Debris and Demolition Waste Environmental Impacts

1,167 views
1,035 views

Published on

Published in: Business, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,167
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
9
Actions
Shares
0
Downloads
62
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Debris and Demolition Waste Environmental Impacts

  1. 1. Impactos Ambientais dos Resíduos da Construção Civil Medidas de Gestão com Base em Projeto e Planejamento de Obras Arq. Marcel Faria Fraga [email_address]
  2. 2. Tópicos <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>Entulho da Construção Civil - Classificação </li></ul><ul><li>Impactos Ambientais </li></ul><ul><li>Legislação </li></ul><ul><li>Racionalização da Construção Civil </li></ul><ul><li>Principais Perdas no Canteiro de Obras </li></ul><ul><li>Relação do Projeto na Redução do Entulho </li></ul><ul><li>Principais Medidas </li></ul>
  3. 3. Introdução Visão de Progresso na Construção Civil Domínio e transformação da natureza <ul><li>Paradigma: recursos naturais ilimitados </li></ul><ul><li>Disposição de resíduos gerados durante a produção e ao final da vida útil em aterros e áreas naturais – modelo linear de produção (CARNEIRO et al, 2001) </li></ul>Crescimento das Cidades Demanda de novas moradias, obras de infra-estrutura, etc. Importância da Construção Civil no crescimento do país e em relação ao equilíbrio ambiental
  4. 4. Introdução <ul><li>Construção Civil </li></ul><ul><li>14% do PIB Nacional (CARNEIRO et al, 2001) </li></ul><ul><li>20 a 50% dos recursos naturais consumidos pela humanidade (SJÖSTRÖM, 1992) </li></ul>Entulho da Construção Civil = Recursos naturais não aproveitados gerando Prejuízo na qualidade de vida das cidades pelo descarte irregular de material, além de perdas econômicas
  5. 5. Introdução <ul><li>A construção civil: </li></ul><ul><li>Projeta sem avaliar os impactos ambientais da geração de entulho </li></ul><ul><li>E o problema se agrava: </li></ul><ul><li>Perdas por deficiência de projeto e planejamento do canteiro de obras </li></ul><ul><li>Desperdício pela falta de procedimentos racionalizados e/ou industrializados </li></ul>
  6. 6. Introdução <ul><li>Assim: </li></ul><ul><li>A gestão sobre o entulho é fonte importante para amenizar o problema urbano dos depósitos clandestinos de materiais. </li></ul><ul><li>A gestão sobre projetos e canteiros de obras é importante para desonerar empreendedores e municípios com relação ao problema do entulho. </li></ul><ul><li>A palavra é MINIMIZAR! </li></ul>
  7. 7. Entulho - Conceitos <ul><li>Gastos que não agregam valor </li></ul><ul><li>Gastos além do estritamente necessário </li></ul><ul><li>Característica marcante na construção civil brasileira </li></ul>
  8. 8. Entulho - Conceitos <ul><li>Resolução CONAMA 307/2002 </li></ul><ul><li>Classe A – Resíduos reutilizáveis ou recicláveis como agregados </li></ul><ul><li>Classe B – Resíduos recicláveis para outras destinações </li></ul><ul><li>Classe C – Resíduos sem tecnologias ou aplicações viáveis para reciclagem </li></ul><ul><li>Classe D – Res í duos perigosos oriundos de processos construtivos </li></ul>
  9. 9. Impactos Ambientais <ul><li>Década de 50 </li></ul><ul><li>Pós-guerra – pouca ou nenhuma discussão acerca do uso de recursos naturais </li></ul><ul><li>Décadas de 60 e 70 </li></ul><ul><li>Movimentos sociais, preservacionistas; conceito de Ecologia </li></ul><ul><li>Década de 80 </li></ul><ul><li>Desenvolvimento econômico e técnico, independente dos impactos sobre o meio ambiente </li></ul><ul><li>Década de 90 </li></ul><ul><li>Aprofundada a questão do Desenvolvimento Sustentável (RIO´92 – Criação da Agenda 21) </li></ul>
  10. 10. Impactos Ambientais <ul><li>Brasil </li></ul><ul><li>Falta de consciência ecológica </li></ul><ul><li>Danos ambientais </li></ul><ul><li>Maciço processo de migração do campo para as cidades – demanda por investimentos em habitação e infra-estrutura </li></ul><ul><li>Impactos dos Resíduos da Construção Civil </li></ul><ul><li>Solo, água, ar </li></ul><ul><li>Animais, plantas, ser humano </li></ul><ul><li>Paisagem natural e urbana </li></ul>
  11. 11. Impactos Ambientais <ul><li>Condições de tráfego de pedestres e veículos </li></ul><ul><li>Drenagem urbana </li></ul>Deposição de RCC em vias – Belo Horizonte Deposição de RCC em córregos Santo André/SP
