Your SlideShare is downloading. ×
0
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Karl marx    abordagens socioantropologicas nas organizações
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Karl marx abordagens socioantropologicas nas organizações

4,256

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
4,256
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
26
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Correlação de Forças ABORDAGEM SOCIOANTROPOLÓGICAS NAS ORGANIZAÇÕES KARL MARX
  • 2. Autores: <ul><li>Alex </li></ul><ul><li>André </li></ul><ul><li>Ariela </li></ul><ul><li>Edson </li></ul><ul><li>Frederico </li></ul><ul><li>Guilherme </li></ul><ul><li>Jarilton </li></ul><ul><li>Luis </li></ul>
  • 3. Temas: <ul><li>Análise do estudo de caso da NASA </li></ul><ul><li>Conceito de Karl Marx sobre “Correlação de Forças” (quadro) </li></ul><ul><li>Breves comentários sobre Karl Marx </li></ul><ul><li>Discussão das sínteses </li></ul><ul><li>Referência Bibliográfica </li></ul>
  • 4. “ NASA, e a Busca da Liderança” <ul><li>Grandes problemas na liderança da Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) fizeram com que ela fosse da Lua, no seu auge de sucesso, a “um buraco no espaço” num declínio muito veloz. </li></ul>
  • 5. Problemas da Administração: <ul><li>Falta de dinheiro </li></ul><ul><li>Atrasos e defeitos em aparelhagens </li></ul><ul><li>Projetos considerados caros demais </li></ul><ul><li>Cortes nos custos </li></ul><ul><li>Falta de responsabilidade dos setores da Administração </li></ul><ul><li>Os centros especializados concorrem entre si por fundos e poder </li></ul><ul><li>Projetos não tem uma supervisão geral </li></ul>
  • 6. Soluções <ul><li>Para voltar aos “bons tempos” George Bush fez as seguintes tentativas: </li></ul><ul><li>Comissão de especialistas para diminuir custos </li></ul><ul><li>Contratação de novos empreiteiros de fora para dirigir os centros regionais de pesquisa da NASA </li></ul><ul><li>Vôo tripulado à Marte e mais explorações à Lua </li></ul><ul><li>Conselho Nacional de Espaço </li></ul><ul><li>Conselho de Engenharia </li></ul>
  • 7. <ul><li>“ No Sistema Capitalista sempre haveria injustiça social” </li></ul><ul><li>“ A riqueza é resultante de um processo de exploração do trabalhador” </li></ul><ul><li>“ O capitalismo é selvagem: o operário trabalha para seu patrão, produz riquezas mas colhe pobreza” </li></ul><ul><li>“ A história da humanidade é uma eterna luta de classes entre poderosos e fracos, opressores e oprimidos” </li></ul>Correlação de Forças – Karl Marx
  • 8. <ul><li>A pressão da concorrência força os capitalistas a inovarem constantemente e, desse modo, a ampliar as forças de produção. </li></ul><ul><li>Por outro lado, o desenvolvimento das forças produtivas no capitalismo leva inevitavelmente a crises . </li></ul><ul><li>&quot;A burguesia só pode existir com a condição de revolucionar sempre os instrumentos de produção” </li></ul>Correlação de Forças – Karl Marx
  • 9. Dessa perspectiva, a importância do poder reside não nas relações entre indivíduos, mas na dominação e subordinação de classes sociais baseadas nas relações de produção. O Poder Pessoal é a capacidade de influenciar ou controlar outras pessoas, tendo por fundamento características individuais como força física ou habilidade de argumentar convincentemente. Correlação de Forças – Karl Marx
  • 10. KARL MARX <ul><li>Marx era idealizador de uma sociedade com uma distribuição de renda justa e equilibrada </li></ul><ul><li>Ele era economista, cientista social e filósofo </li></ul><ul><li>Autor do livro “O CAPITAL” </li></ul><ul><li>Foi expulso da maior parte dos países europeus devido ao seu radicalismo </li></ul>
