Educação e Trabalho

12,127 views
11,992 views

Published on

0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
12,127
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
60
Actions
Shares
0
Downloads
321
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Educação e Trabalho

    1. 1. Educação e Trabalho Educação Tecnológica Educação Profissional Adriana Zardini Daniel Macieira Gustavo da Mata Mary Rose de Assis Trabalho, Educação e Desenvolvimento Societário Professor: Dr. João Bosco Laudares Mestrado em Educação Tecnológica
    2. 2. Se mexer, pertence à Biologia. Se feder, pertence à Química. Se não funciona, pertence à Física. Se ninguém entende, é matemática. Se não faz sentido, é economia ou psicologia. Se não mexe, não fede, não funciona, ninguém entende e não faz sentido, então... É tecnologia.
    3. 3. “ Ensinar tecnologia . Alguma coisa relacionada à formação de professores ” Aluno do 7º período de Engenharia Elétrica / CEFET MG “ Ninguém perguntou sobre isso. Deve ter relação com tecnologia . ” Alunos do 5º período de Mecânica / CEFET MG O que é Educação Tecnológica? Mestrado em Educação Tecnológica
    4. 4. “ Estudos realizados com objetivo de modernizar sistemas ou desenvolver tecnologias mais avançadas para facilitar os serviços do dia-a-dia.” Aluno do 3º período de Mecânica / CEFET MG O que é Educação Tecnológica? “ Educação para criar e aprender a utilizar novas tecnologias. ” Alunos do 5º período de Mecânica / CEFET MG Mestrado em Educação Tecnológica
    5. 5. “ É uma coisa que sofre. É difícil, toma todos os feriados, não existe mais balada, família, só livros, trabalhos... ... formação para enquadrar para o mundo moderno ”. Aluna do 5º período de Engenharia Elétrica / CEFET MG O que é Educação Tecnológica? Mestrado em Educação Tecnológica
    6. 6. <ul><li>“ vertente da Educação voltada para a formação de profissionais em todos os níveis de ensino e para todos os setores da economia, aptos ao ingresso imediato no mercado de trabalho (...) a educação tecnológica assume um papel que ultrapassa as fronteiras legais das normas e procedimentos a que está sujeita, como vertente do sistema educativo indo até outros campos legais que cobrem setores da produção, da Ciência e da Tecnologia, da capacitação de mão-de-obra, das relações de trabalho e outros, exigidos pelos avanços tecnológicos, sociais e econômicos que tem a ver com o desenvolvimento” </li></ul>(Brasil,MEC/SEMTEC,1994) EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DEFINIÇÃO OFICIAL: Mestrado em Educação Tecnológica
    7. 7. <ul><li>“ O conceito de educação tecnológica implica a formação de profissionais habilitados a transmitir conhecimentos tecnológicos sem perder de vista a finalidade última da tecnologia que a de melhorar a qualidade de vida do homem e da sociedade.” </li></ul><ul><li>(Ney do Amaral Pereira, CEFET/RJ,1996) </li></ul>“ (...) conjunto de situações de ensino-aprendizagem que visam facilitar nos educandos a análise de conjunturas, estruturas ou contingentes, em que a técnica é o fator determinante.” (João M. P. Dias Baptista, Portugal,1996) EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA OUTRAS DEFINIÇÕES: Mestrado em Educação Tecnológica
    8. 8. <ul><li>“ ... diz respeito à formação do indivíduo para viver na era tecnológica, de uma forma mais crítica e mais humana, ou à aquisição de conhecimentos necessários à formação profissional (tanto uma formação geral como específica), assim como às questões mais contextuais da tecnologia, envolvendo tanto a invenção como a inovação tecnológica.” </li></ul><ul><li>(Grinspun, 2001, p.57) </li></ul>EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA OUTRAS DEFINIÇÕES: Mestrado em Educação Tecnológica
    9. 9. <ul><li>Aspectos a serem considerados sobre a Educação Tecnológica: </li></ul>Relação educação e ensino técnico. (Visão do mundo da educação e do mundo do trabalho) Mecanismos e processos advindos do desenvolvimento científico tecnológico. (visão da produção de conhecimento, da necessidade de novas metodologias) “ Há uma tendência de associá-la à educação técnica ou profissionalizante.” (Grinspun, 2001, p.55:56) Mestrado em Educação Tecnológica
