R. k. lilley up in the air 02 - mile high

9,766 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
9 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
9,766
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
9
Actions
Shares
0
Downloads
205
Comments
0
Likes
9
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

R. k. lilley up in the air 02 - mile high

  1. 1. Mile High Up in the Air Series #2 R. K. Lilley Sinopse: A história de James e Bianca continua na sequência de In Flight. James iniciou Bianca em um mundo escuro e viciante de Paixão e dor. Ele lhe ensinou sobre a sua natureza submissa e masoquista e ela estava perdida, rápida e profundamente apaixonada pelo inegavelmente encantador e magnífico Sr. Cavendish, mas um mal entendido doloroso e o retorno de um violento e brutal demônio de seu passado se uniram para oprimir Bianca. Ainda confusa e ferida, ela o afasta. Já faz mais de um mês desde o ataque chocante que a hospitalizou, e desde que ela disse a um consternado James que precisava de espaço. Mas seus sentimentos não desapareceram. E ela sabia que era questão de tempo, antes que ele lançasse seu feitiço sobre ela outra vez.
  2. 2. A tradução em tela foi efetivada pelo grupo CEL de forma a propiciar ao leitor acesso parcial à obra, incentivando — o à aquisição da obra literária física ou em formato ebook. O grupo CEL tem como meta a seleção, tradução e disponibilização parcial apenas de livros sem previsão de publicação no Brasil, ausente de qualquer forma de obtenção de lucro, direto ou indireto. No intuito de preservar os direitos autorais contratuais de autores e editoras, o grupo, sem aviso prévio e quando julgar necessário, poderá cancelar o acesso e retirar o link de download dos livros cuja publicação for veiculada por editoras brasileiras. O leitor e usuário fica ciente de que o download da presente obra destina — se tão somente ao uso pessoal e privado e que deverá abster — se da postagem ou hospedagem em qualquer rede social (Orkut, Facebook, grupos), blogs ou qualquer outro site de domínio público, bem como abster — se de tornar público ou noticiar o trabalho de tradução do grupo, sem a prévia e expressa autorização do mesmo. O leitor e usuário, ao disponibilizar a obra, também responderá pela correta e lícita utilização da mesma, eximindo o grupo CEL de qualquer parceria, coautoria, ou coparticipação em eventual delito cometido por aquele que, por ato ou omissão, tentar ou concretamente utilizar da presente obra literária para obtenção de lucro direto ou indireto, nos termos do art. 184 do Código Penal Brasileiro e Lei nº 9610/1998. Maio/2013
  3. 3. CAPÍTULO UM Eu respirei fundo, e então fiz uma careta. Eu estava tentando desfrutar, deitada sob o sol de Miami, mas eu ainda estava um pouco dolorida. Fazia um pouco mais de um mês que eu tinha sofrido meus ferimentos. Eu estava apta para trabalhar agora, mas eu ainda tinha lembretes ocasionais do que havia acontecido comigo, quando me mexia ou respirava errado. Meu telefone soou, avisando que eu tinha uma nova mensagem de texto, e eu estremeci novamente. Eu precisava me lembrar de mantê-lo desligado. Isso me ajudava a adiar o inevitável. Me inclinei até o concreto abaixo da minha espreguiçadeira da piscina, agarrei o meu telefone, e pressionei o botão de desligar até que ele desligou. Apenas alguns segundos depois, ouvi a canção do Kings of Leon, que era o toque do telefone de Stephan, começar a soar. Ele suspirou pesadamente de sua cadeira ao meu lado, então se levantou, indo para o bar do hotel, que era o mais próximo da piscina. Se eu não tivesse a certeza de que minha mensagem era de James, eu tinha agora. Era seu padrão recentemente. Ele chamaria Stephan, depois de não conseguir falar comigo. E por alguma estranha razão, Stephan se sentia obrigado a atender às suas ligações. Isto tinha sido a causa de uma tensão nova e incomum, que surgiu entre nós. Uma figura diferente pairava sobre mim, um momento depois, lançando uma sombra, pairando perto da cadeira que Stephan tinha desocupado.
  4. 4. — Se importa se eu me juntar a você, Abelhinha? — Damien perguntou com seu forte sotaque australiano. Eu não abri meus olhos por trás de meus óculos escuros, mas eu reconheci a voz dele com bastante facilidade. Eu fiz um ruído que significava que eu não me importava, e ele descansou ao meu lado. Stephan e eu tivemos de pedir vários grandes favores da outra equipe, para mudar nossa escala para Miami. Mas eu queria desesperadamente evitar Nova York esta semana, e Stephan tinha feito isso acontecer. De alguma forma, o capitão Damien e o primeiro oficial Murphy tinham conseguido fazer o mesmo, depois que Stephan tinha casualmente mencionado, em uma mensagem, que estaríamos alterando a nossa viagem de Nova York essa semana. No início, eu pensei que era uma tentativa de perseguição deles, mas cada vez mais, eu estava gostando da companhia dos dois homens. Damien não tinha feito nenhuma insinuação. Ele era, de fato, uma ótima companhia para uma pessoa que só queria um pouco de paz e tranquilidade. Ele não tinha nenhum problema em ficar confortavelmente em silêncio, ocasionalmente fazendo comentários divertidos, que me tiravam dos meus humores negros. E ele estava acompanhado por Murphy mais frequentemente do que sozinho. Murphy poderia fazer qualquer pessoa rir. Mesmo no meu humor deprimido, que me seguia insistentemente ultimamente. — Essa seus trajes vão deixar uma marca de bronzeado interessante. — Damien disse em um tom divertido. Eu usava um maiô preto coberto que ia até o topo das minhas coxas. Eu usava por cima do meu biquíni preto liso. Ele era necessário, porque era escuro o suficiente para obscurecer a maioria dos traços de contusões que ainda estampavam meu peito, em um lembrete austero da violência a qual eu havia sobrevivido há apenas algumas semanas atrás. Elas tinham desaparecido consideravelmente, mas ainda estavam escuras o suficiente
  5. 5. para precisar de proteção. E evitava chamar uma atenção desnecessária, se eu deixasse minha pele descoberta para que todos pudessem ver. Eu já tinha tido uma atenção bastante indesejada recentemente. Os paparazzi usariam qualquer desculpa para me fazer a manchete do dia. Eu não estava com nenhum humor para incentivá-los. — Ninguém quer ver o que está sob isso. Confie em mim. — Eu disse a ele, ainda não abrindo os olhos, ou mesmo me mexendo. Ele tossiu uma pequena risada, que me deixou desconfortável. Eu era perspicaz o suficiente para saber que Damien estava mais do que um pouco interessado em mim de uma forma romântica. Qualquer lembrança do fato era indesejável. — Eu peço desculpar por discordar. — ele disse calmamente, e eu franzi imediatamente a testa. — Desculpe, desculpe. — ele disse rapidamente, antes que eu pudesse falar. Eu deixei quieto. Enquanto ele soubesse que eu não estava interessada em nada além da amizade, eu estava contente em deixa-lo ficar ao meu lado. Damien era uma ótima companhia, bonito e divertido. Ele também era um mulherengo sem vergonha. Eu achava que era apenas uma segunda natureza para ele, tentar mostrar interesse em qualquer mulher a sua volta. E era de sua natureza agradar e embelezar qualquer mulher, para tentar conseguir uma abertura. Eu normalmente era mais cuidadosa em evitar lhe dar essa abertura. — Está tudo bem entre você e Stephan? Eu nunca te vi com essa caras para ele antes. Vocês estão tão tensos um com o outro. Você brigaram? Meu estômago apertou. As coisas estavam estranhas entre nós dois, e eu não tinha certeza de como fazer isso melhorar. Eu imaginei que ele devia estar pelo menos um pouco ressentido, por fazê-lo perder os encontros com Melvin nesta semana. Não que eu realmente tenha feito isso. Eu tinha dito a ele, mais de uma vez, que eu entenderia se ele ainda quisesse ir para Nova York. A tripulação que havia
  6. 6. negociado com ele tinha concordado em fazer apenas uma única troca comercial comigo. Mas Stephan tinha insistido em ficarmos juntos. Ele estava preocupado comigo, eu sabia. Eu gostava de Damien. Eu até pensava nele como um amigo. Um dos meus poucos amigos piloto. Mas eu não poderia imaginar discutir minhas dificuldades com Stephan com ninguém. Parecia quase desleal. — Ele está apenas preocupado comigo, eu acho. Desde o ataque, nós dois estamos no limite. — eu expliquei. Era tudo verdade, mas não abordava a razão principal dos nossos problemas. Damien fez um ruído neutro em sua garganta. — E aquele cara, James? Vocês dois estão bem? Eu vi um pouco do circo da mídia que o rodeia. Você se cansou de tudo isso, e o deixou? Você poderia ter qualquer homem que você quisesse, você sabe. Chupei uma respiração. Damien era geralmente muito bom em não fazer perguntas como essa. Foi por isso que ele tinha sido uma boa companhia recentemente. — Eu não quero falar sobre isso. — eu disse, meu tom frio. Ele pegou a dica. — Droga, desculpe. Eu estou sendo rude agora, me metendo onde não sou chamado, não é? Eu dei um meio sorriso, finalmente olhando para ele. Dei um pequeno aceno de cabeça, e ele riu. — Bem, eu acho que eu devo a você uma agora. Você quer me fazer quaisquer perguntas rudes ou curiosas sobre a minha vida pessoal? — ele perguntou. Ele tinha um grande sorriso. Ele deu um sorriso largo que mostrava todos seus dentes, com um humor auto depreciativo. Teria sido difícil não sorrir de volta. Eu nem sequer tentei. — Não. — Eu disse a ele, sem hesitar.
  7. 7. Ele riu novamente, como se eu fosse muito mais engraçada do que eu realmente era. — Eu acho que quando você responder sim a essa pergunta, eu sei que terei você onde eu quero. Apenas torci meu nariz e virei o rosto. — Quer dar uma volta na praia? — Ele perguntou, depois de alguns minutos de silêncio. Eu percebi, com surpresa, que eu queria me levantar e me mover um pouco. Eu estava tão inativa ultimamente, devido às minhas lesões. — Não é um passeio romântico ou qualquer coisa assim, não é? — Perguntei-lhe com cautela. Ele sentou-se, sorrindo para mim. Ele realmente era um homem de boa aparência. Ele usava apenas uma sunga preta baixa. Ele estava bronzeado e musculoso. Seu cabelo escuro e olhos castanhos quentes eram um bom material para Hollywood. Eu realmente não entendo por que ele perde tanto tempo, com uma menina apenas razoavelmente atraente, que não estava nem remotamente interessada nele. Eu tentei usar esse fato como mais uma prova de que ele estava apenas sendo simpático, ainda estranhamente desconfortável com a sua companhia. Me levantei, me movendo lentamente. Eu ainda estava dura, mas eu tinha me recuperado muito bem, considerando todas as lesões. Eu não tinha sido liberada do hospital, até que eu fiz inúmeros testes, então eu estava livre de quaisquer lesões graves. Eu comecei a andar, e Damien diminuiu seu passo ao meu lado. Ele parecia saber que era melhor não tentar me ajudar. Eu caminhei até a passarela de madeira, que levavam os banhistas do nosso hotel até a praia, e a cruzei resolutamente. Eu andei quase na linha de água, antes de começar a caminhar pela praia. Meus pés descalços ficaram gelados, mas me senti bem depois de ficar no sol
  8. 8. quente. Eu ainda dei alguns passos mais ao fundo da maré, antes de começar a seguir a linha de costa, passando os vários hotéis de frente para o mar. Eu contei os hotéis que passamos, distraidamente.. — Alguns caras esquisitos estão tirando foto nossa. — Damien me disse, enquanto caminhávamos. Interiormente, eu amaldiçoei. Exteriormente, eu dei de ombros. — Quer que eu vá bater nele e tomar sua câmera? — Ele perguntou. Eu ri. — O dano está feito. — eu disse. Eu só podia imaginar o que iriam falar sobre mim nesta semana. Eu percebi, que não importa o que fosse, não poderia ser pior do que a linha que tinham seguido há um mês. Eles tinham me chamado de todos os nomes depreciativos do manual. Eu estava me tornando rapidamente imune a eles. Era quase uma surpresa agradável para mim, a rapidez com que estava me tornando insensível aos insultos publicados. Algum dia eu poderia até sufocar meu desejo doentio de verificar online pelo que eles estavam falando sobre mim. Mas eu não tinha certeza, se eu teria o autocontrole suficiente, para não verificar o que eles estavam dizendo sobre James... — Você realmente terminou com James Cavendish, ou você está apenas dando um tempo? — Damien perguntou, caminhando bem próximo, como se tivesse medo que eu fosse perder meu equilíbrio. Ele provavelmente não estava totalmente errado. Eu me sentia um pouco vacilante, mas acho que era principalmente porque eu estava andando muito dura. Eu dei a ele um olhar de frente. Eu decidi ser brutalmente honesta com ele. — Eu gostaria de pensar que sou forte o suficiente para terminar com ele. Mas sou realista o suficiente para saber que, acabado ou não, estou arruinada para outros homens. Se você quer saber, ele e eu temos certos... gostos em comum. Eu realmente gostaria de não discutir mais do que isso.
