Galã 200 anos depois

  • 395 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
395
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
3
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. L.
  • 2. 12 I O GLOBO I ela III1OiM;.·;!;t;"iLaurence Olivier. na lijll.i~ni;im. amisa molhada cprodução de 1940. e Matthew McFayden. um para viver o personagem emgalã de estatura (1,91m). em filme de 2005 série da BBC. de 1995
  • 3. N o RENATA lZAAL renata.izaal@oglobo.com.br muito, mas muito vulgar. - Apesar de serpreconceituoso no início do romance, Darcy sempre foi uando Rita Hayworth surgiu muito educado. Mesmo não sendo nas telas de cinema; em 1946, bonito, ele se tornou um galã pelos vestindo um tomara que caia modos e pelo recato. Mr. Darcy era preto e cantando "Put the bla- um gentleman, e isso é raro hoje. Tal- me on Mame" enquanto sen- vez exista alguém parecido com ele,• sua mente tirava as luvas, o mundo mas eu não conheço - diz o editor aprendeu que "nunca houve uma mu- Marcos Maynart, que já trouxe ao lher como Gilda:Colin Firth não precí- Brasil um galã quase à moda antiga, o d sou cantar na adaptação de "Orgulho e cantor Julio Iglesias. b preconceito; feita pela BBC em 1995. O livro de Jane Austen foi bem rece- p Um mergulho no lago e a camisa bran- bido de imediato na Inglaterra. No f ca molhada foram suficientes para en- mesmo ano da publicação, ganhou "( tendermos que, bem, nunca houve um versão para o francês, começando en- F homem como Mr. Darcy. Ao contrário tão uma trajetória internacional que p de Gilda, obrigada a disputar terreno resultou na venda, até hoje, de 20 mi- o• com outras estrelas deslumbrantes lhões de cópias ao redor do mundo. ( (que tal "a garota" de Marilyn Monroe "Orgulho e preconceito" virou peça n em "O pecado mora ao lado"?), Mr. de teatro, musical no West End lon- 1 gDarcy segue arrasando corações, com drino, série de TV;filme de Hollywo- TI §;ua popularidade até aumentando. E od e ganhou até uma versão em• ~lha que ele já tem 200 anos. Bollywood ("Bride and prejudíce" b " Fitzwilliam Darcy nasceu herói do uma brincadeira com o título em in- a romance "Orgulho e preconceito; de glês "Pride and prejudice"). A célebre 11 1813, o segundo publicado pela íngle- . adaptação da BBCfoi o ponto alto da ti sa Iane Austen. Charmoso e muito ri- carreira de Mr. Darcy, que, além de C• co, ele é inicialmente rejeitado pela Colin Firth, já foi interpretado por II mocinha Blízabeth Bennet, que o crê Laurence Olivier (1940) e Matthew tI arrogante e esnobe. Isso até descobrir McFayden (2005). que Mr. Darcy é generoso, corajoso e O sucesso da série de TV fez a im-• muito apaixonado. Perto dele, o safa- prensa britânica classificar o mornen- E dinho Chrístían Grey, de "Cínquenta to de "darcymanía" Colin Firth virou tons de cinza; é um homem absoluta- superstar, e Mr. Darcy virou referência mente desinteressante. Além de ser pop. Nos últimos 20 anos, uma série e• s n o -e/---- 1 E 1 d TI Editora: Ana Cristina Reis (ana.reis@oglobo.com.br) II Editora assistente: Renata Izaal (renata.izaal@oglobo.com.br) p Coordenadora de moda: Melina Dalboni (melina.dalboni@oglobo.com.br) a Diagramação: Leonardo Drummond e Maraca li Telefone/Redação: 2534-5000 Publicidade: 2534-4310 I E-Mail: publicidade@oglobo.com.br p .Correspondência: RtlaIrineu Marinho5 - 2 andar.CEP: 3 20233-900 b ·1 ANA CRlSTINA REIS VOLTA A ESCREVER A CRÔNICA NO DIA 16 a.:j: WA ~
