho e sem sal. cenário descrito.Lembro-me que ao ler as A parte inicial é lenta,primeiras páginas não me descritiva, onde as A meu ver, uma grande obra.soava a uma escrita de Jane personalidades sãoAusten. Parecia-me desenhadas comextremamente diferente de perspicácia etodos os outros livros. Foi detalhe.uma leitura apaixonante. Somente, comAmei cada linha desta algumas páginashistória. Do meu ponto de avançadas avista, este é - sem dúvida - o história 8
  • 9. «Em certas alturas do romance, temos vontade de sacudir Fanny » Em Busca d‘O Parque de Mansfield Por Clara Ferreira juntando Fanny e Edmund, "em Mansfield Park é oÉ certo e quase (se não o for mesmo) movimento de outras sabido que como uma lição de moral. personagens à volta de Fanny O Parque e a quase imobilidade desta de que temos de identificar Mansfield enquanto meios de organizar está longe " Em Mansfield Park explora e dinamizar a acção e o de ser o a narrativa da formação e da enredo" ¹, Jane Austen coloca supra- educação de uma jovem no Fanny Price quase no mesmosumo dos romances de Jane seio da família que recebe e plano que o leitor,Austen, e parece-me adopta" ¹, um pouco como transformando-os em merosigualmente correcto afirmar o Charlotte Bronte irá fazer espectadores. Fanny Pricemesmo em relação à sua com Jane Eyre, embora esta serve quase como um fiktroheroína - Fanny Price. siga um caminho mais que influencia o leitor nas obscuro. Mas que chamei suas opiniões sobre a acção"Edmund e Fanny (...) Jane Eyre à questão, importa que vai decorrendo. Fannyprecisamente pela sua referir que as parecenças com Price moraliza fortemente asubordinação aos códigos, Mansfield Park são maiores. nossa forma de ver as coisas,condutas e expectativas Tal como Fanny Price, Jane na sua maneira subtil edominantes" ¹ não encontram Eyre acaba por se subordinar inocente, obriga-nos agrandes aplausos dos leitores. aos valores e condutas distinguir o Bem do Mal, ouMais uma vez, penso que não expectáveis, todavia, tem um talvez seja melhor dizer, oserá errado dizer que, em carácter mais decidido e correcto do incorrecto.certas alturas do romance, embora se subordine, creiotemos vontade de sacudir que nunca se subjuga. EFanny e implorar-lhe uma podemos afirmar isto porquequalquer reacção, mínima deambulamos nos seus "Ao princípio é Mansfieldque seja. No fundo, torcemos pensamentos, tal como com Park; no fim é Mansfieldpara que se rebele e creio que Fanny, e aí conhecemos uma Park. (...) A casa é o seué por essa razão que muitas protagonista com uma mente próprio centro" ¹, este umde nós se sente inconformada viva, perspicaz, resoluta e aspecto fulcral. Mansfieldpor ela nunca aceitar Henry activa; diferente de alguma Park é mais do que o localCrawford - essa aceitação passividade que inunda a onde decorre a acção,representaria a mudança que nossa querida Fanny Price. funciona como um palco emgostávamos que ela que os actores entram e saemespelhasse. Mas Jane Austen de cena, consoante os seusescreve a sua história diálogos - o que é relevante setotalmente ao contrário, compararmos com a ideia 9
  • 10. maluca de encenar Lovers valores e a mesma moral. também representamosVows. Em Mansfield Park, as Tomemos este exemplo: "o papéis sociais e também nospersonagens surgem e final feliz possível neste subordinamos a códigosdesaparecem, mas a casa é romance é o da união sociais. Fanny Price não nosimutável e só quando saem matrimonial da heroína leva ao êxtase porque nãodela é que as personagens se romanesca cujos códigos rompe com os valores da suaperdem, transitória ou foram moldados à imagem e sociedade.irremediavelmente. Nem semelhança de quem osmesmo quando Fanny formou com o herói que os Perante a história (e esperoregressa a Portsmouth, formou - o que não deixa de não estar a ir longe de mais),Mansfield desaparece do traduzir o fechamento" ¹. o facto de Fanny não seromance. Está sempre rebelar é, no fundo, umapresente nas longas cartas atitude mais corajosa do queque lhe chegam repletas de se o fizesse. É a força dosamarguras, e Fanny retorna a Mansfield Park é um valores que vence ocasa - Mansfield Park - como romance complicado. Fanny esvaziamento de consciênciaque para "salvar a honra" da Price não estabelece empatia daqueles que a rodeiam.mansão depois das imediata talvez porquecalamidades praticadas pela gostássemos de ver nela umadescendência Bertram. Com irreverência, uma ruptura; eela, Mansfield Park essa aproximação real com ¹ "Jane Austen", Álvaro Pinapermanece imutável, Fanny Price assusta-nosdefendendo os mesmos precisamente porque 10
  • 11. « Em Mansfield Park, Jane deixa um pouco de lado a ironia » Mansfield Park Por Adriana Sales ZardiniM ansfield Park é um trabalho livro, onde Fanny nem sequer aparece ou tem da fase mais madura da idéia do que está acontecendo, bem como escritora inglesa Jane Austen, análises a respeito dos motivos e das emoções de escrito quando ela tinha outras personagens além de Fanny. entre trinta e seis e trinta e Primeiramente, Austen mostra uma Fanny nove anos. Existem muitas menos heróica que as outras até então criadas,semelhanças e diferenças entre este livro e os porque nos descreve uma pseudo heroínaoutros escritos por Jane. jovem, fraca e indefesa, matendo-a sempre jovem e dependente. Apesar de heroína, FannyAparentemente, trata-se de uma maneira de depende da atitude de Mary Crawford e se estaescrever um romance diferente. A própria aceitará ou não o status de ser esposa de umautora em uma carta para sua irmã Cassandra, pastor – Edmund Bertram. Diferentemente dasescreveu em 1813, que o tema do livro pretendia outras heroínas, que apresentam certa rebeldia,ser ‗algo diferente‘, sobre ordenação, o qual Fanny é uma figura, porém marcante, queaparentava ser pouco promissor. Porém, Jane possui um julgamento confiável para umaprovavelmente sentiu-se no pessoa tão jovem. Fanny não sofre as desilusõesdever de escrever algo derelacionado à conduta e à moral,uma vez que havia escrito muitosobre ironia.Em Mansfield Park, Jane deixaum pouco de lado a ironia(característica de suas obras) eaborda assuntos de cunhofilosófico como a virtude e adepravação moral. Ao tratarde assuntos mais sérios, otraço peculiar de Jane, aironia, permanece aodescrever os personagensMrs. Norris, Sir ThomasBertram e os irmãosCrawford. Neste livro, aheroína difere-se de outrasconstruídas por Austen.Nesse livro, Fanny não éuma lente pela qual a ação évista, como Elizabeth,Emma e Elinor. Existempassagens importantes no 11
  • 12. Elizabeth, Emma ou Catherine Morland, e não material para mais de um romance. Para W. A.pode ser guiada por seus erros do passado como Craik (estudioso das obras de Austen),Anne Elliot. Como Elinor, a opinião de Fanny é Mansfield Park foi baseado em temperamentos,confiável. Seu julgamento é importante para emoções e valores morais, lembrando-nos detodo o livro, é um guia confiável pelo qual a Persuasão devido ao cenário e ao tom sério,história muda de foco e os eventos se alternam. diferentemente de Orgulho e Preconceito queOs dois personagens principais, Edmund – um apresentou um desenrolar sem grandesdos heróis mais ofuscado do cânone austeniano, surpresas. Mas só pode ser fortementee Fanny – educada, serena e aparentemente boa comparado à Emma, devido à organização dedemais, são apresentados francamente, sem seus personagens, vários estilos de discurso,nenhuma contradição. palavras e ações significantes, além de seus diversos sub-enredos. Após a publicação deAs paisagens e os cenários, nesta obra, parecem Mansfield Park, Jane Austen inicia algo nuncaser mais importantes que em outras, com havia feito: coletar e escrever as opiniões de seusexceção de Persuasão. É claro que não podemos leitores, tal material são documentos fascinantes,nos esquecer que nos outros livros, os que nos contam um pouco mais sobre Jane epersonagens também tiveram experiências seu público, denotando o quanto os leitoresmarcantes ao ar livre. Mas no caso de Mansfield eram importantes para ela. Todos esses fatosPark, o cenário não é apenas um pano de fundo sobre os livros e a vida da escritora nos fazempara o desenrolar das cenas, é parte integrante vislumbrar o quanto Jane Austen era talentosada ação. Austen, em Mansfield Park nos ao abordar temas simples e universais dopresenteia com uma obra que na verdade possui cotidiano, tornando-os a base de sua obra. 12
