Resenha Proteção De Ativos Na Indústria De Software

  • 927 views
Uploaded on

Resenha Proteção de Ativos na Indústria de Software

Resenha Proteção de Ativos na Indústria de Software

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
927
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
13
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. PROTEÇÃO DE ATIVOS NA INDÚSTRIA DE SOFTWARE: ESTRATÉGIAS E TENDÊNCIAS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL ANTONIO SÉRGIO NOGUEIRA LAVRAS MINAS GERAIS - BRASIL 2008
  • 2. i ANTONIO SÉRGIO NOGUEIRA PROTEÇÃO DE ATIVOS NA INDÚSTRIA DE SOFTWARE: ESTRATÉGIAS E TENDÊNCIAS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL TRABALHO DE CONCLUSÃO ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Produção de Software Livre, para a obtenção do título de especialização. Orientador Profª. Ângela Maria Alves LAVRAS MINAS GERAIS - BRASIL 2008
  • 3. ii ANTONIO SÉRGIO NOGUEIRA PROTEÇÃO DE ATIVOS NA INDÚSTRIA DE SOFTWARE: ESTRATÉGIAS E TENDÊNCIAS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL TRABALHO DE CONCLUSÃO ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Produção de Software Livre, para a obtenção do título de especialização. APROVADA em __ de _________ de _____. Prof. ________________ Prof. ________________ Profª. Ângela Maria Alves UFLA (Orientador) LAVRAS MINAS GERAIS – BRASIL
  • 4. iii SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO................................................................................................ 1 2 PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL E A INDÚSTRIA DE SOFTWARE PRÉ E PÓS-INTERNET.............................................................. 2 2.1 Proteção da Propriedade Intelectual e Apropriação dos Resultados da Atividade Inovativa............................................................................... 2 2.1.1 Funções das Propriedades Intectuais....................................................... 3 2.2 Uso estratégico da propriedade intelectual................................................. 4 2.3 Apropriação na Economia do Conhecimento............................................. 4 2.4 Novas variáveis no jogo da apropriação..................................................... 4 3 EVOLUÇÃO DA INDÚSTRIA DE SOFTWARE PRÉ-INTERNET......................................................................................... 5 3.1 Software como atividade complementar (fase 1-Era dos Mainframes)...................................................................... 5 3.2 O software como produto.......................................................................... 5 3.3 Revolução do PC....................................................................................... 6 3.4 Sistematização dos modelos de negócio da indústria de software..................................................................................................... 7 3.5 A formação da proteção jurídica da propriedade intelectual para software....................................................................... 7 3.6 Copyright vs. Patente?.............................................................................. 8 3.7 Apropriação por modelo de negócio........................................................ 8 4 A INDÚSTRIA DE SOFTWARE PÓS-INTERNET............................... 9 5 O REUSO DO SOFTWARE ....................................................................10 6 CITAÇÃO CRÍTICA................................................................................10 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS....................................................................11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.......................................................12
  • 5. iv Resumo: Este trabalho analisa a proteção dos ativos tecnológicos e a apropriação dos resultados econômicos na indústria de software, ele também detalha as principais características e modelos de negócio dos regimes tecnológicos desta Indústria. Abstract: This paper examines the technological protection of the assets and ownership of the economic results in the software industry; he also details the main features and models of business schemes of this technology Industry.
  • 6. 1. Introdução A tese de Ana Maria Carneiro parte que o conhecimento é uma ativo altamente valorizado e importante na geração de riquezas. De tal forma que, ao falarmos em desenvolvimento econômico estamos falando em conhecimento, na capacidade do esforço da inovação. Tudo isso, está fazendo com que a economia se desmaterialize dessa forma cresce a importância da propriedade intelectual como instituição que facilita o controle, a valorização econômica e a circulação de ativos baseados em inovações.O conhecimento agora é um ativo valorizado no processo competitivo. Para desenvolver-se economicamente as empresas estão cada vez mais gerando, apropriando e aplicando conhecimento no seu processo de geração e distribuição de riquezas. Com isto, no período atual, a economia passa a chamar Economia baseada no Conhecimento ou Era da Informação, onde se valoriza os ativos intangíveis que são de difícil definição e limitação. O objeto de análise (como cita o autor) desta tese é a proteção dos ativos tecnológicos e da apropriação dos resultados econômicos da inovação na indústria de software, entendida aqui como atividade econômica de produção e comercialização de produtos e serviços relacionados ao software por parte de empresas que têm estes tipos de atividades como principal fonte de receita. A tese esta divida em capítulos que abordam: a história da co-evolução da indústria de software (e mais amplamente da produção de software) e dos instrumentos de proteção dos direitos de propriedade intelectual; o período de 1994 ao momento atual, marcado pela popularização da Internet, fenômeno que implicou em mudanças nos modelos de negócio; as formas de proteção da propriedade intelectual e as tendências de apropriação, mergulhando no processo de “fabricação” do software dentro de um regime tecnológico específico, o do reuso de software e de uma das tecnologias deste regime, os componentes de software(definição do autor). Por fim, considerações finais nos dão um bom resumo do assunto abordado pela tese.