    10. 10. Texto: DIÁLOGOS SOBRE TRABALHO Antônia Vitória S. Aranha Doutora em Educação (PUC SP) Vice-diretora da FAE UFMG Daisy Moreira Cunha Doutora em Filosofia - Universidade de Provence (França) Coordenadora do Núcleo de Estudos sobre Trabalho e Educação (UFMG) João Bosco Laudares Doutor em Educação (PUC SP) Professor e Coordenador do M.E.T. (CEFET MG) Mestrado em Educação Tecnológica
    11. 11. <ul><li>Definições preliminares: </li></ul>Educação Aquisição de conhecimentos de vários campos, envolvendo dois pilares: subjetividade (Filosofia, Psicologia) e socialização (Sociologia, História, Antropologia etc). Práxis cultural a exigir do homem habilidades para ser político e produtivo, como agente interventor do progresso social. Acácia Kuenzer Mestrado em Educação Tecnológica
    12. 12. <ul><li>Definições preliminares: </li></ul>Tecnologia Tecnologias são produtos da ação humana, historicamente construídos, expressando relações sociais das quais dependem, mas que também são influenciadas por eles. Maria Rita N.S. Oliveira Educação & Sociedade, ano XXI, nº 70, Abril/00 Mestrado em Educação Tecnológica
    13. 13. <ul><li>Definições preliminares: </li></ul>Tecnologia O conceito de tecnologia, como a explicação e o construto teórico da geração e uso da técnica, aparece com a ciência moderna, quando um saber prático deve ser explicado teoricamente e um saber teórico deve ser verificado pela experiência científica. Mestrado em Educação Tecnológica
    14. 14. <ul><li>Definições preliminares: </li></ul>O conceito de tecnologia, como a explicação e o construto teórico da geração e uso da técnica , aparece com a ciência moderna, quando um saber prático deve ser explicado teoricamente e um saber teórico deve ser verificado pela experiência científica. Tecnologia Mestrado em Educação Tecnológica Revolução científica Revolução tecnológica
    15. 15. <ul><li>Propósito do processo educativo: </li></ul>Formar um cidadão crítico e consciente, em uma sociedade impregnada de tecnologia, numa nova cultura, hoje adjetivada como cultura técnica, em condições de responder às transformações contornadas por novos paradigmas. Crítica Educação Estuda relação sociedade-ciência-tecnologia e busca inserir o homem como agente nessa relação. Mestrado em Educação Tecnológica
    16. 16. <ul><li>Propósito da educação tecnológica: </li></ul>Formar um cidadão crítico e consciente, em uma sociedade impregnada de tecnologia, numa nova cultura, hoje adjetivada como cultura técnica, em condições de responder às transformações contornadas por novos paradigmas. Crítica Educação Estuda relação sociedade-ciência-tecnologia e busca inserir o homem como agente nessa relação. Permite conhecer os limites e consequências da técnica no processo de desenvolvimento humano. Mestrado em Educação Tecnológica
    17. 17. Educação Profissional Educação Tecnológica Centrada no ser humano. Centrada na técnica. Impacto na convivência social e produtiva Impacto no processo de trabalho. Orientada pela ética Orientada pelos interesses econômicos HOMEM ▲ “ MÁQUINA” HOMEM ▼ “ MÁQUINA” Mestrado em Educação Tecnológica
    18. 18. Dualidade Estrutural
    19. 19. <ul><li>Formação Profissional </li></ul><ul><li>Inicia-se na escola e prossegue de forma continuada no trabalho; </li></ul><ul><li>Elevação gradativa da qualificação, conforme a evolução tecnológica dos processos produtivos </li></ul><ul><li>Necessita-se de uma educação integral-técnica e geral, para inclusão social do cidadão no uso da técnica e no domínio tecnológico. </li></ul><ul><li>Antes, Educação Técnica. Hoje, Educação Tecnológica. </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    20. 20. <ul><li>Da Educação Técnica... </li></ul>Princípio educativo assentado em dois pilares disjuntos e desassociados: saber da cultura geral e saber da cultura específica. ...para Educação Tecnológica Novo princípio educativo flexibilizando e integrando saberes e habilidades cognitivas (de base técnica material) e comportamentais (organização e gestão do trabalho). Mestrado em Educação Tecnológica
    21. 21. <ul><li>Da polivalência... </li></ul>“ ampliação da capacidade do trabalhador para aplicar novas tecnologias, sem que haja mudança qualitativa dessa capacidade.” (Kuenzer) Conhecimento ampliado, porém fragmentado. ...à politecnia ações que, permitindo “a relação do aluno com o conhecimento, levem à compreensão das estruturas internas e formas de organização conduzindo ao domínio intelectual da técnica, expressão que articula conhecimento e intervenção prática.” (Kuenzer) Conhecimento ampliado e integrado. Mestrado em Educação Tecnológica
