Your SlideShare is downloading. ×
Web Colaborativa (2ª parte)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Web Colaborativa (2ª parte)

416
views

Published on

Uma abordagem sobre o processo de potencialização das práticas colaborativas na internet, com apresentação de conceitos, expressões e práticas ligadas ao fenômeno, a partir de uma perspectiva crítica. …

Uma abordagem sobre o processo de potencialização das práticas colaborativas na internet, com apresentação de conceitos, expressões e práticas ligadas ao fenômeno, a partir de uma perspectiva crítica. que engloba uma reflexão sobre tendências, desafios e dilemas que surgem a partir deste contexto.

Published in: Design

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
416
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Web colaborativa (parte 2) por  Francisco Arlindo Alves
  • 2. Web colaborativa (parte 2) por Francisco Arlindo Alves
  • 3. Licenciamento
      • “ Web Colaborativa” de Francisco Arlindo Alves foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada . CC BY-SA 3.0
      • Tem o direito de:
      • • Partilhar — copiar, distribuir e transmitir a obra
      • • Remisturar — adaptar a obra
      • De acordo com as seguintes condições:
      • • Atribuição — Tem de fazer a atribuição da obra, da maneira estabelecida pelo autor ou licenciante (mas sem sugerir que este o apoia, ou que subscreve o seu uso da obra).
      • • Partilha nos Mesmos Termos — Se alterar, transformar, ou adaptar esta obra, ou se a utilizar noutras obras, só pode distribuir a obra resultante licenciando-a com a mesma licença ou com uma licença semelhante a esta.
  • 4. Cauda Longa
  • 5. Cauda Longa (2004) Chris Anderson (editor da revista WIRED)
  • 6. Deslocamento na distribuição de conteúdos e produtos. De uma cultura de hits para uma cultura de nichos (Anderson, 2004).
  • 7. Longa cauda no mercado editorial
  • 8. livraria tradicional livraria on-line ≠
  • 9. livraria tradicional limitação de espaço físico
  • 10. livraria on-line espaço ilimitado
  • 11. escassez offline abundância On-line x
  • 12.  
  • 13. livros on demand
  • 14.  
  • 15. volume de demanda global dos itens menos populares pode superar a dos livros mais populares
  • 16. No contexto digital, O'Reilly considera que pequenos sites, como blogs, ou perfis de rede sociais, também constituem uma cauda longa .
  • 17.  
  • 18. Perfis individuais de Twitter e Facebook   Blogs   Sites com pouca audiência  
  • 19. Perfis, sites e blogs, mesmo com pouca audiência podem produzir efeitos em rede .   A interconexão entre "pequenos" sites pode dar relevância a conteúdos não abordados por sites de grande audiência.
  • 20. os serviços tornam-se melhores quanto mais são usados
  • 21.  
  • 22. A enciclopédia colaborativa Wikipédia se torna melhor na medida que mais artigos são publicados e revisados por seus participantes .
  • 23.  
  • 24. social bookmarking
  • 25. O Delicious é um serviço de compartilhamento de sites favoritos online. Seu universo de pesquisa de torna mais rico na medida em que mais pessoas participam
  • 26. http://del.icio.us
  • 27. redes peer-to-peer
  • 28. P2P ( Peer to peer ) são processos que ocorrem em redes distribuídas (sem o intermédio obrigatório de centros), onde há o livre acesso de contributos, não existindo seleção de participantes a priori , constituindo um processo de participação em que cada indivíduo contribui de acordo com sua capacidade e vontade, ao mesmo tempo em que usufrui do conjunto de contribuições conforme as suas necessidades (Bauwens, 2006).
  • 29. A Web 2.0 e o relacionamento entre produtores e consumidores
  • 30.  
  • 31. www.radioheadremix.com/nude
  • 32.  
  • 33.  
  • 34.  
  • 35. A crítica da Web 2.0
  • 36. A natureza colaborativa da Web antes da Web 2.0
  • 37. Wiki Ward Cunningham (1994) Blog Justin Hall (1997)
  • 38. Andrew Keen (2007)
  • 39. A cultura do amador
  • 40. Trebor Scholz (2008)
  • 41. A promessa do “ free ”
  • 42. Antonio Negri
  • 43. Antonio Negri (2003, p. 94) considera que entramos numa idade do capitalismo cognitivo que tem como originalidade “captar, em uma atividade social generalizada, os elementos inovadores que produzem valor”.
  • 44. crowdsourcing
  • 45. Concentração em poucas plataformas
  • 46. > > Google < <
  • 47. > > Yahoo < <
  • 48. > >Facebook< <
  • 49. O fim da Web
  • 50. O acesso a internet é cada vez mais concentrado em plataformas e aplicativos que são cada vez mais proprietários, tem protocolos fechados e funcionam como uma espécie de espaço público privatizado. (Alves)
  • 51. Web 2.0 ????
  • 52. [...] um conjunto de novas estratégias mercadológicas e a processos de comunicação mediados pelo computador [...] (Primo, 2006)
  • 53. potencialização
