Sistema Imunitário II

  • 6,921 views
Uploaded on

Componentes da defesa não específica do organismo humano.

Componentes da defesa não específica do organismo humano.

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
6,921
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
1
Likes
8

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006
  • 2. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 A defesa não específica, ou imunidade inata , inclui o conjunto de processos através dos quais o organismo previne a entrada de agentes estranhos e os reconhece e destrói, quando essa entrada acontece. A resposta do organismo é sempre a mesma , qualquer que seja o agente invasor e qualquer que seja o número de vezes que este contacta com o organismo. Não se verifica especificidade , nem memória .
  • 3. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 1- Mecanismos que bloqueiam a entrada de agentes patogénicos 2- Mecanismos que atacam agentes patogénicos invasores Pele Flora normal (bactérias e fungos que vivem nos epitélios) Membranas mucosas Secreções protectoras Proteínas antimicrobianas (presentes nos fluidos do corpo) Macrófagos (leucócitos) Células citolíticas (nkc) Inflamação
  • 4. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 1- Mecanismos que bloqueiam a entrada de agentes patogénicos 2- Mecanismos que atacam agentes patogénicos invasores Pele Flora normal (bactérias e fungos que vivem nos epitélios) Membranas mucosas Secreções protectoras Proteínas antimicrobianas (presentes nos fluidos do corpo) Macrófagos (leucócitos) Células citolíticas (nkc) Inflamação Impede que os agentes invasores se introduzam noutros tecidos ou no sangue.
  • 5. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 1- Mecanismos que bloqueiam a entrada de agentes patogénicos 2- Mecanismos que atacam agentes patogénicos invasores Pele Flora normal (bactérias e fungos que vivem nos epitélios) Membranas mucosas Secreções protectoras Proteínas antimicrobianas (presentes nos fluidos do corpo) Macrófagos (leucócitos) Células citolíticas (nkc) Inflamação Competem com os agentes pelo espaço e nutrientes. Alguns produzem compostos inibidores (tóxicos).
  • 6. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 1- Mecanismos que bloqueiam a entrada de agentes patogénicos 2- Mecanismos que atacam agentes patogénicos invasores Pele Flora normal (bactérias e fungos que vivem nos epitélios) Membranas mucosas Secreções protectoras Proteínas antimicrobianas (presentes nos fluidos do corpo) Macrófagos (leucócitos) Células citolíticas (nkc) Inflamação Muco impede a entrada de agentes invasores.
  • 7. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 1- Mecanismos que bloqueiam a entrada de agentes patogénicos 2- Mecanismos que atacam agentes patogénicos invasores Pele Flora normal (bactérias e fungos que vivem nos epitélios) Membranas mucosas Secreções protectoras Proteínas antimicrobianas (presentes nos fluidos do corpo) Macrófagos (leucócitos) Células citolíticas (nkc) Inflamação Lágrimas, saliva, … produzem lisozima que ataca as paredes celulares de bactérias. Suco gástrico com ácido clorídrico. Sais biliares no intestino delgado.
  • 8. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 1- Mecanismos que bloqueiam a entrada de agentes patogénicos 2- Mecanismos que atacam agentes patogénicos invasores Pele Flora normal (bactérias e fungos que vivem nos epitélios) Membranas mucosas Secreções protectoras Proteínas antimicrobianas (presentes nos fluidos do corpo) Macrófagos (leucócitos) Células citolíticas (nkc) Inflamação Proteínas do sistema complemento. Interferão – glicoproteína que aumenta a resistência à infecção por vírus.
  • 9. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 1- Mecanismos que bloqueiam a entrada de agentes patogénicos 2- Mecanismos que atacam agentes patogénicos invasores Pele Flora normal (bactérias e fungos que vivem nos epitélios) Membranas mucosas Secreções protectoras Proteínas antimicrobianas (presentes nos fluidos do corpo) Macrófagos (leucócitos) Células citolíticas (nkc) Inflamação Ingerem os agentes por fagocitose que são destruídos por enzimas hidrolíticas.