  12. 12. Impactos Ambientais <ul><li>Agenda 21 (Rio ’92) </li></ul><ul><li>Construção sustentável </li></ul><ul><li>Reavaliação de processos produtivos </li></ul><ul><li>Ciclo de vida dos produtos (“do berço ao túmulo”) </li></ul><ul><li>Redução da poluição, economia de energia </li></ul><ul><li>Diminui ç ão do consumo de mat é ria-prima </li></ul><ul><li>Reutiliza ç ão/reciclagem de res í duos </li></ul>
  13. 13. Impactos Ambientais <ul><li>Racionalização construtiva </li></ul><ul><li>Reutilização/reciclagem de materiais de construção </li></ul><ul><li>Efetivo planejamento de obras, desde a concepção de projetos, passando pela gestão do canteiro de obras, até a fase de reforma, ampliação e/ou desocupação da edificação </li></ul><ul><ul><li>Visibilidade no mercado </li></ul></ul><ul><ul><li>Credibilidade junto aos investidores </li></ul></ul><ul><ul><li>Sustentabilidade do negócio </li></ul></ul>
  14. 14. Legislação <ul><li>Resolução CONAMA 307/2002 </li></ul><ul><li>Diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil </li></ul><ul><li>Art. 4º - o objetivo prioritário é a não geração de resíduos, seguido das melhorias de processos de reutilização, reciclagem e destinação final </li></ul>Necessidade de gerir os processos que tangem ao uso e desperdício de materiais Responsabilidade do Gerador Resolução CONAMA 307/2002
  15. 15. Racionalização da Construção Civil <ul><li>Abrangência de toda cadeia produtiva </li></ul><ul><li>Otimização de uso de recursos naturais, humanos, organizacionais, energéticos, temporais e financeiros </li></ul><ul><li>Fatores implicantes: </li></ul><ul><li>Relação de projetistas e construtoras </li></ul><ul><li>Qualificação de mão-de-obra </li></ul><ul><li>Compatibilização de projetos </li></ul><ul><li>Industrialização de processos </li></ul>
  16. 16. Relação Projetistas/Construtoras <ul><li>Desenvolvimento de projetos apenas para fins legais (aprovação) </li></ul><ul><li>De forma parcial, sem detalhamento suficiente </li></ul><ul><li>Sem integração entre os diversos projetos </li></ul><ul><li>Insuficiente às necessidades competitivas do mercado e à necessidade de gerir recursos </li></ul>Necessidade de readequação e valorização Projeto Obras Impactos da construção no meio ambiente
  17. 17. <ul><li>- Brasil - </li></ul><ul><li>Desvalorização das etapas de projeto e planejamento </li></ul><ul><li>Projeto = 3 a 7% dos gastos de um empreendimento (SINDUSCON-MG) </li></ul><ul><li>Projeto = decisão de 2/3 dos gastos de um empreendimento </li></ul>Relação Projetistas/Construtoras
  18. 18. Principais Perdas <ul><li>Por substituição : ao substituir um material especificado por outro de valor acima do previsto – Nesse caso, as perdas não são ambientais com a geração de entulho, mas financeiras. </li></ul><ul><li>Por armazenamento : o armazenamento de materiais em condições não específicas para o produto. Esse é, de acordo com a pesquisa, um dos grandes problemas no mercado da construção civil – perda de material por falta de controle de estoque. É matéria-prima desperdiçada. </li></ul><ul><li>Por transporte : as perdas por transporte caracterizam-se pela circulação de materiais dentro do canteiro de obras, de forma desnecessária. Considera-se que o material deve ser estocado próximo ao seu local de uso. </li></ul>
  19. 19. Principais Perdas <ul><li>Por negligência : caracteriza-se pelo uso excessivo de materiais em função de problemas estruturais na obra. Um exemplo típico é a adoção de rebocos de grande espessura em função de geometrias ou prumos mal feitos na elevação de uma alvenaria. A geração de entulho nesse caso se dá pelas sobras de materiais não previstos no escopo da obra. </li></ul><ul><li>Pela má seleção de fornecedores : o uso de materiais de baixa qualidade ou não especificados em projeto é um dos principais focos de geração de resíduos. </li></ul>
  20. 20. Principais Perdas <ul><li>FORMOSO et al (1996) </li></ul><ul><ul><li>Ineficiência que se reflita no uso de materiais, equipamentos, recursos humanos e financeiros acima do estimado </li></ul></ul><ul><li>SKOYLES (1976) </li></ul><ul><ul><li>Obras similares apresentam índices de perdas variáveis </li></ul></ul><ul><ul><li>Gerenciamento de obras é o fator principal nos diferentes níveis de perdas </li></ul></ul><ul><ul><li>Perdas relacionadas com o canteiro e pessoas envolvidas </li></ul></ul><ul><ul><li>Armazenagem e manuseio como principais responsáveis por perdas </li></ul></ul>
