Your SlideShare is downloading. ×
INTERNACIONALISMO E NACIONALISMO NO MODERNISMO BRASILEIRO
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

INTERNACIONALISMO E NACIONALISMO NO MODERNISMO BRASILEIRO

8,199
views

Published on

Slides da apresentação de nosso grupo

Slides da apresentação de nosso grupo

Published in: Education

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
8,199
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
112
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. INTERNACIONALISMO E NACIONALISMO NO MODERNISMO BRASILEIRO
  • 2. Acontecimentos: 1912- Oswaldo de Andrade escreve um manifesto – Paris- futurismo, que influencia jovens artistas brasileiros. 1913- Primeira exposição Lasa Segall – Expressionismo. 1914- Primeira exposição de Anita Malfatti – Expressionismo. 1915- (Início) Modernismo – Portugal – Revista Drphen 1917- Segunda exposição de Anita Malfatti – Expressionismo.
  • 3. Características básicas do movimento modernista no Brasil, ocorrido nas letras e nas artes: – O nacionalismo: vindo da decorrência de uma ânsia de afirmação gradativa da implantação da república em 1889; com o objetivo de romper com a intelectualidade do século XlX e a ascender o academismo nas artes; – A busca pelo “novo’’: um novo olhar para a arte; – Despreocupação com o mercado e produção de obras para a sobrevivência do artista, produzindo: caricaturas, desenhos de moda e ilustrações. – O regionalismo: o homem da área rural com sua cultura peculiar como foco da obra.
  • 4. • No Brasil, o internacionalismo é evidenciado com o rompimento do academismo, informações que chegam via Paris. • Sobretudo, na área de Artes Plásticas, novas idéias estéticas surgiram a partir de modelos europeus: cubismo, expressionismo, futurismo, dadaísmo, construtivismo, surrealismo e arte déco; possibilitando a renovação da arte brasileira. • As influências vindas da Alemanha, Suíça e França permitem aos artistas aguçarem a percepção sensível a nossa realidade local. Assim, os artistas descobrem as novas correntes da arte na Europa e ao voltarem ao Brasil, produzem uma arte influenciada por essas correntes.
  • 5. • Manifestação direta do nacionalismo emergente após a Primeira Guerra Mundial e industrialização do país, em particular: São Paulo.
  • 6. Artistas influenciados pela nova corrente de arte européia: • Tarsila do Amaral (1886-1973); • Brecheret; • Candido Portinari; • Oswaldo Goeldi (1985-1961); [Autor das primeiras gravuras modernas no Brasil] • Antônio Gomide; • Regina Gomide; • Graz; • John Graz;
  • 7. Escritores influenciados pela nova corrente de arte européia: • Sérgio Milliet; • Rubens Borba de Moraes; • Mário de Andrade
  • 8. Poeta influenciado pela nova corrente de arte européia: • Guilherme de Almeida.
  • 9. O Modernismo brasileiro está entre os dois pólos do modernismo latino-americano representados pelo México e Argentina no panorama das artes plásticas nos anos 20.
  • 10. O modernismo do México, discutia sua revolução social e, principalmente, o muralismo conseguiu influenciar a arte norte- americana e do restante da América Latina pela similaridade de contextos políticos e sociais. Enquanto na Argentina, a arte é marcada como cosmopolita que começa a se construir com os artistas produzindo e sendo influenciados pela Europa.
  • 11. Já no Brasil, o internacionalismo e nacionalismo foram características básicas do movimento modernista tanto na literatura, quanto nas artes plásticas. Nasceu da vontade, que começou a se construir desde a implantação da república, de romper a intelectualidade com o século XIX e afirmar o academismo das artes plásticas.
  • 12. O modernistas preocuparam- se em produzir sem preocupar-se com o mercado de artes e trabalhos vinculados a arte européia. Buscava trabalhar livremente, e assim surgiu o artista Almeida Júnior, que buscou retratar o homem do campo e seu cotidiano e então o regionalismo começou a se marcar no cenário moderno brasileiro.
  • 13. Em 1912 Oswald de Andrade discursou a respeito da importância de se ter uma característica a arte brasileira distante dos padrões e academismo europeu. Os críticos Jorge Alberto Manrique e Carlos Rodriguez apontaram que o movimento viva a preocupação em se saber e expor plasticamente o que nosso país vivia e em buscar renovação formal nos centros metropolitanos. No Brasil, o internacionalismo será entendido como rompimento do academismo, com a idéia de trazer o atual para a arte. Mário de Andrade em uma conferência de 1942 diz que “a estética do Modernismo resultou indefinível” não era uma estética brasileira ou européia era “um estado de ânimo revolto e revolucionário”.
  • 14. Oswald de Andrade volta da Europa com o manifesto futurista de Marinetti e se posiciona a favor de uma renovação artística. Em são Paulo e Rio de Janeiro vivia-se um momento em que a literatura era regionalista e a arquitetura colonialista, contratando com a neoclassicista. Em 1917 ocorre a primeira grande Greve Geral, que marca um forte período de luta dos trabalhadores por seus direitos, assim nasce o Partido Democrático que teve como membros vários intelectuais modernistas.