    22. 22. <ul><li>Educação Tecnológica </li></ul>Programas formativos da educação profissional desenvolvidos pela rede de escolas e centros de educação profissional, incluindo CEFETs, escolas técnicas, agrotécnicas, de comércio, instituições do “Sistema S” etc. Segundo a LDB (Lei 9394/96), as escolas técnicas e centros de tecnologia devem preparar o cidadão para o mundo do trabalho, garantindo-lhe uma formação escolar necessária à profissionalização. Concepção institucional Mestrado em Educação Tecnológica
    23. 23. <ul><li>Educação Tecnológica </li></ul>Lei 5692/71 Determinava currículo pleno do 2º grau: uma parte educação geral, outra parte “especial”, para formação integral do adolescente. LDB (Lei 9394/96) Compreensão dos fundamentos científicos-tecnológicos dos processos produtivos é considerada uma das finalidades do Ensino Médio . Concepção das políticas públicas Mestrado em Educação Tecnológica
    24. 24. <ul><li>Educação Tecnológica </li></ul>LDB (Lei 9394/96) O currículo do ensino médio (...)     I - destacará a educação tecnológica básica , a compreensão do significado da ciência, das letras e das artes; o processo histórico de transformação da sociedade e da cultura; a língua portuguesa como instrumento de comunicação, acesso ao conhecimento e exercício da cidadania; Concepção das políticas públicas Mestrado em Educação Tecnológica
    25. 25. <ul><li>Educação Tecnológica </li></ul>Decreto 2208/97 Educação geral desintegrada da Educação profissional, que recebe legislação própria e é dividida em 3 níveis: básico, técnico e tecnólogo; Ensino técnico tem currículo específico e pode ser oferecido concomitantemente ou sequencialmente ao Ensino médio. Concepção das políticas públicas Mestrado em Educação Tecnológica
    26. 26. <ul><li>Educação Tecnológica </li></ul>Decreto 5154/04 Regulamenta a LDB atual, revoga o Decreto 2208/97 e determina que “os cursos nos seus vários níveis de escolaridade objetivam a qualificação para o trabalho e a elevação do nível de escolaridade do trabalhador” Concepção das políticas públicas Ensino Técnico é concebido como: nível tecnológico médio de escolaridade Educação Tecnológica: Ensino de graduação e pós-graduação. Mestrado em Educação Tecnológica
    27. 27. <ul><li>Preocupações do CEFET: </li></ul>Além da formação e preparação para o trabalho, desenvolvimento de educação tecnológica crítica. Contextualização da tecnologia em campos sociais, filosóficos, políticos, econômicos e históricos. Viabilizar atitude de pesquisador para estudante, não só de receptor de soluções técnicas prontas ou imediatistas. Surgimento de trabalhador escolarizado, por meio de um currículo comprometido em formar cidadãos. Mestrado em Educação Tecnológica
    28. 28. Texto: EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA João Augusto de Souza Leão A. Bastos Licenciado em Filosofia Doutor (PUC/Paris) Professor e Coordenador do Programa de Pós-Graduação do CEFET PR Mestrado em Educação Tecnológica
    29. 29. <ul><li>Educação e Tecnologia como processo dialético </li></ul>Divisão do Trabalho x Novos conceitos de produção Mestrado em Educação Tecnológica
    30. 30. <ul><li>Progresso Técnico e Sociedade </li></ul><ul><li>Dialética entre as necessidades naturais e a satisfação do homem. </li></ul><ul><li>História do homem na sua luta para fabricar instrumentos que superem as dificuldades impostas pelas forças naturais. </li></ul><ul><li>Surgimento da História da Máquina. </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    31. 31. <ul><li>Educação Tecnologia e Trabalho </li></ul>Revolução da Micro Eletrônica. Consequências da Automação e da Robótica. Logística da Produção. Mestrado em Educação Tecnológica
    32. 32. <ul><li>A Geração de um novo saber </li></ul>A sociedade moderna é dominada pelo conhecimento. É, sem dúvida, a sociedade do conhecimento (BASTOS). O conhecimento passa a admitir certas dimensões de organização de conjuntos de esquemas, referentes a conceitos, entidades, acontecimentos, pois enquadra, representa e interpreta a informação de maneira eficiente (HARRIS, 1994). Mestrado em Educação Tecnológica
