PROJETO RECRIAR NA COMUNIDADE
O primeiro passo é encontrar um local para as reuniões e a implantação do projeto, esse loca...
continuidade e melhoramento do condomínio. Caso não exista nenhum interdito, buscar junto aos
órgãos competentes a legaliz...
Requisitos – Todo material ou componente produzido nas oficinas deve atender às Normas de
segurança e qualidade. Todo proc...
Objetivo – A partir do levantamento dos materiais existentes na região e dos interesses dos grupos
de capacitação, buscar ...
2.10. Gestão Financeira
Objetivo – Organizar e administrar os recursos que serão necessários para a implantação do Projeto...
3.8. Paisagismo produtivo – Capacidade de aproveitar as características da flora e dos recursos
naturais disponíveis da re...
Tentei desenvolver apenas as Categorias relacionadas ao processo de Planejamento é Pós uso, as
categorias relacionadas à I...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Proposta para intervenção Comunidades

9,326

Published on

Published in: Business, Technology
1 Comment
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
9,326
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
1
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Proposta para intervenção Comunidades"

  1. 1. PROJETO RECRIAR NA COMUNIDADE O primeiro passo é encontrar um local para as reuniões e a implantação do projeto, esse local pode ser o salão da Igreja, uma área já utilizada como clube ou espaço para reunião, o ideal é que não seja a casa de nenhum morador, pois isso poderá acarretar alguns problemas como limitação dos membros dos grupos por problemas pessoais com o morador. Categoria 1 – Planejamento da Intervenção 1.Contato com a Comunidade 1.1. Identificação dos líderes Objetivo – Conhecer as pessoas que representam a comunidade, seja no campo religioso, comercial, politico, relações, saúde, lazer. Fazer levantamento das expectativas, desafios, necessidade, limitações e obstáculos ao trabalho a ser desenvolvido. Requisito – Pessoas que tenham interesse no desenvolvimento da comunidade, através da educação, trabalho e ética. A partir do contato com esses lideres, haverá a possibilidade da criação de grupos de moradores, que tenham afinidade com essas lideranças. Cuidado – A proposta da aproximação é basicamente criar grupos de trabalho e não construir hierarquias no poder. 1.2. Criação de grupos de moradores para mão de obra e articuladores Objetivo – A partir das expectativas, necessidade e desafios buscar pessoas que tenham “talentos” e interesses semelhantes, para organizar grupos de trabalho – administração do projeto, produção e relações internas, mão de obra para construção e confecção de componentes; tecnologia e marketing; saneamento; gestão de resíduos e reciclagem; educação e capacitação. Requisito – Todo grupo deve ter um líder que será responsável pela documentação de todas as reuniões e atividades. Esses líderes farão reuniões mensais para avaliação e sugestões para continuidade do trabalho ou criação de novas abordagens e logística. Cuidado – Acompanhamento dos trabalhos e da interação constante com a comunidade de um modo geral e órgãos competentes. 1.3. Inventário físico do local – documentação, materiais, carências, potencialidades Objetivo – Conhecer a documentação do local e buscar diálogo com Prefeitura e CETESB para saber se a área faz parte de área de risco, é área privada, ou existem fatores que inviabilizem a 1 www.recriarcomvoce.com.br/blog_recriar/
  2. 2. continuidade e melhoramento do condomínio. Caso não exista nenhum interdito, buscar junto aos órgãos competentes a legalização do local ou a proposta de uma nova área para aquela comunidade. Requisito – O grupo deve ser orientado por uma equipe jurídica. Cuidado – Toda resolução deverá ser documentada e não será aceito nenhum compromisso ou “troca de favores” para manutenção da área, se esta apresentar risco. 1.4. Levantamento das expectativas, potencialidades e necessidades da comunidade Objetivo – Através desse levantamento será definido o projeto, materiais que serão utilizados, sistema construtivo, criação das oficinas e produção de componentes e tecnologias, abordagem com os órgãos públicos, escolas e moradores em geral. Requisito – Os lideres devem fazer o levantamento com o maior número possível de moradores, documentar e criar dinâmicas de grupo para estabelecer prioridades e estratégias de trabalho. Cuidado – Atender a expectativas e necessidades do maior número de pessoas, evitando privilégios e negociações que atendam à interesse de pessoas ou grupos que não façam parte da comunidade. Depois dessa etapa, os grupos podem se organizar e iniciar os trabalhos: 2.Seleção de Grupos de moradores 2.1. Capacitação Objetivo – Oferecer noções básicas de reciclagem de sustentabilidade e educação ambiental, resíduos da construção para confecção dos materiais e tecnologias desenvolvidas, horta e jardim; sistemas construtivos utilizando diversas técnicas e materiais sustentáveis (locais, recicláveis e reciclados), banheiro seco, energia limpa e captação e reuso de água. A partir desse primeiro contato com a sustentabilidade, os grupos poderão se dividir em subgrupos de acordo com os interesses e aptidões de cada um. Requisitos – O material didático devera ser disponibilizado para todos os moradores que se interessarem; todas as etapas serão avaliadas através de oficinas. Cuidado – Não focar em teoria e abordagens que não tenham nenhuma relação com o cotidiano da comunidade, para que o curso e a proposta não esvaziem. 