Your SlideShare is downloading. ×
Indústria, Capitalismo e Socialismo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Indústria, Capitalismo e Socialismo

18,976

Published on

Published in: Education, Business, Technology
9 Comments
29 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
18,976
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
9
Likes
29
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL:
  • 2.  Processo de mudança de uma economia agrária e baseada no trabalho manual para uma dominada pela indústria mecanizada.  Tem início na Inglaterra por volta de 1760 e alastra-se para o resto do mundo.  Caracteriza-se pelo uso de novas fontes de energia, pela invenção de máquinas que aumentam a produção, pela divisão e especialização do trabalho, pelo desenvolvimento do transporte e da comunicação e pela aplicação da ciência na
  • 3. I REVOLUÇÃO INDUSTRIAL  O pioneirismo inglês, no século XVIII, deve-se ao acúmulo de capital – em razão da rápida expansão do comércio ultramarino e continental –, às reservas de carvão e ferro, à grande quantidade de mão-de-obra, ao avanço tecnológico e à existência de mercados consumidores. Em sua origem está a Revolução Gloriosa (1688), que assinala o final do absolutismo inglês e coloca a burguesia no controle do Estado.  A disponibilidade de capital e o sistema financeiro eficiente facilitam os investimentos dos empresários, que constroem ferrovias, estradas, portos e sistemas de comunicação, favorecendo o comércio. Os campos são apropriados pela burguesia, no processo chamado de cercamento, originando extensas propriedades rurais. Com isso, os camponeses são expulsos das terras, migram para as cidades e tornam-se mão-de-obra à disposição. Por outro lado aumenta a produção de alimentos, contribuindo para o crescimento populacional.
  • 4.  Inglaterra, 1750.  Surgimento da fábrica.  Máquina a vapor.  Indústria têxtil.  Novos meios de transporte: Locomotiva e navio a vapor  Comunicação: Telégrafo.  O novo sistema industrial institui duas novas classes opostas: os empresários, donos do capital, dos modos e bens de produção, e os operários, que vendem sua força de trabalho em troca de salário.
  • 5. II REVOLUÇÃO INDUSTRIAL  Inicia-se a partir de 1870, com a industrialização da França, da Alemanha, da Itália, dos EUA e do Japão, entre outros.  Novas fontes de energia (eletricidade e petróleo) e produtos químicos, como o plástico, são desenvolvidos.  o ferro é substituído pelo aço. Surgem máquinas e ferramentas mais modernas. Em 1909, Henry Ford cria a linha de montagem e a produção em série.  Na segunda metade do século XX, quase todas as indústrias já estão mecanizadas e a automação alcança todos os setores das fábricas. As inovações técnicas aumentam a capacidade produtiva das indústrias e o acúmulo de capital.  Novos meios de transporte: Automóvel, avião.  Novo meios de comunicação: Telefone, Rádio, TV.  As potências industriais passam a buscar outros mercados consumidores.  Capitalismo monopolista.
  • 6. Linha de montagem Ford, 1913
  • 7. Fordismo  Conjunto de princípios desenvolvidos pelo empresário norte-americano Henry Ford, em sua fábrica de automóveis, com o objetivo de racionalizar e aumentar a produção. Em 1909, Ford introduz a linha de montagem – uma inovação tecnológica revolucionária. Os veículos são colocados numa esteira e passam de um operário para outro, para que cada um faça uma etapa do trabalho. A expressão fordismo vira sinônimo de produção em série. Esse processo tem várias implicações: viável apenas para esse tipo de produção, exige grandes fábricas e forte concentração financeira. Isso leva à formação de sociedades anônimas, que reúnem capitais de diversas pessoas. O novo sistema de propriedade, dividido em ações, cria o anonimato do dono real do negócio.
  • 8. Taylorismo  Conjunto de teorias desenvolvidas pelo engenheiro norte- americano Frederick Winslow Taylor (1856-1915) para aumentar a produtividade do trabalho industrial. Desenvolve técnicas de racionalização do trabalho operário, em 1903:
  • 9.  Analisa e controla o tempo e o movimento do homem e da máquina em cada tarefa, para aperfeiçoá-los e racionalizá-los gradativamente. Com base na idéia de que a eficiência aumenta com a especialização, Taylor divide o trabalho e limita cada operário à execução de uma única tarefa, de maneira contínua e repetitiva. Para obter a colaboração dos funcionários, são estabelecidos remuneração e prêmios extras.  Just in time :Toyotismo  é um sistema de Administração da produção que determina que nada deve ser produzido, transportado ou comprado antes da hora exata. Pode ser aplicado em qualquer organização, para reduzir estoques e os custos decorrentes.
  • 10. Eletricidade e Petróleo.