  • 13. « Senti essas expectativas "algo goradas” » Mansfield Park – Uma Opinião Por Marina NunesQ uando comprei este livro "reservada", tudo aguenta, tudo aceita... a estava animada... As sua revolta é sempre limitada a um expectativas pelo que momento em que ela racionalmente tinha lido eram muitas... controla depois. Edmund tem uma Mas quando terminei a conduta muito semelhante... Sempre sua leitura senti essas benevolente... sempre calmo... quase sempre racional. O que mais me agradaexpectativas "algo nesta obra é a "teia de personagens"goradas". Não interessantes e cheiastirando a demaravilha que équalquerromance de "imperfeiçõesJane Austen e vícios".não fiquei Sempre comfascinada momentos empela obra, que as suascomo tinha imperfeições eficado por defeitos seobras destacam e seanteriores. mostramFanny é claramente.uma Preferências,heroína criticas, momentosmuito de "louvor às suas qualidades e posses sociais", sempre presentes e a trazer dinâmica à história. Mas tenho de o dizer: mais uma grande obra de Jane Austen... 13
  • 14. «Fanny foi um ensaio para o esboço de Anne Elliot » O Que Me Marcou em ―O Parque de Mansfield‖ Por Paula FreireM ansfield Park" desiludiram, outras ainda que é o romance me irritaram e outras que me de Jane fizeram pensar. Entre estas Austen que está Edmundo. Quando menos terminei o leitura do livroconsenso reúne. São várias as fiquei com a ideia de querazões. Algumas recaem Edmundo seria asobre a sua personagem personificação do pai de Janeprincipal, Fanny Price; Austen, pelo menos,outras prendem-se com a parcialmente.postura de Jane Austen face àescravatura e sobre a sua Quanto ao final, esperavaintenção ou não de a mostrar que, sendo esta uma narrativaatravés deste trabalho. diferente, também o final poderia ser uma surpresaQuanto a mim, devo dizer escondida com o rabo de fora.que foi o romance que mais Quero com isto dizer quetempo levei a ler. Não teve que Fanny foi um ensaio para esperava que Henry fosse aoque ver com o romance em o esboço de Anne Elliot, encontro de Fannysi, mas antes com o facto de heroína de "Persuasão". apresentando-se como umquerer fazer uma leitura mais homem capaz de se dedicar acuidada que me permitisse Mas este romance também ela de coração; que a suaentender ou encontrar as reúne consensos num ponto vaidade se esvanecesse porrazões para a controvérsia em concreto: é a narrativa força dos seus sentimentosexistente em torno deste mais complexa da obra de por ela e que Edmundoromance. Não foi difícil. Em Jane Austen tanto pelos assumisse uma importânciaboa verdade, Fanny Price personagens que fazem parte diferente na vida de Fanny.não é a heroína mais da trama como pelosmarcante da obra de Jane acontecimentos que a Finalmente, o que marcouAusten nem tem traços de constituem. A questão do mais foi o sofrimento deuma Elizabeth Bennet ou de adultério não tinha sido Fanny quando foi entregueuma Emma. Contudo, a sua objeto de nenhum trabalho aos tios em Mansfield Park epersonalidade é enigmática de Jane Austen. E o facto de depois quando regressou adevido ao facto de ser muito haver uma heroína tão casa dos pais e o facto de elaconsciente da sua condição diferente das anteriores só ter sido tratada mais comoem Mansfield Park e de ser enriquece a sua obra. uma criada de serviço ainteligente e perspicaz. E, tempo inteiro do que comopara mim, é aqui que reside a Confesso que gostei de ler "O um membro da família.força desta personagem. Parque de Mansfield". Houve Talvez isto tenha reforçado aGostei, é claro, de Fanny personagens que me minha simpatia por FannyPrice. Arriscar-me-ia a dizer cativaram, outras que me Price e pelo romance. 14
  • 15. « A opção do argumento deste filme é evidentemente centrado em dois focos: escravatura e feminismo» Mansfield Park 1999 Por Cátia Pereira novel and Ms. Austens filme. Sabemos que no livro a personal writings, referência a este tema é Patricia Rozemas bastante discreta, mas no film aims to filme torna-se num dos illuminate the social mecanismos do enredo; de tal issues at the heart ofM forma que, são debatidos os Austens narrative efforts, ansfield particularly those concerning argumentos de defesa e de Park (1999) the narrow options that women acusação relativamente a este é uma have faced throughout human sistema. Mas não se fica por versão history. In addition to the este aspecto linear. A dada cinematogr expected themes of class and altura, o próprio papel da áfica - feminine repression, it addresses mulher na sociedade e o seuMiramax - do livro de Jane the role of slavery in wealth destino de ter de contrair acquisition, which provides a casamento é identificadoAusten. O argumento e a more substantial context for the como um tipo de escravatura.direcção pertencem a Patricia social mores on display, as wellRozema. Tem um bom leque Isto gera no filme uma as a parallel to the morede actores: Frances distinção porque cria na metaphorical "enslavement" ofOConnor, Jonny Lee Miller, women in a society where história um escape crítico queEmbeth Davidtz, Alessandro lineage and marriage were the flui como reflexão daNivola, Harold Pinter, unquestioned arbiters of every condição social e nãoLindsay Duncan, Sheila girls fate.") somente uma acção centradaGish, James Purefoy, Hugh numa história de amor.Bonneville, Justine Waddell, Vemos o percurso de váriasVictoria Hamilton; entre personagens femininas tais Sobre esta versão, eu gostariaoutros. como Fanny Price, Mary de destacar a cena final do Crawford e as irmãs Bertram filme. Pessoalmente euApesar de seguir - em traços serem desenhadas com uma aprecio a opção de ser umgerais - o enredo de Jane desenvoltura um pouco narrador a fechar o filme, aAusten, a opção do distantes do que seriam no relatar o destino de cadaargumento deste filme é livro e da realidade da época personagem, numa série deevidentemente centrado em mas, a meu ver, com o cenas que lembram o posardois focos: escravatura e sentido de elevar o papel da para uma foto. Chega a serfeminismo. mulher para além do que algo meio teatral o que, de seria esperado. Também o certa forma, lembra o tom "An agreeable and reasonably tema da escravatura é que existe no próprio livro.charming fusion of the titular destacado ao longo do 15
  • 16. « A dada altura pareceu-me era apenas alguém que tentava imitar Austen e não uma adaptação de um dos seus livros.» Mansfield Park 2007 Por Vera SantosC omo ainda não ou ao ver estas adaptações e recomende, os outros mal tive li este livro, todas as que vi gostei. tempo de entender quem fiquei para este eram, a única que me mês com a Infelizmente, na vida há despertou um interesse obrigação de sempre uma excepção e para genuíno foi a Mary Crawford. fazer uma mim, essa será esta adaptaçãoreview a esta adaptação. da qual não gostei nada. A Eu já vi várias adaptações de dada altura pareceu-me era livros, umas gostei mais queCreio que mencionei que o apenas alguém que tentava outras, mas nunca fiquei tãomeu primeiro contacto com imitar Austen e não uma desiludida como desta vez,Austen foi através da adaptação de um dos seus caramba é a querida Jane,adaptação de Orgulho e livros. Faltavam ali os esperamos mais, muito mais,Preconceito feita em 1995 personagens que fascinam, tanto a nível da adaptaçãopela BBC, que adorei. De que são enigmáticos, que nos como dos actores envolvidos.resto, posso-vos dizer que fazem salivar por mais.todas as outras obras que já li Lerei o livro e depois farei atambém vi primeiro alguma A Fanny Price pareceu-me minha review, não acreditoadaptação. No fundo, para uma irmã mais nova da Anne que a Jane tenha erradomim funciona como uma Elliott, mas sem qualquer tanto com este livro...espécie de incentivo e nunca brilho pessoal ou nada que afiquei desiludida ao ler o livro 16