  21. 21. Relação Projeto – Redução do Entulho <ul><li>Possibilidade de intervenção no destino de um empreendimento </li></ul>HAMMARLUND & JOSEPHSON (1992)
  22. 22. Relação Projeto – Redução do Entulho <ul><li>Redução através de: </li></ul><ul><li>padronização de soluções para o projeto - redução da variabilidade </li></ul><ul><li>em ambos, trabalho conjunto empreendedor-projetistas-construtor. </li></ul><ul><li>Padronização dos processos de execução e controle de obras </li></ul><ul><li>consolidar a cultura construtiva da empresa </li></ul><ul><li>introduzir inovações tecnológicas </li></ul><ul><li>criar referências para a elaboração dos projetos para produção </li></ul>
  23. 23. “ Os projetistas, de uma maneira geral, não se preocupam com os aspectos da produção; e os construtores, devido à falta de um sistema de decisões que seja eficaz, modificam os projetos sem discutir as soluções com os projetistas, que continuam projetando da mesma maneira, gerando desperdícios e problemas patológicos” (SOUZA, 2001) Relação Projeto – Redução do Entulho
  24. 24. Relação Projeto – Redução do Entulho <ul><li>Compatibilização de projetos e Projetos simultâneos </li></ul><ul><ul><li>Adoção de ações preventivas como a organização dos escritórios de projetos e a melhor integração entre projetos (arquitetônico, elétrico, hidráulico, estrutural, etc.) </li></ul></ul><ul><ul><li>Padronização, evitando erros de leitura e modificações de projeto no decorrer da obra </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolvimento de projetos especiais: projeto de fôrmas, alvenaria, impermeabilização, etc. </li></ul></ul><ul><ul><li>Especificação de materiais: correta quantificação e melhoria de qualidade </li></ul></ul>
  25. 25. <ul><li>Medidas de gestão </li></ul><ul><ul><li>Educação e qualificação da mão-de-obra </li></ul></ul><ul><ul><li>Compatibilização de projetos – projetos simultâneos </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Padronização </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Projetos específicos (fôrmas, paginação de pisos, etc.) </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Inclusão do entulho como material construtivo </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Na própria obra que o gerou </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Em outras obras: ainda inviável economicamente em função do armazenamento temporário desse resíduo </li></ul></ul></ul>Relação Projeto – Redução do Entulho
  26. 26. Medidas de Gestão <ul><li>Coleta seletiva em canteiros de obras </li></ul><ul><li>Viabilização através da sensibilização da mão-de-obra e rotinas de segregação/armazenamento/transporte de materiais </li></ul><ul><li>Educação ambiental no canteiro </li></ul><ul><ul><li>Contextualização dos impactos da indústria sobre o meio ambiente </li></ul></ul><ul><ul><li>Esclarecimento sobre a responsabilidade de cada um para com o meio ambiente </li></ul></ul><ul><ul><li>Conceitos de gerenciamento de resíduos </li></ul></ul><ul><ul><li>Vantagens e benefícios, diretos e indiretos às pessoas e ao ambiente </li></ul></ul>
  27. 27. Medidas de Gestão <ul><li>Layout do canteiro de obras </li></ul><ul><ul><li>Locação de contenedores para segregação do entulho </li></ul></ul><ul><ul><li>Transporte interno dos resíduos no canteiro </li></ul></ul><ul><ul><li>Alternativas de locais para estocagem do entulho, evitando interrupções da obra para remoção dos mesmos </li></ul></ul>
  28. 28. Medidas de Gestão <ul><li>Normatizações das empresas </li></ul><ul><li>Normatização de órgãos públicos municipais </li></ul>Alvenarias <ul><li>Blocos padronizados – NBR 7171 – Blocos cerâmicos </li></ul><ul><li>Comprimentos e larguras múltiplos, considerando ainda espessura da argamassa, evitando corte </li></ul>Coberturas <ul><li>NBR 7190 – Projetos de estruturas de madeira </li></ul>Acabamentos <ul><li>Paginação de pisos e paredes </li></ul><ul><li>Reutilização de peças de corte </li></ul><ul><li>Prevenção de patologias construtivas, adotando-se a NBR – 7200 – Execução de revestimentos </li></ul>
  29. 29. OBRIGADO

×