O 25 de abril   relato dos acontecimentos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

O 25 de abril relato dos acontecimentos

on

  • 7,323 views

 

Statistics

Views

Total Views
7,323
Views on SlideShare
7,303
Embed Views
20

Actions

Likes
0
Downloads
47
Comments
0

1 Embed 20

http://www.slideshare.net 20

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

O 25 de abril relato dos acontecimentos Presentation Transcript

  • 1. 25 de Abril de 1974: Relato dos Acontecimentos
  • 2. REÚNEM-SE OS CAPITÃES É formado o Movimento dos Capitães Objectivos:
    • Acabar com o Antigo Regime;
    • Restaurar as Liberdades (de Expressão e de Imprensa, de associação e de manifestação);
    • Acabar com a Censura;
    • Extinguir a PIDE-DGS (Polícia política);
    • Instaurar o Regime Democrático assente na pluralidade de Partidos;
    • Questionar a guerra colonial, procurando outra solução para o conflito.
  • 3. Data Prevista: MADRUGADA DE 25 DE ABRIL DE 74
  • 4.
    • “ E Depois Do Adeus”
    • “ Grândola, Vila Morena”
    O Movimento põe-se em marcha Às : O primeiro sinal Às : O segundo sinal
  • 5. AS TROPAS ENTRAM EM MOVIMENTO
    • O Comandante da Escola Prática de Cavalaria de Santarém é preso;
    • Revoltam-se as Unidades Militares de Tomar, Vendas Novas, Lisboa, Figueira da Foz, Viseu, Lamego, Mafra e Estremoz
    Entre as 00.30 e as 03.00:
  • 6. Às 3.00 o Movimento dos revoltosos ocupa:
    • O Aeroporto de Lisboa;
    • A Rádio Clube Português;
    • A Emissora Nacional;
    • A RTP;
    • A Rádio Marconi.
  • 7. Às 4.30:
    • O MFA difunde o primeiro comunicado na Rádio Clube Português
    • jjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjj
    • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    • OUVIR
  • 8. Às 4.45:
    • 2º Comunicado do MFA que pede a máxima prudência à população para evitar quaisquer confrontos com as forças afectas ao Regime.
  • 9. Às 6.45:
    • 3º COMUNICADO DO MFA
    O M.F.A. dá conta do cerco de Lisboa pelas unidades militares revoltosas
    • O R.C.P. passa marchas populares e música portuguesa proibida pelo regime anterior
    FOTO Adriano Correia de Oliveira MÚSICA FOTO Manuel Freire MÚSICA FOTO Zeca Afonso MÚSICA
  • 10. Às 7.30 – Novo comunicado do MFA:
    • Lllllllllllllllllllllllllll
    • lllllllllllllllllllllllll
    • OUVIR
  • 11. Às 8.30 a Emissora Nacional informa:
    • Muitos portugueses dirigem-se para os empregos, mas acabam por regressar às suas casas;
    • Muitos outros acorrem à Baixa de Lisboa então já ocupada pelos revoltosos.
  • 12. Às 9.00
    • São entrevistados na rádio:
    • Soldados fiéis ao Governo que estão no Terreiro do Paço; foto+ OUVIR
    • População que está na Rua do Ouro e que apoia os revoltosos; foto+ OUVIR
    • Uma coluna militar, dirigida por Salgueiro Maia, parte do Terreiro
    • do Paço em direcção ao Largo do Carmo.
  • 13.
    • “ Abaixo a Guerra Colonial!”;
    • “ Liberdade de Imprensa!”;
    • Canta-se o Hino Nacional ;
    Nas ruas, povo grita:
  • 14.
    • O Quartel do Carmo está fechado;
    • Salgueiro Maia é entrevistado por um jornalista OUVIR
    • Os carros da GNR encontram-se vazios;
    • Todas as viaturas blindadas estão no poder das forças revoltosas;
    • Marinha, Fuzileiros (no Cais do Sodré) numa fragata estão atentos e torcem pelos revoltosos;
    • Não há hipóteses de resistência;
    • Um brigadeiro fiel ao regime, tenta despoletar a violência no Largo do Carmo, disparando tiros para o ar, mas não obtém resposta;
  • 15.
    • A GNR permanece no quartel a aguardar ordens;
    • O povo de Lisboa dá o seu apoio: palmas, festejos e acena quando um helicóptero passa;
    • As pessoas começam a fugir do Largo Rafael Bordalo Pinheiro com medo – correm rumores de que vai aparecer a Guarda Republicana;
    • A Guarda aparece colocando-se relativamente perto da população, como numa atitude de afronta;
    • Os revoltosos estão armados com G3 e a GNR com Mausers (está mal armada) OUVIR
  • 16. Às 15.30:
    • Manifestação Popular contra a PIDE
    • A PIDE dispara sobre a população ( ouvir )
    «Assassinos» «Morte à Pide»
  • 17. 15.30: A tensão aumenta no Largo do Carmo
    • No Quartel da GNR do Carmo estão refugiados o Presidente do Conselho, Marcello Caetano e alguns Ministros;
    • Na Praça estão Salgueiro Maia e o regimento de cavalaria de Santarém (do lado dos revoltosos) que exigem a rendição de Marcello Caetano e dos Ministros;
    • Em apoio aos revoltosos, a praça enche-se de população que grita palavras de ordem: pôr as palavras de ordem
  • 18.
    • Salgueiro Maia faz um ultimato às forças do regime para que se entreguem;
    • Não há resposta;
    • Salgueiro Maia ordena uma primeira rajada e exige novamente a rendição;
    • Salgueiro Maia teme a chegada de um heli-canhão que possa causar muitos mortos entre a população e teme os atiradores furtivos da PIDE escondidos nas janelas dos prédios;
  • 19.
    • Salgueiro Maia pede à população que se encontra no Largo, para se retirar para que não se dêem baixas, mas entusiasmada, população mantém-se;
    • Novo ultimato, nova rajada e ameaça de destruição do edifício;
    • Não havendo reacção, Salgueiro Maia entra no quartel com um Major para averiguar a situação;
    • Marcello Caetano exige a chegada de um general para que “o poder não caia na rua”;
  • 20.
    • Chegada de Spínola que entra no Quartel do Carmo;
    • Marcello C. rende-se e entrega o poder a Spínola;
    • Marcello e os Ministros saem do Quartel num carro blindado vaiados pela multidão que grita “Assassinos!”;
  • 21. Novos Acontecimentos:
    • A PSP e a GNR entregam-se ao MFA;
  • 22. Forma-se a Junta de Salvação Nacional:
    • Pôr foto/vídeo