• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
tc1_aula7_2008
 

tc1_aula7_2008

on

  • 2,306 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,306
Views on SlideShare
1,833
Embed Views
473

Actions

Likes
1
Downloads
78
Comments
0

8 Embeds 473

http://araujofamilia.sites.uol.com.br 351
http://arturaraujo.blogspot.com 73
http://arturaraujo.blogspot.com.br 42
http://www.slideshare.net 2
http://webcache.googleusercontent.com 2
http://64.233.169.104 1
http://74.125.47.132 1
http://arturaraujo.blogspot.ca 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    tc1_aula7_2008 tc1_aula7_2008 Presentation Transcript

    • Teorias da Comunicação 1 Professor mestre Artur Araujo (araujofamilia@gmail.com)
      • A teoria da complexidade -1
      Edgar Morin (*1921)
    • Antes, alguns lembretes...
      • Semana que vem vence o prazo de entrega do 3º exercício, que vale 4 pontos.
      • Hoje é o último dia para a entrega do 2º exercício, sobre Lasswell. Quem não entregar hoje, terá nota “0” no exercício.
    • Prazos
      • Estamos a 14 dias do tribunal de mídia (23 de abril). – Vamos sortear hoje qual grupo vai apresentar primeiro o trabalho
      • Estamos a 35 dias da prova teórica (14 de maio).
    • Recapitulando
      • Lemos na última aula excertos do texto “Comunicação de massa, gosto popular e ação social organizada”, de Merton e Lazarsfeld.
      Paul Felix Lazarsfeld (1901 - 1976) Robert King Merton (1910-2003)
    • Edgar Morin
      • Pesquisador e diretor do Centro Nacional da Pesquisa Científica da França, Edgar Morin, atualmente com 87 anos, se propôs a estudar o fenômeno da indústria cultural a partir do princípio da complexidade .
      • Para ele, compreender a questão da sociedade de massas implica uma série de variáveis e não permite generalizações. O foco de sua preocupação é tanto estética quanto de ordem f ilosófico­cognitiva .
      Edgar Morin (*1921)
    • Retomando Frankfurt
      • Morin retoma em vários aspectos temas da Escola de Frankfurt, principalmente de Adorno quando, por exemplo, acata e emprega em suas obras o termo " indústria cuItural " , mas agora depurando do teórico alemão o viés pessimista.
      Edgar Morin (*1921) Theodor Adorno (1903 - 1969)
    • Cultura, uma questão complexa
      • Morin, porém, valoriza a questão da complexidade dos fenômenos comunicacionais, aproximando, em sua obra, o alemão das reflexões epistemológicas do filósofo francês Gaston Bachelard (1884-1962).
      Edgar Morin (*1921) Gaston Bachelard (1884-1962)
    • Interdisciplinaridade
      • Morin deseja em sua pesquisa teórica conciliar os diferentes estudos e conclusões dos teóricos da comunicação e mesmo de outros ramos das ciências sociais e das ciências da natureza.
      Edgar Morin (*1921)
    • Shannon e Weaver
      • Morin quer retomar Shannon e Weaver (receptor­emissor), quer retomar os frankfurtianos , quer conciliar também outra dezena de autores de variadas disciplinas e produzir uma ampla Teoria da Comunicação . O autor, portanto, torna-se defensor de pesquisas interdisciplinares.
      Edgar Morin (*1921) Claude Shannon 1916-2001 Warren Weaver 1894-1978
    • Uma obra-prima
      • A principal obra de Morin na área da teoria da comunicação são os livros "O espírito do tempo“. Nelas, o autor procura aplicar o princípio da complexidade na investigação sobre a comunicação.
      Edgar Morin (*1921)
    • Algumas conclusões de Morin
      • A cultura de massa é o produto de uma dialética produção­ consumo, no seio de uma dialética global, que é a da sociedade no seu conjunto.
      Edgar Morin (*1921)
    • Dialética Edgar Morin (*1921) Georg Hegel (1770 – 1831) Karl Marx (1818 - 1883)
    • Um sistema em contínua contradição
      • Segundo Morin, a Cultura de Massas alimenta-se de uma contradição entre a criação e a produção.
      • À individualização da criação original, ele opõe a estandardização da produção conformista que permite a democratização do consumo cultural universal.
      Edgar Morin (*1921)
    • Democratização abre canais para a criação, mas é fruto da padronização: o processo dialético prossegue
    • Criação X Produção X Consumo
      • O investigador, centrando a análise, por um lado, na cultura de massas, que denomina de indústria cultural e, por outro, no fenômeno do consumo cultural, desenvolve a tese segundo a qual a cultura de massas é o produto de um processo dialético entre criação, produção e consumo.
      Edgar Morin (*1921)
    •  
    • O Espírito do Tempo
      • Mas o que é, afinal, "espírito do tempo" (zeitgeist)?
      • E uma definição do filósofo alemão Hegel. Para ele, cada época tinha seus próprios valores e modo de encarar o mundo.
      Edgar Morin (*1921) Georg Hegel (1770 – 1831)
    • Alienação é conceito alienante
      • Não é o problema da alienação, palavra esvaziada de qualquer sentido se abrange tudo que é imaginário, sonho, divertimento, pois então a alienação seria e continuaria a ser não só consubstancial, mas necessária ao ser humano.
      Edgar Morin (*1921)
    • Cultura de massa existe no socialismo também
