36                                                                                                      "----0:           ...
Em Norte, que faz parte de urna série                                D A especificidade     dade pinturas, a artista traba...
é aberta, no sentido de que ela própria instaura um                         presente seria a referencial, centrada exatame...
o poeta chama a atenção para a construção            • O papel das vanguardas artisticasda mensagem quando brinca com o no...
A existência das vanguardas, no entanto, é impres-                    encontram implícitas na obra. Por isso é imprescin-c...
Vejamos dois exemplos de como fazer leitu-                             Vejamos agora uma leitura possível de Vestido de   ...
A existência das vanguardas, no entanto, é impres-                    encontram implícitas na obra. Por isso é imprescin-c...
o que vemos?                                             Desse modo, a obra, que inicialmente parecia     Esse é um objeto...
-lhe nosso gosto e nossos padrões subjetivos, que                                   devem ter ao escolher, para seus aluno...
Leitura complementar    Interpretação     "A obra de arte é divergente, sua interpretação é impossível, ou sua interpretaç...
> Revendo o capitulo                                          1m   Comente este texto de Ferreira GuUar com base          ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Scan doc0087

3,821 views
3,698 views

Published on

Published in: Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,821
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
17
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Scan doc0087

  1. 1. 36 "----0: S :::J Ü f= o: Ci: o .<t ~ 8 1 o: W >- ur 2 w Z <t s ::J o ~ ~ <t (li <t ~ li: o o Norte.OlíviaNiemeyer, 2008. o ser humano está continuamente atribuindo significados ao mundo. A essa atividade damos o nome genérico de leitura. Portanto, não lemos apenas os textos escritos, mas lemos igualmente outros tipos de textos, não verbais, aos quais também atribuimos significados. Jávimos que a arte se constitui em um texto muito especial, pois a atribuição de significados está presa a sua forma sensível de apresentação e é inseparável dela. Para fazer a leitura da obra de Olivia Niemeyer, em primeiro lugar, vamos situar sua proposta. Ela é uma obra pós-modernista, pois a artista se apropria de outras obras para compor a sua a partir de uma ótica contemporânea. Usa, também, várias técnicas: a monotípia, o desenho, a pintura. Além disso, utiliza procedimentos como a frottage1, a sobreposíçâo, a rasura. 1 Técnica artística criada pelo surrealista Max Ernst. Consiste em friccionar grafite ou carvão sobre um papel ou uma tela, apoiado a uma superfície, a fim de transferir a sua textura para o papel ou a tela. 427
  2. 2. Em Norte, que faz parte de urna série D A especificidade dade pinturas, a artista trabalha basicamente informação estéticacom quatro cores. Predominantemente Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informaçãobege, o plano é dividido por urna larga faixa estética, comparando-a à semântica, levanta aspec-vermelha central que forma urna diagonal tos muito interessantes.que desce do lado direito superior ao canto A informação estética, ao cóntrário da informa- ção semântica, não é necessariamente lógica. Elaesquerdo inferior. Nessa faixa, vemos o pode ou não ter uma lógica semelhante à do sensodesenho de urna bailarina e o fragmento de comum ou à da ciência. Ela também não precisa terurna outra, de Degas, pintor impressionista ampla circulação, isto é, não há necessidade de quefrancês, e urna frase escrita. Nas duas um público numeroso tenha acesso a ela. A informa-laterais, invadindo a faixa vermelha do ção estética continua a existir mesmo dentro de um sistema de comunicação restrito, até interpessoal,lado esquerdo, encontramos imagens ou mesmo quando não há nenhum receptor aptocarimbadas da cabeça de Vênus, da pintura a acolhê-Ia. Sabemos que isso aconteceu inúmerasrenascentista O nascimento de Vênus, do vezes. Por exemplo, a informação estética contidaartista italiano Botticelli, e a cabeça de numa tela de Van Gogh permaneceu lá, embora em sua época poucos pudessem entendê-Ia. OutraA moça com o brinco de pérola, pintada característica da informação estética que a diferen-em 1665 pelo pintor holandês Vermeer. cia da informação semântica é o fato de não ser tra- A artista selecionou, recortou e integrou duzível em outras linguagens. Quando dizemos "Oas imagens em um novo discurso, que usa tempo hoje está ruim", podemos traduzir a infor-a repetição para criar urna padronagem mação semântica contida nessa frase para qual- quer outra língua, sem perda da informação origi-única. As referências a várias obras nal. No entanto, quando vemos uma cena de tempoimportantes da história da arte estabelecem ruim num filme, observamos