84212110003

559 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
559
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

84212110003

  1. 1. Redalyc Sistema de Información Científica Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal Lopes, Jaqueline;Rouze Lira, Mônica;Andrade Abdala, Gina;Sarkis Oliveira, Alberto Manoel O impacto da reabilitação aquática associada à oração no desempenho funcional de pacientes pós-acidente vascular encefálico Saúde Coletiva, Vol. 7, Núm. 37, 2010, pp. 9-14 Editorial Bolina Brasil Disponible en: http://redalyc.uaemex.mx/src/inicio/ArtPdfRed.jsp?iCve=84212110003 Saúde Coletiva ISSN (Versión impresa): 1806-3365 editorial@saudecoletiva.com.br Editorial Bolina Brasil ¿Cómo citar? Número completo Más información del artículo Página de la revista www.redalyc.org Proyecto académico sin fines de lucro, desarrollado bajo la iniciativa de acceso abierto
  2. 2. terapia e espiritualidade Lopes J, Lira MR, Abdala GA, Oliveira AMS. O impacto da reabilitação aquática associada à oração no desempenho funcional de pacientes pós-acidente vascular encefálico O impacto da reabilitação aquática associada à oração no desempenho funcional de pacientes pós-acidente vascular encefálico Esse artigo analisa as repercussões da reabilitação aquática associada à oração no desempenho funcional de pacientes pós-acidente vascular encefálico (AVE). O estudo baseou-se em um ensaio clínico não randomizado realizado na Clínica Ad- ventista da Bahia em 2008, com uma amostra de oito indivíduos acometidos por AVE. Foram divididos em dois grupos e sub- metidos ao mesmo protocolo de tratamento, sendo que o grupo experimental participou de um momento de oração antes do tratamento. Com relação ao desempenho funcional, o grupo experimental obteve melhores resultados (50% de ganho). No quesito espiritualidade, observou-se que 100% da amostra gostariam que os profissionais de saúde orassem em seu favor. Descritores: Prece, Acidente vascular encefálico, Piscina terapêutica. This article analyzes the repercussions of the aquatic rehabilitation associated to the prayer on the functional performance of patients who had a Cerebrovascular Accident. Clinical trial nonrandom sample occurred at the Adventist Clinic of Bahia/ Brazil, in 2008, with a sample of eight individuals. They had been divided in two groups and submitted the same protocol of aquatic treatment, except for the experimental group who participated of a praying moment before the treatment. With regard to the functional performance, the experimental group had better results (50%). In the spirituality issue, it was observed that 100% of the sample affirmed that they would like the health professionals could pray in their favor. Descriptors: Prayer, Cerebrovascular accident, Aquatic rehabilitation. Este artículo analiza las repercusiones de la rehabilitación acuática asociada a la oración, sobre el desempeño funcional de pacientes post-accidente vascular encefálico (AVE). Se trata de un ensayo clínico no randomizado llevado a cabo en la Clínica Adventista de la Bahia/Brasil, en 2008, con una muestra de ocho individuos a quienes les había acometido un AVE. Éstos se distribuyeron en 2 grupos y sometidos al mismo protocolo de terapia, pero el grupo control participó en una oración antes de la terapia. Cuanto al desempeño funcional, el grupo control obtuvo mejores resultados (50% más). En el quesito espiritualidad se observó que 100% de la muestra gustaría que los profesionales de salud orasen en su favor. Descriptores: Oración, Accidente vascular encefálico, Rehabilitación acuática. INTRODUÇÃO Jaqueline Lopes Fisioterapeuta Formada pela Faculdade Adventista da Bahia. O acidente vascular encefálico (AVE) é consequência de uma deficiência na irrigação sanguínea normal do cérebro, ocasionando lesão celular e