  • 7. 2. Proteção da Propriedade Intelectual e a Indústria de Software Pré e Pós-Internet Na introdução demos a exata noção do assunto abordado na tese , ou seja, na Era da Informação temos que nos preocupar de que forma a empresas podem proteger o conhecimento adquirido que hoje é capaz de gerar e distribuir riquezas. 2.1 Proteção da Propriedade Intelectual e Apropriação dos Resultados da Atividade Inovativa Serão estabelecidos aqui os conceitos para o entendimento desta apropriabilidade. Em 1º lugar para adquirirmos tecnologia temos que ter um aprendizado tecnológico e organizacional, o que nos dará condições de trilhar um caminho a partir de determinado ponto, que depende do estágio em que está a empresa. Tudo ocorrerá dentro de um regime chamado de Regime Tecnológico que se subdivide em: condições de oportunidade, condições de apropriabilidade, graus de cumulatividade do conhecimento e complexidade da base de conhecimento. As condições de oportunidade refletem a facilidade de inovar mediante um determinado montante de investimento. As condições de apropriabilidade dos resultados da inovação representam uma proteção (teórica) para o inovador contra os imitadores. Assim, apropriabilidade forte: sistema legal forte e dificuldade de replicar à inovação; apropriabilidade fraca: tecnologia fácil de imitar, deixando críticos os ativos complementares, como marketing, manufatura e suporte pós-vendas, levando o inovador a integrá-los na estrutura de sua empresa. Os graus de cumulatividade indicam o processo de acumulação de competências junto com aprendizado (learning-by-doing) na empresa e na indústria. A base de conhecimento é considerada segundo duas dimensões: a) grau de “tacitness”, o quanto um determinado conhecimento é tácito, ou seja, local e específico a uma empresa; e b) grau de complexidade, o quanto requer a integração de diferentes disciplinas científicas, tecnologias, atividades inovativas e de competências em processos produtivos e de mercado. Como se pode notar as condições de apropriabilidade estão interligadas com as demais condições dos regimes tecnológicos e, a partir deste conjunto de variáveis, as empresas conformam suas estratégias tecnológicas. 2.1.1 Funções das Propriedades Intectuais Variando de acordo com o país, a propriedade intectual pode ser mais adequada à apropriação do conhecimento, que pode ser feita através de meios jurídicos. Define-se com propriedade intelectual como sendo a soma dos direitos relativos às criações e invenções do ser humano, que protegem contra a concorrência desleal. A Propriedade Intelectual tem duplo objetivo, às vezes contraditório, uma vez que deve proteger o interesse, mas ao mesmo tempo não deve deixar com que os detentores do direito, monopolizem e gerem prejuízos a sociedade de forma
  • 8. injustificada. Desta maneira temos quatro funções da PI (propriedade intelectual): a) apropriação privada do esforço de inovação, concedendo monopólio temporário de exploração econômica da invenção ou criação, e oferecendo ao investimento a proteção em troca da divulgação do conhecimento; b) tornar a tecnologia passível de transação econômica transformando inovações em ativos comercializáveis; c) função estratégica da propriedade intelectual tornando a barganha um fator de acesso e abertura de mercado específico; d) função prospectiva e de divulgação, possibilitando difusão do conhecimento protegido e o aproveitamento de oportunidades tecnológicas por terceiros. A propriedade intelectual é dividida em três grandes campos de proteção jurídica a saber: . Propriedade industrial: protege por meio de patente as de atividades relacionadas às invenções, desenho industrial, marcas, indicações geográficas e designação de origem, e concorrência desleal, e modelo de utilidade, registro de marca, indicação geográfica e designação de origem e segredos de negócio; . Direitos de cópia ou direitos de autor: protegem a atividade de criação intelectual de trabalhos literários, artísticos, musicais, visuais e programas de computador, sendo que estes últimos podem ter legislação nacional específica; . Formas sui generis de proteção: mesclam características dos outros dois campos e tentam proteger áreas fruto do desenvolvimento científico e tecnológico. 