  9. 9. Damien tocou no meu braço brevemente, me dando um sorriso, quando eu olhei para ele. — Se você é uma dominadora, Abelhinha, eu posso viver com isso. Sinta-se livre para me amarrar e me espancar, sempre que você sentir a necessidade. Eu ri, porque ele estava brincando, e porque era o oposto da verdade. — Hum, não! — Foi tudo o que eu disse a ele. — Você está apaixonada por ele? — Perguntou ele. — É tão sério? Você pode me dizer, Bianca. Eu não vou julgar. Eu só quero ser seu amigo. Eu fiz uma careta. Ele era meu amigo. Por que é tão difícil para eu me abrir? Eu me perguntava. Mesmo para um amigo. Eu pensei sobre a questão, tentando suprimir o meu impulso natural para simplesmente me fechar em um assunto tão pessoal. — Sim. — eu respondi por fim. — Não tem jeito, eu sei. Talvez o meu coração seja perverso o suficiente para fazer isso comigo. Mas eu o amo. Ele apertou meu cotovelo. — Ei, eu conheço o sentimento. Não se culpe tanto. O que você vai fazer? Tomei algumas respirações profundas, realmente pensando sobre isso. —Isso é o que eu não sei. Eu não posso negar o que sinto, mas posso me negar em ter um relacionamento com ele. Ele ainda me quer. Vou deixá-lo me ter outra vez? Essa é a pergunta de um milhão de dólares, eu suponho. Damien me deu um olhar triste. — Eu entendo. Eu dei de ombros. Era um gesto que parecia resumir tudo da minha insana vida. — Ele vai se cansar de mim, eu tenho certeza. — eu disse suavemente. — É esse seu Modus operanti. A questão é, estou tão desesperada por ele que eu vou concordar em ser mais um caso passageiro? Damien não tinha uma resposta para isso. Nem eu.
  10. 10. CAPÍTULO DOIS Damien e eu caminhamos lentamente de volta para o hotel. Encontramos temas mais neutros para conversar no passeio de volta. Notei quando minha foto foi tirada, por um homem que se agachou no mato do lado de fora do hotel, que era ao lado do nosso. Ele era um homem gorducho e careca. Eu tinha vontade de dizer a ele que não precisava se preocupar em machucar seus joelhos, tentando se esconder. Ele era muito visível, mesmo se escondendo. Ao invés disso, me forcei em ignorá-lo. Sua publicação diria algo horrível sobre mim de qualquer forma, eu tinha certeza. — Quer comer alguma coisa no restaurante cubano na esquina? — Damien perguntou. Nós estávamos quase de volta ao nosso hotel. Eu dei de ombros. — Vamos ver o que Stephan quer fazer. — eu disse, neutra. A comida lá era ótima, mas eu não queria sair para jantar sozinha com Damien. — Tudo bem. Nós vamos sair em um quarteto. Murphy, sem dúvida, vai querer opinar sobre onde comer. — Damien disse alegremente. Sua atitude me tranquilizou. Eu estava meio preocupada que ele estivesse tentando me encurralar em algum tipo de um encontro. Nós encontramos os dois homens conversando no bar do hotel da nossa tripulação, que estava bem cheio. Todos concordaram sobre o restaurante cubano com bastante facilidade. Ele tinha uma comida espetacular.
  11. 11. Nós nos separamos para nos trocar para o jantar, combinando de nos encontrar no lobby em 20 minutos. Eu só coloquei um short e uma camiseta. Nós caminhamos para o restaurante, os homens brincando constantemente, me fazendo rir. Eles eram realmente uma boa companhia. Eu pedi sopa de feijão preto e arroz no restaurante. Era uma comida simples, mas calórica. Eu não me importava. Era a minha versão de comida de consolo. Eu me fartei, como raramente faço. Eu mesma fiz um segundo pedido dela para viagem. Era um ótimo café da manhã, se você adicionasse suco de laranja. Eu peguei uma caixa do suco, no mini mercado há um quarteirão do hotel. Stephan levou tudo para mim, sem dizer uma palavra. Mesmo com as coisas estranhas entre nós, ele ainda era um cavalheiro no seu núcleo. Sua educação mórmon incomum tinha entranhado nele uma necessidade de me proteger, que nada o convenceria do contrário. Aceitei ele fazer isso, porque não adiantaria insistir em ficar com elas. Eu apenas o agradeci, quando ele pegou as sacolas da minha mão. Inesperadamente, ele apertou minha mão enquanto caminhávamos. Eu apertei sua mão de volta imediatamente. Eu não podia suportar a distância entre nós. — Você está bravo comigo? — Eu perguntei a ele. Andamos poucos metros na frente de Murphy e Damien, então eu lancei a questão com a minha voz muito baixa. Ele me devolveu um olhar olhos arregalado, surpreso. — Claro que não, Botão de Ouro. Eu estava com medo que você estivesse com raiva de mim, por manter contato com James. Eu apertei sua mão novamente. — Não. Eu entendo muito bem como é difícil ignorar este homem. Ele é persistente. Eu só estava preocupada que você estivesse com raiva de mim, por mantê-lo longe de Melvin esta semana. Sua boca se apertou. — Nem um pouco. Eu descobri que Melvin não é confiável em um relacionamento. Ele admitiu ter ficado com outro cara na semana
  12. 12. passada, embora tivesse dito que iríamos levar nosso caso de forma lenta, mas com exclusividade. E eu também acho que ele tentou falar com a imprensa sobre você, e eu me sinto mal que meu julgamento foi tão errado sobre ele. Eu estava tão atraído na primeira vez que eu o vi, que só vi o que queria. Você entende o que eu quero dizer? Eu me encolhi. — Infelizmente, eu sei exatamente o que você quer dizer. — eu disse, pensando em James. Ele sacudiu a cabeça, dando a minha mão um pequeno aperto. — James não é nada parecido com Melvin, Abelhinha. Eu tenho certeza disso. Eu só queria que você pudesse ver isso também. Eu apenas lhe dei um olhar: você está louco! Murphy e Damien queriam ir a um bar em South Beach. Recusei o convite rapidamente. Stephan seguiu o exemplo. Murphy voltou para o seu telefone, mandando mensagens de texto ao resto da nossa equipe. Nós tínhamos visto os três comissários de bordo na piscina brevemente antes, mas eles pareciam, em poucas palavras, prontos para despencar no quarto a noite. Murphy ficou cabisbaixo. Uma equipe antissocial era seu pior pesadelo. — Que tal um filme? Há um cinema a menos de dez minutos daqui. — Murphy falou Stephan me lançou um olhar indagador. Eu só encolhi os ombros. O que eu queria era ir para o meu quarto e rastejar sob minhas cobertas até de manhã, mas eu sabia que ficaria louca só pensando, se escolhesse essa rota. Um filme parecia ser o mal menor. — Tudo bem. Apenas me deixe pegar uma malha. Eu sempre fico com frio no cinema. — eu concordei finalmente. Meu quarto era no corredor de Stephan. Infelizmente, o hotel não tinha sido capaz de nos acomodar com quartos conjugados, como acontecia no nosso hotel preferido.
  13. 13. Ele me entregou meus sacos de comida e suco quando nos separamos. Eu coloquei a comida no frigobar, e peguei um casaco na minha mala. Eu coloquei o meu telefone na mesa ao lado da minha cama, e o liguei no carregador. Relutantemente, eu liguei. Eu queria apenas ligar o meu alarme para amanhã, em seguida, deixar o telefone no meu quarto, carregando. Havia várias mensagens e ligações perdidas. Sempre havia, ultimamente. A maioria era de James, é claro, embora outras fossem de alguns amigos, e várias de um número estranho, 8342-7702, que vinha aparecendo recentemente. Eu me perguntei brevemente de quem deveria ser esse número estranho, já que continuava aparecendo cada vez nas minhas ligações não atendidas. Eu mesma atendi a ligação uma vez, embora tivesse havido apenas alguns segundos de ruído no fundo, seguido de um desligamento abrupto. Eu mudei de ideia, quando, em uma súbita perda total de autocontrole, eu verifiquei minha última mensagem perdida. Eu não estava surpresa ao ver que era de James, mas meu coração ainda pulou uma batida apenas olhando o seu nome. James: Apenas verificando, para ver como você está indo. Estou com saudades. Eu estava respondendo a mensagem, antes que eu pudesse me deter. Bianca: Eu estou bem. Por favor, pare de se preocupar comigo. Estou saindo agora com a tripulação. Espero que as coisas estejam bem com você. Ele respondeu imediatamente. James: Bem o suficiente. Eu vou ficar em Londres a maior parte dos dias da próxima semana, por isso, não precisa tentar escapar do voo de Nova York de novo, só para me evitar. Quando eu posso ver você de novo? Meu coração doía de desejo, com apenas o pensamento de vê-lo, mas meu coração não estava fazendo um bom trabalho de me orientar na direção certa recentemente.
  14. 14. Bianca: Eu preciso de mais tempo. Sinto muito. Eu só pareço perder todo o autocontrole quando eu chego perto de você. Eu preciso manter meus pés firmes no chão novamente, antes de te ver. James: Nós podemos nos encontrar da forma que você quiser. Você faz os termos. Eu concordaria com qualquer coisa, só para te ver por cinco minutos. Quero dizer isso, literalmente. Eu poderia te encontrar com sua equipe ou poderíamos nos encontrar para um café. Apenas me diga o que você quer e eu faço. Estou desesperado para vê-la. Eu engoli, me sentindo tonta. Eu queria tanto vê-lo, mesmo que fosse por apenas cinco minutos. Eu devo ser capaz de me controlar, se for por apenas cinco minutos... Bianca: Deixe-me pensar sobre isso. Você conhece o meu horário. Me avise quando estivermos na mesma cidade, e eu vou tentar encontrar um breve horário e um lugar neutro, para que possamos nos encontrar. James: Não me tente assim, Amor. Eu estarei em um avião em 30 minutos, se você realmente quer dizer isso. Meu estômago se apertou. Bianca: Não faça isso. Eu quis dizer se sua agenda levar você para a mesma cidade. Por favor, não viaje por minha causa. James: Eu preciso fazer uma viagem de negócios a Las Vegas em breve. Eu gostaria de encontrar você quando eu estiver lá. Me diga a hora e o lugar, e eu vou trabalhar a minha agenda em torno disso. Bianca: Stephan e eu vamos encontrar com alguns amigos em uma semana, na segunda-feira. Nós não decidimos ainda a hora, ou o lugar, mas eu vou te avisar quando fizermos. Você pode se juntar a nós, se quiser. James: Eu quero muito. Me passe essas informações quando tiver. Eu estou contando os dias meu amor. Desliguei meu telefone depois.
  15. 15. Todos nós nos encontramos novamente no lobby. Eu fui a última a chegar. Me senti mal por ter feito todo mundo me esperar, mas ninguém parecia se importar. Eles estavam tendo uma discussão bem-humorada, sobre se devíamos caminhar ou pegar um táxi. Eu franzi o nariz para Murphy, que parecia pensar que valia a pena pegar um táxi nesta curta distância. — É menos que dois km. — eu disse a ele. — É um desperdício de dinheiro. Especialmente quando o tempo está tão agradável lá fora. Damien cutucou a barriga enorme de Murphy. — E para você, uma caminhada seria excelente, companheiro. Murphy cutucou a barriga de Damien. — Não imponha seus problemas de imagem corporal em mim, companheiro. Eu sou sexy. Quando eu quero, vou até uma loja de bebidas e pego um pacote de seis. É um inferno de muito mais divertido, do que passar três horas por dia na academia, como Mr. Universo aqui. Todos nós rimos. Murphy viu que estava em minoria, portanto, acatou. A caminhada foi agradável, mas uma vez lá, nós tivemos um momento difícil para decidir sobre o iríamos ver. Por alguma estranha razão, os pilotos estavam insistindo em uma comédia romântica. Stephan e eu queríamos ver um filme de terror de ficção cientifica recém-lançado. Eu não gosto de comédias românticas como regra, mas eu particularmente me recusava a ver o que eles estavam querendo. Era estrelado por uma jovem atriz ruiva, que eu tinha visto sendo fotografada com James. Se eu assistisse ao filme, eu sabia que iria acabar ficando obcecada com ele e ficar deprimida tudo de novo. Quando eu sugeri que nós apenas assistíssemos a dois filmes diferentes, os pilotos finalmente cederam.
