Jorimp aula1 2011-categorias

  • 418 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
418
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
21
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Otto Groth (1875-1965)
    Mário Erbolato (1919 - 1990)
    Acesse o site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
    jornalismo impressoProfessor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)
    O conceito de jornalismo e suas categorias
    Acesse o FTP: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
  • 2.
  • 3. Aulas de laboratório
    A partir do dia 15 de março (segunda-feira), teremos aulas no laboratório.
    A partir de então, a maioria das aulas de segunda-feira será no laboratório.
  • 4. O que é jornalismo?
    Definir conceitos para a investigação científica é o primeiro – e muitas vezes também o maior, o mais árduo – desafio de todos aqueles que se propõem a investigar com seriedade um determinado objeto ou um fenômeno em particular.
    “Saber o que uma coisa é, é, em grande parte,
    saber como nomeá-la, e como nomeá-la corretamente”
    John Langshaw Austin (1911-1960)
    Filósofo da linguagem
  • 5. Definições de jornalismo
    “A notificação de coisas diversas acontecidas recentemente em qualquer lugar que seja”
    Tobias Peucer (século 17)
    “Todas as formas nas quais e pelas quais as notícias e seus comentários chegam ao público”
    Fraser Bond (1891-1965)
  • 6. A contestação de Otto Groth
    “Nessa concepção, todos os limites naturalmente se dissolvem. O jornal torna-se idêntico à notícia em si. (...) Contudo, para o conhecimento da essência do jornal, nada se ganha com isso”
    Otto Groth(1875-1965)
  • 7. Otto Groth avalia o que poderiam ser as características do jornalismo
    Otto Groth (1875-1965)
    1. Publicação periódica (periodicidade);
    2. Reprodução mecânica dos exemplares;
    3. A pública aparição, isto é, acessibilidade a todos (publicidade) e ao conteúdo;
    4. Diversidade, no sentido de completude (coletividade, universalidade);
    5. Ser de interesse geral;
    6. Atualidade e, por fim;
    7. Produção profissional (empreendimento econômico)
  • 8. Otto Groth (1875-1965)
    Periodicidade
    “A renúncia à aparição periódica como característica essencial do jornal (...) implica a equalização deste com qualquer transmissão de notícia. Tal postura desconhece a forte conexão interna entre o modo de publicação e as duas mais importantes características do jornal, que são a publicidade e a atualidade.
    Isto porque o público leitor do jornal se perderia sem a periodicidade da aparição, graças a qual obtém uma sensação de segurança. E a freqüente reaparição das ‘folhas’ é, da mesma maneira, pressuposto, meio e conseqüência da atualidade, cujas exigências só podem ser satisfeitas pelo jornal por meio da rápida aparição das edições”
    Otto Groth
  • 9. Otto Groth (1875-1965)
    Considerações contemporâneas sobre a periodicidade
    Considerando-se a periodicidade como meio, e não como fim, a proposta de projetos jornalísticos em rádio, televisão e internet de continuamente apresentar notícias estaria de acordo com os princípios grothianos.
    Isso porque tais iniciativas de jornalismo 24 horas, mediante a troca da periodicidade pela contínua atualização dos conteúdos, continuam a manter uma relação com o público, oferecendo um material atualizado à audiência.
  • 10. Reprodução mecânica, um ponto frágil para se definir um jornal
    “É possível que publicações que tenham todas as características do jornal, sejam reproduzidas por meios outros que a impressão. Temos exemplos disso no passado e no presente, assim como também no futuro, onde residem possibilidades de reprodução ainda desconhecidas”
    Otto Groth
    Otto Groth (1875-1965)
    Otto Groth (1875-1965)
  • 11. A publicidade, sob a perspectiva grothiana
    Otto Groth (1875-1965)
    A publicidade, para Otto Groth, está ligada à possibilidade de acesso à notícia no jornal e à impessoalidade da vida urbana.
    “Publicidade significa falta de relações pessoais (...) É somente por meio da publicidade que um produto se torna jornal”.
    “A publicidade é então uma das características que diferenciam o jornal de uma determinada categoria de revistas, das revistas de associações, que são acessíveis somente a integrantes de uma associação e exclusivamente a eles se dirigem”.
    Otto Groth
  • 12. O jornal, sob o viés do conteúdo
    Em relação ao conteúdo, o autor estabelece três características mediante as quais um título atende ao requisito:
    “O conteúdo do jornal como instituição para o público precisa satisfazer três requisitos:
    deve ser diversificado ou até completo,
    deve ser de interesse coletivo
    e deve, por fim, ser atual”
    Otto Groth (1875-1965)
  • 13. Diversidade de conteúdo
    Otto Groth ressalta que a diversidade de conteúdo integra a essência constitutiva do jornal e, neste aspecto, nada a separa das revistas acessíveis ao público em geral. O autor ressalta contudo que a diversidade é, do mesmo modo que a publicidade, uma virtualidade.
    Otto Groth (1875-1965)
  • 14. Interesse geral
    Otto Groth (1875-1965)
    “O interesse geral, tanto quanto a universalidade (de conteúdo), está estritamente ligado à publicidade, ele não é nada mais que a publicidade, mas de um outro ponto de vista. Com a publicidade, o público torna-se quantitativo, com a universalidade de interesses, dignificado qualitativamente – do que decorre que ele, pela sua característica de público, se envolve e se engaja ”.
    Otto Groth
  • 15. Interesse geral
    Otto Groth (1875-1965)
    “O interesse geral, tanto quanto a universalidade (de conteúdo), está estritamente ligado à publicidade, ele não é nada mais que a publicidade, mas de um outro ponto de vista. Com a publicidade, o público torna-se quantitativo, com a universalidade de interesses, dignificado qualitativamente – do que decorre que ele, pela sua característica de público, se envolve e se engaja ”.
