Your SlideShare is downloading. ×
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
#4 (cardinal 4)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

#4 (cardinal 4)

1,345

Published on

Guião desenvolvido para a disciplina de Guião do Mestrado em Estudos Cinematográficos da Universiadade Lusófona. …

Guião desenvolvido para a disciplina de Guião do Mestrado em Estudos Cinematográficos da Universiadade Lusófona.

Título: # 4 (cardinal 4)
Ano: 2008
Sinopse:

"Sofia, também conhecida por Madame Aida, é apresentadora de um programa de televisão matinal de previsões astrológicas e leitura de horóscopos.
Recentemente, uma serie de acontecimentos estranhos e sem explicação evidente levam Sofia a acreditar que algo de anormal se passa com o telefone da linha #4. Tudo o que é dito aos espectadores que ligam para o programa através da linha #4, acontece. Como resultado as audiências do programa subiram em flecha.
Certo dia André, marido de Sofia, liga para o estúdio antes de viajar com o filho, para falar com Sofia.
O telefone da linha #4 toca e quem atende é Jorge, um colega de Sofia e amigo do seu marido. Antes de passar a chamada para Sofia, os dois amigos combinam ir ver o próximo jogo de futebol assim que este regressar de viagem. Como dois verdadeiros fãs de futebol e rivais, discutem o resultado do jogo.
Sofia entra no estúdio e ouve Jorge a responder à provocação de André, respondendo-lhe para "ir morrer longe".
Sofia fica em estado de pânico no momento em que é dado o sinal de que o programa vai começar.
A emissão começa e Sofia está em directo diante milhares de espectadores..."

mais informações em:
http://diogo-andrade.blogspot.com/

Published in: Entertainment & Humor
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,345
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. #4 (cardinal 4) De Diogo Pessoa de Andrade
  • 2. PARQUE DE ESTACIONAMENTO - MANHÃ Está neblina e chuvisca. Um carro entra em velocidade no estacionamento quase cheio e dirige-se para um lugar vazio. Sofia (mais conhecida por Aida)estaciona o carro, desliga o rádio e roda a chave parando o motor. Sai apressadamente e corre para o edifício grande que cerca parte do parque de estacionamento. As portas automáticas abrem-se à passagem de Sofia quando entra no edifício. HALL DE ENTRADA DO EDIFÍCIO - INTERIOR - MANHÃ SOFIA (MADAME AIDA) (ofegante dirige-se para o porteiro) - Bom dia Mário, estou atrasadíssima. Há algum recado para mim? MÁRIO - Bom dia Madame Aida, está mesmo a começar. O Sr. Jorge já ligou duas vezes a perguntar se a senhora já chegou. SOFIA (MADAME AIDA) - O senhor Director já chegou? MÁRIO (olhando para o exterior) - Ou me engano muito ou é o carro dele que acabou de passar. SOFIA (MADAME AIDA) - Tenho de subir. Até logo Mário. MÁRIO - Quanto a recados Madame Aida, só mesmo um telefonema da senhora que teima em dizer que a Madame lhe mudou a vida. Quer falar consigo, directamente. SOFIA - Outra vez? MÁRIO - Todos os dias, desde que ligou pela primeira vez para o seu programa. (CONTINUA)
  • 3. CONTINUA: 2. SOFIA (MADAME AIDA) - Valha-me Deus! O que foi que eu lhe disse? Isto só a mim... Sofia dirige-se para o elevador. A porta do elevador abre-se. Sofia entra no elevador e carrega no botão do 4 andar. A porta do elevador fecha-se. O elevador sobe. 4 ANDAR - SAÍDA DO ELEVADOR Ouve-se o sinal de chegada do elevador. A porta do elevador abre-se e Sofia sai a correr. Dirige-se rapidamente para o fundo do corredor. De uma das muitas portas ao longo de todo o corredor, sai Teresa com vários artigos de cabeleireira nas mãos. Sofia e Teresa embatem uma contra a outra. Os artigos espalham-se no chão. TERESA (enquanto se compõem do choque com Sofia) - Bom dia Aida, sei que me adoras mas assim tanto também não. SOFIA - I’m sorry querida. Estou atrasadíssima. E tu ainda tens de arranjar-me o cabelo. TERESA - Meu amor, pareces uma gata molhada. Eu tenho estado à tua espera. Corre, vai. Sofia despe o casaco e entra no camarim. CAMARIM DE SOFIA - INTERIOR Sofia pousa a mala em cima de uma cadeira e senta-se na cadeira em frente ao espelho e relaxa. Descalça-se com os pés e suspira enquanto esfrega um pé no outro. Teresa acende as luzes do espelho, e segura no secador e numa escova larga. Liga o secador e volta-se para Sofia. PLANO DE SOFIA E TERESA REFLECTIDAS NO ESPELHO. AMBAS OLHAM UMA PARA A OUTRA ATRAVÉS DO ESPELHO Teresa seca o cabelo de Sofia enquanto a penteia. (CONTINUA)
  • 4. CONTINUA: 3. TERESA - Conta-me meu amor, como vai ser o meu dia de hoje? Acordei com o rabinho voltado para a Lua ou nem por isso? SOFIA - Querida, eu não sei de que lado estava o teu rabo!Mas com Vénus a Lua e Júpiter em conjunção,tudo indica que em matéria de amores e dinheiro a semana promete. - TERESA - Hmmm, acho que já comecei a sentir isso. SOFIA - Então? TERESA - O João, estava terrível esta manhã. SOFIA - Hmmmmmm..... TERESA (apontando com a escova para uma carta em cima da mesa) - Ah! É verdade, quase me esquecia. Chegou esta carta para ti. Sofia chega-se à frente sem se levantar da cadeira e segura na carta. SOFIA -Não tem remetente. Que estranho! TERESA (com um sorriso matreiro) - Hmmm, será o Júpiter que anda atrás da Vénus? Sofia sorri com os olhos, abre a carta e lê. O seu rosto passa de sorridente a sério. SOFIA - Caramba que esta tipa não me larga! Continua a insistir que tudo o que prevejo acontece. Quer à força falar comigo. (CONTINUA)
  • 5. CONTINUA: 4. TERESA - Ãh? SOFIA - Deixa que te leia. GRANDE PLANO: MÃO DE SOFIA SEGURA A CARTA (VOZ OFF) Querida Madame Aida, estou a tentar chegar de todas as formas possíveis até si. Desde que telefonei para o seu programa e que falei consigo, que tudo o previu, aconteceu. Tudo! Disse-me também para ter em atenção aos sonhos nesta altura, porque trariam mensagens. Desde então sonho que perco o meu filho. Por favor, fale comigo. Temo pelo meu filho. A Madame adivinhou tudo. Ligue-me quando puder para o numero 91656565. Estou por perto, à sua espera. Ass: Octávia TERESA - Xiça que isso até mim me arrepia. Achas que é doida? Vais fazer alguma coisa? Queres que chame a polícia? SOFIA (enquanto se levanta da cadeira) - Deixa lá. É só mais um caso estranho daqueles da linha quatro. TERESA - Como assim? Ela também é uma das que ligou para a linha 4? SOFIA - Sim, segundos antes daquele que ligou e perguntou se era um bom dia para apostar no totoloto. TERESA - O da notícia do jornal? SOFIA - E que levou o primeiro prémio sozinho. As audiências subiram em flecha depois da historia sair nos jornais. "Os astros dão milhões" em letras gordas na primeira página! É espantoso como as pessoas precisam de acreditar nisto. (CONTINUA)