a qualidade da cor, aum diálogo com o passado: obras, artistas, força do vento, da chuva ou da neve, a vegetação,estilos, técnicas e materiais. A revisitação os ruídos ou o silêncio, a névoa, a qualidade da luzdessas obras nos dá a chave para decifrar e inúmeros outros detalhes que nos são mostrados pelas câmeras e que nos causam um determinadoum de seus significados: a história da arte sentimento. Essa informação estética não pode ser- a tradição pictórica do Ocidente - é que traduzida nem para a linguagem verbal nem paraestabelece o norte, ou seja, o caminho, a qualquer outra sem ser mutilada, isto é, sem perderorientação, para a produção artistica atual. parte de sua significação. A informação estética apresenta, ainda, um outro aspecto distintivo, que é o fato de não ser QUEM É? esgotável numa única leitura. Por exemplo: a infor- Olívia Niemeyer nasceu em 1943, no Rio de Janeiro. mação sobre o tempo ruim só me conta algo de Formada em Língua e Civilização Francesa, atual- novo na primeira vez em que for dada. Ela se esgota. mente faz doutorado em Linguística Aplicada, A informação estética contida em uma obra de na Unicamp. Seu interesse pelas Artes Visuais arte, no entanto, pode ser lida de várias maneiras foi despertado por uma visita ao ateliê de Vera Ferro, com quem trabalhou durante quatro anos. por pessoas diferentes ou por uma mesma pessoa. Posteriormente, foi orientada por diversos artistas: Na primeira vez que lemos um livro ou ouvimos Nair Kremer, Carlos Fajardo, Sílvia Matos, Albano uma música, recebemos certa quantidade de infor- Afonso. Em zooz.juntou-se ao grupo Antropoantro, mações; numa segunda leitura ou audição, pode- de Campinas (SP). Desde 1997 tem participado de mos receber outras informações; anos mais tarde, exposições individuais e coletivas em São Paulo, ainda outras. Essa característica de inesgotabili- Campinas, Ribeirão Preto e Piracicaba, no estado de São Paulo. dade permite que as obras de arte não envelhe- çam nem se tornem ultrapassadas. A obra de arte2 NETTO, José Teixeira Coelho. Introdução à teoria da informação estética. Petrópolis: Vozes, 1973. p.9-16. Unidade 7 Estética
  3. 3. é aberta, no sentido de que ela própria instaura um presente seria a referencial, centrada exatamente nouniverso bastante amplo de significações que vão contexto externo à obra. A estruturação da obra, asendo captadas, dependendo da disponibilidade sua organização interna, não chama nossa atenção.dos receptores. Para que isso aconteça, é necessário sair do habi- tual, daquilo a que estamos acostumados e que, por isso mesmo, nem percebemos mais, Isso implicafJ A forma transgredir o código consagrado. Roman Jakobson, conhecido linguista, definiu Quando o código é usado de maneira incomum, aalgumas características da função poética da lin- forma de apresentação da mensagem chama nossaguagem e ampliou muito a noção do poético. Com atenção pela sua força poética. Isso fica bastanteele, a função poética ganha uma dimensão estética, claro em poesia. As palavras de que nos utilizamospodendo ser aplicada às outras formas artísticas para escrever um poema ou para nos comunicar-além da poesia." mos no dia a dia são fundamentalmente as mesmas. Na fala diária, no entanto, não prestamos atenção à forma das palavras, porque o que nos interessa• A função poética: a transgressão para que a comunicação se efetive é o seu conteúdo do código semântico. A poesia, ao contrário, chama nossa A função poética da linguagem, segundo Jakobson, atenção para essa forma. Vamos examinar um tre-caracteriza-se por estar centrada sobre a própria men- cho do poema de Carlos Drummond de Andrade,sagem, isto é, por chamar a atenção sobre a forma Esboço defigura:de estruturação e de composição da mensagem. Afunção poética pode estar presente tanto numa pro- Antonio Candido oupaganda, num outdoor, quanto numa poesia, numa Antonio lúcido, límpidomúsica ou em qualquer outro tipo de obra de arte. Que conhece e pratica a força imponderável da Mas como se chama a atenção para a própria intuição?mensagem? Como vimos, no interesse naturalista Que funda o juízo crítico no gostopela arte, a atenção do espectador não se detém na - o gosto que em vão se tenta anular, e permanece,obra, na mensagem, mas é remetida para o contexto Mesmo negado e ignorado, sal da percepção?fora da obra. Na classificação de Jakobson, a função Tira Pepê e Jotabê, de Walter Kostner. Esta história em quadrinhos quebra o código consagrado: o desenho não está contido pelo "quadro". Ao contrário, a manipulação de seus limites pelo personagem é o que cria o humor.3 ECO, Umberto. Obra aberta. São Paulo: Perspectiva, 2000.4 JAKOBSON. Roman. Éssais de linguistique générale. Paris: Minuit, 1963. p. 209-248. (Tradução nossa).5 ANDRADE, Carlos Drummond de. Amar se aprende amando. 6. ed. Rio de Janeiro: Record, 1986. p. 47. A slgnlflcaçâo na arte Capítulo 36 lJ...·__ :.. ..