  16. 16. — Mas se eu tiver pesadelos depois disso, Damien vai ter essa noite um colega de quarto. E eu sempre durmo de conchinha. Sem exceção, Murphy avisou. Stephan e eu rimos, mas Damien apenas lhe deu um olhar descontente, como se ele estivesse realmente preocupado de Murphy tentar. Aquele olhar me fez rir ainda mais. Eu achei o filme ótimo, mas Murphy não concordou. — Aquela cena em que cortaram fora o pinto do alienígena dela... Eu não consigo parar de ver isso na minha cabeça. Eu vou ficar traumatizado o resto da vida agora. Vocês me devem por isso. Eu estarei obrigando a todos a assistirem uma comédia leve da próxima vez. — Murphy ameaçou, quando voltamos para o hotel. O anoitecer havia chegado enquanto assistíamos ao filme, mas as ruas estavam bem iluminadas e muitas pessoas ainda caminhavam pela conhecida rua. Percebi que Stephan ficou tenso, e eu segui seu olhar até um homem tirando fotos de nós. Eu segurei seu braço com firmeza, continuando a andar. Stephan parecia prestes a socar o cara. — Nós vamos ter que apenas aprender a ignorar esse tipo de coisa. — eu lhe disse em voz baixa. — Não podemos impedi-los de tirar fotos, e nós não podemos controlar o que dizem, então ignorá-los é nosso único recurso. Ele me deu um olhar avaliador. — Talvez você seja adequada ao estilo de vida de James. É muito impressionante que você já esteja acostumada com os paparazzi, se considerar que você só teve que lidar com eles por algumas semanas. Eu balancei meu ombros. — Não é o fim do mundo. Eu já imagino todas as coisas horríveis que vão escrever, junto com as fotos, mas eu realmente só preciso aprender a parar de ler. É tudo lixo. Antes que eu namorasse James, eu nunca teria sequer olhado para nada disso. Eu preciso voltar a essa mentalidade. Stephan assentiu com firmeza. — Eu também. Eu tenho alertas do Google para você e James agora. Eu preciso parar de me torturar. Não é como se nós pudéssemos parar isso.
  17. 17. —Se você me ver olhando sites de fofocas de lixo online, você precisa me parar. Isto não vale o trabalho. — Idem, Botão de Ouro.
  18. 18. CAPÍTULO TRÊS Os dias passavam lentamente, enquanto eu aguardava ansiosa o dia que iria ver James. Apesar das minhas reservas, por vários momentos eu quase o chamei para marcar um encontro mais cedo. No final, eu não tive quase nenhum contato com James, apenas uma breve mensagem trocada com ele no domingo, para combinar o encontro no outro dia. Eu só disse a ele onde todos decidiram se encontrar. Era um evento do trabalho, que eu não estava particularmente entusiasmada em ir. Mas Stephan não ia a lugar nenhum sem mim ultimamente, e eu estava cansada de mantê-lo em casa. Eu sabia que ele gostava de sair, então eu tinha concordado em participar dessa festa de trabalho, há quase duas semanas atrás. Bianca: Vamos nos encontrar no Salão Dime ás 18:00hs. É um pouco fora do caminho, do lado leste da Tropicana. Vai ter um monte de comissários de bordo e pilotos. James: Eu estarei lá. Eu comecei a ficar pronta as 15:30hs, o que era cedo para mim. Eu ficar pronta uma hora antes já era incomum, mas duas horas antes significava que eu estava nervosa. Nervosa e excitada. Levei um tempo anormalmente longo para escolher uma roupa. Eu, finalmente, optei em uma minissaia preta que mostrava um monte de perna. Eu combinei com um top de seda preto sem mangas, que levantava meus seios, e tinha um decote generoso.
  19. 19. A roupa toda preta me deixou com o humor para usar um sapato especial que tinha, assim, peguei um par de sandálias altas, que eram uma mistura brilhante de cores que não combinavam com nada, apenas preto. Elas eram uma mistura de laranja, amarelo, rosa e azul que me fez sorrir. Eles fechavam amarradas em meus tornozelos com fitas de cetim largas que amarrei com pequeno laço. Eu nunca tive a chance de usá-las antes, eu havia comprado impulsivamente, mas agora estava satisfeita com minha aparência geral no final. Eu peguei brincos de prata grandes de argolas para usar. Eu olhei para uma caixa de prata que tinha chegado pelo meu correio, no dia que tinha voltado para casa do hospital. Eu olhei dentro, vendo o seu conteúdo, e fechei sem outro olhar. Ele continha o colar e o relógio que James havia me dado, antes daquele inferno todo explodir. Eu não sabia o que fazer com a joia. Eu não achava que poderia mantê-los, uma vez que não estávamos juntos. Mas eu também estava certa de que James não aceitaria de volta. Ele, obviamente, não queria, já que a última vez que eu devolvi, eles tinham acabado na minha caixa de correio. Eu fiz o meu cabelo e maquiagem, pensando sobre as joias. Parte de mim queria apenas usá-las. O colar ficaria perfeito com o meu decote, destacando-o perfeitamente. James ficaria feliz em me ver usando, eu sabia. Mas também poderia lhe dar a ideia errada. Ele poderia entender que era um sinal que eu estava disposta a continuar com ele de onde havíamos parado. E eu não tinha certeza se eu estava disposta a fazer isso. Eu mudava quando estava perto James. Uma mudança que eu não tinha certeza se eu gostava. Ele tinha conseguido me apaixonar por ele depois de pouco mais de uma semana que o conhecia. E se isso não fosse uma merda federal, eu não sabia o que era. Deixei meu cabelo loiro solto e reto até as minhas costas. Eu passei em meus olhos um lápis marrom suave. Eu tinha passado uma mão pesada do rímel preto, e usei uma quantidade generosa de sombra dourada. Eu estava com os lábios pintados com um rosa suave, liberalmente brilhantes. Isso era mais maquiagem do
  20. 20. que eu costumava usar, mas eu pensei que iria combinar muito bem com um lugar como o Dime. O efeito geral fez eu me sentir sexy e sofisticada, o que era exatamente o que eu queria. Eu precisava me sentir confiante quando visse James novamente. Eu ouvi meu telefone soar, e sabia que era Stephan, dizendo que era hora de ir. Um olhar para o relógio me confirmou isso. Impulsivamente, eu abri a caixa de prata. Eu peguei a gargantilha linda em minhas mãos. Era uma cor prata, mas eu não tinha ideia qual metal que era. Eu nunca poderia saber a diferença. Mas parecia caro, com diamantes salpicando o colar todo, e um laço na frente feito inteiramente de uns diamantes assustadoramente grandes. Eu não tinha percebido o quão grandes eles eram antes. Eu respirei fundo, e a coloquei em volta do meu pescoço. O final dele parou perfeitamente contra a base do meu pescoço, e eu estudei o efeito, correndo o dedo ao longo dele. Eu precisava ir, mas eu não conseguia desviar o olhar do colar em volta do meu pescoço. Voltei a olhar para a caixa, e percebi pela primeira vez que a caixa continha mais do que apenas o colar e relógio. Eu abri outra caixa pequena que eu tinha perdido na minha superficial inspeção anterior. Continha grandes e extravagantes brincos em arco, composto de grandes diamantes que combinavam com os detalhes do meu colar . Mordi o lábio, e os coloquei. O que era mais um boi, quando passou toda a boiada, eu pensei de forma imprudente. Corri para a porta, e, como achei, Stephan estava me esperando com o carro na minha calçada. Eu entrei em seu carro, procurando em minha pequena bolsa, para ver se havia pego tudo. Stephan soltou um assobio baixo ao me ver. — Você está sexy, Botão de Ouro. Se você não tivesse me dito que James estaria te esperando lá para ver você, eu poderia ter adivinhado por essa minissaia.
  21. 21. Eu lhe dei um olhar penetrante, mas não conseguiu mantê-lo por muito tempo. Ele tinha um ponto. Eu quase nunca tentava ficar sexy. —Todo mundo vai estar lá. — Stephan disse todo feliz, enquanto nós dirigimos os vinte minutos até o clube. Ele começou a dizer o nome de todos os participantes. Alguns que normalmente eu teria ficado feliz em ver, mas não tanto nesse momento. Todo mundo sabia que eu tinha sido atacada em minha casa. E que eu tinha ficado hospitalizada por mais de uma semana. O boato era que houve uma tentativa de invasão a minha casa, e eu estava lá naquele momento, mas as pessoas estariam me fazendo perguntas bem intencionadas sobre isso, no entanto. Eu odiava esse tipo de perguntas, que eu sabia que seriam feitas. Eu odiava que as pessoas tivessem mesmo uma vaga ideia do que tinha acontecido comigo. Eu sobrevivi, e o resto eram apenas detalhes, eu disse a mim mesma com firmeza. Era um mantra que sempre me tirava do modo auto piedade. Como de costume, ele funcionou. Eu estava viva, e era o suficiente. Tivemos uma discussão bem humorada, enquanto íamos para lá, sobre se Stephan deveria manter levantada a gola da sua polo. Ele tinha usado a gola para cima, e eu tinha notado quase que imediatamente. Eu simplesmente não conseguia gostar. Havia algo inerentemente estúpido com esse estilo. Eu disse isso a ele. Ele finalmente cedeu, endireitando o colarinho com um sorriso triste. — Só porque você gosta de um estilo, não necessariamente fica bem em você. — eu brinquei com ele. Chegamos ao salão 10 minutos antes das seis. O porteiro estava verificando a nossa identidade e os crachás de nossa companhia aérea. Nós dois estávamos com os nossos, já que tínhamos sido informado que precisaríamos deles para conseguir um desconto de empregados, mas era incomum ter que mostrar na porta. Eu ouvi uma voz familiar atrás de mim. — Eles são convidados do Sr. Cavendish. Eu vou levá-los para dentro.
  22. 22. Eu me virei, dando um sorriso surpreso a Clark. Eu me encolhi interiormente, pensando na última vez que ele tinha me visto. Eu estava uma bagunça completa, correndo pelo tráfego como uma maníaca. Mas não foi culpa dele, ter me visto naquele estado, então eu tentei cumprimenta-lo como se não tivesse acontecido nada. — Como você está, Clark? — Eu perguntei. Ele sorriu para mim calorosamente. Ele parecia genuinamente feliz em me ver. — Muito bem, Sra. Karlsson. Estou muito feliz em vê-la tão bem. Eu apenas assenti, automaticamente me afastando do assunto que tinha me deixado bem mal até recentemente. Clark nos levou através do salão mal iluminado, indo direto para a pequena seção VIP. Eu suspirei. É claro que James estaria na área VIP, mas isso atrapalharia todo o propósito de estarmos aqui, socializando com colegas de trabalho. Com certeza, não éramos os primeiros a chegar, quando vi Stephan saltando para cima, ao ver uma amiga nossa do outro lado do salão. Jessa era uma amiga muito querida. Eu não a tinha visto em mais de um mês, e eu realmente queria dizer um oi. Eu vi logo que James estava longe de ser visto. Enviei a Clark um olhar de desculpas. — Obrigada por nos mostrar a mesa, Clark, mas eu vejo alguém que eu quero conversar antes. Onde está James? Clark parecia desconfortável. Ele estava até mesmo brincando com sua gravata. O gesto nervoso, parecia muito incomum para ele. — No carro, terminando alguns telefonemas. Eu tenho certeza que ele não achava que chegaria tão rápido, ou eu sei que ele não estaria envolvido no trabalho até agora. Eu só balancei a cabeça e me dirigi até onde Stephan e Jessa estavam se abraçando. Ela me viu e deu um gritinho. Ela me deu um abraço muito apertado, e eu tive que esconder um pequeno suspiro. Minhas costelas estavam ainda um pouco
  23. 23. sensíveis, se fossem pressionadas do jeito errado. Ela atingiu apenas o ponto de errado com seu aperto exuberante. Escondi a minha reação e devolvi o abraço. — É tão bom te ver tão bem. — Jessa jorrou. — Me desculpe, eu não consegui te visitar no hospital. As coisas tem estado loucas ultimamente, e eu não ouvi nada de você, até que estava saindo do hospital. E eu estava fora da cidade na época. — Ela olhou para Stephan. — Stephan tem mantido segredo. Até mesmo de mim. — Por favor, não vamos perder mais um pensamento sobre isso. Na verdade, nunca vamos falar sobre isso novamente. Como tem passado? Onde você está voando este mês? — Eu perguntei a ela. Jessa era da nossa classe de comissárias de bordo. Ela era uma morena alta, quase da minha altura, com lindos olhos castanhos e o sorriso mais sexy. Ela era uma das minhas pessoas favoritas. Quando possível, nós tentamos encontrar com ela pelo menos duas vezes por mês para matar saudades. Ela tinha um grande senso de humor, e gostava de sair. Mesmo Stephan era uma pessoa caseira comparado a ela. Ela estava lançando seu cabelo espesso e cacheado por trás de seus ombros, enquanto ela nos contava uma história sobre um passageiro em seu último voo, que tinha tentado fumar no banheiro, e depois negado o fato. Ela estava ficando agitada apenas lembrando a história sobre o descaramento do velho ao tentar se safar. Eu tive que esconder um sorriso. Ela sempre ficava agitada com os malucos. E sua maneira ousada de lidar com eles eram sempre divertidas. A garçonete em uma mini saia e espartilho prontamente se aproximou de nós para pegar nossos pedidos. Stephan ia tomar o vinho cabernet da casa. Eu pedi apenas água. Eu ia me manter longe de álcool, especialmente se James estivesse assistindo Ele odiava qualquer bebida alcóolica. Vi Brenda no bar, e acenei. Ela se juntou a nós, sorrindo. — Sentimos falta de vocês esta semana. — disse ela em saudação.