  • 6. CONTINUA: 5. Sofia olha para a folha de jornal colada na parede do camarim. GRANDE PLANO: NOTÍCIA DO JORNAL COM A FOTOGRAFIA DO PREMIADO. TERESA - Amor, da próxima vez pede-lhe os números e partilha-os comigo. Vá, põe-te a andar. Tá na hora. Sofia levanta-se, olha-se ao espelho e dirige-se para a porta. SOFIA - Fui. Sofia sai do camarim. ESTÚDIO DE GRAVAÇÃO Todos estão em posição, fazem-se os últimos testes ao equipamento. Sofia entra apressadamente, cumprimenta o director do programa. SOFIA - Bom dia Carlos. CARLOS - Bom dia Sofia, ou será que já está na hora de a tratar por Madame Aida? Sofia franze a testa, desvia o olhar e dirige-se para frente das camaras. Uma voz grita do fundo do estúdio. - Tudo a postos? - O.K. Tá a gravar. Ouve-se o som do genérico de entrada. - Atenção, no ar em 5...4...3...2...1. SOFIA (MADAME AIDA) (GRANDE PLANO DO PONTO DE VISTA DE UMA CAMARA NO ESTÚDIO COM TRANSIÇÃO PARA IMAGEM QUE ESTÁ A SER EMITIDA) SOFIA (MADAME AIDA) (Na base do ecrã surge numero de telefone 808 777 777) (MAIS) (CONTINUA)
  • 7. CONTINUA: 6. SOFIA (MADAME AIDA) (CONTINUA) - Bom dia caros e caras telespectadores, mais uma semana que começa. Uma semana que promete mexer com o amor e a sorte. Esta noite tivemos a bela conjunção entre Júpiter, Vénus e a Lua. Para os mais atentos, bem visível e brilhante no céu ao anoitecer. (TRAVELING DA CAMARA PELO ESTUDIO DESDE O PONTO DE VISTA DO CAMARAMAN, PASSANDO PELOS VÁRIOS TÉCNICOS ATÉ QUE PÁRA EM FRENTE DA JANELA DA REGIE) As vozes dos trabalhadores vão-se sobrepondo aos poucos à voz de Sofia. Atrás da janela podemos ver Jorge, o realizador, Carlos o director e Mafalda que está junto a quatro telefones em cima de um balcão. REGIE - INTERIOR Jorge dá ordens para os camaras através do intercomunicador. Jorge volta-se para Mafalda que está sentada à sua esquerda. JORGE - Mafalada, ao meu sinal podes abrir as linhas. Mafalda, olha atentamente para Jorge. Jorge da o sinal de O.K. com a mão e Mafalda liga um interruptor. De imediato um dos telefones dá sinal de luz intermitente, sequencialmente começam a piscar os outros 3. Mafalda aguarda uns segundos e atente o telefone nº2. MAFALDA - Estrela da manhã, muito bom dia. Com quem tenho o prazer de estar a falar? (VOZ DE UMA MULHER AO TELEFONE) - Quero falar com a Madame Aida. MAFALDA - Bom dia, com quem tenho o prazer de estar a falar? (VOZ DE UMA MULHER AO TELEFONE) - Tenho de falar com a Madame Aida. Passe-me a Madame Aida. (CONTINUA)
  • 8. CONTINUA: 7. MAFALDA (sussurrando para Jorge) - Jorge, parece que temos outro ouvinte que não se quer identificar. JORGE - Passa para a chamada seguinte. MAFALDA - Lamentamos minha senhora, mas não não nos é possível atender ao seu pedido. Mafalda pousa auscultador do telefone 2 e atende o telefone numero 4. MAFALDA - Estrela da manhã, muito bom dia. Com quem tenho o prazer de estar a Falar? (VOZ DE UM RAPAZ AO TELEFONE) - Bom dia, chamo-me Pedro. Mafalda começa a anotar os dados que Pedro lhe dita ao telefone, em resposta às várias questões que Mafalda lhe coloca. (TRAVELING DA CAMARA DESDE O GRANDE PLANO DA MÃO DE MAFALDA SOBRE O BLOCO DE NOTAS, ATÉ AO MONITOR QUE MOSTRA A IMAGEM DE SOFIA (MADAME AIDA) QUE ESTA A SER EMITIDA PARA O EXTERIOR) CORTAR PARA: PLANO MÉDIO DE SOFIA MADAME AIDA SOFIA (MADAME AIDA) - Ora aqui temos o nosso primeiro telespectador. Um jovem que nos fala da margem sul. Ora então muito bom dia caro amigo. PEDRO (O.S.) - Bom dia, sou o Pedro. Estou a ligar de Azeitão. SOFIA (MADAME AIDA) - O Pedro tem 19 anos e é Balança. Está a ligar de Azeitão. Bem conhecida pelas suas tortas e que eu adoro. Terra de boa gente e que eu conheço muito bem. Sofia olha para a camara. (CONTINUA)
  • 9. CONTINUA: 8. SOFIA - Diga-nos Pedro, é a primeira vez que nos está a ligar? PEDRO -Ãh...Sim, é. Mas a minha mãe liga todos os dias. SOFIA - E faz a sua mãe muitíssimo bem. Desde já um grande beijinho de toda a equipa para a sua mãe. POR CIMA DOS OMBROS: PLANO DA CAMARA E DO TELEPONTO. SOFIA - Espero que o Pedro também goste tanto deste programa como a sua mãe. Vejamos então o que lhe reservam os astros para o dia de hoje. Os olhos de Sofia estão fixados no teleponto. SOFIA - Caro Pedro, o seu signo tem altos e baixos durante o dia de hoje. PLANO MEDIO DE SOFIA - IMAGEM QUE ESTA A SER TRANSMITIDA SOFIA saúde: Sentirá boas energias, sobretudo durante as primeiras horas do dia, depois pode começar a acusar algum desgaste. Tenha especial cuidado ao fim do dia. Vai sentir-se mais cansado. Esteja atento se conduz ou trabalha com máquinas. As distracções podem causar-lhe acidentes. AMOR: Não guarde reservas contra alguém do seu passado, para ser feliz deve tirar sentimentos negativos do seu coração. É provável que encontre um amor passado. Receba-o com um sorriso. DINHEIRO: Está protegido neste campo, independentemente do que tiver de enfrentar. A camara 3 dá sinal de que vai entrar no ar. Sofia volta-se para a camara 3. (PLANO DO VISOR DA CAMARA 3 COM A IMAGEM DE SOFIA) (CONTINUA)
  • 10. CONTINUA: 9. SOFIA (MADAME AIDA) - Pedro, tem alguma pergunta que nos queira colocar? PEDRO (pausa em silencio) - Ãh, não sei. SOFIA (MADAME AIDA) - Caro Pedro, aproveite as energias. Descontraia, saia um pouco. Aproveite e compre umas tortas de Azeitão, quem sabe não encontra um antigo amor e lhe faz uma surpresa. PEDRO - Ãh...obrigado Madame Aida. SOFIA (MADAME AIDA) - Tenha um óptimo dia Pedro. Que a Estrela da Manhã o acompanhe. Sofia volta-se para a camara 1. SOFIA (MADAME AIDA) - Temos outro ouvinte em linha. A senhora Lúcia que nos liga do Porto. Ora então muito bom dia Sra. Lúcia. FADE OUT PARQUE DE ESTACIONAMENTO - ANOITECER Sofia despede-se do Jorge. Jorge tira um cigarro do casaco e acende-o. JORGE - Já é quase noite. Não esperava sair tão tarde. Jorge entrega uma pasta com documentos a Sofia. JORGE - Bem tens aqui o resumo do programa de amanhã. O convidado especial do programa é um psicólogo que não gosta de astrologia. Prepara-te bem. Sofia verifica o conteúdo da pasta. Retira um livro da pasta. (CONTINUA)
  • 11. CONTINUA: 10. SOFIA (sorrindo) - "O inconsciente colectivo. Falsos mitos e o poder da sugestão". É a escrever destas coisas que ele ganha a vida? JORGE - E quem tem vendido muitíssimo. É o tipo de livro que não nos interessa que venda. SOFIA - Mas o que vem ele cá fazer? JORGE - Ideias do Carlos. Diz que é estratégico e que podemos ganhar audiência com este confronto. SOFIA - Não posso com este tipo, mas vou olhar para o livro esta noite, assim que chegar a casa. Mas agora tenho de correr que ainda vou apanhar o meu filho ao ginásio. JORGE - Boa noite Sofia. Até amanhã. SOFIA - Até amanhã Jorge. PARQUE DE ESTACIONAMENTO - NOITE Sofia aproxima-se do carro, abre a porta, entra no carro e senta-se ao volante. No instante em que vai fechar a porta do carro, uma mão agarra a porta impedindo que esta se feche. Uma mulher envolta numa gabardina verde empurra a porta do carro de Sofia. MULHER - Madame Aida, precisamos conversar. Tenho uma coisa muito importante para lhe dizer. SOFIA - Irra mulher que me assustou. Eu conheço-a de algum lado? (CONTINUA)