  4. 4. o poeta chama a atenção para a construção • O papel das vanguardas artisticasda mensagem quando brinca com o nome do A ênfase dada à forma da obra de arte e às trans-professor de literatura e crítico literário Antonio gressões do código nos leva a examinar o papel dasCandido de Mello e Sousa, usando cândido como vanguardas artísticas. Avant-garde, em francês, é umse fosse adjetivo e não nome próprio: iguala cân- termo militar que designa o grupo de soldados quedido com lúcido e límpido. O poeta usa, ainda, avança à frente da guarda ou batalhão. Transferindooutra estratégia para chamar a atenção para a o termo para a área artística e cultural, tambémforma de estruturação da mensagem, dessa vez designa os desbravadores, os que fazem o "reconhe-subvertendo o código: em vez de afirmar catego-ricamente as qualidades do professor, ele faz per- cimento do terreno", os que ampliam o espaço daguntas, como que se dirigindo ao leitor e pedindo linguagem artística por meio de experimentações. Ésua concordância. a vanguarda que rompe os estilos, que propõe novos O que precisa ficar claro, no entanto, é que essas usos do código. Atrás dela vêm os batalhões, ou seja,inovações e subversões do código não são gratui- os outros artistas, considerados seguidores e quetas, não são feitas só para serem engraçadas. Elas formam as escolas. Neste momento, o que era novo,contribuem para o significado da obra, nesse caso, o que constituía uma transgressão do código, passao poema. a ser, outra vez, o habitual, o código consagrado. A partir dessa discussão sobre a função poé- Por essas razões, a linguagem da vanguardatica, que leva necessariamente à transgressão dos cultural e artística é sempre difícil de entender. Écódigos habituais e consagrados, podemos justi- por isso que temos certa dificuldade em compre-ficar por que, no capítulo 5, "Linguagem e pensa- ender as obras expostas nas bienais, os filmes demento", incluímos as linguagens artísticas entre arte, o teatro experimental, a música dodecafônicaas que são estruturadas de forma mais flexível. Se e assim por diante. Todas essas obras instituemromper o código é uma característica própria da um novo repertório de signos e novas regras dearte, nenhum código artístico pode ser inflexível combinação e de uso. Leva algum tempo, e muita(por exemplo, os códigos matemáticos) nem exer- convivência com o mundo artístico, para que pos-cer força coercitiva sobre a produção dos artistas. samos dominar os novos códigos e linguagens eOu estes não seriam artistas. cornpreendê-los. A charge atribui significado à vida pública, especialmente aos fatos políticos e sociais. Esta charge de Glauco refere-se às condições de vida das mulheres pobres no Brasil. Sem informação ou meios de planejar a família, elas sofrem o preconceito da sociedade, aqui representada pela polícia, encarregada de manter a ordem social. Unidade 1 Estética
  5. 5. A existência das vanguardas, no entanto, é impres- encontram implícitas na obra. Por isso é imprescin-cindível à manutenção da fermentação cultural. No dível que façamos uma descrição detalhada, cuida-campo das artes, não podemos falar em progresso. dosa, a mais completa possível.O conceito de progresso envolve ideias de melhoria Finalmente, como na leitura de um livro, vamose superação, absolutamente estranhas ao mundo levantar os significados conotativos de cada signoartístico. A arte do século XX ou XXI não é melhor e dos signos combinados entre si. Ao se colocarnem pior que a arte grega ou renascentista. É ape- uma figura sobre um determinad~ fundo, combinarnas diferente, porque responde a questões colocadas determinadas cores, sons ou formas, associar umapelo ser humano e pela cultura atuais. Os artistas de música a uma imagem, os significados de cada signovanguarda são exatamente aqueles que levantam vão sendo alterados pelos significados dos outrosessas questões antes que a maior parte da sociedade signos, formando um espesso tecido de significa-as tenha percebido e respondem-nas trabalhando a ções que se entre cruzam.linguagem e a forma sensível de suas obras. No levantamento dessas conotações, precisamos sempre levar em conta a época e o lugar em que a obra foi criada. Por exemplo, no Renascimento, oIlO conteúdo unicórnio simbolizava a virgindade. Se desconhece- Interpretar uma obra de arte é buscar compreen- mos essa informação, a interpretação de uma obradê-Ia e apreciá-Ia. Isso exige que melhoremos nosso desse período em que apareça tal símbolo será defi-nível atual de compreensão e apreciação. ciente. Por outro lado, além do significado conota- A interpretação da obra de arte, ou seja, a atri- tivo cristalizado, podemos