2.2 Uso estratégico da propriedade intelectual Ao patentear uma invenção não significa que ela vai usá-la comercialmente, mas uma forma de garantir seu uso posterior quando o processo estiver todo completo. Vários são os motivos para patentear uma invenção:licenciamento para terceiros, bloqueio de competidores, evitar litígio, fortalecer reputação, ... A patente pode ser de apenas parte de um processo extremamente complexo, o que exigirá às vezes várias patentes para um único processo, ocorrendo desta forma o que chamamos de pacote de licenças de patentes, o que ocasiona um acordo entre detentores de patentes para licenciar um conjunto de suas patentes para terceiros. Desta forma, as empresas de produtos complexos tem patentes sobre tecnologias usados por outras, o que cria uma mútua dependência e vai fomentar o licenciamento cruzado e formas para compartilhar as informações e processos. 2.3 Apropriação na Economia do Conhecimento Está ocorrendo atualmente de forma acentuada na indústria de software uma corrida ao patenteamento, uma vez que as patentes são como armas de guerra nos negócios. Desta forma, na Economia do Conhecimento, o uso de novas táticas e estratégias para usar estas armas é um grande desafio. 2.4 Novas variáveis no jogo da apropriação Ao tornar-se uma fonte de lucro, a tecnologia torna-se uma variável importante nesse jogo corporativo. Assim disseminou-se o pensamento que era necessário
  • 9. reforçar o sistema de PI para assegurar uma maior apropriação dos resultados das atividades inovativas e proteger os produtos inovadores. Atualmente este regime de apropriabilidade está preocupando a sociedade, pois pode estar obstruindo novas invenções. Neste jogo da apropriação as empresas não tem só se preocupado com ativos complementares de produção e marketing, que permitem a elas comercializar seus produtos, mas se preocupam também com o software livre, que hoje está também participando do processo de apropriação do produto. Conclui-se então: Que só os mecanismos jurídicos e de inovação não são suficientes, uma vez que não basta ter os ativos e os direitos de propriedade intelectual, é necessário saber articulá-los com práticas de gestão da PI. Assim, as condições de apropriação variam de acordo com o local (os instrumentos disponíveis em cada país/região), o tipo de tecnologia, o mercado no qual a empresa está inserida, as estratégias das empresas e sua capacidade de utilizar os instrumentos disponíveis, bem como as suas capacidades dinâmicas (capacidade de reação para manter-se na liderança).
  • 10. 3. Evolução da Indústria de Software Pré-Internet A indústria de software passa por três regimes tecnológicos, onde o autor mostra a evolução da tecnologia e as formas de apropriação. O primeiro regime foi centrado no hardware, onde o software e os serviços de processamento tem um papel de suporte(era dos mainframes). O segundo foi o do computador pessoal (PC), com o sistema operacional padronizado, sendo o hardware um suporte para o software e o terceiro ocorre agora com o aparecimento dos Serviços Web. Ao longo dos regimes tecnológicos, as empresas desenvolveram modelos de negócios de acordo com as diferentes condições de oportunidade e de apropriabilidade, graus de cumulatividade do conhecimento tecnológico e complexidade da base de conhecimento. 3.1 Software como atividade complementar (fase 1-Era dos Mainframes) Por volta dos anos 40, com o lançamento comercial por volta dos anos 60, os serviços de programação e as ferramentas de programação, eram distribuídas sem cobrança adicional e sem proteção formal, dado que o principal mecanismo de apropriação dos resultados da inovação estava no hardware. Desta forma, o software tinha um papel secundário, sendo entendido como atividade complementar à comercialização dos computadores. As primeiras produtoras dos primeiros mainframes – IBM, Univac-Sperry, NCR, Control Data, Honeywell, Burroughs, RCA e GE, distribuíam os serviços e as ferramentas de programação de programação, sem cobrança adicional e sem proteção formal, dado que o principal mecanismo de apropriação dos resultados da inovação estava no hardware. Com o surgimento das primeiras linguagens de programação (Fortran e Cobol) surge as primeiras empresas prestadoras de serviços de processamento e desenvolvimento de software. 3.2 O software como produto Nos idos de 1965 a 1970, a indústria de computadores revoluciona com aparecimento de mainframes modulares e mini-computadores, é nesta época que os programas de computadores cada vez maiores e mais complexos alteram a relação de custo entre hardware e software, e a IBM decide vender o software separado do hardware. Isto faz com que os vendedores independentes de software estabeleçam -se no mercado de software. O surgimento de aplicações tanto verticais (exclusivas para um determinado setor) como horizontais ( aplicações e ferramentas de uso geral) faz surgir três importantes modelos de negócio da indústria de software, com diferentes regimes de apropriabilidade: software produto (também chamado software pacote), software sob encomenda (ou serviços de alto valor) e serviços de baixo valor (ex. Programação). 3.3 Revolução do PC Em 1981, a IBM lançou seu computador Pessoal, e numa decisão arriscada