  • 12. CONTINUA: 11. MULHER - Sou a Octávia, há dias que tento falar consigo. A senhora adivinhou tudo, e agora estou com receio pelo meu filho. SOFIA - Por favor minha senhora, não estou com tempo para estas coisas. Desculpe tenho de ir. Sofia força e fecha a porta do carro. O carro arranca. Pelo retrovisor Sofia olha para a mulher que fica para trás. GRANDE PLANO: ROSTO DE OCTÁVIA Octávia coloca a mão no rosto. OCTÁVIA (suspira) - O meu filho... CARRO DE SOFIA - INTERIOR - NOITE Sofia conduz. O som do rádio está baixo, mas ouve-se música de fundo. O telémovel que está no tablier dá sinal de que a bateria vai acabar. Sofia reage ao som e olha para o telemóvel. Lá fora, a estrada junto ao rio está sem trânsito no sentido em que o carro de Sofia se dirige. Subitamente escuta-se o barulho de travões e da rua que sobe, à direita de Sofia, sai um carro descontrolado que embate fortemente contra um stand de automóveis que fica na esquina do cruzamento. Sofia assusta-se, encosta o carro à direita. Sai do carro e dirige-se cautelosamente para o local do acidente. CRUZAMENTO - EXTERIOR - NOITE Sofia aproxima-se do local do acidente. Observa que há o vulto de uma pessoa, no lugar do condutor, com as pernas dentro do carro capotado e o tronco deitado sobre a estrada. As rodas da frente do carro ainda giram. A pessoa esta inanimada. A porta do pendura abre-se e tomba uma rapariga para fora. Está tonta e com cortes no rosto. Arrasta-se e fica debruçada sobre a estrada e o passeio. SOFIA - A menina está bem? (CONTINUA)
  • 13. CONTINUA: 12. RAPARIGA (ofegante) - O Pedro, o Pedro? SOFIA - Acalme-se minha linda. Tenha calma e respire. RAPARIGA (ofegante) - O Pedro, onde está o Pedro? SOFIA - O seu amigo precisa de ajuda. E a menina também. Ele está aqui. Vai correr tudo bem. Temos de chamar uma ambulância. RAPARIGA - Ai meu Deus. Ele está vivo? SOFIA - Espere, não se tente levantar. Eu venho já. Sofia corre para o seu carro, abre a porta e agarra no telemóvel que está sobre o tablier. GRANDE PLANO: MÃO DE SOFIA A SEGURAR NO TELEMÓVEL Sofia digita 112 no telemóvel. O telemóvel desliga-se por falta de bateria. Sofia atira o telemóvel para dentro do carro, fecha a porta e corre novamente para o local do acidente. CRUZAMENTO - EXTERIOR - NOITE Sofia aproxima-se ajoelha-se junto à rapariga. SOFIA - Tenha calma, vai correr tudo bem. A menina tem telemóvel? Com algum esforço, a rapariga retira do bolso das calças um telemóvel e entrega-o a Sofia. Sofia tenta usar o telemóvel mas apercebe-se de que está danificado. SOFIA - Está partido. Não funciona. (CONTINUA)
  • 14. CONTINUA: 13. RAPARIGA - O Pedro, como está o Pedro? SOFIA - É preciso chamar ajuda. O Pedro tem telemóvel? RAPARIGA - Sim. Acho que tem. SOFIA - Queres que avise alguém, os vossos pais? MENINA - Os meus pais estão a viajar e não sei nada do Pedro. Não o via há imenso tempo. SOFIA - Não tente sair daqui, eu venho já. Sofia dirige-se para Pedro que está inanimado. Verifica se continua a respirar. Toca nos bolsos do casaco de Pedro. De seguida olha para o dentro do carro à procura do telemóvel. Repara numa mochila presa no travão de mão do carro. Estica o braço e segura na mochila trazendo-a para fora do carro. GRANDE PLANO: MOCHILA Sofia abre a mochila e repara que esta está cheia de uma pasta pegajosa que sai de uma embalagem de papel branco(tem inscrito Fábrica de Tortas de Azeitão), mas Sofia não se apercebe. Ao desviar a embalagem de papel, repara no telemóvel. Retira-o da mochila verificando se está a funcionar. Sofia dirige-se para a rapariga, ajoelha-se e coloca a mão no seu ombro. SOFIA - Meu amor, tenho aqui o telefone do teu amigo. Vou chamar ajuda. Vocês vão ficar bem. Sofia clica na tecla verde do telemóvel e no ecrã surge o último numero que foi marcado. Sofia não repara no numero que surge no visor porque olha para as teclas do telemóvel. Segundos depois olha para o visor do telemóvel e assusta-se. No ecrã do telemóvel está um numero que Sofia reconhece; 808 777 777 # 4. Sofia deixa cair o telemóvel no chão. Um carro de policia acerca-se do local. PLANO FECHA-SE SOBRE AS LUZES DOS CARROS DA POLÍCIA
  • 15. 14. CRUZAMENTO - EXTERIOR - NOITE Sofia está junto ao carro de patrulha. Um agente da polícia conversa com Sofia. Ouvem-se sirenes e uma ambulância abandona o local. POLÍCIA - Apenas retirou a mochila da viatura acidentada? Não mexeu em mais nada? SOFIA - Procurava pelo seu telemóvel para chamar por socorro. Só queria ajudar, a ele e à rapariga. POLÍCIA - Soubemos que a rapariga é a sua ex-namorada. Encontraram-se por acaso e foram a uma sala de jogos. Consta que o rapaz ganhou dinheiro e que gastou boa parte em bebida. SOFIA - Sabe se vão ficar bem? O polícia abre a mochila de Pedro e começa a retirar os objectos um a um. Os objectos estão sujos de uma pasta amarela. O Polícia retira um pacote de tortas de Azeitão de dentro da mochila. Sofia olha para o embrulho com uma expressão de espanto. POLÍCIA - Passa-se alguma coisa minha senhora? SOFIA - Ãh? Não, não foi nada. O polícia olha para Sofia e observa-a. Continua a retirar objectos da mochila de Pedro. Segura numa carteira que está aberta e de onde caem algumas moedas. Sofia olha para a carteira e assusta-se quando vê a fotografia de Octávia numa das divisões da carteira. POLÍCIA - Passa-se alguma coisa minha senhora? SOFIA - Essa mulher, cruzei-me com ela há momentos atrás. (CONTINUA)
  • 16. CONTINUA: 15. POLÍCIA - A senhora conhece-a? SOFIA - Sim... quer dizer, não. Cruzei-me com ela há momentos atrás. Mas não a conheço de lado algum. Sei que se chama Octávia, nada mais. POLÍCIA - A senhora disse "Octávia"? SOFIA - Sim, chama-se Octávia. POLÍCIA - Não será antes Maria Octávia? SOFIA - Como? POLÍCIA - Maria Octávia dos Santos Figueiredo. Segundo a identificação do rapaz, é a mãe dele. Sofia passa a mão pela cara. É visível que está afectada com os acontecimentos. SOFIA - Não sei...Não faço ideia, não entendo o que se está a passar. POLÍCIA - A senhora parece estar muito cansada. Vá para casa. Se precisarmos algo mais de si, entraremos em contacto. Sofia acena afirmativamente com a cabeça. Antes de partir, pede ao polícia se pode efectuar uma chamada telefónica. O polícia acede ao seu pedido e empresta-lhe um telemóvel. Sofia pede licença e afasta-se alguns metros enquanto marca um numero no telemóvel emprestado. Sofia pára de caminhar e leva o telefone ao ouvido. SOFIA - Estou, querido. Preciso que vás buscar o Miguel ao ginásio. Apanhei um acidente pelo caminho que me empatou até agora. Vou directa para casa. Sofia escuta o marido. (CONTINUA)
