Transição do Feudalismo para o Capitalismo (política e economia)
Formação das Monarquias Centralizadas - A figura do rei, enfraquecida no período medieval, volta a ter importância com o f...
Formação das Monarquias Centralizadas - No final da Idade Média teve início a queda do Sacro Império e do papado na Europa...
 
Estado Francês - Luís VI, entre 1108 e 1137: nesse período se iniciou a ligação entre o rei e a burguesia; - Filipe August...
Estado Francês - Filipe IV cobrava impostos da Igreja, além disso conseguiu convencer o papa a mudar a capital dos católic...
Guerra dos Cem Anos - Com duração de 116 anos (1337 – 1453), o conflito teve em sua duração uma série de acordos de cessar...
Guerra dos Cem anos - Surge a figura da camponesa Joana d'Arc, que liderando o exército francês consegue vitórias importan...
 
Estado Inglês - Guilherme, o Conquistador, tornou-se rei da Inglaterra em 1066; - O absolutismo na Inglaterra agregou riqu...
João Sem-Terra
Estado Inglês - As decisões do reino inglês foram submetidas a um Conselho (embrião do Parlamento inglês); - Em 1445 teve ...
 
 
O Estado Português e Espanhol - Os árabes invadiram a Península Ibérica no século VII, reduzindo o domínio dos cristãos ao...
 
O Estado Português e Espanhol - Em 1085, o Rei Afonso VI recompensou Henrique de Borgonha, nobre francês, pelos serviços p...
Condado Portucalense 1070
 
O Estado Português e Espanhol - O processo de reconquista cristã da península teve fim em 1469, quando o herdeiro de Aragã...
 
O Mercantilismo - início de uma economia monetária, baseada na troca de produtos através de moedas estáveis; - a expansão ...
O Mercantilismo - crescimento das populações urbanas; - Metalismo: acumulação de metais preciosos por parte dos Estados na...
 
O Mercantilismo - Variações - Colbertismo francês: incentivava a produção de manufaturas, aumento demográfico e criação de...
As Grandes Navegações - Ocorridas nos séculos XV e XVI; - A expansão do comércio europeu exigia a descoberta de novos merc...
As Grandes Navegações - Portugal - O domínio de Gênova e Veneza do Mediterrâneo fechou o comércio de especiarias com o ori...
 
 
As Grandes Navegações - Espanha - A unificação espanhola também ocorreu cedo em relação a países como França e Inglaterra;...
Fernando e Isabel
 
As disputas entre Portugal e Espanha - Bula Inter Coetera (1493): 100 léguas a partir do arquipélago de Cabo Verde; impost...
Tratados
Motivos das Grandes Navegações - Busca de especiarias nas Índias; - Busca de materiais preciosos; - Tentativa de romper o ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I

10,421 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
10,421
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
212
Actions
Shares
0
Downloads
324
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I