  24. 24. — Mas Cindy e Lars são ótimos, certo? — Eu perguntei, sorrindo. O casal que tínhamos negociado a troca eram notoriamente divertidos para trabalhar. — Oh, sim, os dois são muito divertidos. No entanto, nós sentimos a falta de vocês. — Ela apertou os lábios. — Jake e eu, quero dizer. Nós compartilhamos um sorriso irônico. Eu não tive que perguntar por que ela tinha deixado o nome de Melissa fora. A outra menina estava agindo mais e mais desequilibrada, cada vez que eu falava com ela. Eu sabia que ela não iria sentir nossa falta. Ela notou minhas joias. — Esse colar e brincos são belíssimos. Tão diferentes. Eu toquei minha gargantilha, agradecendo o elogio. — O seu marido vai vir? — Eu perguntei, olhando ao redor. Muitas vezes ele vinha com ela para esses eventos do trabalho, e às vezes até se juntava a ela nos voos. — Não, ele não sai do trabalho até as seis, e ele diz que está muito cansado. Eu provavelmente não vou ficar muito tempo. É tão difícil ter a oportunidade de encontrarmos os outros comissários, que eu não quis perder essa chance. Devemos organizar esses eventos mais vezes. Jessa concordou com ela entusiasmadamente, e conversaram sobre a tentativa de tentar fazer exatamente isso por uns bons dez minutos. Jake se juntou a nós no meio dos planos que estavam elaborando, abraçando todo mundo, e parecendo interessado na conversa em curso. Eu o abracei de volta levemente. Eu tinha tido alguns momentos difíceis no inicio, com essa situação de ter que abraçar sempre os comissários de bordo, mas me acostumei e hoje gosto desse carinho. Quando você tem amigos próximos, que você só os encontra uma vez por mês, um abraço parecia adequado. Embora todos, amigos tão próximos ou não, pareciam insistir nesse hábito. E eu simplesmente me deixei levar. Ninguém entendia o meu jeito, eu sabia. Então, eu tinha no final, aprendido a manter essas coisas dentro de mim.
  25. 25. Um homem alto, magro, de cabelos escuros se aproximou de Stephan por trás, batendo-lhe no ombro, em saudação. O homem se aproximou da orelha Stephan, sussurrando algo. E Stephan pareceu corar até os dedos dos pés. Eu vi a coisa toda como se estivesse em câmera lenta, meu queixo caindo em estado de choque.
  26. 26. CAPÍTULO QUATRO Levei um bom tempo para reconhecer o homem, pois o que eu estava vendo não fazia sentido para mim. Javier Flores e Stephan não estavam exatamente em termos amigáveis. A última vez que eu soube de alguma coisa, eles estavam mais perto de exs amantes amargos. Os dois homens não tinham se falado por mais de um ano. Ou assim eu pensava. Javier era a versão para Stephan, do que eu estava fugindo. Os dois homens eram tão diferentes fisicamente, como eram de personalidade. Embora ambos os homens fossem alto e bonitos, Stephan era muito mais alto. Javier tinha no máximo 1.82m. Seu rosto era simplesmente lindo e perfeito, e ele ainda possuía os cílios mais espessos que eu já tinha visto. Ele tinha o cabelo preto, que ia até os ombros, caindo em seus olhos artisticamente, quando ele inclinava a cabeça para a frente, dando a Stephan um sorriso malicioso. Ele era alto e delgado, quase fino. Seus olhos castanhos escuros eram misteriosos e encantadores, mas eu sempre tinha achado um pouco frio e distante. Os dois homens tinham namorado por apenas um mês, há mais de um ano atrás. Tinha sido um mês intenso, mas o relacionamento tinha terminado rapidamente e mal. Javier tinha realmente um problema em ser um amante secreto para Stephan, e ele não tinha tolerado a situação por muito tempo. Ele tinha dado a Stephan um ultimato: Parar de esconder a relação deles, ou ele estava fora. Javier tinha ficado chocado e magoado quando Stephan tinha escolhido o último.
  27. 27. Ele começou dar a Stephan o tratamento do silêncio desde então, evitando vir em festas como esta. Ele inclusive saía de qualquer local, caso Stephan chegasse, durante vários meses após o rompimento. Stephan tinha ficado esmagado pela coisa toda. Eu tinha entendido que Javier ficou gravemente ferido, mas ainda achava que ele tinha sido um idiota sobre o rompimento. Ainda assim, eu tinha ficado chateada sobre o rompimento também. Stephan nunca tinha olhado para qualquer cara do jeito que ele olhou para Javier, e eu realmente esperava, no início, que isso iria no final fazer as coisas funcionarem para eles. Javier me viu olhando para ele, e seu sorriu morreu rapidamente. Ele sempre foi educado e cortês comigo, mas sentia que deixava ele desconfiado. Poucas pessoas entendem minha relação com Stephan. Javier me surpreendeu, inclinando-se para mim e me envolvendo em um abraço suave. — Eu estou tão feliz em vê-la recuperada, Bianca. Eu o abracei de volta automaticamente. Por algum motivo ele não me soltou, e eu achei isso estranho. — Você não me odeia, não é? — Ele sussurrou em meu ouvido. Eu pisquei, encontrando os olhos tímidos de Stephan sobre o ombro de Javier. — Por que eu odiaria você? — eu lhe perguntei em voz baixa. Ele me mantinha ainda enlaçada em seus braços. — Por ser um bastardo para Stephan por tanto tempo. Meu coração estava totalmente quebrado, mas isso não é desculpa para a forma como eu o tratei. E eu não fui exatamente agradável com você. Eu parei de falar com você também, mesmo que nada disso tenha sido culpa sua. Stephan ainda me diz que você me defendeu, até eu ter aquele ataque na festa dos dias dos Namorados, envergonhando a mim mesmo. Javier tinha feito parte da nossa tripulação por um mês, quando ele e Stephan estavam começando a se relacionar. Eu nunca tinha dado um pensamento para o
  28. 28. fato de que Javier não tinha falado comigo também, desde a separação. Considerando todas as coisas, eu meio que esperei isso. — Eu sei que parece loucura, mas eu estava com ciúmes de você. Eu meio que tinha me convencido que algo estava acontecendo entre vocês dois, e era por isso que Stephan não conseguia se assumir como gay. Eu enrijeci. Ele me abraçou apertado, embora eu tenha ficado mole em seus braços. Eu nunca pensei que um homem tão esguio, poderia ser tão forte. — Eu sei. Loucura, não é? — Javier continuou. — Mas eu e Stephan estamos nos falando de novo. Por favor, me diga se está tudo bem com isso. Eu balancei a cabeça, apesar de não estar realmente certa sobre o que pensar. Essa reviravolta com Javier era tão repentina e inesperada, e Stephan não tinha me dito uma palavra. Eu apenas soube que ele não estava mais se encontrando com Melvin. — Sim, é claro. Eu não sou a guardiã de Stephan, ao contrário da crença popular. Ele beijou minha testa, se afastando para trás, para olhar para mim. — Eu sei, mas você é a sua família. Eu só quero que isso esteja ok para você. Seus olhos eram sinceros e suplicantes agora, longe da forma fria, que normalmente aparentava. Isso me deu esperança. Talvez ele só agisse daquela forma fria, para esconder seus sentimentos. Eu poderia muito bem entender isso. Eu sorri para ele. Foi um sorriso rígido, mas não por falta de esforço. — Sim. Okay. Eu quero aquilo que deixa Stephan feliz. Sempre. Javier assentiu enfaticamente, finalmente se afastando de mim. — Ótimo. Grande. Stephan estava preocupado que você não gostaria de nos ver juntos outra vez. Enviei a Stephan um olhar perplexo. Ele ainda estava nos observando, parecendo aflito.
  29. 29. — Ele deveria me conhecer melhor. — eu disse. Javier voltou para Stephan. Eu fiquei chocada com o que aconteceu em seguida. Stephan jogou um braço sobre os ombros de Javier, bagunçando seu cabelo de brincadeira. Ele se afastou do homem menor quase que instantaneamente, mas ainda assim, era a coisa mais carinhosa que eu já o tinha visto fazer em público com outro homem. Por alguma razão, eu senti meus olhos ficarem úmidos. Stephan chamou minha atenção, caminhando até mim. Ele me levou ao seu peito, se inclinando para falar em meu ouvido. — Você está realmente bem com isso? — Que tipo de pergunta é essa? — Eu perguntei, minha voz abafada contra sua camisa polo laranja. —E por que é a primeira vez que estou ouvindo sobre isso? Ele passava sua mão para cima e para baixo nas minhas costas suavemente. — Foi só uma época maluca. Eu ia te falar, mas as coisas têm estado tão loucas ultimamente. E eu nunca conseguia encontrar o momento certo. Ele realmente me ligou, quando soube que você havia sido ferida, e ele queria ter certeza que nós dois estávamos bem. Isso foi doce, certo? Eu me afastei para trás, acenando para ele. — E as suas... questões? Ele engoliu em seco, rígido. — Javier e eu conversamos sobre isso. E eu percebi que ele tem um ponto excelente. Eu não tenho que fazer um anúncio para o mundo. Eu não preciso fazer um baile de debutantes sobre isso, entende? Mas eu não preciso mentir sobre isso, também. Eu só posso viver minha vida. Eu não devo explicações a ninguém. Eu sempre disse que só queria que minha vida pessoal fosse privada, mas eu estou começando a ver que havia mais do que isso na minha decisão. E eu não tenho nada que me envergonhar, certo? Ele havia tentado fazer uma afirmação, mas eu ainda ouvi a pergunta lá. Segurei seus braços apertados. — Absolutamente nada para se envergonhar. Estou tão orgulhosa de você, Stephan.
  30. 30. Ele apertou o meu braço. Nós evitamos nos encarar por um longo minuto, os dois piscando para conter as lágrimas embaraçosas. Finalmente, nos recompomos, ele apenas acenou com a cabeça, voltando a ficar perto de Javier. Ele segurou o ombro do outro homem brevemente, antes de cruzar os braços sobre o peito, escutando a historia que Jessa estava falando. Eu me senti um pouco chocada, com a mudança súbita e drástica de Stephan. Mas era um bom choque. Eu olhei os dois homens por vários minutos, atordoada pela mudança de Stephan. Não era completa, mas ele continuou brincando e cutucando Javier no peito, ou puxando uma mecha de seu cabelo. Javier manteve suas mãos cuidadosamente para si mesmo, mas ele estava dando a Stephan os olhares mais quentes e doces. Eu pensei que era uma cena muito bonita. Murphy e Damien foram os próximos a participar do nosso grupo, e fizeram as saudações habituais, abraçando a todos. Percebi que nosso pequeno grupo tinha crescido bastante em quantidade e barulho. Eu procurei pelo salão espaçoso, pensando que James poderia ter dificuldade em me achar em um grupo tão grande, mas não vi sinal dele. Eu vi Melissa do outro lado do salão. Ela estava sentada no bar com o capitão Peter. Ela estava usando um vestido colante vermelho, olhando para o nosso grupo com mau humor. Gostaria de saber, um pouco penosamente, porque ela insistia em usar cores que confrontavam direto com seus cabelos. Eu mentalmente me castiguei. Ela era uma pessoa desagradável, mas isso não era desculpa para eu baixar ao seu nível. Eu lhe dei um pequeno aceno, quando nossos olhos se encontraram, resolvendo ser pelo menos educada, desde que ela era um membro da nossa equipe por pelo menos mais um mês. Ela apenas acenou com a cabeça para trás, em seguida, olhou para longe. Pelo menos ela não tinha me dado as costas. Me concentrei de volta em nosso grupo cada vez maior, com a chegada de mais dois membros.