  • 17. CONTINUA: 16. SOFIA - Eu estou bem, foi só um carro que se despistou. O meu telemóvel ficou sem bateria. Creio que em 20 minutos estarei em casa. MARIDO (O.S) - Anda lá. Quero jantar contigo e descontrair. Amanhã o voo sai cedo e o Miguel está em pulgas para conhecer Londres. Beijo. Sofia fecha o telemóvel, dirige-se para junto do polícia e devolve-lhe o telemóvel, agradecendo. De seguida, dirige-se para o seu carro. Entra no carro, senta-se e respira fundo. Faz uma longa pausa equanto olha pela janela para a viatura acidentada. SOFIA (falando consigo própria) - Calma Sofia. Tudo isto tem de ter uma explicação. Foi só um dia complicado. Amanhã é outro dia. Sofia fecha a porta do carro, liga o motor e arranca. FADE OUT PARQUE DE ESTACIONAMENTO - EXTERIOR - MANHÃ O carro de Sofia entra no estacionamento e dirige-se para o o lugar do costume. Sofia, estaciona, sai do carro a falar ao telemóvel com o marido. SOFIA - O Miguel está bem agasalhado? Não se esqueceram de nada? MARIDO - Só de ti minha querida. Fico com pena de não podermos ir os três. SOFIA - São só dois dias. E no próximo domingo já prometi ir convosco ao jogo do Sporting. O Jorge já confirmou se vai? (CONTINUA)
  • 18. CONTINUA: 17. MARIDO (O.S) - Vou ligar-lhe agora para combinar. Ainda temos 10 minutos antes de entrarmos no avião. SOFIA - Se não conseguires ligar para o telemóvel, liga para o estúdio. Ele já deve estar lá, e sabes que lá não temos rede. Sofia entra no edifício. HALL DE ENTRADA DO EDIFÍCIO - INTERIOR - MANHÃ Sofia dirige-se ao balcão onde está Mário. SOFIA - Bom dia Mário, há algum recado para mim? MÁRIO - Bom dia Madame Aida. Por estranho que pareça, hoje não tem recados. SOFIA - Nem um telefonema? MÁRIO - Nem um. SOFIA (preocupada) - Bem...Obrigado Mário. Vou subindo. Até logo. Sofia dirige-se para o elevador. A meio caminho, volta-se para trás. SOFIA - Ah! Se por acaso uma tal de Octávia telefonar, passe-me a chamada de imediato. Aconteça o que acontecer, esteja eu onde estiver, ponha-me em contacto com ela. MÁRIO - Concerteza Madame Aida, assim o farei. Um bom dia para a senhora. Sofia entra no elevador. As portas do elevador fecham-se.
  • 19. 18. 4 ANDAR - SAÍDA DO ELEVADOR - INTERIOR Sofia sai do elevador, e cruza-se com Teresa. TERESA - Bom dia Aida, vamos tratar já desse cabelo? SOFIA - Olá Teresa, vou já ter contigo. Tenho de ir antes ali ao estúdio. Não demoro. TERESA - Lá te espero. Até já. Sofia dirige-se para o estúdio. Entra no estúdio e encontra-se com Mafalda. SOFIA - Viva Mafalda, é mesmo contigo que eu queria falar. MAFALDA - Olá Sofia, em que te posso ajudar? Sofia tira de dentro da mala uma agenda e abre-a. Tira de entre as folhas da agenda um papel dobrado ao meio e entrega-o a Mafalda. SOFIA - Quero que tentes ligar para esta senhora. Chama-se Octávia. Tenho de falar com ela. Mafalda anota o numero de telefone num pequeno livro que tira do bolso de trás das calças. De seguida, devolve o papel a Sofia. Sofia volta a guardar o papel na sua agenda. MAFALDA - Algo em particular que eu deva saber? SOFIA - Não, nada de especial. MAFALDA - Mas daqui a dez minutos estas no ar. Eu ainda tenho de receber o Dr. Fonseca. (CONTINUA)
  • 20. CONTINUA: 19. SOFIA (faz um pequena pausa) - Se já estivermos no ar eu atendo na mesma. MAFALDA - O Jorge sabe? Falaste com ele sobre isto? SOFIA - Não te preocupes com isso agora. É-me mais importante conseguir falar com essa senhora. MAFALDA - OK...Mas o Jorge também quer falar contigo. Acho que para combinarem as coisas para o jogo de Domingo. Ele está ali na regie. SOFIA - Obrigado Mafalda. Até já. MAFALDA - Até já. ESTÚDIO - REGIE - INTERIOR Sofia entra na regie. Depara-se com Jorge a usar o telefone 4. GRANDE PLANO: TELEFONE 4 CORTAR PARA: PLANO MÉDIO JORGE JORGE (a rir ao telefone) - O Porto, 3 zero ao Sporting? Ah! Ah! Ah! Óh meu caro, sabes o que te digo eu? Vai morrer longe. Sofia fica aterrorizada com o que ouve. Corre em direcção a Jorge e arranca-lhe o telefone da mão. Nisto, o telefone cai no chão. SOFIA (aflita) - Com quem estavas a falar ao telefone? Com quem estavas a falar ao telefone? (CONTINUA)
  • 21. CONTINUA: 20. JORGE (surpreendido) - Epa, o que te deu mulher? Estava só a falar com o teu marido. Estávamos a combinar para ir ao jogo. Que bicho te mordeu? SOFIA (ainda mais aflita) - Oh meu Deus! Sofia põe o auscultador ao ouvido e percebe que a chamada se desligou. Apanha o telefone caído no chão e rapidamente marca um número no telefone. Coloca o telefone ao ouvido e escuta ruídos e interferências. SOFIA - Merda, merda. Isto não pode estar a acontecer. JORGE (admirado) - Que se passa mulher? Porquê essa agitação? SOFIA - Estou com medo Jorge. Estou com medo que aconteça algo ao André durante esta viagem. A ele e ao Miguel. JORGE - Calma Sofia. Esta viagem é quase uma rotina para o André. Não tarda nada eles estão ai. O que te assusta assim tanto? SOFIA - Não sei. Não me sinto nada confortável. Preciso falar com o André. JORGE - A esta hora, ele o Miguel já devem estar a entrar no avião. Liga-lhe depois do programa. Faltam menos de 10 minutos para entrarmos no ar. Parece-me que não estas habituada a ficar sozinha. (CONTINUA)
  • 22. CONTINUA: 21. SOFIA - Jorge eu tenho de falar com o André. Agora! JORGE - Sofia, tem calma. Agora não temos tempo para esta conversa. Prepara-te para entrarmos no ar. Enquanto isso eu tento ligar para o André. Mas por favor, vai porque o programa não pode esperar. O rosto de Sofia denota grande preocupação. Sofia volta costas a Jorge e abandona o local. JORGE (fala sozinho) - O que se passa hoje com esta mulher? CAMARIM DE SOFIA - INTERIOR Sofia entra no camarim. Está nervosa e tráz o telemóvel na mão. Teresa está sentada a ler uma revista. Teresa olha para Sofia. O rosto de Teresa transmite algum espanto. SOFIA (murmurando) - Atende a porra do telemóvel André. Por favor atende. TERESA - Então Aida, o que se passa? SOFIA - Oh meu Deus! Teresa, estou com medo. Preciso falar com o André. TERESA - Calma Aida, queres explicar-me o que se passa? SOFIA - Teresa, o André,o telefone. Ele ligou para cá. TERESA - Ãh? SOFIA - Teresa, não tenho tempo para explicações, mas aconteceu-me uma (MAIS) (CONTINUA)