  • 17. «Price (…) torna-se uma mulher complicada de apresentar ao grande público, que só reconhece mulheres fortes, autoritárias, ou seja, o género de mulher que governaria o mundo » Mansfield Park Comparado Por Catarina R. P.M ansfield actriz poderia parecer algo respeito à infância da Park narra vazia. Fanny Price é uma protagonista, visto que na a história heroína pouco espirituosa, introdução do filme nos é de Fanny com falta de orgulho, apresentada a profunda Price, uma fracamente possessiva e por miséria em que Price havia jovem vezes submissa à sociedade, nascido. É evidente que paramergulhada numa profunda no entanto permanece fiel aos quem leu o livro o filme émiséria a nível económico e seus princípios. De entre sempre uma decepção (àsocial. Todavia surge a todas as Mulheres de Austen, excepção de ―África Minha‖oportunidade de mudar de Price é a que menos se em que o filme estávida e eis que a família opta encaixa no perfil de ―heroína francamente melhor), nopor encaminhá-la para um lutadora‖, e por consequência entanto acho que Rozemafuturo mais promissor a nível torna-se uma mulher consegue chegar à grandesocial e por consequência complicada de apresentar ao maioria dos espectadores comcom mais capital. É aqui que grande público, que só um argumento sólido,a sua vida muda para sempre reconhece mulheres fortes, conciso, bem estruturado,e a história começa… autoritárias, ou seja, o género sem excessos no diálogo, com de mulher que governaria o um tom irónico e por vezesComecemos então por mundo. até cómico. Por consequênciacomentar a adaptação mais ou não do óptimo argumentoantiga realizada por Patricia Relativamente ao argumento Patricia Rozema consegueRozema no ano de 1999. desta adaptação encontra-se uma realização notoriamenteNesta versão do livro de Jane bem explorado no que diz inteligente e com uma visãoAusten a protagonista (Fanny intimista.Price) éinterpretada pela Como já referinotável actriz anteriormente a actrizFrances principal tem umaO‘Connor, que interpretação que naencara o seu papel minha opinião éde uma forma que notória. Esta prestaçãoconsidero torna-se ainda maisverdadeiramente admirável quandoadmirável. A artista acompanhada peloconseguiu captar a extraordinário Jonnymagia de uma Lee Miller e o galãpersonagem que Alessandro Nivola.nas mãos de outra 17
  • 18. O que me desilude maisem todo o filme é afotografia e montagemmas, como já tiveoportunidade de discutircom alguns colegas, estaminha opinião não éconsensual. Ao contráriode outras opiniões avalioa banda-sonora como umcomponenteabsolutamente delicioso,pela simplicidade damúsica, que combinaperfeitamente com apersonagem, FannyPrice.Moveremos agora a nossaatenção para a adaptaçãode Mansfield Parkrealizada no ano 2007por Iain B. MacDonald.Guardo sempre as pioresnotícias para o fim por isso expressiva, sem qualquer suas origens, o que acaba poraqui vai o meu comentário melancolia genuína. ser algo muito penalizante.mais crítico e talvez até cruel. O argumento assenta pouco Todos os outros componentesA actriz que protagoniza em bases sólidas, que no caso cinematográficos como: aFanny Price é Billie Piper de Austen são sem dúvida as fotografia, a banda-sonora,(The Calcium Kid), a artista ironias e o raciocino montagem ou até mesmo oconsegue sem dúvida emocional, procurando uma guarda-roupa estãonenhuma, manter uma estilo mais de ―comédia cor- razoavelmente bons todaviaquímica com o actor Blake de-rosa‖ o que não valoriza este trabalho acaba por serRitson, que é um profissional em nada a película. No inglório pois tem do outroque considero admirável. entanto acho que apesar disso lado do ecrã um mauContudo acho que esta conseguimos retirar algumas argumento e realização.química é pouco platónica o interpretações notáveis eque torna a relação entre alguns (raros) diálogos Fazendo uma simplesPrice e Bertram pouco inteligentes. E como um mau analogia, acaba por ser umgenuína e proveniente de argumento raramente tem pouco como o mais recenteuma paixão em vez de uma uma boa realização, acho que filme de Zack Snyder; Suckerprofunda e respeitosa é óbvia a minha opinião Punch. Todos osamizade. Relativamente à sua relativamente a este ponto. É condimentos para o sucessointerpretação isolada é de salientar que existe uma estão lá mas no entanto falta adesprovida de sentimento e é profunda falha na história de conexão entre eles, é comoum pouco teatral, quando infância da protagonista comer uma salada sem sal,digo teatral refiro-me a uma Fanny Price, não relatando as azeite e vinagre… Não é aemoção falsa e pouco mesma coisa! 18
  • 19. «E em ambas versões, há uma fuga da essência do livro» As Versões de Mansfield Por Cátia PereiraE u já assisti às os filmes que, entretanto, já faz de Edmund) e Hayley duas versões de revi várias vezes. Atwell (que faz de Mary Mansfield Park: Crawford). Penso que Blake a versão de 1999 Ritson fez um Edmund mais da Miramax e a convincente do que Johnny versão de 2007 A minha versão preferida é a Lee Miller (em 1999); e oda ITV. Lembro-me que de 1999, principalmente por mesmo acontece com Hayleyfiquei absolutamente causa do elenco. Adoro o Atwell, que desempenha umadecepcionada com ambas as facto de Mary Crawfordversões. Lembro-me que vi bem maisos filmes no diaimediatamente após terterminado de ler o livro.Foi um tipo deexperiência mais oumenos assim: um livrofantástico e dois filmesque não lhe chegam aospés. Não me incomodaque um filme somente seinspire num livro e não seprenda aos detalhes da acção.Aliás, há filmes que sãomelhores do que o livro nos interessantequais se inspiram: o ter o do que Embeth―Paciente Inglês‖ é exemplo James Purefoy a fazer de Davidtz (em 1999). No casodisto. O que me incomoda é Tom Bertram – mas isso é do personagem de Sirque, em ambas versões, há um gosto pessoal – e também Thomas Bertram, penso queuma fuga da essência do livro. aprecio as duas actrizes que nenhum dos dois actoresEntão, para apreciar estes fizeram as irmãs Bertram. esteve à altura, para grandedois filmes eu tive de fazer Mas há alguns aspectos em decepção minha, já que é umum exercício de abstracção e que a versão de 2007 é personagem que eu aprecioesquecer um pouco o livro. superior à versão de 1999. No muito.Esquisito, não é? Só assim, eu que diz respeito a duasconsegui usufruir de ambos actuações: Blake Ritson (que 19
  • 20. «Fanny Price, quase invisível» Fanny Price Por Cátia PereiraA primeira uma realidade de imagem riqueza. Ela sai do que temos sombrio, sujo, de Fanny poeirento e é esta: barulhento seio uma familiar; para entrarpequena, assustada e no luminoso, limpo,frágil criança. Ela chega airoso e silenciosoa uma casa sumptuosa e mundo dese vê no meio de Mansfield Park.familiares que não Pelo menos, é assimconhece. Tudo é que imaginodemasiado grande e Mansfield Park:assustador. Parece que tudonão há nenhum lugar no harmoniosamentemundo onde possa se cuidado erefugiar. Através destas preparado.linhas, vemos o começoda história de Fanny. Ela Esta mudança deé enviada pela mãe, Mrs. vida é, sem dúvida,Price, para a casa dos tios em Fanny Price é filha de Mr. e marcante na vida de Fanny.Mansfield Park; sobretudo, Mrs. Price. Nasceu num lar Alguns demonstraramdevido a falta de condições de pobre e numeroso. Herdou o caridade, outros com algumsustentar todos os seus filhos. nome da mãe, que também desprezo e somente o primoMansfield Park representava chamava-se Fanny. A sua Edmund a recebeu debem-estar, dinheiro, posição mãe não fez um casamento coração aberto. É ele quemsocial e modos refinados. proveitoso: o marido não lhe dá carinho, amizade eAcredito que estes eram tinha posses e revelou-se instrução. Durante a sua vidaconceitos um tanto ao quanto possuidor de muitos vícios; o na casa dos tios, mantémausentes para Fanny. Para que, como se verificou, contacto por escrito com oela, naquele momento as vaticinou-lhe uma vida de irmão William.saudades de casa e da família canseira e dificuldades.ultrapassavam todos osbenefícios que poderia vir Com 10 anos, Fanny Pricea usufruir. vai morar com seus tios em - a heroína invisível - Mansfield Park. Isto aconteceu em resultado de Fanny Price não tem nada um pedido de ajuda feito pela que a transforme numaAfinal, quem é Fanny Price? sua mãe. De repente, Fanny heroína. Não é possuidora de vê-se transportada de uma uma beleza marcante, não é realidade de pobreza para rica, não é espirituosa, não é 20