  • 11. Conceitos básicos do Marxismo: <ul><li>Na medida em que mudam os modos de produção, a consciência dos seres humanos também se transforma </li></ul>Relações Sociais Forças Produtivas e Econômicas As relações sociais são interligadas às forças produtivas e econômicas, sendo estas as determinantes. Modo de Produção Maneira de Ganhar a vida Adquirindo novas forças produtivas, os homens modificam o seu modo de produção, bem como modificam a maneira de ganhar a vida, modificando todas as relações sociais. Consciência do Ser Humano
  • 12. CAPITALISMO
  • 13. O capitalismo, apesar de duramente criticado, mostrou uma notável capacidade de adaptação a novas circunstâncias, fossem elas decorrentes do progresso tecnológico, da existência de modelos econômicos alternativos ou da crescente relação internacional.
  • 14. <ul><li>O que disse a este homem ? </li></ul><ul><li>Que trabalhasse mais depressa </li></ul><ul><li>Quanto lhe paga ? </li></ul><ul><li>R$20 por dia </li></ul><ul><li>Aonde vai buscar dinheiro para lhe pagar ? </li></ul><ul><li>Vendo a mercadoria </li></ul><ul><li>E quem faz a mercadoria ? </li></ul><ul><li>Ele </li></ul><ul><li>E quanta mercadoria ele faz por dia ? </li></ul><ul><li>Num valor de R$240 por dia </li></ul><ul><li>Então não é você que lhe paga. Mas é ele que lhe paga R$220 por dia para que lhe diga que trabalhe mais depressa. </li></ul><ul><li>Mas sou eu o proprietário das máquinas </li></ul><ul><li>E como conseguiu essas máquinas ? </li></ul><ul><li>Vendi a mercadoria e comprei as máquinas </li></ul><ul><li>E quem fez a mercadoria ? </li></ul><ul><li>CUIDADO! Eles podem ouvir </li></ul>(crédito da charge http://www.zaniratti.net/jpg/capitalismo.jpg)
  • 15. Marxismo sobre o Capitalismo: <ul><li>Segundo os marxistas, o sistema capitalista não garante meios de subsistência a todos os membros da sociedade </li></ul><ul><li>Marx tentou demonstrar que no capitalismo sempre haveria injustiça social, porque para ele o único jeito de uma pessoa ficar rica e ampliar sua fortuna seria explorando os trabalhadores </li></ul><ul><li>O capitalismo, de acordo com Marx, é selvagem, pois o operário produz mais para o seu patrão do que o seu próprio custo para a sociedade </li></ul>
  • 16. <ul><li>A explicação de Marx às crises econômicas está baseada no que ele </li></ul><ul><li>chamou de tendência à queda da taxa de lucro, &quot;em todos os aspectos a </li></ul><ul><li>mais importante lei da moderna economia política, e a mais essencial </li></ul><ul><li>para entender as mais difíceis relações&quot;, escreveu Marx. </li></ul><ul><li>A taxa de lucro tem uma tendência geral à queda sob o capitalismo, diz </li></ul><ul><li>Marx. Não apenas em áreas específicas da economia, nem apenas em </li></ul><ul><li>períodos particulares, mas em geral, e a razão disso, segundo ele, é o </li></ul><ul><li>contínuo crescimento da produtividade do trabalho. Para usar suas </li></ul><ul><li>próprias palavras: &quot;A tendência progressiva à queda da taxa de lucro é </li></ul><ul><li>apenas uma expressão, peculiar ao modo de produção capitalista, do </li></ul><ul><li>desenvolvimento progressivo da produtividade social do trabalho”. </li></ul><ul><li>Quanto mais alta a produtividade do trabalho, mais maquinário e </li></ul><ul><li>matérias-primas sob a responsabilidade de um trabalhador individual. Em </li></ul><ul><li>outras palavras, a quantidade de capital constante investido no prédio, </li></ul><ul><li>equipamentos e matérias-primas, cresce em relação ao capital variável </li></ul><ul><li>usado para pagar os salários dos trabalhadores. Em termos de valor, isso </li></ul><ul><li>significa que a composição orgânica do capital é mais elevada. E nós já </li></ul><ul><li>vimos que pelo fato de a força de trabalho ser a fonte de mais-valia, </li></ul><ul><li>quanto mais elevada a composição orgânica de capital, menor a taxa de </li></ul><ul><li>lucro. Assim, enquanto a produtividade do trabalho aumenta, a taxa de </li></ul><ul><li>lucro cai. </li></ul>
  • 17. <ul><li>O capitalismo não possui </li></ul><ul><li>mecanismos através dos quais a sociedade pode decidir coletivamente o </li></ul><ul><li>quanto de seu trabalho será direcionado a tarefas particulares. </li></ul>
  • 18.  
  • 19.  

×