2.2. Oficinas Objetivo – Aprofundar os temas do Curso de capacitação, para os novos grupos que se formaram a partir de interesses e aptidões comuns. Os lideres devem iniciar negociações com parcerias para captação dos materiais e maquinário que serão utilizados nas oficinas. 2 www.recriarcomvoce.com.br/blog_recriar/
  3. 3. Requisitos – Todo material ou componente produzido nas oficinas deve atender às Normas de segurança e qualidade. Todo processo deverá se documentado para continuidade em futuros projetos. Cuidados – O controle de qualidade deverá ser rigoroso e adequado às Normas Brasileiras. 2.3. Inclusão Social Objetivo – Possibilitar aos grupos que sejam reintegrados ao mercado de trabalho, seja da construção civil, ou produção de componentes e equipamentos. Requisitos – Os grupos deverão trazer para a comunidade os resultados do projeto, tanto como mão de obra, quanto como multiplicadores do curso de capacitação ou instrutores de oficinas e produção. Cuidados – Dar continuidade ao processo de aprendizagem através de atualização permanente, em cursos e oficinas oferecidas fora da comunidade. 2.4. Busca de parcerias Objetivo – Buscar nas áreas próximas á comunidade, empresas, escolas, órgão de apoio a empreendedorismo, mídia local, etc. parcerias para apoiar, divulgar e aperfeiçoar os resultados do projeto e ampliar o raio de atuação. Requisitos – Pessoas que tenham compromisso e identificação com o projeto e os moradores da comunidade. Cuidados – Fazer parcerias visando unicamente o beneficio da comunidade como um todo e não interesses pessoais. 2.5. Interdisciplinaridade Objetivo – É fundamental que todos os grupos e todas as etapas tenham coordenadores com formação em diversas áreas como Direito, Psicologia, Ciências Sociais, Arquitetura, Administração, Engenharia, TI, Meio Ambiente, Educadores, Artesãos, etc. para garantir a qualidade das abordagens e desenvolvimento dos trabalhos. Requisitos – Todos os profissionais deverão ter qualificação e envolvimento com a causa e o grupo de moradores da comunidade. Cuidados – Não permitir que a teoria seja desvinculada da prática e documentar todas as ações e propostas. 2.6. Produção de materiais e tecnologias 3 www.recriarcomvoce.com.br/blog_recriar/
  4. 4. Objetivo – A partir do levantamento dos materiais existentes na região e dos interesses dos grupos de capacitação, buscar profissionais para orientar a produção e qualidade de componentes e tecnologia, bem como a comercialização dos mesmos para investir na própria comunidade. Requisitos – Todos os materiais deverão estar de acordo com as Normas de qualidade e segurança brasileiras. Os produtos serão avaliados por profissionais de cada área. O grupo não poderá utilizar o trabalho infantil em suas atividades. Cuidados – Fazer ensaios para certificar a qualidade de todo material produzido. 2.7. Gestão de resíduos e reciclagem Objetivo – Criar um espaço para cooperativa de reciclagem de materiais descartados na comunidade. Buscar parcerias com órgãos que administram, capacitam e legalizam cooperativas de reciclagem. Criar grupos de conscientização dos moradores para distribuir cartilhas que ensinam compostagem, reciclagem, reutilização, etc. Organizar mutirões de limpeza de bueiros e terrenos e buscar parceria com a Prefeitura para recolher material coletado. Buscar apoio de entidades públicas de controle de pragas como ratos, baratas, etc. Requisitos – O grupo de Gestão não poderá utilizar o trabalho infantil em suas atividades. Cuidados - Pessoas que trabalhem nessa área deverão utilizar Equipamentos de proteção para manuseio dos materiais. 2.8.Paisagismo e Horta Objetivo – Criar espaços para horta e jardins, plantação de árvores e floreiras suspensas quando não houver espaço nas casas. Buscar parceria com a Secretaria do Meio Ambiente e seus programas de implantação de projeto de hortas. Requisitos – A produção será para uso da comunidade e a plantação e manutenção poderá ser feita por todos os moradores, inclusive crianças e jovens. Cuidados – Seguir orientação de profissionais, para não haver contaminação dos alimentos. 4 www.recriarcomvoce.com.br/blog_recriar/
