• Like
  • Save
Planejamento Educação Infantil
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Planejamento Educação Infantil

on

  • 51,173 views

 

Statistics

Views

Total Views
51,173
Views on SlideShare
51,017
Embed Views
156

Actions

Likes
7
Downloads
432
Comments
0

2 Embeds 156

http://www.slideshare.net 155
http://webcache.googleusercontent.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Planejamento Educação Infantil Planejamento Educação Infantil Presentation Transcript

    • UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PEDAGOGIA DISCIPLINA: PROPOSTA PEDAGÓGICA E PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL
    • Planejamento na Educação Infantil: mais que atividade, a criança em foco
      • Adrianizy Borba;
      • Alyne Costa;
      • Ana Edwiges;
      • Artemise Lima;
      • F ca Joanne Maciel
    • Introdução
      • Recentes Discussões: Educação Infantil ganha Estatuto de Direito
      • Perguntas Frequentes X Intencionalidade
      • O que significa planejamento?
      • “ Planejamento é um processo que se preocupa com “para onde ir” e quais as maneiras adequadas de chegar lá, tendo em vista a situação presente e possibilidades futuras, para que o desenvolvimento da educação atenda tanto às necessidades do desenvolvimento da sociedade, quanto às do individuo”. (COROACY, 1992, p. 79)
      • “ Planejamento é uma mediação teórico-metodológica para a ação consciente e intencional” (VASCONCELLOS, 1995, p.79).
      • Indagações que o educador infantil deve fazer a si mesmo
      • Qual a forma do planejamento?
      • Como ela deve ser estabelecida?
    • Tipos de Planejamento:
      • Baseado em listagem de atividades;
      • Baseado em datas comemorativas;
      • Baseado em aspectos do desenvolvimento;
      • Baseado em temas (tema integrado, tema gerador, centros de interesse, unidades de experiência e baseado em conteúdos organizados por áreas de conhecimento).
      • É considerado um dos mais rudimentares, pois está baseado na preocupação do educador em preencher o tempo de trabalho com o grupo de crianças, entre um e outro momento da rotina;
      • As atividades previstas estão planejadas de acordo com o tempo e não com o desenvolvimento e aprendizagem das crianças.
      Planejamento baseado em listagem de atividades
    • Planejamento baseado em datas comemorativas
      • Planejamento da prática cotidiana, é direcionado pelo calendário;
      • Qual o critério para a escolha das datas a serem trabalhadas em atividades pedagógicas? Que concepções de história perpassa tais escolhas?
    • Planejamento baseado em aspectos do desenvolvimento
      • Preocupação com os aspectos que englobam o desenvolvimento infantil (físico-motor, afetivo, social e cognitivo);
      • Esse planejamento representa um avanço, se comparados aos anteriores, pois coloca como ponto de partida a criança, o seu desenvolvimento.
    • Planejamento baseado em temas
      • Neste tipo de planejamento, o tema e o desencadeador ou gerador de atividades propostas às crianças.
      • Tema escolhido pelo professor, sugerido pelos alunos;
      • Escolha de conteúdos que façam parte da realidade imediata das crianças.
      • Escolha de um tema
      • Delimitação do tema
      • Sequência de atividades para a semana
      • Na prática os educadores acabam fazendo da escolha do tema um pretexto para a ‘listagem de atividades’;
      • Segundo a autora se torna uma ‘camisa de força’ imposta pelas coordenações das instituições a todos os educadores e a todos os aluno;
      • - ‘O que é significativo para a criança de dois anos é significativo para as crianças maiores?’
    • Planejamento baseado em conteúdos organizados por áreas de conhecimento
      • Fim dos anos 80 e início dos anos 90, currículos marcados com planejamentos que relacionam a defesa da pré-escola como espaço pedagógico, como um lugar de conhecimentos;
      • Contempla quatro grandes áreas de conhecimento: língua portuguesa, matemática, ciências sociais e ciências naturais.
      • “ Esses conteúdos dariam o norte para um trabalho intencional com a criança de quatro a seis anos, de modo a favorecer a ampliação de seus conhecimentos”; (p. 188 )
      • Como ensinar matérias aos bebês?
      • Como planejar para os bebês, o que considerar nesse planejamento?
    • Reflexões sobre planejamento na educação infantil, incluindo os bebês!
      • Qualquer ação de planejamento vai depender do educador:
      • Compromisso com a profissão;
      • Respeito para com o grupo de crianças;
      • Valores nos quais acredita;
      • Planejar é atitude!
      • Para a autora:
      • “ elaborar um ‘planejamento bem planejado’ no espaço de educação infantil significa entrar na relação com as crianças (e não com os alunos!) mergulhar na aventura em busca do desconhecido, construir a identidade do grupo junto com as crianças” (p. 190)
    • O papel do educador que atua na educação infantil: compromissos com as suas crianças, com os seus valores e o que deseja atingir:
      • Esse profissional deve compreender, acima de tudo, que a criança que está sob seus cuidados é um ser ativo, dotado de conhecimentos prévios, cabendo a ele (a) considerá-los.
      • O (a) docente tem de ampliar tais conhecimentos, sistematizando-os, de forma a propiciar oportunidades de contato e exploração, por parte da criança, com objetos concretos, para que a criança possa manipular o que lhe chama atenção e assim descobrir inúmeras possibilidades.
      • A observação do educador é fundamental para:
      • Perceber as mudanças no desenvolvimento de suas crianças.
      • Atentar para as características inerentes a cada faixa etária.
      • Saber lidar com sentimentos como tristeza, isolamento entre outros sentimentos que acometem as crianças pequenas.
      • Articular situações que envolvem o ato de compartilhar com o outro.
      • De certa forma, esses aspectos são instrumentos essenciais para reflexão e planejamento por parte do educador, pois, a partir das constatações que obtém cotidianamente, é possível direcionar a sua prática pedagógica de modo a intervir, quando necessário, e a pensar em alternativas que favoreçam a todos.
      • Conforme Camargo (s/d):
      • “ Observar, registrar, refletir são instrumentos importantes para avaliar e planejar. Não se trata de observar para rotular. Pelo contrário, é melhor perceber, para ver detalhes, avanços, constância de atitudes, permanências de dificuldades e, principalmente, mudanças.”
    • Hora da atividade x atividades de caráter educativo-pedagógico:
      • Ao pensar em dissociar os conceitos de “hora da atividade” e momentos pedagógicos por excelência, vale refletir acerca das proposições de Machado (1996, p. 11) e Ostetto (1997, p. 11), respectivamente:
      • O pedagógico não está na atividade em si, mas na postura do educador, uma vez que não é a atividade em si que ensina, mas a possibilidade de interagir, de trocar experiências e partilhar significados é que possibilita às crianças o acesso a novos conhecimentos.
      • [...] Muito do caráter educativo-pedagógico passa por tais vivências: de interações, linguagens múltiplas e brincadeiras. Aspectos que, muitas vezes, estão adormecidos no adulto, ou esquecidos nos passados anos de infância. São dimensões que precisam ser resgatadas no adulto-profissional da educação infantil que constrói sua competência dia a dia, que busca uma ação intencional, voltada ao atendimento de qualidade para a criança pequena, articulando necessidades vitais para o seu crescimento, garantindo cuidado e educação no planejamento cotidiano.
    • Repensando o Planejamento da Educação Infantil.
      • Cuidar e Educar
      • A linguagem, a escuta e o olhar do profissional da educação infantil.
      • Atividades Direcionadas X Expressões das crianças.
      • Situações Significativas no cuidar e educar: proporcionar momentos desafiadores, favorecendo a exploração do meio.
      • A linguagem e suas diferentes formas de expressão.
      • A observação e o olhar
      • “ Se não miramos com os olhos direcionados, fixados nas crianças, nos movimentos, gestos, expressões, o olhar se perde e vai parar... na atividade”! OSTETTO (2000)
      • Escutar: hoje é o mais importante verbo, quando se pensa na prática educativa.
      • “ É urgente educarmos os ouvidos” OSTETTO (2000)
      • O que a escuta proporciona?
    • “ Projetos de Trabalho” Ostetto
    • Estrutura Projeto de Trabalho
      • Nome
      • Justificativa
      • Objetivo Geral
      • Assuntos-atividades-situações
      • Fontes de Consulta
      • Recursos
      • Tempo Previsto
    • Considerações Finais
      • Considerando as determinações da LDB (Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996) em seu artigo 29, a educação infantil é entendida como um direito estabelecido e que deve desenvolver a criança de forma integral, surgindo a preocupação de como planejar uma prática educativa que atenda a todos os aspectos do desenvolvimento infantil.
      • No decorrer desta reflexão acerca do planejamento para a educação infantil, nos deparamos com diferentes tipos de planejamentos, ou seja, desde os que tem a função meramente burocrática, como o de listagem de atividades, até o projeto de trabalho que, efetivamente, orienta a ação pedagógica possibilitando um novo olhar em relação o significado de aprender na educação infantil.
    • Referências Bibliográficas
      • OSTETTO ,Luciana esmeralda.Planejamento na Educação infantil:mais que a atividade,a criança em foco.In:OSTETTO,Luciana Esmeralda.(Org.). Encontros e encantamentos na educação infantil. São Paulo:Papirus,2000.
      • Sites Visitados:
      • http://recantodasletras.uol.com.br/artigos/33896
      • (Acesso em 28/05/09)
      • http://pegagogico.com.br/pa04.html
      • (Acesso em 28/05/09)
      • http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias
      • (Acesso em 28/05/09)
      • http://www.cep.pr.gov.br/arquivos
      • (Acesso em 28/05/09)