    33. 33. Texto: A TECNOLOGIA E A EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Domingos Leite Lima Filho Doutor em Educação Professor do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e do Departamento de Eletrônica do CEFET/PR Gilson Leandro Queluz Doutor em Comunicação e Semiótica (PUC/SP) Mestre em História (UFPR) Professor do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e do Departamento Acadêmico de Estudos Sociais do CEFET/PR Mestrado em Educação Tecnológica
    34. 34. <ul><li>Objetivo: </li></ul><ul><li>“ Constituir elementos que possam contribuir para uma sistematização conceitual sobre a tecnologia e sua relação com a Educação Tecnológica”. </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    35. 35. <ul><li>Pressupostos: </li></ul><ul><li>“ Relação Trabalho e Educação” </li></ul><ul><li>“ Relação Trabalho, Ciência e Tecnologia” </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    36. 36. <ul><li>Considerações: </li></ul><ul><li>“ Cotidiano” </li></ul><ul><li>“ Segundo Professores” </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    37. 37. <ul><li>Ao associar tecnologia e técnica: </li></ul><ul><li>“ estudo técnico de determinada atividade” </li></ul><ul><li>“ processos práticos de se alcançar um objetivo definido” </li></ul><ul><li>“ técnicas utilizadas dentro da ciência” </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    38. 38. <ul><li>Ao associar tecnologia e trabalho: </li></ul><ul><li>“ uso da ciência, do saber, do trabalho, em busca de novos métodos para otimizar seu trabalho” </li></ul><ul><li>“ é o domínio de conhecimentos e técnicas específicas que permitem aos seus detentores modificar e aperfeiçoar um processo produtivo e do saber” </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    39. 39. Texto: EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL Sílvia Maria Manfredi Série Docência em Formação Educação Profissional Cortez Editora - 2003 Mestrado em Educação Tecnológica
    40. 40. <ul><li>Nasceu em Mondovi, Itália, em 22 de março de 1946. </li></ul><ul><li>Veio para o Brasil ainda criança onde vive até hoje, no estado de São Paulo. </li></ul><ul><li>Doutora em Educação pela USP. Professora na UNICAMP. </li></ul><ul><li>Participou de vários movimentos estudantis e de educação popular das décadas de 60 e 70 mesmo com a censura. </li></ul><ul><li>No campo da Educação de Trabalhadores atuou em diversos projetos populares e atividades de docência e pesquisa bem como na formação sindical e profissional. </li></ul>Sílvia Manfredi Mestrado em Educação Tecnológica
    41. 41. <ul><li>A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei 9.394/96) e o Decreto Federal 2.208/97 instituíram as bases para a reforma do ensino profissionalizante no Brasil. Estes dispositivos legais, diretrizes curriculares e as políticas públicas são indicativos da intencionalidade de conferir ao antigo sistema de Educação Profissional uma nova configuração, de gerar uma nova institucionalidade . </li></ul>EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL A Rede de Educação Profissional Brasileira Mestrado em Educação Tecnológica
    42. 42. <ul><li>Conjunto de entidades, atores e agências, bem como sua organização e modelos de gestão e financiamento. </li></ul>Nova institucionalidade : EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL A Rede de Educação Profissional Brasileira Mestrado em Educação Tecnológica
    43. 43. <ul><li>E nsino médio e técnico: redes federal, estadual, municipal e privada; </li></ul>Entidades que compõem a rede de Educação Profissional <ul><li>S istema S: inclui os Serviços Nacionais de Aprendizagem e de Serviço Social, mantidos por contribuições parafiscais das empresas privadas; </li></ul>EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL Mestrado em Educação Tecnológica
    44. 44. <ul><li>E scolas e centros mantidos por sindicatos de trabalhadores; </li></ul><ul><li>E scolas e fundações mantidas por grupos empresariais; </li></ul><ul><li>U niversidades públicas e privadas: graduação e pós-graduação, serviços de extensão e atendimento comunitário; </li></ul>Entidades que compõem a rede de Educação Profissional EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL Mestrado em Educação Tecnológica