  • 11. terceirizou quase todos componentes e subsistemas, isto revoluciona a indústria de computadores e surge o tripé IBM-Intel-Microsoft. Desta forma, a IBM conseguiu reunir os ativos complementares sem o uso de contratos e de integração. A IBM ajudou, então, a estabelecer um grande novo mercado, mas paradoxalmente não conseguiu aproveitá-lo por muito tempo, pois propositalmente só tinha controle de um dos ativos complementares – a marca IBM. À medida que surgiram outras marcas de PC que licenciaram o sistema operacional DOS da Microsoft, a vantagem competitiva da IBM foi perdida e o tripé Intel-IBM-Microsoft transformou-se no dueto Mintel(Microsoft-Intel). Com a consolidação e o amadurecimento da indústria de software obtida através da revolução ocasionada pelo computador pessoal, os desenvolvedores de software começam a lucrar com a produção em escala, devido ao aumento das aplicações horizontais( planilhas, processadores...).A disseminação dos PCs levou à proliferação de aplicações e fornecedores independentes nos EUA e Europa. Neste período, surgiram quatro empresas que em pouco tempo conseguiram penetrar em uma grande fatia da base instalada de PCs, com um único produto cada, mas que se tornaram padrão para aquele tipo de aplicação devido às externalidades de rede: Lotus para planilha eletrônica (Lotus 1-2-3), Microsoft para sistemas operacionais (MS-DOS), Ashton-Tate para bases de dados (Dbase) e WordPerfect para processador de textos (WordPerfect) (Steinmuller, 1996). A revolução do PC aumentou também a massa de desenvolvedores individuais, isto é, profissionais com boa formação técnica que desenvolvem software em empresas produtoras e usuárias de software, mas também fora de empresas. Esta característica não possui paralelo em outra indústria. Neste período, o SL/CA começou de forma tímida uma nova trajetória que irá se expandir com a formação das redes de computadores com papel importante dos usuários. Surgiram, então, empresas voltadas para integrar os diversos sistemas e plataformas, serviço oferecido conjuntamente com consultoria, treinamento e gerenciamento dos serviços de infra-estrutura corporativa (Steinmuller 1996), que se somaram às empresas já existentes, originalmente estabelecidas como empresas de serviços computacionais, voltando-se para o desenvolvimento de grandes operações de integração de sistemas. Foi criada uma nova forma de fornecer serviços, feita em parceria com o cliente, de forma que a solução era específica para a organização, mas poderia ser adaptada para outros clientes. 3.4 Sistematização dos modelos de negócio da indústria de software O mercado de software-produto está divido em dois grupos: software de massa e software corporativo. O software de massa é comercializado através de licenças (software proprietário) também chamado de pacote. O software corporativo trata-se de um produto pronto, customizável e para um modelo de negócio . Ele também é licenciado, mas seu valor é bem mais alto. 3.5 A formação da proteção jurídica da propriedade intelectual para software Por ser uma indústria heterogênea com estrutura e evolução diferentes em cada
  • 12. país, que dependem de eventos históricos e institucionais particulares, e como o software possui custos marginais de reprodução muito baixos ou desprezíveis, a sociedade deveria garantir aos produtores alguns direitos para controlar a reprodução, e com isso espera-se que sejam feitos investimentos na criação de software, especialmente em software pacote. Desta forma, a proteção da propriedade intelectual é uma política chave que pode influenciar a estratégia e evolução desta indústria, bem como “a influência política dos fabricantes de hardware, software customizado e provedores de serviços e produtores de software pacote podem gerar modificações na estrutura da proteção da propriedade intelectual relacionada com software” (Steinmuller, 1996, p.17). 