encontrar outros signi-buição de significados pelo espectador, como vimos ficados a partir da perspectiva de nossa época. Porno capítulo anterior, se dá em vários níveis. O pri- isso, para podermos penetrar a significação mais profunda de qualquer obra de arte, são necessáriosmeiro nível é o do sentimento, que já foi discutido. conhecimentos de história geral, de história da arteSentir em uníssono com a obra, deixar que ela nos e dos estilos, da história dos valores e da filosofialeve e enleve, seguir seu ritmo interno são os modos da época em que a obra foi criada, a fim de poder- .próprios de decodificação que se dão na experiên- mos situá-Ia em seu contexto. Precisamos, também,cia estética. O sentimento apresenta-se como uma estar engajados no nosso tempo para podermos per-unidade não dissociável da experiência, isto é, ele só ceber o que a obra nos diz hoje.pode acontecer na presença da obra. É por isso que dissemos" que a arte nos traz o co- O segundo nível de interpretação se dá por meio nhecimento de um mundo e não somente o conheci-do pensar e envolve a análise cuidadosa da obra. mento de uma obra. A arte instaura um universo deComo se pode fazer essa análise? significações que jamais é esgotado e que ultrapassa Em primeiro lugar, precisamos fazer um levanta- em muito a intenção do autor. Esquematicamente,mento da forma, em termos descritivos. Para isso, é podemos representar esse processo da seguintenecessário conhecer alguns aspectos fundamentais forma:das linguagens artísticas. Por exemplo, a linguagemteatral difere da linguagem cinematográfica. Se for-mos analisar, portanto, um espetáculo teatral, pre- Universo de significações possíveiscisamos antes saber o que caracteriza a linguagem de uma obraespecífica do teatro. Em seguida, descrevemos a obra do ponto devista denotativo, isto é, a partir do que realmente ..--r x: intencional idade dovemos ou ouvimos. Por exemplo, antes de perceber- x autor.mos que se trata do afresco Última ceia, de Leonardo y, h, W, n etc.: significadosda Vinci, nós vemos, representados na parede, treze que podemos atribuir àhomens atrás de uma mesa, de frente para nós, obra, sem desrespeitar suaagrupados três a três, exceto a figura central, com y, h, w, n proposta.determinado tipo de indumentária, fazendo tais o: significado arbitrário,gestos etc. Essa descrição dos signos que aparecem que não pertence aona obra e de como se combinam é muito impor- ~ universo da obra e que nãotante, pois vai nos fornecer dados para estabelecer- o podemos impor a ela.mos relações que não são tão evidentes, mas que se6 Ver os capítulos 33. "Estética: introdução conceitual", e 35, "Arte como forma de pensamento". A significação na arte Capítulo 36
  6. 6. Vejamos dois exemplos de como fazer leitu- Vejamos agora uma leitura possível de Vestido de ras analíticas possíveis: a partir de um poema de baile, da artista plástica Nazareth Pacheco. Augusto de Campos? e de uma obra de arte visual de Nazareth Pacheco. uma vez uma fala uma foz uma vez uma bala uma fala uma voz uma foz uma vala uma bala uma vez uma voz uma vala uma vez Trata-se de um poema concreto, portanto sua forma visual tem tanta importância quanto a forma sonora para a construção da significação. O que vemos? Palavras dispostas na folha f~ITnando dois ângulos agudos; o primeiro voltado para a direita e o segundo, para a esquerda. O eixo direita-esquerda é dado pela centralidade das palavras "uma vez" que se repetem, dando início e fechamento às figuras dos ângulos. Esse texto, escrito em 1957, faz parte da segunda fase do movimento concretista, na qual o desejo era compor um poema que, usando a fragmentação de palavras, ideias ou frases, esgotasse as possibilida- des combinatórias das palavras ou temas usados, do modo mais sintético possível. No poema, além da repetição do pronome "uma", o poeta usa dois outros grupos de palavras que man- têm semelhanças sonoras entre si: vez, voz, foz; e fala, bala, vala. Se considerarmos cada ângulo sepa- radamente, a sequência das palavras é exatamente a mesma. Entretanto, a sobreposição que acontece entre a quarta e a sétima linhas nos leva a ler linear- mente as duas metades, complementando o sen- tido: uma vez uma bala, uma fala uma voz, uma foz uma vala, uma bala uma vez. Do ponto de vista conotativo, a expressão "uma vez", que dá nome ao poema, nos remete à narra- tiva de histórias, unindo, neste caso, uma fala, uma voz, uma bala, uma vala, uma foz. Ou seja, a vida de alguém - a fala e a voz - ea bala que corta essa vida, levando-a para a vala, o fim. A visualidade do poema sugere dois movimentos antagônicos, embora complementares: o da vida e o da morte. Vestido de baile. Nazareth Pachem, 1997- 7 CAMPOS. Augusto de. Em: SIMON. Iumna M. e DANTAS, Vinicius de A. (Org.). Poesia concreta. São Paulo: Abril Educação. 1982. p. 28. (Coleção Literatura Comentada) ...... _=;;..] Unidade 7 Estética