  • 21. divertida, não é ousada, não é que possui. Ela mostra, com alcança o final feliz com oelegante, não é sociável, não as suas atitudes que a Príncipe que escolhe. Elatem um nome sonante, não superioridade revela-se conquista o final que queria.tem talento para as artes, não através de um carácter firme Mas, a meu ver, esta é umatem sequer um humor e de virtudes vincadas. recompensa com sabor aapurado. Entendam, Fanny não se vê prémio de consolação. Ganha assim. Aliás, pelo contrário, o Príncipe. Contudo,Fanny Price, quase invisível. ela tem uma baixa auto- questiono-me: Não teria sido estima. Aceita o facto de ser melhor optar pelo Lobo Mau?O seu nome só é lembrado tratada com poucopara o cumprimento de consideração como normal etarefas. Neste sentido, Fanny merecida. Mas ela estavaPrice é insubstituível. destinada a justiça e a - em silêncio -Ninguém é tão prestável, tão recompensa pela sua maneiraútil, tão eficiente, tão correcta de ser. O seu coração pertencia aoaltruísta, tão desejada quanto seu primo Edmund eela. Fanny Price, a ninguém podia adivinhar quecumpridora de tarefas. Fanny este sentimento aPrice, a parente pobre, A nossa Fanny, heroína atormentava. O sofrimentofranzina e frágil. Fanny Price, invisível, é também uma dela, a meu ver, não residiasempre disponível para espécie de heroína distorcida. em não ser correspondida,cumprir qualquer missão que Definitivamente, não nasceu mas em ver aquele a quemlhe seja incumbida. Fanny para ser uma estrela. Ela é amava a dedicar amor a outraPrice, a ouvinte atenta que uma versão empobrecida de pessoa. Fanny sofria por vernunca é ouvida. Cinderela. Ela é uma Gata Edmund amar Mary. Fanny Borralheira Austeniana. Ela sofria porque MaryFanny Price, cuja voz passa por inúmeras representava tudo aquilo queprende-se às paredes de provações, chega ao fundo ela não era e nunca iria ser.Mansfield Park e não soam. do poço e Mas, sobretudo, Fanny sofria porque desde que o primo conheceu Mary Crawford, ele- ―gata borralheira‖ deixou de serausteniana - quem sempre foi e passou a terFanny Price cresce a ser atitudes quetratada como a anteriormente eleprima/sobrinha pobre próprioque está sempre recriminava.disponível para atender Fanny, de alma eas ordens e caprichos de coraçãode todos. Quase que constantes, feria-seuma empregada de a cada capitulaçãoluxo. Mas Fanny de Edmund. Via-orevela-se ao longo da cada vez mais longehistória. Prova que a de si e mais perto degrandeza de uma Mary.pessoa não reside nariqueza ou no título 21
  • 22. « Eu acreditei em Henry. Tenho pena que nem Fanny nem Jane Austen tenham acreditado» Uma Quase Redenção Por Cátia Pereira coragem de inconstante e cônscio das assumir o seu suas falhas, Henry procurou sentimento por ser merecedor e mostrou que Mary Crawford poderia ser. Fanny foi nem antes nem impiedosa. A dada altura, depois do pareceu-me que ela quase escândalo. E, que acreditava, quase que se por ter de se deixava levar, quase que conformar de correspondia… Um pouco que não mais e talvez Henry poderia tê-la alcançasse o coração de lá se lembrou Fanny. A persistência das qualidades da abandonou-o pelo caminho.P prima e lá constatou de que ara quem leu ou até vinha a calhar pedi-la em E sobre o desenlace, todos viu algum filme casamento. Tenho de sabemos. sobre Mansfield confessar-vos de que não Park conhece o gosto deste final. Assumo que, nesta obra de final. Fanny não Jane Austen, o meu coração cede a Henry, Eu acreditei em Henry. foi capturado pelo ―canalha‖.este por sua vez enfraquece e Tenho pena que nem Fanny Prefiro Henry - um pecadorcai na tentação chamada nem Jane Austen tenham assumido, que se mostraMaria. A ―desgraça‖ abate-se acreditado. Penso que ele disponível para a redenção -sobre a família Bertram à reconheceu e identificou do que Edmund - umsombra do escândalo da todas as qualidades de Fanny: virtuoso superficial, queinfidelidade. Mas, no fim, ele olhava-a e via uma diante da provação cai comcomo em todas as histórias de mulher, uma grande mulher; demasiada facilidade e cujosJane Austen, tudo se resolve, enquanto o primo só sabia actos contradizem astudo se acalma e tudo se ver a prima que tinha palavras. Talvez amboscompõe. paciência para lhe ouvir. tenham sido reféns dos seus Henry lutou, persistiu, pediu- próprios sentimentos e Fanny acaba por casar com a em casamento, declarou-se, constataram que é o viver aEdmund. Mas, permitam-me procurava realmente ouvi-la, vida que comprova a validadeexpressar a minha opinião, entendê-la e, sobretudo, por das nossas convicções.que proposta tão sem sal, tão causa dela, procurou mudarsem propósito e tão com de atitudes. Ele procurou a Fanny ganha a pessoa comsabor a prémio de consolação. redenção. Ele falhou, é quem sempre sonhou. A meuA mim, sempre me pareceu verdade. A dada altura, ele ver, sai perdedora.que Edmund não teve desistiu. Mas para um espírito 22
  • 23. «Talvez seja dos heróis românticos mais "humanos" (porque é muito imperfeito) mas é um herói "apagado"» Edmund Bertram Por Marina NunesE dmund Bertram é o AMIGO profunda fraqueza em relação a Mary Crawford: de Fanny... Os heróis desta "Edmund não gostou da forma como Mary história são primos e acima de Crawford se referia ao seu tio. Aquela maneira tudo amigos do inicio ao fim desrespeitosa não se coadunava com o seu da obra. Edmund fez sempre carácter.". Esta é apenas uma das passagens em com que Fanny se sentisse que Mary mostra o que é na realidade mas ele bem. Sempre viu na prima sempre se deixou levar... pela beleza dela... Nouma pessoa digna do seu carinho e amizade e seguimento da passagemuma conselheira sensata a quem recorria anterior Jane Austenfrequentemente. Como Jane escreve: "Ficou portantoAusten descreve na calado, até que novosobra, quando sorrisos o fizeramchegou ao seio esquecer o caso."daquela família Edmund não é o Heróique não era a sua, que aprecio... Talvezcom Edmund "... seja dos heróissentia que tinha românticos maisum amigo e a "humanos" (porquebondade do primo é muito imperfeito)Edmund fazia com mas é um heróique ela se mostrasse "apagado". Mesmomais alegre." Mas quando defendeapesar de ele ser o seu Fanny ele não éfiel amigo e sempre a "violento", nãoter defendido, no sentido deEdmund teve o seu violência física, mas sim noperíodo de fraqueza... sentido de a defender com "unhas eprincipalmente quando dentes", lutando. O que ele dizia era sua opiniãose deixou "enfeitiçar" pela beleza de e a ninguém ele a impunha. Ele sempre esteveMary Crawford. do lado de Fanny, sempre criticou mas nunca enfrentou ninguém. No final ele rende-se aApesar de Mary não ser uma Mulher como ele Fanny mas mesmo essa rendição é "natural".merecia, ele "deixou-se levar" pela sua beleza e Não tem uma declaração de amor forte equis acreditar que ela era a Mulher da sua vida. decidida... apenas a certeza de que Fanny é AConsidero que Edmund teve momentos de Mulher para ele... 23
  • 24. « Imagino-o sempre como o "filho pródigo"» Tom Bertram, O Filho Herdeiro Por Clara FerreiraT om Bertram é a insistência em fazer uma extravagância, regressa depois o herdeiro, o peça de teatro em casa, uma a casa, arrependido, filho mais história repleta de adultério e abandonado por todos os que velho da maus costumes, falamos de julgou seus amigos, de volta família Lovers Vows. Tom Bertram aos braços do pai que o Bertram. Creio rebela-se contra o pai recebe e recolhe como se eleque é através dele que o não aquando da ida de ambos sempre lá estivesse estado. Aabordado tema da para Antigua, regressa e volta relação de Sir Thomas e Tomescravatura, ganha feição. Ele doente e abandonado pelos Bertram fazem-me sempresofre dos mesmo defeitos que companheiros, é Yates que o lembrar este exemplo, daías irmãs, mimado, teimoso, trás de volta a casa. Como já que eu tenha Sir Thomas emorgulhoso... no entanto, ele aqui escrevi, é este facto que tão alta conta, tambémtambém é um rebelde. o vai transformar. Pela sua porque Sir Thomas me faz doença, Tom aprende a lição lembrar muitas vezes o meuLeva uma vida boémia, de e ganha sensatez! pai e Tom Bertram, o meuluxo e de gastos exorbitantes, irmão.enquanto avançamos na obra Imagino-o sempre como oestamos quase sempre, frente "filho pródigo" que esbanjaa frente com a sua constante todo o dinheiro do pai, viveausência uma vida de luxo eenquantoexplora osprazeres davida.Esta suaconduta écondenável.Assim como 24
  • 25. «Gosto de acreditar que Tom teve o seu final feliz » ExplorandoTom Bertram Por Clara FerreiraNa Relação com o PaiT om Bertram irresponsabilidade e entendidos e nos mostram está longe de desprendimento. um Tom arrependido e um possuir o Sir Thomas amável. Como bom no romance esta parte da senso do história é dada a conhecer irmão ao leitor através de cartasmais novo. Enquanto escritas a Fanny, estamos,filho mais velho como ela, a imaginar toda abeneficiou sempre amargura da situação edessas prerrogativas e nunca a vivê-lautilizou-as para proveito verdadeiramente, naspróprio, na maior das adaptações isso nãoirresponsabilidades. acontece pois, tal comoTom Bertram é, acima de A relação com o pai está Fanny, somos transportadostudo, um irresponsável. longe de ser a ideal. para a acção. Enquanto leitores, sentimosNas adaptações surge um divergências entre ambos epouco como o "filho rebelde", uma certa desilusão por parteporém, não diria que essa de Sir Thomas que, apesar de Já aqui escrevi e volto acaracterística seja a mais tudo, nunca desiste do filho, repetir, na relação Tom/Sirenfatizada na obra. Na versão embora não o mostre Thomas, vem-me sempre àde 1999 há fortes discussões claramente. Mais uma vez, mente a história do filhocom Sir Thomas Bertram dou os parabéns às pródigo e por isso, nada maisque aumentam essa ideia. Já adaptações como a de 1999 posso fazer do que perdoar ano romance, vem mais ao de ou mesmo a de 2007 que Tom todas as "estroinices".cima, não a sua rebeldia, mas aproveitam a doença de Toma sua inconsciência, egoísmo, para sanar todos os mal 25
