Your SlideShare is downloading. ×
0
Trabalho Oeiras
Trabalho Oeiras
Trabalho Oeiras
Trabalho Oeiras
Trabalho Oeiras
Trabalho Oeiras
Trabalho Oeiras
Trabalho Oeiras
Trabalho Oeiras
Trabalho Oeiras
Trabalho Oeiras
Trabalho Oeiras
Trabalho Oeiras
Trabalho Oeiras
Trabalho Oeiras
Trabalho Oeiras
Trabalho Oeiras
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Trabalho Oeiras

2,530

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,530
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNL - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Geografia e Planeamento Regional / PRU II Apresentação Oral CARACTERIZAÇÃO SOCIAL, ECONÓMICA E URBANÍSTICA DO CONCELHO DE OEIRAS Inês Ventura Paula Gonçalves Sofia Pacheco Vera Medeiros Lisboa, FCSH, 20 de Maio de 2002.
  • 2. <ul><li>Resumo da Apresentação Oral: </li></ul><ul><li>Apresentação do Concelho de OEIRAS; </li></ul><ul><li>Caracterização Física ( clima, a morfologia, a aptidão dos solos); </li></ul><ul><li>Evolução Histórica; </li></ul><ul><li>Dinâmicas Demográficas (movimentos migratórios e dinâmicas demográficas); </li></ul><ul><li>Caracterização Económica ( sectores de actividade, empresas e tipo de funções instaladas) </li></ul><ul><li>Caracterização Urbanística (equipamentos e infra-estruturas, parque habitacional, património histórico, requalificação urbanística dos núcleos históricos, rede viária de transportes) </li></ul><ul><li>Diagnóstico </li></ul><ul><li>Análise SWOT </li></ul>
  • 3. 1. Apresentação do concelho de OEIRAS <ul><li>LOCALIZAÇÃO: margem Norte do Rio Tejo e rodeado pelos concelhos de Cascais a poente, Sintra e Amadora a norte e Lisboa a nascente </li></ul><ul><li>ÁREA: 46 Km 2 </li></ul><ul><li>POPULAÇÃO RESIDENTE: 162 124 habitantes (2001) </li></ul>Fonte: www.globalsoft.pt/joeiras/
  • 4. 2. Caracterização Física <ul><li>CLIMA: posição atlântica amenidade climática </li></ul><ul><li>Temperatura média anual: entre 15 e 17.5 ºC </li></ul><ul><li>Humidade relativa do ar: 80%, como seria de esperar numa área costeira. </li></ul><ul><li>A ocorrência de precipitação anual : 75/100 dias por ano </li></ul><ul><li>MORFOLOGIA e APTIDÃO DOS SOLOS : Concelho coberto por manto basáltico, sendo rico em férteis solos de sequeiro . 1100 ha de solos classificados (classes A e B). Predomínio de baixas elevações. </li></ul><ul><li>3. Evolução Histórica </li></ul><ul><li>Início do Séc. XX: destino de eleição para as classes mais abastadas que se deslocavam às praias para banhos do mar. </li></ul><ul><li>Anos 60: cidade-dormitório de Lisboa </li></ul><ul><li>Anos 80: de subúrbio, passa a ser um município dinâmico, integrado na AML. </li></ul>
  • 5. 4. Dinâmicas Demográficas Variações Populacionais por Freguesias de 1981, 1991
  • 6. Variações Populacionais por Freguesias ( 2001)
  • 7. 4.1. Dinâmicas Migratórias  Em meados da década de 80 , 36% da população provinha de outros concelhos do distrito de Lisboa;  1985 : 16 015 entradas de imigrantes provenientes de outros concelhos  2001 : 53 939 estrangeiros provenientes da EU, PALOP e outras origens 4.2. Estrutura Etária  De uma estrutura em regime de forte natalidade e mortalidade, passou-se para uma mortalidade reduzida ( 8%0 ) e natalidade ( 11%0 ) em acentuado declínio. Pirâmides Etárias de: OEIRAS RLVT
  • 8. <ul><li>  Taxa de actividade: de 27,3 % (1970), passou para 49,6 % (1991) Quadro nº 2- Evolução da Estrutura do Emprego no Concelho de Oeiras e na AML (%) Sector de Oeiras AML Actividade 1970 1981 1991 1970 1981 1991 Primário 1.2 0.9 0.5 5.1 3 0.2 Secundário 35.6 28.6 22.6 34.1 35.4 28.3 Terciário 63.2 70.5 76.9 59.6 61.6 70  Taxa de desemprego: de 2,6 % (1981), passou para 3,1% (1991)  Activos residentes no concelho : de 44,7% (1981), passou para 46,2% (1999)  61% dos postos de trabalho industriais existentes em 1987 eram ocupados por não residentes 5.1. Caracterização dos sectores de actividade Sector Primário: apesar dos bons solos agrícolas, existência de agricultura de subsistência. Sector Secundário: redução de importância; recuperação de indústrias por actividades do terciário superior. Sector Terciário: forte expansão dos serviços (TAGUS PARQUE, ARQUIPARQUE...) e turismo. </li></ul>5. Caracterização Económica