  • 23. CONTINUA: 22. SOFIA (CONTINUA) coisa que me faz acreditar que o que é dito através da linha quatro está a acontecer. Está tudo a acontecer! TERESA - O quê? SOFIA - Teresa, o André ligou para cá. O Jorge recebeu a chamada na linha quatro do estúdio. Eu ouvi-o dizer ao André para ir morrer longe! TERESA - Estavam a falar de futebol, aposto. São assim desde que eu os conheço. SOFIA - Teresa, algo não está bem, eu consigo sentir isso. Eles falaram pelo telefone 4. TERESA - Tu acreditas mesmo nisso? SOFIA - Já não sei, mas não consigo ignorar. Não posso correr esse risco. Ontem tive provas de que pode ser verdade. Tenho de fazer algo. TERESA - Mas Aida, isso não faz qualquer sentido. Nenhum telespectador te ouve através do telefone. Eles só te ouvem através da televisão! Que provas podes ter tido tu? SOFIA (olhando fixamente para Teresa) - Ãh? Tu disseste pela televisão! Pela televisão, é isso! TERESA (com ar de quem está perdida) - É isso o quê? (CONTINUA)
  • 24. CONTINUA: 23. SOFIA - Pela televisão, eu posso-me fazer ouvir pela televisão. Se eu disser que as previsões não acontecem...talvez... Sofia sai a correr do camarim. Teresa fica sem reacção por uns segundos. TERESA - Aida, tens de trocar de roupa e arranjar o cabelo! Teresa dirige-se até a porta e olha para o fundo do corredor. Vê Sofia ao longe a caminhar rapidamente. GRANDE PLANO: TERESA OLHA DE DENTRO DO CAMARIM PARA O CORREDOR TERESA - Esta mulher quer ficar sem emprego. Só pode! CORREDOR - INTERIOR Sofia segue apressadamente em direcção ao estúdio. A meio do corredor cruza-se com um homem de fato e gravata que sai do camarim. Ao lado da porta do camarim está uma placa onde se lê "Convidados". O homem olha para Sofia e sorri. HOMEM - Bom dia Madame Aida, eu sou o Dr. Fonseca, o seu convidado de hoje. Sofia dá um passo atrás e olha para o Dr. Fonseca. - Bom dia, desculpe estou cheia de pressa. Seja bem vindo ao nosso programa. DR. FONSECA (sarcástico) - É com prazer que aqui venho. Gosto muito de anedotas sabia? SOFIA (descontente) - Dr. Fonseca, poupe os seus comentários para o programa. Ah, e veja se tira a mancha da gravata. É que sobressai na televisão.
  • 25. 24. Sofia vira costas e segue corredor fora. Dr. Fonseca baixa a cabeça e olha para a gravata. Molha um dedo com saliva e esfrega a nódoa da gravata. ESTÚDIO DE GRAVAÇÃO - INTERIOR Sofia entra no estúdio, passa atrás de Jorge que conversa com Mafalda, e dirige-se para plateau. Mafalda olha para Sofia e faz uma expressão de espanto. Sofia coloca-se em posição em frente às camaras. Jorge termina a conversa com Mafalda, vira a cara e repara em Sofia em frente das camaras. JORGE - Mas que raio, ela ainda está com a mesma roupa? MAFALDA - A Sofia não parece estar bem hoje. JORGE - Está na hora, temos de arrancar com o programa. A Sofia entra tal como está. Onde está o Dr. Fonseca? MAFALDA - Eu vou chama-lo. Ainda deve estar no camarim. Mafalda sai do estúdio. Jorge olha para Sofia e leva a mão ao queixo. Sofia olha para Jorge e desvia o olhar. JORGE (fala alto para Sofia) - Sofia, no intervalo quero falar contigo. Sofia olha para Jorge e faz sinal de O.K. com a mão. JORGE (fala baixo, enquanto esfrega o queixo com a mão) - O que tem hoje esta mulher? Carlos entra no estúdio. Jorge repara em Carlos e rapidamente entra na regie. Mafalda entra no estúdio com o Dr. Fonseca. Indica-lhe a cadeira onde se deve sentar, coloca-lhe o microfone no casaco e dirige-se para a regie. Uma voz grita do fundo do estúdio. (CONTINUA)
  • 26. CONTINUA: 25. - Tudo a postos? - OK. Vamos gravar. Ouve-se o som do genérico de entrada. - Atenção, no ar em 5...4...3...2...1. (GRANDE PLANO DO PONTO DE VISTA DE UMA CAMARA NO ESTUDIO) SOFIA (MADAME AIDA) - Bom dia caros e caras telespectadores, bem vindos a mais uma edição do programa Estrela da Manhã. Para o programa de hoje temos um convidado especial... (TRAVELING DA CAMARA PELO ESTUDIO DESDE O PONTO DE VISTA DO CAMARAMAN, PASSANDO PELOS VÁRIOS TÉCNICOS ATÉ QUE PARA EM FRENTE À JANELA DA REGIE) As vozes dos trabalhadores vão-se sobrepondo aos poucos à voz de Sofia. Atrás da janela podemos ver Jorge a conversar com Carlos. Mafalda está junto aos 4 telefones em cima do balcão. REGIE - INTERIOR Jorge conversa com Carlos. JORGE - A Sofia está extremamente preocupada em falar com o André. Não consegue pensar em outra coisa. CARLOS - E porquê? JORGE - Não faço ideia. Nunca a vi assim. Talvez o melhor seja tentarmos ligar ao André para tentar saber o que se passa. CARLOS - Mafalda, tente ligar para o André por favor JORGE - Tenta antes para o Miguel. Já tentámos ligar para o André. Mafalda levanta o telefone 4 e leva-o o auscultador ao ouvido. (CONTINUA)
  • 27. CONTINUA: 26. MAFALDA - Só ouço ruídos. Parece estar avariado. Mafalda pousa o telefone 4 e levanta o auscultador do telefone 3 e começa a marcar o numero. MAFALDA (ouve-se o som do telefone que chama). - Este está a funcionar. Carlos e Jorge olham para Mafalda e aguardam. GRANDE PLANO BOCA DE MAFALDA MAFALDA - Estou, Miguel? É a Mafalda do programa da tua mãe. Preciso falar com o teu pai, estás com ele? (TRAVELING DA CAMARA DESDE O GRANDE PLANO DA BOCA DE MAFALDA, ATÉ AO MONITOR QUE MOSTRA A IMAGEM DE SOFIA (MADAME AIDA) QUE ESTA A SER EMITIDA PARA O EXTERIOR) ESTÚDIO DE GRAVAÇÃO - INTERIOR SOFIA (MADAME AIDA) - Caro Dr. Fonseca, fale-nos um pouco mais do seu novo livro. DR. FONSECA - Bem, este livro consiste num estudo sobre crenças e mitos actuais. E visa demonstrar como certas pessoas usam e abusam do esoterismo para influenciar pessoas e lucrar com isso. SOFIA (MADAME AIDA) - O Dr. Fonseca chama de charlatães a todas as pessoas que acreditam em algo transcendente ao homem e que procuram ajudar as pessoas através dos seus conhecimentos? DR. FONSECA - Cara Madame Aida, sem querer personalizar, sim considero que essas pessoas não passam de charlatães. São lobos disfarçados de cordeiros que procuram na (MAIS) (CONTINUA)
  • 28. CONTINUA: 27. DR. FONSECA (CONTINUA) fraqueza e ignorância dos outros, oportunidades de lucrar. SOFIA (MADAME AIDA) - Como pode provar que essas pessoas são charlatães? DR. FONSECA - Provando que o que dizem não é verdade. SOFIA (MADAME AIDA) - Dando-lhe o exemplo do nosso programa. Como justifica que centenas de ouvintes afirmem que as previsões astrológicas, realmente acontecem? DR. FONSECA - No meu livro eu apresento uma série de experiências com pessoas a quem lhes foi sugestionado previsões astrológicas completamente aleatórias. Os resultados comprovam a minha teoria. SOFIA (MADAME AIDA) - Pode falar-nos um pouco mais dessas suas experiências? DR. FONSECA - Cada participante foi fortemente sugestionado com previsões astrológicas. Acontece que essas previsões eram aleatórias e não correspondiam ao signo da pessoa em questão. SOFIA (MADAME AIDA) - E como pode isso provar que a astrologia é um engodo? DR. FONSECA - Simples, a maioria das pessoas disse que as previsões estavam correctas. Ao não corresponderem aos signos dos participantes, provamos que as pessoas foram sugestionadas e que não há qualquer influência dos astros. (CONTINUA)