3.6 Copyright vs. Patente? Há uma discussão extensa sobre a adequação da proteção via copyright para o software, pensado de forma mais ampla do que apenas o código-fonte e elementos associados (interface, documentação etc.). A lei tradicional de copyright (que protege a expressão e não as idéias) não se aplica totalmente ao software, que tem as características de ser criativo e funcional, ao mesmo tempo. Além disso, é difícil estabelecer a distinção entre idéia e expressão no software(Jussawalla, 1992). Devido a diferentes formas adotadas para a proteção legal, diversos acordos foram firmados: na Europa com a Diretiva 91/250/CEE; em 1994, foi implementado o Acordo sobre Aspectos de Propriedade Intelectual Relacionados com o Comércio (TRIPs) de forma compulsória a todos os países integrantes da Organização Mundial de Comércio (OMC);a Rodada do Uruguai do GATT;.... 3.7 Apropriação por modelo de negócio Aqui são apresentados os resultados de duas pesquisas que analisaram o uso dos instrumentos de propriedade intelectual nos diferentes modelos de negócio. A primeira pesquisa (Merges, 1996) comparou os efeitos dos regimes de propriedade intelectual nas indústrias de software norte-americana, japonesa e européia no início da década de 90. A segunda pesquisa (Torrisi, 1998) comparou a utilização dos instrumentos legais entre empresas de hardware e de software. Além das duas pesquisas, para aprofundar o entendimento das formas de apropriação dos resultados econômicos da inovação, apresentam-se alguns depoimentos de empresas dos vários modelos de negócio na indústria de software, por ocasião de um evento organizado pelo USPTO em 1994, sobre a adequação dos instrumentos legais e de suas práticas no processo de análise das patentes de software. Para concluir definiu-se um modelo de negócios: serviços de baixo valor, serviço de alto valor, produto customizável, software embarcado e software de pacote. Em cima de cada modelo adota-se então uma forma de apropriação (exemplo: serviços de baixo valor, a apropriação se dá por meio da relação contratual entre cliente e fornecedor, de forma que os instrumentos formais de proteção da PI são
  • 13. pouco utilizados, com exceção talvez da marca).
  • 14. 4. A Indústria de Software Pós-Internet Várias das empresas, já citadas anteriormente, correram ao patenteamento de suas invenções relacionadas com software, no mínimo, como medida defensiva. A intensidade dessa corrida varia de acordo com ativo principal de cada empresa. A complexidade envolvida na proteção do software aumentou com esta corrida, e eis que surge uma nova variável o software livre e de código aberto, com um novo modelo de proteção, disponibilização e desenvolvimento de software. O software livre no inicio era voltado ao desenvolvimento de programas de infra-estrutura, servidores e sistemas operacionais, mas à medida que foi se tornando Código Aberto novos pacotes complexos começam a ser produzidos. Diante do exposto, damos destaque à mudança do regime tecnológico com o advento de serviços na web e mudanças no regime de apropriabilidade com o aumento do patenteamento e o surgimento de novos formatos de proteção da propriedade industrial. Nesta fase, houve um grande avanço da indústria de software com sua expansão e consolidação com o advento do Software Livre e de Código Aberto e a migração mais acentuada dos negócios da indústria de software para o oferecimento de serviços e pela disseminação da Internet. A Internet passa por três estágios: 1º internet cresce mas é limitada pelos problemas como largura de banda e segurança; 2º é o estágio da bolha da internet (bolha especulativa das empresas pontocom, que durou entre 1995 e 2000, foi caracterizada pela criação de muitas empresas com negócios relacionados com a Internet, pela supervalorização destas empresas); 3º é o estágio que surge na bolha, mas continua com o crescimento da internet e aparecimento da web 2.0 (A tendência de crescimento dos modelos de negócios baseados em serviços se acentuou. Além disso, a web apresenta a tendência de se tornar cada vez mais uma plataforma de serviços, como demonstram os serviços na web e os vários serviços reunidos no que está sendo chamado de web 2.0) e do efeito “Google”(A grande inovação do Google – que a fez sair do faturamento zero para US$ 5 bilhões entre 2000 e 2004, abocanhar parte considerável do mercado de busca e tornar-se a marca mais valiosa do mundo, foi a criação da busca paga, aliada à alta tecnologia do sistema de buscas (Battelle, 2006). A busca paga é a abordagem focalizada de vender anúncios relacionados com determinadas palavras usadas nas buscas.). O que se vê atualmente é indústria de software migrando para serviços que utilizam menos o Direito a Propriedade Intelectual, e por outro lado o aumento do volume de depósitos e concessões de patentes para invenções relacionadas em software, o que é bastante contraditório. A motivação para esta corrida é o patenteamento defensivo, com o objetivo de negociar acordos e evitar litígios.