danos às funções neurológicas. Mônica Rouze Lira Suas manifestações clínicas compreendem alterações no sistema Fisioterapeuta Formada pela Faculdade sensitivo, motor, mental, perceptivo, cognitivo, e na linguagem, Adventista da Bahia. alterando o desempenho funcional. O tema escolhido se deve ao fato do AVE ser um evento Gina Andrade Abdala neurológico de importância considerável em termos de saúde Enfermeira. Mestre em Saúde Coletiva. Professora e pública, visto que, situa-se entre as quatro maiores causas de Coordenadora do curso de Enfermagem. Faculdade morte em muitos países. E, ao fato que os profissionais de saúde, Adventista da Bahia. geralmente, não levam em consideração a esfera espiritual do abdalagi@hotmail.com paciente, esquecendo que o ser humano é composto de corpo, mente e espírito. Assim, optou-se por associar a reabilitação Alberto Manoel Sarkis Oliveira aquática à oração com o objetivo de tratar o paciente de forma Fisioterapeuta. Mestre em Cinesiologia. Professor de global. Cinesiologia. Faculdade Adventista da Bahia. As alterações funcionais do paciente pós-AVE necessitam de uma reabilitação que tenha como foco minimizar e melhorar a função. Portanto, a utilização da piscina terapêutica facilita a aplicação de várias intervenções fisioterápicas como Recebido: 30/04/2009 alongamento, fortalecimento, treino de marcha, equilíbrio Aprovado: 18/12/2009 e de resistência à fadiga, consequentemente, melhorando o Saúde Coletiva 2010;07 (37):09-14 9
  3. 3. terapia e espiritualidade Lopes J, Lira MR, Abdala GA, Oliveira AMS. O impacto da reabilitação aquática associada à oração no desempenho funcional de pacientes pós-acidente vascular encefálico desempenho funcional. uma melhor regulação da frequência cardíaca, além de promover O paciente neurológico além de disfunções físicas, apresenta uma sensação de bem-estar. também fragilidade emocional podendo levar a depressão. Segundo Cousins5, a capacidade do corpo de assimilar Assim, a espiritualidade é um fator relevante para o ser humano os valores espirituais e o desejo de viver são fatores diante de suas debilidades físicas, emocionais e sociais. A oração preponderantes na reabilitação da saúde. Desta forma, ocupa um espaço central no aspecto da espiritualidade, podendo indivíduos que possuem estimulação da fé aumentam sua ser um colaborador durante a terapêutica. recuperação física e possuem um melhor estado emocional. A busca do conhecimento sobre a relação entre as práticas de “Por outro lado, as áreas encefálicas ligadas ao comportamento religião e a saúde, como a oração, meditação e sacrifícios, tanto emocional também controlam o sistema nervoso autônomo, no aspecto físico como mental, já ocorre desde períodos muito o que é fácil de entender, tendo em vista a importância da distantes. Essa junção possui suas raízes histórico-culturais muito participação desse sistema na expressão das emoções6”. antigas, existentes na época dos mitos gregos, rituais indígenas Então, pode-se afirmar que a saúde física está intimamente e nos relatos bíblicos, os quais influenciaram e continuam relacionada à saúde mental e que, quando os fatores orgânicos influenciando nos tempos atuais1. e psicológicos não estão equilibrados surgem os transtornos As palavras prece e oração são sinônimas, somáticos ou psicossomáticos, que são e significam pedidos, súplicas, votos e alterações orgânicas provenientes de desejos expressos a um ser superior que "O PACIENTE NEUROLÓGICO, distúrbios psíquicos. transcende o espaço material. Porém, essa ação envolve o indivíduo que pede ou ALÉM DE DISFUNÇÕES ESTUDOS SOBRE ORAÇÃO E SAÚDE FÍSICA que recebe. Portanto, as duas formas mais FÍSICAS, APRESENTA TAMBÉM Um dos pioneiros no estudo da influência utilizadas de prece são: a intercessão e a da oração no processo de reabilitação da