      • Essa crítica à cultura de massa não pode ser reduzida à crítica do capitalismo uma vez que, certamente nascida do desenvolvimento capitalista, ela responde às realidades mais complexas e profundas, como o demonstra a atração já exercida por ela na URSS e nas democracias populares.
      Edgar Morin (*1921)
    • Uma 'religião' pela metade
      • A cultura de massa é um embrião de religião da salvação terrestre, ­mas falta-lhe a promessa da imortalidade, o sagrado e o divino, para realizar-se como religião. Os valores individuais por ela exaltados - amor, felicidade, auto-realização - são precários e transitórios.
      Edgar Morin (*1921) Quadro "Adoração" (1966), de Nélson Leiner (*1932)
    • Cultura marcada pela transitoriedade
      • O indivíduo terrestre e mortal, fundamento da cultura de massa, é ele próprio o que há de mais precário e transitório; essa cultura está comprometida com a História em movimento, seu ritmo é o da atualidade seu modo de participação é lúdico-estético, seu modo de consumo é profano, sua relação com o mundo é realista.
      Edgar Morin (*1921)
    • Entre o profano e o religioso, entre o mítico e o empírico
      • A contradição - a vitalidade e a fraqueza - da cultura de massa é a de desenvolver processos religiosos sobre o que há de mais profano, processos mitológicos sobre o que há de mais empírico.
      Edgar Morin (*1921)
    • Entre o profano e o religioso, entre o mítico e o empírico Edgar Morin (*1921) Amy Winehouse
    • A salvação individual, versão cultura de massa
      • E inversamente: processos empíricos e profanos sobre a idéia-mãe das religiões modernas: a salvação individual.
      Edgar Morin (*1921)
    • Mercado, consumo e libido
      • A cultura de massa, incapaz de cristalizar-se verdadeiramente como religião da vida privada, é também incapaz de alcançar além da esfera privada.
      Edgar Morin (*1921)
    • Mercado, consumo e libido
      • Assim como não pode institucionalizar-se em religião, também não pode basear-se no poder temporal e dispor de aparelho coercitivo. Não pode dispor de escola, partido, exército ou Estado. Baseia-se apenas no mercado, no consumo, na libidinagem.
      Edgar Morin (*1921)
    • Realidades além do mercado
      • A Religião, o Estado, a Nação, o Partido vivem de realidades humanas que a cultura de massa pode, em parte, estancar, mas não pode apreender. A cultura de massa não pode fazer submergir ou desagregar a Religião ou o Estado.
      Edgar Morin (*1921)
    • Uma cultura realista
      • Os deuses ­estrelas, olimpianos - os demônios ­ criminosos, assassinos - estão entre nós, são de nossa ongem, são como nós mortais. A cultura de massa é realista.
      Edgar Morin (*1921)
    • Nossos "sósias" em sonho
      • A cultura de massa trabalha em duas direções inversas. De um lado, esses sósias vivem em nosso lugar livres, soberanos; eles nos servem de consolo para a vida que nos falta, nos servem de distração para a vida que nos é dada; de outro lado, incitam-nos à imitação, dão o exemplo da busca da felicidade.
      Edgar Morin (*1921) Cartum de Jayron Zolgafhari - Irã
    • Acalmando e agitando
      • Esse duplo movimento, hipnótico e prático, integra sem dúvida um grande número de indivíduos na corrente das sociedades ocidentais, uma vez que acalma ou purifica as necessidades impraticáveis, mantém ou excita as necessidades praticáveis e, finalmente, adapta o homem aos processos dominantes.
      Edgar Morin (*1921)
    • Um processo de contínua adaptação
      • Em outras palavras, a cultura de massa se adapta aos já adaptados e adapta os adaptáveis; isto é, integra a vida social onde os desenvolvimentos econômicos e sociais lhe fornecem seus humos.
      Edgar Morin (*1921)
    • A era dos shoppings, o fim da poupança
      • O homem consumidor não é apenas o homem que consome cada vez mais. E o indivíduo que se desinteressa do investimento.
      Edgar Morin (*1921)
    • Uma válvula de escape
      • Na medida em que as grandes organizações ignoram ou esmagam o homem concreto, é no consumo, no lazer, na vida privada que este pode encontrar ou reencontrar interesse, competência e prazer.
      Edgar Morin (*1921)
    • O "Ser" morreu
      • Os críticos amargos do Espírito do Tempo são mais cegos que os cegos de que são contendores; ignoram que o que morreu não foi propriamente Deus, cuja presença está fora do mundo, foi o Ser.
      Edgar Morin (*1921)
    • Edgar Morin (*1921) O "Ser" Grande individualismo Idéia de transcendência O "sendo" Pequeno individualismo "Não há mais que cegueira, fuga ou divertimento na adesão ao presente"
    • Uma alta cultura de massa?
      • Os circuitos internacionais de cinema independente e os cineclubes, os clubes do livro e do disco, os “terceiro-programa” do tipo BBC, os ensaios de televisão “cultural” como no Chile ou na França parecem pressagiar a constituição de uma nova esfera que se destacará da órbita da cultura de massa para gravitar em torno da "alta cuItura".
      Edgar Morin (*1921)
    • Uma esperança?
      • Já se delineia o esboço do cosmopithekos, um ser (dotado de mais consciência? e de mais amor?) que poderia encarar o devir e assumir uma condição cósmica.
      Edgar Morin (*1921)
    • Edgar Morin (*1921)
    • Tema da próxima aula: Leitura de excerto da obra “Espírito do Tempo”, de Edgar Morin Edgar Morin (*1921)