  • 29. CONTINUA: 28. SOFIA (MADAME AIDA) - Então segundo a sua teoria, considera que é tudo uma questão de comportamento sugestionado. DR. FONSECA - Sim. E que pode ganhar dimensões enormes quando se lida com de grandes massas de gente, como aqui na TV. SOFIA (MADAME AIDA) - Está então a dizer que também nós somos charlatães? DR. FONSECA - Cara Madame Aida, a senhora acredita mesmo na astrologia? CORTAR PARA: PLANO DA JANELA DA REGIE - INTERIOR Mafalda faz sinal para Sofia. Segura o auscultador do telefone com a mão e com a boca soletra a palavra "André". Com a outra mão faz sinal O.K. CORTAR PARA: GRANDE PLANO DE SOFIA (MADAME AIDA) Sofia faz uma pausa. Respira fundo. DR. FONSECA (O.S) - Madame Aida, entendeu a minha questão? A senhora acredita mesmo na astrologia? Sofia fica sem resposta, olha para o Dr. Fonseca e de seguida para Jorge que está na regie. CORTAR PARA: GRANDE PLANO DE JORGE - JANELA REGIE - INTERIOR JORGE (nervoso) - O que se passa com a Sofia? Porque não responde? PLANO MÉDIO DE MAFALDA Mafalda encolhe os ombros. CORTAR PARA: GRANDE PLANO DE SOFIA Sofia continua em silêncio, o seu rosto denota um conflito interior. GRANDE PLANO: DR FONSECA (CONTINUA)
  • 30. CONTINUA: 29. Dr. Fonseca sorri. Aparenta estar satisfeito com a tensão de Sofia. SOFIA (MADAME AIDA) (muito triste, olhando para Jorge que está na regie) - Bem, eu... Eu não acredito na astrologia. CORTAR PARA: ESTÚDIO - REGIE - INTERIOR Jorge está de boca aberta e olha para Mafalda que segura o auscultador do telefone junto ao rosto. Ouve-se a voz de André ao telefone, que pergunta repetidamente o que se está a passar com Sofia. Jorge e Mafalda ficam pasmados por alguns instantes. O vidro da janela da regie reflecte a imagem do monitor onde se vê Sofia desolada e o Dr. Fonseca admirado e satisfeito. JORGE - Ela vai arruinar o nosso programa! MAFALDA (levando o auscultador do telefone ao ouvido) - André, a Sofia acabou de dizer para todos os telespectadores que não acredita em astrologia. ANDRÉ (O.S.) - Como? Estás a brincar comigo, certo? Jorge informa o pessoal do estúdio, através do intercomunicador, que vai colocar a publicidade. De seguida clica num botão na mesa de controlo. A imagem do reflexo do monitor no vidro da regie passa da imagem de Sofia para imagens de publicidade. CORTAR PARA: ESTÚDIO DE GRAVAÇÃO - INTERIOR Carlos entra no estúdio e dirige-se rapidamente para a regie. Denota preocupação e irritação. Todo o pessoal que está no estúdio nota a chegada de Carlos e começam a trocar olhares e a sussurrar uns com os outros. Ao longe vemos Sofia parada e calada diante das camaras. CORTAR PARA: ESTÚDIO - REGIE - INTERIOR Carlos entra furioso, olha para Mafalda que segura o auscultador e para Carlos. Faz uma longa pausa. Encolhe os ombros e levanta os braços. Mafalda pousa o auscultador na mesa sem desligar o telefone. (CONTINUA)
  • 31. CONTINUA: 30. CARLOS - Que diabo está acontecer? Estão todos doidos? Estão a arruinar o... O intercomunicador da cabine de realização dá sinal sonoro e interrompe Carlos. Mafalda olha para Carlos e de seguida para Jorge. Denota ansiedade. CARLOS - Veja o que é mulher! Se estão a ligar para aqui, é porque é algo urgente. Mafalda segura no intercomunicador. MAFALDA - Regie, fala a Mafalda. MÁRIO (O.S.) - Dona Mafalda, daqui é o Mário. Tenho aqui ao telefone a senhora com quem a Dona Aida quer falar. A Dona Octávia, que está a ligar do hospital. CARLOS - Quem é essa gaja? MAFALDA - Uma telespectadora com quem a Sofia quer desesperadamente falar. CARLOS - Mas está tudo doido nesta casa? Estamos na república das bananas? Diga a essa senhora que agora não pode ser atendida. JORGE - Calma Carlos, deixe ver o que ela tem a dizer. De alguma forma isto está relacionado com o comportamento da Sofia. E ainda temos alguns minutos até este bloco de publicidade terminar. Carlos hesita por alguns instantes. CARLOS - Mafalda, passe-nos a chamada se faz favor. (CONTINUA)
  • 32. CONTINUA: 31. Mafalda dá indicação a Mário que vai aceitar a chamada. Assim que o telefone dá sinal, Mafalda atende e rapidamente coloca a chamada em altavoz. MAFALDA - Estrela da manhã, muito bom dia. Óctavia explica ao telefone que está a ligar para dizer que a Madame Aida esta a mentir. Explica que tudo o que prevê realmente acontece e que está nesse mesmo momento no hospital à espera do filho que está internado. Conta que a Madame Aida previu o acidente do filho e que assistiu ao mesmo tendo sido ela que chamou por socorro. Repete insistentemente que o que a Madame Aida acabou de dizer não pode ser verdade. Carlos e Jorge estão cada vez mais surpreendidos com tudo o que se está a passar. CARLOS - Por favor Mafalda, diga a essa senhora que não estamos com tempo para essas histórias. Temos aqui uma grave situação para resolver. JORGE (segurando no braço de Mafalda) - Mafalda, espera. Não faças nada. CARLOS - "Tás" parvo ou quê? JORGE - Calma Carlos, isto pode ser a nossa salvação. Vamos colocar esta senhora no ar. Deixar que ela conte toda a história. Melhor não nos podia acontecer! CARLOS (hesitante) - É uma ideia radical, mas és capaz de ter razão. No reflexo do vidro da regie vemos o bloco de publicidade a terminar e entra o separador de intervalo do programa "Estrela da manhã". Jorge dá instruções para o estúdio de gravação para que Sofia se prepare para entrar no ar com um telespectador em linha.
  • 33. 32. ESTÚDIO DE GRAVAÇÃO - INTERIOR Sofia (Madame Aida) respira fundo e recompõe-se ocultando a angustia em que se encontra. Uma voz do fundo do estúdio faz a contagem decrescente para que o programa entre no ar. O Dr. Fonseca procura com os olhos qual a camara que vai entrar no ar e começa a esboçar um sorriso. O programa entra no ar. SOFIA (MADAME AIDA) - Caros e caras telespectadores, desde já um sincero pedido de desculpas pelo imprevisto. Estamos no ar outra vez na companhia do nosso convidado especial, o Dr. Fonseca. Mas antes de voltarmos a conversa com o Dr. Fonseca, vamos ouvir o telespectador que está em linha e que ao que consta tem algo importante para nos comunicar. GRANDE PLANO: DR. FONSECA O sorriso do Dr. Fonseca esmorece. O seu rosto denota incómodo pelo facto de não lhe darem já tempo de antena. SOFIA (MADAME AIDA) - Estrela da manhã, muito bom dia. Com quem tenho o prazer de estar a falar? OCTÁVIA (O.S.) - Bom dia, o meu nome é Octávia e estou a ligar para lhe dizer que não compreendo como pode mentir quando disse que não acredita em astrologia. Tenho provas de que tudo o que a senhora prevê, acontece! Octávia conta ao telefone o episódio do acidente e informa que está no hospital à espera de notícias do filho que está internado. TRAVELING QUE COMEÇA NUM GRANDE PLANO DE SOFIA, PASSA PELO DR. FONSECA E AFASTA-SE DOS PERSONAGENS DIRIGINDO-SE PARA A LENTE DA CAMARA QUE TEM A LUZ ACESA, COMO SE ENTRASSE PELA LENTE A DENTRO.