petição. Durante a oração intercessória, FRAGILIDADE EMOCIONAL saúde foi o Dr. Randolph Byrd, em 1988, o indivíduo pede em favor de alguém, PODENDO LEVAR A DEPRESSÃO. com o trabalho intitulado “contribuições podendo ser tanto na presença do recebedor da oração intercessória em pacientes da oração quanto na sua ausência. Já na ASSIM, A ESPIRITUALIDADE É internados na unidade de terapia coro- petição, o próprio indivíduo fala com o ser UM FATOR RELEVANTE PARA nariana”, sendo caracterizado como um que considera superior2. O presente estudo estudo duplo cego a fim de avaliar os utilizou-se da oração intercessória, visto que O SER HUMANO DIANTE DE efeitos da oração intercessória. Teve como o terapeuta intercedia pelo paciente, por sua SUAS DEBILIDADES FÍSICAS, amostra 393 pacientes internados em saúde e pelo tratamento que seria realizado EMOCIONAIS E SOCIAIS. A unidades de terapia coronariana, os quais em seguida. foram divididos em dois grupos de forma Embora a oração tenha sido usada ORAÇÃO OCUPA UM ESPAÇO aleatória (com prece e sem prece). Esse nos processos de cura por séculos, só CENTRAL NO ASPECTO DA estudo teve como resultado menor índice recentemente ela tem recebido atenção de complicação nos pacientes do grupo do meio científico3. Por muito tempo, a ESPIRITUALIDADE, PODENDO com oração, pois estes desenvolveram ciência e a religião têm se desenvolvido SER UM COLABORADOR menos insuficiência cardíaca congestiva e separadamente, e ainda hoje, há certa pneumonia, necessitaram de menos suporte resistência por parte dos cientistas em DURANTE A TERAPÊUTICA" ventilatório e tratamento com antibióticos aceitar o que não podem provar por seus e diuréticos. Porém, não houve diferença meios metodológicos. na mortalidade entre os grupos, nem na duração da permanência na unidade de terapia intensiva ou MECANISMOS NEUROFISIOLÓGICOS DA ORAÇÃO no hospital. Esse trabalho mostra a influência que a oração A relação da oração com a ativação cerebral e seus efeitos intercessória tem sobre a saúde humana. fisiológicos no organismo foi comprovada através de exames de Um estudo de longo seguimento foi realizado por Strawbridge neuroimagem, sendo possível observar que, durante processos de et al7, para avaliar a taxa de mortalidade entre praticantes oração e meditação, regiões do encéfalo, denominadas “centro regulares de atividades religiosas. Foram incluídos 6928 da fé”, são mais vascularizadas. O “centro da fé” localiza-se indivíduos com idade entre 16 e 94 anos e acompanhados por no sistema límbico (sistema nervoso central-SNC), próximo 28 anos. Os autores concluíram que os praticantes regulares às regiões que regulam as defesas do organismo. Quando o de atividades religiosas tiveram menores taxas de mortalidade sistema límbico é ativado durante a oração ou meditação, e durante o seguimento, muitos interromperam o tabagismo, substâncias neuroendócrinas são liberadas e áreas hipotalâmicas adotaram atividade física regular, aumentaram suporte social e adjacentes são estimuladas, fortalecendo o sistema imunológico mantiveram seu estado matrimonial. e, consequentemente, prevenindo doenças4. Assim, durante a Em um estudo realizado, nos Estados Unidos, com pacientes oração, substâncias neuroendócrinas são liberadas na corrente hospitalizados, 77% deles relataram que gostariam que os sanguínea, fortalecendo o sistema de defesa do corpo, auxiliando médicos considerassem suas necessidades especiais, 37% o processo de reabilitação do paciente de forma mais eficaz, gostariam que os médicos discutissem mais vezes essas ne- proporcionando-lhe um melhor estado físico, contribuindo para cessidades e 48% apreciariam que o médico orasse com eles se houvesse possibilidade8. 10 Saúde Coletiva 2010;07 (37):09-14