  7. 7. A existência das vanguardas, no entanto, é impres- encontram implícitas na obra. Por isso é imprescin-cindível à manutenção da fermentação cultural. No dível que façamos uma descrição detalhada, cuida-campo das artes, não podemos falar em progresso. dosa, a mais completa possível.O conceito de progresso envolve ideias de melhoria Finalmente, como na leitura de um livro, vamose superação, absolutamente estranhas ao mundo levantar os significados conotativos de cada signoartístico. A arte do século XX ou XXI não é melhor e dos signos combinados entre si. Ao se colocarnem pior que a arte grega ou renascentista. É ape- uma figura sobre um determinado fundo, combinarnas diferente, porque responde a questões colocadas determinadas cores, sons ou formas, associar umapelo ser humano e pela cultura atuais. Os artistas de música a uma imagem, os significados de cada signovanguarda são exatamente aqueles que levantam vão sendo alterados pelos significados dos outrosessas questões antes que a maior parte da sociedade signos, formando um espesso tecido de significa-as tenha percebido e respondem-nas trabalhando a ções que se entrecruzam.linguagem e a forma sensível de suas obras. No levantamento dessas conotações, precisamos sempre levar em conta a época e o lugar em que a obra foi criada. Por exemplo, no Renascimento, oIJ O conteúdo unicórnio simbolizava a virgindade. Se desconhece- Interpretar uma obra de arte é buscar compreen- mos essa informação, a interpretação de uma obradê-Ia e apreciá-Ia. Isso exige que melhoremos nosso desse período em que apareça tal símbolo será defi-nível atual de compreensão e apreciação. ciente. Por outro lado, além do significado conota- A interpretação da obra de arte, ou seja, a atri- tivo cristalizado, podemos encontrar outros signi-buição de significados pelo espectador, como vimos ficados a partir da perspectiva de nossa época. Porno capítulo anterior, se dá em vários níveis. O pri- isso, para podermos penetrar a significação mais profunda de qualquer obra de arte, são necessáriosmeiro nível é o do sentimento, que já foi discutido. conhecimentos de história geral, de história da arteSentir em uníssono com a obra, deixar que ela nos e dos estilos, da história dos valores e da filosofialeve e enleve, seguir seu ritmo interno são os modos da época em que a obra foi criada, a fim de poder- .próprios de decodificação que se dão na experiên- mos situá-Ia em seu contexto. Precisamos, também,cia estética. O sentimento apresenta-se como uma estar engajados no nosso tempo para podermos per-unidade não dissociável da experiência, isto é, ele só ceber o que a obra nos diz hoje.pode acontecer na presença da obra. É por isso que dissemos" que a arte nos traz o co- O segundo nível de interpretação se dá por meio nhecimento de um mundo e não somente o conheci-do pensar e envolve a análise cuidadosa da obra. mento de uma obra. A arte instaura um universo deComo se pode fazer essa análise? significações que jamais é esgotado e que ultrapassa Em primeiro lugar, precisamos fazer um levanta- em muito a intenção do autor. Esquematicamente,mento da forma, em termos descritivos. Para isso, é podemos representar esse processo da seguintenecessário conhecer alguns aspectos fundamentais forma:das linguagens artísticas. Por exemplo, a linguagemteatral difere da linguagem cinematográfica. Se for-mos analisar, portanto, um espetáculo teatral, pre- Universo de significações possíveiscisamos antes saber o que caracteriza a linguagem de uma obraespecífica do teatro. Em seguida, descrevemos a obra do ponto devista denotativo, isto é, a partir do que realmente x: intencional idade dovemos ou ouvimos. Por exemplo, antes de perceber- x autor.mos que se trata do afresco Última ceia, de Leonardo y, h, W, n etc.: significadosda Vinci, nós vemos, representados na parede, treze que podemos atribuir àhomens atrás de uma mesa, de frente para nós, obra, sem desrespeitar suaagrupados três a três, exceto a figura central, com y, h, w, n proposta.determinado tipo de indumentária, fazendo tais o: significado arbitrário,gestos etc. Essa descrição dos signos que aparecem que não pertence aona obra e de como se combinam é muito impor- / universo da obra e que nãotante, pois vai nos fornecer dados para estabelecer- o podemos impor a ela.mos relações que não são tão evidentes, mas que se6 Ver os capítulos 33, "Estética: introdução conceitual", e 35, Arte como forma de pensamento".