  31. 31. Eram Judith e Marnie. Elas fizeram parte da nossa equipe há alguns meses. Elas eram parceiras de festas inseparáveis. Judith tinha longos cabelos negros, e Marnie era uma loira platinada. Ambas eram baixinhas, com ótimo corpo e rosto bonito. Elas me lembravam um pouco duendes travessos. Duendes travessos um pouco bêbadas no momento. Me lembrei que muitas vezes elas se apresentaram aos homens em bares como Ivanna Humpalot e Alotta Fagina.1 Elas raramente voltavam para seus quartos sozinhas, às vezes até mesmo compartilhando os homens uma com a outra. Eles eram um par engraçado, mas não para os que tinham coração fracos. Stephan e eu fomos na festa de Judith do seu vigésimo primeiro aniversário, cerca de dois meses atrás. Tinha sido uma loucura. Ela tinha ficado com pelo menos três homens que eu tinha visto, e arrastou dois deles para seu quarto de hotel. Marnie era um ano mais velha que Judith, tinha apenas 22 anos. Eu era mais velha do que as meninas, mas elas me batiam com anos de experiência. Ambas achavam que qualquer mulher que tinha mantido sua virgindade intacta até os 15 anos, era uma puritana. Eu não imaginava que palavra elas teriam para alguém que manteve a sua até os 23, como eu. Judith gritou de alegria quando me viu. Ela correu e me abraçou. — Eu ouvi sobre o ataque. Como você está? — Ela quase gritou. Abracei-a de volta com firmeza, desejando que ela não tivesse falado tão alto. — Ótima. Como você está? Ela lançou um olhar de soslaio na direção de Damien. 1 Ivanna Humpalot é uma mulher russa estereotipada, que aparece no filme Austin Powers, O Espião Irresistível. Seu nome é uma paródia de Xenia Onatopp do filme de James Bond e também um trocadilho com a frase "Eu quero transar com muitos". Allota Fagina também é uma personagem do filme Austin Powers. Seu nome é uma brincadeira com a frase: "vagina demais", também uma paródia de um personagem da série de James Bond.
  32. 32. — Quanto você quer apostar que eu vou acordar na cama de Damien amanhã? — Ela sussurrou. — E eu sei que vai ser ótimo. Marnie transou com ele há alguns meses atrás. Ela diz que ele é um jumento. O último cara que transei foi uma verdadeira decepção. Quero trepar com alguém que tenha um belo pau, certo? Suas palavras me surpreenderam e eu dei uma gargalhada. Eu não sabia sobre Marnie e Damien, mas eu não estava surpresa. — Informação demais, Judith. — eu disse a ela com um largo sorriso. — Eu tenho que trabalhar com ele toda semana. Marnie tinha se esgueirado ao nosso lado, se espremendo entre nós duas para me abraçar suavemente. — Se Judith for atrás dele esta noite, eu vou me juntar a eles. — disse ela com uma piscadela. — Eu juro por Deus, se existe algum homem que pode lidar com duas mulheres ao mesmo tempo, é ele. Ele é um homem de maratona. Judith franziu o nariz para Marnie. — Eu nunca consigo os realmente bons só para mim. Ela sempre quer um pedaço. Eu nem sequer tentei disfarçar minha risada. Ela estava reclamando, mas seu tom era mais divertido do que chateado. Damien tentou chamou minha atenção a alguns metros de distância. Ele não falou nada, só arregalou seus olhos questionadores para mim . Eu tinha certeza que ele estava preocupado com o que elas estavam me dizendo sobre ele. Eu apenas sorri para ele. Ele cobriu o rosto com as mãos, e eu jurei que pude ouvir seu gemido de dor. Eu não me sentia mal por ele, já que eu estava disposta a apostar que ele iria acabar com as garotas provocadoras até o final da noite. — Eu ouvi um boato de que você perdeu o seu cartão de virgindade. Finalmente. E para um cara super quente e rico. É verdade? Eu fiz uma careta. O boato estava vivo e bem, e aparentemente rolando com um fundo de verdade. — Sim. Por favor, não diga isso em voz alta. Eu ainda ficava mortificada, quando lembrava que as duas meninas descobriram que eu era virgem. Elas tinham adivinhado, o que era estranho,
  33. 33. considerando que eu não poderia pensar em duas pessoas que poderiam saber menos sobre ser virgem do que elas. Nós estávamos no quarto de Judith no hotel, assistindo uma comédia romântica sobre um voo, quando as duas meninas começaram a contar suas histórias de sexo favoritas. Elas me pediram para compartilhar também, e eu acabei corando. Elas tinham adivinhado, com um pouco de desgosto, que eu ainda era virgem. Eu tive bastante trabalho para convencê-las a não me arrumar algum homem para me aliviar do meu problema. Marnie tinha até oferecido me emprestar sem problemas seu novo namorado na época. Eu não tinha aceitado essa oferta também. Eu deveria ter imaginado, que elas eram alheias aos sentimentos das pessoas, quando se tratava de sexo. — Bem, parabéns. Ele é bom? Às vezes, aqueles muito bonitos são horríveis na cama. Apesar de que se for muito bonito, eu sigo a linha que mesmo se for ruim de cama, ainda vale a experiência, certo? — Judith deu uma cotovelada de brincadeira nas costelas de Marnie, enquanto ela falava. Eu só balancei a cabeça, meus olhos arregalados. Eu certamente não sabia nada sobre isso. Eu não poderia imaginar que havia um homem no planeta que fosse melhor na cama. No entanto, eu particularmente não queria compartilhar essa informação. — Então ele era bom? Sua primeira vez foi boa? — Marnie insistiu. Eu balancei a cabeça, muito desconfortável. O compartilhamento de informações pessoais para esse tipo de coisa, não era para mim. — Em uma escala de um a dez, como foi? Eu suspirei. Elas não iam deixar esse assunto morrer. — Como seria: 'Eu quero que ele me foda até a morte, ou apenas termine logo', qual a escala que ele foi? As duas mulheres gargalhavam, mas o riso morreu quando elas olharam para cima, a minha esquerda.
  34. 34. Senti um aperto de mão firme familiar na minha nuca. Lábios macios que eu estava bem familiarizada beijaram meu rosto. — Essa é uma avaliação emocionante, amor. — James murmurou contra a minha pele.
  35. 35. CAPÍTULO CINCO Senti o calor invadir minhas bochechas em uma corrida, e um arrepio perverso de puro prazer balançar meu corpo. James com sua noção de tempo perfeita. Aparecendo no momento mais cativante possível. Judith e Marnie estavam apenas olhando para ele, atordoadas e mudas por um longo momento. Eu me virei para olhar para ele. Sua mão caiu da minha nuca, e nós apenas olhamos um para o outro. Eu saboreei a visão dele. Ele parecia... maravilhoso. Ele estava com uma camisa polo azul brilhante, jeans escuros e tênis azul marinho. Era o 'supermodelo James assumindo trajes casuais', pensei. Mesmo com seus trajes ocasionais, ele parecia muito sexy em público. Eu nunca o tinha visto com jeans antes. Ele estava um pecado de se olhar. Eu vi apenas uma sugestão do seu peito bronzeado no colarinho, e tive que reprimir a minha vontade de babar. Seu cabelo caramelo levemente varrendo em seu pescoço, e eu cerrei minhas mãos para mantê-las ao meu lado. Eu queria tocá-lo. Mas sempre o nosso toque, levava a outra coisa muito rápido entre nós. Eu olhei para seus brilhantes olhos azuis. Eles estavam intensos e sérios. Seus olhos caíram para os meus brincos e depois para o colar na minha garganta. Sua mandíbula apertou, e então relaxou. Ele passou a língua sobre os dentes. Todo o meu corpo parecia apertar. — Obrigado por usá-los. Foi... atencioso de sua parte. — ele disse em seu tom mais educado, sua voz rouca.
  36. 36. Ele engoliu em seco, enfiando as mãos nos bolsos, em seguida, as dobrando sobre seu peito. Ele fez isso distraidamente, a parte superior dos seus braços sobressaindo sobre sua camisa. Seu peito e braços pareciam maiores do que eu lembrava, os músculos saltando, como se ele tivesse feito levantamento de pesos em excesso. O material de sua camisa parecia tão suave, que me fez coçar para correr meus dedos sobre ela. Mas o mais leve toque seria recorrer a um acidente vascular cerebral. E então eu iria querer sentir a carne embaixo... Os olhos de James estavam correndo pelo meu corpo agora, não pela primeira vez. Seus olhos estavam em minhas pernas nuas, e então meu decote. — Suas pernas são espetaculares. Você torna o uso de minissaia quase ilegal. — Ele olhou para o meu rosto, finalmente. —Você está linda. — Ele tomou uma respiração profunda, dura, me encarando. Foi gratificante. — Mas essa roupa não é um pouco sexy demais para uma festa do trabalho? Eu torci o nariz para ele, então incisivamente olhei ao redor da sala. Aqui era Vegas, e nós estávamos em um bar cheio de comissários de bordo. Meu traje era francamente modesto em comparação com alguns dos modelos que vi por ali. — Você quer que eu te foda na frente de todos os seus colegas de trabalho? Porque isso é tudo que eu posso pensar, quando eu vejo você com essa roupa. — Sua voz soou baixa, mas eu engasguei com suas palavras. —Este era para ser um encontro breve e casual. — eu disse a ele, uma sugestão de acusação em minha voz. Ele respirou fundo, olhando ao redor da sala, e longe de mim. Eu vi quando ele contou até dez silenciosamente. — Eu senti saudades de você. — ele disse finalmente. Eu tive saudades dele também, mas eu não conseguia dizer isso a ele. Ele ainda me perturbava demais para esse tipo de honestidade. Em vez disso, eu disse a primeira coisa que veio à minha cabeça. — Você chegou tarde.
  37. 37. Sua mandíbula apertou novamente. — Sim. Eu estava no meu carro, no meio de uma ligação comercial mais chata da minha vida. Eu acho que vou ter que demitir o meu gerente, em Nova York. Eu não vi você chegar, e perdi a noção do tempo. Peço desculpas. Eu não queria perder um segundo de nosso tempo juntos, o que fez o telefonema particularmente irritante. — Está tudo bem. Chegamos aqui mais cedo, então eu só fiquei surpresa ao ver que você estava atrasado, o que não é comum. — Nos apresente. — Judith disse alto. Eu não fiquei surpresa. As duas meninas haviam mostrado uma surpreendente quantidade de autocontrole em nos deixar falar calmamente, nos dando esse tempo. Eu me virei, dando às mulheres um sorriso triste. Jessa se aproximou, e de repente tínhamos a atenção de todo o grupo. Eu andei em torno do grupo, apresentando todas as pessoas a James que ele ainda não tinha conhecido. Toquei o braço de James levemente quando eu terminei. — Pessoal, este é meu amigo, James. — eu disse, me sentindo estranha. Eu não tinha ideia do que chama-lo. — Namorado. — James me corrigiu, e eu levantei uma sobrancelha para ele. Eu não sabia o que éramos, mas não parecia correto ele me chamar assim. — Namorado realmente sério. — ele falou com um sorriso. Eu achava que sabia o que ele estava fazendo. Ele queria falar comigo em particular, e ele sabia que dando a si mesmo esse título, iria me antagonizar o suficiente para me fazer o chamar em um canto. Eu não ia cair nessa, eu disse a mim mesma com firmeza. E ele era muito possessivo. Ele diria qualquer coisa para alertar os outros homens para se afastarem. Enviei a Damien um olhar. Ele estava nos observando, com a boca apertada. Olhei para longe rapidamente, querendo evitar chamar a atenção para esse fato, já que ele estava olhando para nós dois atentamente.
  38. 38. Judith e Marnie começaram a conversar com James impiedosamente. Eu estava mais do que um pouco surpresa que elas não estavam dando em cima dele. Nem um pouco. Parecia mais como se quisessem entrevista-lo. Eu pensei que era muito doce isso. Eles eram as mulheres mais paqueradoras que eu conhecia, mas elas estavam saindo do seu jeito habitual, mantendo uma conversa completamente platônica com alguém que elas achavam que era meu namorado. Alguém que simplesmente era o homem mais bonito do planeta. Isso me fez ver como elas eram boas amigas para mim. Talvez melhor do que eu lhes dava crédito. Eu tinha o triste hábito de ser mais cínica do precisava. Bondade ou consideração quase sempre me pegavam de surpresa se vinham de outra pessoa que não fosse Stephan. Eu supunha que ele era a única pessoa que eu já me permiti ter expectativas. Eu tinha muitos amigos. Principalmente amigos casuais. Mas a amizade e confiança não era uma conexão que eu tinha com as pessoas. Eu ouvia as meninas fazendo perguntas após perguntas a James, até mesmo se falava palavrões. De repente, me senti velha com meus 23 anos. Eu sempre pensei que fosse mais madura, mais experiente, mas eu certamente tinha sido vencida no departamento de cinismo. Toquei o braço de James, com apenas as pontas dos meus dedos. — Eu já volto. Eu vou ao banheiro. James tentou me acompanhar até o banheiro, mas eu acenei para ele. — Vá dizer oi para Stephan. — eu disse a ele. Ele me deu um olhar severo, mas caminhou em direção a Stephan. Judith e Marnie se juntaram a mim. A parte de cima de suas cabeças batia no meu peito. Eu sempre me sentia como uma gigante, quando eu estava ao lado delas. — OH MEU DEUS, Bianca, ele é o homem mais lindo que eu já vi na minha vida. — Judith jorrou, enquanto nós fizemos nosso caminho através do bar. Eu corei, mas eu certamente não poderia desmentir o comentário. — Esse homem é absolutamente belo. — Marnie disse.