    45. 45. <ul><li>O rganizações não-governamentais de cunho religioso, comunitário e educacional; </li></ul><ul><li>E nsino profissional regular ou livre , concentrado em centros urbanos e pioneiro na formação a distância (via correio, Internet ou satélite). </li></ul>Entidades que compõem a rede de Educação Profissional EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL Mestrado em Educação Tecnológica
    46. 46. <ul><li>Composição da Rede de Educação Profissional: </li></ul><ul><ul><li>Total de 3.948 instituições de ensino; </li></ul></ul><ul><ul><li>67,3 % setor privado; </li></ul></ul><ul><ul><li>32,7 % setor público. </li></ul></ul>DADOS ESTATÍSTICOS (De acordo com o I Censo da Educação Profissional, 1999 parceria MEC/SEMTEC/MTE) EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL Mestrado em Educação Tecnológica
    47. 47. <ul><li>Distribuição pelos níveis de ensino : </li></ul><ul><li>NÍVEL BÁSICO </li></ul><ul><ul><li>57,6% setor privado </li></ul></ul><ul><ul><li>42,3% setor público </li></ul></ul><ul><li>NÍVEL TÉCNICO </li></ul><ul><ul><li>64,4% setor privado </li></ul></ul><ul><ul><li>35,5% setor público </li></ul></ul><ul><li>NÍVEL TECNOLÓGICO </li></ul><ul><ul><li>76,7% setor privado </li></ul></ul><ul><ul><li>23,2% setor público </li></ul></ul><ul><li>SISTEMA S </li></ul><ul><ul><li>19,1% Básico </li></ul></ul><ul><ul><li>7,8% Técnico </li></ul></ul><ul><ul><li>1,9% Tecnológico </li></ul></ul>DADOS ESTATÍSTICOS EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL Mestrado em Educação Tecnológica
    48. 48. Predominância no setor público : <ul><li>ESTADUAL </li></ul><ul><ul><li>71,7% Nível Técnico </li></ul></ul><ul><li>FEDERAL </li></ul><ul><ul><li>50 % Nível Tecnológico </li></ul></ul><ul><li>MUNICIPAL </li></ul><ul><ul><li>Representação Inexpressiva </li></ul></ul>DADOS ESTATÍSTICOS EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL Mestrado em Educação Tecnológica
    49. 49. Índice de conclusão dos cursos DADOS ESTATÍSTICOS EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL <ul><li>Básico: 76,7% </li></ul><ul><li>Técnico: 12,7% </li></ul><ul><li>Tecnológico: 14,5% </li></ul>Nível de atendimento da população em idade escolar (menos de 20 e até 24 anos) <ul><li>Técnico: 3,49% </li></ul><ul><li>Tecnológico: 0,23% </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    50. 50. <ul><li>Oferta de Cursos: </li></ul><ul><li>Agropecuária e Pesca: 3,8% </li></ul><ul><li>Comércio: 5,8% </li></ul><ul><li>Informática, gestão, contabilidade, secretariado, administração e artes (atividades culturais, artesanais e esportivas). </li></ul><ul><li>Alimentos e bebidas, mecânica e metalurgia, eletrotécnica e eletrônica, têxteis e vestuário. </li></ul>Cursos Predominantes: DADOS ESTATÍSTICOS EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL <ul><li>Indústria: 34,2% </li></ul><ul><li>Serviços: 56,2% </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    51. 51. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE NÍVEL BÁSICO <ul><li>Eixo estruturador: desenvolvimento de estratégias de qualificação, requalificação e formação contínua. </li></ul><ul><li>Atender às necessidades das transformações econômicas e sociais mundiais. </li></ul><ul><li>No Brasil, vem auxiliar no decréscimo do índice de analfabetismo e aumento do nível de escolarização da população. </li></ul><ul><li>Principais Executores: MTE - Ministério do Trabalho e Emprego com recurso do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador) e instituições privadas. </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    52. 52. <ul><li>Eixo estruturador: “Educação profissional técnica de nível médio”. </li></ul><ul><li>Atende mais aos interesses industrialistas. </li></ul><ul><li>Principais Executores: </li></ul><ul><ul><li>Instituições Federais </li></ul></ul><ul><ul><li>Instituições Estaduais </li></ul></ul><ul><ul><li>Instituições Municipais </li></ul></ul>EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO Mestrado em Educação Tecnológica