  8. 8. o que vemos? Desse modo, a obra, que inicialmente parecia Esse é um objeto construído com fios de náilon, uma brincadeira, se enche de sentido, torna-se bela. miçangas e cristais transparentes e lâminas de bar- E nos emociona, enche-nos de alegria, de satisfação. bear de metal, pendurado em um cilindro de acrílico É o sentimento de completude. também transparente. O objeto assim descrito é um vestido, uma peça de vestuário, ligado, portanto, à vida cotidiana. IIQUEMÉ? Roupas, em geral, são utilizadas pelos seres Nazareth Pacheco e Silva nasceu em São Paulo, em 1961, formou-se em Artes Plásticas e deu humanos há muitos séculos, com a função de pro- continuidade à sua formação em Paris. Sua pri- teger o corpo das condições climáticas e da rudeza meira exposição individual foi em 1988, ocasião da natureza. Ao longo do tempo, além de ser prote- em que apresentou esculturas de longas fitas de ção, as roupas passaram a exercer outras funções: a borracha ou latão associadas a elementos pon- de conferir distinção social e econômica, conforme tiagudos. Em 1993, no Gabinete de Arte Raquel Arna ud, expôs vitrines-arquivos de materia I auto- o material de que são feitas, a marca ou o estilista biográfico. Na exposição coletiva Espelhos e som- que assina sua produção; a de tornar mais atraente bras usou instrumentos médicos destinados ao quem a veste; e a de esconder o corpo, entre outras. exame do corpo feminino como símbolos desseNeste caso, o uso dos cristais e a transparência da mesmo corpo. Embelezamento e tortura se mes- roupa nos levam a pensar em desfiles de moda, clam e se tornam tema de sua dissertação de ousadia, elegância, sofisticação, glamour e eventos mestrado. Em 1997, participou do Panorama da Arte Brasileira, no MAM de São Paulo, com cola- festivos, conotações confirmadas pelo próprio nome res e vestidos. Em 1998, sua apresentação na XXIV do objeto: Vestido de baile. O brilho dos cristais, das Bienal Internacional de São Paulo deu continui-miçangas e das lâminas atrai o nosso olhar. dade à produção de colares. Mais recentemente, A presença das lâminas, entretanto, ao mesmo entrou em nova fase de produção de objetos liga-tempo que nos atrai, também nos repele. Esse ves- dos à ideia de fecundação e das mutações que podem ser provocadas nos supostos embriões.tido não oferece proteção ao corpo, nem visual, porser transparente, nem efetiva, já que a qualquermovimento o corpo pode ser cortado pelas lâmi-nas. Em vez de ser elemento de proteção, o vestidose transforma em ameaça e perigo. A atração que ele 9 A educação em arteexerce, portanto, é uma atração fatal. Se a interpretação de uma obra de arte depende Um elemento que está implícito nessa obra é o de termos conhecimento não só das várias lingua-corpo humano, ou melhor, o corpo feminino, para gens como também da história da arte, dos estiloso qual um vestido é feito. A pergunta que se impõe é: e dos movimentos, a educação em arte terá uma quais outros perigos o corpo feminino está exposto papel fundamental em nossa capacidade de com-no mundo contemporâneo? Ele pode ser cortado preender a arte.e recortado por operações plásticas para chegar a A educação em arte só pode propor um cami-se conformar com padrões estéticos da moda? Ele nho: o da convivência com as obras de arte. Aquelasdeve se submeter a dietas e a sessões de exercícios que estão assim rotuladas em museus e galerias, asmassacrantes para se adequar a um único modelo? que estão em praças públicas, bancos, repartiçõesEle precisa ser perfurado por piercings ou coberto do governo, nas casas de amigos e de conhecidos.de tatuagens para ser atraente? Também aquelas, anônimas, que encontramos às Podemos, ainda, pensar em outros significados vezes numa vitrina, numa feira, nas mãos de umconotativos e algumas questões podem ser coloca- artesão. As que estão em alguns cinemas, teatros,das a partir do que já foi analisado. Por exemplo: na televisão e no rádio. As que estão nas ruas: cer-será que o perigo é sempre muito atraente, mesmo tos edifícios, casas, jardins, túmulos. Passamos porquando a probabilidade de nos ferirmos é bastante muitas delas, todos os dias, sem vê-Ias. Por isso, éalta? Será que a proteção e a segurança têm de ser preciso uma determinada intenção de procurá-Ias,sempre contrabalançadas por uma dose de perigo, de percebê-Ias.uma vez que quem é muito protegido pode se tornar Quanto mais ampla for essa convivência comimpotente para agir adequadamente quando neces- os tipos de arte, os estilos, as épocas e os artistas,sário? No último limite, a obra expõe a ambiguidade melhor. É só por meio desse contato aberto e eclé-da própria vida que transita entre a segurança (pro- tico que podemos afinar nossa sensibilidade para asteção) e o perigo. nuanças e sutilezas de cada obra, sem querer impor- A significação na arte Capítulo 36 l,_.