  • 26. Na Relação com Fanny por ambas as adaptações (...) O casamento era o seu porque, ao mesmo tempo que fim, desde que pudesse casar"de Tom não tinha Fanny de mostram a dedicação de bem. Vira uma vez o Sr.que se queixar, a não ser Fanny, mostram também a Bertram na cidade, e nãoquando se dava a brincadeiras gratidão de Tom para com a podia pôr-lhe objecções"que um rapaz de dezassete prima - e isso enternece-meanos julga admissíveis com "enormemente".uma rapariga de dez. Estavaagora a entrar na vida, cheio Não podemos afirmar que Lembramo-nos claramente,de espírito, com todas as Tom seja um grande amigo se não for pelo livro, peloprerrogativas de um filho de Fanny. No entanto, como menos pelas adaptações que,mais velho, que pensa que só já aqui quando os Crawford nos sãonasceu para gozar e gastar disse, apresentados, estádinheiro. A sua amabilidade acho "destinado" a que Henrypara a primita ressentia-se simpática fique com Julia Bertram edisso: dava-lhe bonitas a solução Mary com Tom Bertram.prendas, mas ria-se dela." dada Porém, a história confunde pelas todos os pressupostos eTom Bertram aparece poucas chegamos a um final quevezes todas conhecemos ou iremos conhecer! "Ela [Mary Crawford] confessava que os dois irmãos Bertrams eram rapazes muito simpáticos (...) Tinham boas maneiras, sobretudo o mais velho. Ele estivera já muitas adaptações em relação vezes em Londres, e era mais na à prévia indiferença de Tom vivo e galanteador queobra e ainda menos em para com Fanny. Acredito Edmund. (...) Realmente,diálogos com Fanny o que que ele se redimiu e soube Tom Bertram agradava-lhenão facilita a tarefa. Tom tem dar o devido valor à prima. muito. Era um daquelesmais sete anos que a prima. rapazes de que toda a gentePercebemos que não lhe dá gosta. Tinha maneiras finas,grande importância, mas sempre boa disposição, e eratambém não o podemos Na Relação com Mary muito conversador; tornava-julgar severamente. se mais simpático do que os outros com qualidades mais Ao contrário da obra, as recomendáveis; e a herançaadaptações de 1999 "Ainda a(especialmente) e a de 2007 raparigacolocam Fanny no centro da não tinhaacção aquando da doença de chegado eTom. Isto não sucede no já pensavaromance, onde Fanny num bomacompanha a doença do casamentoprimo por cartas enviadas para ela:para Portsmouth. Sou Tomfavorável a essa alteração feita Bertram. 26
  • 27. do Parque de Mansfield e o interesse seis semanas antes, e Todavia, sobe um degrau natítulo de barão não agora apenas lhe serviam para minha consideração porque,prejudicavam nada." , por comparação, marcar a ao contrário do irmão (tão sua preferência por Edmund íntegro e sensato) não se (...) A sua ausência tão deixa influenciar por uma prolongada de Mansfield, cara bonita - o único, ou peloNas adaptações da obra não é sem outro objectivo que não menos o mais importantedado grande enfoque à fosse o de divertir-se e fazer o atractivo em Mary, que levarelação entre Tom Bertram e que queria, mostrou-lhe que Edmund a apaixonar-se, porMary Crawford, passam ele não lhe ligava muito que ele procure,rapidamente para a dupla importância" incongruentemente, justificarMary/Edmund. Mas isso não a sua paixão por ela comse passa no livro. outros predicados e queInicialmente, Mary está Fanny sabe tãoconvicta de que irá gostar Não sei se Tom Bertram inteligentemente dilacerarmais de Tom Bertram, por alguma vez teve consciência embora nunca aponte umser este o indicado pela irmã - da intenção de Mary dedo ao primo.Mrs. Grant - e por ser ele o Crawford nas poucas cenasherdeiro. Os seus planos iniciais do livro em que essasaem frustrados, Tom porta está aberta. AcreditoBertram, embora agradável, que não. Ele parece Para concluir, gosto denão mostra interesse nela, demasiado desprendido, até acreditar que Tom teve o seuvive egoisticamente para seu da Paixão. É certo que Tom final feliz. Se algum diapróprio prazer e não passa não se escrevesse um livrodisso, de uma companhia baseado na obra desimpática e Jane Austen, seriaagradável certamente sobre Tomde quem, Bertram, é umao fim de personagem pelo qualcontas, tenho uma fortenão se empatia. Embora nodeve início tudo indiqueesperar uma versão maisnada. elaborada de John Willoughby, no final, regenera-se e acorda para a"e no fim de realidade.Agosto Chamem-mechegou ele romântica, maspróprio [Tom acredito queBertram], para Tom, naquelasse divertir, ser páginas em branco que Janegentil e galante apaixona por Mary Austen não escreveu,quando a (tão disposta a isso) por encontrou o amor da suaocasião o proporcionava ou necessitar tanto de viver para vida.Maria Crawford o exigia. seu bel-prazer e porque, talFalou das corridas de cavalos como Narciso, viveem Weymouth, das reuniões apaixonado por si mesmo.e dos amigos, coisas que elateria ouvido com algum 27
  • 28. «Sabemos que ele não era bonito mas que tinha boa aparência. Mostrou-se ser um conquistador e um “bon vivant”. » Henry Crawford Por Cátia PereiraE sta é a Crawford que vemos uma para dispor. Se quiser que caracterização descrição da sua Henry se case, tem que física curiosa personalidade: procurar uma francesa. Tudo sobre um o que a habilidade inglesa suposto galã poderia fazer já foi tentado.num livro. Henry Crawford Eu mesma tenho três amigas,é-nos indicado como alguém ―– Minha cara irmã – disse cada qual mais louca por ele;que, à primeira vista, é Mary – se você conseguir e os trabalhos por que elas,absolutamente persuadi-lo a tal coisa, será suas mães (por sinal muitodesinteressante e sem graça. para mim um grande prazer sabidas), minha queridaChama a atenção que seja encontrar uma aliada de mana e eu mesma temosdito que ―seus dentes eram tanto passado para fazê-lotão agradáveis‖ o que, reflectir sobre o assunto,desperta o e induzi-lo aopensamento de casamento, você nemque Henry seria imagina! É o maiorsorridente e um namorador que se podebom conversador. imaginar. Se asEu diria que o senhoritas não queremponto forte em sofrer uma decepção éHenry Crawford melhor que oseria o charme. Um evitem.‖homem que se revelano relacionamento ena própria linguagemcorporal. Alguém que Um conquistador,envolve com palavras e um namorador, umgestos. galanteador – eis como Henry Crawford é-nos apresentado. E- o sedutor - também é assim que eleHenry Crawford não era, demonstra serportanto, bonito. Tinha ao longo daboa aparência e sabia usar história.das palavras. É através da Encontro na raiz desta suavoz de sua irmã Mary valor e só sinto característica de conquistador que você não tenha pelo um factor que se torna menos meia dúzia de filhas evidente: a inconstância. 28
  • 29. Henry é dono do seu destino Conquistar a irmãs Bertram de galanterias que a levarame pensa ser dono de suas foi extremamente fácil. ter uma postura duvidosa.vontades. A verdade é outra: Bastaram três encontrosa sua vontade é facilmente sociais.modelada. Inconstante.Extremamente inconstante. ―Sim, e por isso mesmo maisEle vai com a sua irmã Mary a aprecio. Uma mulherCrawford até Mansfield Park ―Nunca Miss Crawford vira comprometida é sempre maisapenas com o intuito de a admiração igual à das Misses agradável do que outra queacompanhar e acaba por Bertram por Henry.‖ não o seja. Está contentemudar de ideias ao saber das consigo mesma. Não temirmãs Bertram. Elas não mais preocupações, sente querepresentam somente o pode exercer todos os seusdesafio da conquista – poderes de sedução semporque não causar suspeitas. Umachegam a ser senhorarealmente comprometidaum desafio está fora dejá que perigo;caem nenhum setão lhe pode fazer.‖ Henry assemelha-facilmente se a umna sua rede – canalha., representam Alguém quesobretudo um não se preocupadivertimento. A com os sentimentosconquista é um dos outros e com osdivertimento e o estragos que poderia estar adivertimento o impede de O que poderia até ter gerado fazer na vida de duas jovens.sentir-se entediado. O prazer um certo desinteresse em Quantos mais estragos poderáe o divertimento serial o Henry de tão fácil que foi a ter feito antes de chegar aantídoto contra o tédio. Disto dupla conquista. O Mansfield Park? Quantastudo deriva a sua inclinação divertimento residiu no facto jovens terá atingido com apara a inconstância. de ter gerado entre as irmãs sua fala mansa e jogos de Maria e Júlia uma disputa e sedução? uma dualidade. Quem seria a primeira a conseguir―Infelizmente Henry conquistar as atenções deCrawford tinha verdadeiro Henry. Quem Henry - cegueira -horror por qualquer ideia de escolheria? Henry deliciava-residência permanente ou se e divertia-se com estaprescrição de sociedade‖ disputa. Ao mesmo tempo, era aliciante enredar Maria – Sabemos que ele não era uma jovem noiva e bonito mas que tinha boa comprometida – numa série aparência. Mostrou-se ser um conquistador e um ―bon 29
