INTRODUÇÃO À DIDÁCTICA DO PORTUGUÊS




      INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

 ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE SETÚBAL

U...
Várias e diversas são as respostas que se podem obter à questão que se levanta “que
competências deve a escola desenvolver...
adequado a diferentes situações de comunicação, com coesão e coerência; competência
estratégica, que inclui estratégias ut...
permite ao falante/ouvinte produzir e reconhecer sequências linguísticas e avaliá-las como
correctas ou incorrectas.
Após ...
na vida profissional, incrementando actividades de formação que os leve a analisar o que
acontece nas situações de ensino/...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Introdução à didáctica do português

4,512

Published on

Published in: Education, Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,512
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
56
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Introdução à didáctica do português

  1. 1. INTRODUÇÃO À DIDÁCTICA DO PORTUGUÊS INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE SETÚBAL Unidade Curricular: Introdução à Didáctica do Português Docente: Maria Helena Camacho Discentes: Ilda Pereira e Natalina Ribeiro Licenciatura em Educação Básica – 3º Ano Turma A Ano Lectivo 2009/2010
  2. 2. Várias e diversas são as respostas que se podem obter à questão que se levanta “que competências deve a escola desenvolver e fazer adquirir?”, permitindo identificar modos diferenciados de lidar com o desafio do ensino orientado para a aquisição de saberes e/ou para o desenvolver e fazer adquirir competências. Alguns mantêm-se fiéis à promoção dos saberes sem questionarem prospectivamente a sua utilidade; outros, aderem às competências mas desvalorizam os saberes; outros, orientam a sua acção para as competências em articulação com a consolidação dos saberes que as sustentam; outros, ainda, concebem competências e saberes enquanto finalidades alternativas não integradas. Considerando a realidade actual, pensamos que é preciso educar para as competências não descurando os saberes porque para se ser competente devemos dominar saberes, saber articular diferentes áreas do saber, saber-fazer, saber-ser e saber tornar-se. As conceitualizações para o termo competência são muitas, o que, de certa forma, dificulta a sua aplicação em situações de ensino-aprendizagem; porém, podemos relacionar o termo à capacidade de realizar bem uma tarefa, ou à capacidade de resolver uma situação complexa e à capacidade de mobilizar saberes. Uma das dificuldades em se definir o termo competência comunicativa foi a tentativa de diversos autores de adaptar o conceito de competência a seus próprios propósitos ou ao seu campo de actuação, afastando-se da definição clássica proposta por Chomsky (1965), segundo a qual, a competência significa conhecimento da língua, isto é, das suas estruturas e regras, e no desempenho real da língua em situações concretas, numa construção marcadamente dicotómica, sem qualquer preocupação com a função social da língua. Hymes (1979) foi o primeiro a incorporar a dimensão social ao conceito de competência. Ao acrescentar comunicativo ao termo competência, demonstrou claramente estar preocupado com o uso da língua. Assim, para Hymes, não é suficiente que o indivíduo saiba e use a fonologia, a sintaxe e o léxico da língua para caracterizá-lo como competente em termos comunicativos. É preciso que, além disso, esse indivíduo saiba e use as regras do discurso específico da comunidade na qual se insere. Canale introduziu quatro tipos de competências: competência gramatical que implica o domínio do código linguístico, a habilidade em reconhecer as características linguísticas da língua e usá-las para formar palavras e frases; competência sociolinguística, que implica o conhecimento das regras sociais que norteiam o uso da língua, compreensão do contexto social no qual a língua é usada; competência discursiva diz respeito à capacidade de combinar formas gramaticais e significados para construir um texto oral ou escrito 2
  3. 3. adequado a diferentes situações de comunicação, com coesão e coerência; competência estratégica, que inclui estratégias utilizadas pelo locutor para compensar o seu domínio imperfeito da língua. Segundo Sophie Moirand (1982) a competência comunicativa é a aptidão para produzir e interpretar, de maneira clara e espontânea, os enunciados das enumeras situações da nossa existência. Quando comunicamos, utilizamos quatro componentes: componente linguística; componente discursiva (apropriação dos diferentes tipos de discursos); componente referencial (conhecimento dos objectos do mundo e a suas relações) e, por fim, a componente sociocultural (apropriação das regras sociais e das normas de interacção entre os indivíduos e as instituições). O Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas fornece uma base comum para a elaboração de programas, linhas de orientação curriculares, etc. Acrescenta como componente da competência comunicativa as competências: linguística, sociolinguística e pragmática. O ser humano é por natureza comunicador; faz parte da nossa condição de seres sociais e manifesta-se de muitas maneiras: acção ou imobilidade, palavras, gestos ou silêncio, todos contêm uma mensagem que é percebida