  4. 4. terapia e espiritualidade Lopes J, Lira MR, Abdala GA, Oliveira AMS. O impacto da reabilitação aquática associada à oração no desempenho funcional de pacientes pós-acidente vascular encefálico No Brasil, dados apresentados pelo Ministério da Saúde OBJETIVOS mostraram que 87.338 indivíduos morreram de comprometimento Analisar as repercussões da reabilitação aquática associada à vascular em 2002. Foi uma das principais causas de incapacidades oração no desempenho funcional de pacientes pós-acidente em idosos. Nos últimos anos vem crescendo o número de casos vascular encefálico e avaliar associação entre a oração e o de AVE em indivíduos jovens, gerando um impacto ainda maior desempenho funcional da velocidade da marcha e o teste de sobre a economia9. subida e descida de escada. O tratamento fisioterapêutico do paciente pós AVE deve enfatizar a melhora do controle motor, incentivando padrões METODOLOGIA de movimentos seletivos, ou seja, combinações de movimentos Caracteriza-se por ensaio clínico não randomizado realizado que permitam a realização de atividades funcionais. Portanto, na Clínica Escola da Faculdade Adventista da Bahia, situada na a inibição da atividade indesejada e do esforço excessivo é cidade de Cachoeira, no estado da Bahia. Compreendendo o fundamental para o sucesso do paciente10. período de 07/04/08 à 11/06/08. Foram selecionados de forma A flutuação pode trazer auxílio ao paciente pós-AVE porque é aleatória simples oito indivíduos acometidos por AVE, os quais muito mais fácil equilibrar-se na água do que em solo, devido ao foram divididos em dois grupos de quatro indivíduos, sendo alívio do peso, e assim, o paciente consegue desenvolver aquelas um grupo controle e o outro grupo experimental. Os critérios atividades que antes seriam impossíveis11. Segundo Schanzer e de inclusão dos participantes foram possuir idade superior a Queiroz12, durante os exercícios, a resistência imposta pela 18 anos, ambos os sexo, período de pós – AVE maior que seis pressão hidrostática e viscosidade pode estimular o fuso meses, serem capazes de deambular com ou sem dispositivos neuromuscular, o que favorece a propriocepção do segmento que auxiliares, sem presença de déficit de compreensão, afasia está sendo movimentado além de favorecer a formação de inputs ou alguma morbidade importante que limite a realização das sensoriais necessários para a formatação adequada do esquema atividades aquáticas Os critérios de exclusão foram indivíduos corporal. O método Bad Ragaz compreende alguns padrões que que apresentassem incontinência urinária ou fecal, hidrofobia, são baseados no FNP (facilitação neuromuscular proprioceptiva) incapacidade de deambulação mesmo com dispositivo auxiliar, e têm como objetivo o uso de exercícios e técnicas de facilitação presença de limitação de compreensão, afasia e indivíduos que neuromuscular destinados a diminuir os déficits sensitivos- obtiverem quatro faltas no período da pesquisa. motores e promover recuperação motora e consequentemente, Antes da execução da pesquisa, o projeto foi submetido ao melhora do desempenho funcional. Comitê de Ética e Pesquisa em Seres Humanos, localizado no Saúde Coletiva 2010;07 (37):09-14 11
  5. 5. terapia e espiritualidade Lopes J, Lira MR, Abdala GA, Oliveira AMS. O impacto da reabilitação aquática associada à oração no desempenho funcional de pacientes pós-acidente vascular encefálico Figura 1 - Momento de aquecimento - Rotação Umphred14 relata que nos Estados Unidos a ocorrência do AVE longitudinal. Cachoeira, 2008. é mais frequente nos homens. 