Your SlideShare is downloading. ×
Fotoevents
Fotoevents
Fotoevents
Fotoevents
Fotoevents
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Fotoevents

161

Published on

Video-Fotografar às 3 pancadas

Video-Fotografar às 3 pancadas

Published in: Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
161
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Bem-vindo, cidadão!Chegou a este guia porque deseja servir melhor a sociedade ao fazer filmagens de grande gabaritoquando participa em eventos sociais e revoluções avulsas. Pois bem, veio ao sítio certo!Este guia usa links para exemplos disponíveis online. Uma ligação à Internet recomenda-se.Em frente!1.1. POSIÇÃOO câmara é os olhos e ouvidos do mundo. Como tal, precisa de ter cuidado para que esteja sempreem condições de fazer o seu trabalho, tanto em nome da verdade como da segurança dos seuscompanheiros de protesto.Isto significa que há duas coisas que o câmara deve ter sempre em mente:“Qual a melhor posição para capturar o que se está a passar?”“Em que posição é que o poderei fazer sem correr o risco de ser interrompido no meu trabalho?”De seguida vamos ver os específicos.1.2. DISTÂNCIASe estamos demasiado perto dos acontecimentos, encontramos todo o tipo de problemas.Empurrões que deixam as imagens tremidas, gente que se mete à frente da câmara, aoportunidade de levar uma marretada da polícia; estar demasiado perto dos eventos é perdermoso contexto e pormenores importantes do que se está a passar. Se precisarmos de alargar oenquadramento, não podemos, e por aí fora.Demasiado longe, embora não tão grave como demasiado perto, também tem as suasdesvantagens. Embora muito possa ser compensado com um bom zoom e uma mão firme (quantomais distante for o zoom, mais se vai notar o tremer da mão), perde-se muito do dinamismo eenergia de uma distância média.O que é, então, uma distância média? Esta poderá variar entre algumas dezenas de metros até 3ou 4 apenas. Tudo depende da situação em mão. Muita confusão e será inteligente da parte docâmara afastar-se para não ser arrastado no tumulto e perder a estabilidade necessária para boasimagens. Mas se tudo estiver tranquilo, não há crise nenhuma em aproximar um bocado paraconseguir aquele detalhe mais pessoal.
  • 2. 1.3. ELEVAÇÃOPara não se perderem momentos cruciais, uma boa posição de vantagem vertical será muitas vezesessencial. Numa manifestação, ao nível do olho humano, existem centenas de obstáculos – todasas pessoas presentes são um deles, bloqueando a visão do que está para lá delas.Há então que obter vantagem, subindo para cima de bancos, muros, árvores, estátuas, as costas deum companheiro ou simplesmente esticando bem o braço – o que quer que seja preciso paraconseguir ver para lá da parede de pessoas.Encontrar um posto elevado tem a vantagem adicional de nos isolar de muito do “movimento” damultidão, permitindo filmagens mais estáveis. Outro benefício é que nos dá perspectiva sobre osacontecimentos, o que ajuda a perceber onde estão ou irão deflagrar possíveis pontos deinteresse. Aqui fala-se, claro, de manifestações de milhares de pessoas. Não há necessidade detrepar a postes para perceber o que se passa numa multidão de duas dúzias.2.1. PREPARAÇÃONeste campo, falta de preparação é a morte do artista. As baterias estão carregadas? Os cartões dememória estão vazios? A máquina de filmar tem os settings certos selecionados? O equipamentoestá devidamente contabilizado, guardado e pronto a usar? É preciso não deixar nada ao acasopara evitar complicações desnecessárias no terreno. Uma boa máquina de filmar deve ser comouma espingarda a ir para combate: limpa, carregada e pronta a disparar.2.2. PACIÊNCIAAo filmar manifestações, a maior parte do tempo não irá acontecer nada particularmenteinteressante. Quando acontece, é muitas vezes súbito e inesperado, pelo que há que mantersempre a vigilância ou correr o risco de perder aquele momento irrepetível em que o polícia batena velhinha/jornalista/suíno.Isto significa que a máquina deve sempre estar na mão, ligada em stand-by (para não gastar muitabateria), pronta para a acção. Os 5 segundos que leva a iniciar do modo OFF serão 5 segundostarde demais.