  39. 39. Eu franzi o nariz. A palavra belo soou muito feminina para mim. E isso era uma coisa que não tinha nada a ver com James. — Ele é bom de cama, também? — Marnie perguntou, claramente cética — Isso não é justo. Se eu fosse ele, eu nunca deixaria minha casa. Eu iria ficar para sempre em casa, só me fodendo. Se você me disser que ele tem um pau grande, eu poderia cortar meus pulsos ou me tornar lésbica. Chegamos até a fila para o banheiro, era uma multidão absurda na fila, que já estava pelo menos uns bons vinte metros de distância do banheiro. Eu sorri com tristeza. — Então eu não vou te dizer. — eu disse. As duas mulheres começaram a fazer sons altos de desespero. Eu ri de suas encenações. — Eu acho que as coisas boas realmente vêm para aqueles que esperam. — Judith disse, parecendo triste. — Eu não posso ir em um encontro sem dormir com um cara. E eu não posso ficar dois dias sem marcar um encontro, então eu acho que nunca vou conseguir ter uma boa pessoa. — Eu não consigo esperar para transar também, então eu acho que nós nunca vamos conseguir nada de muito bom. Esse tipo de bom só vem para aqueles que esperam 23 anos, aparentemente. — Marnie disse tristemente. Ela iluminou, melhorando quase que imediatamente. — Mas nós vamos pegar um pedaço do capitão Damien esta noite. Ele é uma bela fatia de algo bom. Eu não apontei que ele não parecia muito feliz em vê-las. Eu duvidava que isto as detivesse. Elas formavam um par bem persuasivo. — O que há com esse lixo todo nos tabloide que eu continuo vendo? — Marnie perguntou, lançando um olhar muito sério para mim. Eu fiz uma careta. — Principalmente mentiras e apenas pessoas horríveis dizendo coisas horríveis, porque chama a atenção. Estou tentando ignorá-los.
  40. 40. Judith me deu um olhar perplexo. — Eu acho que é impressionante. Parece que agora sabemos como se sente uma celebridade. Eu acho que é tudo tão divertido e emocionante. E ele é tão bonito. Pode haver coisas piores. Ela tinha um bom ponto sobre as coisas piores, eu pensei. Eu dei de ombros. — Eu não posso mudar, então eu estou me ajustando. — Então ele não tem uma namorada? — Marnie perguntou. — Eu li em algum lugar que ele estava namorando alguma herdeira linda, pelos últimos oito anos. Isso era uma mudança de tópico que mata qualquer humor. Eu suspirei. — Ele me diz que ela é apenas uma amiga. Acho que a pergunta é, eu acredito nele? Estou trabalhando nisso. Confiar nele não é instintivo para mim, mas é uma coisa minha, que não tem nada a ver com ele. Judith fez um gesto para as minha joias. — E todos estes lindos brilhantes? Eu voto confiar nele. Eu ri. Elas estavam começando a me lembrar uma versão meio bêbada do bom policial, e mau policial. Marnie bateu no meu ombro. — Tenha cuidado, Bianca. O homem parece que poderia quebrar corações apenas por diversão, você sabe? Judith fingiu abanar. — Mas ela vai ter um monte de diversão, certo? Eu não podia discutir com nada disso. Não era nada que eu já não tivesse pensado. Havia um grupo de mulheres próximas, apenas alguns passos a nossa frente na fila. Eles estavam sussurrando e me apontando rudemente. Eu não conhecia nenhuma delas, mas elas eram provavelmente, outras aeromoças que eu nunca tinha trabalhado. Imaginei que tinha lido algo terrível sobre mim. Eu ignorei. Era algo que eu ia ter que me acostumar. Era tudo parte do circo de mídia que cercava a vida de James. E eu tinha, aparentemente, decidido dar mais uma chance a este homem, apesar do meu
  41. 41. melhor julgamento. Ele ainda me queria, e ele era um homem difícil de ignorar quando ele estava em perseguição. O grupo explodiu em gargalhadas. Mesmo o riso soou escroto, então eu sabia que elas estavam dizendo algo terrível. Eu forcei minha mente em concentrar em outra coisa, um hábito antigo que eu usava para evitar coisas desagradáveis que não poderiam ser alteradas. Nós finalmente conseguimos chegar ao inicio da fila, e entramos e saímos do banheiro sem incidentes. As garotas eram ruins e tinham feito Judith e Marnie quase puxarem uma briga. Eles começaram a falar cada vez mais alto, e enfatizar palavras como "prostituta" e "caçadora de fortuna", enquanto me atiravam olhares estranhamente maléficos. O que quer que tenham lido sobre mim, eu não conseguia entender porque isso iria afetá-las, ou por que elas se importariam o suficiente para ser abertamente hostil a uma estranha. Estava além de mim conseguir entender isso, então eu não fiquei pensando muito sobre o assunto.
  42. 42. CAPÍTULO SEIS Minhas costas endureceram quando nos aproximamos do nosso grupo novamente. James estava em pé, perto de Stephan e Javier, e eles estavam rindo de alguma coisa. Mas ele não estava sozinho. Melissa estava praticamente colada ao seu lado, rindo junto com eles. — Você percebe que essa cadela não foi legal com ninguém até agora. Então, ela vem e mergulha nele como um abutre. — Marnie estava dizendo em voz baixa. — Eu não gosto dela. Ela fala um monte de merda sobre as pessoas, para disfarçar as suas merda, que posso afirmar que ela faz em grande quantidade. — acrescentou Judith. Tentei seguir todas as merdas dessa frase. Eu desisti quando chegamos perto o suficiente, para eu ver a forma como as mãos de Melissa estavam se esgueirando em pequenos toques por todo o corpo de James. Ela tocou em seu braço, deu um tapinha em suas costas, subiu e apertou o seu ombro. E depois passou a mão ao longo de seu peito e estômago no seu caminho de volta para baixo. James deu um passo para trás, evitando o seu contato, mas eu ainda via vermelho. Vermelho forte. Carmesim como no sangue. Sangue que eu ia derramar daquela cadela vadia. Caminhei entre os dois em uma névoa estranha de raiva, encostei ao lado dele, empurrando ela bruscamente para fora do caminho com o meu corpo. Passei a mão ao longo da linha de seu peito e abdômen que ela tinha tocado, como se meu toque pudesse apagar a dela. Eu ouvi os cubos de gelo baterem no seu copo, quando ela foi empurrada pelo meu movimento súbito. Ela ofegou em indignação.
  43. 43. Eu a ignorei, olhando para James. — Por que você deixou ela tocar em você? — Eu lhe perguntei em voz baixa. Ele pareceu surpreso, e divertido. — Eu pensei que ela era amiga sua. Eu estava tentando não ser abertamente rude, mas ela estava se tornando mais difícil. Você tomou uma bebida enquanto esteve fora? Você ficou fora por trinta minutos. Agora você está agindo um pouco... diferente. — Puta. Você me fez derramar a bebida no meu vestido! — Melissa estava gritando atrás de mim. Era fácil ignorá-la, eu tinha um bom motivo. Corri minhas mãos para cima e para baixo no peito de James novamente, usando a ponta dos dedos para traçar cada músculo. Ele era incrivelmente duro. — Não há nenhuma parte de meu corpo que seja tão dura. — eu pensei em voz alta. — Amor, cuidado. Você não pode oferecer a um homem faminto um pequeno pedaço, e esperar que ele não pule em cima de tudo. Eu acariciava seu peito novamente, parando em um de seus mamilos. — Eu quero ver o seu corpo. — eu disse a ele. Agora eu tinha feito. Eu tinha ido e o tocado, e foi pior do que estar bêbada. Eu não conseguia me concentrar em nada, apenas em tocar mais partes dele. — Sua vadia fodida! — Melissa disse mais alto. —Você tem alguma ideia de quanto este vestido vale? É BCBG. Você sabe mesmo o que é isso, puta? Eu vi os olhos de James arregalarem apenas um segundo antes dele me virar, me deixando de costas contra a ruiva louca. Eu ouvi o som de uma bebida ser lançada, vidro e tudo, contra as costas duras de James. Ela havia lançado direto para a minha cabeça, eu percebi, atordoada. Ela era uma puta louca...
  44. 44. — Foda—se! — disse James, olhando por cima do ombro para uma Melissa ainda fumegando. — Você precisa dar o fora daqui, ou a segurança irá escolta-la para fora. Eu acho que você já se constrangeu bastante esta noite, certo? — Seu tom era positivamente mordaz. Melissa amaldiçoou fluentemente, enquanto se afastava. Nosso grupo explodiu em conversas, enquanto ela saia. O consenso geral era: 'Cadela louca'. — Vadia completamente biruta. — Murphy resumiu, como só poderia Murphy fazer. Todo mundo riu, quebrando o último pedaço de tensão. Eu olhei para James, franzindo os lábios. — Isso foi muito cavalheiro de sua parte, me proteger com seu corpo, do copo de vidro que ela atirou em mim. — eu disse a ele. — Obrigada. Ele balançou sua camisa, cubos de gelo ainda voando das suas costas. Eu verifiquei atrás. Sua camisa estava encharcada. Até seus jeans estavam encharcados. Fiquei aliviada ao ver, no entanto, que o vidro tinha quebrado no chão, deixando-o incólume. Uma garçonete apareceu com um balde e esfregão e começou a limpar o vidro quebrado e a bebida do chão. Nós nos afastamos de seu caminho. —Parece que você vai ter que tirar todas as suas roupas. — eu disse a ele com um sorriso. Ele sorriu de volta, mas seu sorriso era quente. — Eu tenho uma muda de roupa no carro. Vem comigo? Inclinei-me mais perto dele, inalando profundamente. Ele cheirava tão bem que eu senti minhas pálpebras fecharem apenas com o prazer de seu cheiro. Era tão bom, que eu queria colocar um nome para ele, e engarrafá-lo. — Convença-me. — eu lhe disse em voz baixa, forçando meus olhos a se abrirem e olhei para ele.
  45. 45. Ele olhou em volta, passando a língua sobre os dentes, isso era sexy como o inferno. — Tudo bem. Será que você tem algo específico em mente, ou eu posso fazer o que achar melhor? Eu estou tentando fazer as coisas direito aqui, pois eu não quero assustá-la para fora novamente. Você não está tornando mais fácil, no entanto. — Sua camisa esta molhada. Eu quero que você a tire. Quero ver sua pele. — Ele me deu um olhar avaliador. — É isso? Tudo o que tenho que fazer para você chegar no meu carro é tirar a minha camisa? — Ele estava chicoteando-a antes mesmo de terminar a pergunta. Vaias e assobios começaram a soar em torno da sala, quando as pessoas viram o seu espetacular peito nu. Eu engasguei com a visão de toda a sua pele nua. Ele tinha aumentado definitivamente sua parte superior, no mês que ficamos separados, seu peito já era impressionantemente atraente, agora era perturbador, para dizer o mínimo. — Você levantou mais pesos. — eu observei. Seu sorriso era um pouco dolorido. — Eu precisava de um pouco mais de atividade física para me ajustar a essa coisa toda de celibato. Eu costumo malhar por duas horas na parte da manhã. Eu adicionei mais duas à noite, também, como uma espécie de... auxílio para dormir. Eu senti uma agitação estranha de culpa, e uma emoção não tão estranha de alegria, por sua menção ao celibato. Eu abri minha boca para dizer... alguma coisa, mas eu não conseguia manter um pensamento, com toda a sua pele nua na minha frente. Meu olhar moveu mais para baixo. Seus jeans estava perigosamente baixo. Eu segui a pele logo acima de seu jeans. Era um território perigoso, mergulhando em um V bem definido. Uma excitação impressionante e crescente estava fazendo seu jeans mais obsceno a cada segundo.
  46. 46. Ele agarrou minha mão. — A menos que parte do meu trabalho de convencimento seja foder você contra a parede mais próxima, eu começaria a andar, Botão de Ouro. Ele pegou minha mão e começou a andar. — Eu preciso de uma camisa nova. — James falou em direção a Stephan quando passamos. Stephan lhe deu um olhar arregalado, mas apenas acenou com a cabeça. — Nós voltamos já . — Eu quero ter seus bebês. — alguém murmurou enquanto passávamos. Enviei um olhar naquela direção. Eu não poderia começar a ter crises de ciúmes loucas por ele, no entanto. Eu que tinha feito ele deixar seu peito nu em uma sala cheia de comissárias de voo famintas... E se alguém lançasse um olhar para o seu jeans, isso certamente não iria diminuir seu interesse. Clark nos encontrou na entrada do clube, mantendo a porta aberta, rosto impassível. — Mandou muito bem, Senhor. — disse ele calmamente. Eu sorri para ele, sabendo que ele estava se referindo a James se mover rapidamente para me proteger da bebida lançada. — Qualquer paparazzi no estacionamento? — James perguntou bruscamente. — Max fez uma varredura. Parece limpo, até agora, Sr. Cavendish. James apenas acenou com a cabeça, quase me arrastando pelo pequeno terreno até o estacionamento. Clark conseguiu chegar na frente de nós dois para abrir a porta do carro. — Sua mala já está ai, e aberta. James assentiu. — Muito bom. — disse ele, me fazendo entrar primeiro no carro.