    53. 53. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO <ul><ul><li>Instituições Federais </li></ul></ul><ul><li>AEFs - Escolas Agrotécnicas Federais </li></ul><ul><li>ETFs - Escolas Técnicas Federais </li></ul><ul><li>CEFETs - Centros Federais de Educação Tecnológica </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    54. 54. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO <ul><ul><li>Instituições Estaduais e Municipais </li></ul></ul><ul><li>ANTES DO DECRETO 2.208/97: </li></ul><ul><li>Habilitações oferecidas nas escolas de 2º Grau, restringindo-se a atividades do setor terciário, com baixos custos de implantação. Exemplos: Magistério, administração, contabilidade e secretariado. </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    55. 55. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO <ul><ul><li>Instituições Estaduais e Municipais </li></ul></ul><ul><li>APÓS O DECRETO 2.208/97: </li></ul><ul><ul><li>Transformação das antigas escolas técnicas em escolas de nível médio e transferindo para outrem a formação profissionalizante (outras instituições). </li></ul></ul><ul><ul><li>Separação entre ensino médio e o técnico-profissional. </li></ul></ul><ul><ul><li>Estão surgindo novas iniciativas, através do Proep, com os chamados Centros de Educação Profissional. </li></ul></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    56. 56. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE NÍVEL TECNOLÓGICO <ul><li>Eixo estruturador: “ Educação profissional tecnológica de graduação e de pós-graduação.” </li></ul><ul><li>Tentativa de estruturação de cursos de menor duração nas áreas de tecnologia de ponta. </li></ul><ul><li>Ministrados nas Fatecs (Faculdades de Tecnologia). Exemplos: </li></ul><ul><ul><li>CEFETs </li></ul></ul><ul><ul><li>Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza. </li></ul></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    57. 57. SETOR NÃO ESTATAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL <ul><li>Predominância das áreas do setor terciário: informática, administração e negócios, idiomas, atividades artesanais e esportivas. </li></ul><ul><li>Destacam-se os cursos profissionais por correspondência e atualmente via Internet. </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    58. 58. FINANCIAMENTO Mestrado em Educação Tecnológica
    59. 59. <ul><ul><li>FAT - Fundo de Amparo ao Trabalhador </li></ul></ul><ul><ul><li>Gerido pelo CODEFAT (Conselho Deliberativo do FAT), com representantes dos trabalhadores, do governo e dos empresários. </li></ul></ul><ul><ul><li>PRINCIPAIS PROJETOS : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>PLANFOR - Plano Nacional de Formação </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Proep - Programa de Expansão da Educação Profissional (25% MEC, 25% FAT, 50% BID) </li></ul></ul></ul>FINANCIAMENTO Mestrado em Educação Tecnológica
    60. 60. GESTÃO Fonte: Fidalgo, 1999, p.158 Mestrado em Educação Tecnológica
    61. 61. O SISTEMA “S” “ O Sistema S configura-se como uma rede de Educação Profissional paraestatal, organizada e gerenciada pelos órgãos sindicais (confederações e federações) de representação empresarial.” Mestrado em Educação Tecnológica
    62. 62. Sistema S Fazem parte do Sistema: Indústria: SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SESI - Serviço Social da Indústria Comércio e Serviços: SENAC - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial SESC - Serviço Social do Comércio Mestrado em Educação Tecnológica
    63. 63. Agrícola: SENAR - Serviço Nacional de AprendizagemAgrícola Transportes: SENAT - Serviço Nacional de Aprendizagem de Transportes SEST - Serviço Social em Transportes Outros: SEBRAE - Serviço de Apoio à Pequena e Média Empresa SESCOOP - Serviço Social das Cooperativas de Prestação de Serviços Sistema S Fazem parte do Sistema: Mestrado em Educação Tecnológica
    64. 64. <ul><li>Criadas nos anos 40. </li></ul><ul><li>Fazem parte da estratégia empregada pelos industriais para disciplinar o trabalhador brasileiro e garantir a paz social. </li></ul><ul><li>SENAI: maior rede de Educação Profissional brasileira. </li></ul><ul><li>SESI: Além de serviços assitenciais, atua na educação infantil e de jovens e adultos. </li></ul>Sistema S SESI & SENAI Mestrado em Educação Tecnológica
    65. 65. <ul><li>Também criadas nos anos 40. </li></ul><ul><li>Fazem parte das medidas criadas para atenuar a complexidade crescente das funções especializadas na área mercantil. </li></ul><ul><li>SENAC: escolas de aprendizagem comercial para menores trabalhadores, jovens e adultos. </li></ul><ul><li>SESC: Apoio à saúde do trabalhador. </li></ul>Sistema S SESC & SENAC Mestrado em Educação Tecnológica
    66. 66. Sistema S ENTIDADES RECÉM-CRIADAS Mestrado em Educação Tecnológica