  • 11. III REVOLUÇÃO INDUSTRIAL  No período pós-II Guerra Mundial a partir da década de 50, surgem complexos industriais e empresas multinacionais e transnacionais. As indústrias química e eletrônica crescem. Os avanços da automação, da informática e da engenharia genética são incorporados ao processo produtivo, que depende cada vez mais de alta tecnologia e de mão-de-obra especializada.  A informatização substitui, em alguns casos, a mão-de-obra humana, contribuindo para a eliminação de inúmeros postos de trabalho.  Revolução da informática.  Novos meios de Transporte e comunicação.  Biotecnologia.  Capitalismo Financeiro e Globalização.
  • 12. O CAPITALISMO:  Sistema econômico e social que se caracteriza pela propriedade privada dos meios de produção, pelo trabalho livre assalariado e pela acumulação de capital. Consiste também na racionalização dos meios de produção e na exploração de oportunidades de mercado para obter lucro. CAPITALISMO FINANCEIRO, PÓS II GUERRA CAPITALISMO INDUSTRIAL, XVIII CAPITALISMO COMERCIAL, XV FEUDALISMO
  • 13. Consequências:  Surgimento da fábrica.  Exploração do trabalhador. (horários, salários e condições)  Êxodo rural e Urbanização.  Crises sociais (Ludismo, Cartismo)  Duas classes: Burguesia X Proletariado  Aumento da tecnologia.  Disputas por mercado consumidor e fornecedor.  Poluição e transformação acelerada do meio natural
  • 14. Indústria:  Indústria é toda atividade humana que, através do trabalho, transforma matéria-prima em outros produtos, que em seguida podem ser, ou não, comercializados. De acordo com a tecnologia empregada na produção e a quantidade de capital necessária, a atividade industrial pode ser artesanal, manofatureira ou fabril.  O processo de produção industrial é também conhecido como setor secundário, em oposição à agricultura (setor primário) e ao comércio e serviços (setor terciário), de acordo com a posição que cada atividade normalmente está na cadeia de produção e consumo. Hoje em dia o processo industrial é capitaneado pelas multinacionais.
  • 15. Tipos de Indústria:  Indústria de bens de produção ou indústria de base = É toda indústria que trabalha com matéria-prima bruta transformando-a em matéria-prima para outras indústrias. Exemplo: indústria siderúrgica e petroquímica.  Indústria de bens intermediários ou de bens de produção (tipo de indústria de base)= Transforma matéria-prima bruta em outro tipo de matéria-prima e são aquelas que produzem máquinas para outras indústrias.Ex.:fábricas de tornos(Equipa indústrias mecânicas  Indústria de bens de consumo= É aquela que produz produtos, voltado ao grande mercado consumidor (população em geral). Ex: Indústria têxtil, Indústria alimentar. A indústria de bens de consumo aparece como indústria leve.  Duráveis= Responsável por produtos de longa durabilidade. Ex: Indústria automobilística.  Semi-duráveis= Responsável por produtos de durabilidade média. Ex: Roupas,Celulares.  Não-duráveis= São aquelas que produzem produtos cuja durabilidade não é tão aproveitada.  Indústria de derivados= São as que empregam matéria-prima já beneficiada ou semi-acabada.Ex.:Indústria de cosméticos.
  • 16. Indústria do mundo desenvolvido:  A maior parte da produção mundial.  Mão de obra qualificada.  Tecnologia de ponta.  Grande acumulo de capital.  Formação de Conglomerados e corporações multinacionais e transnacionais.
  • 17. Indústria do mundo Subdesenvolvido:  Também chamada Tardia.  Mão de obra desqualificada e abundante.  Dependência tecnológica e financeira.  Domínio de empresas estrangeiras.  Guerra fiscal e leis “tolerantes”.
  • 18. O SOCIALISMO: “Sistemas sociais onde o homem vivesse de forma perfeita.”  Precursores: • Platão. • Tomas Morus.
  • 19. Socialistas Utópicos:  Saint-Simon: Um sistema p recompensar talentos. (Pai da sociologia)  Fourier: Divisão em falastérios, trabalho prazeroso.  R. Owen: Melhorar as condições de trabalho, trade-unions.  P. Proudhon: Fim da propriedade.  Anarquismo: Fim das instituições (Bakunin,Malatesta, Sorel)
  • 20. Socialismo Científico:  Karl Marx e Friedrich Engels.  Materialismo Histórico.  1848: Manifesto do partido comunista.  Infra e Super estrutura.  Luta de classes e Modo de produção.  O Capital. Marx  Revolução socialista X
  • 21. COMUNISMO  Doutrina e sistema econômico e social baseados na propriedade coletiva dos meios de produção. Tem como ideal a primazia do interesse comum da sociedade sobre o do indivíduo isolado.
  • 22. Esquema dos modos de Produção:  Segundo Marx os sistemas entram em colapso e são substituídos por outros mais adequados. COMUNISMO SOCIALISMO ç ão CAPITALISMO lu E vo FEUDALISMO ESCRAVISMO MODO PRIMITIVO DE PRODUÇÃO
  • 23. Socialismo Real.
  • 24. CUBA:

×