62,5% (cinco) dos pacientes apresentavam hemiparesia direita, e 37,5% (três) hemiparesia esquerda. O trabalho de Franzoi e Kagohara13 apresentou semelhança em proporção da prevalência de hemiplegia direita de 53% e 37% de hemiplegia esquerda, estes resultados sugerem a predominância de lesões no hemisfério cerebral esquerdo. Na tabela 1, segue a caracterização da amostra apresentando a idade, sexo, tempo de lesão, hemiparesia e raça dos pacientes pesquisados. Com relação aos resultados apresentados no formulário sobre espiritualidade dos pesquisados verificou-se que no grupo controle 100% dos pacientes (4) classificaram-se como religiosos, já no grupo experimental 75% eram religiosos (3) e 25% classificou-se como nem religioso nem espiritual, ou seja, ateu. Esses dados confirmam os relatos feitos por Goldstein e Neri15 de que os idosos são mais religiosos do que os jovens e, a fé aumenta à medida que as pessoas vão envelhecendo. Com relação às denominações religiosas, a religião católica foi a mais campus das Faculdades Adventistas da Bahia, onde recebeu comum (37,5%) entre os oito pacientes estudados. Esses dados aprovação no dia 21/03/08, parecer n° 015/2008. estão de acordo com o estudo sobre as religiões no Brasil de A amostra (n=8) foi dividida em dois grupos (por sorteio): Brandão16 no qual afirma que o Catolicismo é a religião mais grupo controle (n=4) e grupo experimental (n=4), porém, difundida no país. devido à intercorrências, a amostra que concluiu o estudo Todos os sujeitos da amostra estudada afirmaram que foi n=4, grupo controle=2 e grupo experimental=2. O grupo gostariam que os profissionais da área de saúde lhes ajudassem experimental participava de um momento espiritualmente com oração. Esse dado é de oração que antecipava a terapia de extrema importância, pois revela a real realizada pelo terapeuta. necessidade dos pacientes neurológicos, A intervenção foi realizada na piscina da "MUITOS TÊM PESQUISADO o apoio espiritual que muitas vezes é Clínica Escola das Faculdades Adventistas negligenciado pelos profissionais da da Bahia no setor de hidroterapia, no SOBRE A INFLUÊNCIA DA saúde. E esse dado superou os encontrados período de abril e junho de 2008. Foram ESPIRITUALIDADE SOBRE A nos Estados Unidos, visto que 77% dos realizadas duas sessões por semana, pacientes hospitalizados relataram que totalizando 17 sessões. Sendo que, após 10 SAÚDE FÍSICA. NO ENTANTO, gostariam que os profissionais da área de sessões foi realizada a primeira reavaliação NÃO SE PODE ESQUECER saúde considerassem suas necessidades e a reavaliação final foi realizada no último especiais e 48% apreciariam que o médico dia da pesquisa. O tratamento aquático foi QUE A CIÊNCIA NÃO TEM, orasse com eles se houvesse possibilidade8. realizado na piscina terapêutica, com uma POR ENQUANTO, TODAS AS Os resultados da avaliação do desem- temperatura de aproximadamente 34°C, e RESPOSTAS. ELA É LIMITADA penho funcional estão resumidos na tabela duração de 50 minutos cada sessão, sendo 2. É possível verificar que tanto o grupo distribuídos cinco minutos de aquecimentos, PELO INTELECTO FINITO DO SER controle quanto o grupo experimental 10 minutos de alongamento, 30 minutos HUMANO E NÃO CONSEGUE obtiveram melhoras em todos os parâmetros de treinamento e cinco minutos de avaliados. Na tabela 2 verificou-se todas relaxamento. Nos primeiros cinco minutos EXPLICAR FENÔMENOS as variáveis empregadas na avaliação do era realizado o aquecimento andando para OU MANIFESTAÇÕES QUE desempenho funcional, bem como, os frente com e sem o auxílio de halteres. Após resultados das três avaliações realizadas. o aquecimento e alongamento era iniciado TRANSCENDEM OS LIMITES DA A última coluna da tabela mostra, em o treinamento. MENTE HUMANA, COMO É O porcentagem, a comparação da avaliação inicial com a avaliação final, facilitando, RESULTADOS CASO DA ORAÇÃO" portanto, a visualização dos resultados. A idade dos pacientes variou entre 21 a No teste Time Up and Go, apresentou 73 anos, com idade média de 52 anos, os valores iniciais no grupo controle de sendo quatro(50%) do sexo feminino e quatro (50%) do sexo 21,40 segundos e após a intervenção na