    67. 67. <ul><li>Natureza privada, mantidas com recursos públicos, mas geridas por entidades sindicais empresariais. </li></ul><ul><li>Os recursos públicos são, em sua maioria, provenientes das contribuições compulsórias incidentes sobre a folha de pagamento das empresas de determinados setores, arrecadadas pelo INSS e repassados a cada “S”. </li></ul><ul><li>O grau de autonomia de gestão é variado. Exemplos: </li></ul><ul><ul><li>Senai - adota o modelo de gestão mais centralizado </li></ul></ul><ul><ul><li>Senac - experiências de gestão descentralizada </li></ul></ul>Sistema S FINANCIAMENTO E GESTÃO Mestrado em Educação Tecnológica
    68. 68. “ Quase todos os grandes grupos financeiros privados e estatais, bem como as grandes montadoras e outras grandes empresas do setor químico ou petroquímico possuem centros e programas de formação profissional dos próprios trabalhadores, para prepará-los técnica e ideologicamente para fazer frente às novas exigências advindas dos processos de reestruturação produtiva e organizacional em tempos de globalização.” EDUCAÇÃO PROMOVIDA PELAS EMPRESAS EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL Mestrado em Educação Tecnológica
    69. 69. Texto: DESAFIOS-METODOLÓGICOS DA RELAÇÃO TRABALHO-EDUCAÇÃO E O PAPEL SOCIAL DA ESCOLA Acácia Zeneida Kuenzer Doutora em Educação Professora titular da Faculdade de Educação da UFPR- Universidade Federal do Paraná Mestrado em Educação Tecnológica
    70. 70. Grupo de Trabalho (GT) Educação e Trabalho <ul><li>Constituiu-se (na década de 80) a partir de duas preocupações: </li></ul><ul><ul><li>- Compreender a pedagogia capitalista (que se desenvolve nas relações sociais e produtivas e na escola). </li></ul></ul><ul><ul><li>- E desse modo poder identificar os espaços de contradição que tornam possível a construção histórica de uma nova pedagogia comprometida com o interesse dos trabalhadores (a pedagogia socialista). </li></ul></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    71. 71. Foco das pesquisas <ul><li>Buscar a compreensão dos processos pedagógicos escolares e não escolares a partir do mundo do trabalho, tomando o método da economia política como diretriz para a construção do conhecimento. </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    72. 72. Pesquisadores da área Trabalho e Educação <ul><li>Determinação de uma nova proposta pedagógica de educação dos trabalhadores, que articula as capacidade de: </li></ul>Agir intelectualmente Pensar produtivamente Mestrado em Educação Tecnológica
    73. 73. Concepção da Qualificação <ul><li>Fundada na aquisição de habilidades técnicas, passando-se a: </li></ul>exigir o desenvolvimento da capacidade de educar permanentemente criar métodos para enfrentar situações não previstas contribuir originalmente para resolver problemas complexos Mestrado em Educação Tecnológica
    74. 74. A área Trabalho e Educação <ul><li>Por sua opção teórica-metodológica, esta área entende : a produção de conhecimento como ação transformadora, tendo a superação histórica do capitalismo como horizonte; </li></ul><ul><li>Busca a compreensão das práticas pedagógicas escolares e não escolares historicamente construídas, tendo em vista a proposição de alternativas pedagógicas comprometidas com o avanço do projeto contra-hegemônico dos trabalhadores. </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    75. 75. <ul><li>Marx mostra o processo de produção do conhecimento como produto da atividade humana, entendida não abstratamente, mas como atividade real, objetiva, material. </li></ul><ul><li>Kosik afirma que o homem só conhece a realidade à medida que ele cria a realidade humana e se comporta antes de tudo como ser prático. </li></ul><ul><li>A prática é o fundamento e o limite do conhecimento . </li></ul><ul><li>O conhecimento é o conhecimento de uma realidade que deixa de ter existência imediata, externa ao homem, independente dele, para ser uma realidade mediada pelo homem. </li></ul>A dimensão práxica da produção Mestrado em Educação Tecnológica
    76. 76. O difícil trabalho com as categorias Mestrado em Educação Tecnológica categorias de conteúdo categorias metodológicas