  • 10. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 1- Mecanismos que bloqueiam a entrada de agentes patogénicos 2- Mecanismos que atacam agentes patogénicos invasores Pele Flora normal (bactérias e fungos que vivem nos epitélios) Membranas mucosas Secreções protectoras Proteínas antimicrobianas (presentes nos fluidos do corpo) Macrófagos (leucócitos) Células citolíticas (nkc) Inflamação Iniciam a lise de células cancerosas e de células normais infectadas por vírus.
  • 11. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 1- Mecanismos que bloqueiam a entrada de agentes patogénicos 2- Mecanismos que atacam agentes patogénicos invasores Pele Flora normal (bactérias e fungos que vivem nos epitélios) Membranas mucosas Secreções protectoras Proteínas antimicrobianas (presentes nos fluidos do corpo) Macrófagos (leucócitos) Células citolíticas (nkc) Inflamação Rubor, edema, calor, dor.
  • 12. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Reacção inflamatória A reacção inflamatória é uma sequência complexa de acontecimentos que ocorre quando agentes patogénicos conseguem ultrapassar as barreiras físicas de defesa do organismo. Envolve mediadores químicos e fagócitos .
  • 13. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Reacção inflamatória Libertação de histaminas e outros mediadores químicos, por células lesionadas, mastócitos e basófilos, no tecido contaminado por agentes patogénicos.
  • 14. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Reacção inflamatória Vasodilatação e aumento da permeabilidade dos capilares sanguíneos da zona atingida. Como consequência, aumenta o fluxo sanguíneo no local e uma maior quantidade de fluxo intersticial passa para os tecidos envolventes. A zona atingida manifesta rubor , calor e edema .
  • 15. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Reacção inflamatória A dor que acompanha a reacção inflamatória é causada pela acção de substâncias químicas nas terminações nervosas locais e pela distensão dos tecidos.
  • 16. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Reacção inflamatória Os neutrófilos e os monócitos são atraídos por quimiotaxia , deixam os vasos sanguíneos por diapedese e dirigem-se aos tecidos infectados. Os neutrófilos são os primeiros a chegar e começam a realizar a fagocitose dos agentes patogénicos. Chegam a seguir os monócitos , que se diferenciam em macrófagos .
  • 17. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Reacção inflamatória Os macrófagos fagocitam os agentes patogénicos e os seus produtos, os neutrófilos destruídos no processo e as células danificadas. O pús que se acumula no local da infecção é formado por microrganismos e fagócitos mortos e por proteínas e fluido que saíram dos vasos sanguíneos. O pús é absorvido e, ao fim de alguns dias, verifica-se a cicatrização dos tecidos
  • 18. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Reacção inflamatória Quimiotaxia – migração de células imunitárias (como os neutrófilos) atraídas por sinais químicos libertados por células lesionadas. Diapedese – migração de leucócitos dos capilares sanguíneos para os tecidos, através dos poros existentes entre as células das paredes dos capilares.
  • 19. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Fagocitose Captura, por endocitose, de células ou restos de células que são destruídas em vesículas digestivas. As células que realizam a fagocitose são os fagócitos (sobretudo neutrófilos e macrófagos).
  • 20. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Fagocitose Células fagocíticas são especializadas para, não especificamente , consumir e digerir antigénios. O macrófago é um exemplo de uma célula fagocítica. Além desta função de limpeza não específica, os macrófagos digerem antigénios “ingeridos” e colocam pequenas peças antigénicas à sua superfície para reconhecimento dos linfócitos.
  • 21. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Resposta sistémica Quando os agentes patogénicos são particularmente agressivos, é accionada uma reacção inflamatória sistémica, que ocorre em várias partes do organismo : Aumento do número de leucócitos em circulação Febre