  47. 47. Eu me sentei, em seguida, fui mais para o lado, para dar lugar a James. Ele entrou atrás de mim sem uma pausa, a porta fechando atrás dele. Eu ouvi ele puxar algumas respirações irregulares, e então ele estava em mim. Ele me tinha deitada em uma respiração. Ele abriu minhas pernas bem abertas, rastejando entre elas. Ele desabotoou a calça jeans, puxando sua ereção rígida com um gemido áspero. — Eu queria ter meu tempo com você, quando eu finalmente tivesse minhas mãos em você de novo, mas eu não posso esperar. Desabotoe sua blusa. Quero rasgá-la demais para tocá-la. —Enquanto falava, ele foi avançando minha saia para cima sobre meus quadris. Ela era flexível, felizmente. Eu pensei que ele não teria hesitado em rasgá-la se não fosse. Minha calcinha não teve tanta sorte. Ele agarrou a renda em suas mãos e arrancou os dois lados. Eu contorci minha metade inferior, enquanto trabalhava nos pequenos botões da minha blusa. Quando eu tinha liberado o último, ele estava abrindo minha camisa impaciente. Suas mãos já estavam sobre o fecho frontal do meu sutiã, quando o que ele viu o fez congelar. Meu tronco ainda estava marcado com os últimos vestígios do que tinha sido uma contusão verdadeiramente hedionda. Eu vi suas mãos tremerem um pouco, quando ele soltou o meu sutiã. Ele passou as pontas dos dedos ao longo das marcas já desvanecidas. — Mais de um mês depois, e ainda esta assim? — Sua voz era profunda com a agitação. Eu virei o rosto. — Eu não quero falar sobre isso. Eu já falei o suficiente sobre isso. Ele segurou meu queixo, virando meu rosto para ele. Seus olhos eram selvagens. —Eu não poderia suportar se algo vier a acontecer com você. Você entende isso? Eu nunca me senti tão impotente ou aterrorizado na minha vida, quando eu vi a ambulância se afastando com você, não tendo ideia do que tinha acontecido, ou mesmo se você estava bem. E depois descobrir que aquele monstro que tinha colocado as mãos em você? Eu quero matá-lo. Eu preciso protegê-la.
  48. 48. Eu cerrei a minha boca em uma linha dura. — Não é isso que eu quero de você. E eu não quero falar sobre isso. Ele estava me beijando de repente. Foi um beijo irritado, apaixonado. Eu o beijei de volta, com a mesma paixão. Assim como muita raiva. Ele estava empurrando para dentro de mim tão rápido, que eu estava cheia antes que eu soubesse sua intenção. Eu estava molhada e pronta, mas eu estava tão apertada, e ele era tão grande, que ainda causou uma fricção deliciosa que beirava a dor. Engoli em seco, minha cabeça caindo para trás, meus olhos se fechando. Ele segurou meu queixo, com força. — Olhe para mim. — ele ordenou. Eu olhei o fervor de seus olhos com uma dor melancólica, que eu senti no fundo do meu peito. Eu teria dado qualquer coisa para ele se sentir sempre da forma que ele ficava quando estava dentro de mim e me olhando. Ele olhava para mim neste momento, como se eu fosse mais importante que o ar, e isso era mais do que eu poderia suportar. Seu cabelo arrastou sobre seu rosto e o meu, quando ele inclinou mais perto de mim. Ele segurou meus pulsos acima da minha cabeça, usando sua mão como algemas. Ele segurou meus pulsos com uma mão, enquanto a outra se movia até meu colar, puxando o círculo. Seus impulsos nunca parando ou diminuindo: — Você é minha, Bianca. Diga! Minhas palavras saíram com um suspiro áspero. — Eu sou sua, James. — Venha. — ele ordenou, empurrando tão rápido e duro que eu soluçava, enquanto gozava. Ele gemia meu nome de novo e de novo, enquanto ele derramava dentro de mim. Depois, ele se apoiou cuidadosamente em seus cotovelos, protegendo meu peito ainda ferido e minhas costelas. Ele pegou uma camiseta limpa de sua mala aberta para me limpar, e depois se limpou também. Eu fiquei deitada, e o observei, quase preguiçosamente, enquanto
  49. 49. ele colocava uma nova cueca boxer, jeans, e uma camiseta cinza clara, com decote em V. Ele se agachou ao meu lado, depois que se trocou, arrumando as minhas roupas quase com ternura. — Eu machuquei você? — Ele perguntou, enquanto abotoava minha camisa. — Mmm, não. — eu disse. Qualquer coisa que possa ter doido, certamente não me incomodou na hora. — Nem mesmo as costelas? — Ele alisou minha camisa, quando terminou de abotoar os botões. Eu puxei uma respiração profunda, mas não, ainda não estava doendo. — Não, não muito. Elas finalmente não me incomodam tanto. Respirar foi um pouco difícil, durante algum tempo. Sua boca se apertou enquanto alisava minha saia para baixo. — Nós não temos que fazer qualquer uma das coisas mais ásperas, se você não quiser. Eu não me refiro apenas enquanto você estiver se curando. Eu poderia largar essas coisas completamente, se não é o que você quer mais. — Eu ainda quero. Nada mudou a esse respeito. O que ele fez... e o que você faz, eu não vejo como a mesma coisa. Eu não posso explicar, mas um me ajuda a lidar com o outro. Podemos não falar mais sobre isso? Ele alisou meu cabelo do meu rosto, beijando minha testa. — Precisamos conversar mais, não menos. Sobre um monte de coisas. Se você me deixasse falar com você, poderíamos ter resolvido as coisas entre nós. Eu não suporto essa incerteza constante que você me causa. Me sentei, sentindo a necessidade de manter uma certa distância. — Vamos fazer um acordo. Que tal não falarmos. Eu vou para sua casa com você hoje à noite. Eu vou ficar na sua casa. Nós podemos fazer qualquer coisa que você quiser. Você pode foder meus miolos a noite toda. — Minha voz estava ficando vergonhosamente grossa, até mesmo uma pitada de sotaque estava saindo. — Mas
  50. 50. eu não quero falar sobre o ataque, e qualquer coisa referente a ele. E eu não quero falar sobre nosso relacionamento, ou a falta de um. Sua mandíbula apertou, mas eu vi quase imediatamente que ele não ia discutir comigo. — Nós temos que voltar antes para a festa? — Ele perguntou finalmente, seu humor claramente mais sombrio. — Sim. — Eu disse com firmeza.
  51. 51. CAPÍTULO SETE Caminhamos de volta para dentro do prédio sem outra palavra. James agarrou meu cotovelo de forma possessiva. Nós nos reunimos ao meu grupo de amigos. Algumas pessoas nos deram sorrisos afetados pela nossa ausência, mas ninguém disse nada sobre isso. James estava quieto e retraído. Eu tive dificuldade em me divertir, quando sabia que eu que tinha deixado seu humor repentinamente sombrio. Ele mal me tocava. Não até Damien me envolver em uma conversa, quando de repente ele se tornou muito carinhoso. Damien estava me perguntando se eu tinha algum plano para a próxima escala em New York, quando senti James imprensar contra minhas costas, envolvendo os braços em volta de mim com muito cuidado, apenas sob os meus seios. Homem contraditório, pensei sombriamente, enquanto ele enterrava o rosto no meu pescoço. — Hum, não, eu não planejei nada. — Eu tentei responder a Damien, distraída pelo homem controlador em minhas costas. Ele apertou sua virilha contra mim, e eu não tinha dúvidas sobre o que ele estava pensando. James levantou a cabeça com a minha resposta. — Eu tenho um evento que eu gostaria que você participasse comigo, se você estiver disposta. É um evento formal de caridade. Eu endureci, perplexa com a oferta. Era uma reviravolta para ele, me chamando para acompanha-lo em um evento tão público. Nós tínhamos combinado desde o início que nós não íamos namorar ou marcar encontros. Não era o que
  52. 52. qualquer um de nós desejava. Eu tinha rapidamente ficado machucada com esse acordo, mas eu não sabia que ele tinha mudado de ideia sobre disso. Quando tinha mudado e por quê? Ou era apenas um golpe para mostrar que eu era sua propriedade para Damien? — Hum, eu não tenho nada para vestir a algo como isso. — eu disse, soltando a primeira desculpa que veio na minha cabeça. Suas mãos começaram a se mover ao longo do meu estômago, me acariciando. Ele agarrou meus quadris, me segurando firme, enquanto se endireitava atrás de mim. O movimento trouxe sua ereção mais rente a minha bunda, e eu tive que abafar um suspiro. Eu não queria que ninguém visse o que ele estava fazendo. Eu tentei o meu melhor para parecer normal, mas não tinha ideia se eu consegui. — Eu pedi a minha assistente para selecionar um guarda-roupa para você, assim sempre terá roupas em minha casa. — ele disse, em um tom perfeitamente casual. —E ela vai estar lá na manhã da sexta, para ajudar você a selecionar algo do armário, ou encontrar outra coisa. Ela vai levar uma amostra de vários estilistas para você experimentar. Eu pisquei, não sabendo o que pensar disso. — Você não deveria. — É justo, se eu quero que você assista a um monte de eventos comigo, que eu forneça as roupas que você precisa usar neles. E além disso, nós já discutimos essa coisa dos presentes exaustivamente. Se bem me lembro, foi uma das concessões que você realmente concordou. — Ele estava se movendo contra mim enquanto falava. Era difícil segurar um pensamento, quando ele fazia isso. — Quando você fez tudo isso? Do guarda-roupa? — Eu perguntei, perplexa. — Semanas atrás, quando percebi que simplesmente eu teria que me acostumar com a ideia de que eu não poderia te proteger dos paparazzi, então eu poderia muito bem te mostrar. Eu apenas pisquei.
  53. 53. Damien estava nos olhando, e estudando James. Eu tinha quase esquecido, por alguns minutos, que ele estava lá. James tinha esse efeito em mim. — Você vai vir comigo, não vai? — James murmurou no meu ouvido. Ele passou os braços em volta dos meus ombros, seus braços se movendo lentamente, esfregando meus mamilos. Não havia nenhuma maneira que ele não estivesse ciente que os estava tocando. Eles estavam como duas pedrinhas duras, e não tinha como ele não sentir através do material fino da minha camisa e meu sutiã de renda. — Eu, hum, eu não sei. O convite é inesperado, como eu tenho certeza que você sabe. E eu nunca estive em nada parecido com isso. — Não há nada especial nele. Nós apenas nos vestimos e caminhamos ao redor, nos misturando. Eu não vou sair do seu lado, se você está nervosa com isso. Eu só quero a sua companhia. Damien foi embora, provavelmente se sentindo ignorado. Ele foi para o lado de Murphy, que estava contando uma história bastante alta para a sala inteira ouvir. Eu lancei minha voz baixa, falando sobre meu ombro. — Eu pensei que não estávamos fazendo nada disso. Você disse desde o início que não estávamos namorando. — Eu ia falar com você sobre isso, mas eu não estou autorizado a falar esta noite, lembra? — Sua voz profunda era um estrondo contra a minha orelha. Eu vi o jogo dele. Ele queria me deixar curiosa o suficiente, para engolir de volta as minhas próprias palavras. Eu não faria isso, porém, mesmo que a minha curiosidade estivesse me matando. Eu coloquei um cotovelo atrás de mim. — Tudo bem, então não vamos falar sobre todos esses eventos, que entram no assunto que gera muitas perguntas sobre a nossa relação?