avaliação final de 16,21 masculino. A média do tempo de lesão da amostra foi três segundos, obtendo um ganho em porcentagem de 24%. E o anos. Um estudo realizado por Franzoi e Kagohara13, com 87 grupo experimental apresentou inicialmente 25,72 segundos e no pacientes hemiplégicos apresentou idade média de 54 anos, final 21,09 segundos, tendo um ganho de 18% mostrando que o com predomínio do sexo masculino e tempo médio de lesão grupo controle obteve um ganho razoável em relação ao grupo de 33 meses, bem próximo dos valores obtidos nesta pesquisa. experimental. Tanto o grupo controle como o grupo experimental obtiveram melhora em seus movimentos e equilíbrio, contribuindo 12 Saúde Coletiva 2010;07 (37):09-14
  6. 6. terapia e espiritualidade Lopes J, Lira MR, Abdala GA, Oliveira AMS. O impacto da reabilitação aquática associada à oração no desempenho funcional de pacientes pós-acidente vascular encefálico Tabela 1 - Caracterização da amostra. Cachoeira, 2008 Nº Idade Sexo Tempo de lesão Hemiparesia Raça GC 1 52 F 5 anos Direita Parda GC 2 24 F 4 anos Direita Negra GC 3 66 M 2 anos Direita Parda GC 4 61 F 8 anos Esquerda Negra GE 1 73 M 2 anos Esquerda Parda GE 2 60 F 5 anos Direita Parda GE 3 21 M 2 anos Esquerda Parda GE 4 61 M 2 anos Direita Branca Média 52 3 anos Tabela 2 - Avaliação de desempenho funcional. Cachoeira, 2008. Teste Grupo AV1 AV2 AV3 % TUG GC 21,40 18,80 16,21 24% TUG GE 25,72 22,14 21,09 18% VM GC 0,69 0,66 0,75 8% VM GE 0,44 0,46 0,51 15% SDE GC 20 18,92 19,22 3,9% SDE GE 24,19 22,39 22,28 7,9% FIM GC 11,5 12 12,5 8,7% FIM GE 12 12,5 12,5 4,1% para um melhor desempenho funcional. Segundo Berg e Norman17, se que, o grupo controle com apenas 10 sessões não teria um valores entre 10 a 20 segundos estão dentro dos padrões de ganho satisfatório, mas sim um declínio do seu valor inicial, normalidade para idosos frágeis ou indivíduos com incapacidade sugerindo que dez sessões são insuficientes no ganho de e valores acima de 20 segundos são indicativos de mobilidade velocidade da marcha. Já o grupo experimental teve um valor funcional comprometida. Portanto o grupo controle obteve no inicial na AV1 de 0,44 m/s e na metade de tratamento AV2 de início um grau acima de 20 segundos classificando como tendo 0,46 m/s e AV3, ou seja, no final do tratamento 0,51 m/s, esse uma mobilidade comprometida, porém após a terapia aquática grupo foi mais progressivo em seus ganhos durante a velocidade ele passou a classificar-se dentro dos limites da normalidade da marcha. Em relação à avaliação inicial, o grupo controle para pessoas com uma incapacidade como o AVE. O grupo progrediu 8% e o grupo experimental 15%. A pesquisa atual, experimental iniciou com maior debilidade (25,72), e finalizou como se pode observar obteve melhores resultados em relação com a classificação de mobilidade ainda pouco comprometida, à velocidade de marcha quando comparado a estudos em que porém, progrediu bastante, pois iniciou com um tempo de 25,72 o tratamento é baseado apenas em fortalecimento muscular segundos e finalizou com 21,09 segundos. (fortalecimento isocinético dos flexores e extensores do joelho), A velocidade da marcha foi outro parâmetro usado para como é o caso do estudo de Sharp e Brower19, os quais obtiveram quantificar o desempenho funcional dos pacientes. Essa melhora de apenas 5,8% na velocidade da marcha de pacientes medida é imprescindível, pois está relacionada à qualidade da hemiparéticos. Uma hipótese para tal fato seria o protocolo de marcha, independência funcional e capacidade de realização tratamento empregado, visto que o presente estudo utilizou o de atividades sociais e funcionais. Junqueira, Ribeiro, Scianni18, meio aquático como facilitador da reabilitação, proporcionando em um estudo que avaliou os efeitos do fortalecimento muscular ganho de força