  • 22. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Resposta sistémica O aumento do número de leucócitos em circulação resulta da estimulação da medula óssea por substâncias químicas produzidas pelas células lesadas.
  • 23. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Resposta sistémica A febre pode ser desencadeada por toxinas produzidas pelos agentes patogénicos ou por pirógenos produzidos por leucócitos. Estas substâncias actuam sobre o hipotálamo e regulam a temperatura do corpo para um valor mais alto. A febre moderada é benéfica dado que acelera as reacções do organismo, estimulando a fagocitose e a reparação dos tecidos lesados. Inibe, igualmente, a multiplicação de alguns microrganismos.
  • 24. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Resposta sistémica Febre é uma resposta imunitária não específica à infecção. As bactérias que entram no corpo através de um corte podem causar uma infecção. Após reconhecimento da invasão bacteriana, os linfócitos libertam pirógenos que informam o cérebro para aumentar a temperatura do corpo. Uma temperatura corporal elevada cria um ambiente desfavorável ao crescimento de micróbios. A febre também estimula a resposta imunitária normal.
  • 25. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Prot. complemento Complemento é um conjunto de 20 ou mais beta globulinas (proteínas) no plasma sanguíneo que ajudam nas actividades do sistema imunitário provocando a rotura de células estranhas.
  • 26. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Prot. complemento O sistema complemento é um grupo de proteínas do plasma inactivas que são activadas quando certas proteínas se ligam a um complexo antigénio-anticorpo (a via clássica ) ou quando outras proteínas complemento se ligam aos polissacarídeos de micróbios (a via alternativa ). Uma vez activadas, as proteínas complemento ampliam a resposta inflamatória , formam um complexo de ataque à membrana (MAC) que destrói as membranas dos micróbios , ou ligam às membranas microbianas para estimular a fagocitose , um processo chamado opsonização.
  • 27. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Prot. complemento Via clássica Via alternativa Anticorpo liga-se a célula estranha Factores complemento B, D e P ligam-se a polissacarídeos das paredes celulares microbianas Exposição de locais de ligação complemento-anticorpo Anticorpo liga-se a proteínas complemento C1, C2 e C4 Proteína complemento C3 Divide-se em fragmentos C3a e C3b C3a C3b Estimula mastócitos e basófilos Secreção de químicos inflamatórios Activa proteínas complemento C5b a C9 (complexo de ataque à membrana) Reveste superfície das bactérias C5b a C9 ligam-se à membrana plasmática inimiga, criando uma abertura Liga neutrófilos e macrófagos Promove a fagocitose Inflamação Citolise Opsonização
  • 28. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Prot. complemento
  • 29. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Prot. complemento Parte da imunidade não especifica é um conjunto de cerca de 20 proteínas chamadas complemento. Um modo de acção das proteínas complemento é formar um complexo de ataque da membrana quando estimulado por células estranhas ou células infectadas por vírus. Grupos de proteínas complemento perfuram a célula, cujo conteúdo é perdido. O complemento também estimula os leucócitos fagocíticos a “ingerir” estas células estranhas ou infectadas.
  • 30. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Interferão São proteínas produzidas por certas células atacadas por vírus que se difundem para células vizinhas, induzindo-as a produzir proteínas antivirais . Estas proteínas bloqueiam a replicação do vírus, limitando o seu alastramento.
  • 31. IMUNOLOGIA DEFESA NÃO ESPECÍFICA © Artur Melo 2006 ► Interferão Quando uma célula é invadida por um vírus, um dos mecanismos de defesa não específica é proteger as células vizinhas da infecção. Após infecção viral, o interferão pode ser libertado da célula infectada. Este inicia os mecanismos de defesa antivirais em todas as células que recebem o sinal. Apesar do vírus se replicar e da célula infectada morrer pelo ataque do vírus, a protecção das células envolventes ajuda a evitar o alastramento da infecção.