  • 4. mmado JaneAusten Centre. reproduz parte dadeclaraeão . de amor de Mr.Darcv para Elizabeth Bennet lij;M1~1;rj criada também pelo Jane Austen Centre: "Eusou Mr.Darcy" de produtos fez crescer o valor do galã sentir especial. Se no início do roman- uma relação é construída verbalmen- bicentenário como ícone da cultura ce ele não quis dançar com Elizabeth te, mas Darcy e Elizabeth se perce- pop. Uma dezena de livros duvidosos porque a considerava "tolerável, mas bem desde o primeiro encontro. Um foi editada ("O diário de Mr. Darcy" e não bela o suficiente para me tentar; não consegue tirar os olhos do outro. "Os 50 tons de Mr. Darcy" são alguns). no decorrer da história Darcy admite É uma troca de olhares muito seduto- Frases do personagem foram estam- ter mudado de visão, pede desculpas e ra, não é preciso dizer nada. Para padas em camisetas e louças - a mai- tenta corrigir seus erros. Em segredo, Freud, o estranho tem sempre algo de orla das peças à venda no Iane Austen ele ajuda a família da heroína. E por familiar. Apesar das diferenças inici-.Centre, em Bath - em todos os conti- fim deixa de lado os próprios precon- ais, os dois percebem que têm algo nentes. Durante as Olimpíadas de ceitos e os da sociedade para ficar com em comum, que mais tarde se revela. Londres, no ano passado, a onda de ela. A antropóloga Mirian Goldenberg reinterpretações da famosa campanha diz que ser considerada única vira a "Keep calm and carry on" usada pelos cabeça de qualquer mulher. BONITO, RICO E HONRADO britânicos na Segunda Guerra Mundi- - O Mr. Darcy faz de tudo para que al, viu nascer um "Keep calm and find a Elizabeth acredite nele, mas sem se Mr. Darcy. não resiste aos olhos e à Mr. Darcy" Pode acreditar, muita gente exibir. As mulheres que eu pesquiso "vivacidade do espírito" de Elizabeth, trocaria o brilhantismo político de dizem que desejam essa generosida- como ele mesmo afirma no final do Churchill por um refúgio em Pember- de. Mesmo as bem-sucedidas que- romance. E ela não consegue evitar ley, a propriedade de Mr. Darcy no in- rem um ato simbólico, uma demons- amar o homem que tanto se esforçou terior da Inglaterra. tração do quanto são especiais para para vê-Ia feliz. Marcella Virzi, desig- aquele homem. Elizabeth não é a ner da dupla Virzi--Del.uca, não con- mais bonita, nem a mais valorizada, seguiu resistir ao personagem. É fã as-ELAS QUEREM FIDELIDADE mas ele só tem olhos para ela. Um sumída do Mr. Darcy. • homem que luta pela mulher amada - Li o livro pela primeira vez aos 14 No cinema, Mr. Darcy é inspiração é especial - explica Mirian, frisando anos e já o reli umas 15 vezes. Darcyexplícita. A comédia romântica "Men- que hoje muitas mulheres se sentem representa os ideais românticos. Ele ésagem para você; de Nora Ephron, ho- invisíveis com tanta concorrência. - bonito, elegante, muito rico e honra-omenageia a obra de Iane Austen, com O que as mulheres mais me dizem é do. Mas Iane Austen escreve de formaos personagens de Meg Ryan e Tom que querem fidelidade. É quase uma a nos permitir acompanhar a transfor-Hanks fazendo referências ao casal prova de amor. . mação das idealizações dos persona-Elizabeth e Darcy. A escritora inglesa Homens como o Darcy até existem, gens em paixão real - diz a designer.Helen Fielding admitiu ter se inspira- mas são raros. Por isso, essa fantasia é Não custa-lembrar que coube a Mr.do em Mr. Darcy para criar o par tão valorizada. Mas a fantasia começa Darcy uma das mais famosas declara-romântico de sua heroína no best -sel- muito antes da prova de amor. O inte- ções de amor da literatura inglesa:ler "O diário de Bridget Ienes" Sem resse mútuo aparece porque Mr. "Em vão tenho lutado comigo mes-pudor, o chamou de Mark Darcy. Na Darcy e Elizabeth percebem um no mo, mas nada consegui. Meus senti-adaptação para o cinema, o papel foi outro algo que não tinham visto até mentos não podem ser reprimidos;interpretado por ... Colin Firth! Mas Mr. então no seu círculo social. Quando preciso que me permita dizer-lhe queDarcy não se tornou um ícone apenas se encontram, parecem estar à procu- eu a admiro e amo ardentemente:pelos modos refinados ou por ser um ra de alguma coisa, mas sem saber o E se alguém ainda precisa de moti-homem imensamente apaixonado. quê, como explica a psicanalista Mô- vo para amar Mr. Darcy, bem, há sem-Ele foi também capaz de provar o seu nica Donetto Guedes. pre Colin Firth e aquela camisaamor fazendo Elizabeth Bennet se - Ficamos presos à ideia de que branca .•