  9. 9. -lhe nosso gosto e nossos padrões subjetivos, que devem ter ao escolher, para seus alunos e filhos,são marcados historicamente pela época e pelo as exposições ou mesmo as vivências artísticas emlugar em que vivemos, bem como pela classe social artes visuais, música, teatro, dança. É importantea que pertencemos. não infantilizar a cultura, menosprezando a capa- cidade de crianças e adolescentes, ou do público carente cultural, de compreender por meio do sen- Lembraremos, ainda, que é na frequentação da obra timento, de estabelecer diálogos imaginativos, de que a intersubjetividade pode se dar. É através dela buscar informação. que podemos "encontrar" com o autor, sua época e também com nossos semelhantes. É pelas veredas não racionais da arte que a frequentação permite m A importância de saber ler descobrir e percorrer, que nos "sintonizamos" com o uma imagem outro, numa relação particular que a vida cotidiana No mundo contemporâneo, vivemos cercados desconhece. Terreno da intersubjetividade, a arte nos por imagens visuais de todos os lados. Das indi- une, servindo de lugar de encontro, de comunhão cações de trânsito às propagandas, dos ícones do intuitiva; ela não nos coloca de acordo: ela nos computador à imagem televisiva e cinematográ- irmana." fica e aos graffiti, pichações, decalques e ilustra- ções nos muros, enfim, a imagem parece prevale- Em seguida, precisamos aprender a sentir. Em cer em nossa vida. Já se disse que a palavra perderánossa sociedade, dada a importância atribuída seu lugar privilegiado na comunicação humana.à racionalidade e à palavra, não é raro tentar- Podemos discutir a validade dessa afirmação,mos enquadrar a arte nesse tipo de perspectiva. mas não podemos negar a importância que a ima-Assumimos, então, tamanha distância da obra que gem tem hoje. Por isso, aprender a ler a imagem,não é possível recebê-Ia através do sentimento. Por isto é, os modos como atribuímos significados aoutro lado, o sentimento, como já dissemos, não é elas, é um passo que nos leva à compreensão maisa emoção descabelada. No sentimento, a emoção profunda de nossa sociedade e de nossa vida.é despida de seu conteúdo material e elevada a outro Dentre as imagens, destacamos as de arte porestado: retirado o peso da paixão, permanecem serem mais difíceis de decodificar, uma vez queo movimento e as oscilações do sentir em comu- a informação estética exige conhecimento especí-nhão com os objetos. fico de linguagens artísticas e de história da arte; Finalmente, já fora da experiência estética, conhecimento do contexto de produção da obra;podemos chegar ao nível da recepção crítica, da disponibilidade interna para entender a arte aanálise intelectual da obra, do julgamento de seu partir de suas propostas. Além disso, ela é ines-valor, que é o trabalho do crítico e do historiador gotável em uma única leitura e não pode ser tra-da arte. Para essa tarefa, só a convivência com a duzida para outra linguagem sem perder parte deobra não basta. É necessário o conhecimento his- seu conteúdo.tórico dos estilos, da linguagem de cada arte, além Todas essas características fazem da atribui-de um profundo conhecimento da cultura que ção de significados às obras de arte uma tarefa quegerou cada obra. necessita de aprendizado específico, que se dá na Por tudo isso, fica claro o cuidado que o edu- convivência com elas, educando nossa sensibili-cador, seja ele de museu ou de escola, e os pais dade. Essa é a grande tarefa de pais e educadores.8 COLI, Jorge. o que é arte. São Paulo: Brasiliense, 1984. p. 126. (Coleção Primeiros Passos). Unidade 7 Estética
  10. 10. Leitura complementar Interpretação "A obra de arte é divergente, sua interpretação é impossível, ou sua interpretação éuma sofisticação: o programa de sua abordagem só pode ser investigativo, não expli-cativo." Para a obra de arte, o processo de aproximação é a hermenêutica, que se jus-tifica quando o que está em jogo é uma multiplicidade de sentidos (a confusão: váriossentidos fundidos num bloco não analisável, isto é, não divisível: o individual é o nãodiscreto," aquilo que não se pode determinar) e, pode-se dizê-Io, de interpretações. A /"111IIII"figura emblemática, aqui, é Hermes: seu campo de sentido, seu território semântico, édivergente, sua identidade não é cumulativa, nem oposicional: é flutuante: é de iden-tificação e posicional: dependendo da situação é uma coisa, dependendo da situação éoutra: Hermes, mensageiro dos deuses, filho de Zeus, conduzia as almas dos mortos peloreino inferior, o submundo, e tinha poderes mágicos sobre os sonhos e o sono; e, não masporém e (quer dizer, apesar disso ou por causa disso) era o deus do comércio, senhor daboa sorte e da riqueza; uma figura perigosa, porém(a arte é perigosa, a arte é um perigo),um simulador e um ladrão - o deus dos ladrões, na verdade: no mesmo dia deseu nascimento, roubou o rebanho de seu irmão Apoio e ocultou as pegadasdos animais fazendo-os andar para trás; buscando reconciliar-se com o irmão,Hermes deu-lhe a lira, que ele mesmo inventara ao pegar um casco de tarta-ruga, abrir-lhe os buracos, e sobre elés esticar umas tantas cordas - nove delas, uma paracada uma das nove Musas, inspiradora de todos os artistas: [...]