pelos pares da comunidade linguística a que pertencemos. Existem muitas áreas da vida social em que as pessoas necessitam de uma competência oral sofisticada, como situações de comunicação proporcionadas pela televisão, rádio, cinema, que oferecem informação que os cidadãos têm de saber analisar da melhor maneira; situações em que, pela comunicação oral, se compra e vende, se procura informação ou se reclama, etc. Enfim, são inúmeras e de extrema importância as situações da vida quotidiana em que saber ouvir e saber falar são capacidades fundamentais consequentes de um domínio das competências linguísticas. A competência linguística designa o conhecimento da língua em várias vertentes, a sua aquisição irá permitir a cada falante produzir e compreender os enunciados verbais, activa um número finito de regras fonológicas, morfológicas, sintácticas e semânticas, que são conhecidas apenas intuitivamente e que são adquiridas com base numa capacidade inata; uma competência lexical, que inclui o conhecimento da forma e dos significados das palavras, tal como convencionados na sua comunidade linguística; e ainda uma competência pragmática, que diz respeito ao conhecimento das normas de uso desse conhecimento linguístico, formas de tratamento, níveis de linguagem adequados ao contexto e às finalidades da comunicação, etc. A competência nestes quatro domínios 3
  4. 4. permite ao falante/ouvinte produzir e reconhecer sequências linguísticas e avaliá-las como correctas ou incorrectas. Após termos analisado e reflectido sobre os vários campos da comunicação e da linguagem, e de termos procurado identificar as diversas competências que um falante precisa de possuir e desenvolver para poder utilizar com proficiência todas as possibilidades oferecidas pela língua, concluímos que o ensino do Português não é assunto de abordagem fácil e simples, dada a complexidade dos temas implicados: o conhecimento explícito da língua (na sua estrutura e no seu funcionamento), a expressão e a compreensão oral, a escrita e a leitura. Todos estes domínios levantam questões complexas e controversas. Sendo a Língua Portuguesa um meio de aprendizagem de outras áreas do currículo, torna-se evidente que deverá ser uma preocupação dos professores de todas as disciplinas pelas implicações que o seu domínio possui na aquisição de conhecimento, na pesquisa de informação, na expressão desse mesmo conhecimento, na construção do saber. Pela enorme importância que podemos verificar nos conteúdos que integram a Língua Portuguesa a vários níveis, tanto sociais como académicos, consideramos fundamental que a didáctica do Português seja uma matéria merecedora de toda a atenção da comunidade investigativa e docente. A didáctica tem como objetivo fundamental ocupar-se das estratégias de ensino, das questões práticas relativas a metodologias de ensino, funciona como o elemento transformador da teoria na prática. Segundo Isabel Alarcão, a Didáctica estrutura-se: na Didactica Investigativa, que diz respeito à observação e interpretação dos actos educativos; na Didáctica Curricular, diz respeito à formação curricular, inicial ou contínua e, por último, na Didáctica profissional, diz respeito às práticas dos professores no terreno escolar. A Didáctica de Línguas desenvolveu-se em três momentos designados de Didáctica instrumental, Didáctica específica e Didáctica de línguas ou do plurilinguismo. Na Didáctica instrumental, etapa que prevaleceu até aos anos 80 do séc.xx, a Didáctica de Línguas afirma-se como um espaço de instrumentos e técnicas ao serviço da formação de professores. Formação esta que é tanto mais sucedida quanto melhor o professor for capaz de aprender a manipular esses instrumentos técnicos. A Didáctica específica corresponde a um esforço de autonomização da Didáctica enquanto disciplina autónoma. É promotora de situações de construção de conhecimento sobre o processo de ensino e de aprendizagem centrada na sala de aula. Visa desenvolver nos professores um conjunto de saberes e competências capaz de lhes permitir tomar decisões 4
  5. 5. na vida profissional, incrementando actividades de formação que os leve a analisar o que acontece nas situações de ensino/aprendizagem especificas de uma dada língua. A Didáctica do plurilinguísmo questiona uma abordagem da educação e formação linguística monolingue, estanque, para se lançar na questão onde as linguas não se debatem umas com a outras, antes ocorrem para o desenvolvimento do sujeito, grupos e sociedades mais capazes de lidarem com a diversidade e de fazerem dela uma poderosa alavanca de desenvolvimento. A Didáctica assume-se assim como uma Didáctica de Línguas ou do Plurilinguismo, isto é, deixa-se de entender apenas como uma didáctica de uma matéria específica e de sala de aula, para passar a conceptualizar-se como uma didática de gestão de recursos, investindo no desenvolvimento de competências de linguagem que evoluem no sentido de uma competência mais global, integradora de reportórios verbais múltiplos e complexos, designada de plurilingue e pluricultural. A intercompreensão promove a capacidade de aprender línguas de modo transversal e articulado, isto é, rentabilizando competências construídas em diferentes espaços disciplinares, mas que se mobilizam na criação de uma competência de comunicação plurilingue. 5

×