  • 34. 33. REGIE - INTERIOR TRAVELING PELOS ROSTOS DE CARLOS, JORGE, MAFALDA PASSANDO PELO AUSCULTADOR DO TELEFONE QUE ESTÁ POUSADO EM CIMA DA MESA. AEROPORTO - INTERIOR TRAVELING QUE INICIA NUM PLANO MACRO DE UM TELEMÓVEL ENCOSTADO UM OUVIDO. O PLANO ABRE REVELANDO UM HOMEM NOS CORREDORES DE EMBARQUE DO AEROPORTO. Um jovem que vem do fundo do corredor, acerca-se do homem e toca-lhe no ombro. JOVEM (MIGUEL) - Pai, parece que o nosso voo foi cancelado. Olha ali no placar. O homem que está de costas, vira-se para o jovem. HOMEM (ANDRÉ) - Ãh, desculpa filho, estou a tentar saber da tua mãe. O que foi que disseste? MIGUEL - O nosso voo foi cancelado, olha ali no placar. André levanta a cabeça e olha para o placar com a informação sobre as partidas. ANDRÉ (surpreendido) - Epá! Só me faltava esta. Olha sabes que mais? Vamos adiar esta viagem e vamos ver o que se passa com a tua mãe? Ela não parece estar bem. MIGUEL - Então porque pai? O que tem a mãe? ANDRÉ - Anda, vamos para o carro que eu conto-te tudo pelo caminho. Vamos para o estúdio esperar a tua mãe. Fazemos-lhe uma surpresa... André e Miguel pegam na bagagem de mão e caminha pelo corredor fora até desaparecerem entre a multidão.
  • 35. 34. ESTÚDIO - REGIE - INTERIOR Todos estão agitados, a falar ao mesmo tempo. Carlos está zangado, Mafalda acaricia do braço de Sofia enquanto lhe pergunta, se ela está bem. Sofia pergunta a Mafalda se esta tem noticias do André. Jorge está preocupado com o equipamento e pede a todos para saírem da regie e irem conversar para outro lugar. CARLOS (volta-se para Sofia, zangado) - O que é que te passou pela cabeça, mulher? SOFIA - O André ligou? O que foi que disse? Onde estão eles? O que se passa? Mafalda segura no auscultador do telefone que está em cima da mesa, leva-o ao ouvido. Ouve-se o sinal sonoro de ligação interrompida. Mafalda pousa o auscultador no telefone. MAFALDA - Consegui falar com o André, ele estava no aeroporto, prestes a embarcar. Estava tudo bem com eles. SOFIA - Preciso falar com o André, agora! JORGE - Mas Sofia, a esta hora já estão no avião. Pela porta da regie entra um homem de fato de macaco amarelo. Por debaixo do braço, segura uma caixa de cartão. HOMEM DE FATO DE MACACO (TÉCNICO) - Bom dia a todos. Dona Mafalda, trago aqui o telefone para substituir o que se avariou. Quer que venha noutra altura? Mafalda olha ao seu redor. Fixa o seu olhar em Jorge, como que esperando uma indicação sua. JORGE - Bem, meus senhores e minhas senhoras, vamos lá para fora conversar. Este senhor precisa de espaço para trabalhar e lá fora estamos todos muito melhor. (CONTINUA)
  • 36. CONTINUA: 35. SOFIA - Vou só tentar ligar ao André e saio já. Sofia segura no telefone 4 e começa a marcar o numero. HOMEM DE FATO DE MACACO - Madame Aida, esse telefone está avariado. Use outro. SOFIA (nervosa) - O que foi que disse? Como está avariado!? O homem (técnico) recua um passo atrás. Olha para Mafalda e encolhe os ombros. MAFALDA - O telefone avariou-se quando caiu ao chão. Mas liga do meu telemóvel. Vamos até lá fora. Lá temos rede. SOFIA - Mas..., mas... CARLOS - Nada de "mas nem meio mas". Todos lá para fora. Agora. Todos excepto o técnico, saem da regie. O técnico suspira e pousa a caixa junto ao chão, onde o fio do telefone 4 liga à ficha que está na parede. Retira da caixa outro telefone e substitui-o pelo telefone 4. Após terminar, faz um telefonema para testar o telefone. HOMEM DE FATO DE MACACO (TÉCNICO) - Alô Jaime, estás a ouvir-me?... Óptimo, está feito. Podemos ir almoçar. CORREDOR - INTERIOR Sofia, Jorge, Carlos e Mafalda saem do estúdio de gravação. Jorge começa a conversar com Carlos. Mafalda e Sofia afastam-se e dirigem-se para o elevador. MAFALDA - Dr. Carlos, vou acompanhar a Sofia até lá fora para que apanhe um pouco de ar para tentarmos falar com o André. (CONTINUA)
  • 37. CONTINUA: 36. CARLOS - Espero-vos no meu gabinete. Não demorem. Mafalda e Sofia entram no elevador. Carlos e Jorge seguem pelo corredor e entram no Gabinete de Carlos. ELEVADOR - INTERIOR Mafalda passa o telemóvel a Sofia. MAFALDA - O que se passa contigo Sofia? Que aflição é essa? SOFIA - Por favor Mafalda, não me digas nada até eu conseguir saber do André e do Miguel. Mafalda acena com a cabeça. Mantém o olhar focado em Sofia e fica em silêncio. Este silêncio estende-se. Esta pausa faz com que Sofia fique ainda mais nervosa. O elevador dá sinal de ter chegado ao piso desejado e as portas abrem-se. HALL DE ENTRADA DO EDIFÍCIO - INTERIOR - MEIO DIA Mafalda e Sofia passam apressadamente por Mário que está sentado atrás do balcão. Mário levanta-se da cadeira como que para falar com elas, mas Mafalda faz-lhe sinal para não dizer nada. Mário olha para Sofia e senta-se novamente. Mafalda e Sofia dirigem-se para a porta da rua. No momento em que a porta automática abre, surgem André e Miguel. Sofia pára por uns instantes. O seu nervosismo alterna entre risos, soluços e uma notável vontade de chorar. André repara no estado de Sofia, dirige-se para ela e abraça-a. Sofia aperta André entre os seus braços. Miguel dirige-se para Mafalda e cumprimenta-a. ANDRÉ - Então amor, parece que não nos vês faz décadas! MIGUEL (admirado, sussurra a Mafalda) - O que tem a mãe? MAFALDA - Está apenas muito cansada e ao mesmo tempo contente por vos ver. (CONTINUA)
  • 38. CONTINUA: 37. Sofia permanece abraçada a André. Miguel aproxima-se dos pais e abraça-os. Os três permanecem abraçados. Teresa e Mário assistem. FADE OUT CARRO DE SOFIA - INTERIOR - TARDE André conduz e Sofia está sentada ao seu lado. Miguel está no banco de trás. Escuta a história que Sofia conta entusiasticamente sobre o dia que passou. SOFIA - Quando vos vi entrar, nem conseguia acreditar. Foi como o fim de um pesadelo. ANDRÉ - Caramba, que história! E no meio de tudo isto, o que aconteceu ao rapaz, esse tal de Pedro? SOFIA - Não faço ideia. A Dona Octávia ainda não sabia de qualquer informação... Como estará o miúdo? Sofia abre a mala que trás ao colo e tira a sua agenda. De dentro da agenda, tira o papel do recado que Octávia lhe deixou com o seu numero de telemóvel. SOFIA - Vou ligar para a sua mãe a perguntar. ANDRÉ - Tens a certeza de que queres fazer isso? SOFIA - E porque não hei-de eu o fazer? É o mínimo que posso fazer. Sofia tira o telemóvel da carteira e marca o numero que está no papel. Coloca o telemóvel junto ao ouvido e aguarda... Do outro lado alguém atende. SOFIA - Estou sim, Dona Octávia? (CONTINUA)