  • 30. vivant‖. Um namorador. Afinal quem Fanny PriceAlguém que se divertia a julgava que era paraexercer a arte da sedução e ―Eu mesmo ainda não sei menosprezar Henrymanipular os sentimentos. bem o que vou fazer de Miss Crawford?Todas estas características Fanny. Não a compreendo.chegam aos nossos olhos Não poderia dizer o que ela Fanny Price é o nome queatravés de palavras, acções e pretendia ontem à noite. Que lhe trespassa os lábios comodescrições. temperamento tem ela? Será uma entrada directa para solene? Será esquisita? Será uma outra dimensão. Para afectada? Por que teria se um andar acima, um passo retraído e olhado para mim no desconhecido. HenryHenry, pobre Henry… ele com um ar tão sério? Mal Crawford passou a ver tãoainda não sabia. Ele ainda pude arrancar-lhe algumas distintamente e tãonão sabia que o seu caminho palavras. Nunca estive tanto claramente que chegava a serhavia de chegar a um ponto tempo em companhia de ofuscado. Nasceu-lhe umde paragem, a um momento uma jovem, procurando sentimento para o qual nãode tomada de consciência. entretê-la, que fosse tão mal estava preparado e nemEle não sabia que a sua vida sucedido! Nunca encontrei sequer sabia encontrar-lhedespreocupada e vazia havia alguém que me olhasse com definição. Se o ponto dede lhe pesar bem mais do tanta severidade! Preciso tirar partida foi a concretização depoderia imaginar. Nada o o melhor partido disto. O um capricho e o sanar de umimpressionava e nada o olhar dela me diz: ―Não hei- orgulho ferido, agora Fannyprendia. de gostar de si e estou tomou-lhe totalmente os decidida a não gostar‖; e eu pensamentos e o coração.Ele era cego e não sabia. digo que ela gostará.‖ ―Era um quadro que Henry- ele era cego mas passou Henry não podia acreditar Crawford não poderia deixara ver – que Fanny não lhe caísse nas de apreciar. Os atractivos de graças quando as suas duas Fanny aumentavam — primas – Maria e Julia – aumentavam duplamente; perderam-se de amor por ele. pois a sensibilidade queEla sempre esteve ali ao Ele não podia conceber que embelezava a sua pele ealcance de sua vista mas isso fosse possível e afirmou iluminava o seu rosto já eranunca lhe havia dado a para si próprio que havia de em si um atractivo. Ele já nãodevida atenção. Fanny, a conquistar Fanny. Havia de tinha dúvidas sobre asdiscreta Fanny. A parente empenhar toda a sua arte de capacidades do coração dela.pobre. A jovem tímida e lisonja e de sedução para Ela tinha sentimento,silenciosa. A única mulher cumprir a missão de juntar genuíno sentimento. Seriaque se atreveu a não lhe Fanny Price à sua lista de alguma coisa ser amado porconceder a atenção que ele conquistas. uma criatura, despertar osjulgava ser merecedor. A primeiros ardores daquelaúnica que demonstrou não jovem e pura consciência!encontrar o menor interesse Estava mais interessado porna sua pessoa. ela do que havia previsto.‖ 30
  • 31. « Mrs Norris, é um vulcão que transborda problemas» Lady Bertram e Mrs. Norris – As Irmãs Por Paula FreireÉ um facto Jane Austen escreve que provado não "Lady Bertram, a irmã haver no do meio, Maria Ward, mundo tantos de Huntingdon, em homens ricos solteira, tinha apenas como sete mil libras de mulheres rendimento. A bonitas que os sorte, porém,mereçam." favoreceu-a, pois os seus encantosJane Austen in "O Parque de seduziram SirMansfield" Tomás Bertram, do Parque de Mansfield, no condado deLady Bertram, Mrs Norris e Northampton. EMrs Price são três irmãs que Maria Ward foi assimopondo-se umas às outras elevada à categoria desão, em elevado grau, esposa de um barão,também muito semelhantes passando a gozar de umentre si. Mrs Norris e Mrs conforto e a consideração que aquandoPrice, a mais velha e a mais concedem os bons da ausência de Sir Tomásnova, respectivamente, rendimentos de uma casa Bertram.conjugam, no início da rica." Descreve-a ainda comonarrativa, na frontalidade que sendo "senhora de génio Por outro lado, existe acaracteriza as suas pacífico, temperamento dependência crónica e agudapersonalidades explosivas. Já conciliador e indolente". de Lady Bertram em relaçãoLady Bertram, a do meio, se à sobrinha Fanny Price. Nãoparece mais com Mrs Price Ao longo da narrativa passa sem os seus préstimosna indolência, desorganização deparamo-nos com uma um instante que seja, usando-e negligência no que aos personagem que em vez de a quase como escrava deassuntos domésticos diz assumir um papel de serviço a tempo inteiro.respeito. Esta é, contudo, destaque em sua casa, o Depois de Fanny será Susanuma percepção que temos já Parque de Mansfield, se a servi-la confirmando o seuquase no final da narrativa apaga a favor da irmã, Mrs egoísmo e a sua insegurança.uma vez que inicialmente Norris, que tudo controla.Mrs Price é caracterizada Tal aspecto é evidenciado No despoletar das crises quecom atrás foi dito. assolam o Parque de 31
  • 32. Mansfield, Lady Bertram Já Mrs Norris, é um vulcão inconsciente, indiferente apraticamente desaparece. que transborda problemas. tudo quanto se passava. JáPoder-se-ia pensar, à medida Mulher de Mr. Norris, seu não se importava de ficarque a estória evolui, e segundo marido em virtude sozinha com a irmã e oadivinhando todas as do falecimento do primeiro, sobrinho, a cuidar da casa.situações, que a mulher de um reverendo de pouca Sentia-se incapaz de dirigir eSir Tomás Bertram se iria fortuna conhecido de seu de dar ordens, ou até mesmorevelar como sendo uma cunhado. Talvez porque não de se imaginar útil. Quandopessoa forte capaz de apoiar o tivesse as mesmas condições estava realmente aflita, a suamarido e os filhos. Mas o que a irmã que a sucedia, esta actividade entorpecia-se, econtrário sucede como que era mais metódica na nem Lady Bertram nemmartelando majestosamente a governação da casa, não Tom tinham recebido dela osua personalidade sendo perdulária, a ponto de menor auxílio." Mas a suainicialmente apresentada de avançar sempre com mudança é passageira, já queforma a vincá-la ainda com sugestões que depois de a sua crueldade se voltamais precisão. Se Sir Tomás aceites deixava ao encargo de imediatamente a manifestarBertram se encantou com a seu cunhado. Tudo o que aquando do retorno de Fannysua beleza, mais tarde ter-se-á incluísse despesas e ao Parque de Mansfield.arrependido por ter escolhido aborrecimentos ou Escreve a autora que "Mrsuma mulher tão submissa e preocupações era dirigido Norris em vez de se sentirapagada. Esta ao invés de ser com veleidade para o barão consolada com a chegadaum sopro de ar fresco e uma do Parque de Mansfield. deles (Edmundo, Fanny emuralha de apoio na vido do Susana), ficou ainda maismarido é apenas mais um Por outro lado, era fútil e oca irritada ao ver a pessoa que,peso e mais uma na avaliação dos demais, na cegueira da sua ira, elapreocupação. É sem dúvida chegando a ser cruel pelo considerava como umalguma a personagem menos pequeno prazer que tal lhe demónio": Fanny Price.interessante de toda a concedia, principalmente "Susana era também umanarrativa. com Fanny Price. Adulava as afronta. Apenas lhe lançou outras sobrinhas, alguns olhares repulsivos, e principalmente Mary, a sua viu logo nela uma espia, uma favorita, a ponto de as intrusa, uma sobrinha estragar com ideias tolas e indiferente, e muitas outras ocas que mais tarde se coisas odiosas." reflectem nos seus comportamentos e na Em suma, a passividade forma desastrosa excessiva de Lady Bertram como guiarão as suas contribuiu e reforçou a má vidas. Não obstante, influência de Mrs Norris, cuja Mrs Norris fica ao personalidade não se lado de Mary, caracterizava pela tomando então amabilidade, civilidade, consciência dos seus empatia, justiça e actos e da sua responsabilidade. Tivesse influência sobre a Lady Bertram assumido o sobrinha. seu papel e muitas desgraças cairiam longe do Parque de "Estava completamente Mansfield. mudada: sossegada, 32