  1. 1. Transição do Feudalismo para o Capitalismo (política e economia)
  2. 2. Formação das Monarquias Centralizadas - A figura do rei, enfraquecida no período medieval, volta a ter importância com o fortalecimento do comércio e da aliança com a burguesia; - As ambições da burguesia eram freadas pelas inúmeras moedas, impostos e limitações ao desenvolvimento do comércio no mundo feudal; - A aliança com o Rei, garantiu à burguesia a unificação dos territórios, das moedas, impostos e leis;
  3. 3. Formação das Monarquias Centralizadas - No final da Idade Média teve início a queda do Sacro Império e do papado na Europa, enfraquecendo o poder da Igreja sobre os diversos reinos; - Com o recolhimento dos impostos e a criação de moedas únicas, os reis acumulavam riquezas, podendo criar um corpo administrativo e um exército regular;
  4. 5. Estado Francês - Luís VI, entre 1108 e 1137: nesse período se iniciou a ligação entre o rei e a burguesia; - Filipe Augusto: criação das administrações de província (bailio) e da guarda real, corpo militar regular; - Filipe IV, entre 1285 e 1314: incrementou o aparato administrativo e transformou sua vontade em lei, centralizando ainda mais o poder;
  5. 6. Estado Francês - Filipe IV cobrava impostos da Igreja, além disso conseguiu convencer o papa a mudar a capital dos católicos para Avignon, na França; - O ocorrido causou grande discussão e dividiu os católicos, sendo chamado de Grande Cisma; - No final do reinado de Felipe IV, o trono não tinha herdeiros. Além disso, Henrique III reivindicava o trono francês, esse fato deu início a Guerra dos Cem anos.
  6. 7. Guerra dos Cem Anos - Com duração de 116 anos (1337 – 1453), o conflito teve em sua duração uma série de acordos de cessar fogo e de quebras desses acordos por ambas as partes; - Consecutivas derrotas do franceses, o que permitiu ao ingleses ocuparem boa parte do território adversário. Parte dos nobres tornou-se vassalo do rei inglês;
  7. 8. Guerra dos Cem anos - Surge a figura da camponesa Joana d'Arc, que liderando o exército francês consegue vitórias importantes; - Com a derrota inglesa, Carlos VII foi coroado rei da França e conseguiu unificar o país.
  8. 10. Estado Inglês - Guilherme, o Conquistador, tornou-se rei da Inglaterra em 1066; - O absolutismo na Inglaterra agregou riquezas e poder político e militar; - O reinado de João Sem-Terra: derrotado pelo rei francês (suserano de João), foi pressionado pela nobreza e pelo clero para que assinasse a Carta Magna (1215), limitando seu poder;
  9. 11. João Sem-Terra
  10. 12. Estado Inglês - As decisões do reino inglês foram submetidas a um Conselho (embrião do Parlamento inglês); - Em 1445 teve início a Guerra das Duas Rosas: de um lado os York (família da nova nobreza, oriunda do comércio); do outro os Lancaster (família tradicional da nobreza inglesa); - O conflito durou 30 anos. O conflito encerrou com o coroamento de Henrique VII, da dinastia Tudor. O rei era parente das duas casas, unificando-as.
  11. 15. O Estado Português e Espanhol - Os árabes invadiram a Península Ibérica no século VII, reduzindo o domínio dos cristãos ao norte da mesma; - A partir do século X a reconquista do território por parte dos cristãos tomou maior impulso; - Começam a surgir reinos cristãos: Castela, Navarra, Aragão e Leão;
  12. 17. O Estado Português e Espanhol - Em 1085, o Rei Afonso VI recompensou Henrique de Borgonha, nobre francês, pelos serviços prestados na Guerra de Reconquista: doando o condado Portucalense; - Afonso morreu e D. Afonso Henriques assumiu o trono, declarando independência do condado, que se torna o reino de Portugal; - Em 1385 começa a dinastia de Avis em Portugal, em aliança com os comerciantes;
  13. 18. Condado Portucalense 1070
  14. 20. O Estado Português e Espanhol - O processo de reconquista cristã da península teve fim em 1469, quando o herdeiro de Aragão, Fernando, casou com Isabel, herdeira de Castela; - Dessa união surgiu o Estado centralizado espanhol. Em 1492 os espanhóis derrotaram Granada, expulsando os árabes da península; - Com a queda do feudalismo, a economia de trocas comerciais passou a ganhar espaço, levando a Europa ao Mercantilismo.
  15. 22. O Mercantilismo - início de uma economia monetária, baseada na troca de produtos através de moedas estáveis; - a expansão comercial por todo o território europeu e, posteriormente, para outros continentes; - os monopólios, ou seja, exclusividade de comercialização de produtos; - o início do pagamento aos camponeses por seus serviços;
  16. 23. O Mercantilismo - crescimento das populações urbanas; - Metalismo: acumulação de metais preciosos por parte dos Estados nacionais; - Balança comercial favorável: exportar mais, importar menos; - Expansão comercial: colônias em outros continentes; exploração de riquezas de povos nativos;
  17. 25. O Mercantilismo - Variações - Colbertismo francês: incentivava a produção de manufaturas, aumento demográfico e criação de Companhias de Comércio; - Comercialismo inglês: baseado em trocas comerciais com outras nações, o que possibilitou a criação da maior frota naval do mundo; - Metalismo português e espanhol: exploração de metais preciosos nas colônias das Américas;
  18. 26. As Grandes Navegações - Ocorridas nos séculos XV e XVI; - A expansão do comércio europeu exigia a descoberta de novos mercados (matérias-primas e riquezas); - A Peste Negra provocou um decréscimo populacional na Europa; - Os Estados nacionais centralizados foram outro fator que falicitou as Grandes Navegações;
  19. 27. As Grandes Navegações - Portugal - O domínio de Gênova e Veneza do Mediterrâneo fechou o comércio de especiarias com o oriente próximo; - Fazendo uso das tecnologias aprendidas com os árabes, como a bússola, o astrolábio e a cartografia; - A invenção da caravela foi outro grande avanço tecnológico, possibilitando as longas viagens; - O fato dos portugueses terem unificado muito cedo seu país garantiu a dianteira do país nas Grandes Navegações.
  20. 30. As Grandes Navegações - Espanha - A unificação espanhola também ocorreu cedo em relação a países como França e Inglaterra; - Cristóvão Colombo chegou à América em 1492, pensando ter chegada às Índias; - A viagem foi financiada por Fernando e Isabel, logo após a conquista de Granada;
  21. 31. Fernando e Isabel
  22. 33. As disputas entre Portugal e Espanha - Bula Inter Coetera (1493): 100 léguas a partir do arquipélago de Cabo Verde; imposta pelo papa Alexandre VI; - Os portugueses não aceitaram e exigiram revisão do tratado; - Tratado de Tordesilhas (1494): 370 léguas das ilhas de Cabo Verde. Um dos primeiros tratados assinados através da diplomacia;
  23. 34. Tratados
  24. 35. Motivos das Grandes Navegações - Busca de especiarias nas Índias; - Busca de materiais preciosos; - Tentativa de romper o monopólio comercial das cidades italianas; - Expansão da fé cristã; - Fortalecimento das monarquias nacionais e desenvolvimento da política mercantilista.

×