Pauta na web

1,474 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,474
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Pauta na web

  1. 1. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO Virei frila. Como emplacar pautas? Ana Estela de Sousa Pinto Disponível em http://novoemfolha.folha.blog.uol.com.br/arch2007-08- 19_2007-08-25.html#2007_08-19_15_28_12-11540919- 27 , acessado em 20/03/10 Luisa, do Rio, era repórter de um jornal carioca, mas preferiu sair e passar a fazer frilas, atrás de tempo para tocar outros projetos profissionais. Ela pergunta: Há dicas para quem está fazendo ou quer fazer frilas em jornais ou outros veículos de comunicação? Qual é uma forma boa de conseguir pautas e pré-apurar sem estar direto na Redação? A pergunta dela faz sentido, porque, quando se está no dia-a-dia de um jornal, as pautas aparecem com mais facilidade. Durante uma cobertura a fonte sugere outro assunto, seu chefe manda apurar algo, a agenda do jornal se impõe. Na maioria das vezes, são pautas mais quentes, fatos novos, desdobramentos de notícias já publicadas. Já os frilas, em geral, costumam trabalhar com pautas mais frias, pois os jornais tendem a cobrir o noticiário principal com sua própria equipe. Tudo bem, sobram várias áreas em que um frila pode atuar: comportamento, cultura, saúde, temas infantis, moda, decoração etc. Como há um mundo de veículos que costumam publicar textos de free-lancers --cadernos semanais dos jornais diários, revistas especializadas, revistas femininas, jornais estrangeiros etc.--, o caminho melhor talvez seja descobrir assuntos legais e depois pensar quem poderia se interessar por ele. Como achar as pautas sem estar numa Redação? O frila tem a desvantagem de não ter uma estrutura empresarial (tem que usar seu próprio telefone, seu carro etc.), mas tem a vantagem de ter mais tempo livre para poder realmente conversar com pessoas, ver a cidade, achar coisas legais. Quem já teve uma experiência prévia deve ter feito fontes com as quais não deve perder contato. Consulte-as, veja se há novidades nas áreas delas. Outros bons "fornecedores de idéias" são amigos. Fique de ouvidos e olhos abertos. Uma das dificuldades principais nessa hora é que, para vender uma pauta para um veículo, não basta uma boa hipótese, uma boa idéia geral. É preciso alguma apuração prévia. Um exemplo: fui buscar meu carro na concessionária e vi um enorme painel "Personalize seu carro. Eco Sport e KA. pintura de pára-choque e retrovisor". Uma luzinha começou a piscar: será que isso é novidade? Está virando moda ou é restrito a um grupo? Que tipo de motorista faz essas pinturas? Será uma coisa mais feminina? Mais boyzinho? Mais tiozinho Sukita? Que modelos de pintura existem (já comecei a imaginar uma arte bem bonitinha com as pinturas)? Todas as marcas fazem? É caro? Dá pra pintar em casa? Enfim, como você viu, comecei a pensar numa pauta para Veículos. Mas eu teria um problema para apresentá-la como sugestão. Como sou leitora esporádica dos cadernos e revistas da área, não sabia se o assunto era novo. Vai que saiu no mês passado. Já pensou a vergonha que eu iria passar? Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br) site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/ ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/ Página 1 de 2
  2. 2. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO A primeira providência, então, é checar nos arquivos. Olhei no da Folha e, desde 2005, não achei nada publicado. No site da Quatro Rodas, também não. Se não é tema batido, vale a pena então levantar um mínimo de informações antes de sugerir a pauta: ligar pra uma concessionária de cada marca e fazer algumas das perguntas que listei acima. Se tudo der certo, você pode fazer uma sugestão que teria mais ou menos essa cara: "Barbie e labaredas ganham espaço nos espelhinhos - concessionárias da cidade dizem que procura por retrovisor personalizado dobrou nos últimos meses. Garotas são principal público e escolhem desenhos de todos os tipos, de infantis a mais ousados. Serviço custa R$ 200, em média". Pode até sugerir uma arte, uma tabela de serviço etc. Se aceitarem a pauta, aí você vai atrás dos personagens, de marcar boas fotos, pensar em detalhezinhos legais etc. É mais ou menos por aí. Na verdade, não tem muito segredo. Basta estar atenta e curiosa sobre tudo o que está à sua volta, e consciente de que a pauta exige algum trabalho prévio. Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br) site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/ ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/ Página 2 de 2

×