  • 33. «Faz-me lembrar assim como a sua irmã, as irmãs da gata borralheira.» Maria Bertram Por Liliana IsabelM aria Bertram é uma das personagen s de Jane Austen quemenos gosto. Se o seu maridoRushworth é uma pessoa emqualquer conteúdo, Maria éuma pessoa com conteúdo amais... Fútil e interesseira.Faz-me lembrar assim comoa sua irmã, as irmãs da gataborralheira. Trata mal Fannyporque sempre se sentiusuperior a essa. No entanto ecomo é possível avaliarmosFanny não é em nenhumaspecto inferior a Maria,muito pelo contrário. Maria éuma mulher bela que achaque consegue tudo apenaspelos poderes do seu belo"palmo de cara". O que fez aMr Rusworth é imperdoávelmas no fim ela teve o quemerece. Divorciada, elaespera pelo pedido de Maria estariacasamento que sempre quis verdadeiramente condenada.ouvir de Mr Crawford. Esse Eu penso no entanto que esta mesmo. Ela fazia-se passarnunca veio. No final e apesar personagem, tal como outros extremamente bem, porda vergonha pelo qual membros da família Bertram alguém que não era. MesmoRusworth passou, compensa são muito apagados e a dentro da sua própria família,saber que a menina Maria reacção do pai da Maria ela era uma actriz, umanão acabou nada bem. Se não quando soube o que a sua personagem.fosse a compaixão da sua tia, filha fez faz-nos pensar isso 33
  • 34. «Jane Austen não é tão severa com ela como é com a irmã Maria, embora ambas sigam caminhos semelhantes, no entanto, à última da hora, Jane Austen está disposta a resgatar Julia» Julia Bertram Por Clara FerreiraJ ulia Bertram é a segunda filha e a mais nova das quatro crianças Bertram. Julia tem melhor temperamento que a irmã, o seu carácter é maiscontrolável e não tem tantofalso orgulho como a irmã.Jane Austen não é tão severacom ela como é com a irmãMaria, embora ambas sigam Jane Austen está disposta a presença que têm é a de umacaminhos semelhantes, no resgatar Julia, depois da sua tia (Mrs. Norris) que, naentanto, à última da hora, louca escapadela com Mr. minha opinião, as influencia Yates (o que não faz com negativamente, atribuindo- Maria, que vai viver retirada lhes uma importância com a sua tia Norris, uma exagerada e condenação insuportável, desproporcionada. O pai, Sir diria eu!). Thomas, é um homem íntegro, uma personagem que Tom, Maria, Edmund e respeito muito e que Julia, sofreram da grande desculpo pela negligência ausência do seu pai e da com que tratou a educação presença indiferente da das filhas, acima de tudo, pelo mãe. Em relação a Maria não acompanhamento e total e Julia, elas não têm desconhecimento de "quem nenhum modelo, são, realmente, as suas filhas", nenhum exemplo de ele depositou toda essa tarefa valores e princípios nas mãos da instrução formal. vindos de uma figura Maria e Julia tiveram feminina - a mãe é professores - no início de O indiferente à sua Parque de Mansfield, elas educação, a única gabam-se e gozam com a 34
  • 35. prima Fanny por ela não uma favorável diferença de Crawford, ela teve o méritosaber localizar determinado disposição e circunstâncias; de se afastar dele (...) Por essapaís no mapa, pois nunca teve porém era também devido a razão fora para casa dosGeografia - mas faltou-lhes ter sido menos querida da tia, primos. O entendimento comalgo essencial: uma base de menos adulada e menos Mr. Yates não tivera nada emprincípios, valore, no fundo, estragada. Sua beleza e comum com isso; ela vinha,uma educação moral e de prendas só lhe tinham valido há já algum tempo, a receberconsciência. um segundo lugar. Ela atenções vindas dele, porém, própria já se acostumara a com pouca ideia de o aceitar,Julia vive na sombra da irmã, considerar-se um pouco a conduta da irmã precipitaraigualmente mimada, tem inferior a Maria. Entre as os factos e o seu crescentevárias alturas de amuos e duas, o seu temperamento era terror pelo pai e pelo regressobirras - lembro-me da cena naturalmente melhor; seus a casa, em tais circunstâncias,do Lovers Vows onde ela não sentimentos embora vivazes, fê-la imaginar que asconsegue o papel desejado e eram mais controláveis e a imediatas consequências dopor isso desiste. Maria e Julia educação que recebera não acontecido seriam umestão, durante um período do lhe dera uma tão alta ideia de aumento da severidade e dasenredo, em permanente si mesma. restrições; por isso, procuroudisputa, tudo por causa de de qualquer modo e aMr. Crawford. Julia acaba por Recebera muito melhor o qualquer risco evitar taisdesistir - talvez por isso Jane desapontamento que lhe terrores que a ameaçavam; seAusten não seja tão dura com causara Henry Crawford. não fosse isso, provavelmenteela e lhe dê uma segunda Depois da primeira amargura Mr, Yates nunca teria obtidooportunidade no fim do e ao convencer-se de que fora nada. Ela não fugira senãoromance. Porque é que tratada levianamente, alarmada pelo próprioAusten não penaliza tão conseguira pensar noutras egoísmo: a fuga parecera-lhegravemente Julia? coisas e esquecê-lo; e quando a única solução. O crime de o convívio se reatou e a casa Maria provocara a loucura de―O facto de Julia ter tido de Mr. Rushworth passou a Julia.‖melhor sorte que Maria, era ser frequentadadevido, em grande parte, a constantemente por 35
  • 36. «É uma personagem socialmente embaraçosa» Mr. Rushworth Por Liliana IsabelU m homem com Mr com aquilo Collins de que se pode Orgulho e definir como Preconceito. tendo uma Rushworth é extrema falta um homemde personalidade. Um que não temhomem que se deixa usar e é nada queuma peça de peão num jogo. chame aDeixa que o usem e que atenção paraabusem dos seus sentimentos. além da suaMaria Bertram casa com ele riqueza, é umapenas e somente pela sua homem semfortuna. Para mim é uma conteúdo e sem charme e nada comunica, apenaspersonagem que se pode inteligência. No entanto a sua porque não sabe como. Éconsideram idiota, talvez a estupidez e idiotices é motivo uma personagem socialmenteespécie de idiota de alguns momentos bastante embaraçosa. Isso aplica-secomparado engraçados. Por vezes principalmente na parte em também é bom rirmo-nos que ele desconfia do que se com a parvoíce alheia e com passa entre Maria e Henry Rushworth esses momentos mas não sabe como reagir e estão à partida garantidos. muito menos agir, passando Jane Austen mostra-nos com assim para um casamento esta personagem que nem infeliz e sem futuro. Sendo sempre o dinheiro é uma personagem tão sem sinónimo de inteligência e conteúdo e que não vai mais sentido de oportunidade para além de tudo o que falei, no que diz respeito ao torna-se difícil falar sobre ela seu papel social. e sobre a tua potencial Dinheiro vs Educação. importância na obra Uma batalha constante em Mr Rushworth. Rushworth torna-se então uma personagem que pouco ou 36
  • 37. « Mary age como uma autêntica agiota » Do Parque de Mansfield Para Sensibilidade e Bom Senso Por Fátima Velez de Castro U m dos temas que mais me chamou a relacional, em prol da manutenção das aparências maritais (e da fortuna!), que se conhece de facto o carácter desta jovem. Edmund fica devastado, tal como Marianne, de ―Sensibilidade e Bom Senso‖, onde esta história se repete. Também Willoughby troca o amor e atenção nesta a felicidade pela fortuna e se obra foi a história de amor e fortunade Edmund Bertram e Mary Crawford. Umcasal jovem que despertou interesse mútuo emambas as partes, com um evidente entusiasmopela outra pessoa. Porém, nesta história de amorhá uma contingência: a fortuna. Mary age comouma autêntica agiota, desprezando a profissãode Edmund – clérigo – não tanto por umaquestão religiosa, mas antes pelo ―desprestígio‖de status perante a mais alta sociedade e,sobretudo, e pelos (relativos) parcos desgraça.rendimentos anuais. Num paralelo entre Willoughby e MaryPodemos pensar que se tratam das reflexões de Crawford, perguntamos: será que eles realmenteuma tola e inexperiente rapariga. Mas será que, amaram, ou se amam só e apenas a si próprios?pelo facto de ter assistido à trágica história deMary Bertram, só por si não devia ter aprendido Marianne responde, citando o poeta ―Amor nãoque a busca de fortuna sem amor é o caminho é amor se esmorece perante a distância, se vergapara a infelicidade? É numa das cenas finais, em perante a tempestade…‖que ela assume que aprovaria uma traição 37