  • 3. 3.1. LUZChegamos agora à parte mais técnica, igualmente importante. Escolher as opções correctas namáquina faz toda a diferença na qualidade final, especialmente ao nível da velocidade doobturador (shutter speed).Uma velocidade mais lenta que 1/250s (um segundo a dividir por 250) muito provavelmente irácriar arrastamentos que destroem a leitura das imagens durante movimentos laterais e zoomsbruscos.No entanto 1/250s ou mais rápido (1/500s, 1/1000s, etc.) só é possível quando há boas condiçõesde luz. Na maior parte das filmagens durante o dia em exterior, isto não será problemático. Masquando chega a noite torna-se impossível sustentar estas velocidades rápidas do obturador.É preciso então reduzir a velocidade, o que significa mais arrastamentos, o que significa que épreciso particular cuidado com movimentos de deslocamento lateral (pannings), movimentaçõescom a câmara, viragens bruscas e zooms. Isto não significa que não se possam fazer, claro. Significaque precisam de ser feitos com mais calma para não ultrapassar o ponto em que os arrastamentosdestroem qualquer capacidade do espectador de perceber o que se está a passar.3.2. COMPOSIÇÃOUm tópico vasto, mas para principiantes resume-se a alguns conselhos básicos. Primeiro, segurema câmara (ou telemóvel) direita. Como seres humanos que são, gostam de ver as coisas paralelasao chão. Por favor, estendam essa cortesia a quem tem de ver as vossas filmagens e não filmemtudo na diagonal. Sim, exige mais concentração no que se está a fazer, mas a qualidade final écompletamente diferente. Ninguém gosta de ver imagens que parecem o afundamento do Titanic.E quem diz segurar a câmara direita, diz também ter cuidado ao andar, para que as nossaspassadas não se sintam na filmagem.E segundo: a câmara não é o vosso olhar. O olho humano funciona por movimentos de sacão. Estásempre a saltar de um lado para o outro à procura de formar uma imagem completa e a serdistraído por pormenores que lhe vão chamando a atenção. É preciso impedir que essa tendêncianatural contagie a câmara.O resultado de filmagens indisciplinadas são saltos constantes (agora uma bandeira, agora umpolícia, agora a multidão, agora um cão, agora os sapatos do vizinho porque me distraí e apontei acâmara para o chão, etc.) que são extremamente desgastantes para o espectador.Ao invés disso, imaginem o rectângulo que a câmara está a filmar como uma tela. Nessa tela têmde colocar os elementos que melhor pintam o quadro do que estão a observar. Isso requer o olhoperspicaz de um pintor com noção do todo mas também dos pormenores que valem a pena, com acapacidade de levar o espectador a cada um deles em devido tempo ao invés de ser guloso comouma criança numa loja de doces, incapaz de se focar e a jogar as mãos a tudo quanto lhe aparece àfrente.
  • 4. 3.3. PSICOLOGIAPara lá dos aspectos mais técnicos das filmagens, existe também a mensagem implícita à formacomo filmamos. Por exemplo, filmar atrás da linha da polícia, como fazem os jornalistas dastelevisões, leva a que o espectador se identifique com a polícia ao invés dos manifestantes.Filmar as pessoas de um ângulo baixo (contra-picado) torna-as mais imponentes e vice-versa. Aspossíveis mensagens e formas de as transmitir são muitas e aprendê-las bem requer o estudo dacinematografia, algo para lá do âmbito deste guia.No entanto, há perguntas que vos poderão ajudar a aperceberem-se activamente desta dimensãopsicológica:“O que estou a transmitir com este plano? Está de acordo com o que quero transmitir? Se não,qual seria a alternativa certa?”4.1. EDIÇÃOEditar é contar uma história. Uma história que começou a ser escrita quando estava a ser filmada,mas que agora toma corpo. Qual é o nosso princípio, meio e fim? Qual a mensagem que estamos apassar? Pensar nestas questões durante a edição (embora, idealmente, já devessem estar a serpensadas durante as filmagens, embora isso seja difícil em acontecimentos espontâneos comomanifestações) torna a obra final muito mais sólida.Pensar em termos de narrativa também ajuda a clarificar outro ponto muito importante: o queentra? O que sai? Quanto tempo para cada plano? Etc.Ainda a propósito da duração, devemos sempre dar prioridade à brevidade e clareza dos nossosfilmes. A capacidade de atenção dos espectadores é pequena e a ficar cada vez menor. Se estamosna dúvida sobre se algo deve entrar ou não, provavelmente não deve. Que planos se arrastamtempo demais? Onde é que se podem cortar mais uns segundos sem perder a mensagem? Cadainstante conta.Quanto às ferramentas de edição e o seu uso, esse é um tópico demasiado vasto para este humildeguia. Deixo apenas a sugestão do Sony Vegas como programa de aprendizagem para os novatos,uma vez que possui uma intuitividade superior à média.FINCom estas linhas directoras obrigatórias dicas, espero começar a ver uns filmes bestiais a circularna rede (não confundir com vídeos de bestialidade). Que mil cineastas desabrochem!Permaneçam vigilantes, cidadãos.

×