  54. 54. Ele fez um zumbido indignado atrás de mim, e eu podia sentir o estrondo me atravessando. Ele não falou durante vários minutos. Eu tive que morder a língua para não fazer perguntas. Por fim, ele quebrou o silêncio. — Você gosta de cavalos? — questionou. — Cavalos? — Eu perguntei, perplexa. — Sim, cavalos. Você gosta deles? Eu pensei sobre isso. Mais sobre por que ele estava perguntando, do que a questão em si. Finalmente, eu só foquei na questão. — Sim, eu gosto de cavalos. Não sei se de todos. Por quê? — Você já andou? Eu corei. — Uma vez. Foi apenas um passeio de duas horas guiado, no alto das montanhas, então eu nem sei se isso conta, mas eu adorei. — Você acha que se sente bem o suficiente para tentar montar agora? Ou você precisa se curar mais? Lancei—lhe um olhar desconfiado. — Você tem cavalos na cidade? — Eu não tinha notado qualquer estábulo em sua propriedade, mas eu também não tinha conseguido exatamente um tour adequado. — Eu tenho. Eu preciso te mostrar toda a propriedade um dia, inclusive os estábulos. Eles estão afastados da casa. Mas isso não é o que eu tinha em mente. Você disse que eu poderia fazer o que quisesse com você. Você não me deu quaisquer restrições, incluindo ficar na cidade. Gostaria de levá-la para a praia, para relaxar, mas eu acho que ultimamente eu absolutamente desprezo a praia. Eu levantei minhas sobrancelhas para ele. — Você não gosta da praia? — Eu lhe perguntei, desconcertada. Ele cerrou sua mandíbula e olhou através da sala, com um olhar duro como aço. Segui seu olhar. Ele estava olhando para Damien como se ele quisesse fazer ao homem um dano corporal sério.
  55. 55. — Atualmente, apenas o pensamento da praia me deixa violento. — ele disse, seu tom calmo, mas ameaçador. — Então, eu tenho uma outra ideia, se você estiver a fim de tentar andar a cavalo. Eu o estudei, tentando seguir os seus padrões singulares de pensamento. — Onde você quer me levar? Ele virou seu olhar duro como aço em mim. — Você disse que eu poderia fazer qualquer coisa com você esta noite. E você não disse que eu tinha que dizer o que ou onde. Tudo o que eu quero saber é, você acha que pode andar a cavalo? Eu olhei para trás. — Eu não tenho certeza. Eu me sinto bem. Se eu não fizesse nada muito louco, e fosse um cavalo calmo, eu suponho que eu poderia. Ele acenou com a cabeça decisivamente. — Ok, nós levaremos isso com calma. Deixe-me dar alguns telefonemas. Eu o olhei andando para fora, um pouco atordoada pela súbita mudança nos eventos. Ele sempre parecia fazer isso comigo, mudar tudo ao seu redor, até que eu estava tonta e ofegante, e aceitando os seus caprichos sem um protesto. Era muito irritante e estimulante. Eu achava que a minha vida era satisfatória e completa, antes de conhecê-lo. Eu pensava que a excitação era a última coisa que eu queria para mim. E o pensamento de me apaixonar teria sido uma verdadeira maldição na minha opinião. Como pode uma pessoa mudar tudo tão de repente? Eu me perguntava, e não pela primeira vez. Eu não sabia onde ele estava planejando me levar, mas não importa. Eu iria. Meu autocontrole se desmoronava, quando estava na órbita de James. Eu me aproximei de Stephan, ouvindo a história prolixa de Murphy, antes de ser notada. Ele estava falando a todos sobre o horror de acordar com duas mulheres e uma nova tatuagem no peito com um de seus nomes. Só que ele não se lembrava nem dos seus nomes, apenas que uma delas era Lola, uma vez que estava escrito em grandes letras pretas em seu peito.
  56. 56. Eu pisquei para a história ridícula. Surpreendentemente, eu acreditei nisso, pois tinha visto a tatuagem, quando estávamos à beira da piscina. Eu escutei, tão interessada como os outros, para descobrir quem era a mulher da tatuagem, e por que ele fez isso. — Acontece que, eu tinha conhecido essa mulher mais cedo naquela noite. Ela tinha me abandonado em um ataque de fúria depois que eu fiz a tatuagem e comecei a conversar com as duas que acordei naquela manhã. Eu estava apenas sendo simpático, tenho certeza! Sua postura defensiva sobre as duas mulheres que ele tinha acordado na cama, fez todo mundo cair na gargalhada. Ele ainda estava genuinamente ofendido com a mulher que inspirou sua tatuagem, e nunca falou com ele de novo. Quatro outros pilotos se juntaram ao nosso grupo. Eu os reconheci apenas vagamente. Eles faziam parte da nova geração de pilotos, e eu sabia que eles eram amigos de Damien e Murphy, mas não conseguia me lembrar de seus nomes. — Ele conta a história que ela fugiu, toda vez que ele está bêbado. — Damien disse em uma voz divertida. Ele estava logo atrás de mim. Eu me virei e lhe dei um leve sorriso. Sua voz estava alta o suficiente para todos do grupo ouvirem, mas ele parecia estar falando comigo. — Ele nem se lembra dela, mas ele diz que confia em seu julgamento, porque mesmo bêbado o suficiente para fazer isso, o fato dela inspirar ele a fazer uma tatuagem em uma noite, ela deve ter sido "única". Toda vez que ele faz um discurso retórico sobre como ele odeia ser solteiro, ele culpa a maldita Lola. Olhei para Murphy, rindo. Ele estava com um sorriso tímido, mas bemhumorado no rosto. Parecia algo que ele falaria, e ele não negou. — Onde foi isso? — Eu perguntei a ele. —Melbourne, Austrália. Aposto que ela tinha um sotaque sexy. — disse Murphy em um tom desanimado.
  57. 57. — Todos nós sabemos o quanto você ama o sotaque sensual australiano. — um dos pilotos acrescentou, criando uma nova rodada de gargalhadas. — Ei, nada disso. — Damien disse, erguendo as mãos. — Não me arraste para isso. Eu estive com Murphy por anos, e ele ainda não fez nenhuma tatuagem para mim em qualquer parte de seu corpo, com sotaque sexy ou não. — Agora temos certeza de que ele nunca dormiu com você. — Marnie interrompeu. — Se tivesse, haveria uma tatuagem de Damien em algum lugar do seu corpo, eu posso atestar. Uma noite só, e eu tive que me segurar para não fazer uma tatuagem com seu nome na minha bunda. Vaias e gritos altos seguiram ao anúncio, Murphy rindo mais alto. Seu riso era particularmente infeccioso. Eu tive que dar a Damien um segundo olhar. Eu teria jurado que ele estava corando. — Não pense que eu não tentei. — Murphy ofegou, ainda rindo. — Ele é apenas o homem mais bonito que conheço. Mais bonito do que pelo menos metade das mulheres com quem estive. Mas eu não posso nem mesmo fazer um afago, quando ele está bêbado. Nosso riso era alto o suficiente, para que até mesmo no bar barulhento, a maioria das pessoas estivessem olhando em nossa direção. Isso foi no exato momento em que James retornou para dentro do salão. Eu estava mais próxima de Damien, embora nós ainda estivéssemos pelo menos a meio metro de distância. E eu não conseguia parar de rir, mesmo vendo a tempestade que imediatamente alcançou suas feições encantadoras, com a visão de nós dois em pé perto um do outro outra vez. Eu sabia que ele tinha um problema com Damien. Ele parecia pensar que havia algo entre nós. Eu só não entendo o porquê. Eu conheço Damien há anos antes de conhecer James. Se tivéssemos compartilhado algum real interesse um pelo outro, obviamente, algo já teria acontecido até agora.
  58. 58. Eu entendia que Damien era um cara bonito, mas ele só não me balançava. Eu gostava de sabores mais... exóticos. Eu pensei que tudo isso devia ser tão óbvio para James, por isso era difícil entender o seu humor desagradável e estranho para um dos meus bons amigos. James caminhou para mim, ainda lindo, mesmo mal-humorado. Fiquei maravilhada, como eu fazia, muito frequentemente, em ver como ele era lindo. Seu cabelo castanho claro, mais comprido agora, caindo artisticamente pelo seu rosto enquanto ele andava. Os músculos de seus braços e da parte superior do seu corpo estavam claramente definidos pela camisa fina. Seu maxilar cerrado era perfeito. Sua boca estava dura pela raiva, mas com certeza ainda era bonita. Suas sobrancelhas bem desenhadas e cílios grossos que faziam uma sombra mais escura do que o seu cabelo, chamando a atenção para os seus vivos olhos azul turquesa. Seu nariz era reto e um pouco mais largo na ponta, sendo apenas perfeito em seu rosto incomparável. Ele era simplesmente lindo. Ele não tinha nada feminino, mas a palavra belo simplesmente não podia fazer justiça aquela aparência. Ele era alto e magro, mas suas roupas mais justas mostravam claramente que ele era bem musculoso, em vez de magro. Ele é uma perfeição, eu pensei quase distraidamente. O que ele está fazendo comigo? Isto era uma questão que sempre me acompanhava. Ele caminhou até chegar ao meu lado, mas não me tocou. — Parece que eu perdi toda a diversão. — ele disse baixinho para mim, sua voz estranhamente vazia. Meu sorriso começou a desaparecer. — Os arranjos foram feitos. — disse ele rapidamente. — Você é todo minha, assim que terminar aqui. — O que vocês dois estão falando? Você parecem que estão quentes o suficiente com o outro para fazer uma tatuagem. Quando é que vocês irão tatuar o nome um do outro? — Marnie falou comigo e James, sorrindo e balançando as sobrancelhas sugestivamente.
  59. 59. Eu lhe dei um sorriso de esguelha. Ele me deu um sorriso menor em troca. — Seria um desperdício estragar uma pele tão perfeita, com um pouco de tinta. — James disse. — Mas eu ficaria feliz em fazer uma tatuagem com o nome de Bianca, se é isso que ela quer. Eu arqueei uma sobrancelha para ele, enquanto a multidão irrompia, gritando e incentivando à loucura. Eu tinha visto o corpo de James. Ele não tinha nenhuma tatuagem, por isso ele estava apenas brincando com eles, é claro. — Você não vai devolver o favor, Bianca? — Judith falou, parecendo horrorizada. Dei de ombros, dando a James um olhar brilhante e estreito. — Eu acho que se ele fizer uma tatuagem para mim, eu o deixaria furar meus mamilos. — eu disse mais para ele do que para multidão. Mas a multidão absolutamente rugiu com a piada. Ele passou a língua sobre os dentes daquela forma que ele fazia e me dava água na boca. Ele estendeu a mão para mim, para fechar o acordo. — Você tem um acordo, amor. Por favor, finalize o acordo apertando minhas mãos. Nada me agradaria mais. Alguém soou como se engasgasse com sua bebida logo atrás de mim. Ouvi Stephan gritar algo ao longo da multidão. — Que porra é essa, Botão de Ouro? Eu olhei para a mão dele, me perguntando por que ele iria levar a brincadeira até esse ponto. Mas eu apertei sua mão, sem pensar muito, apenas me juntando aos outros nas travessuras. Uma das frases favoritas de Murphy quando contava suas piadas veio à minha mente, por algum motivo. Nunca negue um pedaço, ele gostava de dizer. Não posso negar isso. — Você primeiro, no entanto. Eu quero ver a tatuagem, antes de furar qualquer coisa. — eu disse, querendo ter certeza que eu estava segura, no caso dele realmente ter enlouquecido. Ele sorriu, e foi positivamente um sorriso malvado. — É claro.
  60. 60. — E eu quero ver esses piercings, Abelhinha! — Alguém gritou. Eu não poderia mesmo dizer quem era. — Nós queremos ver a prova que vocês cumpriram o acordo! — Eu reconheci a voz de Judith. — Você deve colocar o nome dela em seu pênis, nesse caso! — Marnie gritou. Ela recebeu o suficiente de respostas chocadas para se calar. James jogou um braço em volta do meu ombro, me puxando contra ele. — Ninguém irá ver seus piercings, mas eu vou te mostrar a tatuagem. Bianca ainda pode escolher qual parte do meu corpo que quer marcar. A brincadeira tinha ido longe demais. Me afastei lhe dando um olhar severo, abrindo a boca para falar. Ele apertou sua boca quente contra a minha, antes que eu pudesse soltar uma palavra. Ele me beijou, um beijo quente, daqueles que não podem ser dado em público. Sua língua varreu profundamente a minha boca, apenas me implorando para sugá-lo. Eu tentei me afastar do seu peito, tendo a intenção de evitar a sua necessidade de demonstrações publicas de afeto. Mas sua mão firmou no meu cabelo, e a outra as minhas costas, me pressionando firmemente contra ele. Eu lutei por um momento, antes de me perder, me suavizando contra ele, sugando a sua língua, como se minha vida dependesse disso. Minhas mãos e punhos, impotente em sua camisa, meus pulsos doendo com a sensação da pressão restritiva que eu desejava. Me esqueci dos meus amigos, esqueci a brincadeira que ele tinha levado muito longe. Ele poderia ter me levado ali, contra a parede, se ele quisesse. Esse era o seu poder sobre mim. Ele foi o único a se afastar para trás, sorrindo. Ele olhou por cima da minha cabeça, e eu sabia que ele estava sorrindo para Damien, um sorriso frio e triunfante. — Se você não escolher um local, eu poderia simplesmente levar em conta a única sugestão que ouvi aqui, colocar o seu nome sobre o meu pau. — Ele falou em voz alta o suficiente para conseguir algumas vaias e gritos da multidão.

×