  • 39. CONTINUA: 38. OCTÁVIA (O.S.) - Estou sim, quem fala? SOFIA - Olá Dona Octávia, daqui fala a Sofia..., isto é a Madame Aida. Estou a ligar para lhe agradecer por tudo o que disse e para saber como está o seu filho, o Pedro? OCTÁVIA (O.S.) - Óh, a Madame Aida! Olá, que bom ouvi-la. Falei agora mesmo com o médico que me disse que o Pedro deve ter alta no final da tarde. Parece que não é grave, foi só um grande susto. SOFIA - Que boa noticia Dona Octávia. Estava tão preocupada e com tanta vergonha por não lhe ter dado ouvidos. OCTÁVIA (O.S.) - Não se preocupe com isso. Eu estava tão nervosa que a assustei. SOFIA - Disse-me que saem do hospital perto da hora de jantar, certo? OCTÁVIA - Disse sim, lá para o fim da tarde... SOFIA - Dona Octávia, faço questão de vos convidar para jantar, hoje, com o meu marido e o meu filho. Lá em casa. O que lhe parece? OCTÁVIA - Óh Madame Ainda, eu não quero incomodar. Além disso não sei se o Pedro está em condições. SOFIA - Eu faço questão, Dona Octávia. Se o Pedro puder, vêm hoje jantar em nossa casa. (CONTINUA)
  • 40. CONTINUA: 39. OCTÁVIA - Bem, sendo assim... Eu já lhe ligo para confirmar. É uma honra para mim, poder jantar consigo Madame Aida. SOFIA - A honra é toda nossa. Ah, e pode trate-me por Sofia. Sofia é para os amigos. Sofia despede-se de Octávia e desliga o telemóvel. Coloca-o novamente na mala que trás ao colo. SOFIA - Vais ver... eles vão vir. Quase que aposto. ANDRÉ - Não estas cansada para receber visitas? Além disso não temos nada em casa para comer. MIGUEL - Encomendamos sushi. SOFIA - Outra vez Miguel? MIGUEL - A última vez foi na semana passada! ANDRÉ - Faz la a vontade ao rapaz. Eu também alinho no sushi. SOFIA - Sei lá se eles vão gostar! ANDRÉ - O.K., além do sushi podemos encomendar um frango assado. SOFIA - Está bem, desta vez vocês ganham. MIGUEL (sorri) - E vão 2 zero! Eh, eh.
  • 41. 40. CASA DE SOFIA E ANDRÉ - SALA - INTERIOR - FINAL DE TARDE Sofia arruma a casa. André coloca a trela no cão e prepara-se para leva-lo à rua. Miguel está a jogar playstation no sofá da sala. SOFIA - Miguel, em cima da mesa da cozinha está a lista para fazeres a encomenda. O número de telefone está na porta do frigorífico. Liga agora e faz a encomenda. MIGUEL - Óh mãe, logo agora? SOFIA (suspira) - Deixa lá, eu trato disso. Ficas vidrado nisso filho. Isso não te faz bem. ANDRÉ - Vou passear a fera, a ver se fica calmo quando os convidados cá estiverem. SOFIA - Olha André, se o Sr. Chico ainda estiver aberto, podes comprar Soya? ANDRÉ - Claro, passa-me ai a carteira. Sofia pousa o pano do pó numa cadeira. Na cadeira do lado, está o casaco de André, de onde tira a carteira e atira pelo ar para André. André agarra na carteira e guarda-a no bolso. Abre a porta e sai com o cão, que o puxa para a rua. ANDRÉ - Até jáaaaaaa! SOFIA (grita) - Olha as chaves! André não responde. Sofia olha para a porta e suspira. De seguida dirige-se para a cozinha. Miguel continua a jogar playstation.
  • 42. 41. CASA DE SOFIA E ANDRÉ - COZINHA - INTERIOR Sofia segura no telefone que está na parede, segura na lista que que esta em cima da mesa, olha para a porta do frigorífico e começa a marcar o numero de telefone. (Ouve-se o som do sinal de toque, seguido do atendedor de chamadas. Ouve-se a voz de uma gravação) (VOZ AO TELEFONE) - Obrigado por ligar para o "Rei dos frangos". De momento as nossas linhas de atendimento estão todas ocupadas. Se não quiser esperar marque #1, e deixe o seu pedido e o seu contacto gravados. Se desejar conhecer o nosso menu, marque #2. Para ouvir as sugestões do chefe, marque #3. Enquanto aguarda, pode ainda experimentar o nosso serviço de horóscopo personalizado marcando #4. Sofia estremece um pouco com o que ouve. Faz o gesto de que vai desligar o telefone, mas hesita. SOFIA (falando consigo própria) - Sofia, é pura coincidência... É só isso, nada mais. Após momentos de hesitação, Sofia marca #4 no telefone. A gravação dá indicações para marcar a tecla 4 para seleccionar o signo de caranguejo. Sofia marca 4 e aguarda curiosa. (VOZ AO TELEFONE) - Termina hoje um ciclo na vida dos nativos do signo Caranguejo. Após a tempestade, sopram ventos de mudança. Uma oportunidade de viajar e conhecer destinos exóticos vai bater-lhe à porta. Espiritualmente, vai enfrentar desafios. Se tentar evitá-los, apenas lhes dará mais força. Sofia sorri. Diverte-se com a previsão. Subitamente, alguém responde do outro lado da linha. (VOZ AO TELEFONE) - Rei dos frangos, muito boa tarde. Em que lhe posso ser útil? (CONTINUA)
  • 43. CONTINUA: 42. Sofia segura na lista e começa a fazer o pedido. FADE OUT CASA DE SOFIA E ANDRÉ - JARDIM - EXTERIOR - ANOITECER André surge do fundo da rua. Corre eufórico com o cão em direcção a casa. Trás um saco de compras na mão e segura o cão pela trela com a outra. Aproxima-se e para na porta de entrada. Pousa o saco no chão e começa a vasculhar os bolsos. Procura a chave de casa. Apercebe-se de que não trouxe chave e bate a porta. CASA DE SOFIA E ANDRÉ - HALL DE ENTRADA - INTERIOR Miguel joga playstation na sala e ignora que batem à porta. Sofia sai da cozinha e começa a ralhar com Miguel. SOFIA - Caramba rapaz, larga isso e vai ver quem é. Deve ser o nosso jantar. MIGUEL - Óh mãe, logo agora? Sofia dirige-se para a porta, abre a porta e André recebe-a com muita Euforia. Sofia fica admirada com tanta festa. SOFIA - Que bicho te mordeu homem? Sofia baixa-se para segurar no saco das compras enquanto empurra André que braceja e pula em festa com o cão. ANDRÉ - Amor, começa a pensar no que vais levar para vestir porque a Soya que comprei premiou-nos com uma viagem à china. O rosto de Sofia muda. Um arrepio atravessa-lhe o corpo e deixa cair o saco das compras. GRANDE PLANO: SACO DE COMPRAS (O MOVIMENTO DA CAMARA ACOMPANHA O SACO QUE CAI) O frasco de Soya parte-se, a Soya escorre e aos poucos cobre todo o chão. Ao Longe, para um taxi junto ao passeio. Do taxi sai Octávia acompanhada pelo filho Pedro. Sofia vê-os ao longe a aproximarem-se. (CONTINUA)
  • 44. CONTINUA: 43. FADE OUT FIM

×