    77. 77. <ul><li>Práxis = constante movimento do pensamento que vai do abstrato ao concreto, pela mediação do empírico. </li></ul><ul><li>Totalidade = mostrando como o objeto de pesquisa ao mesmo tempo manifesta e é manifestação das relações sociais e produtivas. </li></ul><ul><li>Contradição = “a totalidade sem contradição é vazia, inerte” Hegel </li></ul><ul><li>Mediação = há que se entender o caráter mediador da qualificação nas relações entre capital e trabalho. </li></ul>Categorias metodológicas (que dão suporte à pesquisa) Mestrado em Educação Tecnológica
    78. 78. <ul><li>Faz-se necessário investigar as relações, os conceitos, as formas de estruturação e organização, em “recortes”(chamados pela autora de ‘categorias de conteúdo’) particulares, sempre definidos a partir do objeto e da finalidade da investigação. </li></ul><ul><li>E por sua vez, cada categoria de conteúdo, é passível de detalhamento em subcategorias, a partir das quais os pesquisador coletará e organizará os dados, configurando-se assim um movimento que vai do geral ao particular na exposição, e do particular ao geral na investigação e na exposição. </li></ul>Categorias de conteúdo Mestrado em Educação Tecnológica
    79. 79. <ul><li>Categoria do trabalho – Frigotto retoma a discussão, afirmando sua centralidade, no entanto continua-se a questionar o poder explicativo da categoria trabalho para fenômenos tais como a exclusão plena, o desemprego, o subemprego, o trabalho informal. </li></ul><ul><li>Necessidade de construir historicamente a categoria reestruturação produtiva, sem correr o risco de análises otimistas, que elidem o caráter excludente do processo. </li></ul><ul><li>Há que se compreender a educação, em geral e profissional em todos os níveis e modalidades na perspectiva do direito à cidadania, em oposição à perspectiva em voga do investimento individual. </li></ul>Questões relativas ao trabalho e educação Mestrado em Educação Tecnológica
    80. 80. <ul><li>Há que indagar até que ponto ainda o mundo do trabalho tem sido seguido pelo necessário retorno à escola. </li></ul><ul><li>Existe a necessidade de construção de categorias que permitam fazer a articulação entre o mundo das relações sociais e produtivas e o mundo da educação. No entanto, temos trabalhado com categorias econômicas e sociológicas sem conseguir fazer a articulação com a educação. </li></ul><ul><li>Faz-se necessário a construção de categorias mediadoras. </li></ul>O retorno necessário Mestrado em Educação Tecnológica
    81. 81. <ul><li>A autora afirma: “as categorias conteúdo, formas metodológicas, espaços, atores, controle, permitem fazer a mediação entre o espaço pedagógico da fábrica, por exemplo, e as propostas de educação básica e profissional dos trabalhadores”. </li></ul><ul><li>Não se pode ficar apenas no plano meramente contemplativo ao se observar as descrições do que acontece na fábrica reestruturada, sem conseguir desvelar suas consequências para os processos de educação dos trabalhadores. </li></ul>Mediação trabalho e educação Mestrado em Educação Tecnológica
    82. 82. Preocupações permanentes nas discussões entre Educação e Trabalho <ul><li>Até que ponto a produção do GT tem, de fato, contribuído para o enfretamento das questões concretas relativas à educação dos trabalhadores, ultrapassando o discurso generalizante, que termina por constituir-se contemplativo? </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
    83. 83. Preocupações permanentes nas discussões entre Educação e Trabalho 2) Até que ponto a ida ao mundo das relações sociais e produtivas concretas tem sido seguida pelo necessário retorno à escola, tendo em vista subsidiar a compreensão dos processos pedagógicos escolares e não escolares a que estão submetidos os trabalhadores, e excluídos, em seu processo de alienação/desalienação? Mestrado em Educação Tecnológica
    84. 84. Preocupações permanentes nas discussões entre Educação e Trabalho 3) Em tempos de globalização da economia e reestruturação produtiva, marcados pela crescente exclusão, quem é o objeto de estudo e o compromisso político do GT? Mestrado em Educação Tecnológica
    85. 85. Preocupações permanentes nas discussões entre Educação e Trabalho 4) Qual tem sido o papel do GT no processo de formulação de políticas públicas para a educação, tendo em vista o interesse e os direitos dos trabalhadores e excluídos? Mestrado em Educação Tecnológica
    86. 86. FIM
    87. 87. Obrigado pela atenção. Adriana Zardini Daniel Macieira Gustavo da Mata Mary Rose de Assis Mestrado em Educação Tecnológica

    ×