muscular e diminuição da espasticidade devido e sua relação com atividade funcional e a espasticidade em aos efeitos fisiológicos da água. indivíduos hemiparéticos relatam que, a velocidade da marcha Como a velocidade da marcha, a habilidade para subir e descer é um dos indicadores da melhora na capacidade funcional, pois escadas é uma medida importante da capacidade funcional, com marcha mais veloz, o paciente se torna menos dependente sendo sensível para detectar ganhos funcionais relacionados à e mais apto a realizar as tarefas do dia-a-dia, como, por exemplo, reabilitação de hemiparéticos crônicos20. atravessar uma rua. No presente estudo, o grupo controle obteve na avaliação No presente estudo a velocidade da marcha foi quantificada inicial 20 segundos para subir e descer seis degraus, e 19,22 no grupo controle inicialmente em 0,69 m/s, tendo uma segundos na avaliação final, correspondendo a uma melhora de diminuição nesse ganho na metade do tratamento para 0,66 m/s 3,9%. Já o grupo experimental, na avaliação inicial apresentou e progredindo para 0,75 m/s ao final do tratamento. Observou- 24,19 segundos e após o tratamento obteve uma redução do Saúde Coletiva 2010;07 (37):09-14 13
  7. 7. terapia e espiritualidade Lopes J, Lira MR, Abdala GA, Oliveira AMS. O impacto da reabilitação aquática associada à oração no desempenho funcional de pacientes pós-acidente vascular encefálico tempo para 22,28 segundos, com melhora de 7,9%. da água o paciente fortalece sua musculatura, diminui a espasticidade, O escore obtido pelo grupo controle na avaliação inicial da mantém a mobilidade, promove relaxamento e alongamento locomoção independente funcional adaptada (FIM) foi de 11,5 muscular, itens esses indispensáveis para se obter uma marcha e após o tratamento passou para 12,5. Já o grupo experimental adequada e um bom equilíbrio, proporcionando independência na avaliação inicial apresentou escore de 12 e após o término funcional ao paciente. O tratamento proposto influenciou na saúde do tratamento 12,5. Pode-se então verificar física, mental – através da redução da ansiedade que nos dois grupos houve uma pequena e promoção de relaxamento – e espiritual, alteração nos escores da FIM. Segundo visto que os pacientes do grupo experimental Nemer et al21, a escala de medição da FIM atingiram maiores ganhos funcionais quando mensura a evolução da locomoção em "AS PESSOAS COM ESSE comparado ao grupo controle. relação à marcha e ao subir e descer escadas, TIPO DE DISTÚRBIO PODEM Há, portanto, limitações neste estudo em e é um importante instrumento para avaliar relação a um maior número de pacientes, a recuperação da locomoção, em pacientes SE BENEFICIAR ATRAVÉS DO para que se chegue a uma análise de neurológicos. Ou seja, pontuações mais ASPECTO ESPIRITUAL, ONDE A significância estatística mais aprofundada. altas na FIM estão associados a resultados Porém, ao se estabelecer mais uma estratégia bem sucedidos da terapia, proporcionando ORAÇÃO IRÁ PROPORCIONAR de intervenção, o paciente pós AVE poderá mais chances de alta para voltar para casa e BENEFÍCIOS TANTO À SAÚDE ser melhor atendido e ter um maior retorno à comunidade10. desempenho funcional em sua reabilitação. FÍSICA COMO MENTAL, Muitos têm pesquisado sobre a influência CONCLUSÃO FAZENDO COM QUE ELES da espiritualidade sobre a saúde física. No Após o AVE os pacientes realmente entanto, não se pode esquecer que a ciência apresentam alterações sensitivas, cognitivas, ENCAREM MELHOR AS não tem, por enquanto, todas as respostas. mentais e principalmente motoras, dificul- DIFICULDADES DA VIDA E DE Ela é limitada pelo intelecto finito do ser tando a realização das atividades de vida humano e não consegue explicar fenômenos diária e predispondo ao isolamento social e SUA DEBILIDADE, PODENDO ou manifestações que transcendem os