. Então Hermes é o deusda arte, da ideia da arte, da forma da arte, da possibilidade da arte - de tudo que exigeperícia e destreza: conduzir as almas e roubar, vender e criar instrumentos de prazer; naprimeira antiguidade grega era representado como um homem maduro, com barba; naarte clássica helênica, como um jovem desnudo e imberbe. Não posso interpretar Hermesde modo unitário, não posso esclarecer o sentido de suas ações: posso investigar comoele agencia o sentido em determinada de suas ações, em certas circunstâncias, em oca-siões específicas: não há um programa para Hermes, não há uma política cultural paraHermes porque Hermes não é cultural: Hermes é a exceção à cultura ... Aqui cada um seabre para o mundo conforme sua própria compreensão do mundo, sua experiência domundo, a partir de seu código de valores (na interpretação cultural, a experiência é dosoutros, dos antecessores): isso não significa que todas as opiniões tenham o mesmo valor:a maioria se equivoca ou quer enganar: mas aqui há certamente mais alternativas que Escultura em bronzena cultura, na interpretação [...]." representando Hermes, conhecido como Mercúrio NETTO, José Teixeira Coelho. A cultura e seu contrário. na mitologia romana. São Paulo: Iluminuras/ltaú Cultural, 2008. p. 148-149. Giovanni de Bologna, c. 1576.> Questões11 Procure o significado de "hermenêutica. No que ela é diferente da interpretação?11 Por que, segundo o autor, não se pode interpretar a arte?•• Ouais são os vários sentidos de Hermes, expressos em seus diversos papéis?11 Explique a frase: "Então Hermes é o deus da arte, da ideia da arte, da forma da arte, da possibilidade da arte - de tudo que exige perícia e destreza".9 Ver,entre outros, o poeta espanhol (nascido em 1931) Antonio Gamoneda: "Ante un poema, mi estado favorido de conciencia es Ia confusíón". Em: El País, 3 ago. 2004, p. 40.O Discreto: contínuo, não separável. leitura complementar Unidade 7
  11. 11. > Revendo o capitulo 1m Comente este texto de Ferreira GuUar com base na discussão sobre conteúdo e significação da11 Como se caracteriza a informação estética? obra de arte.IJ Explique o que é a função poética e dê um exemplo. "Não resta dúvida que o caminho percorrido pelaS O que são as vanguardas artísticas? Qual seu papel? arte nos últimos cem anos tendeu preponderan- temente à eliminação do tema, a começar pelo11 Ouais os passos para se analisar uma obra de arte? tema literário: as cenas mitológicas, alegóricas ou históricas foram banidas da pintura pelo impres-I) Qual a importância da educação em arte? sionismo. O artista se voltou para a realidade obje- tiva: as paisagens e as cenas da vida moderna.> Aplicando os conceitos Esse defrontar-se com o presente é um defrontar-se A partir da leitura do texto abaixo sobre a peça com o devenir: Degas capta os gestos das baila- teatral "Arte", responda às questões de 6 a 9. rinas que dançam, Monet capta a luz cambiante da paisagem. É uma pintura onde não há heróis, "Arte" discute a amizade masculina não há história, não há mitos: o artista elabora as "Sérgio paga R$ 50 mil por um quadro completamente sensações que lhe chegam do mundo que ele vê." branco. Marcos, seu amigo há 15 anos, fica inconfor- (Sobre arte. Rio de Janeiro: Avenir, 1982. p. 9-10.) mado com a atitude e provoca uma briga, o que coloca em risco a amizade. Ivan, um terceiro amigo, e tam- > Caiu no vestibular bém o mais frágil, entra em cena para impedir que a amizade termine. Acaba levando a pior. m (Fuvest-SP) Observe esta gravura de Escher. A arte escolheu um caminho que acabou afas- tando as pessoas. Essa ídeia de desmaterialíza- ção, de abstração, acaba colocando o artista como um ser superior, incompreendido, o que incomoda cada vez mais o público, diz Kátia. Dizer que entende determinada obra pode significar uma maneira de ser esnobe. Leda afirma que a arte contemporânea pode ser muito provo cativa: Muitas vezes, os trabalhos causam polê- Mãos desenhando, micas incríveis por causa de sua busca pelo novo. M. C. Escher, Depois, passam os anos e todo mundo entende. 2°°9· O critico de arte lacob Klintowitz acredita que são Na linguagem verbal, exemplos de aproveitamento as interpretações da arte - e não a obra em si - que de recursos equivalentes aos da gravura de Escher podem desencadear um conflito." (Ana Paula Ragazzi. encontram-se com frequência, Folha de S.Paulo, 5 set. 1999. Acontece. p. 3.) a} nos jornais, quando o repórter registra uma ocor-D Qual a razão do conflito que se estabelece entre rência que lhe parece extremamente intrigante. os três amigos? b) nos textos publicitários, quando se comparam dois produtos que têm a mesma utilidade.IJ Analise a resposta da curadora Katia Canton c) na prosa científica, quando o autor descreve a partir dos conceitos de gênio (veja o tópico com isenção e distanciamento a experiência "Romantismo", no capitulo 37) e de gosto (veja de que trata. capitulo 35). d) na literatura, quando o escritor se vale dasIJ Analise a resposta da artista Leda Catunda (veja palavras para expor procedimentos construti- uma de suas obras no inicio do capitulo 37) a par- vos do discurso. tir do conceito de novidade. e) nos manuais de instrução, quando se organiza11 Analise a resposta do critico de arte lacob Klintowitz com clareza uma determinada sequência de fundamentada no conceito de interpretação. operações.

×