  5. 5. 2.10. Gestão Financeira Objetivo – Organizar e administrar os recursos que serão necessários para a implantação do Projeto, bem como os recursos gerados pelo comércio dos produtos gerados pelo projeto, de modo que toda a comunidade seja beneficiada. Requisitos – Pessoas com formação em administração e gestão financeira deverão coordenar esse grupo e moradores serão responsáveis por apresentar contas e priorizar a transparência e ética em todas as operações. Cuidados – Documentar todas as operações através de contratos, notas fiscais e relatórios. Categoria 3. - Planejamento Sustentável da obra 3. Projeto que prevê: 3.1. Acessibilidade – Todos os espaços de passagem e banheiros permitem a movimentação segura de idosos e cadeirantes. 3.2. Adequação Climática - Adequação ao local e ao clima, visando o combate à radiação solar excessiva, à grande luminosidade e privilegiando a ventilação e iluminação natural. 3.3. Águas – Captação e utilização de água de chuva, redução do uso e tratamento de águas residuárias, utilização de dispositivos economizadores de água, reuso de águas cinzas. 3.4. Energia – Redução do consumo de energia e desenvolvimento de tecnologias de baixo custo, para utilização de energia solar e eólica, de acordo com a região. 3.5. Materiais e Tecnologias de Construção - Identificar os materiais locais ambientalmente mais adequados que reduzam o impacto gerado na sua produção e distribuição, emprego de madeira e agregados com origem legalizada, geração e correta destinação de resíduos no canteiro e reuso de materiais, desenvolver novos materiais e componentes - melhor integração da avaliação do ciclo de vida (ACV); proporcionar a interação dos moradores da comunidade e seus saberes com o processo construtivo. 3.6. Saneamento eficiente – Sobre esgoto, é interessante prever tratamento adequado de esgoto no local e, quando possível, o uso de banheiro seco. Desenvolver fossa séptica mais eficiente e, ao mesmo tempo, acessível às populações mais pobres. 3.7. Sistema construtivo - Adoção de sistemas de construção otimizados que possibilitem a autoconstrução e a diminuição de perdas de material. 5 www.recriarcomvoce.com.br/blog_recriar/
  6. 6. 3.8. Paisagismo produtivo – Capacidade de aproveitar as características da flora e dos recursos naturais disponíveis da região integrando o empreendimento ao seu entorno e ajudando napreservação das espécies locais. Toda casa deverá ter uma horta ou jardim. Categoria 4. - Pós uso 4.1. Educação ambiental dos moradores Objetivo – Criar eventos e cursos permanentes para atualizar e propor novas abordagens para a prática sustentável. Dar continuidade ao trabalho de educação ambiental iniciado na fase de Planejamento – capacitação, para que os moradores incorporem a cultura da sustentabilidade na sua rotina, valores e hábitos. Requisitos – Envolver toda a comunidade e escolas das redondezas. Buscar parcerias entre educadores, agentes de saúde e profissionais ligados à aárea. Cuidados – Não deixar espaço de tempo longo, entre os eventos, para que novos hábitos e valores sejam sedimentados. 4.2. Capacitação para gestão do empreendimento Objetivo – Ampliar o grupo de Gestão Financeira criado na fase de Implantação do Projeto e introduzir mais membros da comunidade. Abrir espaço para parcerias com órgãos de apoio ao trabalhador e jovens, através de cursos profissionalizantes para jovens, mulheres e aposentados. Requisitos – Todo curso deverá ser gratuito e aberto para toda comunidade. Cuidados – Os coordenadores deste grupo deverão ter vivência com empresas e projetos sociais. Considerações Finais O elemento que define a “escolha” de um tipo de edificação, para essa camada da população não é o custo ambiental, mas o custo econômico final da edificação e como eles poderão arcar com esse valor, portanto, a necessidade de redução da desigualdade social e econômica é tão importante quanto o aspecto ambiental. Não podemos pensar em Desenvolvimento Sustentável sem equidade social e, para tanto é urgente criar novos instrumentos de interação, aproximação, trocas de saberes e fazeres com essa camada da população que sempre esteve à margem das decisões e benefícios produzidos pela ciência e tecnologia. 6 www.recriarcomvoce.com.br/blog_recriar/
  7. 7. Tentei desenvolver apenas as Categorias relacionadas ao processo de Planejamento é Pós uso, as categorias relacionadas à Implantação, Projeto e Construção merecem um novo olhar, desde a “escolha” do terreno, que tem como único critério de escolha - “área desocupada temporariamente”, até a diretrizes de projeto que devem se adequar a uma realidade de carência total, enquanto tenta manter a qualidade e a proposta de sustentabilidade. Precisamos de um jeito novo para pensar Arquitetura e Construção Sustentável, para um planeta rico em carências, miséria e explosão demográfica. Arquiteta Míriam Morata Novaes p/ RECRIAR.COM.VOCÊ 7 www.recriarcomvoce.com.br/blog_recriar/

×