  • 38. Q uerida Jane, críticas negativas estão as maioritariamente, para si e, as venho hoje críticas positivas. poucas que partilha, fá-lo escrever-lhe E eu pertenço ao apenas com o seu primo uma carta grupo destas últimas. Edmund, por quem está com o intuito apaixonada desde criança. de lhe tentar Ainda que esta não Mesmo assim, Fanny explicar, de seja a sua melhor obra, Price é uma observadoraforma sucinta e clara, porque querida Jane, e se bem que altamente astuta,razão existem tantas conseguindo descobrir oopiniões contraditórias carácter daqueles que aem relação a uma das rodeiam antes desuas obras, Mansfield qualquer outroPark. conseguir sequer perceber o significado Fanny, a de algumas acçõespersonagem principal é, levadas a cabo pelosmuito provavelmente, mesmos.uma das suas E se, para nós,personagens mais cara Jane, não nos passapeculiares (senão a mais pela cabeça ver tantaspeculiar de todas, atrocidades e ficarmosatrevo-me a dizer): caladas, Fanny prefereextremamente calada e tentar dissuadir ostímida, Fanny Price outros de agirem denão diz muito aquilo forma errada ou,que pensa. maioritariamente, não se O próprio facto liga em demasia a essasde lhe pedirem uma mesmas pessoas - Fannyopinião deixa-a nervosa Price sabe que não deveo suficiente para ficar esperar muito delas.doente. E esta é uma das Fanny não é em nada Mas isto, que para nósrazões pela qual uma grande semelhante a Lizzie de é insuficiente, acaba por separte das pessoas não gosta de Orgulho e Preconceito revelar numa mais valia paraMansfield Park: Fanny Price (certamente uma das minhas F. Price, que, no desfecho, éé, para os nossos dias, personagens favoritas de enfim, compreendida e cujoaborrecida. todos os tempos), não deixa valor lhe é, merecidamente, de ser uma personagem atribuído. No entanto, a verdade extremamente interessante:é que mesmo ao lado de guarda as suas ideias, 38
  • 39. horas e fazer conseguíssemos julgar com que nos melhor as pessoas e as nossas apaixonemos acções - acredite, há muitas por ela; a nossa acções do século XXI que são personagem a personificação do vício. precisa de Além disso, F. Price é, tempo para nos também, um modelo mostrar que a exemplar da idealização de sua moral é perfeição do seu tempo. A infalível e bem dizer, a única coisa que indiscutível; lhe falta (para além de uma também os suposta falta de beleza que, vícios que afinal, existe, apenas de arruínam a maneira mais simples) é um personalidade qualquer talento socialmente de muitas reconhecido e admirado, outras como a música ou a pintura. personagens E ainda que a nossa Fanny precisam de ser não se interesse por isso, não analisadas deixa de edificar o seu minuciosament conhecimento através da e: por vezes, em leitura, sendo a capacidade de certas situações, julgar os outros a sua conduta correctamente, sem dúvida não parece alguma, o seu melhor talento, gravosa, mas a a par da imutabilidade da sua E, devo acrescentar, verdade é que acabamos por (rigorosa) moral.minha cara Jane, que Fanny nos enganar.não é uma personagem pela E, por isso mesmo,qual nos devemos apaixonar Mas Fanny tem uma minha cara Jane, Fannyautomaticamente. Na natureza bastante humilde e Price não será umaverdade, só através de uma uma auto-estima diminuta personagem para todos osleitura cuidada e atenciosa é em igual tamanho. Parece gostos, mas aqueles queque conseguiremos impossível que alguém goste gostam dela são, certamente,compreender e gostar de de alguém assim sem que seja pessoas enriquecidas eFanny. minimamente semelhante. inspiradas a agir melhor. Atrevo-me a dizer que Mas não é.essa é, precisamente, a razão Sabe, Jane, é que Com os maioresprincipal pela qual as muitos de nós precisaríamos cumprimentos e até àadaptações para filme que vi um pouco mais de próxima carta,até hoje desta obra não são comedimento que nem amuito boas: é difícil passar a nossa querida Fanny. Issoessência da Fanny para um seria essencial para quefilme em menos de duas 39
  • 40. E ste artigo resultaria extenso se tentasse abarcar todos os lugares reais e fictíciosque fazem parte da vida e daobra de Jane Austen. Trata-sede uma matéria interessantepara ser analisada com maiscuidado. Assim, a análise Sussex, Kent queincidirá a apenas sobre os podemos facilmentelocais reais mais importantes encontrar no mapa de lo de formada vida de Jane e os Inglaterra. Já os lugares directa, outras de formaprincipais contidos na sua específicos de cada obra são, súbtil.obra. na sua grande maioria, inventados ou Bath é mencionado várias apenas vezes na sua obra. inspirados Encontramo-lo em "Emma" nalgum lugar e em "Persuasão". No que tivesse primeiro, o seu desagrado é conhecido. manifestamente mostrado através da sua heroína, Podemos Emma, que quando Mrs dividir os Elton lhe sugere que leve seu lugares reais pai para Bath, aquela em dois argumenta que já lá grupos: os estiveram e que o pai não se 1 - IgIgreja de Steventon que Jane tinha dado bem e que, para gostava e os além disso, eram pessoasJane Austen nasceu em que ela não gostava. Entre os muito caseiras. Já emSteventon, no condado de primeiros encontramos o "Persuasão" encontramos aHampshire, em 1775. Anos Sussex, Hampshire, resistência de Anne emmais tarde, por força de Derbyshire. Entre os outros querer ir para Bath,obrigações de seu pai, encontram-se Bath, preferindo ficar no campo. Émudou-se para Bath, lugar Porthsmouth, Lyme e nesta estância que Anneque detestava e que teve Londres.grande impacto na suaprodução literária na medida É muitoem que esta esteve interessantepraticamente parada no discorrer sobreperíodo que lá esteve. Mas é a sua obra eHampshire que passará os verificar queúltimos anos da sua vida e Jane transpõeonde viria a falecer em 1817. para ela o seu desagrado pelosDa sua obra fazem parte lugareslugares como Bath, indicados.Porthsmouth, Lyme, Gretna Umas vezes fá-Green, Londres, 2 - Bath 40
  • 41. reencontrará a sua amiga de de Wiloughbyescola, Mrs Smith e que dando início a umadescobrirá toda verdade espiral deacerca de seu primo. É sofrimento quetambém aqui que Anne quase lhe causa a morte. Já em "O Parque de Mansfield", Londres 4 - Lyme aparace como palco para a tem início, sendo que cena da fuga de Derbyshire será a nova casa Mary com Henry. da família Dashwood, onde Nesta obra, encontrarão novamente a Porthsmouth é harmonia e a felicidade. descrito como um Highbury, é a região onde lugar sujo, que fica Hartfield, a propriedade 3 - Porthsmouth cheira mal e em que o de Emma. São zonas rurais, sol não brilha, o que ligadas ao campo e àpresencia toda a disparatada mostra a grande aversão de natureza, mais do agrado deposição da sua família. Jane pelos lugares citadinos. Jane Austen. Derbyshire, faz parte de Pode concluir-se que o "Orgulho e Preconceito", realismo que caracteriza aLyme, é também visto como onde ficará a residência de obra de Jane Austen é tãoum lugar pouco aptecível e Darcy, Pemberley. É marcante ao ponto de estasimpático. É em Lyme que o apresentado como um lugar transpor para o papel, atravésacidente de Louisa acontece. cheio de maravilhas naturais das suas heroínas, o seu gostoJane parace conferir a estes e é aqui que a opinião de pessoal pelo campo emlugares uma natural antipatia Lizzie sobre Darcy sofre uma detrimento das cidades oudireccionando para estes os grande viragem. O Sussex é o dos locais mais urbanizados.acontecimentos trágicos ou condado em que a acção de O campo é o espelho da almanegativamente marcantes da "Sensibilidade e Bom Senso" de Jane Austen.sua história. Veja-se Londres.Esta cidade é mencionada emvários livros de Jane. Em"Orgulho e Preconceito", éem Londres que Lydia eWickham se escondem, o queconfere ao lugar uma ideia deantro de mauscomportamentos. Em"Sensibilidade e Bom Senso",é em Londres que Mariannetoma conhecimento doverdadeiro caracter e posição 41 5 - Londres
  • 42. SABIAS QUE...J.K. Rowling, autora do fabuloso mundo de Harry Potter, fez umaespécie de homenagem a Miss Austen nos seus livros - falo da gata deMr. Filch: ―Mrs. Norris‖ que patrulha os corredores do Castelo deHogwarts em busca de algum aluno fora da cama... tal como a tiaMrs. Norris em Mansfield Park, sempre em cima da nossa FannyPrice, mal a deixando respirar. 42
  • 43. Quem desejar ver o seu texto publicado na Revista Jane Austen Portugal, basta enviar um email para janeaustenpt@sapo.pt com o artigo até dia 30 de Maio de 2011 – mais informações em www.wix.com/janeaustenpt/janeaustenportugal O tema da próxima edição é: Sensibilidade e Bom SensoColaboradores nesta Edição:Adriana ZardiniCatarina R.P.Cátia PereiraClara FerreiraFátima Velez de CastroLaura SilvaLiliana IsabelMarina NunesPaula FreireVera Santos 43 Conteúdo original © Jane Austen Portugal

×