à depressão. SER UM FATOR DE AUXÍLIO NA limites da mente humana, como é o caso Assim, as pessoas com esse tipo de RECUPERAÇÃO" da oração. Entretanto, esta pesquisa ajudou distúrbio podem se beneficiar através a esclarecer algumas questões sobre o do aspecto espiritual, onde a oração irá amplo assunto aqui abordado. E espera- proporcionar benefícios tanto à saúde se que futuramente outros estudos sejam física como mental, fazendo com que eles realizados sobre a influência da oração na encarem melhor as dificuldades da vida e de sua debilidade, saúde humana; não para provar se Deus existe ou não, pois nem podendo ser um fator de auxílio na recuperação dos pacientes todos os fatos podem ser explicados pela metodologia científica, Verificou-se que ambos os grupos, controle e experimental, mas para compreender mais sobre essa fantástica máquina que alcançaram resultados positivos em relação ao desempenho funcional. é o corpo humano. Portanto, confirmou-se a hipótese que através das propriedades físicas Referências 1. Botelho JB. Medicina e religião: faith healing and prayer. J Fam Pract. 13. Franzoi AC, Kagohara NS. Corre- AA. Efeitos do fortalecimento muscu- conflito de competências. Manaus: 1994;39:349-52. lação do perfil de deambulação e ve- lar e sua relação com atividade fun- Metro Cúbico; 1991. 9. Ferreira SM. Reabilitação nas lesões locidade da marcha em um grupo de cional e a espasticidade em indivídu- 2. Tosta C. A prece cura? Brasília Méd. encefálicas adquiridas. In: Fernandes pacientes hemiplégicos atendidos em os hemiparéticos. Rev Bras Fisioter. 2004;41:38-45. CA. AACD medicina e reabilitação: um centro de reabilitação. Acta Fisiá- 2004;8(3):247-52. 3. Sloan RP, Bagiella E, Powell T. Reli- princípios e práticas. São Paulo: [s.n.]; trica. 2007;14(2):78-81. 19. Sharp SA, Brower BJ. Isokinetic gion, spirituality and medicine. Lancet. 2007. p. 161-72. 14. Umphered D. Reabilitação neuro- strength training of the hemiparetic knee, 1999;353(1):664-7. 10. O’Sullivan BS, Schmitz TJ. Fisiote- lógica. 4 ed. Barueri: Manole; 2004. effects of function and spasticity. Arch 4. Savioli R. Milagres que a medicina não rapia avaliação e tratamento. 2 ed. São 15. Goldstein LL, Neri AL. Tudo bem, Phys Med Rehabil. 1997;78:1231-6. contou. 20 ed. São Paulo: Gaia; 2004. Paulo: Manole; 2004. graças a Deus! Religiosidade e satisfa- 20. Salmela LFT. Assimetria e desem- 5. Cousins N. A força curadora da 11. Navarro AS. Reabilitação e terapia ção na maturidade e na velhice. Ge- penho funcional em hemiplégicos crô- mente. São Paulo: Saraiva; 1993. aquática aplicada no acidente vascular rontologia. 1993;1(3):95-104. nicos antes e após programa de treina- 6. Machado A. Neuroanatomia funcio- encefálico. In: Jakaitis F. Reabilitação e 16. Bandão CR. Fronteira da fé: al- mento em academia. Rev Bras Fisioter. nal. 2 ed. São Paulo: Atheneu; 2002. terapia aquática: aspectos clínicos e prá- guns sistemas de sentido, crenças e 2005;9(2):227-33. 7. Strawbridge WJ. Frequent attendan- ticos. São Paulo: Roca; 2007. p.191-210. religiões no Brasil de hoje. Estud Av. 21. Nemer SN. Avaliação da escala de ce at religious services and mortality 12. Schanzer GS, Queiroz SS. Fisiote- 2004;18(52):261-88. medição da locomoção independente over 28 years. Am J Public Health. rapia aquática aplicada à neurologia. 17. Berg K, Norman KE. Functional funcional em pacientes com trauma- 1997;87(1):957-61. In: Sacchelli T, Acaccio LMP, Radl assessment of balance and gait. Clin tismo cranioencefálico e escala de 8. King DE, Bushwick B. Beliefs and ALM. Fisioterapia aquática. Barueri: Geriatr Med. 1996;12:705-23. glasgow menor ou igual a oito. Fisioter attitudes of hospital inpatients about Manole; 2007. p. 206-40. 18. Junqueira RT, Ribeiro AMB, Scianni Bras. 2003;4(1):26-32. 14 Saúde Coletiva 2010;07 (37):09-14

×