  • 9. 5.2. Empresas  E mpresas com maior importância, quer a nível volume de vendas, quer a nível de presença, estão ligadas aos ramos do Comércio por Grosso e Retalho, Actividades Imobiliárias, Alugueres e Serviços. Tagus Parque: um centro empresarial, de investigação e ensino  Predomínio das PME’s: Empresas com menos de 5 trabalhadores: 60% Entre 5 e 99 trabalhadores: 20% Entre 100 e 499: 2% Mais de 500: 0.3%
  • 10. 6. Caracterização Urbanística <ul><li> Anos 50/60: Proliferação de Bairros de génese ilegal impulsionada pelo êxodo rural. </li></ul><ul><li> Últimos anos: OEIRAS, como concelho dormitório </li></ul><ul><li> 2002: segundo concelho com maior densidade populacional de toda a AML: 3 386 hab/Km 2 . </li></ul><ul><li> Surgimento de segundas habitações </li></ul><ul><li> Recuperação de bairros clandestinos </li></ul><ul><li> G rande aposta na qualificação urbana: espaços verdes e reabilitação das áreas históricas </li></ul>Reabilitação dos centros históricos Aposta nos espaços verdes
  • 11. 6.1. Equipamentos e infra-estruturas  OEIRAS comporta níveis de atendimento em infra-estruturas de saneamento básico e uma rede de abastecimento domiciliário de água superiores à média nacional e próximos da cobertura total dos seus habitantes, dada a sua localização metropolitana.  Índice de C onforto: entre 91 a 100% Índice de Conforto na AML
  • 12. 6.2. Parque Habitacional
  • 13. 6.3. Património Histórico e outros locais de interesse <ul><li>Palácio dos Marqueses de Pombal/ </li></ul><ul><li>Edifício-Sede da Câmara Municipal </li></ul>Igreja Matriz Torre do Bugio Aquário Vasco da Gama
  • 14. 6.4. Rede Viária e Transportes  A rede viária principal do Concelho é constituída por cerca de 56 km de estradas nacionais, 32 km de estradas municipais e 13 km de caminhos municipais
  • 15. 7. Diagnóstico <ul><li>POTENCIALIDADES </li></ul><ul><li>Grande projecção do Concelho através da criação de uma imagem moderna e dinâmica; </li></ul><ul><li>Criação de espaços verdes, equipamentos e infra-estruturas de apoio às áreas residenciais; </li></ul><ul><li>Difusão cultural e tecnológica proporcionada pelo Tagus Parque; </li></ul><ul><li>Criação de inúmeras infra-estruturas do terciário superior, permitindo o aumento de postos de emprego neste sector; </li></ul><ul><li>Crescentes acessibilidades a Lisboa, </li></ul><ul><li>Melhorias nos transportes públicos; </li></ul><ul><li>Criação e ampliação de áreas de qualidade paisagística e ambiental; </li></ul><ul><li>Proximidade a Lisboa e os benefícios daí resultantes, nomeadamente económicos; </li></ul><ul><li>Reabilitação dos Centros Históricos; </li></ul><ul><li>Política de erradicação de bairros clandestinos; </li></ul><ul><li>Predomínio da população no sector terciário superior; </li></ul><ul><li>Grande investimento na cultura; </li></ul><ul><li>77.5% da população é potencialmente activa; </li></ul><ul><li>Grandes potencialidades turísticas </li></ul>
  • 16. FRAGILIDADES <ul><ul><ul><li>Dependência de Oeiras a Lisboa face ao emprego; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Congestionamentos de tráfego, dada a utilização excessiva do automóvel particular. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Alastramento da urbanização ilegal; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ocupação desordenada do território; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Dependência face ao abastecimento de água; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Elevada percentagem de habitação clandestina e barracas em zonas degradadas; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Elevado preço das casa, que dificulta o acesso aos casais jovens; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Concentração dos estabelecimentos industriais próximos das margens dos rios – descuido ambiental </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Redução da área de floresta; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Desigual distribuição de equipamentos; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Decréscimo populacional; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Envelhecimento populacional; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Insuficiente oferta de alojamento turístico; </li></ul></ul></ul>
  • 17. OEIRAS: UM CONCELHO DE FUTURO

×