  • 54. Novas tecnologias P2P RSS largura de banda Bittorent processadores sistemas de publicação
  • 55. As perspectivas da “web colaborativa” em relação a mídia de massa do século XX
  • 56. quebra da barreira de entrada possibilitando maiores oportunidades para criação e distribuição de conteúdos e idéias pelos individuos
  • 57.  
  • 58. Lawrence Lessig
  • 59. Tornar o conhecimento e a cultura disponíveis em todo o mundo. Igualar a oportunidade que as pessoas têm de progredir. .
  • 60.  
  • 61. Lawrence Lessig é um dos desenvolvedores das licenças Creative Commons que possibilitam aos autores opções de direitos autorais abertos e flexíveis para a distribuição e reutilização de suas criações
  • 62. www.creativecommons.org.br
  • 63. www.ccmixter.org
  • 64.  
  • 65. www.jamendo.com/br
  • 66.  
  • 67. peer production
  • 68. A peer production é um novo tipo de produção individual e cooperativa de informação e cultura fora dos setores que dominam informação e cultura. Na visão de Yochai Benkler , a peer production favorece uma plataforma para uma melhor participação democrática.
  • 69.  
  • 70. www.boapraca.ning.com
  • 71.  
  • 72. mapa digital colaborativo
  • 73. jornalismo comunitário
  • 74. O projeto Map Kibera , que produziu um mapa colaborativo na maior favela da África, possibilitou um melhor conhecimento da geografia para que o governo ou ONGs possam oferecer serviços básicos como saneamento ou eletricidade
  • 75. Ao mesmo tempo o projeto Map Kibera ajudou na disseminação de conhecimento tecnológico entre os jovens de Kibera
  • 76. www.mapkibera.org
  • 77.  
  • 78. www.catracalivre.com.br
  • 79.  
  • 80. www.circult-ct.blogspot.com
  • 81. redistribuição de poder e dinheiro
  • 82.  
  • 83. www.wikileaks.org /
  • 84. http://213.251.145.96 (pesquise no google “Wikileaks”)
  • 85. crise
  • 86.  
  • 87. “ para quem obteve resultados satisfatórios com o paradigma anterior, o processo de adoção de novo paradigma pode resultar devastador” na visão de Pérez (2001).
  • 88. Na concepção de Thomas Kuhn (2003), o período de transição em que um novo paradigma ocupa o lugar de outro, em crise, é caracterizado por “um processo de reconstrução da área de estudos a partir de novos princípios”.
  • 89. Referências: ALVES, Francisco Arlindo. A hipótese do novo paradigma na internet . Anais do VIII P&D Design - Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São Paulo, 2008. ANDERSON, Chris. A cauda longa - Do mercado de massa para o mercado de nicho. Rio de Janeiro: Campus, 2007. JOHNSON, Steven. Emergência -- a vida integrada de formigas, cérebros, cidades e softwares. Tradução de Maria Carmelita Pádua Dias. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. BAUWENS, Michel. The Political Economy of Peer Production. Post-autistic economics review , issue no. 37, article 3, pp. 33-44, 28 April 2006. Disponível em: < http://www.paecon.net/paereview/issue37/Bauwens37.htm > Acesso em: 11 maio 2009. BENKLER, Yochai. The wealth of networks -- How social productions transforms markets and freedom . New Haven: Yale Press, 2006. Disponível em:< http://www.benkler.org/ > Acesso em: 15 nov. 2007. KEEN, Andrew. O Culto do amador . Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009 KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas . Tradução de Beatriz Viana Boeira e Nelson Boeira. São Paulo: Perspectiva, 2003.
  • 90. LESSIG, Lawrence. Cultura Livre: como a grande mídia usa a tecnologia e a lei para bloquear a cultura e controlar a criatividade. São Paulo:Trama, 2005. NEGRI, Antonio. Cinco lições sobre império. Tradução: Alba Olmi. Rio de Janeiro: D P&A, 2003. O’REILLY, Tim. What is Web 2.0 Design Patterns and Bussiness Models for the Next Generation of Software . September 30 2005. Disponível em: <http://www.oreillynet.com/pub/a/oreilly/tim/news/2005/09/30/what-is-web-20.html>. Acesso em 1º jun. 2007. PÉREZ, Carlota. Cambio tecnológico y oportunidades de desarrollo como blanco móvil. Revista da Cepal - Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe - Nações Unidas , n. 75, p.115-136, deciembre 2001. Disponível em: <http://www.eclac.org/ >. Acesso em: 1º nov. 2007. PRIMO, Alex . O aspecto relacional das interações na Web 2.0 . In: XXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2006, Brasília. Anais, 2006. Disponível em <http://www6.ufrgs.br/limc/>. Acesso em 7 jun. 2008. SCHOLZ, Trebor. Market Ideology and the Myths of Web 2.0. First Monday, v. 13, n. 3, 2008. Disponível em: <http://www.uic.edu/htbin/cgiwrap/bin/ojs/index.php/fm/article/view/2138/1945 >. Acesso em 12 jun. 2008. TAPSCOTT, Don e WILLIAMS, Anthony. Wikinomics - Como a colaboração em massa pode mudar seu negócio. Tradução de Marcello Lino. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007
  • 91. [email_address]