  • 15. 5. O reuso do software A evolução da indústria de software fez com que as empresas migrassem de uma produção informal e artesanal, para um padrão de trabalho sistemático e científico, com a adoção de técnicas como o CMMI que beneficiam a produtividade. Dentro dessa linha de desenvolvimento aparece a componentização, que busca economia de escopo, com a diminuição de custos, uma vez que o componente pode ser reutilizado várias vezes. Em resumo, é uma solução que pode ser utilizada em outro problema semelhante. Em torno desse novo mercado de software, surgem os agentes do mercado de componentização são eles: desenvolvedores, integradores, clientes/usuários, intermediários, certificadores, fornecedores de ferramentas e fornecedores de capacitação técnica. O autor salienta que: o principal gargalo ainda é a incerteza sobre a maturidade da tecnologia em termos de padronização para interoperabilidade e o regime de propriedade intelectual. É ainda encontrado no texto algumas pesquisas sobre o mercado de componentes, a forma de especificar uma licença de componente de software, e os softwares capazes de gerenciar estas licenças. Em resumo como diz o autor esta tecnologia tem vantagens como: redução do tempo de desenvolvimento, confiabilidade, facilidade de manutenção; e desvantagens como: ausência de padrões, mercado restrito e aumento dos custos para quem os usa para criar soluções, há complicações quanto à responsabilidade jurídica dos componentes, contaminação e pagamento de licenças, entre outros fatores. Conclui-se que ao lado das questões técnicas, organizacionais e econômicas, o regime de apropriabilidade é um elemento decisivo na constituição do mercado de componentes.
  • 16. 6.Citação Crítica A importância, cada vez maior, do conhecimento para gerar riquezas foi o motivo que levou o autor a discutir as tendências de proteção e de apropriação na indústria de software. No texto o autor cita que o software é protegido por copyright e ou pelo direito autoral, dependendo do país. O quadro atual é de superposição e complementaridade de campos de proteção, com isso o autor mostra neste trabalho que existe espaço de manobra para definir formas e estratégias de proteção do software para a empresa defender seus ativos. Então, o autor procura traçar as principais características dos modelos de negócios e definir os principais instrumentos utilizados na apropriação. O texto tem uma grande relevância, porque é capaz de abordar de forma bem abrangente o desenvolvimento e proteção deste conhecimento gerado pela indústria de software, mas ao mesmo tempo peca por inserir muitas citações deixando-o bastante dispersivo.
  • 17. 7.Considerações Finais Embora o assunto seja extenso e complexo, o autor consegue prender o leitor quando ele coloca historicamente a questão e detalha as principais características e modelos de negócio dos regimes tecnológicos da Indústria de Software. No final, ele discute a componentização e cita: que no caso do desenvolvimento e uso de componentes de software o direito a propriedade industrial fortalecido pode estar dificultando esta trajetória tecnológica aumentando os custos de transação e também ameaçando o desenvolvimento do Software Livre/Código Aberto.
  • 18. Referências Bibliográficas BATTELLE, J. A Busca: como o Google e seus competidores reinventaram os negócios e estão transformando nossas vidas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006. CARNEIRO, Ana Maria, Proteção de ativos na indústria de software: estratégias e tendências de propriedade intelectual. Campinas, 2007, 200f.. Dissertação(Doutorado em Política Científica e Tecnológica) – Instituto de Geociências - Universidade Estadual de Campinas. MERGES, R. P et al. A Intellectual Property in the New Technological Age. 3 ed. New York: Aspen, 2006. STEINMUELLER, W. E. The U.S. software industry: an analysis and interpretative history. In: MOWERY, D. C. The international computer software industry: a comparative study of industry evolution and structure. Oxford: Oxford Univ., 1996. TORRISI, S. Industrial Organization and Innovation: an international study of the software industry. Cheltenham: E. Elgar: 1998.