• Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
11,207
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
58
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Importância do Trabalho na Sociedade
  • 2. ::: Introdução ::: Com o desenvolvimento da “mão”, desenvolveu-se o cérebro humano. Com o aperfeiçoamento das ferramentas, os homens passaram a caçar mais e consumir mais carne (proteína). O desenvolvimento das ferramentas (tecnologias) e das estruturas sociais possibilitam o sedentarismo e a produção de excedentes. Através do trabalho o homem produz mercadorias e bens necessários a sua sobrevivência.
  • 3.  
  • 4. ::: Os Modos de Produção ::: Modo de Produção: forma de produção + relações de produção (infraestrutura) e sociedade civil + tipo de Estado. Conceito marxista. Escravista: o trabalho é propriedade do senhor de escravos; sem direitos; foram utilizados principalmente nas plantation (grande propriedade agro-exportadora). Feudal: sistema de servidão; servo dependente do senhor feudal e preso à terra; sistema de obrigações (o servo trabalho, o clero reza, o nobre protege).
  • 5. ::: Os Modos de Produção ::: Capitalista: propriedade privada dos meios de produção (terras, indústrias, equipamentos, etc); divisão social do trabalho; surgimento das classes sociais; trabalhadores são donos da força de trabalho (proletariado); alienação no trabalho (a mercadoria se torna “independente” em relação ao seu produtor (proletário); trabalhadores assalariados; Socialista: propriedade estatal dos meios de produção; a finalidade do Estado e da propriedade é a satisfação das necessidades da população e não dos interesses individuais;
  • 6.  
  • 7. ::: Trabalho Escravo no Brasil ::: Apesar do desenvolvimento industrial e do mercado de trabalho e consumidor, ainda persiste o trabalho escravo em determinadas regiões do país; O trabalho escravo ainda é forte no latifúndio exportador, apesar do alto índice de mecanização. A OIT (Organização Internacional do Trabalho) aponta que a escravidão no Brasil deve ser combatida com políticas públicas e projetos de desenvolvimento sustentável nas regiões pobres.
  • 8. ::: Trecho: Relatório da OIT sobre trabalho Escravo no Brasil ::: “ A pele de Manuel se transformou em couro, curtida anos a fio pelo sol da Amazônia e pelo suor de seu rosto. No Sudeste do Pará, onde boi vale mais que gente, talvez isso lhe fosse útil. Mas acabou servente dos próprios bois, com a tarefa de limpar o pasto. ‘Fizeram açude para o gado beber e nós bebíamos e usávamos também’. Trabalhava de domingo a domingo, mas nada de pagamento, só feijão, arroz e a lona para cobrir-se de noite. Um outro tipo de cerca, com farpas que iam mais fundo, o impedia de desistir: ‘o fiscal de serviço andava armado. Se o pessoal quisesse ir embora sem terminar a tarefa, eles ameaçavam, e aí o sujeito voltava ’”.
  • 9.  
  • 10.  
  • 11. ::: “Cidadão” (letra de Lúcio Barbosa)::: Tá vendo aquele edifício moço Ajudei a levantar Foi um tempo de aflição Eram quatro condução Duas prá ir, duas prá voltar Hoje depois dele pronto Olho prá cima e fico tonto Mas me vem um cidadão E me diz desconfiado "Tu tá aí admirado? Ou tá querendo roubar?" Meu domingo tá perdido Vou prá casa entristecido Dá vontade de beber E prá aumentar meu tédio Eu nem posso olhar pro prédio Que eu ajudei a fazer... Hié! Hié! Hié! Hié! Hié! Oh! Oh! Oh!
  • 12. Tá vendo aquele colégio moço Eu também trabalhei lá Lá eu quase me arrebento Fiz a massa, pus cimento Ajudei a rebocar Minha filha inocente Vem prá mim toda contente "Pai vou me matricular" Mas me diz um cidadão: "Criança de pé no chão Aqui não pode estudar" Essa dor doeu mais forte Por que é que eu deixei o norte Eu me pus a me dizer Lá a seca castigava Mas o pouco que eu plantava Tinha direito a comer... Tá vendo aquela igreja moço Onde o padre diz amém Pus o sino e o badalo Enchi minha mão de calo Lá eu trabalhei também Lá foi que valeu a pena Tem quermesse, tem novena E o padre me deixa entrar Foi lá que Cristo me disse: "Rapaz deixe de tolice Não se deixe amedrontar Fui eu quem criou a terra Enchi o rio, fiz a serra Não deixei nada faltar Hoje o homem criou asa E na maioria das casas Eu também não posso entrar Fui eu quem criou a terra Enchi o rio, fiz a serra Não deixei nada faltar Hoje o homem criou asas E na maioria das casas Eu também não posso entrar"
  • 13. ::: Bibliografia ::: Apostila Bom Jesus, 2011, pág. 54-6. www.google.com.br