    Otto Groth
  • 16. Otto Groth (1875-1965)
    A atualidade
    “A atualidade forma o trabalho e o pensamento do jornalista. A necessidade de obter e processar o mais rápido possível as notícias, dar-lhes um julgamento pronto, cria e treina a habilidade, a clareza de percepção, a rapidez de decisão, a habilidade de adequação a pessoas e condições”.
    Otto Groth
  • 17. Otto Groth (1875-1965)
    Um empreendimento econômico
    “Contra o reconhecimento do ‘empreendimento econômico’ (ou ‘produção profissional’) entre as características conceituais do jornal argumenta-se que tal traço se perderia naquelas publicações que são concebidas por partidos políticos para influenciar eleitores, ou por particulares para defender interesses políticos, econômicos, artísticos, ou ainda pelos governos para anúncios oficiais ou oficiosos, ou para dirigir a opinião pública. Essas publicações podem não buscar primeiramente o lucro, mas também funcionam sob uma lógica econômico-comercial, e elas também visam obter o mais elevado rendimento possível, que será conquistado perseguindo e mantendo seus propósitos. Neste ponto não há, entre os jornais, contraste conceitual ”.
    Otto Groth
  • 18. O jornalismo quanto às categorias
    Mário Erbolato (1919 - 1990)
    Sob o contexto da definiçãoconceitual de Otto Grothpara jornalismo, vamosdar “um passo adiante” e vamos agora ver algumascategorias que fundamentamas definições da atividade.
    Utilizaremos para isso o trabalho teórico de Mário Erbolato.
  • 19. O que é categoria?
    Mário Erbolato (1919 - 1990)
    Categoria é um conjunto de pessoas ou coisas que possuem muitas características comuns e podem ser abrangidas ou referidas por um conceito ou concepção genérica; classe, predicamento.
    Nos estudos de jornalismo brasileiro, os pesquisadores identificam cinco categorias:
    Jornalismo Informativo,
    Jornalismo Interpretativo,
    Jornalismo Opinativo,
    Jornalismo Diversional e, mais recentemente,
    Jornalismo Investigativo
  • 20. Como as categorias se manifestam na imprensa?
    Todas as categorias podem ser observadas em uma mesma publicação. Ou seja, em um jornal pode haver, em diferentes espaços, exemplos de:
    Jornalismo Informativo
    Jornalismo Interpretativo
    Jornalismo Opinativo
    Jornalismo Diversional e
    Jornalismo Investigativo
  • 21. Jornalismo Informativo
    O jornalismo informativo é aquele que privilegia a publicação de notícias de modo sucinto.
    Seria o jornal que publica “notícias”, ao invés de “reportagens”.
  • 22. Jornalismo Interpretativo
    Também conhecido como jornalismo em profundidade, jornalismo explicativo ou jornalismo motivacional.
    O jornalismo interpretativo não só trata de explicar e informar, mas se atreve também a ensinar, a medir e a valorizar.
  • 23. Jornalismo Opinativo
    É o jornalismo que se caracteriza por não conter propriamente notícias, mas sim uma grande variedade de artigos, crônicas e críticas.
  • 24. Jornalismo Diversional
    No Jornalismo Diversional, o repórter procura viver o ambiente e os problemas dos envolvidos na história, mas não pode se limitar às entrevistas superficiais e sim “descobrir sentimentos, anotar diálogos, inventariar detalhes, observar tudo e fazer-se presente em certos momentos reveladores”.
    É mais conhecido atualmente como “Jornalismo literário”.
  • 25. Jornalismo Investigativo
    A categoria “Jornalismo investigativo” vem sendo usada mais recentemente para definir o jornalismo que utiliza métodos de pesquisa –muitas vezes de inspiração científica– para obter informações e realizar reportagens.
    O caso Watergate, que resultou na renúncia do presidente Nixon, projetou essa categoria a uma posição de destaque na profissão.
  • 26. O caso Watergate
    Foi um escândalo que abalou administração do presidente norte-americano Richard Nixon, culminando com sua renúncia em agosto de 1974.
    Surgiu com tentativa frustrada dos partidários de Richard Nixon de colocarem a aparelhagem eletrônica para espionagem na sede nacional do Partido Democrata, no Edificio Watergate, em Washington (17.06.1972).
  • 27. Uma vitória do jornalismo
    Embora se reelegesse para um segundo mandato em novembro de 1972, Nixon passou a perder prestígio quando a imprensa (notadamente Carl Bernstein e Robert Woodward, do Washington Post) comprovaram o comprometimento do presidente e de seus principais auxiliares não só na operação com também no maciço abuso de poder e obstrução da Justiça, que investigava o financiamento de campanhas políticas e a ação da CIA, do FED, do Serviço de Rendas Internas e outros órgãos do governo.
    Robert (Bob) Woodward de pé e Carl Bernstein (ao telefone)
  • 28. O caso Watergate
  • 29. A renúncia de Nixon e a prisão de John Mitchell (ministro da justiça)
    Além da renúncia de Nixon, o caso levou à prisão o procurador geral dos EUA, John Mitchell, e funcionários do primeiro escalão da Casa Branca.
    John Mitchell (à direita): sentenciado a 19 meses de prisão em 1975
    Richard Nixon
  • 30. Citação do dia
    Vejamos: é desejável, para um jornalista, para um órgão de comunicação uma postura de neutralidade. (...) "Neutro" a favor de quem? (...) "Imparcial" contra quem? (...) "Isento" para que lado? (...) Assim é defensável que o jornalismo, ao contrário do que muitos preconizam, deve ser não-neutro, não-imparcial e não-isento diante dos fatos da realidade.
    Perseu Abramo (1929-1996)
    Jornalista brasileiro